Quinta-feira, 1 de Agosto de 2019
David Icke: os professores, cientistas e médicos servem os Illuminati

 

David Icke (29 de Abril de 1952, Reino Unido), o famoso teórico de uma das mais avançadas teorias da conspiração, a da existência de híbridos, reptilianos com forma humana, na pele de monarcas, presidentes da república, chefes de governos e de bancadas parlamentares, de bancos, presidentes de grandes grupos da indústria e do comércio e cadeias de rádio e televisão, líderes religiosos, a reger a humanidade construindo a Nova Ordem Mundial, escreveu:

 

«Instintivamente, soube desde uma idade muito precoce que as escolas eram lugares onde se elaboravam e afinavam os clones do futuro. Fui, portanto, um rebelde desde o começo. Nunca passei em um exame importante da escola (nunca fiz nenhum), nunca fui à escola secundária e à universidade, e fiz a minha aprendizagem por mimha conta e nos meus prazos. Os professores são guardiães cruciais para os illuminati, especialmente porque, por minha experiência, a grande maioria está incrivelmente desinformada sobre o resto do mundo. A maior parte só sabe o que a condicionaram a saber. Os professores, os cientistas, os médicos e os políticos informados são a última coisa que a Matrix deseja. Estar informado sobre o que está ocorrendo não é boa jogada profissional. Aqueles professores que estão informados e compreendem que o sistema é uma máquina de doutrinação podem explicar-nos as consequências de ter tentado desafiá-lo. O sistema "educativo" é uma correia transportadora bem oleada que aspira em uma extremidade as mentes virgens e as converte em adultos programados na outra extremidade. Há alguns que sobrevivem com os seus processos de pensamento intactos mas são muito poucos.»

 

(David Icke, Hijos de  Matrix, como una raza interdimensional controla el mundo desde hace miles de años, ,Ediciones Obelisco, Barcelona, pp 576-577; o bold é colocado por nós).

 

Quantos professores de biologia e filosofia denunciam a vacinação como uma prática absurda assente na ideia não comprovada de que um agente de doença, vírus ou toxina, introduzido no sangue humano "ensina" o organismo a defender-se contra futuras doenças? Quase nenhuns.

 

Quantos professores denunciam o controlo da informação, a censura oculta fascista, que se exerce na televisão, na rádio, na grande imprensa escrita e nas universidades onde é proibido debater o determinismo planetário na evolução das sociedades, a astrologia histórica, onde é proibido debater os efeitos nocivos da vacinação ? Muito poucos. A maioria é um rebanho que reproduz a ideologia dominante. Vivemos numa pseudo democracia, na Matriz ou realidade ilusória manipulada pelos senhores do mundo, os illuminati (George Soros, David Rockfeller, George Bush, Bill Clinton, rainha de Inglaterra, David Cameron, Tony Blair, Pierre Trudeau, Filipe VI de Espanha, etc.).

 

E quanto ao facto do ambiente universitário em Portugal estar condicionado basta dar este exemplo: a Lekton, portal informático que noticia o lançamento de livros de filosofia, de cursos e colóquicos universitários proibiu divulgar o nosso «Dicionário de Fiulosofia e Ontologia» porque este é dissidente do ensino oficial e coloca em causa o valor de filósofos famosos e autores de manuais escolares. Que é isto senão fascismo epistémico, fascismo em nome da «ciência» e da «autoridade da cátedra universitária»?

 

É ridículo que os catedráticos de filosofia, história e sociologia não conheçam a posição de Júpiter e outros planetas em cada dia do ano e ignorem, por exemplo, que em 25 de Abril de 1983, quando Júpiter estava em 9º do signo de Sagitário, o PS de Mário Soares venceu as eleições legislativas em Portugal e que em 1 de Outubro de 1995, quando Júpiter estava em 10º do signo de Sagitário, o PS de António Guterres venceu as legislativas em Portugal e que isso permita induzir que em 6 de Outubro de 2019, com Júpiter em 18º-19º do signo de Sagitário, o PS de António Costa vença as eleições legislativas.

 

E são isto inteligências universitárias? Merecem títulos de doutoramento quando não vêem a realidade óbvia e censuram?

 

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA, DIALÉTICA E EQUÍVOCOS DOS FILÓSOFOS», 520 páginas, 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), CONTACTA-NOS.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 18:05
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
Socialistas, Bloco de Esquerda e comunistas: impulsionadores da islamização fascista da Europa

 

A invasão islâmica da Europa, cristã e laicista, constitui hoje e nas próximas décadas um dos polos da contradição principal em termos geopolíticos. O outro pólo é o bloco de classes sociais que resiste a essa invasão. A classe operária europeia é patriótica e opõe-se à islamização da Europa pela entrada de imigrantes que lhe retira empregos e liberdades. À esquerda, falta um partido nacionalista, proletário, que desmascare os partidos socialistas, o Bloco de Esquerda e o PCP, que agem com um falso humanismo abrindo as portas à imigração islâmica conforme o planeado pelo clube de Bilderberg e a Comissão Trilateral.

 

António Costa, Catarina Martins, Francisco Louçã e Jerónimo de Sousa são de esquerda? Não, no que respeita à política de imigração. As esquerdas institucionais e o centro-direita permitiram o cerco e a degradação dos bairros operários dos seus países por centenas de milhar de imigrantes islâmicos que albergam uma latente hostilidade à cultura cristã e democrática europeia, obrigam as mulheres a usar véu, violam raparigas inglesas, suecas ou alemãs e sequestram as liberdades individuais. No Reino Unido, o país europeu com mais imigrantes islâmicos, a bandeira de São Jorge não foi hasteada no dia 23 de Abril para não ofender a bandeira do Islão por causa da cruz...

 

O Bloco de Esquerda, fundado em 1999, com Francisco Louçã, trotskista, dirigente do Partido Socialista Revolucionário, como coordenador é uma criação da maçonaria iluminati, tal como o Unidos Podemos de Pablo Iglesias, fundado em 9 de Maio de 2016. Louçã, professor universitário, é comentador televisivo em Portugal porque é inócuo para a burguesia cosmopolita europeísta: tal como Ângela Merkel apoia a entrada massiva de imigrantes islâmicos na Europa, a perda de soberania das nações a favor de um superestado europeu hegemonizado pela Alemanha e a França, a vacinação em massa das populações, sabendo, embora, que as vacinas contêm alumínio e mercúrio, produtos cancerígenos. O islamismo é a extrema-direita na Europa e é  esta corrente étnico-religiosa que os socialistas, os democratas-cristãos, os liberais e os filocomunistas do BE promovem autorizando a construção de mesquitas, construindo bairros onde o Islão domina e reina o medo, etc.

 

O Bloco de Esquerda mergulha no paradoxo: por um lado, proclama a libertação da muher implementando o aborto livre no Serviço Nacional de Saúde, fazendo com que os fetos, células estaminais, e plasma sanguíneo sejam vendidos às farmacêuticas que os vão usar na produção de vacinas; por outro lado, favorece a implantação na Europa do islamismo, uma civilização medieval incompatível com a democracia, que traz de África e da Ásia milhões de mulheres subjugadas a pais e maridos despóticos e gera terroristas, manipulados pelos serviços secretos israelitas, norte-americanos, britânicos, franceses e outros.

 

A ideologia de género defendida pelos socialistas de direita, como o PS português, e pelos socialistas de esquerda e filocomunistas, como o BE português e o Unidos Podemos Espanhol, ideologia que iguala ao pormenor em direitos a heterossexualidade, a homossexualidade e a transexualidade impondo o casamento gay e a adopção de crianças por casais do mesmo sexo espelha a mentalidade de um racionalismo abstracto, geométrico e falseador da realidade que é próprio da maçonaria. Isto visa criar seres psiquicamente andróginos, mais facilmente manipuláveis do que os que têm opções tradicionais, homem macho e mulher fêmea, bem definidas. Por exemplo, em 10 de Dezembro de 2018, a TVE noticiava que a Generalitat valenciana proibiu etiquetar os brinquedos segundo o sexo genético: nada de carrinhos militares para meninos, bonecas para meninas...as bonecas e os lacinhos cor de rosa são para todos os que gostarem, já que o conceito de género se opõe frequentemente ao de sexo orgânico com que a «malvada» natureza dotou cada um.

 

A classe operária, ao contrário da tese marxista, é essencialmente patriótica, nacionalista. Internacionalista é a burguesia que faz circular os capitais e mercadorias e as suas forças militares pelo mundo inteiro. A direita nacional anti islâmica ( Vox de Santiago Abascal, Front Nacional de Marine Le Pen, etc.) é, nesta fase, aliada da classe operária europeia. O nacionalismo democrático é a via de defesa da Europa e proclama : islamofascismo fora da Europa! Pare-se o fluxo de imigrantes oriundo de países islâmicos para o continente europeu!

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Derechos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:15
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 13 de Novembro de 2018
Vacinação ou o fascismo médico obscurantista
 
 
 
700 000 VACINAS «CONTRA» A GRIPE EM PORTUGAL, EM RESULTADO DA CAMPANHA DE INTOXICAÇÃO QUE GRAÇA FREITAS, AS AUTORIDADES DE SAÚDE E AS TELEVISÕES LEVAM A CABO. Pobres portugueses! Como são manipulados, enganados, envenenados pelos vírus das vacinas. São mentes incapazes de pensar e verificar - porque não há provas nenhumas da bondade das vacinas, pelo contrário. Que democracia existe se a TV não dá voz ao movimento anti vacinas? Graça Freitas, directora geral de saúde, foi neste dia 13 de Novembro de 2018, ao telejornal da RTP apelar «Vacinem-se pela vossa saúde! Ainda não sabemos qual é o vírus dominante da gripe este ano». Vivemos debaixo de fascismo médico-farmacêutico.
 
 
Vacinas têm mercúrio e alumínio, destruidores do sistema nervoso e factores de cancro e outras doenças. E o PCP, o BE, o PAN, o PEV denunciam a vacinação? Não. E a igreja católica e outras denunciam a pseudo ciência da vacinação? Não. E os filósofos, os professores de filosofia e de biologia, os sociólogos denunciam isto? Não. São cúmplices dos iluminati que promovem a vacinação a nível mundial para reduzir a população e mantê-la sob o controlo da indústria químico-farmacêutica. O mundo está na mão dos mentirosos, dos inimigos da espécie humana. Os alunos têm direito a matricular-se nas escolas sem apresentar boletim de vacinas, sem se infectarem com as vacinas, mas «eles», os reptilianos e seus cúmplices humanos do topo da pirâmide do Serviço Nacional de Saúde (!) pressionam para exigir o boletim...
 

David Icke escreve:

«Eis aqui um extracto do meu livro Infinite Love is the Only Truth - Everything Else Is Ilusion:

 

«O processo de fabricação das vacinas inclui o uso de macacos, embriões de frangos e fetos humanos, além de desinfectantes e estabilizadores como a estreptomicina, o cloreto de sódio, o hidróxido de sódio, o alumínio, o clorohidrato, o sorbitol a gelatina hidrolisada, o formaldeído e um derivado do mercúrio chamado timerosal. A vacina contra a difteria, a tosse convulsa e o tétano contém os seguintes componentes:

 

Hidróxido de sódio: Entre outras coisas, pode queimar os orgãos internos, provocar cegueira e dano pulmonar e tecidular; a sua ingestão pode ser catastrófica. Encontra-se nos produtos de limpeza de fornos, casas de banho e retretes.

Formaldeído: É uma neurotoxina que pode provocar cancro. Também pode provocar insónia, tosse, cefaleia, náuseas, hemorragias nasais e erupções cutãneas. Usa-se, de forma oportuna, para embalsamar cadáveres.

Ácido clorídrico: Pode destruir tecidos por contacto directo e encontra-se nos produtos de limpeza do alumínio e dos antioxidantes.

Alumínio: Produto tóxico e cancerígeno.

Timerosal: Um derivado do mercúrio e conservante sumamente perigoso. está composto por glicol anticoagulante e rtanol, ácido tiosalicílico, hidróxido de sódio e cloreto de etilmercúrio. Estas substâncias químicas são letais e podem provocar cancro ademais de dano cerebral e hepático.

 Fosfatos: Afogam todas as formas de vida aquática e encontram-se nos detergentes da máquina de lavar, e máquina de lavar louça e nos produtos de limpeza.

 «Este monte de lixo venenoso ataca o sistema imunológico que supostamente  deveria proteger e, mesmo assim, os pais estadunidenses estão sendo levados a julgamento por não permitirem administrar semelhantes produtos letais aos seus filhos. Advertem as pessoas dos potenciais efeitos que poderia ter o facto de que os seus filhos estarem em contacto com crianças que não se vacinaram e deste modo aterrorizam-nas com o fim de que aceitem esta tirania. Sem embargo, se se vacinaram, porque deveria ser isso um problema? Oh, sim, mas é. Simplesmente não querem que o saibamos. Para começar, o mercúrio é um dos primeiros suspeitos de provocar autismo nas crianças. Entre 1989 e finais de 1990 aumentou o número de vacinas infectadas de mercúrio e também o número de meninos com autismo.»

(David Icke, La conspiración mundial y como acabar con ella, Ediciones Obelisco, Barcelona, pp 819-820; o bold é colocado por nós).

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 09:36
link do post | comentar | favorito

Sábado, 15 de Setembro de 2018
É a vacinação que dissemina o vírus do sarampo no mundo, não a anti vacinação

 

Aí está, de novo nos telejornais, a propaganda a favor das vacinas, que as autoridades, incluindo o presidente da república Marcelo Rebelo de Sousa, capturado pelo lobby farmacêutico/ médico alopático, sem pensamento profundo, difundem por todos os meios. Vacinar é infectar o sangue com vírus atenuados ou com toxinas. Esta é a ideia que não podemos abandonar. As televisões, ao serviço das indústrias farmacêuticas e dos políticos do grande capital, dizem que há 41 000 casos de sarampo na Europa e que «a disseminação do vírus no mundo se deve aos movimentos antivacinas».

 

 

Mentira! A disseminação do vírus do sarampo deve-se ao incremento da vacinação. Conheço pessoas que se vacinaram «contra» o sarampo e.. contraíram sarampo.  A vacina não protege: introduz no corpo o ladrão, o vírus ou a toxina, a fase crónica ou subterrânea da doença, como provou J.Tissot, investigador francês de microbiologia que refutou as teorias de Pasteur. Ar puro, frutos e saladas, caminhadas diárias ou desporto, dieta vegan  impedem as doenças contagiosas. A coqueluche nos EUA desapareceu quase de 1900 a 1980 sem haver vacinação. Esta só foi introduzida na era Reagan (1981-1989) pelos conservadores virados para o negócio. Somos bombardeados com mentiras de anti pensadores, todos os dias...

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

  f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 15:37
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 28 de Março de 2018
Campanhas de vacinação: máfia médica da Organização Mundial de Saúde

A campanha que os grandes orgãos de comunicação conduzem a favor da vacinação visa enfraquecer a população e reduzi-la pois as vacinas, como caldos de vírus e toxinas, causam inúmeras doenças em organismos humanos que tinham saúde. Não te vacines, nem vacines os teus filhos! Vacinar-se é seguir o fascismo médico e encurtar a vida! A televisão mente e manipula a opinião pública. E não permite o contraditório, a discussão livre em programas televisivos. Só mentes obscurecidas, como as dos «cientistas», académicos e governantes, acreditam que as vacinas, que são infeções, «pequenas» doenças, previnem as doenças... A Direção Geral de Saúde, ao serviço da Nova Ordem Mundial dos transumanistas reptilóides ou annunaki, é desmentida por David Icke que escreve o seguinte:

 

«A doutora Guylane Lanctor expõe a realidade das vacinas no seu livro "A mafia médica". Afirma que as vacinas repetidas extenuam o sistema imunitário e expõem as pessoas a todo o tipo de doenças que as doenças do organismo repeliriam com normalidade. E numerosos estudos mostraram que as doenças estavam a descer a pique antes de que se introduzisse a vacina. Ian Sinclair, um investigador australiano, documentou as mentiras que se escondem atrás da vacinação em uma série de livros e artigos como "Health: The only Immunity". Afirma ter descoberto o seguinte:

 

- Provas gráficas e estatísticas mostraram que mais de 90 % da diminuição da taxa de mortalidade por doenças infeciosas ocorreu antes de que começasse a vacinação. Todas as revistas de medicina reconheceram que esta diminuição se devia a melhoras da saúde, da higiene, uma melhor nutrição e nível de vida. Por outras palavras, a vacina não era responsável por se ter eliminado as doenças infeciosas.
- Um ensaio com a vacina da tuberculose na Índia no qual participaram mais de 260 000 indianos deu como resultado mais casos de tuberculose entre os vacinados do que entre os não vacinados.» (...)

As consequências da vacinação para a saúde, tanto a longo como a curto prazo, são espantosas. Mas servem perfeitamente os Illuminati porque conseguem os efeitos mentais e de saúde que desejam para a população que querem controlar. Pensemos outra vez na pirâmide. Os que estão em cima, as linhagens annunaki, criaram e controlam a Organização Mundial de Saúde, que apoia mediante as suas declarações o plano dos Illuminati e suas empresas farmacêuticas». (David Icke, Hijos de Matrix, Ediciones Obelisco, pp 521-522).

 

Onde estão os filósofos que denunciam a vacinação? Estão fora das universidades porque a lecionação nestas está capturada por bandos de arrivistas, servos do poder global illuminati, que querem fazer carreira descansados, «sem política». Estão fora do ensino secundário, salvo raras excepções, porque o espírito de carneirada e a falta de intuição holística imperam em muitos grupos de professores de filosofia, biologia, etc.

 

 www.filosofar.blogs.sapo.pt

 f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:39
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2016
O ministro da Saúde apela à vacinação como desejam as multinacionais

 Adalberto Campos Fernandes, ministro português da Saúde do governo PS, apelou na Tv à vacinação em massa «contra a gripe» e disse que ele mesmo se ia vacinar em conjunto com o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Que estatura intelectual e moral têm estes políticos para embarcar na campanha das multinacionais farmacêuticas que lucram milhões com a mentira de que «as vacinas imunizam porque ensinam o corpo a defender-se»...?

 

Vacinar-se é infectar o sangue e encurtar a esperança de vida. É adquirir arterioesclerose, nefrites, perturbações do sistema nervoso, etc, porque os vírus atenuados das vacinas ficam dentro do corpo em ação nociva...

Carlos Brandt escreveu há dezenas de anos:

 

«Quando a medicina tiver estabelecido um dia uma vacina preventiva para cada uma das mil e uma doenças que ameaçam a espécie humana, os homens não terão tempo senão para se vacinarem constantemente. Pela minha parte, não reconheço como “ciência” uma seita médica, cujo ideal de saúde consiste em inocular no sangue das pessoas sãs o pus de animais empestados, que outra coisa não é a vacina.»

 

«É um ideal asqueroso, e ao mesmo tempo imoral, pois, como se sabe, para extrair a vacina é necessário em primeiro lugar empestar artificialmente – e sacrificar cruelmente – pobres e inocentes animais.» (…) «Tem circulado, em quase todas as línguas, uma obra muito interessante intitulada Envenenas-te e suicidas-te, de que é autor o Dr. Graefe. É um formidável libelo contra a vacina, no qual se citam as opiniões de mais de mil professores de Universidades e Médicos facultativos que foram alguma vez partidários da vacina e que agora a condenam».

 (Carlos Brandt, A superstição médica, Editorial Natura, Págs. 133-135, Lisboa 1949).

 

O biologista francês Pierre Valentin Marchesseau (1910-1994)escreveu a propósito das descobertas do médico e investigador francês J.Tissot sobre a nocividade das vacinas: 

 

«Os partidários de Pasteur atacaram violentamente Tissot desde o aparecimento da sua obra magistral em 1926. Na realidade, esta obra destruía as ideias pasteurianas ao mesmo tempo que era susceptível de pôr termo aos interesses particulares consideravelmente representados pelo fabrico e venda de soros e vacinas.» (...)

 

 «...O vírus das vacinas inoculado prejudica o organismo. Segundo o Dr.Tissot, os prejuízos que se verificam são:

 

1º As nefrites, problemas hepáticos, de glândulas e do sistema nervoso.

 

2º Todas as doenças do cértebro e da espinal medula, encefalites e mielites várias.

 

3º Arterioesclerose, enfraquecimento cerebral, etc.

 

4º Diminuição considerável da longevidade no homem.» (...)

 

«Tissot condena as vacinas antidiftéricas, antitetânicas, anti-rábicas, antituberculosas, BCG que não têm qualquer poder vacinador e que não protegem. A vacina antitífica é de rejeitar por perigosa. « Ela inocula de certeza (100%) a fase crónica da febre tifóide com os seus perigos, e isto para evitar o risco insignificante, quase nulo (1/20.000) de a contrair.» Tissot condena ainda os soros antidiftéricos e antitetânicos, que inoculam o colibacilo do cavalo, e que não têm qualquer acção.» (...)

 

«Para terminar, notemos que Tissot não toma posição definida com referência à vacinação antivariólica, que parece admitir, em detrimento da sua peremptória afirmação:

 

«Não se deve, seja qual for o pretexto, deixar inocular um vírus vivo, mesmo atenuado, nem um soro, nem qualquer produto proveniente de seres vivos. Exceptuam-se os produtos químicos isentos de elementos figurados».

 

(in Curso Completo Teórico e Prático de Biologia Naturopática, de PIERRE MARCHESSEAU, Nova Editorial Natura, Lisboa, 1970, Págs  100-101).

 

Proponho que o ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes se demita! O seu apelo à vacinação não respeita a opção dos que não vacinam os filhos e usam a ingestão de limões, laranjas, alho, cebola, vegetais frescos como purificadores do sangue, verdadeiros imunizantes. O ministro toma partido pela medicina alopática contra a medicina naturopática e outros tratamentos alternativos.

 

Só os pequenos intelectuais, medularmente estúpidos, acreditam na bondade da vacinação e no mito falacioso de que as vacinas fizeram desaparecer doenças. É tudo mentira: a medicina oficial é um monstruoso sistema de intoxicação das populações, ainda que, através de cirurgias ou tratamentos urgentes possa salvar milhares de vidas. Mata muitos com a medicação tóxica, com os transplantes de orgãos humanos (se o orgão está vivo, o dador «em morte cerebral» está vivo e é assassinado pelo cirurgião) e salva menos. Adalberto Fernandes, demissão, já!

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 13:16
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito (1)

Terça-feira, 26 de Julho de 2016
Notas pessoais de Junho e Julho de 2016

 

 Eis alguns apontamentos de carácter pessoal e extra pessoal que só a alguns interessarão, deste Junho e Julho de 2016.

 

AS MELHORES FÉRIAS SÃO AS QUE SE PASSAM EM CASA se tens uma casa tranquila, sem ruídos, higiénica, com uma paisagem circundante bela, boa vizinhança e outras condições favoráveis. Porque ir passar férias ao Brasil ou a Nova Iorque ou a Palma de Mallorca é um desgaste: rombo na conta bancária, horas perdidas nos aeroportos e entre as nuvens do céu, complicações com bagagens, hotéis que não correspondem em tudo, etc. Sobra apenas a vantagem de quem viaja ver milhares de caras e casas diferentes, museus, igrejas antigas ou castelos e seios femininos a flutuar pelas ruas e praias... As férias são uma fuga de ti mesmo/a. Ou uma fuga para entrar em ti mesmo/a?

 

PORTUGAL É UM PAÍS DE PEQUENOS E GRANDES LADRÕES E VIGARISTAS. Não são apenas os políticos que são aldrabões, dizia ontem o meu  amigo Joaquim Filipe Mosca. O pedreiro ou o pintor que contratamos para fazer obra em nossa casa ou quintal e que à noite ou ao fim de semana vem roubar o material que nós pagamos - blocos, sacos de cimento, latas de tinta, placas de peladur, lã de rocha, etc - é tão ladrão e aldrabão quanto o político.
 Não penses que pertences ao melhor povo do mundo. Nem penses que o Alentejo é absolutamente puro nas suas gentes: há de tudo, bons e maus...Está toda a gente muito corrompida pela mentalidade capitalista de ter, a todo o custo, um bom carro, ecrãs de plasma, uma choruda conta bancária e ricas mobílias em casa e roupa de marca. Para metade dos portugueses é só roubar ou enganar a outra metade!

 

FESTAS ATRÁS DE FESTAS, ESCRITA ATRÁS DE ESCRITA, MULHERES ATRÁS DE MULHERES (SEM SE ATINGIR A ELEITA, A GRANDE ILUSÃO DO AMOR) e depois? A morte, ao fundo do túnel colorido de paisagens e pessoas. Para mim e para cada um de vocês. Triste, não é? Inventamos a religião, a vida eterna para nos consolarmos. E falta-nos a coragem dos suicidas porque o sentido da vida é apenas obedecer ao determinismo astral, este mesmo rodeado de mistério. Em vez de Deus, a grande e implacável roda cósmica do Zodíaco onde tudo está escrito.

 

Só ontem, 29 de Julho, soube da morte, em 21 de Julho de 2016, com Saturno em 10º 13´/ 10º 11´ do signo de Sagitário, do meu amigo António Inverno, pintor, serigrafista e professor, maçon, membro da Grande Loja Regular de Portugal, antifascista. O destino dele estava marcado: nascera em Monsaraz a 26 de Outubro de 1944, com Plutão em 10º 12´/10º 13´ do signo de Leão. No dia da sua morte, 21 de Julho, Saturno fazia um trígono (ângulo de 120º ) exacto à posição de Plutão no dia de nascimento de António. Algo de grave iria suceder nesse dia 21 - e foi a passagem do seu espírito para o Oriente Eterno, donde não se regressa. António Inverno era um maçon honrado, protestava contra as manobras de empresários, agentes secretos e militares no seio da GLRP e opunha-se à Loja maçónica de Beja, dirigida por António Saleiro, que não considerava fidedigna.

 

PORQUE ESTAMOS PRESOS AO FACEBOOK? PORQUE ESTAMOS DESESPERADAMENTE SÓS. Se neste momento estivesse a f.... com ela,não estaria aqui no facebook.

 

A REPRESSÃO SEXUAL EM PORTUGAL, E EM ESPECIAL NO ALENTEJO, É BRUTAL. Todos deviam f... com quem lhes apetecesse sem restrições (salvo a pedofilia e a violação não desejada). Muitas mães e pais vigiam as filhas estupidamente. Uma vez, convidei uma mulher de 25 anos para sair comigo de carro - e nada lhe faria, porque não sou animalesco - e a mãe dela, presa do estúpido preconceito que um homem acima dos 50 não pode andar com uma rapariga de 25, recriminou-me e perguntou se eu não tinha.. remorsos. Dá vontade de rir.


A igreja católica romana é uma das grandes responsáveis desta repressão dos instintos do Amor Sensual, degrau para o Amor Espiritual, mas não é a única responsável. A principal responsável é a busca da estabilidade social, o instinto sociológico geral, normalizador, que faz com que as pessoas se fechem nos muros da família (forma suprema de egoísmo!), do casamento e do namoro blindado e imponham um padrão absolutamente dominante. Quanto mais apegada/o és à família, maior é a tua inibição sexual. A família é uma máquina de controlo da liberdade individual (as mães asfixiantes... o pai que vai ao jardim público puxar pelo braço a filha lésbica e, diante da namorada dela, a ameaça em nome da «boa» moral) , a família é um empecilho, sem embargo da sua utilidade em caso de doença ou solidariedade na pobreza.

 

Jesus negou dar importância à família de sangue. Diz o Evangelho:
«Enquanto ele ainda falava à multidão, achavam-se da parte de fora sua mãe e seus irmãos, procurando falar-lhe. Alguém lhe disse: Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e procuram falar-te. Mas ele respondeu ao que lhe falava: Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos? Estendendo a mão para seus discípulos, exclamou: Eis minha mãe e meus irmãos! Pois aquele que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, irmã e mãe.» (Mateus 12:46-50)

 


A perseguição aos gays, lésbicas, bissexuais e queeers em geral (excêntricos, como os crossdressers hetero) está incluida no modelo de família universal em vigor, nesse totalitarismo sexual cristão, islâmico e judeu, nesse totalitarismo anti-sexualidade livre. O que é preciso é f... consciente e livremente. Mas com preservativo, claro. 

 

PARA SERES FELIZ TERIAS QUE BEIJAR E POSSUIR CINCO MULHERES BELAS NA MESMA NOITE - ou 5 homens belos, de acordo com o teu sexo e orientação sexual - e mesmo assim a felicidade acabaria. Somos geneticamente polígamos, nós, os homens, mas a escassez de mulheres belas e jovens força-nos à monogamia. Deus agiu pesadamente connosco. Há-de haver uma Deusa mais liberal do que este Deus que nos vigia desde o Empíreo ou céu de fogo...(do grego empyrus (ἔμπυρος), "dentro ou sobre o fogo (pira)".

 

CADA VEZ GOSTO MAIS DE MULHERES DIVINAS, IRREAIS, CAPAZES DE NÃO SEGUIR A NORMA SOCIAL DOMINANTE. As namoradas penduradas nos «machões» alentejanos são pouco criativas, reprimidas, formatadas... Preciso de outro tipo de mulher que não tema os pais, os irmãos, os avós a vizinhança, uma mulher capaz de defender o seu homem com unhas e dentes, por convição, por partilharem ambos atitudes e ideais excêntricos que fogem à mediocridade da vida dos/das preconceituosos/as.

 

PONTE DE SERPA SOBRE O GUADIANA, OBSERVATÓRIO DO CÉU. 25 de Julho de 2016 às zero horas. Paro o carro no parque junto à ponte sobre o Guadiana, sentido Serpa-Beja. Em Serpa, cidade mágica que me prende de encanto, ouvi cantar os Trigo Roxo na Praça da República. Agora, junto ao Guadiana, olho o céu com rutilantes estrelas, sem lua visivel. Do lado sul, a constelação de Escorpião que cobre quase todo o signo (30º de arco) de Sagitário, pois estende-se de 24º a 29º do signo de Escorpião e de 0º a 27º do signo de Sagitário.

 


Dirijo-me a Antares, estrela da constelação de Escorpião, situada em 10º do signo de Sagitário, vizinha do meu Sol de nascimento em 11º do mesmo signo: «Oh poderosa radiação de Antares, protege os meus pedidos e projectos!». Faço o mesmo voltado para a estrela polar que tem «em baixo» à sua esquerda o trapézio da Ursa Maior e à sua direita «em baixo» o W da Cassiopeia. Há uma religião das estrelas fixas - ou dos graus do Zodíaco, que são 360 - e gosto de praticá-la intuitivamente. Falar com as forças da natureza e com as estrelas é sinal de inteligência cósmica - até os minerais nos ouvem, daí a eficácia das estátuas na formulação de pedidos. O céu rutilante do campo alentejano, eis o meu altar!

 

O FINAL DAS NOITES DA NORA EM SERPA. 23 de Julho de 2016. Às 22.40 horas chego a Serpa. Junto à imponente muralha encimada pelo aqueduto (tipo Segovia) há um mercado livre de roupas, livros, peças de artesanato. O Francisco Manuel La Féria, professor e director do agrupamento de escolas, saúda-me. É agradável reencontrarmos os colegas, os amigos. Dentro da Nora de Serpa, é o encerramento do ciclo «Noites na Nora» , 17ª Edição, de 8 a 23 de Julho de 2016, organizado pela Companhia de Teatro Baal 17 sob a supervisão de Rui Ramos.


Há música ao vivo e acabamos muitos a dançar frente ao palco. Não sou bom dançarino mas movo-me. Margarida, que mal conhecia, sorri-me e diz: «Eu pensava que eras um bófia à paisana mas na segunda de madrugada vi que eras um ator. Disseste coisas que toda a cidade de Serpa devia ouvir (na segunda, 18 de Julho, fiz um discurso de uns 25 minutos, vestido em crossdresser, ante o público, um discurso sobre sentimentos e máscaras da sexualidade e arrisquei a minha imagem, sem receio, dizendo que «todos os homens gostariam de se travestir por diversão mas temem», que «os homens de 50-60 anos apreciam mais as mulheres de 25 anos do que as de 45 ou 55 mas não o dizem por medo», etc.). No meio do frenesi da dança, sou beijado e abraçado por uma Capricórnio, tudo numa boa. Basta sorrir e entrar na dança e as barreiras entre as pessoas e as gerações atenuam-se. E percebemos que somos amados, ainda que de forma difusa, frágil. Ninguém ama ninguém e todos amam todos - é a lei da promiscuidade mental-afectiva que Deus estabeleceu.


Há as mulheres ontológicas - as que pertencem ao ser, ao eterno, as belezas arquetípicas - e as não ontológicas - as do devir, mais instáveis e mutáveis. Mas em toda a mulher há uma fragilidade: o gosto de ser cortejada, a permeabilidade aos elogios que abre caminho ao suave beijo no pescoço. Basta o homem insinuar-se. Não podemos levar-nos demasiado a sério, porque falhamos, nem podemos ser mentirosos, levianos. Deixar correr o rio do tempo mas não desperdiçar o salto sobre o precipício do encantamento...

 

QUANDO OS DEUSES DA PAIXÃO NOS DEIXAM é um descanso. O mar das emoções acalma-se, recolhe as ondas e fica azul e luminoso como um lago. Também nos cansamos de estar sempre apaixonados por elas e viceversa. Mas que aconteceria se o dissessemos em voz alta? Romperíamos ou abalaríamos as ligações que custa tanto a construir..


MESMO QUE NÃO ME AMES, MULHER BELA, EU AMAR-TE-EI DENTRO DE MIM E AMAR-ME-EI A MIM MESMO. Seremos um casal dentro de mim, faremos amor todas as noites num quarto com lençóis brancos e puxadores dourados nos armários, quarto esse dentro da minha alma. Venci-te: sou o mais persistente no amor.

 

AMO-TE PORQUE ÉS BELA, DOCE, FEMININA. Não me importa se és muito ou pouco inteligente. Podes até ser um pouco estúpida ou não teres curso universitário por não teres dinheiro ou nem sequer teres feito o 9º ano de escolaridade ou seres operária agrícola, empregada de bar ou de loja e amo-te sempre desde que sejas linda e doce. Mas se fores feia e muito inteligente, empresária rica ou professora universitária, médica ou arquitecta não te amo. Porque beleza e doçura é o que mais interessa numa mulher.


CULPABILIDADE- E tu, já oraste hoje? E pediste perdão a Deus pelo «belo» bife de porco que comeste e que exigiu que um porco fosse morto por tua causa?

 


A IMPERFEIÇÃO QUE ENCONTRAS NA RELAÇÃO COM OS OUTROS PODE SER COMPENSADA COM A PERFEIÇÃO NA RELAÇÃO CONTIGO MESMA/O. Ama-te a ti mesma/o. Não fumes, não bebas alcool, não destruas o teu corpo que és tu mesma/o. Não te esgotes na procura incessante de ganhar dinheiro ou de agradar a outros (à namorada, ao namorado.. aos amigos) porque os outros amam-se a si mesmos e só te amam às vezes, daí as traições, as desatenções, o mal dizer, a falta de apoio quando precisavas.

 

UM LIVRO INTERESSANTE PARA LER E MEDITAR E GUIAR-NOS NO MUNDO DO AMOR: o título é «Eu amo-me e às vezes a outras pessoas», da editora 4 Estações. Aí lemos:

«A função do amor é expor o cerne divino de quem somos. O amor queima o que não é real. Por isso ao apaixonar-me completa, louca e profundamente por alguém, agarro-me à confiança de que o que é real permanecerá. Independentemente dos resultados do amor, a verdade sobre quem, de facto sou, resistirá». (Meggan Waterson, pág 87).

 

MESMO QUE TENHAS A NAMORADA OU A ESPOSA MAIS BELA E AFÁVEL DO MUNDO, SENTIRÁS SEMPRE UMA FRUSTRAÇÃO LATENTE INERENTE À VOSSA RELAÇÃO. Porque tens medo de a perder ou estás farto dela, em certos momentos, ou achas que te ofendeu ou que tem uma doença difícil de curar ou tem uns pais irritantes e antipáticos... A vida é sofrimento, dizia Buda. 

 

PORQUE NÃO BEBES DIARIAMENTE UMA COLHER DE CAFÉ DE ARGILA DILUÍDA EM ÁGUA? Esta medicação natural tem feito desaparecer úlceras gástricas e duodenais, tumores, colesterol em excesso, reumatismos, artroses, hepatites, etc, porque a argila absorve as impurezas e fá-las sair do corpo pelo intestino ou pelo sistema urinário.


 Ris? Já viste coisa mais estúpida do que troçar dos efeitos da argila, que não experimentaste, e acreditar que os vírus e toxinas que as vacinas te metem no corpo ajudam este a manter a saúde? Tu não podes acreditar em tudo o que a medicina oficial te diz porque aquilo é um negócio, antes de mais

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 13:49
link do post | comentar | favorito (1)

Quarta-feira, 9 de Março de 2016
Notas pessoais, filosóficas ou não, de Março de 2016

 

 

Eis algumas notas de vida pessoal com reflexões avulsas que só interessarão a uma parte dos leitores deste blog.

 

NÃO HÁ O «FAZER AMOR»-O amor não se faz: sente-se, como contemplação estética de outrém ou como comunhão espiritual com outrém. Aquilo que se «faz» com uma parceira ou um parceiro é troca física de carícias, manipulação do corpo da/o outra/o de modo a atingir o orgasmo e isso não é fazer amor, mas fazer actos sexuais que são, sobretudo,amor-próprio

 

O AMOR É, DE CERTO MODO, UMA EXPLORAÇÃO DE ALGUÉM. Não «exploração» no sentido de descobrir ou percorrer o corpo ou a alma do ser amado. Exploração no sentido de apropriação do que não é nosso, da beleza, do corpo, da personalidade da outra pessoa, no sentido de extração de mais valia: amo-te mas quero que me sejas fiel, que me beijes e acaricies e ajudes na lida da casa, no prestígio social (estar casado dá estatuto) ou no aumento da conta bancária. Estou a desfrutar-te e a explorar-te subtilmente.

 

O VERDADEIRO AMOR É NÃO GOSTARES DE MIM MAS VIVERES COMIGO E EU TER DESEJO SEXUAL DE TI. E assim continuarmos pelos anos fora, deitando fora essas baboseiras do «amo-te muito». Eu amo o teu corpo - a ti não sei se amo porque és invisível. Onde está a tua alma? Mas sou-te leal e apoio-te sempre.

 

O QUE MAIS ME ATRAI NA MULHER? O rosto e os seios.

 

AMO-TE TANTO QUE O AMOR DESAPARECEU. O ser e o nada remetem um para o outro.

 

O DUPLO CARÁCTER DO CASAMENTO. Para as feministas, defensoras da mais radical liberdade individual, o casamento é uma capitulação da mulher face ao homem que, assim, a aprisiona e submete ao seu capricho (os homens são porcos, só pensam em sexo físico). Para os noivos apaixonados, o casamento é o alicerce de uma relação de «amor eterno» e não carece de ser alvo de ironia ou desmontagem - mas Saturno ou Cronos, senhor do tempo, acaba por enrugar a relação entre os cônjugues e introduzi-la no deserto da monotonia.

 

AS MULHERES BELAS SÃO COMO OS CASTELOS ALTANEIROS. Inconquistáveis. Podes conquistar-lhes o corpo mas nunca a alma, a não ser temporariamente, no momento do riso, do beijo ou do orgasmo. Elas são superiores a nós, homens, em engenho e arte de sedução. O Don Juan, o mais feminino dos homens, é capaz de conquistar muitas mas no final sai derrotado. As mulheres só se deixam conquistar por homens com algo de feminino na alma - e um orgão sexual masculino, claro.

 

QUANDO FORES VELHA E FEIA DEIXAREI DE AMAR-TE. Mas isso nunca acontecerá porque te escolhi, mulher, dezenas de anos mais nova que eu. Assim o amor não falhará porque o amor é sempre o amor da forma bela e da harmonia de carácter

 

É TÃO BOM TER UM CORPO JOVEM DE MULHER NA NOSSA CAMA. E quando não se tem? Há uma sensação de privação estética e orgástica. Mas isso não significa que valha a pena arrastar qualquer mulher para a cama. Afinal o acto sexual é anti higiénico e só pode levar-se a cabo mediante uma alta emoção estética, um encantamento. É por isso que rejeito sexo com mulheres da minha idade ou até 10-15 anos mais novas. A carne deve ser o mais espiritual possível e para isso o adequado é uma jovem de 25 a 30 anos de idade. Rejeito também comer carne: é um caldo de purinas e cadaverinas. Rejeito, na minha vida pessoal, qualquer acto homossexual entre homens, é repulsivo biologicamente - mas defendo os gays e as lésbicas, o direito a serem como são, felizes ou em busca da felicidade. Só gosto da mulher que me habita interiormente. E de algumas mulheres exteriores fisicamente. E hoje, às 7 horas da manhã, havia uma circunferência luminosa projectada na parede do meu quarto pela luz solar vinda da janela de um outro quarto..sinal de quê?

 

DOIS DIAS E MEIO NO PORTO POR CAUSA DO MEU FILME NO FANTASPORTO. À 1.40 da madrugada, de sexta feira, 4 de Março de 2016, chego ao Porto, após 8 horas de viagem desde Beja por autoestrada - eu guio a 80-90 km por hora, poupo o carro antigo e paro em locais diversos para comer algo, tomar café e descontrair. Na sexta de tarde, pelas 16 horas e pico entro no cineteatro Rivoli onde decorre, desde 26 de Fevereiro, o Festival Internacional de Cinema do Porto denominado Fantasporto. Um grande festival com mais de uma centena de filmes a ser exibidos ora no grande auditório ora no pequeno auditório.

 

A minha curta-metragem de 11 minutos «Adão Andrógino no Alentejo» feita com a magnífica equipa da Videoplanos ( Frederico e Nelson) é exibida cerca das 18 horas em competição com outras 10 curtas metragens portuguesas selecionadas: «O que é feito dos dias na cave», de Rafael Almeida ; «Quarto em Lisboa» de Francisco Carvalho ( vencedor; inclui a actriz conhecida Custódia Galego); «Cinestesias» de Luís Miranda; «A peça» de Bruno Canas; «Nature experiences» de Martin Dale; «São João» de Maria Nery; «Motorphobia», de Isabel Pina e Ricardo Figueira; «Senhor Jaime» de Cláudio Sá; «Esta noite vi dois marcianos de smoking» de Filipe Canêdo e «Palhaços» de Pedro Crispim. Fui chamado ao palco, frisei que nasci no Porto e sou mais de Beja onde vivo e trabalho há 28 anos. Ser selecionado já é uma vitória, um reconhecimento de qualidade.

 

No final da exibição, Josep C, fotógrafo do festival, intelectual catalão, do bairro de Graciá em Barcelona vem ter comigo e diz-me: «O teu filme encantou-me quando começas a cantar uma canção a Buenaventura Durruti, o grande líder anarquista espanhol, morto em 19 de Novembro de 1936, em Madrid. Durruti é venerado na Catalunha pelas esquerdas revolucionárias. Em Portugal ninguém o conhece». E falamos do Partido Obrero de Unificación Marxista (POUM), de que fui simpatizante, esmagado em Junho-Agosto de 1937 pelos estalinistas que assassinaram Andreu Nin, o líder poumista. Josep narra que na comemoração dos 60 anos da fundação do POUM, portanto em 1995, na sede do Parti Socialista de Catalunya, em Barcelona, um velho militante do POUM octogenário emocionou-se ao evocar um camarada e morreu de ataque cardíaco. Enfim, se há vidas anteriores eu creio que posso ter combatido nas fileiras da 83ª Brigada Mista do Exército Popular da República Espanhola , criada no sector Este da frente de Teruel, em 1937, com base nos batalhões anarquistas da antiga Coluna de Ferro saída de Valencia...

 

Janto em casa de um irmão, no Porto, e, já na madrugada de domingo, saio com o irmão e um primo e respetivas consortes para a zona dos Clérigos, na baixa do Porto, onde há centenas de bares abertos e milhares de pessoas a divertir-se, apesar do frio da noite. Entramos na «Galeria de Paris» e depois no grande bar «Destilaria», na Rua Cândido Reis, com dois grandes espelhos em duas paredes uma em frente da outra. Muito agradável estar ali. Ao fim de semana, o Porto supera Beja para quem precisa de música entre a multidão. Mas tudo é relativo. Ser jovem, audaz e optimista é que é bom. Os jovens é que beijam bem, não usam placas dentárias...Almoço com a filha, neste domingo, uma querida que põe reticências às incursões cinematográficas do pai, e volto a Beja às 16,30 horas, guiando, orando e cantando fados. Só nesta madrugada de 7 de Março entro em casa. Para levantar às 7.30 horas da manhã e voltar às aulas. Tudo correu bem 

 

OS MACHOS LATINOS- Há pouco eu disse a uma amiga: os machos latinos sao apenas mulheres musculadas viradas do avesso. Mantenho esta tese.

 

GOSTAVA DE VIVER MARITALMENTE COM DUAS MULHERES JOVENS E BELAS (20-25 ANOS) NA MESMA CASA.  Seria amor a três. Assim, o ciúme diminuiria. Seria possível um diálogo não asfixiante, a constituição de alianças táticas no plano afectivo. Seria a Trindade: a Mãe, a Filha e o Santo Espírito. E Deus proibe isto? Afinal amar duas mulheres ao mesmo tempo, uma em presença da outra, não é trair, nem cometer adultério. É sinceridade, generosidade no amor. A fidelidade exclusiva a uma parece ser demasiado egoísta. Somos gnósticos, não católicos romanos. Não cremos no papa Francisco mas sim nos Eóns do Pleroma, no Deus da Luz. A única lei divina é a Lei do Amor: ama como quiseres desde que não oprimas os seres a quem amas e lhes permitas devolver-te livremente o amor e ser feliz.

 

VIVER COM UMA «MIÚDA» DE 20 A 27 ANOS DE IDADE FAZ BEM. Porque ela está no auge da beleza física e esta corresponde, muitas vezes, a maior beleza espiritual. Porque não tem «pneus» nem teve muitos homens a conhecer-lhe o corpo. Porque não tem filhos. Porque acredita, moderadamente, no amor romântico, o amor de toda a vida. Porque ainda tem os pulmões pouco poluídos do fumo do tabaco. Porque é gentil e ardente a fazer amor. Porque usa sutiã que lhe realça os seios firmes. Porque a mãe dela critica; «Ai filha foste juntar te com um homem que podia ser teu pai, pela idade»

 

DEUS AMA MAIS AS PROSTITUTAS E OS TRAVESTIS DO QUE AS MULHERES CASADAS E OS HOMENS NÃO TRAVESTIS. Porque as prostitutas e os travestis correm riscos e são perseguidos por grupos violentos e homófobos ao passo que as mulheres casadas e os homens vestidos no masculino, como eu, estamos tranquilos no redil da normalidade dos costumes sociais felizes.

 

O PROBLEMA É O CORPO. Estive sentado na esplanada do «Luís da Rocha». Uma senhora de uns 70 anos, magra, muito enrugada senta-se na mesa ao lado. Era certamente bela, aos 20 ou 22 anos, as idades da B., da K., da M., etc. E penso: «O problema é o corpo, no amor conjugal. Um corpo de mulher jovem é sempre preferível ao de uma mulher velha. Isto é incontornável. Coitada ou coitado de quem transporta as marcas do envelhecimento visível e real. Já não pode amar como os jovens. Não me venham dizer que a idade não conta.»

 

NÓS, OS VIVOS, SOMOS UM BANDO DE REFUGIADOS que atravessamos o continente da existência para escapar à morte.

 

PARA QUE EXISTE A BELEZA? Para suportar a dureza, a crueldade sem limites da existência. A beleza é o véu de Maya, a deusa da ilusão das formas, como diria Nietzsche. A beleza do bebé e da criança dão alento e recompensa a quem cuida deles. A beleza da mulher jovem atrai os homens, leva-os a lutar por conquistá-la com um comportamento adequado, automóveis, jantares, bailes, idas ao cinema - onde a vida flui e palpita. A beleza é aliada da vida mas a desigualdade existe: há mulheres muito belas e há mulheres feias (as muito velhas em especial). As mulheres maquilham-se porque sabem que isso acrescenta beleza ao seu ser exterior.

 

UMA SIMPLES FOTO PODE DISSIPAR UMA PAIXÃO. Gostamos das mulheres por causa da sua beleza física, revestida de simpatia e graciosidade. Mas uma simples foto delas, desfavorável - sobretudo quando não conhecemos ao vivo essa mulher por quem nos apaixonamos idealmente - pode destruir a paixão. Porque esta obedece a estritos cânones de beleza

 

BEJA VERSUS LISBOA- Em Beja, há uma calma e uma qualidade ecológica superior a Lisboa. Encontro na rua a S. que me diz: «Agora trabalho em Lisboa. Não tem nada a ver com Beja. Nunca acontece nada em Beja, há um controlo social grande, as pessoas olham-nos como se estivessem a cobrar-nos algo. Em Lisboa, somos livres, ninguém nos conhece. Podemos ir aqui e ali, ter aventuras amorosas, ninguém nos vai pedir satisfações.» E não será verdade?

 

SUICÍDIO - 15 de Março de 2015. Em final de período, os alunos do 11º pedem-me um tema livre para discutir na aula inteira. Escolhem: o suicídio. O Miguel acha que suicidar-se é uma cobardia. Pergunto: e os samurais japoneses que, por se sentirem desonrados, espetam uma espada no seu próprio ventre, são cobardes? Falamos do suicídio por amor: «é uma estupidez» dizem os alunos, significa que «a pessoa se fechou obsessivamente no afeto a uma só pessoa». A Claire diz: «Bom é não estar preso amorosamente a ninguém e viver a adrenalina de se interessar, no momento, por esta ou por aquela pessoa»....Fora da escola, alguém me diz que num estabelecimento de ensino X, um aluno fala em suicidar-se por ter tido notas baixas e não se sentir bem tratado por alguém docente. Preocupante. Os adolescentes escolares são a nossa razão de ser enquanto professores. Temos de falar, sem culpar ninguém.

 

NICOLAU BREYNER E O AZAR DE CORAÇÃO EM SERPA-Em 13 de Março de 2016, discuti com uma mulher que amo, originária do concelho de SERPA, e ficamos um pouco «azedados» de CORAÇÂO (eu não, porque tenho sentimentos firmes de amor terno e eterno, já não sou adolescente). Em 14 de Março de 2016, o célebre ator Nicolau Breyner, originário de SERPA, morreu de ataque de CORAÇÂO. Fui eu ou ela quem matou telepaticamente Nicolau Breyner? Ou fomos ambos? Se não tivessemos discutido - ela uma SERPENSE - teria Nicolau (SERPENSE) morrido no dia seguinte?.

 

BEBER ALHO FERVIDO EM LEITE CURA. Uma amiga enviou-me a seguinte mensagem: «Venho informa-lo de um argumento para a sua tese de que os medicamentos não prestam. Como sabe, tenho estado doente e receitaram-me um xarope e um spray, que apenas me fizeram ficar pior. No entanto, soube de uma receita que é ferver alho em leite e beber tudo, incluindo o alho. Apenas bebi 3 vezes e melhorei quase que instantaneamente. O que acha?».

 

O que acho? Penso, de acordo com Ivan Ilich e outros, que a medicina oficial alopática é uma indústria do lucro, que mantém artificialmente a multiplicidade de doenças em toda a humanidade ao não proibir o consumo de carne, alcool, tabaco, açúcar refinado, fármacos iatrogénicos, vacinas, pão branco e cereais refinados.

 

ACREDITAR QUE UM VÍRUS ATENUADO OU UMA TOXINA INJECTADA NO CORPO ATRAVÉS DA VACINA ENSINA O CORPO A DEFENDER-SE CONTRA UMA DOENÇA É UMA ENORME INGENUIDADE... OU UMA ENORME ESTUPIDEZ. Um tóxico (vacina) introduzido no corpo só acrescenta mais toxicidade ao sangue e envenenamento lento aos orgãos internos. Mas a medicina oficial que temos, herdeira das «poções mágicas» de feiticeiros, acredita na imbecil doutrina da vacinação. Não vacines os teus filhos. Muita gente nos EUA se está a revoltar contra a vacinação que o Estado quer tornar obrigatória ou semi obrigatória.. Luta! O corpo é teu! Ninguém tem direito de o infectar com a picada mórbida da linfa de animais doentes.

 

SINCRONISMO CAVACO SILVA-PERDA DE RELÓGIO. Em 9 de Novembro de 1995, o candidato presidencial Aníbal CAVACO SILVA visitou a sua sede de candidatura na cidade de Beja. Eu passei no local com minha filha mais nova e peguei nela ao colo para ver, de entre a multidão, o político em causa. Ao chegar a casa, notei que PERDERA O RELÓGIO que tinha no pulso. Voltei ao local de onde a pequena multidão se evaporara e, perguntando, consegui que alguém me devolvesse o RELÓGIO.  

Em  9 de Março de 2016, CAVACO SILVA foi substituído por Marcelo Rebelo de Sousa como presidente da República Portuguesa. Horas depois fui à pastelaria O RELÓGIO, na vila da Vidigueira, ver na TV o jogo de futebol Zenit-Benfica e a PULSEIRA METÀLICA DO MEU RELÓGIO DE PULSO quebrou.

 

Que significa este sincronismo entre destaques de CAVACO SILVA e PERDA OU DANO DO RELÓGIO que levo no pulso esquerdo? Que Cavaco Silva «é» um relógio, um autómato? Que acelera ou atrasa a marcha do tempo?

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 23:43
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito (1)

Domingo, 20 de Julho de 2014
Erros na Prova 714/ 2ª Fase de Exame Nacional de Filosofia em Portugal, 2014

 

Vários erros pautam a construção de perguntas de escolha múltipla no exame Nacional de Filosofia, Prova 714/ 2ª Fase, realizada em 17 de Julho de 2014. Vejamos exemplos de questões em que se pede seleccionar a «única opção correcta» entre quatro hipóteses, na versão 1 desta prova.

 

«2. Os deterministas moderados defendem que:

(A) Nenhuma acção é causada

(B) todas as acções são causadas e algumas são livres

(C)  nenhuma acção é livre.

(D) todas as acções são livres e algumas não são causadas.»

 

Segundo o autor ou autores da prova a resposta certa é a (B).

 

Crítica minha: nenhuma das respostas está correcta.  A hipótese B é incoerente: se todas as acções são causadas ( isto é: determinadas por um mecanismo não livre; o termo «causadas» é uma das imperfeições da filosofia analítica) então algumas não podem ser livres porque livre exclui causado/determinado. Ora o que dizem os «deterministas moderados»? Que grande parte das acções humanas são causadas, isto é determinadas, obedecem a leis necessárias - exemplos: escolher um emprego a ganhar menos que o salário mínimo nacional porque há fome em casa (determinismo biológico) e é preciso empregar-se de imediato; encher-se de pânico e fugir de um incêndio que irrompe em um compartimento - e a outra parte são acções livres, geradas no livre-arbítrio - exemplos: optar racionalmente entre frequentar a faculdade de arquitectura ou a faculdade de letras; escolher o lugar onde se vai passar férias, após estudar as rotas, os preços, a paisagem, etc.

 

Vejamos outra questão.

 

«7. Considere as seguintes afirmações:

 

1. Os juízos de valor são apenas uma questão de gosto pessoal.

2. Em matéria de valores, todas as opiniões são erradas.

3. Os juízos de valor dependem dos contextos sociais.

 

Acerca dos valores os relativistas consideram que:

(A) 1, 2 e 3 são verdadeiras.

(B)  1 e 2 são verdadeiras; 3 é falsa.

(C)   3 é verdadeira; 1 e 2 são falsas.

(D)   1 e 3 são verdadeiras; 2 é falsa.»

 

Segundo os autores da prova, a resposta certa é a (C).

 

Crítica minha: A resposta correcta é a (D). O que é o relativismo? É a doutrina segundo a qual a verdade, os valores, variam de época a época, de país a país, de classe a classe social no interior de cada país, de pessoa a pessoa (subjectivismo). O relativismo inclui o subjectivismo, expresso  no conteúdo na frase « 1. Os juízos de valor são apenas uma questão de gosto pessoal.» . Logo, os juízos 1 e 3 são professados pelo relativismo (note-se que o autor do exame nem tem clareza suficiente para definir relativismo) e, portanto, só a resposta D está correcta.

 

«8. De acordo com Rawls, o véu da ignorância garante:

  (A)  Que nenhum sujeito se encontra na posição original.

  (B)  que a posição original tem um carácter hipotético.

  (C) a equidade na criação de uma sociedade igualitária.

  (D) a equidade na escolha dos princípios da justiça.»

 

Segundo o autor da prova, a única resposta certa é a (D).

 

Crítica minha: há duas respostas correctas, a (B) e a (D). A posição original é, na teoria de Rawls, a situação de uma democracia de base, uma grande assembleia de cidadãos, que desconhecem a riqueza e a influência político-social uns dos outros (véu de ignorância) e que debatem livremente e escolhem as leis do país ou região a que pertencem.  Trata-se  de uma situação hipotética pois é impossível abstrair das pessoas reais que debatem e do seu currículo - o grande empresário X, o deputado Y, o ex presidente da república Z. Portanto, a resposta B está certa, além da D.

 

Vejamos outra questão superficialmente concebida.

 

«10. Segundo Kuhn existem períodos de ciência normal, durante os quais:

 

(A) se registam progressos cumulativos.

(B)  diversos paradigmas competem entre si.

(C) os cientistas procuram a falsificação de teorias.

(D) nunca se descobrem anomalias.

 

Segundo os autores, a única resposta certa é a (A).

 

Crítica minha: as respostas A e B estão correctas. De facto, na fase da ciência normal, isto é, durante a década ou décadas ou séculos em que um paradigma reina incontestado - exemplo: a vacinação, desde o início do século XX - há sempre resistência a esse paradigma, competição com outros paradigmas, ainda que essa competição seja abafada, silenciada. No caso da vacinação, desde o século XIX até hoje sempre houve o paradigma da não vacinação, que apresenta as vacinas como perigosas, factores de degenerescência da raça humana, e apresenta a saúde natural (alimentação de base frutariana, exercício físico adequado, etc) como alternativa à inoculação no homem de toxinas de animais, em competição com o paradigma oficial.

 

Este tipo de erros em uma prova nacional de filosofia demonstra bem a mediocridade intelectual do autor ou autores, provavelmente académico/os a leccionar filosofia na universidade. E é o espelho de uma universidade portuguesa onde predomina o discurso retórico falacioso, a ignorância do pensamento dialético, o sectarismo vesgo dos «lógicos» da filosofia analítica.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 10:28
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2011
O Routledge Dictionary of Philosophy confunde subjetivismo com prescritivismo e com emotivismo

 

Sobre o subjetivismo escreve o Routledge Dictionary of Philosophy:

 

 

« SUBJETIVISMO Ponto de vista ou pontos de vista que afirma que o que aparece como sendo verdades objetivas ou regras em certas esferas, nomeadamente em ética, são realmente ordens disfarçadas ou expressões de atitude, etc, por exemplo, "Mentir é errado" devia ser encarado não como declarando um facto objetivo, mas como sendo realmente a ordem "Nunca mintas!" ou uma expressão de hostilidade do orador em relação a mentir, como "Mentir! Grrr!" (ver NATURALISMO). Uma versão alternativa do subjetivismo diz que as declarações em questão exprimem verdades objetivas, mas unicamente sobre mentes humanas, desejos, crenças, experiências, etc, sejam estas do orador ou do público em geral. "Mentir é falso" devia então significar "Eu, ou talvez as pessoas em geral, desaprovo mentir" (Michael Proudfoot e A.R. Lacey, The routledge Dictionary of Philosophy, 4ª edição, pag 390; a letra a negrito é colocada por mim).

 

 

Proudfoot e Lacey confundem a definição de subjetivismo com o mecanismo gerador do subjetivismo, isto é, confundem a «causa formal», em linguagem aristotélica, com a «causa eficiente.»  O subjetivismo possui uma dupla definição, epistémica e sociológica: «doutrina segundo a qual a verdade é íntima a cada pessoa e exclusiva desta, ou seja, a verdade varia de pessoa a pessoa, não há uma verdade única geral». É o mais radical individualismo gnosiológico.

 

Dizer que o subjetivismo é apenas uma ordem ou conjunto de ordens disfarçadas, como acima o faz o Routledge Dictionary, é confundi-lo com o prescritivismo e com o emotivismo (note-se que há um emotivismo subjetivo e um emotivismo objetivo) e é pôr de parte o conteúdo intelectual representativo, de uma dada consciência. Dizer que subjetivismo é uma atitude de hostilidade do orador para com algo é confundir o produto final (a ideia, o enunciado subjetivista) com o agente que o produziu (a emoção do sujeito) - voltamos, de novo, à confusão entre causa eficiente e causa formal. O subjetivismo em sentido sociológico (uma só pessoa, uma só mente isolada) opõe-se ao objetivismo em sentido sociológico (muitas mentes partilhando a mesma verdade objetiva) mas não se opõe ao objetivismo em sentido epistémico (a verdade em si).

 

Exemplo: somos uma minoria de pensadores isolados (subjetivismo sociológico) os que afirmamos, seguindo as conclusões do francês J.Tissot e do norte-americano Herbert Shelton, que a vacinação é um envenenamento surdo do organismo humano por vírus e toxinas e que as vacinas são sempre nocivas mas apreendemos a verdade epistémica (objetivismo epistémico) ao passo que a esmagadora maioria da população (objetivismo sociológico) acredita, erradamente, que as vacinas «imunizam», impedem e erradicam doenças (subjetivismo epistémico, poderia dizer-se). A imposição da teoria da vacinação como "verdade oficial"  não resulta de qualquer discussão racional pública, alargada, em termos justos. É um puro acto fascista que a elite semi pensante dos médicos e investigadores de laboratório e dos políticos leva a cabo com o acordo da parte inculta e maioritária da população de cada país.

A mais alta verdade em filosofia (objetivismo epistémico-filosófico) atinge-se através do mais puro isolamento do pensar (subjetivismo sociológico).

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 12:09
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

David Icke: os professore...

Socialistas, Bloco de Esq...

Vacinação ou o fascismo m...

É a vacinação que dissemi...

Campanhas de vacinação: m...

O ministro da Saúde apela...

Notas pessoais de Junho e...

Notas pessoais, filosófic...

Erros na Prova 714/ 2ª Fa...

O Routledge Dictionary of...

arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds