Domingo, 18 de Agosto de 2019
As nossas universidades são fascistas

 

Os professores universitários têm diferentes opções político-partidárias desde o salazarismo, ao CDS e ao PSD e destes à social-democracia PS /Bloco de Esquerda, ao comunismo e ao anarquismo colectivista. No entanto, unem-se todos para impedir que na universidade e no ensino secundário se estudem os factos históricos sob a perspectiva da astronomia (astrologia histórica): proclamam, dogmaticamente, que «os planetas não determinam as ações humanas individuais ou colectivas, a astrologia é uma farsa anti científica, uma superstição que não pode sequer entrar nas universidades pois limitaria a liberdade humana com as suas crenças», etc.

 

Mas porque impedem a criação da disciplina de Astrologia História quando há obras publicadas merecedoras de crédito porque assentes em factos histórico-astronómicos indesmentíveis? Entre essas poucas obras, censuradas pela imprensa e pela grande maioria dos editores, figura o nosso livro «Sincronismos, Cabala e Graus do Zodíaco» publicado pela Editorial Estampa, de Lisboa, em 2001.

 

Vejamos uma  das teses expendidas nesse livro.

 

ÁREA 1º A 12º DO SIGNO DE GÉMEOS :

DESASTRES NA ASTRONÁUTICA, LIVRE CONCORRÊNCIA MERCANTIL

 

A área 1º-12º do signo de Gémeos, em que se inscreve a estrela Aldebaran (em 9º de Gémeos) da constelação do Touro vincula-se à Astronáutica, em particular a insucessos desta, e à Livre Concorrência do Mercado.

 

Em 24 de Abril de 1967, com Vénus em 11º-12º do signo de Gémeos, a nave espacial soviética Soyuz 1 esmaga-se no solo da Terra, causando a morte do cosmonauta Vladimir Komarov; em 29 de Junho de 1971, com Saturno em 1º do signo de Gémeos a despressurização brusca da cabina da nave espacial soviética Soyuz 11 mata por asfixia, antes da aterragem, os cosmonautas Georgi Dobrovolski, Vladimir Voltov e Viktor  Patsayev; em 27 de Setembro de 1983, com Quirón em 2º do signo de Gémeos, fracassa um voo espacial da URSS, com a expolosão do foguetão portador, sendo a cabina com os astronautas, que escapam com vida, ejectada por um dispositivo de segurança. »

 

(Francisco Limpo de Faria Queiroz, Sincronismos, Cabala e Graus do Zodíaco, Editorial Estampa, 2001, pág. 235).

 

Estas regularidades  merecem ou não um debate público sério? Um debate real, sem os pseudo astrólogos e os semiastrólogos como Paulo Cardoso, Maia, Maria Flávia Monsaraz,  Luís Resina, Helena Avelar, Cristina Candeias!  Um debate livre sem a censura do programa Prós e Contras da professora universitária Fátima Campos Ferreira ou da Fundação Francisco Manuel dos Santos que se arvora em propulsora da «ciência»!  Não merecem estes e milhares de outros exemplos empíricos a criação, pelo Ministério da Educação e pelos conselhos científicos das universidades, da disciplina de Astrologia Histórica, na órbita do positivismo lógico, sem metafísica?

 

Centenas de regularidades ou leis parcelares já foram ou podem ser induzidas da vida real, como por exemplo, a de que a passagem do Sol, de um planeta ou Nodo da Lua na área 3º-5º do signo de Virgem se vincula com sismos em Arraiolos, distrito de Évora.

 

Em 6 de Agosto de 2009, com  Mercúrio em 4º 53´/ 6º 26´ de Virgem, habitantes das vilas de Arraiolos e Mora (Évora) sentem o sismo registado às 06:10 naquelas zonas alentejanas, com magnitude 3.3 na escala de Richter, sem causar danos; em 13 de Abril de 2012, com  Marte em 3º 43´/ 3º 41´ de Virgem, um sismo fraco de 1,1 Richter manifesta-se em Arraiolos e outro sismo eclode no mar a 30 quilómetros do cabo de São Vicente, Algarve.

 

E como podem os politólogos e os astrónomos negar que quatro vitórias do PSD em eleições legislativas em Portugal se deram com a presença de Júpiter no signo da Virgem, isto é, no arco da circunferência zodiacal de 150º a 180º de longitude (2 de Dezembro de 1979, Júpiter em 9º de Virgem, vitória da AD de Sá Carneiro e Freitas do Amaral; 5 de Outubro de 1980, Júpiter em 25º de Virgem, vitória da AD de Sá Carneiro e Freitas do Amaral; 6 de Outubro de 1991, Júpiter em 4º-5º de Virgem, vitória do PSD de Cavaco Silva; 4 de Outubro de 2015, Júpiter em 11º de Virgem, vitória mitigada do PSD de Passos Coelho)?

 

Jornais como «Expresso», «Público», «Observador», «Sol» e muitos outros, revistas como «Sábado» e «Visão», canais televisivos em geral com programas como «Quadratura do Círculo», «Prós e Contras» e outros, fazem parte do bloco  fascista epistémico (epistemologia=filosofia das ciências) que não publica nada do que investigámos e escrevemos em astrologia histórica e censura este tema. Não há liberdade científica nas instituições oficiais em Portugal nem nos grandes media privados. 

 

Que fazem os catedráticos, os doutorados sem cátedra e os mestres em filosofia como por exemplo José Gil, Eduardo Lourenço, José Barata Moura, Guido Imaguirre, Alexandre Franco de Sá, Ricardo Santos, João Branquinho, Miguel Reale, Pedro Strech, Porfírio Silva, José Caselas, António Caselas, Irene Borges-Duarte, Olivier Feron, Eduardo Pellejero, Irene Viparelli, Miguel Antunes, Moisés Ferreira, José Meirinhos, Pedro Baptista, Sara Bizarro, Roberto Merrill, Gonçalo Marcelo, Desidério Murcho, Rolando Almeida, Aires Almeida, Domingos Faria, senão silenciar,  promover e manter a censura fascista epistémica nas publicações e eventos universitários, nos fóruns televisivos, nos livros das editoras especializadas?

 

Que fazem e fizeram os doutorados e mestres em História e Sociologia como José Matoso, João Medina, António Reis, António Barreto, Boaventura Sousa Santos, José Pacheco Pereira, Maria Filoména Mónica, Maria de Lurdes Rodrigues, José Hermano Saraiva, senão combater e silenciar a conjugação de dados astronómicos com dados sócio.políticos-biofísicos, isto é, bloquear a investigação livre, a astronomia histórico-social?

 

A universidade portuguesa, tal como a espanhola, a francesa e a alemã, é epistemicamente fascista: censura, elimina como «não científica» a investigação das correlações, regularidades ou leis, entre as posições dos planetas na circunferência do Zodíaco dividida em 12 arcos de 30º cada um (signos) e os factos histórico-sociais como acidentes de avião, de comboio ou de navios, eleições macionais, acidentes industriais, etc.

 

É obrigação de qualquer antifascista lutar pela liberdade académica que não existe porque as universidades, em filosofia, história, sociologia e astronomia funcionam como partidos leninistas em que os comités centrais (os catedráticos) cooptam os militantes fiéis à ideologia e eliminam como «herética» toda a oposição. O mundo só pode ser pensado verdadeiramente a partir do determinismo planetário na vida humana. 

 

Representamos a resistência, a dissidência, o ponto mais alto e verdadeiro do pensar filosófico-ontológico. Estão connosco o modo de pensar de Pietro d´Abagno (1237- 1315), astrólogo gibelino que negava o livre-arbítrio, Siger de Brabant (1240-1284), averroísta, Galileu (1564-1642), Kepler (1571-1630), Paul Feyerabend (1924-1994), entre outros. Somos a ínfima minoria de investigadores empíricos que pensa e sabe da arquitectura e causalidade zodiacal dos factos humanos e terrestres. Incomodamos os néscios e obnóxios, os impensantes em profundidade, que são a imensa maioria, dominadora das universidades.

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA, DIALÉTICA E EQUÍVOCOS DOS FILÓSOFOS», 520 páginas, 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), CONTACTA-NOS.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:16
link do post | comentar | favorito

Domingo, 23 de Junho de 2019
Rui Agostinho, astrónomo, não concebe o determinismo de Júpiter sobre eleições em Portugal

22 de Junho de 2019. Viajo em um mini autocarro da câmara municipal de Beja num passeio organizado pela criativa Maria Paula Santos, directora da biblioteca municipal de Beja, até à herdade dos Xistos, um turismo rural na freguesia da Trindade, ao sul da cidade de Beja para assistir à conferência do professor Rui Agostinho, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. O conferencista é simpático, culto, com um ponteiro a laser aponta a estrela polar, a constelação do Cisne e da Ursa Maior e outras e facilita observações de Júpiter e Saturno com o telescópio. Cerca das 24 horas, na sessão de perguntas, lanço o desafio em voz alta: «Doutor, os astrónomos dizem que a astrologia histórica é falsa, que os astros não determinam as ações humanas. »

 

«No entanto, constatei que 4 vitórias do PSD em legislativas nacionais se deram com Júpiter no signo da Virgem, isto é, entre 150º a 180º da circunferência da eclíptica: em 2 de Dezembro de 1979, Júpiter em 9º do signo de Virgem, vitória da AD; em 5 de Outubro de 1980, Júpiter em 25º do signo de Virgem, vitória da AD; em 6 de Outubro de 1991, com Júpiter em 4º-5º do signo de Virgem, vitória do PSD; em 4 de Outubro de 2015, com Júpiter em 11º do signo de Virgem, vitória do PSD. E o PS venceu a 25 de Abril de 1983, com Júpiter em 9º do signo de Sagitário, e em 1 de Outubro de 1995, com Júpiter em 10º do signo de Sagitário, praticamente em conjunção com a estrela Antares da constelação de Escorpião. Isto prova que há regularidades, leis planetário-zodiacais.»

 

Rui Agostinho não sabe refutar estes dados e rodeia o problema: «Só há 4 forças no universo, nada mais». E fala, fala, desviando-se falaciosamente do tema concreto. E o meu amigo professor José Valente, da ESDG, na tentativa de defender o astrónomo da universidade de Lisboa, faz uma intervenção demagógica que em nada refuta o que expus: «Queiroz mas tu há anos falhaste uma aposta desportiva e perdeste uma tosta.» E colhe risos de apoio entre o público ingénuo... Como se uma aposta circunstancial invalidasse o determinismo planetário! Ganhei a batalha, expus a verdade que eles, os racionalitas coxos, instalados nas cátedras universitárias, tal como há séculos os membros do Tribunal da Santa Inquisição, não querem que se dê a conhecer. Os académicos vivem com receio de serem destronados por perfilharem teses erradas. Por isso impedem o debate livre e estabelecem uma censura absoluta nos grandes midia (televisão, rádio, imprensa escrita, auditórios da universidade, editoras principais de livros,etc.). É a nova Santa Inquisição, laica. É o fascismo epistémico, "científico".

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 10:44
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 13 de Abril de 2015
Pequenas reflexões de Abril de 2015

 

 

 

Aqui seguem algumas breves e desprestensiosas reflexões ao sabor destes dias de sol, vento e chuva ocasional de Abril de 2015

 

A REGRA QUATRO TRÊS NO CASAMENTO- Sou adepto da seguinte tática de sobrevivência de um casamento ou união de amor livre: durante 4 dias, os dois cônjugues estão completamente separados, em casas ou cidades diferentes, e nem se telefonam, ignoram-se (salvo situação excepcional); nos restantes 3 dias da semana, vivem juntos, a paixão recrudesce, os lençóis voam, os sutiãs ficam espalhados no chão do quarto... Assim de segunda a quinta inclusive, ignoras a tua mulher; e de sexta a domingo, inclusive, dás-lhe todo o amor e paixão carnal do mundo. E assim o casamento se revitaliza, rejuvenesce e se compara a excelentes refeições à moda alentejana que se saboreia com prazer: gaspacho, açorda de alho, açorda de favas, ovos mexidos com espargos e silarcas, etc.

 

CASAR É COMPRAR AMOR. Tudo se compra: o corpo, o prazer, os alimentos do estômago, as horas de internet, a gasolina do carro, o carro, o curso universitário, a amizade social consolidada através de festas e ofertas de garrafas e outros presentes, a estabilidade profissional através de acções que dão créditos, etc. O sistema mercantilista impera universalmente. Até se tenta comprar os deuses com esmolas e promessas...

 

O RIDÍCULO- É ridículo um homem da minha idade, acima dos 50, fazer-se a mulheres de 20 a 30 anos de idade? É... Mas é mais ridículo ainda um homem da minha idade fazer-se a uma mulher de 45-50 anos de idade... No primeiro caso, é um «velho» e uma novinha em folha... No segundo caso , é um «velho» e ... (desculpem, senhoras, eu não queria ofender, não digo...). Devemos ser nós mesmos e não seguir o preconceito da maioria que dita aquilo que «é ridículo» e aquilo que não é.

 

O AMOR COMEÇA POR UMA APARÊNCIA FÍSICA - Vestes-te de mulher, atrais os homens e verificas, de imediato, o grau de homossexualidade existente em quase todos eles. E ris-te do grande espectáculo do amor homem-mulher, mulher-mulher ou homem-homem: o amor não existe, reduz-se a tesão, a excitação sexual. Os sentidos cobrem completamente, com o seu incêndio de sensações, a racionalidade. E troças disto tudo, da moral católica e conservadora, da moral gay, de todas as morais excepto da que dá liberdade máxima a cada um dentro do respeito pelos outros. Mas não troças dos deuses, que estão acima da moral social...Com estes é preciso ser cuidadoso: ou nos amam e atendem ou não nos amam mas são obrigados a atender-nos por força das palavras mágicas da sincronicidade.

 

TALVEZ NÓS NÃO AMEMOS A DEUS mas estejamos tão dependentes de Ele/Ela que não possamos deixar de O/A amar. Afinal o amor não é uma dependência da beleza, do sorriso, da atenção, da presença da outra pessoa? Amar alguém em concreto é ser prisioneiro, escravo até, desse alguém. 

 

HÁ HORAS DE SOLIDÃO INTENSA- Sou, naturalmente, optimista. Mas hoje é um desses dias com algum desencanto face à vida - são luxos a que me posso dar, afinal os deuses são-me, genericamente, favoráveis. Bato no fundo e subo à superfície. Fui até ver bolas de cristal e toquei a taça tibetana no interior da casa. Estarei a deslocar-me do cristianismo e do ecletismo gnóstico para o budismo? É certo que oro à Virgem mas também oro a Vénus e hoje à deusa indiana Shakti, o sagrado feminino, a esposa de Shiva, o asceta. Em certo sentido, a vida é um vazio enorme e nós amamos pessoas porque o amor é o preenchimento desse vazio. Se não amarmos secamos, como uma árvore sem água

 

O LIVRE-ARBÍTRIO É UMA IMPERFEIÇÃO - O facto de os homens disporem de livre arbítrio, possibilidade de escolher racionalmente entre o bem e o mal, é uma imperfeição, ao contrário do que sustenta a esmagadora maioria dos filósofos e teólogos. Os homens deviam estar programados para só agirem correctamente no sentido do Bem. Que deus é esse que fez o homem dotando-o de livre arbítrio? Não é, certamente, o deus supremo, o Perfeito, o Absolutamente Bom, porque o livre-arbítrio é uma fonte do mal. Se o meu automóvel tivesse livre-arbítrio, desobedecer-me-ia quando giro o volante para a direita ou quando travo e causaria acidentes. E a responsabilidade seria do fabricante do automóvel.

 

HÁ ALGUMA AMIZADE SÓLIDA BASEADA NO FACEBOOK?- Pode haver verdadeira amizade entre duas ou mais pessoas que só se conheceram e contactam no facebook e nunca se viram e falaram ao vivo? Mais: alguém é amigo de alguém? 

 

A UNIVERSIDADE FALSA E AMORDAÇADA- A universidade portuguesa, e nela reflectida a universidade mundial, - burguesa conservadora, liberal e socialista, comunista leninista ou teocrática - vive sob o signo da falsidade e da mordaça: conhece, desde há anos, a minha tese de que Júpiter no signo de Virgem (150º a 180º da eclíptica) favorece as direitas em Portugal - a implantação do Estado Novo deu-se em 11 de Abril de 1933, com Jupiter em 14º do signo de Virgem - e de que no signo oposto, Júpiter no signo de Peixes (330º a 360º da eclíptica), favorece o triunfo das esquerdas em Portugal- a revolução que derrubou o Estado Novo fascista, de 1933, iniciou-se em 25 de Abril de 1974, com Júpiter em 10º de Peixes.

 

Mas isto não é permitido expor nem discutir na universidade e na sua esfera de influência - os congressos de filosofia, de história, de sociologia, os fóruns televisivos, as colunas de opinião nos jornais e revistas, as entrevistas a «pensadores» nos media. Veja-se a mordaça que os docentes Olivier Feron e José Caselas colocaram à possibilidade de eu apresentar uma tese sobre astrologia histórica nas jornadas de investigação do grupo Krisis na universidade de Évora em Junho de 2012! É o fascismo epistémico em marcha...Eles não pensam e querem impedir os outros de pensar, de se informarem. Esta gente merece perder os títulos universitários que ostenta porque é ética e intelectualmente medíocre.

 

RECUSA VACINAR-TE ! RECUSA SERES INFECTADO/A POR VÌRUS E TOXINAS. Em final de Novembro de 2014, a Itália suspendeu o uso de dois lotes de uma vacina contra a gripe, feitas pela empresa suíça Novartis, após quatro pessoas morrerem logo depois de receber a vacina. Eles - Paulo  Macedo e os anteriores ministros da Saúde em Portugal, Francisco George, director geral de Saúde, os médicos intelectualmente obtusos e fanáticos da vacinação e os vampiros das multinacionais das vacinas - não podem impor-te isso nem impedir que te matricules nas escolas sem boletim de vacinas. Tu és livre! O corpo é teu! Defende-te - eles não são teus amigos, não passam de cínicos opressores do povo em nome da «ciência» e das suas contas bancárias.

 

VASCO GONÇALVES FEZ MAIS PELA LIBERDADE E A DEMOCRACIA EM PORTUGAL EM 1974-1975, DO QUE MÁRIO SOARES, O AMIGO DA CIA. Mário Soares é apresentado como o «pai da democracia portuguesa» pela imprensa burguesa mas isso é uma mentira grande: os pais da democracia foram Álvaro Cunhal e o PCP e a ala esquerda do Movimento das Forças Armadas consubstanciada em Vasco Gonçalves, o 1º ministro que legislou a favor dos trabalhadores, e Otelo Saraiva de Carvalho, e ainda grupos trotskistas, anarquistas, «marxistas-leninistas» e guevaristas da extrema-esquerda. Está provada a ligação, em 1975-1976, entre Soares e a embaixada dos EUA em Lisboa, e a CIA do embaixador Frank Carlucci, que pôs o ELP e o MDLP, movimentos de extrema direita, a lançar todos os dias bombas assassinas contra sedes do PCP, do MDP, da FEC(m-l), da UDP, da LCI, de cooperativas e associações não partidárias de esquerda e contra casas ou carros de militantes de esquerda, a partir de Julho de 1975 até meados de 1977. E se classificarmos o PCP e a extrema-esquerda de «totalitários» diremos que foram os «totalitários de esquerda» que destruiram o totalitarismo de direita neosalazarista e criaram espaço para que os «não totalitários», a burguesia liberal, centrista e socialista, se tornassem donos da democracia portuguesa.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 23:07
link do post | comentar | favorito (2)

Segunda-feira, 29 de Setembro de 2014
Marte em Sagitário: vitórias de Mário Soares, em particular a das eleições primárias no PS em 28 de Setembro de 2014

 

Os efeitos socio-políticos de Marte e de Vénus no signo de Sagitário são, em regra, contrários entre si. Mário Soares apoiou recentemente a candidatura de António Costa, presidente da  câmara municipal de Lisboa, à liderança do PS e a posição de Marte, em 28 de Setembro de 2014, em 9º 35´/ 10º 17´ de Sagitário, dia da eleição no interior e exterior do PS do candidato socialista a primeiro-ministro, prenunciava mais um êxito político de Soares e da sua linha dominante no PS.

 

 

 MARTE EM SAGITÁRIO:

VITÓRIAS DE MÁRIO SOARES

 

 

A passagem de Marte no signo de Sagitário - isto é, no arco do céu de 240º a 270º - gera em regra uma vitória política de Mário Soares e do PS.

 

Em 3 de Janeiro de 1960,  com Marte em 21º 46´/ 22º 30´ de Sagitário, Álvaro Cunhal, ex professor de Mário Soares no Colégio Moderno em Lisboa, e nove importantes funcionários do PCP evadem~se do forte prisão de Peniche, o que vibra um golpe na ditadura fascista de Salazar e constitui uma vitória para os antifascistas, entre eles Mário Soares, dissidente do PCP, socialista; em 16 de Fevereiro de 1986, com Marte em 8º 2´/ 8º 36´de Sagitário, Mário Soares, candidato presidencial do PS e, acidentalmente do PCP, PRD, UDP e movimento Lurdes Pintassilgo, vence com 51, 18 % de votos a segunda volta da eleição a presidente da república de Portugal, derrotando Freitas do Amaral, candidato das direitas, que averba 48, 82 % de votos; em 28 de Setembro de 2014, em 9º 35´/ 10º 17´ de Sagitário, António Costa, apoiado por Mário Soares, vence com 67, 8% dos votos as eleições primárias, abertas a não militantes, de designação do candidato a secretário-geral socialista, derrotando António José Seguro, que recolhe 31, 6% de votos.

 

VÉNUS EM SAGITÁRIO:

DESAIRES DE MÁRIO SOARES, VITÓRIAS DO PSD

 

A passagem de Vénus no signo de Sagitário - isto é, no arco do céu de 240º a 270º em longitude- gera, em regra, uma derrota política de Mário Soares e do PS. O efeito Vénus é, pois, de sinal contrário ao efeito Marte

 

Em 8 de Dezembro de 1977, com Vénus em 4º 56´/ 6º 11´ de Sagitário, o PSD de Sá Carneiro, o PCP de Cunhal, a UDP de Acácio Barreiros e o CDS de Freitas do Amaral rejeitam, no parlamento, a moção de confiança proposta pelo primeiro-ministro Mário Soares, fazendo cair o 1º governo constitucional do PS; em 23 de Janeiro de 2011, com Vénus em 16º 20´/ 17º 26´ de Sagitário, Cavaco Silva é reeleito presidente da república portuguesa com 52,95% de votos, derrotando Fernando Nobre, candidato apoiado por Mário Soares e parte do PS, que aufere 14, 10% de votos, e Manuel Alegre, candidato oficial do PS, que recebe 19,76% de votos.

 

Enquanto as universidades de Lisboa, Porto, Coimbra, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Madrid, Barcelona, Alcalá de Henares, Roma, Paris, Berlim, Oxford, Cambridge, Harvard, Yale, etc., estiverem dominadas pela filosofia analítica, pelo cepticismo de Karl Popper, pela fenomenologia e outras correntes falhas de pensamento holístico será impossível pensar com profundidade o mundo e o seu devir nessas academias e no seu raio de influência que é vasto. Porque o determinismo planetário na vida social é um facto que todas as universidades, dominadas por «burros» dessas correntes filosóficas, recusam admitir. Hegel, Kant, Heidegger, Karl Popper, Foucault ou Kripke eram «burros»? Sim, no sentido de inteligência holística, que abarca o todo, apesar de, sectorialmente, serem muito inteligentes: eles não intuiram o óbvio, que as posições dos planetas geram os factos histórico-sociais... Só os deuses e alguns humanos são superiormente inteligentes a ponto de perceberem esta correlação.

 

Fascismo epistémico - é a expressão que designa a situação geral de rejeição nas academias da ciência astrológica que desenvolvemos. Assim a filosofia surge, nessas instituições e no mundo da televisão e grandes media, como instrumento de opressão, força censória, e não como aletheia, desocultação da verdade. Se és mestre ou doutorado em filosofia, história, sociologia, física, astrofísica, matemática e negas ou ignoras o determinismo planetário, és um pensador medíocre, indigno de leccionar na universidade.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 02:25
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

As nossas universidades s...

Rui Agostinho, astrónomo,...

Pequenas reflexões de Ab...

Marte em Sagitário: vitór...

arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds