Domingo, 12 de Junho de 2022
Agustin Laje: a ditadura feminista de esquerda impera

Agustin Laje (16 de Janeiro de 1989), filósofo argentino autor de «O livro negro da nova esquerda», que as livrarias do México estão proibidas pelo governo de esquerda de o vender,  diz que Facebook, Twitter, Instagram, Amazon, Google, etc, são de esquerda e exercem censura sobre as posições conservadoras ou libertárias de direita sobre as questões LGBT, aborto livre, nacionalismos, racialismos, etc. Sabemos que é a direita conservadora, católica ou não, a grande defensora do matrimónio heterossexual baseado no amor e na fidelidade mútua, a defensora da ideia de nação independente, a defensora da probição do aborto e do ensino obrigatório nas escolas da ideologia da «igualdade de género, que é diferente da igualdade de sexos».É evidente que estamos contra a opressão da mulher pelos ultraconservadores, czaristas, estalimistas e fascistas- os direitos da mulher sob o salazarismo eram nitidamente inferiores aos do homem, até nas heranças, e na sociedade russa czarista e estalinista as agressões físicas dos maridos sobre as esposas não eram, em regra, punidas judicialmente.

Que diz o hexagrama 37 A família do I Ching, livro de sabedoria milenar chinesa?

«Sentença.

«A família. Há benefício na perseverança feminina. 

«A união básica é a de marido e a mulher. É a devoção e a lealdade perseverante dela que mantêm essa união. Por isso, a mulher constitui o fundamento do matrimónio e da sociedade.»(Tom Risenan, o I Ching, Editorial Estampa, pág. 57).

Se isto for defendido publicamente por um professor, um médico, um juíz, um religioso, um escritor ou um jornalista estes são classificados de «machistas primários». Há vídeos muito interessantes de Agustín Lage sobre o feminismo, a imigração, etc, filósofo que deveria ser chamado a conferenciar em Portugal porque põe ao contrário as ideologias de esquerda que nos governam, servas do grande capital multinacional,  e colocam Portugal desnacionalizado à beira do fim. Os ricos votam à esquerda e parte do proletariado vota à direita. E votar serve de quê?

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», 520 páginas, 10 euros (portes de correio para Portugal incluídos), CONTACTA-NOS: f.limpo.queiroz@sapo.pt



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 15:38
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 27 de Maio de 2022
La imposición de la ideologia de género en los colegios de España

 

¿La imposición de la ideología de género es o no es una dictadura ideológica bajo la capa de «igualdad»? ¿Como es posible negar la biología, que impone al hombre ser macho y a la mujer ser hembra? No es verdadero enseñar que «tu has nacido hombre pero si quieres puedes ser mujer».

Transcribimos de InfoCatólica de 26 de mayo de 2022:

«La ley aprobada por las Cortes de Castilla La Mancha  pretende que el sexo puede elegirse indepentientemente de la realidad biológica. Dice en su artículo 4:

«Diversidad sexual: hace referencia a todas las posibilidades de expresar la sexualidad, los afectos, el deseo y el erotismo, así como la orientación o identidad sexual y expresión de género de las personas»

Además se entromete en la educación dentro de la familia 

«Art. 26. La consejería competente en materia de infancia y familia incorporará programas de información dirigidos a las familias con el objetivo de divulgar las distintas realidades afectivas y sexuales»

Y obliga al profesorado a asumir la identidad sexual que cada alumno elija:

«Art.38. El equipo directivo indicará al profesorado y personal de administración y servicios del centro que se dirija al alumnado por el nombre elegido conforme a su identidad sexual»

Como es habitual en este tipo de leyes, incorpora un conjunto de sanciones dirigidas a quienes no se sometan a la ideología totalitaria que constituye la esencia del texto legal.

Los obispos de la Provincia Eclesiástica de Toledo –que integra la archidiócesis de Toledo, Primada de España, y las diócesis de Albacete, Ciudad Real, Cuenca y Sigüenza-Guadalajara-, han dado su parecer sobre la ley.

Los prelados dicen apoyar «toda iniciativa que favorezca la igualdad real y evite la discriminación que puedan sufrir las personas por razón de sexo, raza, religión, opinión o cualquier otra condición o circunstancia personal o social, como expresa nuestra Constitución. Apoyamos igualmente las medidas, siempre necesarias, que ayuden a evitar la violencia contra personas y colectivos por esos u otros motivos.»

Pero a su vez, dicen sentirse «obligados a manifestar nuestra preocupación por la reciente aprobación de la la ley» porque «se orienta a implantar en la sociedad una concreta forma de entender la naturaleza del ser humano, en la cual se parte de la separación entre el sexo con el que se ha nacido y con el que la persona se identifica, entre el sexo con el que se ha nacido y la elección personal de la orientación sexual».

«De hecho», constatan, «la inmensa mayoría de los preceptos de la ley tienen por objeto incorporar la perspectiva de género de manera transversal y promover las medidas en materia LGTBI en todos los sectores de la sociedad»

Los obispos apuntan que «la ley introduce un importante régimen sancionador, con multas de 3.001 a 30.000 euros para sus infractores, con la prohibición para entidades o personas de recibir subvenciones o, incluso, la inhabilitación temporal, cierre o suspensión temporal del servicio, actividad o instalación durante un año».

«Además», escriben señalando uno de los aspectos más perversos del texto legal «se invierte la carga de la prueba; es decir, corresponderá a quien se atribuye que ha discriminado a personas LGTBI la aportación de una justificación probada, objetiva y razonable de las medidas supuestamente discriminatorias». 

El hombre es lo que es, no lo que elige ser

Los obispos explican las diferencias esenciales entre lo que marca la nueva ley y la realidad antropológica del hombre y su naturaleza:

«El planteamiento antropológico que subyace en esta ley es contrario a la enseñanza del Magisterio de la Iglesia sobre la naturaleza del ser humano y no responde a lo que afirma la ciencia, la cual sostiene que la identidad sexual tiene su fundamento principal en la biología. En definitiva, esta ley pretende ser una visión que contrasta tanto con la fe como con la razón, con consecuencias sobre la esencia de la familia. Dios nos ha creado hombres y mujeres, y la diferencia entre ambos es una verdad.

Y añaden:

«La visión antropológica cristiana parte de la sexualidad como un elemento constitutivo de la personalidad derivado del diseño de Dios. La libre determinación de la personalidad no puede ser contraria a la verdad ni ser manipulada hasta el extremo de olvidar o ignorar lo que el ser humano es. Aunque, ciertamente, se parte del respeto a cada persona y de la coincidencia de voluntades en la lucha contra cualquier expresión de injusta discriminación, la luz de la verdad exige exponer con claridad esta visión».

La carta está firmada por:

+ Francisco Cerro Chaves, Arzobispo de Toledo y Primado de España
+ José María Yanguas Sanz, Obispo de Cuenca
+ Ángel Fernández Collado, Obispo de Albacete
+ Atilano Rodríguez Martínez, Obispo de Sigüenza-Guadalajara
+ Gerardo Melgar Viciosa, Obispo de Ciudad Real
+ Francisco César García Magán, Obispo Auxiliar de Toledo

 
 
 
 
 


publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:03
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 2 de Março de 2022
A homossexualização em curso e repercursões biológicas

 

A grande objeção à homossexualização da humanidade em curso - a difusão da ideologia de géneros que proibe classificar a homossexualidade como perversão e doença, o casamento gay, as cirurgias de «mudança» de sexo, etc - é de carácter médico científico. Em «A estratégia (the Agenda) o plano dos homossexuais para transformar a  sociedade»,  livro de 288 páginas,  escreve o reverendo Louis P. Sheldon: 

«Em 1993 e 1994, o Dr. Paul Cameron conduziu um importante
estudo das taxas de mortalidade entre homossexuais. Ele registrou a
idade em que os homossexuais morriam, de acordo com o relato de
mortes em 18 jornais gays durante um período de 11 anos, e descobriu
que a idade média de óbito entre eles era antes dos 40 anos para os que
contraíam AIDS. Para aqueles que não portavam o vírus da AIDS, a
média era um pouco maior, aos 40 e poucos anos. As estatísticas para
lésbicas indicavam um tempo de vida inferior a 30 anos. Ao fim do estudo, Cameron concluiu:
Nossos estudos sugerem que a AIDS reduziu o tem po de vida em
cerca de três a cinco anos, tornando a apreciação do homossexualismo mais perigosa hoje que no passado [se considerarmos uma m édia de 42 antes da AIDS, logo a síndrome está associada a 7% a 12%da redução do tem po de vida], (C a m e r o n , P l a y f a ir & W e l l u m ,1992— 1993).
«Evidentemente, uma vida longa não é um fator no estilo de vida
homossexual, mas o que torna esses resultados mais perturbadores é o
fato de que a longevidade da população em geral aumentou nos Estados Unidos ao longo do século passado. A expectativa de vida para os
homens aumentou de 40 anos em meados do século 19 para mais de 75
anos atualmente. Para mulheres, a expectativa de vida é de pelo menos
79 anos para quem possui um estilo de vida normal e saudável, e ainda
maior se a pessoa já alcançou a meia-idade ( A r ia s, 2002).
Em qualquer medida, gays e lésbicas possuem uma expectativa
de vida mais curta que a de heterossexuais.
Outro estudo lançado em 2004 sugere  que rapazes envolvidos em
relações homossexuais antes dos 20 anos têm poucas chances de chegar
à aposentadoria (H o g g et al,1997). A incidência não só de AIDS e
HIV, mas também de mais de 30 doenças altamente infecciosas neste
grupo reduziu a expectativa de vida em cerca de 30 anos. E qualidade
de vida para a prática homossexual é praticamente inexistente a partir
do momento em que os sintomas das doenças são detectados.

Um estudo publicado no International Journal of Epidemiology sobre as taxas de mortalidade dos homossexuais no Canadá, por exemplo, concluiu que a expectativa de vida para homens gays e bissexuais
é de 8 a 30 anos menor que para outros homens.»(...)

As relações homossexuais também são altamente instáveis e carregadas emocionalmente. O abuso físico é pelo menos duas vezes maior entre gays que entre casais heterossexuais. Porém, esses fatos
são ignorados pela mídia e pela cultura homossexual.
Eu já disse muitas vezes que homossexuais não são apenas homens e mulheres que preferem o mesmo sexo, mas são “pansexuais”.
Em outras palavras, são pessoas que procuram gratificação sexual em qualquer lugar e com os meios disponíveis para satisfazer seus desejos
eróticos. São hedonistas no sentido literal da palavra, e um relacionamento duradouro e monogâmico é a última coisa que um homossexual  quer. Esse é apenas um dos motivos pelos quais o casamento gay é uma fraude.
Em 1 9 7 8 , um estudo revelou que 2 8 % dos homens homossexuais
já tiveram uma infinidade de parceiros sexuais. Cerca de 7 9 % dos entrevistados disseram que mais da metade de seus parceiros sexuais eram
desconhecidos. Menos de 50% de homens brancos homossexuais disseram ter tido pelo menos de 500 parceiros sexuais ( B e l l & W e i n b e r g ,1 9 7 8 )»

Louis P. Sheldon, «A estratégia (the Agenda) o plano dos homossexuais para transformar a  sociedade»,  Editora Central Gospel, páginas 70-72; o destaque a negro é posto por nós). 

A discussão livre  deste tema  é tabu nas televisões, estações  radiofónicas, editoras em papel, escolas secundárias e universidades, etc. Uma ideologia única impõe-se nos grandes media. a ideologia luciferina que propaga o hedonismo desenfreado em nome da liberdade individual universal.



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 12:42
link do post | comentar | favorito

Sábado, 27 de Março de 2021
Não existem género masculino e género feminino

 

A confusão na teoria de Judith Butler (Cleveland, 24 de Fevereiro de 1956) filósofa pós-estruturalista, defensora de que nos construímos sexualmente transcendendo a genética, a base biológica, é grande: o conceito de género perde precisão, torna-se nebuloso quando se fala em género masculino e género feminino. Para sermos claros, dialéticos: os conceitos de masculino e feminino devem aplicar-se unicamente ao sexo biológico, genital - o pénis é masculino, a vagina e os seios produtores de leite são femininos - e lançam a confusão se transpostos para aquilo que se convencionou chamar «género».

 

Um homem homossexual activo é género masculino? E o seu companheiro homossexual passivo é género feminino? E dois homens homossexuais que alternam entre si a dominância física no ato sexual são género masculino, género feminino ou ambos? E um rapaz heterossexual que se veste com roupa feminina mas só namora raparigas é género feminino?

 

Género, tal como é usado, só pode designar, com clareza, o tipo de comportamento sexual: género heterossexual, género homossexual, género bissexual. Tudo o resto é confusão. Judith Butler carece de clareza. E quanto à igualdade de género se é um direito jurídico é uma falsidade ontológica: segundo os hoje censurados Freud, Jung, Adler, Wilhelm Reich, a homossexualidade é um estado patológico tal como a diabetes é patológica (em jejum, acima de 1,10 gramas de glucose por litro de sangue é considerado doença) não tem o mesmo estatuto que a saúde.

 

Seria ridículo que os médicos, para não ofender os diabéticos, proclamassem normal ter 1,60 gramas de glucose por litro de sangue estando a pessoa em jejum. É ridículo que os filósofos, os psicólogos, os políticos, a comunicação social proclamem, para não ofender gays e lésbicas, que «é tão normal ser heterossexual como homossexual, este último nem é nem doente nem vicioso». E assim se vão transmutando os valores como convém à Nova Ordem Mundial que visa impor uma ideologia única, um governo mundial único com aparência liberal.

 

NOTA- Compra o nosso livro «Astrologia Histórica» já esgotado nas livrarias. Preço: 24 euros. Os professores de filosofia são incompletos, ignorantes numa matéria fundamental, a do determinismo versus livre-arbítrio, se não dominarem a astrologia histórico-social.

Encontram-se à venda na livraria «Modo de Ler», Praça Guilherme Gomes Fernandes, centro da cidade do Porto, as nossas 0bras:

Dicionário de Filosofia e Ontologia, Dialética e Equívocos dos Filósofos, de Francisco Limpo Queiroz,

Astrologia Histórica, a nova teoria dos graus e minutos homólogos,de Francisco Limpo Queiroz,

Astrología y guerra civil de España de 1936-1939, de Francisco Limpo Queiroz

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

Nota- O autor deste blog está disponível para ir a escolas e universidades dar conferências filosóficas ou participar em debates. 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 10:53
link do post | comentar | favorito

Sábado, 16 de Maio de 2020
Breves reflexões de Maio de 2020

 

CONFISSÕES DE ADOLESCENTES SOBRE SEXO E DEUS. Em 19 de Outubro de 2018, extrovertida e amante da verdade, Beatriz diz: «O que os rapazes e homens em geral querem das mulheres é sexo. Nós somos diferentes: gostamos de sexo e damos afecto. Eles precisam mais de nós do que nós deles pois nós conseguimos viver sem eles mas eles não conseguem viver sem nós. Quando os rapazes fazem troça de outro porque tem o respectivo pénis mais curto, mais pequeno, não percebem que o tamanho não interessa na relação sexual. O que importa é haver comunicação com a parceira: ela diz daquilo que gosta e ele diz daquilo que gosta. E adaptam-se, com flexibilidade.», David Gomes diz: «Eu creio em Deus porque o vi e me arrastou. Eu tomava banho na praia da Barra, em Aveiro, e estava a afogar-me. De repente surgiu um homem (Deus) que me deu a mão e me puxou para terra e me salvou e desapareceu logo. Posso dizer que tenho um conceito empírico de Deus, uma ideia porque vi e senti  ao passo que outras pessoas só têm uma intuição inteligível de Deus, uma ideia vaga e metafísica que não se pode concretizar.»

 

AS MULHERES BELAS DE BEJA, QUE SÃO MUITAS, ANDAM DE MÁSCARA E É IMPOSSÍVEL APRECIAR A BELEZA TODA DOS SEUS ROSTOS. Sem estética feminina, a sociedade entristece. Rezemos a Nosso Senhor para que a beleza das almas e dos corpos regresse em plenitude.

 

EU E A MAÇONARIA. Posso ter amigos iniciados na Maçonaria com os quais tenho longos diálogos e troca frutuosa de ideias mas sou impermeável à iniciação maçónica: não entro na Maçonaria, mantenho-me livre e autónomo tanto quanto possível. A minha educação católica até aos 14 anos marcou-me de tal modo que ressoam em mim as palavras do padre Pio de Pietrelcina: «Maçonaria? Ora, é arte do demónio!». O mesmo aplico à homossexualidade e à sodomia: «São portas para o inferno, dizia o padre Pio, não caiais na imoralidade, o Senhor Deus abomina os actos contra a natureza!».

 

DUALISMO CÁTARO E CATOLICISMO. A minha prática de oração é católica - o Santo Rosário Penitencial de 50 Pater, 50 Avé Maria e 50 Glorias e 50 Ave Maria Puríssima foi pedido pela Virgem em aparição a Clemente em Palmar de Troya em 19 de Abril de 1970, dia em que o Sporting CP se tornou campeão nacional de futebol em Portugal. Mas a minha filosofia ou ontologia é cátara, dualista: há dois Deuses, o do Bem, Pai e Mãe do Puro Amor, que só concebeu a nossa alma superior, e há o Deus da Imperfeição e do Mal, Demiurgo ou Lúcifer, que construiu os nossos corpos materiais com todos os seus instintos e impulsos egoístas. Não me digam, para desculpar Deus «criador de todas as coisas visíveis e invisíveis», que o homem é o culpado dos males do mundo, dos terremotos, das crianças com deficiências congénitas, dos acidentes de aviação e comboio. Não, os culpados são Satã e Lúcifer. Quem faz o mal, fá-lo por necessidade, por imposição dos planetas, os quais veiculam a ação de Satã.

 

ESTAR APAIXONADO POR UMA LIVRARIA. É possível um homem apaixonar-se por uma livraria - não pela funcionária, claro - como espaço físico artístico-cultural? É. Eu estou apaixonado pela livraria Verbo, na calle Sierpes de Sevilha, que é um antigo teatro com palco e «pátio de butacas» transformado em livraria. Sinto falta de viajar a Espanha.Sou um pequeno burguês intelectual que vive no mundo dos livros, das investigações histórico-astrológicas, das paixões por mulheres lindas e inacessíveis. Nada mais.

 

OS FUNGOS DECOMPOSITORES AVANÇAM, NÃO HÁ INSECTOS. Jorge diz-me: «Há 2 anos eu tinha 4 ou 5 insectos por cada flor no meu monte. Agora não há insectos, moscas e outros, encontro um em cada mil flores. O ecossistema está desequilibrado e os fungos decompositores que decompunham folhas mortas e matéria orgânica no solo cresceram demais, atacam as plantas vivas, fazem cair os figos das figueiras. Que tipo de ambiente estamos a criar com o olival intensivo e superintensivo onde as pulverizações fazem desaparecer insectos, pássaros, coelhos e outra fauna? São erros humanos graves: só se pensa no dinheiro, no reino da quantidade.»

 

SINCRONISMO ONTOFONÉTICO (REPETIÇÃO DO MESMO NOME NO MESMO DIA, NA TV OU NA PROFISSÃO).Em 19 e 20 de Maio de 2020, as ideias de ANTÓNIO e REGINA emergem: no dia 19, REGINA, aluna da ESDG, completa aniversário, converso com ANTÓNIO, mestre maçon que me diz que «os Távoras que atentaram contra a vida do rei Dom José na noite de 3 de Setembro de 1758 eram aristocratas maçons e por terem violado o código da maçonaria o marquês de Pombal, alto mação, mandou executá-los no meio de terríveis sofrimentos, quebrando-lhes os ossos um a um e queimando-os vivos, o juíz maçon reserva punições mais pesadas aos membros da maçonaria do que aos profanos, Sá Carneiro era membro de uma loja maçónica e foi morto em atentado à bomba em 4 de Dezembro de 1980 por ordem de outra obediência maçónica, há oportunistas, em especial homens de negócios e homens das secretas, infiltrados na Grande Loja Regular e no Grande Oriente Lusitano e no seio deste último a luta de interesses é terrível»; no dia 20, REGINA Duarte demite-se de secretária da Cultura do governo de Bolsonaro, telefono para o Hospital de Santo ANTÓNIO onde um amigo está internado.

 

SINCRONISMO ONTOFONÉTICO (REPETIÇÃO DO MESMO NOME NO MESMO DIA, NA TV OU NA PROFISSÃO). De 18 a 20 de Maio de 2020, a ideia de CINCO sobressai: no dia 18, exponho a uma turma de filosofia as CINCO vias de demonstração da existência de Deus segundo São Tomás de AQUINO (evoca: QUINA, CINCO); no dia 19, o deputado Marcos de QUINTO (evoca: CINCO) abandona o partido Ciudadanos por discordar de este acordar com o governo PSOE-UP espanhol prorrogar por mais 15 dias o estado de alarme no país; no dia 20, o parlamento espanhol aprova a QUINTA prorrogação do estado de alarme.

 

SINCRONISMO ONTOFONÉTICO (REPETIÇÃO DO MESMO NOME NO MESMO DIA, NA TV OU NA PROFISSÃO). Em 19 de Maio de 2020, a ideia de BAAL surge: Edmundo BAL, deputado de Ciudadanos, de centro, justifica no parlamento espanhol a votação do seu partido a favor da prorrogação por 15 dias do estado de alarme em Espanha, em conversa com um iniciado maçon que me diz que «na maçonaria são aceites pessoas de diferentes religiões ou que não pertencendo a nenhuma acreditam em um Criador, o Supremo Arquitecto do Universo» respondo que «li em um livro de Ricardo de la Cierva que o nome secreto de Deus para os maçons seria JABULON, uma fusão dos nomes JAVÉ, deus de Israel, BAAL, deus da guerra e das chuvas dos cananeus considerado um demónio nas escrituras judaico-cristãs, e OSÍRIS, deus egípcio assassinado por seu irmão Set.

 

SINCRONISMO FONÉTICO. Em 17 e 18 de Maio de 2020, a ideia de CARLOS emerge: no dia 17, CARLOS passa em Beja e desabafa comigo «Sabe, os catedráticos de filosofia só pensam nos seus interesses pessoais, instalados, não abrem campo a uma livre investigação. Heidegger usava uma linguagem hipnótica ( o ser, o ser diante dos olhos, etc.) que fazia a mente do leitor oscilar. Na universidade de Évora, Foucault, Heidegger e Derrida são os filósofos dominantes e o resto é apagado ou minimizado. Hoje há muitos filósofos como Edgar Morin, Mircea Eliade, Ivan Ilich, Werner Jaeger, etc. que são censurados nas universidades porque o pensamento único com as aldrabices da ideologia de género (exemplo: «podemos nascer de sexo masculino e transformarmo-nos em mulher») impõe-se»; no dia 18, passam 100 anos sobre o nascimento de KAROL (CARLOS) Wojtila, papa João Paulo II.

 

SINCRONISMO ONTOFONÉTICO (REPETIÇÃO DO MESMO NOME NO MESMO DIA, NA TV OU NA PROFISSÃO). Em 12 e 13 de Maio de 2020, as ideias de DUARTE, CATORZE e PAULO exaltam-se: no dia 12, PAULO, aluno da ESDG, é interrogado sobre matérias ensinadas para recuperação de nota, cruzo-me casualmente em Beja com o engenheiro PAULO Luís que chefia um departamento técnico da câmara municipal, o deputado do PSD DUARTE Pacheco acusa o ministro Mário Centeno de ter transferido 850 milhões de euros para o Novo Banco sem avisar o primeiro-ministro António Costa, DUARTE Alves, deputado do PCP, intervém no parlamento, DUARTE Nuno Vieira, presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal, surge a falar em um telejornal; no dia 13, PAULO Barreto, juíz presidente da comarca do Funchal, diz ao telejornal da TVI que o julgamento em cenário audiovisual não presencial de CATORZE narcotraficantes latino-americanos presos num veleiro no Funchal em Março de 2019 é legal mas PAULA Margarido, advogada na Madeira, discorda no mesmo telejornal, digo a alunos de filosofia que o Do In ou técnica de automassagem chinesa supõe a existência de CATORZE meridianos no corpo humano por onde flui a energia KI.

 

De 9 a 11 de Maio de 2020, as ideias de ÁLVARO CUNHAL e PRISÂO DE ANTIFASCISTAS destacam-se: no dia 9, passam 70 anos sobre a oratória brilhante do preso político ÁLVARO CUNHAL, dirigente do PCP, perante o tribunal fascista acusando a ditadura de Salazar de crimes de lesa pátria; no dia 11, Jerónimo de Sousa fala na realização em Setembro de 2020 da festa do Avante! no Seixal onde se evocará ÁLVARO CUNHAL, passam 47 anos sobre a prisão, em 1973, na Faculdade de Letras do Porto dos ESTUDANTES ESQUERDISTAS Francisco Queiroz e Jaime Reininho que são encarcerados na sede da PIDE-DGS na Rua do Heroísmo, no Porto, por "actividades subversivas" como organizar uma greve estudantil.

 

A MAÇONARIA CONTROLA POR COMPLETO OS MASS MEDIA. 19 de Maio de 2020. Um amigo, iniciado na Maçonaria do GOL, diz-me: «Em 2004 ou 2005, eu era membro de uma loja do Grande Oriente Lusitano e o tenente-coronel Vasco Lourenço, da loja maçónica 25 de Abril, fez-nos um convite para um almoço que durou 7 ou 8 horas na casa de campo dele junto à costa atlântica. Fiquei surpreendido porque compareceram ao almoço os directores ou subdirectores dos grandes orgãos de comunicação social: Expresso, Sábado, Visão, RTP, SIC, DN, etc. Foi então que percebi que praticamente toda a comunicação social está na mão da maçonaria e que é preciso haver vozes dissidentes como a do André Ventura que vai dizer coisas interessantes na campanha presidencial de Janeiro de 2021».

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contèm 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), CONTACTA-NOS.

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 10:58
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2019
A incapacidade de definir género no Guião «Conhecimento, Género e Cidadania no Ensino Secundário»

 

Nas 514 páginas do Guião «Conhecimento, Género e Cidadania no Ensino Superior» da autoria de Cristina C. Vieira (Coord.), Conceição Nogueira, Fernanda Henriques, Fernando M. Marques, Filipa Lowndes Vicente, Filomena Teixeira, Lina Coelho, Madalena Duarte, Maria Helena Dias Loureiro, Paula Silva, Rosa Monteiro,Teresa-Cláudia Tavares,Teresa Pinto, Teresa Toldy, Virgínia Ferreira não há uma definição clara e precisa do que se entende por género. O documento proposto aos professores pelo Ministério da Educação é anticientífico na medida em que é impreciso, confuso, embora animado do propósito nobre de proteger as mulheres, os homossexuais, os bissexuais e os transexuais da violência machista. Lê-se no Guião:

 

«No campo da psicologia, e no âmbito de uma tentativa de compreensão do comportamento dos homens e das mulheres ao longo do ciclo de vida, uma das visões mais consensuais do conceito de género foi influenciada pelos trabalhos de Janet Spence (1985; 1993), que o considera de natureza multidimensional e o explica recorrendo aos princípios do desenvolvimento humano. Quer isto dizer que ao falarmos de género nos referimos a um conjunto de componentes, que incluem, para citar apenas algumas, a identidade de género, a orientação sexual, os papéis de género, as características da personalidade, as competências pessoais e os interesses.» (Guião «Conhecimento, Género e Cidadania no Ensino Secundário», pág. 25; o destaque a negrito é posto por nós).

 

Esta definição não é concreta. clara. E é parcialmente tautológica quando diz que género inclui a identidade de género e os papéis de género. O que é o género, afinal?

 

Noutros pontos do Guião denuncia-se a visão estereotipada do género mas nunca se diz qual é a visão correcta de género:

 

«Além disso, os traços avaliados como positivos nas mulheres envolviam,sobretudo, o seu relacionamento com as outras pessoas, como o ser afectuosa, meiga ou sensível características estas que habitualmente integram a visão estereotipada de feminilidade. Nos homens eram mais valorizados aspetos como o ser audacioso, independente ou empreendedor, os quais caracterizam a visão estereotipada de masculinidade. »(Guião «Conhecimento, Género e Cidadania no Ensino Secundário», pág. 38)

 

 

«Robert Smith (2010), por exemplo, fez um estudo onde alertou para a necessidade de analisar detalhadamente a forma como o arquétipo masculino influencia as oportunidades para mulheres e homens se envolverem em iniciativas empreendedoras e o prejuízo que isso representa para as mulheres. O autor considera o machismo, o heroísmo e o excessivo assumir de risco bem como o hedonismo, a arrogância e a superconfiança como elementos constitutivos dos discursos sociais acerca “do empreendedor” (Smith,2010). Também num estudo com estudantes do ensino superior, em Portugal, concluiu-se que existe uma valorização de atributos  como liderança, dinamismo e criatividade ou inovação, associados à ideologia Schumpeteriana de empreendedorismo. Verificou-se também uma associação entre atributos do “empreendedorismo” e atributos estereotipadamente masculinos; emergiu maior heterogeneidade nas representações de mulher empreendedora pela evocação de atributos associados ao estereótipo de feminilidade (simpatia, beleza, elegância, vaidade) (Rosa Monteiro, Catarina Silveiro e Fernanda Daniel, 2015). Importa perceber que se trata de facto de estereótipos e representações associadas a homens e mulheres, com impactos muito nefastos sobre as oportunidades e escolhas de uns e outras. É fundamental desmontar estas concepções estereotipadas e polarizadoras que afastam as mulheres simbólica e concretamente do empreendedorismo, porque o associam a caraterísticas supostamente masculinas. Na discussão deste assunto importa recuperar exercícios de desconstrução de estereótipos de género e da divisão polarizadora e dicotómica entre masculino e feminino, de forma a compreender que a atividade empreendedora... (Guião «Conhecimento, Género e Cidadania no Ensino Secundário», pág. 487; o destaque a negrito é posto por nós).

 

Abolir a distinção entre masculino e feminino é tão ridículo como abolir a distinção entre diabético e não diabético ou abolir a distinção entre patrão e operário...Será um estereótipo sustentar que a maquilhagem é uma tendência predominantemente feminina e o uso da barba uma tendência masculina?

 

Deixemos algumas perguntas a que o Guião e os teóricos em que se apoia parecem incapazes de responder:

 

- Um casal gay a que género pertence? Masculino ou feminino? Se um dos gays é sempre o parceiro activo na união física pode ser considerado de género masculino e o outro, o passivo, de género feminino?

 

-Um rapaz que se traveste e mantém exclusivamente relações sexuais com mulheres, rejeitando a homossexualidade, de que género é: masculino ou feminino?

 

Ao apagar as diferenças psicossomáticas entre homem e mulher, classificando-as como visões estereotipadas, os teóricos da ideologia de género estão apenas a tentar criar cidadãos amorfos, abertos a todo o tipo de práticas sexuais, sem censura, exceptuando a pedofilia, bem entendido.

 

A noção de género não deveria referir-se à dicotomia masculino-feminino porque essa é um subgénero, isto é, uma espécie dentro de um de seis géneros, o heterossexual. Os géneros são: género heterossexual, género autosexual ou autoerótico, género bissexual, género homossexual, género transexual, género assexual. Esta classificação não é teorizada nem sequer abordada no «Guião» dominado por um confuso ecletismo.

 

Género deve pois definir-se em função da orientação sexual, secundarizando as características que lhe são associadas (os papéis sociais, o tipo de vestuário, os orgãos genitais, etc.). O Guião é incapaz de definir a contradição principal nas componentes que faz entrar no conceito confuso de género. De facto, o aspecto dominante é a orientação sexual e não a dicotomia masculino-feminino sem embargo de esta vigorar no seio do género heterossexual.

 

O lema «igualdade de género» assenta no «políticamente correcto», em nome da tolerância desculpa e nivela todos os gostos,  mas não traduz os diferentes graus de verdade biopsicológica inerentes aos diversos comportamentos sexuais: o sexo anal é impróprio porque causa endocardite bacteriana, uma doença do coração resultante da migração para o coração das bactérias fecais que atravessam a parede do intestino, arranhada por um orgão sexual; o acto heterossexual com penetração da vagina pelo pénis é o mais natural e apropriado à biologia. Não se pode fugir a isto por mais «inventivos» que sejam os amantes.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 15:00
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
Socialistas, Bloco de Esquerda e comunistas: impulsionadores da islamização fascista da Europa

 

A invasão islâmica da Europa, cristã e laicista, constitui hoje e nas próximas décadas um dos polos da contradição principal em termos geopolíticos. O outro pólo é o bloco de classes sociais que resiste a essa invasão. A classe operária europeia é patriótica e opõe-se à islamização da Europa pela entrada de imigrantes que lhe retira empregos e liberdades. À esquerda, falta um partido nacionalista, proletário, que desmascare os partidos socialistas, o Bloco de Esquerda e o PCP, que agem com um falso humanismo abrindo as portas à imigração islâmica conforme o planeado pelo clube de Bilderberg e a Comissão Trilateral.

 

António Costa, Catarina Martins, Francisco Louçã e Jerónimo de Sousa são de esquerda? Não, no que respeita à política de imigração. As esquerdas institucionais e o centro-direita permitiram o cerco e a degradação dos bairros operários dos seus países por centenas de milhar de imigrantes islâmicos que albergam uma latente hostilidade à cultura cristã e democrática europeia, obrigam as mulheres a usar véu, violam raparigas inglesas, suecas ou alemãs e sequestram as liberdades individuais. No Reino Unido, o país europeu com mais imigrantes islâmicos, a bandeira de São Jorge não foi hasteada no dia 23 de Abril para não ofender a bandeira do Islão por causa da cruz...

 

O Bloco de Esquerda, fundado em 1999, com Francisco Louçã, trotskista, dirigente do Partido Socialista Revolucionário, como coordenador é uma criação da maçonaria iluminati, tal como o Unidos Podemos de Pablo Iglesias, fundado em 9 de Maio de 2016. Louçã, professor universitário, é comentador televisivo em Portugal porque é inócuo para a burguesia cosmopolita europeísta: tal como Ângela Merkel apoia a entrada massiva de imigrantes islâmicos na Europa, a perda de soberania das nações a favor de um superestado europeu hegemonizado pela Alemanha e a França, a vacinação em massa das populações, sabendo, embora, que as vacinas contêm alumínio e mercúrio, produtos cancerígenos. O islamismo é a extrema-direita na Europa e é  esta corrente étnico-religiosa que os socialistas, os democratas-cristãos, os liberais e os filocomunistas do BE promovem autorizando a construção de mesquitas, construindo bairros onde o Islão domina e reina o medo, etc.

 

O Bloco de Esquerda mergulha no paradoxo: por um lado, proclama a libertação da muher implementando o aborto livre no Serviço Nacional de Saúde, fazendo com que os fetos, células estaminais, e plasma sanguíneo sejam vendidos às farmacêuticas que os vão usar na produção de vacinas; por outro lado, favorece a implantação na Europa do islamismo, uma civilização medieval incompatível com a democracia, que traz de África e da Ásia milhões de mulheres subjugadas a pais e maridos despóticos e gera terroristas, manipulados pelos serviços secretos israelitas, norte-americanos, britânicos, franceses e outros.

 

A ideologia de género defendida pelos socialistas de direita, como o PS português, e pelos socialistas de esquerda e filocomunistas, como o BE português e o Unidos Podemos Espanhol, ideologia que iguala ao pormenor em direitos a heterossexualidade, a homossexualidade e a transexualidade impondo o casamento gay e a adopção de crianças por casais do mesmo sexo espelha a mentalidade de um racionalismo abstracto, geométrico e falseador da realidade que é próprio da maçonaria. Isto visa criar seres psiquicamente andróginos, mais facilmente manipuláveis do que os que têm opções tradicionais, homem macho e mulher fêmea, bem definidas. Por exemplo, em 10 de Dezembro de 2018, a TVE noticiava que a Generalitat valenciana proibiu etiquetar os brinquedos segundo o sexo genético: nada de carrinhos militares para meninos, bonecas para meninas...as bonecas e os lacinhos cor de rosa são para todos os que gostarem, já que o conceito de género se opõe frequentemente ao de sexo orgânico com que a «malvada» natureza dotou cada um.

 

A classe operária, ao contrário da tese marxista, é essencialmente patriótica, nacionalista. Internacionalista é a burguesia que faz circular os capitais e mercadorias e as suas forças militares pelo mundo inteiro. A direita nacional anti islâmica ( Vox de Santiago Abascal, Front Nacional de Marine Le Pen, etc.) é, nesta fase, aliada da classe operária europeia. O nacionalismo democrático é a via de defesa da Europa e proclama : islamofascismo fora da Europa! Pare-se o fluxo de imigrantes oriundo de países islâmicos para o continente europeu!

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Derechos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:15
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16

18
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Agustin Laje: a ditadura ...

La imposición de la ideol...

A homossexualização em cu...

Não existem género mascul...

Breves reflexões de Maio ...

A incapacidade de definir...

Socialistas, Bloco de Esq...

arquivos

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
blogs SAPO
subscrever feeds