Sábado, 8 de Dezembro de 2018
Bloco de Esquerdas y Podemos no defienden a la classe obrera sino a la classe media y al fundamentalismo islamico

 

En España como en Portugal hay partidos a la izquierda de los socialistas - el Bloco de Esquerda, de Catarina Martins; Unidos Podemos de Pablo Iglesias - que no representan a la clase obrera sino la capa superior de la clase media urbana.

 

Ni el Bloco de Izquierda portugues ni el Unidos Podemos español denuncian la islamización de Europa por las olas sucesivas de inmigrantes islamicos venidos de Siria, Irak, Afganistan, Pakistan, Libia, Marruecos, Argelia, etc. Y ambos clasifican de «fascistas», «xenófobos» y «racistas» a los partidos conservadores de derechas, nacionalistas cristianos, como el Frente Nacional de Marine Le Pen, en Francia, y Vox, de Santiago Abascal, en España, porque estos dos partidos defienden el cese de la inmigración islamica hacía Europa y el cierre de las mezquitas donde se hacen violentos discursos contra la democracia en Europa.

 

El 14 de noviembre de 2018, un mítin de Vox, en Murcia, fue cercado por centenares de «antifascistas» de Unidos Podemos que intentaron agredir a los participantes gritando «Sin piernas ni brazos, fascistas a pedazos», «Los mataremos a todos como en Paracuelos», refiriéndose a las matanzas sistematicas de unas 3 000 personas de derechas en noviembre de 1936 bajo la supervisión del comisario comunista Santiago Carrillo en las fosas de Paracuelos del Jarama, Madrid, durante el ataque del ejército de Franco .

 

Los antifascistas comunistas - los de Unidos Podemos - se vuelven social-fascistas como Lenin y Trotski lo fueron en febrero de 1918 al suprimir el parlamento elegido en Rusia donde los comunistas solo poseían el 25% de  escaños y   al aplastar en marzo de 1921 el soviet de Kronstad regido por anarquistas y socialistas revolucionarios.

 

Los antifascistas catalanes de Comités de Defensa de la República se vuelven social-fascistas cuando, como sucedió el 6 de diciembre de 2018, atacan en la plaza 1º de octubre en Girona con palos y piedras un mítin de Plataforma per Catalunya, partido de Monica Lora, no independentista que pone en primer plan el combate a la inmigración islâmica ilegal, a la islamización de Catalunya y a los abusos sexuales cometidos por magrebíes y otros sobre mujeres de cualquier nacionalidad.

 

En 2015, había unos 19 millones de musulmanes en la Unión Europea, un 3,8% de la población total. La gran mayoría eran sunitas con una minoría de chiitas. Los países con mayor porcentaje de población musulmana eran Francia, Bélgica, Holanda, Reino Unido, Alemania y Suecia.

 

El 5% de la población británica es de religión musulmana pero ese porcentaje no ha impedido que haya miles y miles de violaciones y otros abusos sexuales de chicas inglesas por inmigrantes de Pakistán,  Bangladesh, y otros países, hechos graves que la prensa no relata por miedo. En Suecia, que recibió una oleada de 250 000 inmigrantes en 2015-2016 y dejó de ser un país de hermosa tranquilidad, hay barrios, en Malmo y Gotemburgo, donde la policía no entra a causa de las mafias de inmigrantes.

 

En diciembre de 2016, un obrero de Foroches, militante del Partido Comunista de los Pueblos de España, se pasó a la derecha nacional que defiende la clase obrera y su modo tradicional tranquilo de vivir y dejó el siguiente testimonio:

 

«Y, por supuesto, un barrio donde el porcentaje de inmigrantes ronda el 40% aproximadamente, en función de lo que veo cada día. Si eliminamos a los chinos y a la inmigración europea, pues hay italianos y portugueses, quizá nos pongamos en un 30 o 35% de moros, negros y sudamericanos.»

 

¿Y sabéis qué? Mi barrio no ha sido siempre así. Cuando yo era pequeño nos pasábamos horas en la calle sin temer absolutamente nada, más allá de los dos o tres yonkis pasados por la heroína a los que los propios adultos metían una hostia si se acercaban más de la cuenta a algún niño, aunque el adulto y el niño no se conocieran. Aquí había gente que dejaba las llaves puestas en el coche por la noche (sí, como lo oís) para asegurarse de no perderlas, y no se lo robaban. El dueño de la panadería la dejaba abierta todo el día, aunque él no estuviera dentro, y tú cogías la barra que querías y dejabas el dinero en un cesto. Cuando se jodía algo y el Ayuntamiento tardaba en repararlo, éramos nosotros los que lo solventábamos. Éramos una familia. Y hoy en día, pasar por esas calles es desolador. Y claro, por entonces, los españoles éramos más del 99% del barrio.»

 

«De vez en cuando vienen partidos como Podemos a dar discursos. Partidos hechos para la gente de clase media que vive en los barrios del centro. Y todos nos vamos dando cuenta, poco a poco, de que no es para nosotros. Están alejados de la realidad de los obreros, ni siquiera mencionan la lucha de clases en ninguna parte de su discurso.»

 

«Esos supuestos revolucionarios de izquierdas giran su discurso alrededor de gilipolleces que a los cabezas de familia sin trabajo les suda tres cojones. Vienen hablando de la construcción de un carril bici, del ecologismo, de los autobuses eléctricos, de meter (aunque sea con calzador) a mujeres en puestos de responsabilidad para que sean el 50%. Vienen hablando del ecologismo, de visibilizar al colectivo LGTBI, de financiar los cambios de sexo. Viene hablando de la importancia de integrar a los musulmanes en nuestra sociedad, de construir mezquitas; a la par que atacan a la Iglesia católica, de la que la mayor parte del barrio es seguidora (yo no lo soy). Vienen a hablarnos de acoger refugiados, como si esos refugiados fueran a vivir a los barrios del centro donde viven el grueso de votantes de Podemos. ¡No, van a venir a nuestro puto barrio, y que nadie lo dude, joder!»

 

«No es casualidad que en Francia mismamente, los socialistas arrasen en los barrios de clase media y alta, los conservadores anden en todos, y que Le Pen domine abrumadoramente en los barrios obreros. La gente de aquí quiere Paz, Trabajo y Pan. Quiere comer todos los días, un techo bajo el que dormir, y un nivel de vida digno para sus hijos. Los transexuales y los carriles bici nos sudan los huevos. Esos problemas son para vosotros, los de los barrios buenos, que podéis votar a Podemos para ser los más guays del grupo. Habría que ver qué pasaría si fueran vuestros barrios lo que están así.»

 

«Los únicos que hablan por el pueblo son los partidos de extrema derecha. Son los únicos que están entendiendo lo que sucede y que atacan al daño moral que supone ver tu cultura invadida, poco a poco, por terceros que no hacen siquiera ademán de integrarse y que han hecho del barrio la escoria que es hoy en día. No es un asunto de pobreza. Hace 30 años éramos pobres, mucho más que ahora, y el barrio era otra cosa bien distinta. Cuando mis padres vivían aquí antes de que yo naciera eran aún más pobres, y seguía siendo otra cosa.»

 

«Al final, incluso yo, un exmilitante del PCPE (Partido Comunista de los Pueblos de España) está desencantado con esta izquierda pro–LGTBI, pro–inmigración y que ataca constantemente al hombre blanco. Parece ser que si un hombre blanco entre un millón viola a una mujer todos son iguales; pero si 600 musulmanes entre 2.000 se dedican a delinquir y a vivir de la puta paga, “¡eh, no generalices tío!”. (Paga que no dan ni a un pobre hombre que haya empezado a currar con 16 y que se haya quedado en paro a los 46, después de 30 años, teniendo mujer e hijos).»

 

«Y declaro: en cuanto aparezca en España un partido de extrema derecha serio, voy a votarlo. Y muchos en mi barrio pensamos igual. Ahora solo haya agrupaciones de rapados mononeuronales como España 2000 o casposos como los de Vox, pero tarde o temprano aparecerá uno. Vaya si lo hará, igual que en toda Europa ha sucedido y solo faltamos nosotros.»

«¿Y sabéis qué? A los que vivimos aquí nos la suda que venga un pijo gafapasta a llamarnos racistas, xenófobos e intolerantes. Nos la va a sudar completamente. Y por lo que se habla en las calles, ese utópico partido no va a tener pocos votos precisamente. Estamos hartos”.»

 

(artículo «Un joven obrero explica su paso de la extrema izquierda al patriotismo de derechas», em el manifiesto.com, 28 de diciembre de 2016; la letra negrita es puesta por nosotros).

 

Comunistas, socialistas, centristas, liberales y conservadores partidarios de la apertura de fronteras de Europa a la inmigración islamica están suicidando Europa y preparando la futura guerra civil europea porque el islamismo es el fascismo religioso que apunta a la destrución de las democracias liberales y de los derechos e libertades de mujeres y hombres. La verdadera extrema derecha es la elite mundialista de milionarios, como George Soros, que financia a las mafias que transportan inmigrantes en pateras desde África y Asia hacía España, Italia, Grecia con la finalidad de sumergir Europa en la mano de obra islamica que impondrá la sharia en barrios y ciudades.

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Derechos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:56
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 6 de Março de 2017
Breves reflexões de Fevereiro e Março de 2017

 

 Aqui vão algumas breves e despretensiosas reflexões neste inverno de 2017.

 

AMO-TE.. e tu nem sabes que me estou a referir a ti. Ou saberás? A intuição das mulheres!...

 

A BELEZA DO ALENTEJO. O Alentejo é tão lindo, tão rico em beleza de pormenores - os troncos rugosos das oliveiras centenárias, o verde dos montados, etc - que só podemos desfrutar, agradecer à Deusa Gea ou Cibele, à Mãe Terra, tanta beleza. E agradecer ao deus do Céu, Zeus ou Apolo, ou ao Supremo Arquitecto do Universo. A alegria é inevitável. Não há aqui a fealdade inerente às grandes cidades, sem embargo de estas serem necessárias à democracia e ao progresso material...Estamos no Paraíso Terrestre e pergunto onde estão Eva e Lilith, a segunda mulher de Adão...

 

TODO O TEU SENTIDO RELIGIOSO DE BUSCARES DEUS É UMA DEFESA DO EGO. Tens medo de morrer de repente seja por doença, acidente ou agressão física, medo de seres assaltada/o, violada/o, medo de perderes o casamento ou a família que te tranquilizam e apoiam, medo de perder o emprego, as riquezas materiais, o prestígio social, os amigos. Nem sabes se Cristo ou Buda existiram mas oras porque isso disciplina, traça uma linha para a tua vida. E quem sou eu para te criticar?

 

AS RELIGIÕES QUE COLOCAM O SACRIFÍCIO HUMANO OU ANIMAL NO CENTRO DO SEU CULTO suscitam o masoquismo, o sadismo e o fascismo e qualquer outro totalitarismo. A religião tradicional dos astecas recorreu ao sacrifício de rapazes e raparigas, apunhalando-os ritualmente, arrancando-lhes o coração para aplacar os deuses, em particular Quetzcoatl, a serpente emplumada. Qual o sentido do sacrifício de Cristo na cruz? É a mortificação dos escravos, dos doentes, dos desesperados, a sua domesticação pelas classes ricas e opressoras. Não admira que os Templários, precursores da Maçonaria iluminista e deísta, pisassem a cruz e cuspissem nela.

 

O MAIOR INIMIGO DAS MULHERES. O grande inimigo das mulheres é o islamismo, uma religião que prega o assassínio dos «infiéis» (cristãos, judeus, budistas, agnósticos, ateus) e coloca a mulher ao nível do cão e do burro na sujeição ao marido, ao pai e a outros elementos masculinos. A imigração de milhões de «refugiados» de países árabes para a Europa é um erro da esquerda e da direita moderada porque infiltra a sharia ou lei islâmica, que impõe matar os homossexuais, cortar a mão a ladrões e bater ou escravizar as mulheres, na sociedade europeia. O Islão é, para muitos, o novo nazismo que invade gradualmente a Europa, com permissão da elite global que não sofre com isto.

 

NADA HÁ MAIS ESTÚPIDO DO QUE O ECUMENISMO DOS ENCONTROS INTER-RELIGIOSOS COMO O ORGANIZADO POR JOÃO PAULO II EM 27 DE OUTUBRO DE 1986 E PROSSEGUIDOS PELO PAPA FRANCISCO. Rezar em comum com as mais altas autoridades do Islão ao Deus único? Que estupidez! Não existe Deus único, são deuses diferentes.

O Alcorão diz em 4:34 «Alá fez os homens superiores às mulheres porque Alá preferiu alguns a outros, e porque os homens gastam a sua riqueza para mantê-las. Portanto, as mulheres virtuosas são obedientes, e elas devem guardar as suas partes escondidas do mesmo modo que Alá as guarda. Com respeito às mulheres que você receie que se irão  rebelar, chame a atenção delas primeiro, e depois mande-as para uma cama separada, e então bata nelas. Mas se elas forem obedientes depois disso, então não faça mais nada; certamente, Alá é exaltado e grande!» Alah permite pois bater nas mulheres! É este o Deus cristão? Os teólogos do Vaticano não têm qualidade, dançam ao sabor do pragmatismo oportunista.

 

AO LIMITAR A IMIGRAÇÃO ISLÂMICA PARA OS EUA, TRUMP ESTÁ A OPOR-SE AO ISLAMOFASCISMO QUE, NOS PAÍSES ISLÂMICOS, EXPULSA, TORTURA E MATA CRISTÃOS E JUDEUS. Trump faz o que está certo, ao contrário do que dizem os pseudo humanistas do centro e da esquerda, do «abrir fronteiras a todos» e o povo pobre que pague a pressão económica e política dos «refugiados».

 

A HOLANDA ENFRENTA O ISLAMOFASCISMO TURCO DE ERDOGAN. Há uma etnia dominante na Europa, tipo caucasiano? Há. Se deixar de haver, a Europa deixa de ser o berço da democracia parlamentar e da melhor situação possível para as mulheres, oprimidas por séculos de patriarcado. Islão é submissão da mulher. Acautela-te, Europa!

 

 

O TRAVESTISMO É UM ACTO METAFÍSICO DE HUMILDADE. Quando um homem se traveste no carnaval é por uma de três razões: o auto-erotismo, o prazer, de criar em si uma imagem fisica de mulher e apaixonar-se por si mesmo ao espelho; o heterossexualismo exibicionista, visando atrair o segmento fetichista do sexo feminino; o homossexualismo. Nos três casos, há uma humilhação, maior ou menor, que a opinião pública impõe ao travestido: «Olha, gostava de ser mulher, não é maricas mas tende», «Olha é um gay disfarçado», «Olha é desavergonhado», etc.

 

O significado metafísico do travestismo é a adoração ao Deus-Deusa, ao Adão Kadmon, metade homem e metade mulher, da raça Hiperbórea que precedeu a raça humana. Tenho muita honra em partilhar este sacerdócio no carnaval e não só e em buscar as mulheres sacerdotisas que se dispõem a este acto superiormente belo em que ambos os sexos se fundem na unidade primitiva. Se nunca vos travestirdes não entrareis no reino dos Céus - esta é a regra.

 

A IGREJA CATÓLICA ROMANA É CRIAÇÃO DO PATRIARCADO, DE HOMENS PARA DOMINAR, SUBJUGAR AS MULHERES E O PROLETARIADO EXPLORADO, OS POBRES. Uma das provas é o facto de as muilheres não poderem aceder ao sacerdócio, ao bispado ou ao papado. Ora Jesus tinha um lado feminino e promoveu Maria Madalena, a líder feminina da sua seita essènia. Afirmar que Deus é masculino, exclusivamente, é blafesmar.

 

SOMOS FELIZES EM BEJA. Um colega diz-me: «Em Beja, vive-se calmamente. Melhor que em Lisboa e que no litoral algarvio, onde o stress é maior e os alunos mais difíceis de controlar. Mas o que é ser feliz?» Lembro-lhe o que disse Ramana Maharshi: "A felicidade não é algo que se tenha que adquirir. Você é sempre a felicidade. Esse desejo nasce da sensação de estar incompleto. Para quem existe essa sensação de estar incompleto? Investigue." Se tens saúde e emprego agradável, és feliz. Não queiras mais.

 

BONS EFEITOS DO JEJUM- Há dias, fui acometido de breve dor nos rins talvez devido a excesso de prótidos, ingestão insuficiente de água ou excesso de café. Começo a jejuar, sem comer nem beber nada (jejum seco, mobilizador da linfa, sem criar acetonúria)  e as dores desaparecem: os rins excretam os sais que os perturbam, os orgãos digestivos descansam, o corpo elimina as toxinas. O meu jejum durou 26 horas. Recomendo a toda a gente - menos às crianças em crescimento - JEJUNS BREVES DE ENTRE 12 A 24 HORAS, de preferência sem comer nem beber nada. E ao sair do jejum comer pouco. Exemplo: uma sopa de vegetais e uma maçã. Se todos jejuassem à sua medida, muitas doenças se evitariam ou curariam. A indústria farmacêutica não gosta de falar nas virtudes do jejum porque isso lhe diminuiria os lucros. É assim o capitalismo...

 

O FEMISMO DE  VALERIE SOLANAS. A militante femista radical Valerie Solanas escreveu no «Manifesto da Scum», sigla - Scum quer dizer «Escumalha»- de Society for Cutting-Up Men (Associação para destroçar os Homens) QUE O HOMEM MASCULINO É UMA ABERRAÇÃO:

 

«O homem é um acidente biológico. O gene Y (masculino) é um gene X (feminino) incompleto, quer dizer, é um conjunto imperfeito de cromossomas. Por outras palavras, o homem é uma fêmea incompleta, um aborto com pernas, falhado na fase do gene. Ser homem é ser deficiente, emocionalmente limitado; a masculinidade é uma doença e os homens são seres emocionalmente estropiados.»

«O homem é um ser egocêntrico, fechado em si próprio, incapaz de desenvolver afinidades, de se identificar com os outros, de amar, de sentir amizade, afeição ou ternura. É uma célula completamente isolada incapaz de se relacionar.» (Valerie Solanas, Manifesto da Scum, página 7, Fenda; o destaque a negrito é posto por mim).


«A inabilidade para se relacionar com os outros, ou com as coisas, torna a vida do homem tão falha de sentido e tão insípida (o princípio fundamental do pensamento masculino é que a vida é absurda) que ele inventou a filosofia e a religião. Sem nada dentro de si, olha para o exterior, não apenas para orientação e controle, mas também para salvalção e sentido para a vida. Na impossibilidade de ser feliz nesta terra, criou o Céu.» (Manifesto da Scum, pag 19)

«O segredo mais profundo de todos os homens é o medo de se vir a descobrir que ele não é uma mulher, mas sim um homem, um ser sub-humano.» (ibid, pag 27).

 

Em regra, os que atacam Valerie Solanas invocam a sua vida pessoal para desqualificar as suas ideias femistas: foi prostituta, lésbica e disparou um tiro contra o artista Andy Wharol. Mas a discussão não deve limitar-se a psicanalisar Valerie. Se fosse assim, não estudaríamos as ideias de Freud em si mesmas (o super ego, o id, o recalcamento, etc) mas andaríamos a pesquisar se Freud teve relações adúlteras, se abusou de alguma paciente, etc. A questão é filosófica e põe-se assim: é ou não má a natureza do ser masculino? Foi ou não a masculinidade a geradora do nazismo, do estalinismo, da guerra, de todas as guerras?

 

SINCRONISMOS -Em 22, 23 e 24 de Fevereiro de 2017, a ideia de SETE está em foco: no dia 22, a NASA divulga descoberta de SETE novos planetas parecidos com a Terra, a quarenta anos luz desta, em umas órbitas parecidas com as do sistema solar, três dos quais podem ter vida, até mesmo água em estado gasoso; no dia 23, faço uma compra por SETE euros; no dia 24, falo com uma senhora fiel da Igreja Adventista do SÉTIMO Dia.

 

SINCRONISMOS FONÉTICOS - Em 6 de Março de 2017, a ideia de ROSA está em destaque: cumprimento Jorge ROSÁRIO (evoca: ROSA) junto ao Museu Regional de Beja, passo junto da ourivesaria ROSA Damásio, o telejornal da TVI emite uma notícia sobre a corrupção do procurador Orlando Figueira pelo angolano Manuel Vicente, notícia cujo texto é de Cláudia ROSENbuch (evoca: ROSA), um telejornal informa que ROSA Sousa viu ser adiada por duas vezes em 2017 uma cirurgia aos ouvidos no hospital de Famalicão, recebo um contacto via web da Rua da ROSA, em Lisboa.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:25
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 15 de Agosto de 2014
A visão islâmica sobre o vínculo entre o sistema bancário e o negócio da droga

 

Em «Técnica do Coup de Banque» o teólogo islâmico Shayj Abdalqadir As-Sufi desmonta o processo de formação do moderno sistema bancário capitalista, a partir do século XIX, que através do papel-moeda e dos empréstimos geradores de «dívida pública» criou uma minoria ínfima de milionários que controla os Estados, os povos e o mundo inteiro. Escreve:

 

« Uma nova e moderna dimensão da evolução da banca é a relação que se dá entre a banca mundial e a indústria ilegal da droga. Apesar de saber que as drogas duras matam menos que o alcool e o tabaco, e apesar de que é sabido que estas mortes dependem em grande medida da adulteração que se faz do produto por causa das pressões comerciais, os governantes democráticos persistem em declarar a sua ilegitimidade apesar de se haver provado que se estas mesmas drogas estivessem livres das valorações mercantis o resultado seria a venda de artigos não adulterados e a quase completa eliminação das mortes causadas pelos aditivos químicos. A indústria da droga ocupa, junto com a das armas, o primeiro lugar na produção de riqueza do sistema kafir (nota: o não crente em Alah, o que oculta ou tapa a verdade). Por isso, uma vez mais, e ajudados pelos seus bem pagos  peritos em relações públicas, os banqueiros inventaram uma terminologia financeira com a que se quer sugerir que a sua participação na indústria da droga é absolutamente inocente e se deve unicamente às astutas artimanhas dos produtores das mesmas. O termo que inventaram é «branqueamento de dinheiro». Dizer isto supõe uma dupla ironia porque  se sugere temerariamente que o resto do sistema monetário está limpo e livre de qualquer mancha. É absolutamente impossível conceber que nos bancos do mundo se possa guardar, administrar, transferir e investir a riqueza dos  barões da droga estando ao mesmo tempo sumidos em um estado de total ignorância. É igualmente insustentável pensar que os milhares de milhões gerados por este comércio, socialmente falando, permanecem fora do sistema bancário guardados em sacos de papel castanho debaixo dos colchões das camas dos chefes dos cartéis da droga.» (Shayj Abdalqadir As-Sufi, Técnica del Coup de Banque, Editorial Kutubia, Comunidad Islâmica en España, Granada, 2003, pág.128-129; o destaque a negrito é posto por mim)..

 

Verificamos pois que os poderes que dominam a chamada «sociedade aberta» que Karl Popper exaltava - a democracia liberal de tipo ocidental - são corruptos e estão vinculados ao tráfico de droga que, aparentemente, combatem. A solução  deste sequestro das democracias pelo capitalismo financeiro, segundo o teólogo islâmico, inclui a retirada do dinheiro dos bancos e a sua conversão em moedas ou barras de oiro e prata.

 

O predomínio absoluto e exclusivo do dinheiro de metal impedirá que o sistema informático dos bancos fabrique, a partir do nada, números de empréstimos, juros e dívidas que, sem corresponderem a riqueza real existente nos bancos e na economia real, escravizam e defraudam os clientes, Estados incluídos. O que é a intervenção do chamado Fundo de Garantia Bancária e do Banco de Portugal no arruinado e fraudulento Banco Espírito Santo, em Agosto de 2014, senão uma defesa dos banqueiros e não dos consumidores que pagam a factura das patifarias de Ricardo Salgado, cúmplices e familiares?

 

Rejeitando o "terrorismo islâmico" dos waabitas (seita do Islão sunita financiada pela Arábia Saudita) tipo Osama Ben Laden, o teórico Shayj Abdalqadir As-Sufi rejeita igualmente a união dos islâmicos com os judeus e os cristãos, por considerar estes dois últimos povos autores e cúmplices do sistema bancário único multinacional. Critica os banqueiros cristãos e os principais banqueiros de Wall Street, de famílias de origem judaica, por terem financiado o partido Nazi de Hitler nos anos 30 e ajudado este a perpetrar o genoicídio de 6 milhões de judeus:

 

«Tal como estão as coisas, a união de cristãos e judeus é a que nos conduziu a esta situação desastrosa. Os judeus, exceptuando uma pequena minoria, abandonaram a sua religião e, tal como fizeram outrora, entregaram-se à adoração do bezerro de oiro nas suas cidades sagradas, Las Vegas e Hollywood.  Os cristãos já não crêem em nada. A sua destruição económica às mãos dos banqueiros era o mais apropriado depois da sua complacente colaboração no genoicídio. Uma análise mais profunda revela que a sua teologia, que jamais pôde recuperar da crítica racional que fez a Reforma, se viu reduzida ao circo mediático de gente sem cultura e ao culto do Papa. Sem o poder e a fúria da Inquisição e suas técnicas de tortura, é de toda a maneira impossível convencer milhões de pessoas de que o rito central da sua religião implica participar na antropofagia quotidiana da Missa. Esta incessante ingestão ritual de carne crua e de sangue (ou estão cozinhados?) é por si mesma um facto repulsivo, mas quando este rito se converte em garantia de redenção de uma vida pecadora, o intelecto deve protestar. Não há maneira de o Islão se poder unir a estas religiões em ruínas.»(Shayj Abdalqadir As-Sufi, Técnica del Coup de Banque, Editorial Kutubia, Comunidad Islâmica en España, Granada, 2003, páginas 144-145; o destaque a negrito é posto por mim).

 

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 02:41
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
15
16

22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Bloco de Esquerdas y Pode...

Breves reflexões de Fever...

A visão islâmica sobre o ...

arquivos

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
blogs SAPO
subscrever feeds