Quarta-feira, 18 de Julho de 2018
A confusão de transformismo com homossexualidade e transexualidade

A TVI exibiu em 17 de Julho de 2018, a reportagem «Senhor Traveca» que apresenta as figuras e depoimentos de três artistas de Drag Queen, Bruno Cunha (Camel Toe), do Porto, que usa barba nos shows travestis, Ricardo Magalhães (Luna), Drag Queen em Setúbal, e José Coelho (Rebbeca Bunny), de 21 anos, transformista em Lisboa. A reportagem é interessante, os três declaram ser gays, relatam os dramas das suas vidas. Merecem respeito pela coragem. Mas o defeito desta reportagem é o de, na linha dos sectários da LGBT, apresentar a falsa ideia de que todos os transformistas, isto é, todos os homens que se vestem ocasionalmente ou profissionalmente de mulheres são gays.

 

A LGBT censura a existência de um sector crossdresser heterossexual, isto é, de um número considerável de homens que gosta de vestir de mulher em solitário ou na companhia das esposas e namoradas e que rejeita liminarmente a homossexualidade e a bissexualidade físicas por achar repulsivo o corpo masculino. Os herejes, que são os crossdresser hetero, são excomungados pela igreja LGBT que quer integrar todo o travestismo dentro da homossexualidade e da transexualidade.

 

Também pelo campo sócio-sexual passa a luta de classes. A LGBT que funciona como uma espécie de representante dos oprimidos e excluídos sexuais, socialmente falando,  marginaliza e censura os que assumindo aparências andróginas ou femininas estão irredutivelmente no campo da heterossexualidade. Os comentários explicando o que é ser crossdresser heterossexual são banidos das páginas do portal da LGBT na internet.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

  f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 07:11
link do post | comentar | favorito

Domingo, 17 de Junho de 2018
Charles Taylor: a homossexualidade faz desaparecer os horizontes de inteligibilidade

 

Charles Margrave Taylor, nascido em 5 de Novembro de 1931, na cidade de Montreal, no Canadá, professor emérito de Filosofia e Ciência Política na Universidade de McGill, é um filósofo que faz uma crítica subtil à filosofia igualitarista em voga - a que chamaremos relativismo nivelador e Taylor designa por relativismo brando - que eleva a homossexualidade a um estatuto científico e social idêntico ao da heterossexualidade.

 

Escreve Taylor:

«O termos certa impressão das coisas nunca pode constituir base suficiente para respeitar a nossa posição, porque a nossa impressão não pode determinar o que é significativo. O relativismo brando autodestrói-se.»

«As coisas adquirem importância contra um fundo de inteligibilidade. Chamaremos a isto horizonte. Deduz-se que uma das coisas que não podemos fazer, se temos de nos definir significativamente, é suprimir ou negar os horizontes contra os que as coisas adquirem significado para nós. Este é o tipo de passo contraproducente que se dá com frequência na nossa civilização subjectivista. Ao acentuar a liberdade de escolha entre certas opções, muito frequentemente deparamos com o facto de que privamos as opções do seu significado. Existe, por exemplo, um certo discurso de justificação de orientações sexuais não convencionais. Há pessoas que desejam sustentar que a monogamia heterossexual não é a única forma de conseguir a realização sexual, que aqueles que se inclinam pelas relações homossexuais, por exemplo, não deveriam ter a impressão de que empreendem um caminho secundário, menos digno de recorrer. Isto encaixa bem na moderna compreensão da autenticidade, com a sua noção de diferença, de originalidade, de aceitação da diversidade. Tentarei ampliar estas conexões mais adiante. Mas por mais que o expliquemos, está claro que esta retórica da "diferença", da "diversidade" (inclusive do "multiculturalismo") resulta central para a cultura contemporânea da autenticidade

«Mas em algumas das suas formas, este discurso desliza para uma afirmação da própria escolha. Toda a opção é igualmente valiosa, porque é fruto da livre escolha, e é a livre escolha a que lhe confere valor. O princípio subjectivista que subjaz ao relativismo débil está aqui presente. Ainda que isto nega explicitamente a existência de um horizonte de significado, pelo qual algumas coisas valem a pena e outras algo menos, e outras não valem a pena em absoluto, muito antes da escolha. Mas nesse caso a escolha da orientação sexual perde todo o significado especial.»

 

(Charles Taylor, Horizontes ineludibles, em  Carlos Gómez (ed.), Doce Textos Fundamentales de la Ética del siglo XX, Alianza Editorial, pp 234-235, extraido do livro de Taylor La ética de la autenticidad, Barcelona, Paidós, 1994, capítulo 4, pp. 67-76, o bold é destaque posto por nós).

 

E defendendo a existência de valores sociais como o primado da heterossexualidade, da solidariedade, etc., Taylor, classificando tacitamente de "narcísica" e "inautêntica"  a homossexualidade, escreve:

 

«O agente que busca significado para a vida, tratando de defini-la, dando-lhe um sentido, há-de existir em um horizonte de questões importantes. É isto que resulta contraproducente nas formas de cultura contemporânea que se concentram na auto-realização por oposição às exigências da sociedade, ou da natureza, que se fecham à história e aos laços de solidariedade. Estas formas "narcisistas" e egocêntricas são desde logo superficiais e trivializadas; são "estreitas e planas", como diz Bloom. Mas isto não sucede assim porque pertençam à cultura da autenticidade. Ocorre, pelo contrário, porque fogem das suas estipulações.»

 

(Charles Taylor, Horizontes ineludibles, em  Carlos Gómez (ed.), Doce Textos Fundamentales de la Ética del siglo XX, Alianza Editorial, pág 37, extraido do livro de Taylor La ética de la autenticidad, Barcelona, Paidós, 1994, capítulo 4, pp. 67-76, o bold é destaque posto por nós).

 

 

A lei da atração dos contrários inteligível na heterossexualidade, no par homem-mulher, torna-se ininteligível no plano físico-visual na homossexualidade, com o par homem-homem. Se ensinarmos na escola do primeiro ciclo que tanto faz um menino beijar na boca uma menina como beijar na boca um menino, criamos uma ideologia e uma educação perversas, que não distinguem entre valores superiores e valores inferiores.

 

É óbvio que a homossexualidade masculina representa um desiquilíbrio psíquico e fisiológico: um homem que se submete sexualmente a outro homem perde a confiança em si mesmo e, ademais, a relação homossexual comporta geralmente penetração anal e o ânus é um orgão excretor de resíduos fecais, absolutamente impróprio para sexo.  Freud, Jung e Adler não estão ultrapassados na ciência do psiquismo ao classificarem a homossexualidade como desvio, distorsão do Eros. Todos os psiquiatras e teóricos modernos adeptos da tese de que «é tão normal ser heterossexual como ser homossexual» estão errados, fazem o discurso do "politicamente correcto". Nenhum médico ousaria dizer que "é tão normal ser diabético com 140 mg/ dl de glucose no sangue como não ser diabético com 85 mg/dl de glucose no sangue"...

 

O argumento hedonista de que «sexo anal dá prazer» não tem solidez face aos danos corporais, visíveis ou não, que provoca nos esfíncteres, na parede intestinal  e no coração.

 

Demonstrou-se que a frição do pénis ou de um objecto similar dentro do intestino recto faz migrar as bactérias fecais para o coração criando neste uma doença chamada endocardite bacteriana, comum à generalidade dos homossexuais - e também às mulheres que consentem relações sexuais anais. Este é um argumento muito forte a favor da superioridade das relações heterossexuais pénis-vagina.

 

No entanto, o direito à  homossexualidade é inquestionável, juridicamente falando, e os homossexuais devem ser defendidos contra agressões homófobas, estimados,  compreendidos, sem embargo de a homossexualidade ser criticada. Mas não deveriam ter o direito de adoptar crianças.

 

  

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

 f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz

 

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 14:44
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2018
Assexualidade: confusões teóricas

 

Em 25 de Junho de 2016, encontrava.me em Lisboa por causa de uma manifestação nacional de professores e pude assistir ao comício que finalizou a manifestação da LGBT que, paralelamente, decorreu nesse dia internacional dos direitos dos gays, lésbicas, bissexuais e transexuais. Dei conta da bandeira do movimento das /dos assexuais e constatei, com surpresa, que aí pontificavam algumas jovens de comportamento lésbico. Há algo incoerente na classificação da assexualidade: lésbicas assumidas proclamando-se assexuais?

 

A Wikipedia fornece as seguintes definições:

«Assexualidade[ é a falta de atração sexual a qualquer pessoa, ou pequeno ou inexistente interesse nas actividades sexuais humanas.  Pode ser considerada a falta de uma orientação sexual ou uma de suas variações, ao lado da heterossexualidade, da homossexualidade, da bissexualidade e da pansexualidade. Também é considerado uma palavra-autocarro para caracterizar um espectro mais amplo de diferentes sub-identidades assexuais. Um estudo de 2004 descobriu que a prevalência de assexuais na população britânica era de 1%.»

A assexualidade difere da abstinência sexual e do celibato que são comportamentais e geralmente motivados por fatores como crenças pessoais ou religiosas. Acredita-se que a orientação sexual, ao contrário do comportamento sexual, é "duradoura".[Algumas pessoas assexuais engajam em atividades sexuais, mesmo não tendo desejo por sexo ou atração sexual, por uma variedade de razões, como a vontade de obter ou dar prazer e a aspiração de ter filhos.»

 

«Alguns assexuais usam um sistema de classificação desenvolvido (e então aposentado) pelo fundador da Asexual Visibility and Education Network.  Nesse sistema, assexuais são divididos em tipos de A a E:

  1. Assexual tipo A: possui atração romântica por indivíduos do sexo oposto (heterorromântico).
  2. Assexual tipo B: possui atração romântica por indivíduos do mesmo sexo (homorromântico).
  3. Assexual tipo C: possui atração romântica por indivíduos de ambos os sexos (birromântico).
  4. Assexual tipo D: possui atração romântica por todos os tipos de indivíduos (panromântico).
  5. Assexual tipo E: sem atração romântica e direção sexual (arromântico).

Note que a assexualidade não é o mesmo que celibato que é a abstinência deliberada de atividade sexual; muitos assexuais fazem sexo, e a maioria dos celibatários não são assexuais. A AVEN não utiliza mais esse sistema por se tratar de algo muito exclusivo.» (in Wikipedia)

 

Quem quer que pratique sexo físico, como aparentemente sucede com dirigentes do movimento das assexuais portuguesas, não pode, em rigor, ser classificada como assexual. Assexual significa: pessoa com ausência de desejo sexual (assexualidade hormonal) e pessoa com ausência de quaisquer práticas de sexo físico (assexualidade comportamental, imposta muitas vezes por razões morais). Tudo o que transcende esta definição é falsa assexualidade. Mas as confusões teóricas imperam e dão jeito a algumas pessoas que procuram obter visibilidade social.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 06:59
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
João Bereslavsky: a homossexualidade de Santo Agostinho, inventor do «pecado original»

 

João Bereslavsky (João do Santo Graal), filósofo russo e místico, arauto da igreja cátara do século XXI, aponta (Santo) Agostinho, bispo de Hipona, como o criador da teoria do pecado original que moldou um catolicismo com os traços diabólicos de Elohím, o deus do Antigo Testamento. Agostinho foi seguidor de Mani, que postulava o dualismo original Luz-Trevas e não atribuía a origem do mundo corporal de matéria ao verdadeiro Deus como os católicos e os judeus. Depois, Agostinho retrocedeu na espiritualidade e aderiu ao  catolicismo que fez inflectir num sentido sombrio, de pecado como lema primeiro. Escreve Bereslavsky:

 

«7. No judaísmo, com todo o seu enfoque no pecado, a lei regulava e vencia em certo grau os inícios pecaminosos. O islão até agora não crê no pecado original. A doutrina do pecado original foi imposta no século IV por Agostinho

«Em particular, cita um tal Simplício na sua carta. Diz que o pecado predomina na natureza humana desde o início. Veio com a queda dos procriadores; por isso é eternamente próprio do homem e praticamente imperdoável.» (...)

«11. Agostinho é um profeta falso. É uma raridade da diabocivilização, um herdeiro cristão dos "açores" judaicos, dos fariseus da época do Segundo templo, com a sua misantropia exacerbada. É o precursor da inquisição católica medieval que girou o eixo mundial para a malevolização.» (...) 

 

«O interior de Agostinho»

«Até agora pouco se sabe sobre o bispo de Hipona. É um personagem obscuro. Chegou o tempo de desmascarar o que não se pode ler em nenhum livro, em nenhuma página web: o interior de Agostinho.

«12. O seu traço principal é uma homossexualidade rematada que atormentava este clássico romano durante toda a sua vida e que nunca superou. Acrescido a isso um "complexo de Édipo" profundo - a relação sodómica com a sua mãe bruxa .

A sua mãe Mónica também está na sombra. As crónicas oficiais falam sucintamente dela, no limite do silêncio, enquanto que ela precisamente, com mentira calculista, sodomia e ialdabaotianismo ritual, determinou o caminho do seu filho.»

«13. Por trás de Roma está Agostinho. Por trás de Agostinho está Mónica. Por trás de Mónica, Lilith, a mulher de Satanael (Jehová Elohím) e atrás desta última está o próprio diabo! Assim é a cadeia secreta do catolicismo romano.»(...)

«Reflectindo sobre Agostinho vi cinco períodos na sua vida.

«O primeiro período é o homossexual: a juventude libertina, a depravação.»

«O segundo é o mar-mánico, a comunicação com os seguidores de Mar-Mani: a tentativa de pôr-se no caminho espiritual e libertar-se do mau costume - Odeio a palavra maniqueísmo é uma invenção católica detestável do mesmo modo que a da palavra "cátaros". Utilizarei o termo mar-manismo -(...)

 

«Mónica  enviou Agostinho à confissão do sacerdote da igreja romana. Começava assim o terceiro período - o cristão - o da vida de Agostinho que aceitou o signo de Jeová e atrás dele a rejeição do grande Mar-Mani e do Pai Bondoso.»

«Agostinho aceita a obediência eclesiástica: concebe a doutrina, segue os sacramentos, aceita o sacerdócio...mas interiormente, até à hora da sua morte, sofre do desejo homossexual. Torturam-no os constantes enamoramentos quiméricos...»

«O quarto período é o da decepção profunda. O pecado é incurável. Agostinho, desesperado, rompe relações com sua mãe. Entra em uma crise profunda de seis meses que termina com o quinto período: o de, chamemos-lhe, uma compensação neurótica.

«A mãe não o envergonha mais. Mas em Agostinho nasce outra força. Quer libertar-se do pecando...sacudindo-o sobre os demais. (!!!).»

«Assim nasce a ideia do pecado original - a projecção da sua própria homossexualidade fatal e incurável. Agostinho crê que o vício que se apodera dele é inato, que não se submete à correção, que supera o homem. Então o pecado original também o supera

«O período odioso da compensação finaliza com a sacudidela do pecado de Agostinho sobre toda a humanidade; e junto com o pecado, o complexo de culpa imperdoável. »

«16. O que aceita a doutrina do pecado original inicia-se, sem querer, na doutrina da sodomia. Mais ainda: com isto inicia-se o desprezo para com o homem: o antihumanismo.»

«O homem, segundo Agostinho, contém o mal ontológico: os únicos remédios contra o mesmo são o medo, a ameaça, a coação e a violência. O homem é, ademais, uma nulidade contaminada perigosamente. Então, tudo o que oprima o homem - o Estado, a polícia, as prisões, o exército, a igreja, a inquisição - deve ser bom!  (...)

«19. A fatalidade do pecado de Agostinho foi transferida pela igreja romana para a natureza humana em geral. Mas eu afirmo: do mesmo modo que a homossexualidade não é própria do ser humano, mas está injectada pelos humanóides dos planetas mortos, tampouco o pecado original é fatal. Não existe!

Faz falta uma nova visão do homem - com os olhos da Imaculadez Original -.

Porque perseguiam a Eufrosínia? Não por ler o saltério ou acumular o Espírito Clarosanto, não, mas por atrever-se a dizer: "Tenho todos os pecados perdoados". 

«22. Em que consiste a diferença principal entre catarismo e catolicismo? O catolicismo crê que o pecado original é fatal e imperdoável apesar de todas as confissões, indulgências e ritos. Mas então a igreja é uma armadilha! Por isso, se não há salvação do pecado, de que serve estar na "oficina" ritual? »

«O catarismo, pelo contrário, considera que o remodelado de adaptação é superável com quatro condições».

 

(Juan de San Grial, «Guan Min, la Madre Divina, Enciclopedia del Catarismo, Associaciò per l´estudi de la cultura càtar, 2013, pp.207-209; o negrito é colocado por nós).

 

O remodelado de adaptação é o corpo do homo sapiens, adulterado por Satanás, príncipe do mundo material, no sentido da luxúria, da ganância e da violência. O Editor define assim o remodelado de adaptação: «conjunto de operações etéricas para a mudança do teo-homem em homo sapiens com a extração de uma parte dos seus compostos divinos e com o cerramento do coração e dos seus corpos espirituais, realizado pelo príncipe deste mundo ilegalmente há 7.500 anos. Apresentando-se como o Pai da Terra e utilizando a magia, a hipnose e a mistificação, o inimigo do género humano submeteu os anjos ingénuos dos céus inferiores, e levou a cabo com eles 180 operações para o suposto desenvolvimento do potencial de outro amor (a luxúria).» (Juan de San Grial, « Rosa de los Serafitas, Evangelio cátaro bogomilo», Associaciò per l´estudi de la cultura càtar, 2015, nota de rodapé da pág. 252).

 

  www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 © (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:39
link do post | comentar | favorito

Domingo, 9 de Julho de 2017
Breves reflexões de Julho de 2017

 

Eis algumas reflexões relativamente banais, porque circunstanciais, que afloram neste Julho de 2017.

 

A MEDITAÇÃO TRANSCENDENTAL. A meditação transcendental suspende a mente e entreabre o vazio mental. Desliga-nos, por momentos, das preocupações da mente raciocinante («Tenho de ganhar dinheiro, tenho que apresentar um projecto, tenho que estimular o meu filho a tirar melhores notas, tenho de queixar-me do roubo de que fui vítima») e conduz alguns ao nirvana, ao repouso espiritual absoluto, mas não resolve o facto de estarmos vivos, de termos de nos alimentar e sobreviver. Porque cada um de nós é corpo, ao menos enquanto estivermos vivos. A meditação não cria casas nem alimentos nem acaba com a exploração capitalista (EUA, Europa, Portugal, etc.) e comunista (China, Coreia do Norte, etc.) do proletariado. É um comprimido para baixar a «tensão alta» da vida.

 

Também ter uma namorada ou uma esposa bela é um «comprimido» que, através do erotismo, nos leva ao orgasmo, mas não resolve o problema de sermos corpo individual, sujeito a morrer ou a ser abandonado.

 

DUAS PROVAS DE QUE AS ACTUAIS MISSAS CATÓLICAS ESTÃO CORROMPIDAS. Uma: a comunhão é dada na mão e muitas vezes por leigos, o que dessacraliza a hóstia como sede do Corpo Místico de Cristo (lembro-me que em 14 de Abril de 2009 comunguei das mãos de uma freira e, no dia seguinte, um familiar meu muito próximo faleceu de repente). Outra: o vestuário sexy que mulheres e homens podem usar na missa (decotes e saias curtas nelas, maquilhagem, t-shirts e calças de ganga neles e nelas). A missa perdeu o carácter sacro, centrado na morte do Senhor, é um convívio mais ou menos alegre, é só «Amor sem Temor». É, pois, de influência luciferina: o amor do corpo, a sensualidade, é a base desta ideologia e rito modernistas e ecuménicos (o objectivo é a religião única mundial, de recorte maçónico).

 

OS HOMENS, COM O PASSAR DA IDADE, GOSTAM SEMPRE DE «MIÚDAS» NOVAS (23-31 ANOS DE IDADE). É o normal: gostar do corpo perfeito da mulher, da sua pele lisa e macia, dos seus olhos sonhadores e vivos. Se os homens envelhecem com esposas da mesma idade é porque amam estas sem paixão, com uma grande componente de companheirismo. Há uns bons 17 anos, um editor meu amigo, que teria 56 ou 58 anos confidenciou-me: «A filha da minha actual esposa (era casado em segundas núpcias) tem 15 anos, é um encanto, é a mulher da minha vida». Era um amor platónico, ele respeitava a adolescente, claro.

 

COPULAMOS, COPULAMOS, COPULAMOS ATÉ DESCOBRIR O GRANDE VAZIO DA EXISTÊNCIA, QUE É O VAZIO DA VAGINA DA MULHER. E depois percebemos que o amor não existe, que estamos infinitamente sós neste universo e temos que chamar em nosso auxílio os deuses ou inventá-los. Só a conversa ou a palavra escrita nos aligeira a solidão. De repente, o mundo tornou-se instável e opaco. Vamos amar quem? Para quê?

 

AFINAL, VIVES PARA QUÊ? PARA TRABALHAR, JUNTAR DINHEIRO, IRES A BARES, LEVAR PARA A CAMA MULHERES (OU HOMENS)? Vê o vazio da tua vida: vazio porque não crês no poder da oração e da redenção por Cristo. Que é um corpo belo de mulher comparado com a beleza do teu Anjo da Guarda ou de Jesus? Nada. A vida é muito mais do que o trabalho, a diversão sem fim, o culto do dinheiro e das vaidades da roupa. Renuncia a muitos dos prazeres do mundo, reza constantemente a Deus (não com pedidos mesquinhos do tipo «dá-me aquela mulher, dá-me um automóvel novo, torna-me famoso indo à televisão», etc). Reza por amor do próximo, para que tais pessoas deixem de fumar, de se drogar, de sofrer cancros e outras doenças, desemprego, fome, humilhações, etc. Une-te a Jesus na luta contra Satanás que está a criar um mundo perverso onde a boa educação e os bons princípios de honestidade, respeito pela vida, etc., estão a desaparecer, e o ódio, a inveja, a intoxicação alimentar e moral da população aumentam sem cessar.

 

CONSELHOS DO PADRE PIO DE PIETRELCINA, GRANDE MÍSTICO ITALIANO (1887-1968) QUE TINHA OS DONS DA BILOCAÇÃO E DA CURA .

1.«A mentira é filha do diabo. A humildade é verdade; verdade é humildade.»
2.«Rezai, mesmo contra vontade. Quem reza muito salva-se, quem reza pouco está em perigo, quem não reza condena-se. A vontade conta e é recompensada, mas o sentimento não.»
3. «Que a Virgem Maria seja o vosso refúgio e o vosso conforto nas horas tristes da vida.»
4. «Amo o sofrimento. Não pelo sofrimento em si. Peço a Deus para poder sofrer e desejo-o pelos frutos que daí advêm e pela glória que dá a Deus. Pelo sofrimento, os meus irmãos são salvos e os sofrimentos das almas do purgatório encurtados. Que mais posso desejar?»

 

PADRE PIO VERSUS OSHO, MARX E GUY DEBORD. O padre Pio estigmatizado dizia: «Eu amo-te e peço a Jesus que te faça conhecer o amor porque pelo amor chegamos ao sofrimento. Nós nascemos para sofrer.» Esta visão, de que este mundo é lugar de sofrimento que devemos aceitar, é combatida por Osho que disse que Deus era o universo, não há paraíso nem inferno nem é necessário sofrer. E Marx, pai do comunismo do século XIX, e Guy Debord, teórico do internacional situacionismo, defenderam também que esta vida é para desfrutar dos prazeres materiais e não para sofrer e aceitar o sofrimento.
 

PADRE PIO DE PIETRELCINA, O ESTIGMATIZADO, E AS CRÍTICAS AO ABORTO, À HOMOSSEXUALIDADE E ÁS MODAS.

Sobre o místico franciscano Pio de Pietrelcina, santo católico (1887-1968), escreveu o seu biógrafo P. Nello Castelo:

 

«Contraceptivos, pilulas, abortos: são argumentos infernais, sobre os quais não admitia discussão.
Logicamente, era inimigo acérrimo do divórcio. São palavras suas: «É a estrada mestra que leva ao inferno. É a criação...pelo homem destruída». (...)
«Recordo os episódios de pecados de masturação, homossexualidade, a que inexoravelmente negava a absolvição, aos quais dizia: «Não vos emporcalheis», «Precisamente porque não reza, cai neste pecado». (...)

A imprensa várias vezes falou dele (Padre Pio, franciscano de Itália, 1887-1968) como o único sacerdote, na cristandade, firme na luta contra a moda, em defesa do pudor. Se a sua não tivesse sido «voz no deserto» não teríamos chegado ao cataclismo hodierno, que foi iniciado pela mini-saia.» (...)
«Queria a saia até à barriga da perna. Despedia sem absolvição e nem sequer permitia que se avizinhassem do confessionário Era inexorável, tinha palavras de fogo:
«Vai vestir-te! Incivil! Porcalhona! Despudorada!». Um dia a uma filha: «Serrar-te-ei os braços...porque sofrerias menos do que sofrerás no Purgatório». A uma outra: «As carnes nuas serão queimadas».
Às suas filhas (espirituais) explicava: «Deves vestir-te segundo a própria condição social. Tu deves vestir-te de modo a agradar aos anjos e aos homens. O Senhor condena a moda indecente e escandalosa que tantas almas leva à ruína».

(P. Nello Castelo, «Jesus crucificado no padre Pio», Editorial Cavaleiro da Imaculada, pp. 129-130; o bold é posto por nós).

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

francisco.limpo@gmail,com

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 12:24
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 16 de Dezembro de 2015
Pequenas reflexões de Dezembro de 2015

 

 Eis algumas reflexões avulsas, várias delas banais,  que surgiram no meu espírito neste Dezembro de 2015 .

 

O ANTI-SEXO- Quando pensamos racionalmente de forma muito aguda, descobrimos que o acto sexual entre duas ou mais pessoas é anti-higiénico. Sexo anal? Tem um aspecto nojento, ainda que possa ser agradável a uma parte dos que o praticam. Sexo bucal? Só de pensar que a rapariga que desejo beijar já teve a sua boca numa protuberância masculina do baixo ventre impede-me de a beijar. Gangbang? Que porcaria tão promíscua, casais na mesma sala a fazer sexo em grupo. Mesmo o sexo vaginal, o menos anti higiénico, comporta riscos, inconvenientes. A natureza criou a beleza nos corpos para os levar a cometer essa coisa anti-higiénica chamada acto sexual. Poder-se-á chamar a isso amor biológico, que quase nada tem a ver com o amor espiritual. O sexo menos viral, mais puro, ainda é o auto.sexo. Para nós, homens, era mais tranquilizante quando as mulheres chegavam, em grande quantidade, virgens ao casamento e não conheciam a inquietante promiscuidade de hoje em que as jovens são quase todas muito «rodadas»...Enfim, é a liberdade delas e longe de mim impedi-las.

 

AVALON E ABALOU. No Alentejo, costumamos dizer em vez de «ela/ele foi-se embora» a expressão «ela/ele ABALOU». Ora, foneticamente, ABALOU sugere AVALON, a ilha mítica da MAÇÃ, onde se dava culto à Deusa Mãe da Natureza, fomentando o matriarcado, a sociedade das mulheres livres e hegemónicas face ao homem. Talvez o Alentejo, agora com as albufeiras de Alqueva que possuem ilhas no meio, seja a Avalon de Portugal...

 

AVALON, BABALON, BABILÓNIA -O nome Avalon, a ilha mágica onde se daria culto à grande Deusa Mãe, do matriarcado, das mulheres sacerdotisas e das mulheres livres sexualmente, lembra Babalon, a deusa da luxúria, a Vénus libertina, e lembra Babilónia.

 

A HISTÓRIA BÍBLICA DE EVA E A MAÇÃ. Segundo o livro do Génesis, no Paraíso Terrestre, a serpente . isto é o dragão, símbolo dos poderes celestes - teria dado a Eva a MAÇÃ e esta a teria dado a provar a Adão, o que teria desagradado a Deus que os expulsou do Paraíso. A MAÇÃ simboliza a ilha de Avalon ou Thule, suposta sede de culto à Grande Deusa da Natureza, fonte da liberdade da mulher, da sexualidade livre e da magia natural, e esta mitologia matriarcal é condenada pelo judaísmo, religião dos patriarcas e da opressão da mulher. Segundo o catolicismo e o protestantismo, «Eva introduziu o pecado» no mundo. Mas que pecado é esse? O da sexualidade livre, o da sensualidade feminina? E que Deus é esse senão o Deus masculino, Iavé, que se opõe à Grande Deusa?

 

E TU, HOMEM, QUE, COM RISO TROCISTA, ATACAS COM VIRULÊNCIA OS HOMOSSEXUAIS (GAYS E LÉSBICAS), LEMBRA-TE que estás apenas a atacar o homossexual escondido que existe na tua alma e cuja existência não queres admitir.

 

AS VIAGENS INÚTEIS. Ir de Beja a Lisboa é uma viagem inútil, espiritualmente falando. Lisboa é bela mas entediante, está cheia de comerciantes, de intelectuais superficiais, de filósofos de meia tigela que elogiam Karl Popper e Peter Singer e proclamam que «os astros não podem determinar o destino dos homens», Lisboa está cheia de bares, cafés e hostels...Essa viagem será útil, no sentido físico e monetário do termo, se trabalhas em Lisboa e aí recebes o teu salário ou se lá vais fazer compras. De resto, as grandes viagens, as substanciais, fazem-se dentro do centro histórico de Beja: do liceu para a esplanada do Luís da Rocha onde te sentas às 11,30 da manhã de sábado, corriges alguns testes escritos e vais observando a sociedade bejense que desfila na rua, os casais, os bebés, os reformados, depois vais a pé ao Jardim do Bacalhau, podes ir à Praça da República, algo vazia a esta hora, e ao castelo com a grande torre de menagem. Em Beja, há de tudo e tens tudo - ires para Lisboa é fugires a ti mesmo. Beja é familiar, ama-te e protege-te, com os seus campos de trigo, oliveiras e girassóis em redor. Quando o degelo fizer subir as águas do mar estas cobrirão Faro, Lisboa, Porto mas Beja ficará acima do nível das águas... Somos Camelot, a cidade mágica do Graal (GRANDE ALENTEJO)...Beja!

  

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 22:01
link do post | comentar | favorito

Domingo, 23 de Agosto de 2015
Pequenas reflexões de Agosto de 2015

 

 

.Eis algumas reflexões, umas vulgares, outras menos vulgares, que me ocorrem durante este Agosto de 2015.

 

O VAZIO DA VIDA - Como a vida é vazia - tudo desaparece, nada permanece eternamente excepto o nosso eu psíquico - temos de a encher de coisas e actividades a cada momento para ir passando o tempo: trabalho de fábrica, escritório, vendas ou escola, escrita de comentários no «Facebook», telefonemas e mensagens SMS, compras no supermercado, viagens, almoços e jantares de amigos, erotismo com a pessoa amada ou outra, frequência de cursos secundários ou universitários, arrumação da casa, escrita de poemas ou diários de notas pessoais, compra de livros, de casas, terrenos agrícolas e automóveis, espectáculos de futebol e tourada, frequência de salas de cinema, de bailes, de praias, de bares, de missas, de comícios de partidos políticos, de salões de esteticista, feitura de tatuagens ou operações de cirurgia estética, etc. Isto é feito à espera da morte, «esquecendo» que ela nos espera dentro de poucos ou muitos anos e tudo relativiza, faz do que parecia importante algo inútil e sem valor.

 

AMAMOS AS MULHERES porque a vida é um imenso vazio como uma enorme vagina.

 

TALVEZ OS ASTROS APRISIONEM DEUS NAS SUAS ÓRBITAS MATEMÁTICAS e Deus não possa agir sobre nós como quereria ou como nós lhe pedimos.

 

O VERDADEIRO AMOR é juntar-se com uma pessoa ou casar com ela sem sentir paixão, «sem sentir nada por ela», e fazer tudo para manter ou tornar essa pessoa feliz como se fosse nosso dever. Casar por interesse é bom, nestas circunstâncias. Não esperas que o amor surja de início, ele pode vir depois.

 

O VERDADEIRO AMOR VAI ALÉM DO SUTIÃ, DAS CALCINHAS E ATÉ DA PROFUNDIDADE VAGINAL. É metafísico mas ergue-se a partir do físico, treina-se no «ginásio» das carícias e contrações musculares.

 

O AMOR É UM PROBLEMA ESTOMACAL E NÃO SÓ - Se não alimentares a pessoa amada com gaspacho, sopa de legumes, tostas de queijo, fruta, iogurtes, açorda de bacalhau, gelados de chocolate e baunilha, etc, ou se ela não se alimentar a si mesma, com posses próprias do seu trabalho, destes e de outros alimentos, não há amor. Porque o amor é um «automóvel» que funciona a «gasolina» de alimentos vegetais e animais.

 

AMO IMENSO AQUELA MULHER porque mal a conheço. Se a conhecesse bem, amá-la-ia um pouco menos. Ou talvez nem a amasse.

 

«NÃO PODES AMAR-ME, NÃO ME CONHECES» diz-me uma mulher jovem e bela. Erro: amo-te exatamente porque não te conheço. Amar é uma idealização que só depois desce ao contacto físico.

 

AMO O TEU ROSTO MAIS QUE O TEU CORPO . Pois se o teu corpo andasse sozinho, sem cabeça, talvez eu nem reparasse nele. Mas se a tua bela cabeça de mulher voasse, de olhos abertos e sorrindo, sozinha, sem corpo, eu repararia nela e amá-la-ia.

 

UM SIMPLES BEIJO DE AMOR VALE MAIS DO QUE ESTAR NO FACEBOOK. O amor é mais importante que comunicar com um público, anónimo ou não, no Facebook. Quem não tem Facebook será mais realizado no amor do quem anda no Facebook, projectando o seu ego e alargando a sua rede de audiência? O FACEBEIJO não será melhor que o FACEBOOK ( LIVRO DE ROSTO)? A realidade física é melhor que a metafísica.

 

NINGUÉM TE AMA, NEM OS TEUS FAMILIARES. TU É QUE ÉS INGÉNUO OU INGÉNUA E AMAS. Este é um mundo de mónadas, pessoas-átomos fechados em si mesmas, que só comunicam entre si por interesse.

 

SE ENCONTRASSE A MINHA NAMORADA OU ESPOSA EM ACTO SEXUAL ERÓTICO COM UMA LÉSBICA, seria capaz de lhe perdoar, em princípio. Mas se a encontrasse com um homem na cama ou no carro em carícias íntimas terminaria logo a minha relação com ela. Orgulho masculino...Um homem que penetra uma mulher deixa, geralmente, no interior dela a sua marca, o seu sémen, o que, para nós, os Genuínos Machos Alquímicos é uma conspurcação - se se trata da nossa namorada ou esposa. Gostamos de mulheres virgens ou muito pouco usadas porque são espiritualmente mais íntegras do que as que experimentaram muitos parceiros. Ora uma lésbica não conspurca dessa forma o corpo da nossa amada, em princípio... Claro que dou razão a muita gente no aspecto em que a traição é condenável. Deve-se usar da sinceridade com o amado ou a amada.

 

 

A RELAÇÃO MULHER-HOMEM INVERTEU-SE. Reflexão da minha amiga F: «Nós as mulheres sofremos séculos de opressão masculina, de maus tratos, e a situação está a mudar. Há 50 ou 100 anos era a mulher que queria casar, «prender» o homem que era un Don Juan, livre de compromissos, machista. Agora, é o contrário: eles os homens é que querem casar, fixar a mulher pelo compromisso de fidelidade e nós, mulheres, queremos ser livres, desfrutar namoros, sexo, com este ou com aquele, a oferta é grande e a sociedade é mais liberal e aberta, a podridão é maior, a perda de valores é quase total. Os homens feminizaram-se - o exemplo é o dos metrossexuais que se depilam, cuidam das unhas, sobrancelhas, etc., como as mulheres - e as mulheres masculinizaram-se.»
E virando-se para mim, F. diz: «Francisco, nasceste na sociedade errada, no país errado. Porque defendes a liberdade de um homem se vestir de mulher em público sem ser gay e sem ser apontado como gay, a liberdade de a mulher vestir como quiser e a sociedade portuguesa é retrógrada, frustrada e procura esmagar os dissidentes da moral católica e conservadora reinante».

 

DENTRO DE MIM HÁ UMA MULHER. E há, obviamente, um homem, másculo, viril, que se sobrepõe a ela e a vigia e, de vez em quando, a deixa pôr uma cabeleira loira e envergar um vestido vermelho diante do espelho e a deixa sair à rua no carnaval - é talvez a mulher Escarlate, de que falava o sacerdote gnóstico Aleister Crowley, mas interiorizada. O resultado disto é um comportamento rigorosamente heterossexual. E daí, vem algum mal ao mundo? Estou a ser mais sincero que tu, não estou?

 

 

ADMIRO-ME TANTO A MIM MESMO (ISTO É: ADMIRO TANTO O DEUS E A DEUSA QUE ME HABITAM) QUE GOSTARIA DE CASAR COMIGO MESMO. Mas como isso é demasiado egocêntrico, amo uma mulher jovem e bela, ela mesma incarnação e prolongamento da Deusa que me habita.

 

O CASAMENTO HETEROSSEXUAL É O PRIMEIRO PASSO PARA A HOMOSSEXUALIDADE EM ACTOS. Os homens casam, muitas vezes, com as mulheres da sua vida. Mas com o passar dos anos cansam-se delas: conhecem a sua forma de fazer amor, as suas rotinas, os seus defeitos, todos os casamentos se desgastam e nasce em quase todos os homens o desejo de experiências sexuais selvagens, incomuns, nomeadamente a homossexualidade. E assim, conforme estudos sociológicos demonstram, a esmagadora maioria dos clientes de travestis prostitutos ou gays não travestis que vendem o corpo são homens casados: advogados, juízes, engenheiros, arquitectos, médicos, funcionários públicos, directores ou gestores de empresas, etc. Ter as mulheres como coisa certa, conquistada, leva muitas vezes a desejar o oposto, o fruto proibido, a relação sexual gay.

 

Disse a revista norte-americana Star , em um número de Março de 2015 que os actores Tom Cruise de 51 anos, e John Travolta de 61, casado há 24 anos com Kelly Preston, mantêm uma relação amorosa há quase trinta anos. Uma fonte próxima do casal terá mesmo dito à "Star" que "John Travolta tornou-se obcecado por Tom Cruise depois de ver o filme Negócio Arriscado, em 1983" e indica ainda um sítio secreto onde os dois se encontram. Cansaram-se das mulheres. O casamento preparou e fomentou esse cansaço, propiciando a passagem ao mundo gay. Desconfiemos dos casamentos. São fachadas, apenas úteis à educação dos filhos, à sobrevivência económica ou ao apoio fraterno na doença e na solidão.

 

OS HOMENS NÃO PASSAM DE MULHERES a quem uma super máquina genética retirou os seios grandes capazes de dar leite, os ovários e a vagina substituindo esta por um pendente chamado pénis ancorado em bolsas testiculares. Psiquicamente, há em cada homem uma alma feminina (a ANIMA) a par da alma masculina (o ANIMUS) sendo esta última a dominante no caso dos heterossexuais.

 

COMO PODERIA DEUS, O CRIADOR, CONDENAR A HOMOSSEXUALIDADE se dotou todos os homens de rabo e o rabo é, além de orgão excretor, um orgão que induz à função homossexual masculina, latente em todos os homens?

 

TROÇAS DO JOSÉ CASTELO BRANCO CHAMANDO-LHE «BICHA» MAS ELE TEM MAIS CORAGEM DO QUE TU - José Castelo Branco (8 de Dezembro de 1962, Tete, Moçambique), o andrógino do jet set lisboeta, foi violado aos 8 anos de idade pelo namorado de uma prima sua, de 26 anos de idade, em Moçambique. E se a ti, que és heterossexual (no comportamento visível) e que possuíste poucas ou muitas mulheres, te tivesse acontecido o mesmo quando criança? Não serias efeminado como o Castelo Branco? Mas confessa: tu, o heterossexual, o machão, tens, ao menos às vezes, secretas fantasias gays no plano mental. Mas do mesmo modo que não tens a coragem de te vestires de mulher e de assim te exibires em público, nem mesmo no carnaval, (o Castelo Branco tem mais coragem que tu, despreza o riso alarve da maioria) também não tens a coragem de admitir os teus pensamentos homossexuais que inevitavelmente derivam de teres rabo, hormonas femininas, etc. És talvez um «paneleiro mental», ocasional ou não, que troça dos paneleiros que se assumem com coragem...

 

NÃO AMAMOS OS AMIGOS DE FORMA PERMANENTE: são apenas «brinquedos» falantes e sorridentes que ouvem as nossas histórias e dão opiniões, que nos convidam para festas de aniversário, que nos acompanham em almoços ou idas a bar, ou nos resolvem um problema de computador ou nos levam o filho ou a filha de boleia para Lisboa, Moura, Serpa ou Faro. É tudo política pessoal, fazer valer o nosso interesse sobre o dos outros, de maneira amável...

 

O AMOR PAIXÃO É UMA ESPÉCIE DE «ERVA», DE HAXIXE INOFENSIVO QUE TE DÁ ALEGRIA, SE ÉS CORRESPONDIDA/O. Mas não queiras saber o que há para além do amor-paixão que te dá um cosmos perfeito tu.ela ou tu-ele: caos, caos e mais caos.

 

OS PAIS NÃO AMAM OS FILHOS: SENTEM-SE RESPONSÁVEIS POR ELES. É discutível chamar a isto amor.

 

PAULO SALVADOR, DEFENSOR DO CARNIVORISMO - Em cada telejornal de horário nobre da TVI, surge o programa «Mesa Nacional» feito pelo jornalista Paulo Salvador: este mostra restaurantes espalhados por todo o país e os pratos de carne e peixe que são característicos desses estabelecimentos. É uma defesa cerrada do carnivorismo, baseado na matança de porcos, vacas, frangos, galinhas, perdizes, codornizes, douradas, chernes, pescadas, sardinhas, carapaus, cavalas, salmões, atuns, robalos, bacalhaus, etcPaulo Salvador é réu perante um ideal Tribunal de Defesa dos Direitos dos Animais. A compaixão budista está ausente dele e dos seus amigos: há que matar e comer animais. E nós, os cristãos, católicos ou não, comemos sem remorso a carne dos animais, como comemos o «corpo de Cristo» (canibalismo simbólico). Não passamos de pequenos criminosos, assassinos de espécies animais. E o papa Francisco? Se come carne como pode estar em contacto com o Senhor Supremo?

 

A SITUAÇÃO DE ESCRAVATURA DE ROMENOS NO ALENTEJO. Controlados por sub-empreiteiros mafiosos que os trazem de autocarro da Roménia para trabalhar por uns meses no Alentejo, há alguns milhares de romenos na nossa região a viver e trabalhar em condições degradantes. São Matias, Baleizão e Cuba são algumas das localidades onde se concentram. Vivem, muitas vezes, 10, 20 ou 30 numa mesma casa que alugam, chegando ao ponto de arrancarem o soalho da casa no inverno para fazerem fogueiras que os aqueçam. Eis um exemplo da escravatura a que se submetem: um agricultor que os contrate indirectamente para a apanha da azeitona paga ao sub empreiteiro 40 euros ao dia por trabalhador mas este último só recebe 15 euros por dia, ficando o sub empreiteiro com 25 euros de mais valia roubada a cada operário. Impressionante. Fazem mal os agricultores que colaboram com a mafia romena. Deveriam pagar directamente ao trabalhador. Não admira que se multipliquem assaltos a automóveis, casas, armazéns, etc. O escravo esfomeado precisa de comer. Quem põe fim à exploração capitalista-esclavagista dos imigrantes romenos e outros no Alentejo?

 

SÃO MAIS AS PESSOAS QUE DESPREZAMOS DO QUE AS QUE AMAMOS. Esta é uma triste e inevitável realidade humana. Que te importam a ti os desempregados, os esfomeados, os doentes? Importam só na teoria, em abstracto. E poderia ser de outro modo?

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 12:33
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 13 de Julho de 2015
Pequenas reflexões em Julho de 2015

 

 

 

Alguns de nós, no seu pequeno e insignificante quotidiano,  estão em perfeito sincronismo com os acontecimentos mais relevantes do dia a dia. É a teoria dos sincronismos ontofonéticos, que desenvolvo há anos, como variante da doutrina da sincronicidade. Exponho aqui algumas reflexões, mais ou menos banais, que ocorrem neste verão.

 

O QUE ME ACONTECE A CADA DIA É UM BÁROMETRO DO MUNDO? Ontem, 12 de Julho de 2015, fui tomar banho à praia do CARVOEIRO, Algarve, como já descrevi. Hoje, 13 de Julho, a embarcação de pesca “Cavaleiro” encalha nas proximidades do Cabo CARVOEIRO, Peniche, e os seis tripulantes são resgatados por um helicóptero da Força Aérea Portuguesa. Fui eu a causa metafísica e sincrónica deste NAUFRÁGIO  no cabo CARVOEIRO por ter ido ontem BANHAR-ME NA PRAIA DO CARVOEIRO? E o CARBURADOR (sugere: CARVÃO, CARVOEIRO) do meu carro está a funcionar mal, apurou-se hoje. Bem, sei que ides dizer que sou «vaidoso», «megalómano», «autocentrado» etc. - mas esta coincidência é real e soma-se a muitas outras. E sou um humilde servo de Jabulon, o Supremo Arquitecto do Universo (GADU)....

 

ESTAMOS MUITAS VEZES MELHOR NA COMPANHIA DOS DEUSES DO QUE NA DOS HOMENS E MULHERES - Precisamos de horas de solidão e de meditação e aí os deuses manifestam-se. Escrevo diante de um pequeno altar que coloquei na minha sala de estar, altar multifacetado onde há estátuas do dragão azul, de Buda Sorridente, da Fada A, da Virgem Santa Maria, etc. E aí oro, de diferentes maneiras: para a sensualidade, para a espiritualidade pura,etc. Que seríamos nós se não houvesse deuses? Que seria do amor se não houvesse sutiãs, ligas, corsés, meias de rede, botas de couro negro, perucas loiras e, sobretudo, mulheres reais, de corpos esculturais? As formas belas preenchem o vazio da existência.

 

SE O DEUS ESPÍRITO PURO NÃO TE PUDER ATENDER É PORQUE OS ASTROS SÃO DEUSES, deuses inferiores, que fabricam ferreamente o teu destino a partir dos seus tronos que são os graus do Zodíaco. Que podes fazer, irmã, irmão, senão louvar a ordem cósmica ou protestar gnosticamente contra ela?

 

COMO PODES AMAR MULHERES SE GARANTES QUE NÃO TENS NADA DE FEMININO EM TI? Não é pela semelhança - ou alguma semelhança - que amamos os outros?

 

O VERDADEIRO AMOR ESTÁ ACIMA DO BEIJINHO E DA MERA SENSUALIDADE. Vejo-as às vezes, insatisfeitas, porque sabem que são pouco mais que um pedaço de carne apetecível para o namorado ou o marido. O seu amor é incompleto: é pura sensualidade, com algum sentimento à mistura. Mas o verdadeiro amor comporta mais que isso: uma dimensão espiritual. É preciso que ambos se vejam como encarnação do Deus e da Deusa e se considerem a realização da união dos dois princípios, o Yang e o Yin. Sem a divinização da mulher e das operações mágicas dos Fiéis do Amor o verdadeiro amor não desabrocha plenamente

 

A PROVA DE QUE DEUS FALHOU AO CONSTRUIR O MUNDO é a de que os amores falham e estão trocados: muitas vezes, amamos pessoas que não nos amam e somos amados por pessoas a quem não amamos. Em última análise é o interesse (estético, sexual, monetário, social, cultural, etc) que comanda o amor. Todos os amores são interesseiros - ou por interesses nobres ou por interesses mesquinhos.

 

DEUS É INSTANTÂNEO COMO A PAIXÃO - O verdadeiro deus, a verdadeira deusa trazem-nos momentos de paixão, absoluta. O outro, o Ialdabaoth, o demiurgo, o «criador de todas as coisas materiais, visíveis e invisíveis» traz-nos o esforço, a amargura, a doença, o envelhecimento, a censura social opressiva, etc. A Lei do Amor é: ama quem quiseres, como quiseres.

 

APAIXONAS-TE POR UMA MULHER AO LONGE, DESAPAIXONAS-TE AO PERTO. É tão linda à distância aquela mulher jovem... Aproximas-te, seduzido, mas notas que tem uma tatuagem com uma caveira ou outra figura ou inscrição que te desagrada na pele. E notas, se for na praia, quando ela se põe em bikini que tem uma verruga no tronco que achas anti estética ou que tem as ancas demasiado largas e «pneus» e isso te repele ... O amor desaparece, porque a paixão, fundada na emoção estética visual, é a chave de ignição do amor. Que aborrecimento isto acontecer na vida! Que imperfeição, a do deus-demiurgo que moldou a matéria! Só a juventude é bela e mesmo essa é castigada pelo deus da Fealdade, o velho Cronos, que nos condena a ser eremitas perfecionistas.

 

O AMOR É UMA GRANDE COMÉDIA E QUANDO PENSAMOS A FUNDO DESCOBRIMOS QUE NINGUÉM NOS AMA, AS PESSOAS USAM-NOS SEXUAL, SOCIAL OU FINANCEIRAMENTE. É por isso que os nossos maiores amigos são o elevado nível de saúde, juventude e beleza e o dinheiro e bens materiais que possuímos (são o que inconscientemente chamamos Deus). É terrível estar lúcido acerca disso. Entretanto a beleza da natureza, pessoas incluídas, e das formas arquitetónicas e artísticas das cidades vão-nos consolando e dando alento para viver num mundo em que ninguém ama ninguém

 

.O AMOR PAIS FILHOS É O ÚNICO VERDADEIRO - O telejornal da SIC mostrou, em 21 de Julho de 2015, David Ferreira, de 39 anos, em cadeira de rodas, atingido desde Janeiro de 2013 por esclerose lateral amiotrófica. A mulher abandonou-o, levando as duas filhas. Só os pais dele cuidam dele. Conclusão: o amor homem-mulher como casal é uma mistificação, desaparece logo que um dos dois fica inválido. Só o amor de um pai ou de uma mãe por um filho é verdadeiro porque é biológico: sangue do meu sangue. Mas já os filhos não amam os pais: servem-se deles, tiram-lhes o dinheiro da reforma, metem-nos em lares de terceira idade. E Deus, se é Pai ou Mãe, que papel joga no meio disto tudo?

 

SER NOVO E SAUDÁVEL É O MELHOR DO MUNDO. Um empresário de discotecas ou de grandes fábricas e armazéns com 40, 50 ou 60 anos de idade ou um escritor laureado com o Prémio Nobel , de 40. 50 ou 80 anos, é menos rico que um jovem ou uma jovem de 20 anos, cheio de saúde e energia e beleza. Porque a juventude é tudo - e dispensa a religião, que é «coisa de velhos», aparentemente.

 

 

.NÃO OFEREÇAS ROSAS A UMA MULHER - Porque a rosa tem espinhos. A última vez que ofereci uma rosa a uma mulher linda, correu mal. Os espinhos sobrepuseram-se às pétalas. E Maria, a Rosa Mística, tem espinhos: os sofrimentos que Nela a humanidade crava com lancinantes pedidos ou protestos. Há outras flores sem espinhos que simbolizam o amor.

 

CRITICAMOS AS MULHERES PORQUE SE TORNARAM DEMASIADO INDEPENDENTES E «TROCAM DE PARCEIROS, COMO DON JUAN NO FEMININO» - Mas esquecemos que elas vêm de séculos e séculos em que sofreram a opressão do homem, das igrejas católica, judaica, islâmica, hindu, dos Estados com suas leis machistas... Compreendamos as mulheres.

 

A TUA NAMORADA OU O TEU NAMORADO... em que diferem daquela outra rapariga ou daquele rapaz que estão ali a olhar-te? Nem sabes bem. Acontece que conheces ou julgas conhecer a namorada ou o namorado porque estão próximos de ti, já conheces as suas ideias, o seu toque de acariciar e por isso os escolhes, em detrimento de quem não conheces. Mas os estranhos... será que não os amas?

 

NÃO AMAMOS AS PESSOAS MAS AS QUALIDADES QUE VEMOS NELAS, DIZIA PASCAL. Assim, o deus que nos fez é o responsável das traições, das neuroses, dos desequilíbrios, da fome e da miséria que contaminam a humanidade: nós só amamos uma mulher enquanto a Beleza, a Doçura e a Juventude residirem nela, só amamos os desportistas enquanto a Força e a Capacidade de Vencer Competições pousarem neles , só amamos o nosso pai ou a nossa mãe enquanto neles estiver o Instinto Protector para com os Filhos, a Bondade, o Dinheiro, porque se se tornassem diabólicos assassinos já não os amaríamos...Não temos culpa de ser assim, são os deuses /Deus e não os homens que estão sob acusação.

 

A PROSTITUTA É MAIS DIGNA DO QUE A MULHER CASADA FIEL A UM SÓ HOMEM. Custa dizê-lo mas é a verdade. A prostituição é o socialismo sexual. A prostituta partilha o seu corpo com vários homens e mulheres, socializa o prazer orgástico a dois ou mais, atende os jovens anti-sociais incapazes de conquistar namorada, os doentes em cadeira de rodas ou os idosos viúvos ou divorciados sós. Sendo o acto sexual sagrado, ela é uma sacerdotisa que merece mais respeito do que o padre: porque ela oferece o seu corpo num «Tomai e comei, isto é o meu corpo». Ela é, de certo modo, o Cristo em versão feminina. Cobra dinheiro? E que mal tem isso? Ela precisa de comer, vestir, maquilhar-se.

 

O ACTO SEXUAL É SAGRADO E MUITAS VEZES É PREFERÍVEL SER FEITO COM UMA PROFISSIONAL COM «CLASSE» DO QUE COM A ESPOSA- O acto sexual entre homem e mulher reveste-se de enorme sacralidade. Se ele não vir nela a própria Deusa refletida e ela não vir nele o próprio Deus refletido, o acto é pura e simplesmente de prazer sensual e está condenado à monotonia, opera um corte instantâneo numa relação que tende a tornar-se enfadonha e nada mais. É por isso que a operação sexual do amor homem-mulher se realiza muitas vezes melhor com uma acompanhante profissional, uma mulher disposta a cumprir o ritualismo dos Fiéis do Amor, do que com a própria esposa: sentar-se como deusa com a adequada lingerie, receber a homenagem do homem vestido sacerdotalmente, com vestes brancas, douradas e vermelhas, venerar a estátua da deusa Vénus que preside à cerimónia. A oração à Deusa é um pré-requisito para ambos. A noção de fidelidade do casamento é superada pela de fidelidade à Deusa.

 

HETEROSSEXUAL DE FRONTEIRA- Somos heterossexuais de fronteira: apreciamos o crossdressing (travestismo ocasional), amamos a Deusa e as mulheres em geral, não temos complexos em vestir de mulher em público, porque seguimos a igreja católica gnóstica («Veste-te como quiseres») mas tratamos à bofetada os homens que nos quiserem apalpar ou violentar porque não somos gays nem pouco mais ou menos. Defendemos o direito de gays e lésbicas serem livres de se manifestar publicamente e não serem discriminados.

 

EU GOSTO DE VESTIR-ME DE MULHER. E daí? Sou mais homem do que tu que nunca te vestes de mulher, nem no carnaval, e esboças risos de troça relativos à minha fantasia. E sou mais activo com as mulheres do que tu és, provavelmente. Vestir de mulher não é, em princípio, gostar de homens: é gostar de mulheres, duplamente, como homem biológico e como mulher lésbica psicológica. Isto não o podes entender. Terias de começar a pensar e concluirias que usar tal ou qual vestuário não é opção sexual na essência. Afinal grande parte dos gays vestem sempre de homens. Como tu.

 

NA CAMA, NÃO HÁ PROGRAMA, dizia o poeta brasileiro Carlos Drumond de Andrade. Quer dizer que se uma mulher enfiar o dedo ou um dildo num dado sítio do corpo do namorado, do marido ou amante não há que classificar estes como «gays», «bissexuais», etc., nem há que sentirmo-nos superiores só porque «não praticamos esses actos indignos de verdadeiros machos». Mentalmente, a totalidade dos homens é bissexual: não há nenhum homem que nunca tenha tido um pensamento homossexual alguma vez na vida. Ironizando poderíamos dizer que todos os homens são um pouco gays e se dividem em duas classes: os gays praticantes (uns 10% ou 15%) e os gays não praticantes (uns 90% ou 85%). Todos os homens possuem rabo e isso gera inevitavelmente neles uma inclinação, muito pequena, média ou muito grande, à homossexualidade. É assim e os que negam isto são, consciente ou inconscientemente, hipócritas.

 

Sigmund Freud tinha razão: a simples amizade entre duas pessoas do mesmo sexo é uma forma sublimada, espiritualizada, de homossexualidade. De um modo geral, as religiões ignoram estas verdades fundamentais como se fosse possível ao homem transcender o seu lado animal-sexual e pensar e sentir apenas no plano das divindades, etc. Os ascetas merecem respeito mas há que não esquecer que, segundo Wilhelm Reich, foram os missionários católicos dos séculos XVI e XVII quem fez surgir a homossexualidade entre as tribos índias da América do Sul ao imporem a estas uma rígida separação dos sexos, fazendo das mulheres seres «castos e protegidos dos homens» e dos homens «pessoas auto castradas psicologicamente que não podiam ter acesso livre às mulheres». Perdoemos à igreja católica ser uma fonte de homossexualidade - muitos dos novos padres são gays - mas saibamos demarcar-nos da sua moral convencional e parcialmente falsa que esconde a natureza essencialmente sexual de quase todos os actos humanos. Não deixes nunca o teu filho pequeno, de 4, 7, 10 ou 14 anos fechado na sacristia ou no dormitório a sós com o padre! Eros (princípio de vida e desejo sexual) e Tanatos (princípio da morte e destruição) são os governantes do psiquismo humano..

 

UMA CADELA DEU A VIDA PELO SEU VIZINHO?- A história é verdadeira e passou-se em 24 de Julho de 2015 numa vila do Alentejo. Um jovem de 31 anos estava sozinho em casa a tomar banho após uma partida de futebol e sente o coração bater aceleradamente sem parar. Aflito, pressentindo que podia morrer, sai para a rua a fim de que o vejam e ouve a vizinha da frente dizer: «Ai, vizinho, imagine o alvoroço que aqui vai. A cadela dos vizinhos de cima acaba de morrer com um ataque de coração». Os bombeiros da vila levam, na ambulância do INEM, o nosso jovem amigo de 31 anos para o hospital da cidade mais próxima e aqui o médico verifica que o coração do jovem bate a 200 pulsações por minuto. Como é possível? Ouvi falar de casos em que as pessoas morrem quando o coração insiste em bater a 140 ou 160 pulsações por minuto...É um milagre estar vivo com essa pulsação de 200, louca e persistente.A companheira do jovem alvitra uma hipótese: «Acredita-se que os animais dão a vida pelos seus donos ou pelos amigos dos seus donos. A cadela terá dado a vida para que o meu companheiro sobrevivesse.». Magia natural, metafísica... Há leis no universo desconhecidas - estamos todos ligados num psiquismo universal, um pampsiquismo. E que deus é esse a quem a cadela se ofereceu em sacrifício? Ou é pura Energia Cósmica que elimina certos seres e conserva outros? .

 

A DITADURA DO PROLETARIADO - Vivemos sob ditaduras das burguesias, uma vez que os Estados democráticos vivem sob a lei do capitalismo e as polícias agem a favor dos patrões, dos ricos contra os pobres. Há, alguma liberdade individual e nisso a democracia burguesa se distingue da ditadura fascista ou da ditadura teocrática ou da ditadura stalinista - nesta última o partido comunista proíbe os operários de fazerem greves e livres manifestações de rua . A ditadura do proletariado é o Estado anarquista - expressão contraditória porque os anarquistas proclamam o fim do Estado- em que os operários são donos das empresas e os moradores dos respectivos bairros mediante o sistema de autogestão, em que as assembleias amplas de trabalhadores decidem tudo. Há que estar atento a que estas não sejam manipuladas por oradores hábeis e destituídos de equidade socialista.

 

DIREITAS E ESQUERDAS - O que caracteriza as direitas é apoiarem os empresários privados, os capitalistas e os latifundiários, como motores do desenvolvimento económico e estimularem as privatizações, a liberalização da economia, baixando os impostos sobre o capital e impondo austeridade à classe operária, diminuindo ou fazendo desaparecer o subsídio de desemprego, o rendimento social de e outras prestações sociais, o serviço nacional de saúde gratuito ou quase gratuito. As direitas ligam-se, mais ou menos, à igreja católica romana e a outras a fim de anular a luta de classes, o espírito revolucionário do povo trabalhador com missas, procissões, comunhão e ideologia da salvação individual da alma sem levantar ondas de protesto social. O que caracteriza as esquerdas é apoiarem o sector nacionalizado do Estado (o capitalismo de Estado) e um sistema de impostos altos sobre os empresários embora defendendo alguma esquerda a propriedade privada dos meios de produção e troca (social-democracia: PS e Internacional Socialista) e, defendendo as modalidades mais vincadas de esquerda operária, a nacionalização da banca e todas as grandes empresas em governo de hegemonia comunista (PCP ou Bloco de Esquerda) ou a autogestão generalizada ou tomada de poder em cada fábrica pelos operários com supressão do parlamento burguês, do exército e da polícia (anarquismo e anarco-sindicalismo). O PS é uma esquerda muito ténue, mais centro do que esquerda, que no essencial se une com a direita capitalista para manter a economia de mercado e a democracia parlamentar. É, de certo modo, o centro.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 22:13
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Segunda-feira, 10 de Novembro de 2014
Travestismo e homossexualidade e graus do Zodíaco

 

Identifiquei algumas das áreas do Zodíaco no que se refere a assassinatos de travestis e mortes de homossexuais e outros factos que destacam homossexualismo. Esta identificação faz-se por indução, a partir do facto histórico terrestre e das suas coordenadas celestes. Chamem-lhe ciência empírica, a esta astrologia histórica e social, mas é uma ciência, que ultrapassa a limitada compreensão dos Derrida, dos Deleuze, dos Saul Kripke, dos Peter Singer e outras «sumidades» filosóficas. Os filósofos «racionalistas» e «empiristas» anti-astrologia são uns impostores. As universidades mentem. Negam a ciência cósmica, a astrologia histórico-social. Também os astrólogos famosos, ancorados numa astrologia «dedutiva» tradicional, que despreza os factos empíricos, ignoram esta astrologia científica que desenvolvo.

 

ÁREA 7º-11º DE GÉMEOS:

EXALTAÇÃO DOS DIREITOS DA HOMOSSEXUALIDADE, AGRESSÃO OU MORTE DE HOMOSSEXUAIS

 

A passagem do Sol, de um planeta ou Nodo da Lua na área 7º-11º do signo de Gémeos (graus 67º a 71º da eclíptica) é condição necessária mas não suficiente para exaltar a homossexualidade.

 

Em 4 de Março de 1959, com Marte em 10º 2´/ 10º 32´ de Gémeos, António Botto, poeta português, gay, é atropelado mortalmente por um automóvel do governo ao atravessar a avenida de Copacabana, vindo a falecer 12 dias mais tarde; em 30 de Julho de 1993, com Nodo Sul da Lua em 10º 52´/ 10º 49´ de Gémeos, 22 países, entre eles EUA e Argentina, votam favoravelmente outorgar estatuto consultivo ante o ECOSOC à Associação Internacional de Homossexuais e Lésbicas que, entre outras, afrupa associações promotoras do sadomasoquismo homossexual e da pedofilia, como a norte-americana NAMBLA; em 14 de Julho de 1994, com Marte em 7º 6´ / 7º 47´ de Gémeos, pela primeira vez em Portugal, um tribunal confere o poder paternal a um pai homossexual; em 28 de Maio de 1999, com Mercúrio em 9º 1´/ 11º 12´ de Gémeos, morre, envenenado por silicone no peito, o transexual Ruth Briden, artista de show erótico da noite lisboeta, de seu verdadeiro nome Joaquim Centúrio de Almeida, de 47 anos de idade; em 3 de Abril de 2001, com Júpiter em 7º 58`/ 8º 8´ de Gémeos, na Praça de Bandeira, no centro de Teresina, Brasil, o prostituto Marcos António Oliveira, de 20 anos, tenta matar à pancada um professor universitário da Universidade Federal do Piauí, de nome Manuel, por não lhe ter pago os R$ 20,00 cobrados pelo programa sexual; em 14 de Abril de 2001, com Júpiter em 10º 1´/ 10º 13´ de Gémeos, de madrugada, três homens, Anderson, Mário e Thiago, num Corsa vermelho, disparam sobre o travesti e maquilhador Remarque de Queiroz Costa Filho ( Cláudia), de 31 anos, que se recusou a atendê-los, atrás do Jóquei Clube, em Cidade Jardim, zona sul de São Paulo, e ferem a tiro na perna o maquilhador e travesti Gilson Rodrigues da Silva (Paula), trocando depois tiros com a polícia e acabando presos; em 1 de Janeiro de 2002, com Saturno em 9º 19´/ 9º 16´ de Gémeos, três cidadãos sauditas são executados em Abha, na província de Asir, Arábia Saudita, por actos homossexuais; em 18 de Junho de 2004, com Vénus em 12º 25´/ 11º 59´ de Gémeos, alguns polícias municipais irrompem violentamente numa discoteca de ambiente gay e lésbico em Lima, Peru, e agridem a golpes e pontapés os presentes que evitavam ser filmados; em 31 de Maio de 2010, com Sol em 9º 27´/ 10º 25´ de Gémeos,  é publicada em Diário da República Portuguesa a lei nº 9 /XI de 2010 autorizando o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo; em 1 de Agosto de 2012, com Júpiter em 10º 16´/ 10º 26´ de Gémeos, morre em Hollywood Hills, aos 86 anos de idade, o escritor norte-americano Gore Vidal, homossexual e progressista, nascido no condado de Orange.

 

ÁREA 12º-14º DE CARANGUEJO:

HOMOSSEXUALIDADE

 

A passagem do Sol, de um planeta ou Nodo da Lua na área 12º.14º do signo de Caranguejo (graus 102º a 104º da eclíptica) é condição necessária mas não suficiente para exaltar a homossexualidade.

 

Em 20 de Setembro de 2001, com Júpiter em 12º 45´/ 12º 52´ de Caranguejo, o homossexual Genildo da Silva, de 49 anos, é despido à força por dois homens na via pública em Florianopólis, Santa Catarina, Brasil; em 15 de Julho de 2003, com Vénus em 12º 34´/ 13º 48´ de Caranguejo, Ericka, um transgénero de 19 anos, pertencente à ONG Comunidad Gay Sampedrana, de seu nome oficial Erik David Yañez, é assassinado a tiro por um agente de polícia que se deu conta de que a vítima era um travesti que exercia na zona dos trabalhadores do sexo; em 31 de Maio de 2010, com Vénus em 13º 4´/ 14º 14´ de Caranguejo, é publicada em Diário da República Portuguesa a lei nº 9 /XI de 2010 autorizando o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo; em 24 de Julho de 2014, com Mercúrio em 14º 43´/ 16º 30´ de Caranguejo, um travesti de cerca de 20 anos é assassinado com quatro tiros nos dois lados do quadril, no peito e nas costas.na Praça dos Trabalhadores, no bairro Cidade Industrial em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, na madrugada, num local de disputa pelo ponto de prostituição.

 

ÁREA 16º-19º DE VIRGEM:

AGRESSÕES A HOMOSSEXUAIS

 

A passagem do Sol, de um planeta ou Nodo da Lua na área 16º.19º do signo de Virgem (graus 166º-169º  a da eclíptica) é condição necessária mas não suficiente para exaltar a homossexualidade

 

Em 18 de Agosto de 1964, com Mercúrio em 17º 51´/ 17º 57´ de Virgem, morre em Lisboa, aos 77 anos, Raul Sousa Leal, poeta modernista, homossexual; em 8 de Setembro de 2001, com Sol em 15º 24´/ 16º 23´de Virgem, quatro assaltantes armados tentam invadir um bar de Gays e lésbicas na rua Oliveira Lima, bairro da Boa Vista, no Recife, mas são impedidos de o fazer pelos seguranças do estabelecimento;  em 5 de Outubro de 2001, com Vénus em 17º 2´/ 18º 16´ de Virgem, o costureiro Jomar Cardoso Porto, de 45 anos, gay, é agredido verbalmente e lesionado a murro por Petrônio Ferreira, amante da sua vizinha, Maria Santos, moradora no Edifício Oxumaré e síndica do Edifício Avenida, em Salvador, Bahía, Brasil;em 22 de Setembro de 2004, com Mercúrio em 17º 57´/ 19º 55´ de Virgem, um grupo violento de cerca de 15 pessoas agride 6 activistas gays estudantes na Universidade Nacional Maior de São Marcos, no Perú, destruindo os seus cartazes e empurrando-os.

 

ÁREA 23º-25º DE SAGITÁRIO:

ASSASSÍNIO DE GAY

 

A passagem do Sol, de um planeta ou Nodo da Lua na área 23º-25º do signo de Sagitário (graus 263º-265º  da eclíptica) é condição necessária mas não suficiente para fomentar assassínio de homossexual.

Em 26 de Novembro de 2004, com Mercúrio em 25º 15´/ 25º 49´ de Sagitário, homófobos fascistas assassinam um travesti em Surco, no Perú, e queimam o cadáver para ocultar o crime; em 7 de Janeiro de 2011, com Mercúrio em 23º 19´/ 24º 12´ de Sagitário, o modelo Renato Seabra assassina e mutila sexualmente o seu namorado, o cronista Carlos Castro, de 65 anos de idade, no Hotel Intercontinental, no centro de Manhattan, Nova Iorque.

 

ÁREA 27º-29º DO SIGNO DE AQUÁRIO E 1º-3º DO SIGNO DE PEIXES:

GAY OU TRAVESTI EM DESTAQUE

 

A passagem do Sol, de um planeta ou Nodo da Lua na área 27º-29º do signo de Aquário e 1º.3º do signo de Peixes (graus 327º a 333º da eclíptica) é condição necessária mas não suficiente para exaltar a homossexualidade e o travestimo que com esta não coincide obrigatoriamente.  

 

Em 10 de Outubro de 1924, com Marte em 27º 21´/ 27º 34´ de Aquário, nasce em Poughkeepsie, Nova Iorque, Edward Wood Jr. o criativo realizador de cinema norte-americano, símbolo do travestismo heterossexual; em 11 de Fevereiro de 2010, com Vénus de 29º 22´ de Aquário a 0º 38´ de Peixes, o parlamento português aprova, com os votos favoráveis do centro-esquerda PS e da esquerda PCP, BE e Verdes, a lei do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

 

Em 19 de Fevereiro de 1996, com Marte em 2º 46´/ 3º 34´ de Peixes, o grupo de trabalho homossexual do PSR manifesta-se frente às instalações da Porto Editora, no Porto, contra o uso dos termos «inversão sexual» e «aberração» usados para classificar a homossexualidade no dicionário de português lançado por esta empresa; em 6 de Fevereiro de 2000, com Mercúrio em 1º 6´ / 2º 45´ de Peixes, de madrugada, na Praça da República em São Paulo, Brasil, o adestrador de cães Edson Neris da Silva, gay, é assassinado por dois skinheads homofóbicos, Juliano Filipini Sabino e Nilson Pereira da Silva; em 26 de Novembro de 2004, com Úrano em 2º 57´/ 2º 58´ de Peixes, homófobos fascistas assassinam um travesti em Surco, no Perú, e queimam o cadáver para ocultar o crime. 

 

As tendências sexuais de cada indivíduo estão gravadas no Zodíaco, no seu horóscopo (carta do céu em dada hora e dia) de nascimento. Há, efectivamente, uma identidade gay e lésbica como há uma identidade heterossexual e uma identidade travesti/crossdresser inscritas nesta ou naquela área do Zodíaco e neste ou naquele ângulo interplanetário.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 14:47
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 6 de Novembro de 2014
David Icke: a sexualidade, a franco-maçonaria, o papa e a elite global

 

David Vaughan Icke, escritor e filósofo espiritualista, (Leicester, Reino Unido, 29 de Abril de 1952)  teórico da conspiração mundial dos illuminati e da invasão da Terra por reptilianos, é um autor famoso que promove conferências sobre as suas ideias.  Em 1991, após uma viagem ao Peru, Icke, que fora porta-voz do partido Os Verdes de Inglaterra começou, a usar, por razões místicas, apenas roupas na cor azul  turquesa - a cor do chakra do alto da cabeça.

 

Em 27 de Março de 1991, fez uma conferência de imprensa para anunciar: "eu sou um canal para o espírito de Cristo. O título foi-me conferido muito recentemente por Deus." Isto valeu-lhe acusações de «ser louco» mas sobreviveu como autor mediático. Vou destacar aqui algumas das suas ideias sobre o mundo e a vida extraídas de «Eu sou eu, eu sou livre, o guia para os robôs obterem a liberdade», livro que, em Portugal, foi retirado das grandes livrarias talvez por ordem da «mão invisível» illuminati.

 

 A DISTORSÃO DA SEXUALIDADE PELAS RELIGIÕES E PELO CASAMENTO

 

David Icke, numa modalidade de pensamento gnóstico libertino, sustenta que a repressão da sexualidade livre, incluindo a condenação do homossexualismo gay e lésbico, é um erro da humanidade que acaba por atar esta ao preconceito, submetê-la aos líderes políticos e religiosos do «rebanho» e aumentar a violência existente. Escreve, referindo-se à teoria dos chakras (rodas de luz), centros energéticos, sete no mínimo, que se distribuem verticalmente no corpo humano, e à kundalini ou energia vital sexual :

 

« A mesma força quadridimensional que criou e usou as religiões. particularmente o Cristianismo, Judaísmo e o Islão, para destruir a verdade sobre o sexo, também inspirou a cultura da pornografia e da "queca" rápida. O denominador comum entre estes oposi-mesmos está a fechar o chacra da raíz, a desiquilibrar os chakras emocionais e sacral, a reter o fluxo da kundalini, que, se não fosse perturbada, iria activar e ligar todos os níveis da existência num todo.  A religião transformou o sexo num foco de explosão de culpa, a um nível atómico. A instituição do casamento está no próprio centro disso, mas não é de todo a única razão. O casamento institucionaliza as separações. Ele é meu, ela é minha. Caso contigo, por isso sou teu dono. É esta a realidade expressa ou oculta do casamento e das relações em geral. São os meios através dos quais as pessoas compram um falso sentimento de segurança e uma visão desesperadamente limitada do "amor".» (David Icke, «Eu sou eu, eu sou livre, o guia para os robôs obterem a liberdade», Lux-citania, 1ª Edição, Dezembro de 2009, pág 169; o destaque a negrito é da minha autoria).

 

E sobre a homossexualidade escreve Icke, divergindo de Freud, Carl Jung e Wilhelm Reich:

 

«Por exemplo, o que é a homossexualidade? É uma experiência, apenas isso, uma forma de expressar amor por outro ser humano. Dois homens ou duas mulheres que se amam profunda e sexualmente é considerado uma afronta moral, ao passo que um homem e uma mulher que se odeiem e que se mantenham num casamento por ter medo de acabá-lo, já é considerado aceitável. A minha filosofia é permitir todas as experiências, desde que as pessoas nelas envolvidas tenham feito essa decisão da sua livre vontade, sem pressão ou imposição de qualquer espécie.» (David Icke, «Eu sou eu, eu sou livre, o guia para os robôs obterem a liberdade», Lux-citania, 1ª Edição, Dezembro de 2009, pág 181).

 

O CRISTIANISMO, A FRANCO-MAÇONARIA, A NOVA ORDEM MUNDIAL E OS DESMANDOS DA ELITE GLOBAL

 

Referindo-se à elite global, uma aristocracia do mal que integra personagens como Rockfeller, a família Rothschild, Henry Kissinger, George Bush, a rainha Isabel II de Inglaterra, Bill Clinton, Brian Mulroney, Tony Blair, George Soros,  Kris Kristofferson, Boxcar Willie, José Luís Cebrián, Alan Greenspan, Pinto Balsemão, Durão Barroso, etc, muitos dos quais «são reptilianos», escreve David Icke:

 

«O objectivo da Elite é um governo mundial, ao qual os estados-nação e mesmo os continentes sejam subordinados. Chamam a isto a Nova Ordem Mundial. O processo contínuo de centralizar o poder político ao longo de centenas de anos não aconteceu por acaso: foi estipulado que assim fosse. A centralização a um nível global, com o governo mundial, é o resultado natural destas políticas. quem controlar o governo mundial (Elite Global) controlará o banco central mundial e a moeda mundial, que também fazem parte dos planos da Nova Ordem Mundial. »(David Icke, «Eu sou eu, eu sou livre, o guia para os robôs obterem a liberdade», Lux-citania, 1ª Edição, Dezembro de 2009, pág 37; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Icke denuncia a colonização extra europeia feita pela igreja católica romana nos séculos XV-XVIII, cristianizando à espada e escravizando os índios, os negros e os asiáticos, e denuncia a igreja ortodoxa e as igrejas protestantes, os templários, a rosa-cruz e a franco-maçonaria, incluindo a sociedade secreta Skull and Bones que iniciou George W.Bush,  como sendo outros tantos veículos do governo mundial em marcha:

 

«À medida que o Cristianismo continuou a espalhar o seu credo através da morte e da destruição, pelas Américas, África, Austrália, e por aí adiante, as culturas nativas foram sendo destruídas e "Cristianizadas" e o conhecimento esotérico foi perdido. (...). À medida que os séculos passavam e o Cristianismo retirava o conhecimento da arena pública, o trabalho destas Escolas de Mistério evoluiu para a rede gigantesca das sociedades secretas que existem actualmente e que incluem os Franco-Mações e os Cavaleiros de Malta, que controlam ambas, o Papa e o Vaticano. Que forma maravilhosa de dirigir e influenciar todos aqueles Católicos Romanos, espalhados por todo o mundo. Se um Papa não alinha no jogo, é retirado, tal como aconteceu com o assassínio do Papa João Paulo I , em 1978 (ler "E a Verdade vos libertará"). A moderna rede de Franco-Mações é a única detentora do conhecimento antigo, disfarçada de um clube de cavalheiros. Na época das Cruzadas, surgiram várias ordens de Cavaleiros, sendo os mais famosos de todos os Cavaleiros Templários. Eles envergavam o símbolo da cruz vermelha num fundo branco, que simbolizava sangue e fogo e que representava o poder da energia sexual, da força criativa, seja positiva ou negativa, no seu uso. Os Templários afirmavam ser uma organização cristã - uma mera fachada para o seu conhecimento e crenças secretas, com origem no antigo Egipto e talvez mesmo antes. Eles foram purgados pelo Papa e pelo rei de França, mas continuaram a funcionar como uma rede clandestina, até reemergirem publicamente como... Franco-Mações. Trata-se da mesma organização; os cavaleiros Templários sob outro nome e uma das maiores ferramentas da Elite Global, no controlo do mundo.»

«A conspiração Grupo Bilderberg/ Instituto Real de Assuntos Internacionais/ Conselho de Relações Internacionais/ Comissão Trilateral é supervisionada por uma sociedade secreta chamada Távola Redonda. (...) No topo da pirâmide e, mesmo noutros níveis, a mentalidade por detrás da manipulação é baseada no Satanismo e na Magia Negra. Chamo-lhe o "Culto do Olho que Tudo vê " porque um dos seus símbolos é uma pirâmide com um olho que tudo vê - a própria imagem que pode ser encontrada na nota de 1 dólar americano».

(David Icke, «Eu sou eu, eu sou livre, o guia para os robôs obterem a liberdade», Lux-citania, 1ª Edição, Dezembro de 2009, pág 53-55; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Mesmo admitindo exageros de Icke na crítica ao processo de globalização em marcha - nomeadamente, a discutível tese dos reptilianos que viverão em grutas na Terra e estarão a assumir forma humana - perguntamos: por que estão os filósofos, os sociólogos, os politólogos e os historiadores institucionais tão silenciosos sobre o «bloco central dos illuminati» - os EUA, a União Europeia, a ONU, o grupo de Bilderberg, a Comissão Trilateral, etc - e apenas criticam a extrema-direita nacionalista e o comunismo? Não estará corrompida a filosofia institucional?

 

Há filósofos livres? Ou são apenas académicos bem pagos, subornados pelo poder oligárquico para cantar loas à «democracia liberal», puramente formal, sem substância verdadeiramente popular porque manipulada?

 

ELIMINAR OS JUROS DOS EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS

 

O sistema de juros bancários é o garrote que aperta a maior parte da população de cada país. É imoral cobrar juros - este tema é comum a muitos pensadores desde há séculos. Sobre o óbvio disto escreveu David Icke:

 

«Ao pedir um empréstimo bancário de 50 000 euros, o mais provável é que se acabe por pagar mais de 150 000 euros, no final das contas. O triplo! (...) O débito do Terceiro Mundo que crucifixa milhões de pessoas por dia, é um débito assombroso de dinheiro que nunca existiu nem irá existir. E toleramos isto!

«É uma aldrabice. Não é necessário. Existe para nos controlar. Foi para isso que o sistema foi criado.»

«Apesar da loucura óbvia deste roubo legalizado, as nossas mentes ainda estão condicionadas a acreditar que cobrar juros por dinheiro que não existe é essencial, e sem isso a economia mundial iria colapsar. Não é assim. A ditadura bancária global, ditada pela Elite Global, iria acabar e isso seria fantástico. Mas as pessoas escravizadas a pagar juros sobre dinheiro que não existe, defendem o sistema e dizem que deve continuar! Hei, guarda prisional: não te atrevas a abrir essa porta, estás-me a ouvir? O sistema de juros não é uma salvaguarda contra o sofrimento económico. Em boa verdade, o sistema de juros cria pobreza e desigualdade, permitindo a acumulação do poder global. Responde-me a isto: o que aconteceria se, em vez de pedirmos dinheiro inexistente ao sistema bancário privado, os nossos governos imprimissem dinheiro, em quantidade suficiente e livre de juros, e o emprestassem às pessoas com uma taxa de juro reduzida, para cobrir taxas administrativas? Já não seríamos capazes de comprar tudo o que precisamos?  Claro que seríamos e com maior facilidade, já que o custo de tudo baixaria. O custo de uma hipoteca baixaria em dois terços e já não seria necessário pagar juros. Os sem abrigo teriam casas e não teríamos de ver pessoas a dormir na ruas, por não conseguirem juntar pedaços de papel em número suficiente ou números não existentes num computador.»

 

(David Icke, «Eu sou eu, eu sou livre, o guia para os robôs obterem a liberdade», Lux-citania, 1ª Edição, Dezembro de 2009, pág 47; o destaque a negrito é posto por mim).

 

O MATRIX CRIADO POR NÓS MESMOS

 

David Icke defende uma teoria espiritualista: o mundo material é criação do meu espírito. Somos então o Matrix, a matriz geradora da realidade do nosso corpo físico e de tudo o que nos acontece. Escreveu:

 

«As pessoas falam de viver num mundo real, como se estas divisões, dor e controlo, da densa realidade física deste planeta, fossem o "mundo rea"l. É a última coisa que isto é.  O "mundo real" , se lhe quisermos chamar assim, é o nível de existência altamente evoluído chamado Unicidade. O mundo que vemos diante dos nossos olhos é um jogo de realidade virtual, tridimensional, criado pela Unicidade, como uma vasta experiência de aprendizagem.(...) Este mundo não é real, é uma Hollywood espiritual. Um cenário.(...) Somos nós que escrevemos o guião e criamos uma realidade física para equivaler à imaginação de nós próprios e do nosso papel, no filme. Pode ser um bonito filme de família repleto de amor e de respeito, ou pode ser um filme de terror. Nós, tu, eu, todos nós, decidimos qual é. Mais ninguém. Não há "Deus", não há "acontecimentos aleatórios"; somos só nós. Pensas que a tua vida é um filme de terror? Então é isso que será. Pensas em ti como o tipo que morre logo no início do filme? Então é isso que acontecerá. Vês-te como uma daquelas pessoas que acaba o filme a rir e em felicidade? Assim será. »

(David Icke, «Eu sou eu, eu sou livre, o guia para os robôs obterem a liberdade», Lux-citania, 1ª Edição, Dezembro de 2009, pág 113-114; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Esta teoria, apesar de interessante no destaque que dá ao optimismo, ao pensamento positivo,  tem um ou vários calcanhares de Aquiles. Se a nossa imaginação desencadeia a realidade, por que motivo milhões de apostadores no euro milhões se imaginam milionários, ao concorrerem anos a fio a esse sorteio,  e esse enriquecimento nunca se concretiza? Se este mundo não é real ,para quê preocuparmo-nos em combater a Elite Global e o seu projecto de escravatura universal?

 

Então os biliões de pessoas que vivem mal neste mundo, atormentados por fome, doenças, guerras, falta de água potável e habitação condigna escolheram esse destino antes de nascer e são responsáveis da má situação em que vivem? Escolhem o mal só para ter uma aprendizagem? Isso lembra a estúpida doutrina da vacinação: «Temos de inocular vírus mortos e toxinas no sangue para ensinar o corpo a defender-se...» Mas para quê "ensinar" o corpo de forma negativa, lesando as suas defesas orgânicas com invasores estranhos ? E foram esses biliões de pessoas que escolheram a Elite Global de reptilianos que tende ao domínio absoluto da Terra? Os pais que perdem os filhos ou que morrem, eles mesmos, em guerras absurdas mas reais escolheram esse destino?

 

Esta explicação mentalista, espiritualista, de David Ike é conversa de guru ou de cidadão médio burguês ou grande burguês com dinheiro para pagar a professores de ioga e gurus que lhe garantem que, meditando, altera a sua vida para melhor, que «o pensamento é tudo e a matéria é nada». É certo que a meditação altera o rumo da vida, melhora psicologicamente muitos seres humanos, pode salvar do suicídio, do alcoolismo e da droga, mas não altera o destino deles. Ninguém pode fugir ao determinismo planetário. Icke ignora a astrologia histórica, as leis planetárias inexoráveis. O mundo material não é criação nossa: ele impõe-se-nos com a sua opacidade, a sua densidade.  

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 20:38
link do post | comentar | favorito (2)

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

15
16
17
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

A confusão de transformis...

Charles Taylor: a homosse...

Assexualidade: confusões ...

João Bereslavsky: a homos...

Breves reflexões de Julho...

Pequenas reflexões de Dez...

Pequenas reflexões de Ago...

Pequenas reflexões em Jul...

Travestismo e homossexual...

David Icke: a sexualidade...

arquivos

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds