Sábado, 19 de Março de 2016
Teste de Filosofia do 10º ano, turma A (Março de 2016)

 

Eis um teste de filosofia fora do estereótipo dos testes que os autores dos manuais escolares da Porto Editora, Leya, Santillana, Areal Editores, etc, divulgam. E sem questões de escolha múltipla que, frequentemente, são incorrectamente concebidas por quem não domína o método dialético e desliza para a horizontalidade da filosofia analítica vulgar.

 

 

Agrupamento de Escolas nº1 de Beja

Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

TESTE DE FILOSOFIA, 10º ANO TURMA A

3 de Março de 2016. Professor: Francisco Queiroz.

 I

  “A lei do salto de qualidade está presente na passagem da percepção empírica ao respectivo conceito empírico. O mítico Adão Kadmon possui na essência a luta entre Yang e Yin. O totaliratismo, de direita ou de esquerda, parece coadunar-se com a moral utilitarista de Stuart Mill, num certo aspeto, e com o imperativo categórico de Kant, sob outro aspeto.”

 

1) Explique, concretamente este texto.

 

2)Escolha e caracterize (qualidade, número, cor, planeta) cada uma de cinco esferas da árvore dos Sefirós e distribua-as segundo a lei da contradição principal, enunciando esta.

 

3) Construa um diálogo sobre a propriedade e a gestão das empresas e sobre a democracia parlamentar entre um anarquista, um comunista leninista, um socialista democrático, um liberal, um conservador e um fascista.

 

4) Relacione, justificando:

A) Temura, Gematria e Metafísica.

B) Realismo natural realismo crítico e idealismo.

C)  Pragmatismo e cepticismo.

 

CORREÇÃO DO TESTE COTADO PARA 20 VALORES

 

1) A lei do salto qualitativo postula que a acumulação lenta e gradual em quantidade de um dado aspecto de um fenómeno leva a um salto brusco ou nítido de qualidade nesse fenómeno. Acumulando percepções empíricas similares (ver um cavalo baio, ver um cavalo branco, ver um cavalo negro) chega-se a um salto qualitativo que é a formação da ideia ou conceito empírico de cavalo no intelecto  (VALE DOIS VALORES). O Adão Kadmon, mítico antepassado da humanidade, era andrógino, a sua metade direita era masculina e a metade esquerda feminina, por isso a sua essência é uma  luta entre Yang (fogo, luz, expansão, masculino, alto, crescimento) e Yin (água, escuridão, contração, feminino, baixo, diminuição)  (VALE DOIS VALORES). O totalitarismo, de direita (caso da ditaduras de Hitler e Mussolini) ou de esquerda (ditadura de Estaline ou de Kim Il Sung na Coreia do Norte) é todo o regime que suprime a autogestão e a democracia parlamentar, regime de liberdade de imprensa, greve, religião, associação política e sindical e impõe uma ditadura brutal de partido único, e não se coaduna com a filosofia da Stuart Mill porque este defendia que se deve agir visando proporcionar a felicidade à maioria das pessoas e a democracia é um regime de maiorias, em princípio, ao passo que o totalitarismo favorece a felicidade da elite ditatorial, uma minoria opressora da maioria. Também não se coaduna com o imperativo categórico de Kant porque este diz «Age de modo a considerares cada pessoa como um fim em si e não um meio» e o totalitarismo não respeita a individualidade de cada  um, não deixa falar e votar livremente(VALE TRÊS VALORES).

 

2) A lei da contradição principal diz que um sistema de múltiplas contradições pode ser reduzido a uma só, organizando-as em dois blocos, podendo haver uma ou outra contradição na zona neutra. Ora ao contemplarmos a árvore das 10 sefirós da Cabala podemos agrupar duas esferas do pilar direito - Chesed (Misericórdia, Júpiter, cor azul e número 4) e Netzac ( Vitória-Emoção, Vénus, cor verde e número 7) num bloco oposto a duas esferas do pilar esquerdo- Gueburah (Justiça, Marte, cor vermelha, número 5) e Hod (Intelecto, Mercúrio, cor laranja e número 8), ficando Thiphetet (Sol) na zona neutra, fora de ambos os blocos. (VALE TRÊS VALORES).

 

3) Anarquista: «A propriedade das fábricas e de todas as empresas deve ser dos trabalhadores. Instituímos a autogestão, isto é, a assembleia geral de todos os operários, engenheiros e contabilistas toma decisões sobre salários, investimentos, vendas, etc. O patrão desaparece e desaparece o Estado de democracia parlamentar que não é mais que ditadura disfarçada dos capitalistas.»

Comunista: «A propriedade de todas ou quase todas as fábricas deve ser do Estado, dirigido por um partido marxista-leninista, que impedirá os patrões de extorquirem a mais valia à classe operária. A democracia burguesa que actualmente apoiamos, concorrendo às eleições e usando as liberdades, deve ser substituída pela ditadura do proletariado onde não há eleições livres nem imprensa livre como no capitalismo liberal».

 

Socialista democrático/ social-democrata: «A propriedade da grande maioria das empresas deve ser privada, isto é, estar na mão dos patrões que, em certos casos, devem aceitar a cogestão. Mas há empresas de sectores fundamentais - siderurgia, electricidade, televisão, etc - que devem estar na mão do Estado democrático. Este deve impor impostos progressivos aos capitalistas de modo a ter serviço nacional de saúde e escolaridade pública gratuita até ao final do curso universitário. Defendo a democracia parlamentar».

 

Liberal: «A propriedade das empresas deve ser privada pois os empresários são os criadores de emprego os motores primeiros da economia. Os subsídios de desemprego e o rendimento social de inserção deviam acabar ou ser reduzidos para estimular o mercado de trabalho. Defendo as privatizações, democracia parlamentar, a liberdade de imprensa, o capitalismo puro e duro.»

 

Conservador: «A propriedade das empresas deve ser privada pois os empresários são os criadores de emprego os motores primeiros da economia. Os subsídios de desemprego e o rendimento social de inserção deviam acabar ou ser reduzidos para estimular o mercado de trabalho. Defendo as privatizações, a democracia parlamentar, a liberdade de imprensa. Mas a democracia não deve permitir o aborto livre, o casamento de gays e lésbicas, a eutanásia: deve ser guiada por bons princípios religiosos, cristãos.»

 

Fascista: «As empresas devem ser de patrões nacionais e do Estado fascista e corporativo que, através da polícia política e da censura à imprensa impedirá a luta de classes, o sindicalismo livre, a imoralidade sexual. Não deve haver democracia parlamentar mas ditadura nacionalista que expulse a generalidade dos imigrantes e tenha por princípios «Deus, pátria, família» como princípios fundamentais». (VALE QUATRO VALORES).

 

4-A) A temura é a disciplina ou método da Kaballah (ensinamento secreto de itelectuais judeus) que estabelece correspondências de ideias entre palavras diferentes alterando a posição das letras e por vezes substituindo uma ou outra dessas letras ou abolindo-a. Exemplo: ROMA equivale a AMOR; BEJA equivale a IAVE porque se transforma em JABE e depois em IABE. A gematria é a disciplina da Kaballah que estabelece a correspondência entre cada letra e um número (exemplo: A=1, B=2, C=3, D=4, E=5, F=6, G=7, H=8, I,J,Y=9, K=10, L=20, M=30, N, ~ =40) de modo a obter o número que traduz a essência de cada palavra. BEJA (B=2, E=5, J=9 e A=1) vale 2+5+9+1=17, isto é DEZASSETE. Ambas estas disciplinas, temura e gematria, são metafísicas na medida em que ultrapassam a ciência experimental e trabalham com teses especulativas, de uma racionalidade holística discutível, a raiar a mística.(VALE UM VALOR)

             

2-B)- O realismo natural é a teoria segundo a qual a matéria é real e exterior às nossas mentes e estas espelham-na como ela é (exemplo: a erva é verde, o céu é azul). Realismo crítico é a teoria segundo a qual a matéria é real e exterior às nossas mentes mas estas não espelham como ela é. O realismo crítico de Descartes é a teoria qiue sustenta que há um mundo real de matéria exterior às mentes humanas composto de uma matéria indeterminada, sem peso nem dureza/moleza, apenas formado de figuras geométricas, movimento, números (qualidades primárias, objetivas), sendo subjectivas, isto é exclusivamente mentais, as cores, os cheiros, os sabores, as sensações do tacto, o calor e frio (qualidades secundárias, subjectivas).  O idealismo é a corrente que afirma que o universo material não é real em si mesmo mas está dentro da nossa mente, como imagens e ideias.  (VALE TRÊS VALORES)

 

2.C) Pragmatismo é a teoria que diz que devemos lidar, de forma útil, com os factos empíricos palpáveis e devemos pôr de parte a metafísica, os grandes princípios morais ou políticos inaplicáveis de momento. O cepticismo é a corrente que põe tudo ou uma parte das coisas em dúvida e é usado pelo pragmatismo. (VALE DOIS VALORES)

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:02
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2015
O Vaticano corrupto dessacraliza as missas celebradas nas paróquias?

 

Sendo o Vaticano dos cardeais um «ninho de víboras», infiltrado por vaidosos e corruptos prelados e por maçons, é espiritualmente eficaz a missa católica rezada nas paróquias, isto é, na base da igreja católica romana? Este é um dos problemas filosóficos que me desafia. Lê-se num livro anti-corrupção escrito em 1998 por um núcleo de resistentes  dentro da cúpula vaticanista:


«Depois da morte de Paulo VI, a 6 de Agosto de 1978, os mass media davam o arcebispo de Génova, cardeal Guiseppe Siri - um verdadeiro gigante do sacro colégio pela sua dimensão pastoral, pela sua formação intelectual, pela sua coerência entre fé e vida, pela sua fidelidade à tradição da Igreja - como Papa já eleito, antes de entrar no conclave. Tivera encontros nos dias anteriores com cardeais, embaixadores, políticos e prelados de todas as origens e correntes. O arcebispo Siri, de discurso calmo, determinado e incisivo como uma espada, sabia que era mal visto no Vaticano por uma certa classe maçónica de salão. Não adivinhava o golpe baixo que ela lhe estava a preparar pelas costas, no sentido de o apear daquele plebiscito de prognósticos e de consensos. Naturalmente, os gigantes são observados à distância para assim se apreci8ar melhor a sua estatura ciclópica e para não se correr o risco de os considerar parecidos com os monstros. »


«Na manhã do conclave, o cardeal Siri mal teve tempo de tomar conhecimento pelos jornais de uma entrevista, que não dera, a respeito da eficácia da ação do futuro Papa e daquilo que deveria fazer, em que lhe atribuíam afirmações delicadas e perigosas, exactamente para lançar sombras sobre o cardeal candidato. O arcebispo de Génova nem sequer teve tempo para desmentir a entrevista: a porta do conclave fechou-se atrás de si. Os objectivos daquela camarilha ecoaram no conclave, reunido de imediato que, por prudência - assim se disse - pôs de parte a grande figura que todos previam» (I Millenari, O Vaticano contra Cristo, pág.159-160, Editorial Notícias; o destaque a negrito é posto por nós).

 

Muitas outras manobras baixas como o assassínio do papa João Paulo I, em 28 de Setembro de 1978, a pedofilia consentida em milhares de colégios católicos e sacristias, e um clima de permanente opressão dos bispos sobre sacerdotes e leigos que executam, sem poder contestar sindicalmente, as ordens vindas de cima ( não de Deus, mas da arrogância satânica de purpurados) caracterizam a cúpula da igreja católica romana, o Vaticano. Será o papa Francisco um maçon infiltrado? Aponta-se-lhe ter colaborado com a ditadura militar argentina em 1976, no desaparecimento de dois sacerdotes antifascistas e, por isso, não deveria ser maçon nessa época. Creio que as missas ditas na base por sacerdotes bem intencionados poderão ter um certo valor santificante. Mas reservo-me: sou gnóstico e não creio na santidade dos corruptos bispos, arcebispos e cardeais, salvo na de alguns poucos. A igreja católica é, como os regimes comunistas leninistas, organizada segundo um modelo totalitário em que o chefe supremo ( o papa; o camarada Estaline, o presidente Mao Ze Dong, etc) é endeusado: operários honestos na base a trabalhar por ideais, uma classe burocrática de dirigentes do partido marxista-leninista e do Estado, a gozar com quintas luxuosas e armazéns de produtos de luxo privados e outras formas de corrupção. O papa é talvez um representante de Satanás na Terra. Há outros.

 

E afinal a igreja de hoje é a mesma que fez milhões de vítimas com a Inquisição e as cruzadas, a igreja de Satã, que nada tem a ver com o despojamento de Cristo.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:56
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 13 de Abril de 2015
Pequenas reflexões de Abril de 2015

 

 

 

Aqui seguem algumas breves e desprestensiosas reflexões ao sabor destes dias de sol, vento e chuva ocasional de Abril de 2015

 

A REGRA QUATRO TRÊS NO CASAMENTO- Sou adepto da seguinte tática de sobrevivência de um casamento ou união de amor livre: durante 4 dias, os dois cônjugues estão completamente separados, em casas ou cidades diferentes, e nem se telefonam, ignoram-se (salvo situação excepcional); nos restantes 3 dias da semana, vivem juntos, a paixão recrudesce, os lençóis voam, os sutiãs ficam espalhados no chão do quarto... Assim de segunda a quinta inclusive, ignoras a tua mulher; e de sexta a domingo, inclusive, dás-lhe todo o amor e paixão carnal do mundo. E assim o casamento se revitaliza, rejuvenesce e se compara a excelentes refeições à moda alentejana que se saboreia com prazer: gaspacho, açorda de alho, açorda de favas, ovos mexidos com espargos e silarcas, etc.

 

CASAR É COMPRAR AMOR. Tudo se compra: o corpo, o prazer, os alimentos do estômago, as horas de internet, a gasolina do carro, o carro, o curso universitário, a amizade social consolidada através de festas e ofertas de garrafas e outros presentes, a estabilidade profissional através de acções que dão créditos, etc. O sistema mercantilista impera universalmente. Até se tenta comprar os deuses com esmolas e promessas...

 

O RIDÍCULO- É ridículo um homem da minha idade, acima dos 50, fazer-se a mulheres de 20 a 30 anos de idade? É... Mas é mais ridículo ainda um homem da minha idade fazer-se a uma mulher de 45-50 anos de idade... No primeiro caso, é um «velho» e uma novinha em folha... No segundo caso , é um «velho» e ... (desculpem, senhoras, eu não queria ofender, não digo...). Devemos ser nós mesmos e não seguir o preconceito da maioria que dita aquilo que «é ridículo» e aquilo que não é.

 

O AMOR COMEÇA POR UMA APARÊNCIA FÍSICA - Vestes-te de mulher, atrais os homens e verificas, de imediato, o grau de homossexualidade existente em quase todos eles. E ris-te do grande espectáculo do amor homem-mulher, mulher-mulher ou homem-homem: o amor não existe, reduz-se a tesão, a excitação sexual. Os sentidos cobrem completamente, com o seu incêndio de sensações, a racionalidade. E troças disto tudo, da moral católica e conservadora, da moral gay, de todas as morais excepto da que dá liberdade máxima a cada um dentro do respeito pelos outros. Mas não troças dos deuses, que estão acima da moral social...Com estes é preciso ser cuidadoso: ou nos amam e atendem ou não nos amam mas são obrigados a atender-nos por força das palavras mágicas da sincronicidade.

 

TALVEZ NÓS NÃO AMEMOS A DEUS mas estejamos tão dependentes de Ele/Ela que não possamos deixar de O/A amar. Afinal o amor não é uma dependência da beleza, do sorriso, da atenção, da presença da outra pessoa? Amar alguém em concreto é ser prisioneiro, escravo até, desse alguém. 

 

HÁ HORAS DE SOLIDÃO INTENSA- Sou, naturalmente, optimista. Mas hoje é um desses dias com algum desencanto face à vida - são luxos a que me posso dar, afinal os deuses são-me, genericamente, favoráveis. Bato no fundo e subo à superfície. Fui até ver bolas de cristal e toquei a taça tibetana no interior da casa. Estarei a deslocar-me do cristianismo e do ecletismo gnóstico para o budismo? É certo que oro à Virgem mas também oro a Vénus e hoje à deusa indiana Shakti, o sagrado feminino, a esposa de Shiva, o asceta. Em certo sentido, a vida é um vazio enorme e nós amamos pessoas porque o amor é o preenchimento desse vazio. Se não amarmos secamos, como uma árvore sem água

 

O LIVRE-ARBÍTRIO É UMA IMPERFEIÇÃO - O facto de os homens disporem de livre arbítrio, possibilidade de escolher racionalmente entre o bem e o mal, é uma imperfeição, ao contrário do que sustenta a esmagadora maioria dos filósofos e teólogos. Os homens deviam estar programados para só agirem correctamente no sentido do Bem. Que deus é esse que fez o homem dotando-o de livre arbítrio? Não é, certamente, o deus supremo, o Perfeito, o Absolutamente Bom, porque o livre-arbítrio é uma fonte do mal. Se o meu automóvel tivesse livre-arbítrio, desobedecer-me-ia quando giro o volante para a direita ou quando travo e causaria acidentes. E a responsabilidade seria do fabricante do automóvel.

 

HÁ ALGUMA AMIZADE SÓLIDA BASEADA NO FACEBOOK?- Pode haver verdadeira amizade entre duas ou mais pessoas que só se conheceram e contactam no facebook e nunca se viram e falaram ao vivo? Mais: alguém é amigo de alguém? 

 

A UNIVERSIDADE FALSA E AMORDAÇADA- A universidade portuguesa, e nela reflectida a universidade mundial, - burguesa conservadora, liberal e socialista, comunista leninista ou teocrática - vive sob o signo da falsidade e da mordaça: conhece, desde há anos, a minha tese de que Júpiter no signo de Virgem (150º a 180º da eclíptica) favorece as direitas em Portugal - a implantação do Estado Novo deu-se em 11 de Abril de 1933, com Jupiter em 14º do signo de Virgem - e de que no signo oposto, Júpiter no signo de Peixes (330º a 360º da eclíptica), favorece o triunfo das esquerdas em Portugal- a revolução que derrubou o Estado Novo fascista, de 1933, iniciou-se em 25 de Abril de 1974, com Júpiter em 10º de Peixes.

 

Mas isto não é permitido expor nem discutir na universidade e na sua esfera de influência - os congressos de filosofia, de história, de sociologia, os fóruns televisivos, as colunas de opinião nos jornais e revistas, as entrevistas a «pensadores» nos media. Veja-se a mordaça que os docentes Olivier Feron e José Caselas colocaram à possibilidade de eu apresentar uma tese sobre astrologia histórica nas jornadas de investigação do grupo Krisis na universidade de Évora em Junho de 2012! É o fascismo epistémico em marcha...Eles não pensam e querem impedir os outros de pensar, de se informarem. Esta gente merece perder os títulos universitários que ostenta porque é ética e intelectualmente medíocre.

 

RECUSA VACINAR-TE ! RECUSA SERES INFECTADO/A POR VÌRUS E TOXINAS. Em final de Novembro de 2014, a Itália suspendeu o uso de dois lotes de uma vacina contra a gripe, feitas pela empresa suíça Novartis, após quatro pessoas morrerem logo depois de receber a vacina. Eles - Paulo  Macedo e os anteriores ministros da Saúde em Portugal, Francisco George, director geral de Saúde, os médicos intelectualmente obtusos e fanáticos da vacinação e os vampiros das multinacionais das vacinas - não podem impor-te isso nem impedir que te matricules nas escolas sem boletim de vacinas. Tu és livre! O corpo é teu! Defende-te - eles não são teus amigos, não passam de cínicos opressores do povo em nome da «ciência» e das suas contas bancárias.

 

VASCO GONÇALVES FEZ MAIS PELA LIBERDADE E A DEMOCRACIA EM PORTUGAL EM 1974-1975, DO QUE MÁRIO SOARES, O AMIGO DA CIA. Mário Soares é apresentado como o «pai da democracia portuguesa» pela imprensa burguesa mas isso é uma mentira grande: os pais da democracia foram Álvaro Cunhal e o PCP e a ala esquerda do Movimento das Forças Armadas consubstanciada em Vasco Gonçalves, o 1º ministro que legislou a favor dos trabalhadores, e Otelo Saraiva de Carvalho, e ainda grupos trotskistas, anarquistas, «marxistas-leninistas» e guevaristas da extrema-esquerda. Está provada a ligação, em 1975-1976, entre Soares e a embaixada dos EUA em Lisboa, e a CIA do embaixador Frank Carlucci, que pôs o ELP e o MDLP, movimentos de extrema direita, a lançar todos os dias bombas assassinas contra sedes do PCP, do MDP, da FEC(m-l), da UDP, da LCI, de cooperativas e associações não partidárias de esquerda e contra casas ou carros de militantes de esquerda, a partir de Julho de 1975 até meados de 1977. E se classificarmos o PCP e a extrema-esquerda de «totalitários» diremos que foram os «totalitários de esquerda» que destruiram o totalitarismo de direita neosalazarista e criaram espaço para que os «não totalitários», a burguesia liberal, centrista e socialista, se tornassem donos da democracia portuguesa.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 23:07
link do post | comentar | favorito (2)

Terça-feira, 24 de Março de 2015
Teste de filosofia do 10º B (Março de 2015)

 

Eis um teste de filosofia do 10º ano de  escolaridade em Portugal, evitando as perguntas de escolha múltipla em que o aluno coloca um X na hipótese que supõe estar certa e fica dispensado de explanar as suas ideias num corpo discursivo coerente.

 

Agrupamento de Escolas nº1 de Beja
Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja
TESTE DE FILOSOFIA, 10º ANO TURMA B
17 de Março de 2015. Professor: Francisco Queiroz

 

I

“A autogestão nas empresas, a cogestão e a nacionalização de empresas são valores ético-políticos e económicos aceites ou rejeitados como valores supremos por uma ou outra de três correntes como o comunismo leninista, o anarquismo e o socialismo reformista. Karl Marx defendeu que ao longo da história cinco tipo de instrumentos de produção (tecnologia) produzem uns quatro ou cinco tipos de Estado, ética, cultura, organização social e religiosa, e isso exprime a  lei dos dois aspectos da contradição

1) Explique, concretamente este texto. 

 

2) Relacione, justificando:

 

A) Quatro correntes ético-políticas (três de direita e uma do centro), por um lado, e democracia parlamentar ou burguesa e Estado social, por outro lado.
B) O imperativo categórico em Kant, por um lado, multiculturalismo e totalitarismo por outro lado.
C) Adão Kadmon, três princípios da alquimia, hebdómada.

 

 

CORRECÇÃO DO TESTE ESCRITO (COTADO PARA 20 VALORES)

1)«A autogestão nas empresas é o regime em que as fábricas, as explorações agrícolas, os hipermercados, as empresas de transportes são propriedade dos trabalhadores e não do Estado nem de patrões ou sociedades privadas: semanal ou mensalmente reune a assembleia de todos os operátrios, engenheiros e técnicos de contas da empresa e decide, democraticamente, os investimentos a fazer, a escala de salários, a repartição dos lucros, os horários de trabalho, etc. A autogestão é um valor central da doutrina anarquista que é contra o capitalismo privado e contra o capitalismo de estado marxista~leninista, anarquismo que defende a extinção do Estado, do exército profissional e das polícias e que promove a luta de rua (acção directa) e a greve geral revolucionária contra a democracia parlamentar ou burguesa. A cogestão nas empresas é o regime em que estas são propriedade privada de patrões mas estes incluem um representante da comissão de trabalhadores ou do sindicato na gestão da empresa concertando com estes os ritmos de trabalho, a escala de salários, etc. A cogestão é um valor central da doutrina da social-democracia ou socialismo reformista, isto é do capitalismo de centro-esquerda, corrente que defende a democracia parlamentar, as liberdades de greve, imprensa e manifestação de rua, a liberdade sexual e religiosa, os impostos progressivos sobre os ricos, o rendimento mínimo garantido e o subsídio de desemprego para todos os necessitados, o ensino secundário e universitário público gratuitos, o serviço nacional de saúde. O socialismo tem forte componente maçónica e defende uma economia de mercado, uma economia capitalista. A nacionalização é um valor central da doutrina comunista marxista-leninista que defende uma revolução política e social em que as fábricas e terras são nacionalizadas, isto é, passam das mãos de capitalistas privadas para o Estado gerido pelo partido comunista em nome do povo (ditadura do proletariado, sem eleições livres porque estas trariam o capitalismo de volta). Em democracia parlamentar, os comunistas concorrem às eleições, apesar de considerarem que os partidos vencedores - socialistas, liberais ou conservadores - ganham por serem subsidiados pela alta finança e grandes industriais, já que no parlamento apresentarão propostas de lei contra o fascismo clássico e a favor da classe operária (VALE SEIS VALORES). Karl Marx defendeu que a infraestrutura ou base económica, em especial o seu instrumento de produção principal em cada época, gera a superestrutura (Estado, religião, escola, cultura) correspondente: o machado de pedra obrigou os homens a adoptarem o comunismo primitivo, um regime anarquista nas tribos, de propriedade colectiva dos meios de produção; a invenção do machado de ferro e arado de ponta de ferro levou à prática da agricultura e à divisão social entre escravos e esclavagistas e ao surgimento do Estado da escravatura, máquina de opressão; a invenção do moinho de água, na Idade Média, converteu os escravos em servos da gleba que trabalham metade da semana gratuitamente para os seus senhores, é o Estado feudal; a invenção da máquina a vapor e do martelo mecânico no século XVIII gera a revolução industrial, os camponeses são transformados em operários fabris ao serviço da nova classe, a burguesia industrial, que constrói o Estado democrático burguês, assente no capitalismo. Depois, segundo os neomarxistas, a electrónica, a aviação, a electricidade e as grandes tecnologias actuais geram a necessidade do Estado socialista operário, suprimindo os capitalistas. A lei dos dois aspectos diz que numa contradição há dois aspectos e, em regra, um é dominante e o outro dominado, podendo inverter-se as posições: neste caso, o instrumento de produção é o dominante e o Estado e restante superestrutura, o dominado e, por vezes, o Estado, a religião e a política sobrepõem-se à produção como sucede no caso das revoluções e guerras. (VALE QUATRO VALORES).

 

2) A) Das três correntes de direita política, liberais, conservadores e fascistas/monárquicos absolutistas, só esta última não defende a democracia parlamentar ou burguesa. Os fascistas querem um Estado nacional, uma ditadura de partido único, defensor de um capitalismo controlado de alta burguesia, sem direito às greves, à imprensa livre e ao lock-out, um Estado defensor dos valores tradicionais (masculinidade do homem, feminilidade e espírito de dona de casa na mulher; perseguição e punição de gays e lésbicas; respeito às igrejas católica, protestante ou islâmica e proibição do divórcio nos casamentos religiosos), um Estado totalitário profundamente anticomunista, antimaçónico e antiberal, xenófobo, isto é, expulsando imigrantes estrangeiros. Menos à direita estão os conservadores, que defendem uma democracia parlamentar (regime de eleições livres de parlamentos, com muitos partidos a concorrer), liberdade sindical, de imprensa e de greve mas opõem-se a impostos progressivos sobre os ricos, ao casamento de gays e lésbicas, à legalização das drogas leves. Os conservadores defendem os valores tradicionais da família, do respeito a Deus e são contra o aborto livre. À esquerda dos conservadores, mas ainda no campo da direita, estão os liberais, que defendem o capitalismo privado puro, poucos ou nenhuns impostos sobre os capitalistas, o fim do serviço nacional de saúde e do ensino universitário gratuitos, a privatização de quase todas as empresas públicas (correios, comboios, aviação, minas, siderurgia, etc), o quase desaparecimento do subsídio de desemprego e do rendimento mínimo garantido, a liberdade de os patrões despedirem os empregados sem os indemnizar. Os liberais, também com grande influência da maçonaria no seu seio, defendem a globalização da economia e a sinarquia, o governo mundial único numa base pluralista. Ao centro, figuram os centristas, também defensores da democracia parlamentar ou burguesa, com mais preocupações sociais, que se opõem ao capitalismo selvagem de liberais e conservadores e também ao comunismo, ao anarquismo e ao socialismo reformista embora sejam vizinhos deste último. Ao contrário dos liberais e conservadores, os centristas já defendem o Estado social, um Estado capitalista que confere protecção básica aos mais pobres, dando-lhes saúde gratuita nos hospistais, refeições gratuitas e outros apoios. John Rawls foi, nos EUA, o teórico desta corrente. Advogava que as leis deviam ser debatidas e votadas por grandes comunidades segundo uma democracia de base a coberto de um véu de ignorância sobre a profissão e a riqueza de cada um dos participantes no debate, na posição original. (VALE QUATRO VALORES).

 

2) B) O imperativo categórico é uma lei moral autónoma, variável de pessoa a pessoa, mas com equidade universal, sem interesses egoístas: «Age de modo que a tua acção seja como uma lei universal da natureza», isto é, faz o bem sem olhar a quem e nem mesmo a ti mesmo ou pune a todos, por espírito justo, sem olhar a quem. O multiculturalismo é a posição que diz que num país todas as comunidades - os nacionais de origem, os emigrantes africanos, latino-americanos, do leste, etc - devem estar em pé de igualdade ante o Estado e a lei: nas escolas devem ensinar-se as diversas línguas e culturas, qualquer imigrante se pode candidatar a presidente da república, deputado nacional ou autarca local, etc. O totalitarismo, ideologia que diz que o Estado é tudo e o indivíduo é nada e deve haver uma ditadura de partido único sem eleições livres nem imprensa livre - é contra o multiculturalismo (VALE TRÊS VALORES).

 

2)C) O Adão Kadmon era, segundo relatos alquímicos, o Adão primitivo, dotado de um corpo astral, que atravessava as pedras e a matéria, hermafrodita - metade mulher (Sofia), metade homem (Adão), com duas cabeças em algumas representações, correspondente ao arcano XXI do Tarot - que viveria no Paraíso Terrestre, no limite entre o Pleroma (Mundo da Luz divina) e o Kenoma (Mundo do Vazio, das trevas exteriores). Adão quis sair do Paraíso, atraído por Lúcifer que fora exilado no Inferno, e perdeu o seu corpo luminoso, materializando-se. Deus apiedou-se dele e colocou-o na Terra, onde viveu sujeito à lei do envelhecimento e da morte com a sua nova companheira, Eva, rodeado de sete esferas planetárias ou mundo da hebdómada. A alquimia fala de três princípios: o enxofre, sólido, ou princípio masculino, o «homem vermelho»; o mercúrio filosófico, líquido ou gasoso, volátil, princípio feminino ou «mulher branca» - equivale à Sofia do corpo adâmico; o sal ou neutro . O objectivo da alquimia é produzir o lapis, a pedra filosofal, que permitiria ao homem recuperar o corpo glorioso do primitivo Adão.(VALE TRÊS VALORES)

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 00:27
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
15
16
17

19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Teste de Filosofia do 10º...

O Vaticano corrupto dessa...

Pequenas reflexões de Ab...

Teste de filosofia do 10º...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds