Domingo, 4 de Março de 2018
Waddell e Icke: Thor, deus nórdico, exterminador dos reptilianos

David Icke (29 de Abril de 1952) perfilha o ponto de vista do investigador Laurence Austine Waddell (1854-1938), coronel do exército, antiquário inglês, poliglota, autor do livro The British Edda (Christian Book Club, California, 1929), sobre as origens da raça ariana e sobre a  Edda ou Jardim do Éden. Waddell é o  autor da tese da luta em tempos primordiais entre a raça nórdica e a raça reptiliana da deusa Serpente que controla múltiplas organizações como os Illuminati, a irmandade da Babilónia,  as igrejas católica romana e católica ortodoxa, as igrejas protestantes, os cátaros, etc. Waddell salientou o papel do deus nórdico Thor, representado com o aspecto de um camponês munido de um martelo, campeão da luta contra as serpentes e os reptilianos.

 

«Waddell mostra uma série de provas para confirmar que o deus hindú Indra e o europeu Thor, do qual se origina a palavra Thursday (quinta feira) ou "Thors-day" (dia de Thor) são a mesma pessoa ou deidade. Também diz que a lenda de Thor é a origem das lendas do rei Artur. Thor é conhecido na Edda pelo nome de Her-Thor, que se converteu em Ar-Thur. Tanto Her como Ar procedem da mesma raíz semântica...ária. A neblina ainda se aclarou mais quando Waddell observou que o nome do primeiro rei ário dos sumérios na antiga Mesoptâmia respondia ao nome de Indara, In Dur, In-Tur ou rei Tur. Isto, diz Waddell, mais tarde se converteu em Thor no norte da Europa e em Prometeu para os gregos. Indara era o fundador tradicional da civilização e foi deificado pelos sumérios. Dizia-se que tinha derrotado os demónios e vencido a serpente-dragão e aos "gigantes" e os seus títulos sumérios são idênticos nos escritos sumérios e na Edda onde aparece com os nomes de Eindri ou Thor. Como Thor, Indara também aparecia retratado com um martelo pelos sumérios. »

 

(David Icke, La Hijos de la matrix, como una raza interdimensional controla el mundo desde hace miles de años, ,Ediciones Obelisco, Barcelona, pág. 232; o bold é colocado por nós).

 

«A Edda conta a história de como Thor-Indara liderou uma batalha constante contra o culto à serpente. O texto equipara «São Jorge», o vencedor dos dragões de Capadocia (Turquia), com o deus europeu Thor, que também foi um "vencedor de dragões".De ambos se dizia que tinham lutado contra os "dragões serpente do abismo" (os seus sistemas e bases de cavernas subterrâneas?). Na Edda, os seguidores do culto da serpente praticam sacrifícios humanos e bebem sangue. É a mesma história e outra vez encontramos a questão dos nórdicos ou ários em conflito com gente serpente.A Edda explica que havia três líderes principais deste culto da serpente: a deusa serpente, chamada El; o seu consorte, o ser masculino Wodan (Votan era o deus atlante do fogo); e o seu filho, Baldr ou Balder. Trata-se da "trindade" da serpente formada por mãe-pai-filho.» (ibid, pág.235; o bold é posto por nós).(...)

 

«As traduções de Waddell da Edda falam de como Thor, o "vencedor de dragões", fundou a sua capital em Capadócia fazendo-se chamar "São Jorge da Cruz Vermelha" e esta é a origem de Jorge de Capadocia, mais tarde de Inglaterra. Tratava-se de Thor/ Indara  outra vez, diz Waddell, e o mesmo pode dizer-se de Santo André, o santo patrono da Escócia, que vinha de Andvara ou Andvari, outro nome de Thor. A história de Jorge e da sua luta contra o dragão pode encontrar-se em todo o mundo de distintas formas. No Egipto, "Jorge" foi o deus do sol, Ra (Thor/ Indara, segundo Waddell) ; na Índia, foi Indra (Thor/ Indara); e no antigo Testamento hebreu foi Adão, com o seu título, Ia ou Jah, que assassinou a serpente. Thor ou "Goer" (George) matou El, a matriarca do culto à sepente, diz-nos a Edda, e foi simbolizada como a "serpente-dragão". Portanto, "Jorge" (Thor) derrotou o "dragão" (El). A história de Jorge e o dragão simboliza as batalhas com os reptilianos que vivem debaixo da terra.» (ibid, pp. 240-241; o bold é posto por nós).

 

O LOBO E O LEÃO COMO SÍMBOLOS DA SERPENTE, A CABRA E O UNICÓRNIO COMO SÍMBOLOS DE THOR

 

Prossegue Icke, descrevendo símbolos reptilianos e anti reptilianos:

 

«A obsessão da linhagem merovíngia com Tróia e a guerrra de Tróia pode compreender-se quando lemos a Edda. Fala de como a Tróia de Thor foi assaltada pelo culto à sepente "Edenita" dirigido por Odin. Os frígios adoravam a serpente antes de Thor os derrotar, e os tótens do culto à serpente eram o leão e o lobo. Esta é a razão pela qual a Frígia significa "terra dos leões". Ainda hoje os Illuminati utilizam profusamente o leão no seu simbolismo; basta observar a Grã Bretanha e a família real britânica. (...) O símbolo de Thor/ Indara e dos seus nórdicos era a cabra e logo esta evoluiu para unicórnio. Deste modo temos o simbolismo do leão (culto à serpente) que controla e encarcera a acorrentada raça humana e aos seus inimigos, os nórdicos (unicórnios).»

 (David Icke, La Hijos de la matrix, como una raza interdimensional controla el mundo desde hace miles de años, ,Ediciones Obelisco, Barcelona, pág. 241; o bold é colocado por nós).

 

É surpreendente o silêncio das igrejas em geral, em especial a católica e as cristãs protestantes, sobre a existência de reptilianos à superfície ou no interior do planeta Terra e sobre a sua simbologia presente nos cultos religiosos e laicos. Será que, como diz David Icke, a Virgem Maria é a deusa serpente El, e Balder, o seu filho, é Jesus Cristo? O Vaticano esconde na sua biblioteca documentos essenciais sobre a pré-história da humanidade, as raças alienígenas que desembarcaram na Terra, o carácter reptilóide das monarquias britânica, espanhola, holandesa, belga, etc. É também surpreendente o silêncio dos adeptos do espiritismo de Alan Kardeck, à excepção de alguns médiuns que confirmam a existência de seres metamórficos como a família real inglesa Windsor, Hilary Clinton, George Soros, Henry Kisinger, etc. Icke fala da destruição sistemática da cultura pagã e das suas chaves de interpretação pelas igrejas católicas e protestantes:

 

«Os Illuminati, mediante testas de ferro como Colombo, Cortés, Caboto e Cook, regressaram finalmente às suas antigas terras dos impérios de Suméria/ Atlântida/ Lemúria. Ali, em nome do "cristianismo" (uma criação dos Iluminati) destruiram sistematicamente todo o conhecimento antigo que puderam. Conseguiram-no principalmente mediante o genoicídio, sobretudo dos portadores do conhecimento, como os xamanes. Como diz Credo Mutwa sobre a experiência africana: "Ordenaram as mentes dos xamanes e então mataram-nos". (ibid, pág. 169; o bold é posto por nós).

 

É bom saber que quem entra num templo católico seja a basílica de Fátima, a catedral de Chartres ou a Notre Dame de Paris está a entrar num local de culto à deusa Serpente, à rainha Dragão e que toda a doutrina cristã da veneração do sangue e da cruz está de acordo com a ideologia dos reptilianos que sacrificam crianças e as classes socialmente mais baixas.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 00:05
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

17-19 November 2018: Mars...

17-19 de Novembro de 2018...

Equívocos no manual «Como...

Áreas 9º-10º de Touro, 26...

«Dicionário de Filosofia ...

Os filósofos, os astrónom...

Neptuno em 13º de Peixes:...

Equívocos nos manuais da ...

As Leis de Morgan, da lóg...

Lançamento em Beja de «Di...

arquivos

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds