Sábado, 14 de Novembro de 2020
Astronomia e acidentes no Metropolitano de Lisboa

 

 

Há cerca de uma dezena de áreas pequenas do Zodíaco que despoletam acidentes  no Metropolitano de Lisboa:  21º-22º do signo de Touro, 22º-24º do signo de Gémeos, 7º-8º do signo de Leão, 0º-1º do signo de Virgem, 19º-21º do signo de Virgem, 22º-26º do signo de Balança, 0º-2º do signo de Escorpião, 20º-26º do signo de Sagitário, 16º-17º do signo de Capricórnio, 17º-19º do signo de Peixes. Se duas ou três destas áreas estiverem percorridas no mesmo dia pelo Sol e por um ou mais planetas é muito provável que um acidente se corporize.

 

ÁREA 21º-22º DO SIGNO DE TOURO

 

A passagem do Sol, de um Nodo da Lua ou de um planeta na área 21º-22º do signo de Touro  (ou seja: graus 51º-52º em longitude na eclíptica)  é condição necessária mas insuficiente para gerar um acidente ferroviário no Metropolitano de Lisboa.

 

Em 15 de Setembro de 2003. com Nodo Norte da Lua em 22º 7´de Touro, Marte em 1º 7´/ 0º 58´ de Peixes, às 23.15 horas, um jovem que trazia uma lata de spray para pintar as paredes do metropolitano de Lisboa morre electrocutado no interior da estação do Rato.

 

Em 26 de Março de 2004, com Vénus em 21º 34´/ 22º 34´ e Touro, Júpiter em 8º 12´/8º 10´ de Leão,  a queda de estuque da abóbada da estação de Cidade Universitária interrompe, à noite, a circulação na Linha Amarela do Metro de Lisboa entre as estações de Campo Pequeno e Campo Grande.

 

Algumas das datas em que o Sol, um nodo da Lua ou um planeta atravessarão os graus 21º-22º do signo de  Touro são: de 16 a 19 de Fevereiro de 2021 (Marte); 29 e 30 de Abril de 2021 (Mercúrio); de 11 a 13 de Maio de 2021 (Sol); em 22 e 23 de Abril de 2022 (Mercúrio); de 3 de Abril a 4 de Julho de 2022 (Nodo Norte da Lua); de 11 a 13 de Maio de 2022 (Sol); de 5 a 8 de Agosto de 2022 (Marte); de 17 a 22 de Abril de 2024 (Nodo Norte da Lua).

 

ÁREA 22º-24º DO SIGNO DE GÉMEOS

 

A passagem do Sol, de um Nodo da Lua ou de um planeta na área 22º-24º do signo de Gémeos  (ou seja: graus 82º-84º em longitude na eclíptica)  é condição necessária mas insuficiente para gerar um acidente ferroviário no Metropolitano de Lisboa.

 

Em 28 de Junho de 1996, com Mercúrio em 21º 30´/ 23º 24´ de Gémeos, Vénus em 12º 8´/ 11º 59´ de Gémeos,   um desabamento de terras nas obras do Metropolitano de Lisboa, junto à estação da Alameda, soterra 3 operários da empresa Metrolis, morrendo um deles, José Barrinhas, e ficando feridos os outros 2.

 

Em 14 de Junho de 2012, com Sol em 23º 20´/24º 18´ de Gémeos, Saturno em 22º 53´/ 22º 52´ de Balança, a circulação na Linha Azul do Metropolitano de Lisboa é de manhã interrompida durante cerca de uma hora, devido a um acidente com uma passageira na estação dos Restauradores.

 

Em 5 de Julho de 2013, com Marte em 24º 10´/ 24º 51´de Gémeos, Sol em 13º 8´/ 14º 6´ de Caranguejo, Vénus em 8º 50´/ 10º 3´ de Leão,  às 10.21 horas na estação dos Olivais, no sentido Aeroporto-São Sebastião da Pedreira uma pessoa cai à linha no momento em que o metro chega à estação e acaba por morrer o que faz esvaziar os comboios, evacuar a estação e encerrar circulação na Linha Vermelha do Metro de Lisboa de (Aeroporto - São Sebastião).

 

Em 29 de Setembro de 2020, com  Nodo Norte da Lua  em 23º 33´/ 23º 21´ de Gémeos, Nodo Sul da Lua em 23º 33´/ 23º 21´ de Sagitário, Mercúrio em 1º 52´/ 2º 55´ de Escorpião, Júpiter em 17º 49´/ 17º 52´ de Capricórnio, Neptuno em 19º 5´/ 19º 4´ de Peixes quatro pessoas ficam feridas no desabamento de parte do teto de uma galeria entre a estação de metro de São Sebastião e a praça de Espanha por falta de fiscalização da câmara municipal de Lisboa aos erros do empreiteiro cuja equipa ao derrubar uma estrutura de betão armado na Praça de Espanha perfura a abóbada da galeria do metropolitano fazendo cair terra e pedras sobre um comboio que circula na Linha Azul entre a estação das Laranjeiras e o Marquês de Pombal. 

 

Algumas das datas em que o Sol, um nodo da Lua ou um planeta atravessam os graus 22º-24º do signo de  Gémeos são: de 10 a 15 de Abril de 2021 (Marte); de 21 de Maio a 8 de Junho de 2021 (Mercúrio); de 27 a 29 de Maio de 2021 (Vénus); de 5 a 7 de Julho de 2021 (Mercúrio); de 7 a 21 de Outubro de 2022 (Marte); de 7 a 14 de Março de 2023 (Marte); de 30 de Abril a 3 de Maio de 2023 (Vénus).

 

ÁREA 7º-8º DO SIGNO DE LEÃO

 

A passagem do Sol, de um Nodo da Lua ou de um planeta na área 7º-8º do signo de Leão  (ou seja: graus 127º-128º em longitude na eclíptica)  é condição necessária mas insuficiente para gerar um acidente ferroviário no Metropolitano de Lisboa.

 

Em 3 de Setembro de 2002, com Júpiter em 6º 54´ /7º 6´ de Leão, Vénus em 25º 43´/ 26º 35´ de Balança, um trabalhador fractura a bacia em acidente nas obras da estação do Metro de Santa Apolónia, em Lisboa.

 

Em 5 de Julho de 2013, com Vénus em 8º 50´/ 10º 3´ de Leão, Marte em 24º 10´/ 24º 51´de Gémeos, Sol em 13º 8´/ 14º 6´ de Caranguejo, às 10.21 horas na estação dos Olivais, no sentido Aeroporto-São Sebastião da Pedreira uma pessoa cai à linha no momento em que o metro chega à estação e acaba por morrer o que faz esvaziar os comboios, evacuar a estação e encerrar circulação na Linha Vermelha do Metro de Lisboa de (Aeroporto - São Sebastião).

 

ÁREA 0º-1º DO SIGNO DE VIRGEM

 

A passagem do Sol, de um Nodo da Lua ou de um planeta na área 0º-1º do signo de Virgem  (ou seja: graus 150º-151º em longitude na eclíptica)  é condição necessária mas insuficiente para gerar um acidente ferroviário no Metropolitano de Lisboa.

 

Em 10 de Maio de 1989, com Nodo Sul da Lua em 1º 25´/ 1º 20´ de Virgem, Júpiter em 11º 32´/ 11º 46´ de Gémeos, Nodo Norte da Lua em 1º 25´/ 1º 20´ de Peixes, o derrame de combustível um depósito da GALP de uma estação de serviço obriga a interromper por algumas horas a circulação no túnel do metropolitano de Lisboa, entre as estações de Palhavã e São Sebastião, invadido por gasolina.

 

De 11 a 22 de Maio de 1989, com Nodo Sul da Lua em 1º 16´/ 0º 0´ de Virgem,  com Nodo Norte da Lua em 1º 16´/ 0º 0´ de Peixes, permanece interrompida a circulação na linha do Metropolitano de Lisboa, entre as estações da Rotunda e Colégio Militar, ao detectar-se, de manhã do dia 11, a escorrência de combustível nas paredes das galerias; em 30 de Maio de 1995, com Marte em 1º 59´/ 2º 27´ de Virgem, Quiron em 20º 7´/ 20º 8´ de Virgem, Júpiter em 10º 50´/ 10º 42´ de Sagitário, um curto-circuito corta a energia eléctrica na estação do metro de Lisboa da Rotunda, ferindo ligeiramente um fiscal. 

 

ÁREA  19º-21º DE SIGNO DE VIRGEM

 

A passagem do Sol, de um Nodo da Lua ou de um planeta na área 19º-21º do signo de Virgem  (ou seja: graus 169º-171º em longitude na eclíptica)  é condição necessária mas insuficiente para gerar um acidente ferroviário no Metropolitano de Lisboa.

 

Em 11 de Dezembro de 1996, com Marte em 21º 3´/ 21º 29´ de Virgem, Nodo Norte da Lua em 4º 58´/ 4º 46´ de Balança, Vénus em 22º 14´/ 23º 29´de Escorpião, às 9.15 horas, um aluimento nas obras da estação do Metro de Olivais Sul, na Rua Cidade de Bissau em Lisboa, soterra sob uma parede de betão, 6 operários que permanecem salvos por uma bolsa de ar existente noutro túnel a 30 metros de profundidade e são resgatados após horas de perfuração, às 19.30 horas, um deles ferido.

 

Em 19 de Outubro de 1997, com Nodo Norte da Lua em 19º 12´/ 19º 6´de Virgem, Vénus em 11º 45´/ 12º 50´ de Sagitário, Júpiter em 12º 17´/ 19´ de Aquário, pela 1.00 hora da madrugada, principia um grande incêndio no qual explodem várias garrafas de acetileno e arde um depósito de tintas, no túnel do metropolitano que liga a estação da Alameda à do Areeiro, em Lisboa, ardendo as estações nova e velha, morrendo Sidi Bamba, vigilante da obra de construção, residente no Bairro das Marianas e Ernesto Rosa Pereira, chefe da estação de Metro do Areeiro e, devido às inundações causadas pelas chuvas na véspera, é interrompida a circulação de comboios no Metro entre as estações de Avenida e Campo Grande, 

 

ÁREA 22º-26º DO SIGNO DE BALANÇA 

 

A passagem do Sol, de um Nodo da Lua ou de um planeta na área 22º-26º do signo de Balança  (ou seja: graus 202º-205º em longitude na eclíptica)  é condição necessária mas insuficiente para gerar um acidente ferroviário no Metropolitano de Lisboa.

 

Em 24 de Outubro de 1995, com Nodo Norte da Lua em 26º 31´de Balança, Sol em 0º 6´/ 1º 5´ de Escorpião, Saturno em 18º 42´/ 18º 39´ de Peixes, pelas 16.30 horas, desmorona-se uma das paredes do túnel nas obras de ampliação da estação de metro do Chiado, matando um trabalhador de 35 anos.

 

Em 29 de Julho de 2014, com Nodo Norte  da Lua em 22º 8´/ 22º 2´ de Balança, Marte em 1º 32´/ 2º  4´ de Escorpião, Nodo Sul da Lua em 22º 8´/ 22º 2´ de Carneiro, Marte em 1º 32´/ 2º  4´ de Escorpião, Quiron em 17º 7´/ 17º 5´ de Peixes, um homem é ferido na estação de metro do aeroporto de Lisboa, sendo esta encerrada.

 

Algumas das datas em que o Sol, um nodo da Lua ou um planeta atravessarão os graus 22º-26º do signo de  Balança são: de 15 a 19 de Novembro de 2020 (Vénus); de 18 de Setembro a 4 de Outubro de 2021 (Mercúrio); de 30 de Setembro a 5 de Outubro de 2023 (Marte)-

 

ÁREA 0º-2º DO SIGNO DE ESCORPIÃO 

 

A passagem do Sol, de um Nodo da Lua ou de um planeta na área 0º-2º do signo de Escorpião  (ou seja: graus 210º-212º em longitude na eclíptica)  é condição necessária mas insuficiente para gerar um acidente ferroviário no Metropolitano de Lisboa.

 

Em 24 de Outubro de 1995, com Nodo Norte da Lua em 26º 31´de Balança, Sol em 0º 6´/ 1º 5´ de Escorpião, Saturno em 18º 42´/ 18º 39´ de Peixes, pelas 16.30 horas, desmorona-se uma das paredes do túnel nas obras de ampliação da estação de metro do Chiado, matando um trabalhador de 35 anos.

 

Em 29 de Julho de 2014, com Marte em 1º 32´/ 2º  4´ de Escorpião, Nodo Sul da Lua em 22º 8´/ 22º 2´ de Carneiro, Nodo Norte  da Lua em 22º 8´/ 22º 2´ de Balança, Marte em 1º 32´/ 2º  4´ de Escorpião, Quiron em 17º 7´/ 17º 5´ de Peixes, um homem é ferido na estação de metro do aeroporto de Lisboa, sendo esta encerrada.

 

Em 29 de Setembro de 2020, com Mercúrio em 1º 52´/ 2º 55´ de Escorpião, Nodo Sul da Lua em 23º 33´/ 23º 21´ de Sagitário, Júpiter em 17º 49´/ 17º 52´ de Capricórnio, Neptuno em 19º 5´/ 19º 4´ de Peixes quatro pessoas ficam feridas no desabamento de parte do teto de uma galeria entre a estação de metro de São Sebastião e a praça de Espanha por falta de fiscalização da câmara municipal de Lisboa aos erros do empreiteiro cuja equipa ao derrubar uma estrutura de betão armado na Praça de Espanha perfura a abóbada da galeria do metropolitano fazendo cair terra e pedras sobre um comboio que circula na Linha Azul entre a estação das Laranjeiras e o Marquês de Pombal .

 

Algumas das datas em que o Sol, um nodo da Lua ou um planeta atravessarão os graus 0º-2º do signo de  Escorpião são: de 21 a 23 de Novembro de 2020 (Mercúrio); de 10 a 13 de Setembro de 2021 (Vénus); 

 

ÁREA 20º-26º DO SIGNO DE SAGITÁRIO

 

A passagem do Sol, de um Nodo da Lua ou de um planeta na área 20º-26º do signo de Sagitário  (ou seja: graus 260º-266º em longitude na eclíptica)  é condição necessária mas insuficiente para gerar um acidente ferroviário no Metropolitano de Lisboa.

 

Em 28 de Dezembro de 2005, com Mercúrio em 19º 46´/ 21º 13´ de Sagitário, Plutão em 24º 44´/ 24º 46´ de Sagitário, Vénus em 1º 12´/ 1º 2´ de Aquário; às 17.45 horas, uma mulher cai à linha na estação de Cais do Sodré, em Lisboa, sofrendo amputação de um braço, e isso interrompe a circulação na Linha Verde do metropolitano (Cais do Sodré / Telheiras) e condicionada a circulação na Linha Azul (Baixa-Chiado / Amadora Este).

 

Em 27 de Março de 2006, com Plutão em 26º 45´ de Sagitário, Sol em 6º 10´/ 7º 10´ de Carneiro, às 9.34 horas, uma avaria faz parar e reter durante 40 minutos um comboio com centenas de passageiros na Linha Azul do Metro de Lisboa no túnel entre as estações de Sete Rios e Praça de Espanha, sendo assistidos 10 passageiros na estação de Praça de Espanha por crises de ansiedade;

 

Em 9 de Dezembro de 2008, com Mercúrio em 24º 38´/ 26º 16´ de Sagitário, Saturno em 21º 17´/ 21º 20´ de Virgem, Vénus em 1º 11´/ 2º 21´de Aquário, uma passageira cai à linha do Metro na zona do Marquês do Pombal no momento em que a composição circula e fica com o braço esquerdo preso na roda do comboio sendo a circulação na linha amarela do Metro de Lisboa cortada por uma hora.

 

Em 12 de Novembro de 2019, com Júpiter em 25º 32´/ 25º 45´ de Sagitário, Marte em 25º 12´/ 25º 51´ de Balança, Júpiter em 25º 32´/ 25º 45´ de Sagitário, Saturno em 16º 15´/ 16º 20´ de Capricórnio,  ocorre uma avaria num comboio na linha na Linha Amarela do Metropolitano de Lisboa pelas 17h05, que se imobiliza no túnel que liga as estações de  Cidade Universitária e Campo Grande, que obriga à interrupção do serviço, ao fim de 40 minutos, alguns passageiros sentem-se mal e são  acionados os botões de emergência para abrir as portas da carruagem.e saem  da composição e circulam pela linha com a ajuda de um funcionário do metro, regressando  à normalidade a circulação às 19h07".

 

Em 2 de Fevereiro de 2020, com  Marte em 20º 5´/ 20º 46´ de Sagitário, Nodo Norte da Lua em 7º 48´/ 7º 49´ de Caranguejo, a circulação da Linha Vermelha do Metro de Lisboa é interrompida no sentido Aeroporto-São Sebastião.desde, pelo menos, as 12h26 devido a um passageiro, cair para a linha do metro na estação Oriente.

 

Em 29 de Setembro de 2020, com Nodo Sul da Lua em 23º 33´/ 23º 21´ de Sagitário, Mercúrio em 1º 52´/ 2º 55´ de Escorpião, Júpiter em 17º 49´/ 17º 52´ de Capricórnio, Neptuno em 19º 5´/ 19º 4´ de Peixes quatro pessoas ficam feridas no desabamento de parte do teto de uma galeria entre a estação de metro de São Sebastião e a praça de Espanha por falta de fiscalização da câmara municipal de Lisboa aos erros do empreiteiro cuja equipa ao derrubar uma estrutura de betão armado na Praça de Espanha perfura a abóbada da galeria do metropolitano fazendo cair terra e pedras sobre um comboio que circula na Linha Azul entre a estação das Laranjeiras e o Marquês de Pombal.

 

Algumas das datas em que o Sol, um nodo da Lua ou um planeta atravessarão os graus 20º-26º do signo de  Sagitário são:  de 11 a 18 de Dezembro de 2020 (Sol); dde 14 a 19 de Dezembro de 2020 (Mercúrio); de 31 de Dezembro de 2020 a 6 de Janeiro de 2021 (Vénus). 

 

ÁREA 16º-17º DO SIGNO DE CAPRICÓRNIO

 

A passagem do Sol, de um Nodo da Lua ou de um planeta na área 16º-17º do signo de Capricórnio  (ou seja: graus 286º-287º em longitude na eclíptica)  é condição necessária mas insuficiente para gerar um acidente ferroviário no Metropolitano de Lisboa.

 

Em 12 de Novembro de 2019, com Saturno em 16º 15´/ 16º 20´ de Capricórnio, Júpiter em 25º 32´/ 25º 45´ de Sagitário, Marte em 25º 12´/ 25º 51´ de Balança, Júpiter em 25º 32´/ 25º 45´ de Sagitário,  ocorre uma avaria num comboio na linha na Linha Amarela do Metropolitano de Lisboa pelas 17h05, que se imobiliza no túnel que liga as estações de  Cidade Universitária e Campo Grande, que obriga à interrupção do serviço, ao fim de 40 minutos, alguns passageiros sentem-se mal e são  acionados os botões de emergência para abrir as portas da carruagem.e saem  da composição e circulam pela linha com a ajuda de um funcionário do metro, regressando  à normalidade a circulação às 19h07".

 

Em 29 de Setembro de 2020, com Júpiter em 17º 49´/ 17º 52´ de Capricórnio, Nodo Sul da Lua em 23º 33´/ 23º 21´ de Sagitário, Mercúrio em 1º 52´/ 2º 55´ de Escorpião, Neptuno em 19º 5´/ 19º 4´ de Peixes quatro pessoas ficam feridas no desabamento de parte do teto de uma galeria entre a estação de metro de São Sebastião e a praça de Espanha por falta de fiscalização da câmara municipal de Lisboa aos erros do empreiteiro cuja equipa ao derrubar uma estrutura de betão armado na Praça de Espanha perfura a abóbada da galeria do metropolitano fazendo cair terra e pedras sobre um comboio que circula na Linha Azul entre a estação das Laranjeiras e o Marquês de Pombal 

 

ÁREA 17º-19º DO SIGNO DE PEIXES

 

A passagem do Sol, de um Nodo da Lua ou de um planeta na área 17º-19º do signo de Peixes (ou seja: graus 347º-349 º em longitude na eclíptica)  é condição necessária mas insuficiente para gerar um acidente ferroviário no Metropolitano de Lisboa.

 

Em 24 de Outubro de 1995, com Nodo Norte da Lua em 26º 31´de Balança, Sol em 0º 6´/ 1º 5´ de Escorpião, Saturno em 18º 42´/ 18º 39´ de Peixes, pelas 16.30 horas, desmorona-se uma das paredes do túnel nas obras de ampliação da estação de metro do Chiado, matando um trabalhador de 35 anos.

 

Em 29 de Julho de 2014, com Quiron em 17º 7´/ 17º 5´ de Peixes, Marte em 1º 32´/ 2º  4´ de Escorpião, Nodo Sul da Lua em 22º 8´/ 22º 2´ de Carneiro, Nodo Norte  da Lua em 22º 8´/ 22º 2´ de Balança, Marte em 1º 32´/ 2º  4´ de Escorpião, um homem é ferido na estação de metro do aeroporto de Lisboa, sendo esta encerrada.

 

Em 29 de Setembro de 2020, com Neptuno em 19º 5´/ 19º 4´ de Peixes Mercúrio em 1º 52´/ 2º 55´ de Escorpião, Nodo Sul da Lua em 23º 33´/ 23º 21´ de Sagitário, Júpiter em 17º 49´/ 17º 52´ de Capricórnio, quatro pessoas ficam feridas no desabamento de parte do teto de uma galeria entre a estação de metro de São Sebastião e a praça de Espanha por falta de fiscalização da câmara municipal de Lisboa aos erros do empreiteiro cuja equipa ao derrubar uma estrutura de betão armado na Praça de Espanha perfura a abóbada do túnel do metropolitano fazendo cair terra e pedras sobre um comboio que circula na Linha Azul entre a estação das Laranjeiras e o Marquês de Pombal.

 

Estas pesquisas são ciência histórico-astronómica e superam em muito a astrologia tradicional que, por comodismo e falta de inteligência, não leva em conta estes «detalhes» porque nem ela mesma acredita no determinismo planetário-social absoluto. Os astrólogos tradicionais, que sustentam que «Vénus rege Balança e Marte rege o Carneiro», ignorando que Marte rege a área 1º a 11º do signo de Balança, exaltada quando uma sonda sobrevoa ou aterra em Marte, são papagaios ignorantes.

 

Saliente-se que os canais de televisão, os jornais como «Expresso», «Sol», «I», «Diário de Notícias», «Correio da Manhã», revistas como «Sábado», «Visão», «Revista Portuguesa de Filosofia» e muitas outras têm obrigação de divulgar os nossos estudos mas não o fazem porque são epistemicamente fascistas, são a nova «Santa Inquisição» de fachada científica e positivista. Não sabem nem podem refutar os dados históricos que apresentamos, por isso ignoram, censuram. A cultura contemporânea iluminista é fascista no plano epistémico porque sobrepõe o imaginário «livre-arbítrio» humano, o acaso, à necessidade, às leis infalíveis das radiações planetárias. E nada disto nega a existência do Deus do Puro Amor, exterior ao sistema das órbitas planetárias, transcendente à máquina Mundi do Grande Arquitecto.

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição já esgotou nas livrarias excepto na livraria Modo de Ler, Praça Guilherme Gomes Fernandes, na cidade do Porto. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos). Este blog é de serviço público, colhes aqui um saber que não encontras em nenhum outro, um saber que as televisões e as universidades, conservadoras e ignorantes, procuram abafar. Deves ajudar a manter este blog.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 14:17
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 18 de Agosto de 2019
As nossas universidades são fascistas

 

Os professores universitários têm diferentes opções político-partidárias desde o salazarismo, ao CDS e ao PSD e destes à social-democracia PS /Bloco de Esquerda, ao comunismo e ao anarquismo colectivista. No entanto, unem-se todos para impedir que na universidade e no ensino secundário se estudem os factos históricos sob a perspectiva da astronomia (astrologia histórica): proclamam, dogmaticamente, que «os planetas não determinam as ações humanas individuais ou colectivas, a astrologia é uma farsa anti científica, uma superstição que não pode sequer entrar nas universidades pois limitaria a liberdade humana com as suas crenças», etc.

 

Mas porque impedem a criação da disciplina de Astrologia História quando há obras publicadas merecedoras de crédito porque assentes em factos histórico-astronómicos indesmentíveis? Entre essas poucas obras, censuradas pela imprensa e pela grande maioria dos editores, figura o nosso livro «Sincronismos, Cabala e Graus do Zodíaco» publicado pela Editorial Estampa, de Lisboa, em 2001.

 

Vejamos uma  das teses expendidas nesse livro.

 

ÁREA 1º A 12º DO SIGNO DE GÉMEOS :

DESASTRES NA ASTRONÁUTICA, LIVRE CONCORRÊNCIA MERCANTIL

 

A área 1º-12º do signo de Gémeos, em que se inscreve a estrela Aldebaran (em 9º de Gémeos) da constelação do Touro vincula-se à Astronáutica, em particular a insucessos desta, e à Livre Concorrência do Mercado.

 

Em 24 de Abril de 1967, com Vénus em 11º-12º do signo de Gémeos, a nave espacial soviética Soyuz 1 esmaga-se no solo da Terra, causando a morte do cosmonauta Vladimir Komarov; em 29 de Junho de 1971, com Saturno em 1º do signo de Gémeos a despressurização brusca da cabina da nave espacial soviética Soyuz 11 mata por asfixia, antes da aterragem, os cosmonautas Georgi Dobrovolski, Vladimir Voltov e Viktor  Patsayev; em 27 de Setembro de 1983, com Quirón em 2º do signo de Gémeos, fracassa um voo espacial da URSS, com a expolosão do foguetão portador, sendo a cabina com os astronautas, que escapam com vida, ejectada por um dispositivo de segurança. »

 

(Francisco Limpo de Faria Queiroz, Sincronismos, Cabala e Graus do Zodíaco, Editorial Estampa, 2001, pág. 235).

 

Estas regularidades  merecem ou não um debate público sério? Um debate real, sem os pseudo astrólogos e os semiastrólogos como Paulo Cardoso, Maia, Maria Flávia Monsaraz,  Luís Resina, Helena Avelar, Cristina Candeias!  Um debate livre sem a censura do programa Prós e Contras da professora universitária Fátima Campos Ferreira ou da Fundação Francisco Manuel dos Santos que se arvora em propulsora da «ciência»!  Não merecem estes e milhares de outros exemplos empíricos a criação, pelo Ministério da Educação e pelos conselhos científicos das universidades, da disciplina de Astrologia Histórica, na órbita do positivismo lógico, sem metafísica?

 

Centenas de regularidades ou leis parcelares já foram ou podem ser induzidas da vida real, como por exemplo, a de que a passagem do Sol, de um planeta ou Nodo da Lua na área 3º-5º do signo de Virgem se vincula com sismos em Arraiolos, distrito de Évora.

 

Em 6 de Agosto de 2009, com  Mercúrio em 4º 53´/ 6º 26´ de Virgem, habitantes das vilas de Arraiolos e Mora (Évora) sentem o sismo registado às 06:10 naquelas zonas alentejanas, com magnitude 3.3 na escala de Richter, sem causar danos; em 13 de Abril de 2012, com  Marte em 3º 43´/ 3º 41´ de Virgem, um sismo fraco de 1,1 Richter manifesta-se em Arraiolos e outro sismo eclode no mar a 30 quilómetros do cabo de São Vicente, Algarve.

 

E como podem os politólogos e os astrónomos negar que quatro vitórias do PSD em eleições legislativas em Portugal se deram com a presença de Júpiter no signo da Virgem, isto é, no arco da circunferência zodiacal de 150º a 180º de longitude (2 de Dezembro de 1979, Júpiter em 9º de Virgem, vitória da AD de Sá Carneiro e Freitas do Amaral; 5 de Outubro de 1980, Júpiter em 25º de Virgem, vitória da AD de Sá Carneiro e Freitas do Amaral; 6 de Outubro de 1991, Júpiter em 4º-5º de Virgem, vitória do PSD de Cavaco Silva; 4 de Outubro de 2015, Júpiter em 11º de Virgem, vitória mitigada do PSD de Passos Coelho)?

 

Jornais como «Expresso», «Público», «Observador», «Sol» e muitos outros, revistas como «Sábado» e «Visão», canais televisivos em geral com programas como «Quadratura do Círculo», «Prós e Contras» e outros, fazem parte do bloco  fascista epistémico (epistemologia=filosofia das ciências) que não publica nada do que investigámos e escrevemos em astrologia histórica e censura este tema. Não há liberdade científica nas instituições oficiais em Portugal nem nos grandes media privados. 

 

Que fazem os catedráticos, os doutorados sem cátedra e os mestres em filosofia como por exemplo José Gil, Eduardo Lourenço, José Barata Moura, Guido Imaguirre, Alexandre Franco de Sá, Ricardo Santos, João Branquinho, Miguel Reale, Pedro Strech, Porfírio Silva, José Caselas, António Caselas, Irene Borges-Duarte, Olivier Feron, Eduardo Pellejero, Irene Viparelli, Miguel Antunes, Moisés Ferreira, José Meirinhos, Pedro Baptista, Sara Bizarro, Roberto Merrill, Gonçalo Marcelo, Desidério Murcho, Rolando Almeida, Aires Almeida, Domingos Faria, senão silenciar,  promover e manter a censura fascista epistémica nas publicações e eventos universitários, nos fóruns televisivos, nos livros das editoras especializadas?

 

Que fazem e fizeram os doutorados e mestres em História e Sociologia como José Matoso, João Medina, António Reis, António Barreto, Boaventura Sousa Santos, José Pacheco Pereira, Maria Filoména Mónica, Maria de Lurdes Rodrigues, José Hermano Saraiva, senão combater e silenciar a conjugação de dados astronómicos com dados sócio.políticos-biofísicos, isto é, bloquear a investigação livre, a astronomia histórico-social?

 

A universidade portuguesa, tal como a espanhola, a francesa e a alemã, é epistemicamente fascista: censura, elimina como «não científica» a investigação das correlações, regularidades ou leis, entre as posições dos planetas na circunferência do Zodíaco dividida em 12 arcos de 30º cada um (signos) e os factos histórico-sociais como acidentes de avião, de comboio ou de navios, eleições macionais, acidentes industriais, etc.

 

É obrigação de qualquer antifascista lutar pela liberdade académica que não existe porque as universidades, em filosofia, história, sociologia e astronomia funcionam como partidos leninistas em que os comités centrais (os catedráticos) cooptam os militantes fiéis à ideologia e eliminam como «herética» toda a oposição. O mundo só pode ser pensado verdadeiramente a partir do determinismo planetário na vida humana. 

 

Representamos a resistência, a dissidência, o ponto mais alto e verdadeiro do pensar filosófico-ontológico. Estão connosco o modo de pensar de Pietro d´Abagno (1237- 1315), astrólogo gibelino que negava o livre-arbítrio, Siger de Brabant (1240-1284), averroísta, Galileu (1564-1642), Kepler (1571-1630), Paul Feyerabend (1924-1994), entre outros. Somos a ínfima minoria de investigadores empíricos que pensa e sabe da arquitectura e causalidade zodiacal dos factos humanos e terrestres. Incomodamos os néscios e obnóxios, os impensantes em profundidade, que são a imensa maioria, dominadora das universidades.

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA, DIALÉTICA E EQUÍVOCOS DOS FILÓSOFOS», 520 páginas, 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), CONTACTA-NOS.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:16
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 25 de Dezembro de 2014
Astrologia Histórica: queda do governo PSD-CDS em Janeiro de 2015 e vitória eleitoral do PS em Abril de 2015?

 

.A previsão em astrologia histórica – ou história analisada segundo as posições astronómicas dos planetas – é possível e legítima. Dado que esta ciência supra-universitária está em construção, ou seja, é incompleta, não podemos esperar infalibilidade na previsão. Cometemos erros porque um acontecimento, como por exemplo, a queda de um avião no lugar X ou a queda de é determinado por 6 ou 7 posições planetárias simultâneas e apenas detectamos como significativas uma, duas ou três. O destino é infalível mas o nosso modo de o ler é falível, desconhecemos muitas das leis da predestinação. No entanto, não recusamos dar a cara por uma ciência que iniciamos e desenvolvemos no panorama da história mundial e que as universidades, os grandes media e 99% dos astrólogos ignoram ou censuram e hostilizam.

 

 

NODO NORTE DA LUA EM 13º DE BALANÇA EM JANEIRO DE 2015:

QUEDA DO GOVERNO PSD-CDS DE PASSOS E PORTAS? 


A queda do governo PSD-CDS em inícios de 2015  é uma forte possibilidade. Entre 8 e 20 de Janeiro de 2015, o Nodo Norte da Lua desliza em movimento retrógrado no grau 13º do signo de Balança ( grau 193º da eclíptica, já que o signo de Balança é um arco de céu de 30º, de 180º a 210º da roda do Zodíaco- isto é astronomia!). Ora, já ocorreram em Portugal quedas de governos quando um planeta ou Nodo da Lua transita lentamente o grau 13º do signo de Balança.


Em 8 de Dezembro de 1977, com Nodo Norte da Lua em 13º 18´/ 13º 13´ de Balança, a moção de confiança ao 1º governo constitucional, do PS, é derrotada, no parlamento português, por uma maioria de votos em que confluem o PSD, o CDS, o PCP, o MDP e a UDP, produzindo a demissão do 1º ministro Mário Soares e a queda do governo; em 30 de Novembro de 2004, com Júpiter em 13º 4´/ 13º 14´ de Balança, o presidente da república Jorge Sampaio anuncia demitir o governo de coligação PSD-CDS chefiado por Pedro Santana Lopes.

 

Se esta lei fosse condição necessária e suficiente – não o é, tanto quanto saibamos – a queda do governo de Passos Coelho e Portas ocorreria, com maior probabilidade, em 18 de Janeiro de 2015, tornando possível que eleições legislativas se realizassem a partir de 29 de Março de 2015.

 

VÉNUS EM 15º DO SIGNO DE GÉMEOS EM 25 DE ABRIL DE 2015:
VITÓRIA ELEITORAL DO PS?

 

As eleições legislativas parecem possíveis no período de 29 de Março a 25 de Abril de 2015. Nesta última data, Vénus estará em 15º do signo de Gémeos, posição que se insere na área 13º-15º do signo de Gémeos que dá vitórias, eleitorais ou não, ao PS português.


Em 25 de Abril de 1975, com Vénus em 12º 48´/ 14º 8´ do signo de Gémeos, o PS de Mário Soares vence, sem maioria absoluta de deputados, as eleições à Assembleia Constituinte; em 25 de Abril de 1983, com Vénus em 13º 29´/14º 38´ do signo de Gémeos, o PS de Mário Soares vence, sem maioria absoluta de deputados, as eleições legislativas, inclinando-se para a formação de um governo de coligação com o PSD.


MARTE EM 17º DO SIGNO DE TOURO EM 25 DE ABRIL DE 2015:
ELEIÇÃO QUE ORIGINA UM GOVERNO DE COLIGAÇÃO?


Em 25 de Abril de 2015, Marte estará em 17º 47´/ 18º 30´ de Touro, indiciando, em caso de haver legislativas em Portugal nesta data, a formação de um governo de coligação em consequência dos resultados eleitorais. Eis exemplos.

 

Em 25 de Abril de 1983, com Marte em 14º 16´/ 15º 0´ de Touro, o PS de Mário Soares vence, sem maioria absoluta de deputados, as eleições legislativas, vendo-se forçado, por interesses de classe, a formar um governo de «bloco central» com o PSD de Mota Pinto; em 17 de Março de 2002, com Marte em 10º 50´/11º 32´ de Touro, o PSD de Durão Barroso vence, sem maioria absoluta de deputados, as eleições legislativas em Portugal, vendo-se obrigado a formar um governo decoligação com o CDS de Paulo Portas.

 

Pode acontecer, aliás, que o governo de Passos Coelho não caia em Janeiro de 2015 e dure até Setembro de 2015 mas isso não anula as leis astronómicas parcelares que aqui expusemos – anula sim, a previsão, pois o difícil é fazer o balanço do conjunto das leis na previsão. Temos praticamente a certeza de que a presença de Júpiter no signo de Virgem, entre Agosto de 2015 e Agosto de 2016, conferirá a vitória às direitas em Portugal, pelo que convém ao PS e partidos mais à esquerda a realização de legislativas até fins de Julho de 2015.


Não receberemos nunca o prémio Pessoa mas a nossa concepção determinista astronómico-astrológica da história é muito mais científica, porque baseada em factos, do que a concepção de Henrique Leitão, físico e historiador, prémio Pessoa 2014, de José Mattoso, de João Medina, de António Borges Coelho, de José Barata-Moura e da generalidade dos catedráticos de História, Filosofia e Sociologia que imperam em Portugal.


O «Expresso», jornal da burguesia iluminatti – Pinto Balsemão é membro activo do grupo de Bilderberg – não permite, tal como o «Sol», o «Público» o «Diário de Notícias», a «Visão» e outros órgãos da imprensa pseudo livre que temos, divulgar este nosso artigo e outos de astrologia histórica que publicamos neste blog. Nem a igreja católica nem as maçonarias dominantes nem o establishment académico autorizam a difusão desta doutrina, de longe a mais científica de todas as teorias da história. As universidades são forças de bloqueio do autêntico conhecimento, uma vez que são feudos de interesses pessoais, de títulos de «nobreza» supostamente científicos. Devem ser extintas como fontes do «saber supremo», ao menos na área das humanidades, e deixar de receber fundos estatais provenientes dos impostos da população: a forma raivosa como censuram e perseguem os que interligam história social com astronomia (astrologia histórica) demonstra que nelas a desonestidade é lei. 


Que honroso é para nós sermos superiores, em matéria de conhecimento holístico da história social e política, à universidade e aos sábios fragmentários como George F. Hegel, Friederich Nietzsche, Martin Heidegger, Albert Einstein, Carl Sagan, Ferdinand Braudel, Slajov Zizeck!  

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

 

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 18:11
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Astronomia e acidentes no...

As nossas universidades s...

Astrologia Histórica: que...

arquivos

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
blogs SAPO
subscrever feeds