Sábado, 4 de Maio de 2013
Equívocos no manual «Reflexões, Filosofia 10º ano» da editora Asa (Crtica de Nanuais Escilares- LII)

 

O manual da ASA «Reflexões, Filosofia 10º ano» de Isabel Bernardo e Catarina Vale, tendo como consultor científico Alexandre (Franco de) Sá, contém vários erros teóricos.

 

DETERMINISMO NÃO É HAVER CAUSA ANTERIOR A UM FACTO

 

 

Não se encontra um único manual de filosofia para o 10º ou 11º anos de escolaridade que saiba definir correctamente determinismo. Este manual não é excepção:

 

«A conceção segundo a qual todos os acontecimentos resultam de causas que os antecedem chama-se determinismo.» (Isabel Bernardo e Catarina Vale,«Reflexões, Filosofia 10º ano», pagina 71, ASA).

 

Ora o determinismo não é isto. Diariamente, a cada passo, exerço o meu livre-arbítrio que é causa de acontecimentos mas isso não é determinismo. Exemplo: escolho sentar-me numa esplanada e pedir um chocolate quente em vez de um sumo natural e o acontecimento chocolate quente num copo irrompe depois na minha mesa, por mão do empregado, mas não foi, globalmente falando, fruto do determinismo; depois acedo ao interior do bar e decido conversar um ou dois minutos com a funcionária do balcão, essa conversa (acontecimento) não resulta do determinismo mas sim do meu livre-arbítrio e do dela.

 

O determinismo é, nas  mesmas circunstâncias, as mesmas causas produzirem sempre os mesmos efeitos mas este princípio, tão simples de entender, não é enunciado nem por Thomas Nagel, nem por Peter Singer, James Rachels ou Neil Warburton nem pela generalidade dos professores de filosofia, cujo pensamento é muito superficial.

 

Corrijamos, através do pensamento dialéctico,  as autoras do manual e Alexandre Franco de Sá: a concepção segundo a qual todos os acontecimentos resultam de causas que os antecedem chama-se causalismo,  e é género de duas espécies, o determinismo e o indeterminismo.

 

O MULTICULTURALISMO NÃO ASSENTA NECESSARIAMENTE NO RELATIVISMO CULTURAL?

 

Escrevem os autores:

 

«O multiculturalismo defende que, dentro de um mesmo país, as diferentes culturas têm o direito de coabitar, aceitando-se assim a possibilidade de existirem dentro de um mesmo espaço político padrões de cultura diferentes. Por exemplo, um país cuja religião dominante seja a cristã e no qual sejam aceites práticas religiosas distintas: muçulmanas, judaicas, hindus ou outras.»

«O multiculturalismo pode ter na sua base (embora não tenha necessariamente) o relativismo cultural.

 

«Trata-se de uma posição que defende a tese de que cada povo e cada cultura têm sistemas de valores e padrões de culturas diferentes, que não devem ser julgados como bons ou maus a partir de nenhuma outra cultura e de que não pode haver, portanto, qualquer hierarquização de culturas como mais ou menos aceitáveis ou preferíveis.»

 

(Isabel Bernardo e Catarina Vale,«Reflexões, Filosofia 10º ano», paginas 126-127, ASA).

 

A definição de multiculturalismo está, basicamente, correcta mas a de relativismo não. Desconhecendo, possívelmente, o princípio dialético «um divide-se em dois», os autores do manual ignoram que há dois tipos de relativismo, doutrina segundo a qual a verdade ética, política, religiosa, estética., etc, varia de sociedade a sociedade ou de classe a classe ou grupo a grupo social:

 

1) Relativismo igualitarista, nivelador. Há, no mundo ou em cada sociedade nacional, diversidade de culturas, valores, logo não é possível hierarquizá-las entre si ao compararmos os diferentes padrões.

 

2) Relativismo não igualitarista, diferenciador. Há, no mundo ou em cada sociedade nacional, diversidade de culturas, valores, mas é possível estabelecer uma hierarquia entre os diferentes padrões. Exemplo: o padrão laicista da Maçonaria, ao aceitar colocar em plano de igualdade os agnósticos, os ateus e os crentes, os defensores e os adversários do aborto voluntário,  é superior ao padrão religioso dos católicos que proibe o aborto voluntário e este último padrão, católico, é superior ao dos fundamentalistas islâmicos que não permitem a construção de templos cristãos nos países em que reinam.

 

Os autores do manual apenas conhecem relativismo segundo a definição 1 e por isso, opõem-no a multiculturalismo mas a verdade é que todo o multiculturalismo é relativismo: nivelador ou diferenciador. Ao aceitar a coexistência de culturas diferentes num mesmo espaço social, o multiculturalismo relativiza a importância de cada uma das culturas, retira-lhes, em maior ou menor grau, o carácter absoluto e excludente.

 

UM JUÍZO ÉTICO IMPLICA UNIVERSALIDADE, COMO DIZ THOMAS NAGEL?

 

Após citarem Thomas Nagel na sua proposição de que «a base da moral é a crença de que o que é bom ou mau não apenas do seu ponto de vista, mas de um ponto de vista mais geral..» (Nagel, Que quer dizer tudo isto? Uma iniciação à filosofia) escrevem as autoras:

 

«O que Nagel quer dizer é que emitir um juízo ético, considerar uma acção boa ou má, implica passar dos interesses pessoais, e dos interesses dos que nos são mais chegados, para a consideração dos interesses de um ponto de vista universal, atribuindo-se a mesma importância aos interesses dos outros que se atribui aos nossos interesses.»

«Um juízo ético é, assim, a consideração sobre a correção ou incorreção de um acto, analisado de um ponto de vista universal.»

 

(Isabel Bernardo e Catarina Vale,«Reflexões, Filosofia 10º ano», paginas 145, ASA; o destaque em itálico é colocado por mim).

 

Há uma incorreção neste texto: o juízo ético não implica universalidade, mas sim comunidade (nacional, regional, local, de classe social ou casta). Os juízos éticos dos patrícios romanos esclavagistas eram juízos de classe, não tinham a pretensão da universalidade: «Chicoteio os meus escravos quando me apetecer, sou livre mas não concederei liberdade a nenhum deles».

O ethos implica sempre o outro, mas qual é a extensão desse outro? Pode ser a universalidade mas na maioria dos casos não é.

 

  

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

   

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

  

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:17
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 18 de Abril de 2013
Equívocos no manual de Filosofia do 10º ano da Raíz Editora (Crítica de Manuais Escolares-XLIII)

No manual «Filosofia 10º ano», da Raíz Editora, para o ensino secundário em Portugal, manual cujos autores são Adília Maia Gaspar e António Manzarra - e o catedrárico Michel Renaud como consultor científico - encontram-se, mais uma vez, as confusões inerentes à filosofia analítica contemporânea.   

 

CONFUSÃO DE DETERMINISMO COM FATALISMO E NÃO DISTINÇÃO ENTRE LIBERTARISMO E COMPATIBILISMO

 

Aponta o referido manual quatro concepções acerca do determinismo e do livre arbítrio:

 

«Determinismo- Nega a existência do livre-arbítrio. O ser humano, tal como todos os fenómenos da natureza, está determinado pelo princípio da causalidade.

 

Indeterminismo - Não assume a existência do livre-arbítrio, assim como os fenómenos físicos se dão aleatoriamente e não segundo uma determinação prévia ou uma vontade, o mesmo acontece com a acção humana.

 

Libertarismo - Afirma a existência do livre-arbítrio, pois havendo separação entre a natureza física e a mental, esta última não é determinada pelo princípio da causalidade, mas sim pela vontade.

 

Compatibilismo- Afirma a relação entre determinismo e livre-arbítrio ao admitir que o ser humano é determinado, mas a sua acção pode ser livre dentro dos limites em que não existem constrangimentos.» (Adília Maia Gaspar e António Manzarra, Filosofia 10º ano, pág. 74, Raíz Editora)

 

 

Comecemos por notar a ambiguidade da noção de determinismo: na primeira definição é dito que o determinismo exclui o livre-arbítrio, e é, portanto, uma lei totalitária sobre toda a natureza biofísica, incluindo a vida humana física, psíquica, social, espiritual. Na definição de compatibilismo, dada acima, a noção de determinismo já não exclui o livre-arbítrio. Onde está o erro? Na confusão entre determinismo e fatalismo. Onde se lê determinismo na primeira das quatro definições acima, deveria ler-se fatalismo, doutrina da predestinação absoluta. E note-se que o fatalismo pode, ou não, reger-se por leis fixas e imutáveis. Determinismo não é tudo estar predestinado: é o facto de, nas mesmas circunstâncias, as mesmas causas produzirem sempre os mesmos efeitos, o que não exclui factores aleatórios exteriores como o livre-arbítrio.

 

Thomas Nagel, esse académico injustamente elevado à condição de «grande filósofo» por editores e académicos néscios, perfilha o mesmo erro de confundir determinismo com fatalismo:

 

«Algumas (pessoas) pensam que, se o determinismo é verdadeiro, ninguém pode ser razoavelmente elogiado ou condenado por nada, tal como a chuva não pode ser elogiada ou condenada por cair.» (Thomas Nagel, Que quer dizer tudo isto?, pag 57 citado in Adília Maia Gaspar e António Manzarra, Filosofia 10º ano, pág. 75, Raíz Editora).

 

O próprio John Searle cai em contradição:

 

«Naturalmente, tudo no mundo é determinado mas, apesar de tudo, algumas acções são livres. Dizer que são livres não é negar que sejam determinadas; é afirmar que não são constrangidas. Não somos forçados a fazê-las.» ( John Searle, Mente, cérebro e ciência, citado in Adília Maia Gaspar e António Manzarra, Filosofia 10º ano, pág. 77, Raíz Editora; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Dizer que uma acção é livre não é negar que seja determinada? Claro que é: livre opõe-se a determinado. Como é que a acção livre de eu escolher entre tomar um café ou comer um bolo é determinada e livre ao mesmo tempo? Se é determinada, não é livre. E o determinismo não é um constrangimento da acção? Claro que é. Eis o «grande»John Searle, paladino da confusão analítica, no seu melhor! Como não hão-de os autores de manuais veicular erros se os teóricos que os inspiram mergulham no magma da confusão?

 

As definições, acima, de libertarismo e compatibilismo não se distinguem uma da outra: em ambas, se postula haver livre-arbítrio; em ambas (na primeira, de forma não explícita) se postula haver determinismo. É, pois, uma duplicação da mesma ideia, formulada em termos diferentes, um erro de «paralaxe». Não distinguindo correctamente os géneros das espécies e as diferentes espécies entre si, por ausência de racionalidade dialéctica, a filosofia analítica (Thomas Nagel, Simon Blackburn, Nigel Warburton, os autores do «Routledge Dictionary of Philosophy» como Michael Proudfoot e A.R. Lacey, e muitos outros) produz deformações teóricas da realidade.

 

A CONFUSÃO DE OBJECTIVISMO AXIOLÓGICO COM REALISMO AXIOLÓGICO

 

O manual define três correntes sobre os valores: subjectivismo axiológico, objectivismo axiológico e concepção relacional dos valores, divisão que só na aparência está certa. Sobre o objectivismo axiológico, escreve o manual:

 

«O objectivismo axiológico representado na época contemporânea por filósofos como Max Scheler (1874-1928) e Nicolai Hartman (1882-1950) que lhe aportaram um contributo próprio e original, remonta a Platão (século IV- a.c) e à Teoria das Ideias por ele defendida.(...)«

«Como podemos depreender, de acordo com esta concepção, os valores são independentes das coisas valiosas; estas só são coisas valiosas na medida em que deles participam; por exemplo, um quadro só é belo se conseguir corporizar o ideal de beleza...»(Adília Maia Gaspar e António Manzarra, Filosofia 10º ano, pág. 92, Raíz Editora).

 

Ora, esta definição não está certa, é redutora. O objectivismo não implica, necessariamente, que os valores sejam independentes das coisas valiosas. A teoria de Aristóteles é um exemplo de objectivismo imanentista dos valores, em que os valores residem apenas nas coisas valiosas: o belo só existe imanente às flores belas, às mulheres belas, às paisagens belas, à escrita e à pintura ou escultura belas e a um sem número de coisas ou actos reais; não existe o Belo como arquétipo num mundo inteligível de Ideias, como teorizava Platão.

 

Por outro lado, a axiologia de Max Scheler não é um realismo axiológico mas fenomenologia axiológica: os valores são objectivos mas não existem por si mesmos, sem humanidade e sem homens individuais que os definam e experienciem. Ora isto é a «concepção relacional dos valores» que Adília Gaspar, António Manzarra e Michel Renaud distinguem, erroneamente, de objectivismo dos valores. De facto, Scheler veiculava essas duas posições: objectivista e correlacional dos valores, posições que pertencem a géneros diferentes e, portanto, podem coexistir na mesma teoria. Mais uma vez a superioridade da dialéctica, contida na minha crítica, sobre a filosofia analítica, desengonçada e caótica.

 

OS UTILITARISTAS ACTUAIS SUBSTITUIRAM A FELICIDADE PELA PREFERÊNCIA?

O manual escreve:

 

«Na época contemporânea, utilitaristas como Richard Hare e Peter Singer substituiram o conceito de felicidade pelo de preferência. Singer pretende mesmo explicar o comportamento moral recorrendo à teoria da evolução.» ...»(Adília Maia Gaspar e António Manzarra, Filosofia 10º ano, pág. 151, Raíz Editora; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Mesmo que esta frase, assumida por Adília Maia Gaspar, António Manzarra e Michel Renauld, se possa imputar a Richard Hare e Peter Singer ela revela apenas a confusão intelectual dos filósofos analíricos e dos autores deste manual: a felicidade não pode ser substituída pela preferência porque são espécies de géneros diferentes, felicidade é um conteúdo hedónico e preferência é uma forma, um meio de manipular aquele conteúdo. Os universitários de filosofia não conhecem a dialética.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 15:26
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 20 de Novembro de 2012
Marte em 1º-11º de Capricórnio, em Novembro-Dezembro de 2012, e as universidades obtusas

Todos os acontecimentos na Terra estão determinados pela passagem dos planetas e do Sol nesta ou naquela área do Zodíaco - círcunferência celeste dividida em doze signos ou fatias iguais de 30º de arco por astrónomos e astrólogos. O livre-arbítrio e o acaso da natureza física são meras aparências, ilusões dos seres humanos que nunca estudaram ao pormenor as movimentações no círculo celeste e as correlações com os factos terrestres.

 

Hoje, 20 de Novembro de 2012, Marte desloca-se de 2º 11´a 2º 57´ do signo de Capricórnio. No dia 2 de Dezembro, Marte estará no grau 11 de Capricórnio e no «mítico» dia 21 de Dezembro de 2012, data do «fim do mundo» segundo interpretações da profecia maia, estará em 26º do signo de Capricórnio. Vou expor algumas breves previsões de Astrologia Histórica , algumas das quais falharão porque não levo em conta todos os ciclos de previsão que conheço para cada data.

 

Motivo da falibilidade: falta de tempo para cálculos muito precisos que exigem horas e horas. Aponto, em cada data, uma condição necessária para a eclosão de um determinado tipo de acidente ou incidente notável mas não todas as condições necessárias. O Estado e as Fundações dos ricos não me editam os estudos, absolutamente originais nesta matéria, nem me pagam para me dedicar em exclusivo à Astrologia Histórico-Social que desenvolvi e que decifra o futuro com base em leis astronómicas objectivas fundadas na história social, política e biofísica.   

 

ÁREA 4º-6º DE CAPRICÓRNIO:

TRAGÉDIA NO EGIPTO

 

A passagem do Sol ou de um planeta em 4º-6º de Capricórnio é condição necessária mas insuficiente para gerar uma tragédia relevante no Egipto.

 

 

Em 17 de Novembro de 1997, com ,Marte em 5º 52´/ 6º 38´ de Capricórnio,  65 turistas, na maioria suíços e japoneses, são assassinados à metralhadora ou à espada quando visitavam de autocarro o Vale das Rainhas, em Luxor, Egipto, resultando ainda 85 feridos, sendo os homicidas fundamentalistas mortos pela polícia; em 10 de Janeiro de 1999, com Mercúrio em 4º 19´/ 5º 49´ de Capricórnio, a derrocada de um prédio no Cairo mata pelo menos 5 pessoas e fere outras 7.

 

De 22 a 26 de Novembro de 2012, Marte estará em 4º-6º de Capricórnio. De 25 a 28 de Dezembro de 2012, o Sol estará em 4º-6º de Capricórnio. 

 

ÁREA 5º-7º DE CAPRICÓRNIO:
FÁBRICA DE CORTIÇA, MINA

 

A passagem do Sol, de um planeta ou Nodo da Lua em 5º-7º do signo de Capricórnio é condição necessária mas insuficiente para gerar um acidente notável em fábrica de cortiça em Portugal ou numa mina algures.

 

Em 11 de Janeiro de 1999, com Mercúrio em 5º 49´ / 7º 20´ de Capricórnio, pelas 15.45 horas, explode uma caldeira na fábrica de rolhas de cortiça Edmundo Alves Ferreira S.A. em Lourosa, Santa Maria da Feira, matando o operário João da Silva, ferindo outra trabalhadora e causando danos em 30 viaturas estacionadas; em 9 de Maio de 2001, com Nodo Sul da Lua em 7º 15´/ 7º 11´ de Capricórnio, um silo com pó de cortiça da Fábrica de Cortiças Soberana, no Montijo, arde durante 40 minutos; em 11 de Maio de 2001, com Nodo Sul da Lua em 7º 10´ de Capricórnio, uma série de explosões fazem deflagrar um incêndio numa fábrica de cortiça desactivada em Paços de Brandão, concelho de Santa Maria da Feira, consumindo grande parte da estrutura da unidade; em 6 de Junho de 2001, com Nodo Sul da Lua em 6º 22´/ 21´ de Capricórnio, uma fábrica de cortiça no concelho de Alcochete é destruída pelo fogo, obrigando à hospitalização de 3 operários.

 

On February 14, 2005, with Mars in 5th 7 '/ 5 º 50' Capricorn, an explosion and collapse in a coal mine in Fuxin, Liaoning Province, China, during the celebrations of Chinese New Year kills 213 miners; on September 23, 2001, with Mars in 7 º 48 '/ 8 ° 23' Capricorn, the explosion in a mine in Brookwood, Alabama, USA, generates 13 dead.

 

De 23 a 27 de Novembro de 2012, Marte transita de 5º a 7º do signo de Capricórnio.

  

ÁREA 7º-10º DE CAPRICÓRNIO:

DESAIRES NO IRÃO E NO PSD PORTUGUÊS

 

A passagem do Sol, de um planeta ou Nodo da Lua na área 7º-10º do signo de Capricórnio é condição necessária mas insuficiente para gerar um sismo no Irão ou inflingir uma derrota política forte ao PSD português.  

 

 

Em 21 de Junho de 1990, com Úrano em 7º 57´/ 7º 55´  do signo de Capricórnio,  um sismo com magnitude 7,7 na escala de Richter, nas províncias de Gilan e Zanyan, no Noroeste do Irão, arrasa 17 vilas, 1 871 aldeias e provoca cerca de 37 000 mortos e 100 000 feridos; em 22 de Fevereiro de 2005, com Marte em 10º 48´/ 11º 31´ de Capricórnio, um sismo de magnitude 6,4 na escala de Richter abala a província de Kerman, no Irão, perto da cidade de Bam, arrasando 40 aldeias e fazendo 602 mortos e mais de 1000 feridos; em 11 de Agosto de 2012, com Plutão em 7º 18´/ 7º 17´ de Capricórnio, dois terremotos consecutivos, de 6,4 e 6,2 na escala de Richter, causam pelo menos 306 mortes e  mais de três mil feridos no Irão, em quatro distritos do Azerbaijão Oriental situados ao nordeste de Tabriz, a capital provincial, abalando esta e as cidades de Ardébil e Mehraban.

 

 

Em 4 de Dezembro de 1980, com Marte em 9º 5´/ 9º 51´ de Capricórnio, Francisco Sá Carneiro, líder do PSD e primeiro-ministro, Adelino Amaro da Costa, vice líder do CDS e ministro da Defesa, morrem na queda em Camarate de um pequeno avião Cesna, onde deflagrara uma bomba, encomendada pela CIA desgostada por o governo português obstar ao tráfico de armas dos EUA para o Irão; em 3 de Abril de 1987, com Neptuno em 7º 59´/ 8º 0´ de Capricórnio, a votação favorável pelas esquerdas (PS, PRD, PCP, MDP) de uma moção de censura ao governo minoritário do PSD, de Cavaco Silva, proposta pelo PRD de Hermínio Martinho, faz tombar o governo; em 20 de Fevereiro de 2005, com Marte em 9º 23´/ 10º 5´ de Capricórnio, o PSD, presidido por Santana Lopes, sofre a sua maior derrota de sempre em eleições legislativas frente a um PS de José Sócrates que, pela primeira vez desde 1975, obtèm maioria absoluta de deputados.

 

De 26 de Novembro a 1 de Dezembro de 2012, Marte percorrerá a área 7º-10º do signo de Capricórnio. Veremos se se manifestará o sincronismo entre o Irão e o PSD português, provavelmente ambos vítimas de derrotas nestas datas.

  

 

ÁREA 11º-12º DE CAPRICÓRNIO:

TRAGÉDIA NO EGIPTO

 

 

A passagem do Sol ou de um planeta em 11º-12º de Capricórnio é condição necessária mas insuficiente para gerar uma tragédia relevante no Egipto

 

Em 17 de Novembro de 1997, com Vénus em 11º 14´/ 12º 9´ de Capricórnio, 65 turistas, na maioria suíços e japoneses, são assassinados à metralhadora ou à espada quando visitavam de autocarro o Vale das Rainhas, em Luxor, Egipto, resultando ainda 85 feridos, sendo os homicidas fundamentalistas mortos pela polícia; em 31 de Outubro de 1999, com Marte em 10º 11´/ 10º 56´ de Capricórnio,  por um acto de sucídio do piloto egípcio, um avião Boeing 767 da Air Egypt em voo desde Nova Iorque para o Cairo despenha-se no Oceano Atlântico, a sudeste de Nantucket Island, USA, morrendo as 217 pessoas que iam a bordo.

 

De 1 a 4 de Dezembro de 2011, Marte cruza os graus 11º e 12º do signo de Capricórnio. Veremos o que sucede no Egipto.

 

 

Nada há de anticientífico nesta análise histórico-astronómica nem nas previsões fundadas nela. Qualquer pessoa inteligente reconhece aqui o princípio do determinismo ou necessidade, ao menos na aparência: nas mesmas circunstâncias, as mesmas causas geram os mesmos efeitos. As universidades, em geral, desconhecem e combatem esta racionalidade holística fundada em factos empíricos. Quantos são os catedráticos, de filosofia, comunicação social, história, astronomia, sociologia, matemática, física que negam que tudo está predestinado pelos ciclos planetários e solar no Zodíaco? Praticamente todos.

 

Zizeck, Thomas Nagel, Simon Blackburn, Peter Singer, Anthony Kenny, Alan Badiou, Jean Luc Ferry, José Gil, Fernando Savater e outros ignoram a ciência do cosmos, a ontocosmologia, a Astrologia Histórico-Social, do mesmo modo que Descartes, Spinoza, Kant, Hegel, Nietzsche, Leonardo Coimbra, Ortega y Gasset, Xavier Zubiri, Sartre, Derrida, Deleuze, ou Wittgenstein ignoravam esta ciência, pilar do conhecimento. Não passam, pois, de medíocres - só conseguem ver a realidade cósmica até ao meio (medio), a sua visão intelectual é curta, não atinge a circunferência celeste do Zodíaco onde cada planeta emite, a cada instante, uma radiação modeladora dos acontecimentos e entes terrestres.

 

A universidade está contra a ciência! A grande comunicação social, incluindo os editores em geral, está contra a ciência! A multidão dos professores de filosofia nas escolas está contra a ciência holística! Somos governados por micro intelectuais, retóricos e confusos,  que só vêem de um olho e promovem o fascismo epistémico, proibem a livre investigação astrológico-histórica e a difusão dos seus resultados.

 

Vão continuar a censurar esta investigação rigorosa mas já perceberam que estão derrotados, não no plano social, porque ainda controlam os media e as massas, mas intelectualmente derrotados. É só uma questão de tempo para que as suas cátedras, as suas sinecuras político-culturais ruam fragorosamente. Basta que esta informação circule amplamente. E haverá algum editor com coragem de nos editar, a nós que temos uma teoria mais importante, mais objectiva e profunda que a de António Damásio ou a de João Maguejo?

 

PS- Se é professor ou estudante de filosofia, história, astrologia ou demais ciências, porque não começa a compreender os movimentos planetários e a astrologia histórico-social e a libertar-se da crucial ignorância a que o votaram nessa matéria? Adquira na nossa loja online www.astrologyandaccidents.com as nossas obras «Álvaro Cunhal e Antifascismo na Astrologia Histórica», recentemente lançada, «Os acidentes em Lisboa na Astronomia-Astrologia» e outras que lhe fornecem conhecimentos que em nenhum outro lado pode encontrar. É tempo de ser culto e profundo! Pense por si, sem receio dos clichés dominantes.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 17:53
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2009
Confusões de Thomas Nagel: Fisicalismo, Dualismo e Teoria do Aspecto Dual

No capítulo IV, O Problema Mente-Corpo,  do seu livro «Que quer dizer tudo isto? Uma iniciação à filosofia» Thomas Nagel distingue três teorias: o fisicalismo ou materialismo, o dualismo e a teoria do aspecto dual.

 

«Existe outra teoria possível, que é diferente, quer do fisicalismo quer do dualismo. O dualismo é a perspectiva segundo a qual és composto por um corpo e por uma alma e a tua vida mental se desenrola na tua alma. O fisicalismo é a perspectiva segundo a qual a tua vida mental consiste em processos físicos no teu cérebro. Contudo, outra possibilidade é a de a tua vida mental se desenrolar no teu cérebro, mas todas essas experiências, sentimentos, pensamentos e desejos não serem processos físicos no teu cérebro, o que equivaleria a dizer que a massa cinzenta de milhares de milhões de células nervosas no teu crânio não é apenas um objecto físico. Tem muitas propriedades físicas - desenrolam-se nele grandes quantidades de actividade química e eléctrica - mas também tem processos mentais

 

«A perspectiva de que o cérebro é o lugar da consciência mas que os seus estados conscientes não são apenas estados cerebrais, é designada por teoria do aspecto dual. Chama-se assim porque significa que quando comes um chocolate se produz um estado ou um processo no teu cérebro com dois aspectos: um aspecto físico, que envolve diversas transformações químicas e eléctricas, e um aspecto mental- a experiência do sabor do chocolate. Quando este processo ocorre, um cientista que olhe para o teu cérebro será capaz de observar o aspecto físico, mas tu próprio passarás, interiormente, pelo processo mental: terás a sensação de saborear chocolate.» (Thomas Nagel, Que Quer dizer tudo isto?, Gradiva, pag 34-35; a letra negrita é de minha autoria.)

 

Não sabendo aplicar a navalha de Ockham, método sintético para eliminar as redundâncias, Nagel caiu na duplicação: definiu a teoria do aspecto dual como distinta do fisicalismo quando se trata da mesma coisa.

 

Os materialistas em geral - excepto os mecanicistas -  não negam o pensamento como emanação especial da matéria física, diferente desta. Defendem que o pensamento é dual na sua natureza: radiação da matéria física enquanto veículo empírico,  e oposição (alteridade) face à matéria, enquanto veículo abstracto.

Nagel é, pois, deficiente na sistematização conceptual.

 

Nota: No Centro de Formação Margens do Guadiana, com sede na Escola Secundária com 3º Ciclo Diogo de Gouveia, R. Luís de Camões, 708-508 BEJA (telefone: 284 328 063), estão abertas as inscrições para a acção de formação para professores de filosofia (Grupo 410) «A teoria geral dos valores e a Ética, na perspectiva do método dialéctico», equivalente a dois créditos, 50 horas de duração (50HP), CCPFC/ACC 52326/08 CF. O formador é o autor deste blog.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 


 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 22:46
link do post | comentar | favorito

Thomas Nagel confunde determinismo com fatalismo

No seu livro «What Does it All Mean?», de 1987,  o laureado Thomas Nagel comete alguns erros de raciocínio como o de atribuir significados contraditórios entre si ao termo determinismo. Vacila nas definições, contradiz-se, sem dar por isso. 

Escreve Nagel:

 

«Escolher o pêssego continua a ser para ti uma possibilidade em aberto até ao momento em que de facto escolhes bolo de chocolate. A tua escolha não está determinada à partida.»

«Algumas coisas que acontecem estão determinadas à partida. Por exemplo, parece estar determinado que o Sol se levantará amanhã a uma certa hora. O Sol não se levantar amanhã e continuar a noite não é uma possibilidade em aberto. Tal não é possível porque apenas poderia acontecer se a Terra parasse de rodar, ou se o Sol deixasse de existir, e não se passa nada na nossa galáxia que pudesse fazer com que alguma destas coisas acontecesse». (Thomas Nagel, Que Quer dizer tudo isto? Uma Iniciação à Filosofia, Gradiva, pag. 48).

 

Nesta passagem, Nagel interpreta determinismo como princípio segundo o qual nas mesmas circunstâncias, as mesmas causas (neste caso: a rotação da Terra em torno do seu eixo) produzem sempre os mesmos efeitos ( neste caso: o nascer do Sol, entre as 5 e as 8 horas de cada dia). Embora não o defina explicitamente assim.

Noutra passagem escreve Nagel:

 

«Algumas pessoas pensam que nunca é possível fazermos qualquer coisa diferente daquilo que de facto fazemos(...)  Mas afirmam que, em cada caso, as circunstâncias que existem antes de agirmos determinam as nossas acções e tornam-nas inevitáveis. O total das experiências, desejos e conhecimentos de uma pessoa, a sua constituição hereditária, as circunstâncias sociais e a natureza da escolha com que a pessoa se defronta, em conjunto com outros factores dos quais pode não ter conhecimento, combinam-se todos para fazerem com que uma acção particular seja inevitável nessas circunstâncias.»

«Essa perspectiva chama-se determinismo.» (Thomas Nagel, Que quer dizer tudo isto? Uma iniciação à Filosofia, Gradiva, pag 49)

 

Nesta passagem Nagel chama determinismo àquilo que deveria designar como convergência de determinismos vários culminando em fatalismo.

 

A fraqueza de Nagel está em confundir determinismo com fatalismo, teoria segundo a qual todos os acontecimentos estão predestinados, podendo ou não, encadear-se uns nos outros segundo o determinismo. O determinismo é sempre coexistente com o factor acaso («livre-arbítrio» da natureza) que introduz uma certa diferenciação nos efeitos produzidos pelas mesmas causas.

 

Por exemplo, dar uma certa quantidade de veneno a um cão provoca-lhe a morte mas dar a mesma quantidade de veneno a outro cão pode fazer adoecer gravemente este, sem o matar, e o animal recuperar a saúde passados dias ou semanas. Assim, o determinismo exerceu-se nos dois casos, produziu um efeito genericamente similar, mas diferente na particularidade.

Determinismo é não fatalismo, apesar de tomar a aparência de um fatalismo parcial ou mesmo global.

 

 

Nota: No Centro de Formação Margens do Guadiana, com sede na Escola Secundária com 3º Ciclo Diogo de Gouveia, R. Luís de Camões, 708-508 BEJA (telefone: 284 328 063), estão abertas as inscrições para a acção de formação para professores de filosofia (Grupo 410) «A teoria geral dos valores e a Ética, na perspectiva do método dialéctico», equivalente a dois créditos,50 horas de duração (50HP), CCPFC/ACC 52326/08 CF. O formador é o autor deste blog.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 17:42
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Equívocos no manual «Refl...

Equívocos no manual de Fi...

Marte em 1º-11º de Capric...

Confusões de Thomas Nagel...

Thomas Nagel confunde det...

arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds