Domingo, 13 de Maio de 2018
Esther Vilar: As mulheres, sexo forte, dominam os homens, sexo fraco

Esther Vilar (16 de Setembro de 1935, Buenos Aires), escritora e psicóloga, feminina mas não feminista radical, sustentou em 1971, no seu livro O homem subjugado que o poder das mulheres é superior ao dos homens na sociedade aparentemente patriarcal dos anos 70 do século XX - e por maioria de razão hoje no século XXI. Escreveu:

 

«"A primeira opressão social é a da mulher pelo homem", disse Friederich Engels numa frase célebre. Engels confundiu poder e violência. Como depois dele fizeram muitos homens de esquerda, cometeu na sua crítica o erro de transpor para a luta dos sexos as estruturas de domínio que se apoiam sobre a violência física. Pelo facto de o homem ser muscularmente mais forte e consequentemente ganhar dinheiro, Engels imaginou que o homem exercia o poder e a mulher o sofria. Certamente que é possível submeter uma classe social pela violência física, mas não é assim que se decide o poder quando se trata do domínio de um sexo por outro.»

«Nesta luta, o menos forte fisicamente não é o oprimido potencial, é o mais forte que o é. O homem que deseja uma mulher jamais será o seu déspota. O déspota será a mulher, pois que é ela a desejada. Se a maior parte das mulheres, por causa da sua inferioridade física e espiritual mais desejo ainda inspiram ao homem, "a primeira opressão social" não pode ser a da mulher pelo homem, mas a do homem pela mulher. De resto, em geral, quando tudo segue para a mulher, as coisas vão bem pior ainda para o marido.»

 

«O poder da mulher é a infraestrutura de todos os edifícios sociais, de todas as relações de forças. Um sistema social onde o domínio não se apoie sobre a satisfação dos nossos instintos primordiais, nunca poderá ser mais que uma superestrutura, e os seus chefes não poderão exercer mais que um domínio limitado ao qual os parceiros sexuais e objectos biológicos não dão qualquer valor. (...) Sem o assentimento da mulher, o fascismo, o imperialismo ou a inquisição nunca teriam sido possíveis. Se não dependessem das mulheres, nunca os homens se tornariam instrumentos de tais sistemas. Para sofrer a violência de um destes sistemas secundários e ver-se obrigado a aceitar o terror, a hipocrisia e a traição, a condição prévia está em um ser humano estar ligado a outro pelos seus instintos mais primordiais. O poder da mulher faz o jogo da violência universal».

 

«Padres da Igreja, políticos e ditadores, todos conhecem esta lei não escrita. O acto político mais importante de um déspota é sempre o de lisonjear a mulher, bajulá-la. Todos os ditadores o sabem: se por eles tiverem a mulher, o homem automaticamente enfileirará do seu lado. Assim, enquanto a Igreja recomendar a mulher como objecto a proteger, o homem aceitará que os seus filhos sejam educados nesta fé por criaturas invisíveis, necessárias à perpetuação do culto. Enquanto os políticos prometerem à mulher facilidades de ordem social, poderão com inteira tranquilidade de consciência nada alterar no serviço militar nem nas reformas dos homens. Enquanto os ditadores renunciarem a exércitos de mulheres, não terão qualquer dificuldade em enviar para guerra os homens jovens.»

(Esther Vilar, Sexo Polígamo, Editorial Futura, Carlos & Reis Lda, Lisboa, 1978, pp. 49-51; o destaque a negrito é posto por nós).

 

A actual sociedade democrática é matriarcal e configura uma ditadura ginocrática mundial. A rainha de Inglaterra, uma mulher, que David Icke afirma tomar a forma de um lagarto em cerimónias satânicas no castelo de Balmoral, é a cabeça coroada do império britânico. Angela Merkel e Teresa May são as primeiras ministras da Alemanha e do Reino Unido nestes anos de 2017 e 2018, em que, na Suécia e nos EUA, irrompeu um movimento de denúncias públicas femininas sobre "acosso sexual" feito por homens célebres que gerou expulsões de cargos em instituições de actores e directores de cinema, políticos, juízes, jornalistas influentes, homens da cultura. Julian Assange, fundador da Wikileaks, está refugiado na embaixada do Equador em Londres, acusado de «violar» uma mulher que aceitou ir com ele para a cama na Suécia. Há anos, Dominique Strauss Khan, socialista, director do FMI, foi destituído porque uma empregada de hotel nos EUA se queixou de "acosso sexual". Há escolas onde alunas com más notas acusam maldosamente professores de "assédio sexual" para se vingarem deles. As mulheres são as grandes manipuladoras dos homens, são elas o sexo forte que domina os homens, o sexo fraco.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 04:09
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sexta-feira, 11 de Maio de 2018
Esther Vilar: a essência poligâmica do homem e a manipulação exercida pelas mulheres

 

 

Em um excelente ensaio sobre sexualidade, intitulado «O Sexo polígamo», publicado em 1974 em Munique, Esther Villar, escritora argentino-alemã, nascida em Buenos Aires em 16 de Setembro de 1935, uma feminista muito inteligente, desenvolveu a tese de que as mulheres são as principais responsáveis da sua própria infelicidade por manipularem os instintos dos homens: oferecem-lhes sexo, elogios, «amor» e «romance» para os controlarem emocional e socialmente, etc. 

 

Assim, sustentou, no seu livro «O homem domado» que, ao contrário do que dizem as feministas, as mulheres, nas sociedades industrializadas, não são oprimidas mas, na verdade, beneficiam de um sistema bem estruturado de manipulação dos homens que domestica estes como "maridos fiéis" e "bons chefes de família", "bons empresários", "bons cristãos", etc. Esther Vilar recebeu ameaças de morte, como Salman Rushdie, e foi classificada de "sexista" e de "fascista" por feministas radicais. Segundo Esther, cada homem possui duas tendências que o levam a conquistar amorosamente a mulher: o instinto nutriente ou protector, que o leva a ter uma esposa que respeita e ama como se fosse pai; o instinto sexual puro, que o leva a buscar uma amante ou sucessivas amantes ou mesmo prostitutas de rua. Assim todos os homens são polígamos, potencialmente.

 

Escreve Esther Vilar: 

«A poligamia simultânea é a verdadeira poligamia: o homem possui várias mulheres e deseja conservá-las todas só para si. A poligamia sucessiva está escalonada no tempo: o homem tem duas mulheres mas desembaraça-se de uma antes de se encarregar da outra. A poligamia esporádica é ocasional, como o seu nome indica; na poligamia simbólica, o homem satisfaz o seu instinto sexual sem companheira. Um homem rico decidir-se-á pela poligamia simultânea ou sucessiva e geralmente não concederá qualquer valor à poligamia esporádica ou à simbólica.»

 

«É no polígamo simultâneo - o homem que tem ao mesmo tempo esposa e amante - que mais claramente se manifesta o abismo que separa o objecto protegido do objecto sexual. O protector não abandona o objecto que protege, garante mesmo as suas necessidades melhor que antes, mas desde o início do seu período polígamo, toda a relação sexual com o objecto protegido torna-se uma farsa. É de supor que o homem que encontrou uma verdadeira parceira sexual preferirá não ter mais qualquer relação deste género com o objecto da sua proteção. Para lhe evitar toda a mágoa - o que faz parte do seu papel de protector - dedica-lhe apesar de tudo, algum tempo, mas tão directamente, tão simplesmente quanto possível. Dali em diante reserva para a outra todos os matizes do seu erotismo.Não obstante esta hipocrisia, não obstante a angústia de ser descoberto e do aumento dos seus encargos financeiros, o polígamo simultâneo - aquele que pode satisfazer ao mesmo tempo o seu instinto sexual e o seu instinto nutriente sobre dois objectos diferentes - parece mais descontraído do que na época em que era monógamo. Considera este sentimento de plenitude como a prova da existência, em todos os homens, de uma predisposição para a poligamia.» 

 

«Mas dá-se então algo de curioso: em vez de confessar o seu novo amor, continua a empregar esta palavra para definir o sentimento que experimenta pela sua esposa, pelo objecto da sua proteção. E pelo contrário, pretende estar apenas dominado por uma espécie de «embriaguês», de uma "possessão provisória" por parte da sua "amante" como aliás se explica pela palavra francesa (maitresse). Fala das suas relações com ela - dos sentimentos para com a mulher que é afinal a sua verdadeira mulher - como algo de inferior, por vezes mesmo de detestável. Tem a impressão de ter "caído" na devassidão; esta mulher, pensa ele, apela "para os seus mais baixos instintos". Se a sua esposa um dia lhe dirige censuras, declara-lhe que não a compreende: porque com a outra não há mais do que um "assunto sexual" que nada tem a ver com o amor

 

(Esther Vilar, Sexo Polígamo, Editorial Futura, Carlos & Reis Lda, Lisboa, 1978, pp. 65-66; o destaque a negrito é posto por nós).

 

O COMPORTAMENTO INTERESSEIRO E ANTI-AMOR DAS MULHERES

 

A sociedade matriarcal que aí está oferece às mulheres um modelo dominante de esposa, e elas seguem-no preferencialmente. Optam por suscitar o altruísmo dos esposos, a segurança, não por estimular a paixão destes e recusam ser os objectos altamente eróticos destes, isto é, menorizam o amor erótico. Escreve Esther Vilar:

 

«A mulher tem a escolha: pode fazer do homem o seu pai adoptivo ou o seu amante, pode jogar na compaixão ou no desejo sexual do seu companheiro. Enquanto desempenhar o papel de filha que é preciso proteger, provará incontestavelmente que prefere ser objecto de compaixão. Enquanto quiser ser, sob todos os pontos de vista, a mais fraca, a mais nova e a mais tola, enquanto desejar que o homem lhe seja superior, dirigir-se-á abertamente ao altruísmo do seu companheiro, não ao seu amor.»

«Conscientemente, a mulher extravia os sentimentos do homem: tem o aspecto de um ser adulto e um comportamento infantil, exige paixão, porém conserva a cabeça fria, e quando fala de ternura, para ela esta palavra significa proteção. Priva os dois sexos de amor, ela própria a ele renuncia voluntariamente, devendo o homem contentar-se com aquilo que ela permite subsistir: "Aquele que ama verdadeiramente, diz ela, pensa em primeiro lugar na felicidade do seu par." Assim é a definição que a mulher dá de amor e o homem esforça-se por proceder de acordo com isto.»

(Esther Vilar, Sexo Polígamo, Editorial Futura, Carlos & Reis Lda, Lisboa, 1978, pp. 127-128; o destaque a negrito é posto por nós).

 

AS CONDIÇÕES PARA UM VERDADEIRO AMOR HOMEM-MULHER

 

Segundo Esther Vilar, a poligamia não é inevitável no que se refere aos homens e às mulheres. O amor eterno, monógamo, baseado na paixão erótica e na comunhão espiritual, no ciúme e na fidelidade, é possível, embora muito raro: é preciso ter muito boa sorte para encontrar a alma gémea e acasalar com ela. Escreve Esther:

 

«1. O AMOR É MONÓGAMO

«Certamente que posso deixar-me amar por dois parceiros, mas não posso amar mais que um.» (...)

2. O AMOR É CIUMENTO

«Se o meu amado definiu uma outra, que não eu, pelo seu amor eu perco a minha individualidade. Torno-me como a outra que ama aquele que eu amo (uma vez que o amor é monógamo ele não ama ninguém, mas disso não tenho eu consciência) eu torno-me uma espécie de duplo. Para que volte a ser única, tenho de matar o meu duplo ou procurar outro amante».

«O ciúme não é um sinal absoluto de amor, mas não pode haver amor sem ciúme. A tolerância não é uma prova de amor mas precisamente o seu contrário. » (...)

 

«3. O AMOR É FIEL.

«Se empreendo qualquer coisa de que o meu parceiro actual nada sabe, as definições que de mim dê já não são precisas. A infidelidade sexual só é possível se eu não conceder, para assim o dizer, qualquer valor às suas definições; se eu já não o amar.»

«Pode o amor durar

«O amor entre um homem e uma mulher pode durar toda a vida. Não existe qualquer razão constrangedora para que um casal que pelos dezassete anos sente um amor recíproco não o continue a sentir com setenta anos. Se tal sentimento é raro na prática isso é devido a causas que já mencionámos: por um lado, avalia-se o amor entre um homem e uma mulher pelo amor pelo próximo; por outro, a oferta de parceiros adequados é insuficiente.»

«O que é em amor um parceiro adequado? Recordemos as duas condições prévias para que possa haver amor entre um homem e uma mulher:

a) A maior oposição possível do ponto de vista físico.

b) A maior semelhança possível do ponto de vista intelectual.» (...)

«Escolhemos instintivamente o parceiro que manifestamente difere de nós do ponto de vista físico.»

«Mas quase sempre, a semelhança intelectual fraqueja. Contudo é indispensável pelas seguintes razões:

«1. Quando um parceiro sexual é muito mais estúpido que o outro, este quer instintivamente manobrá-lo. Quem quer que satisfaça o seu desejo sexual com um inferior tem a impressão de abusar dele. Este tipo de sexualidade origina sempre um comportamento sexual errado (incesto, poligamia) e um sentimento de culpa (castidade).»

«2. Quando a semelhança intelectual falha, os parceiros não podem definir-se reciprocamente. O intelectualmente mais fraco não pode precisar ao outro o que ele é, nem compreendê-lo.»

(Esther Vilar, Sexo Polígamo, Editorial Futura, Carlos & Reis Lda, Lisboa, 1978, pp. 90-92; o destaque a negrito é posto por nós).

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», 520 páginas, 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), CONTACTA-NOS.

«

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 10:45
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Esther Vilar: As mulheres...

Esther Vilar: a essência ...

arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
blogs SAPO
subscrever feeds