Sábado, 26 de Julho de 2014
Jupiter in Leo: Israel and US military invasions in 1944, 1967, 1991, 2003, 2014

 

The invasion of Gaza Strip by Israel on the middle of July 2014 was predictable and explainable by cycle of Jupiter in Leo . Each twelve years of its cycle through the zodiac, Jupiter spends one year in the  space of heaven called sign of Leo, that is, the arc 120º-150º of ecliptic.One of the astronomic laws ruling the social and political history is the one which postulates that Jupiter in the sign of Leo favors military invasions undertaken by USA or Israel

 

JUPITER IN LEO

 

The pass of a planet, Sun, Moon Node or Chiron of Leo and often simultaneously in the area of Leo is a necessary but insufficient condition to generate a military invasion carried out by USA or Israel or a political victory of Zionism..

 

On June 6-21, 1944, with Jupiter in 21º 8´/ 23º 36´of Leo, beginning with the landing of 155 000 alied soldiers on the first Day (the D-day), more than 650 000 soldiers of USA, Canada, United Kingdom carry out the invasion, from sea and air, of Normandy, France, defeating locally the German forces of Hitler; on June 5-10, 1967, with Jupiter in 2º 9´ / 3º 15´ of Leo, in  a fulminating War of Six Days  against the neighboring states of Egypt  (known at the time as the United Arab Republic ), Jordan and Syria,  Israel captures the Gaza Strip  and the Sinai Peninsula  from Egypt, the West Bank (including East Jerusalen) from Jordan, and the Golan Heights  from Syria; on September 17, 1978, with Jupiter in 2º 8´/ 2º 19´ of Leo, the Camp David Accords, two framework agreements, written without participation of the Palestinians and condemned by the United Nations, are  signed by Egyptian President Anwar El Sadat and Israeli Prime Minister Menachem Begin  following thirteen days of secret negotiations at Camp David witnessed by United States President Jimmy Carter, agreements which constitute a victory to Zionism; on 17 January – 28 February, 1991, with Jupiter in 10º 10´/ 4º 55´of Leo, there takes place the Operation Desert Storm, a war waged by coalition forces  from 34 nations led by the United States against Iraq  in response to Iraq's invasion and annexation of Kuwait in August 1990; on 19 March-April 9, 2003, the invasion of Irak by USA and UK is  consumated and Baghdad falls on April 9, ending Saddam's 24‑year rule, when  US forces seize the deserted Ba´ath Party ministries and promote  the tearing down of a huge iron statue of Saddam; on July 17-26, 2014,  with Jupiter in 0º 7´/ 2º 21´ of Leo, the ground invasion of Gaza Strip by Israeli troops to destroy the underground tunnels of Hamas kills more tham 800 Palestinian, most of them civils, and 37 Israeli soldiers.

 

This is real science! We apply the astronomical coordinates to the socio-historical facts and we find regularities, laws of nature that nobody can ignore, if it is in good faith. This discovery is a revolution in science, better than the theores of Einstein, Sagan or Hawking. Universities do not know anything about this, they can´t think the cosmos as a whole. Academicians, philosophers, historians, sociologists, journalists are forgers of historical process in the measure that they ridicule and censure any research on astronomical-social laws.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

 

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 11:28
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2014
Philosophers and Historians are too stupid about Astrology

 

All Philosophers and Academics say that Astrology is a lie, a superstition, an unscientific point of view. This can be true about commercial Astrology and, in some measure, about traditional Astrology, but it is false respect to Historical Astrology. Philosophers and scientists are ignorants about the planetary mouvements and their conecctions with social and political facts and stay infected by the prejuice of «free will».( «The man must be free, it is an insult to his dignity the lack of free will», etc. ). I have discovered the new Historical Astrology, the keys to predict the future based on deterministic laws confirmed by the past. It is a theory more important than Einstein´s theory, although the intellectuals of sufferable quality who dominate the journals and university forums and the mainstream media in USA, Canada, Europe, Japan, Russia,  etc., do not realize it. Here is an example of my historical and astronomical theory:

 

AREA 26º-29º LIBRA ´S SIGN (AND 27º-28º OF VIRGO 7º-8º SAGITTARIUS):
MEXICO

 

The pass of a planet, Sun, Moon Node or Chiron in the area 26º-29º of Libra sign, and often, simultaneously, in the areas 27º-28º of Virgo, 7º-8º of Sagittarius, is a necessary but insufficient condition to materialize earthquakes in Mexico.

 

On July 28, 1957, with Neptune in 29º 54´ Libra, Jupiter in 28º 6´/ 16´Virgo, Saturn in 7º 52´/ 7º 50´ Sagittarius, an earthquake strikes Mexico, provoking 57 dead; on September 14, 1995, with Moon ´s North Node in 26º 58´/ 27º 0´ Libra,  Venus en 27º 15´/ 28º 30´Virgo, Jupiter in 8º 8´/ 8º 15´ Sagittarius, an earthquake kills 3 people in Mexico.

 

This is irrefutable. Prejudice and imitation of the majority opinion make the world, including universities, a place where thoughtlessness and stupidity prevail. Even Kant, Hegel, Einstein, Bohr, Heisenberg, Heidegger, Wittgenstein, Russel, Rawls, Zizeck and almost all famous thinkers where stupid on denying the zodiacal determinism on societies (railroad and aircraft disasters, revolutions, political murders, etc.), states and individual persons.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

 

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 23:53
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 28 de Maio de 2013
Questionar a Heidegger: ¿la nada «es»lo mismo que el ser?

Heidegger establece diferencias entre el ente ( la piedra, el árbol, el hombre, etc) y el ser que «es el denominador común de todos los entes y, por tanto, lo más común». Escribió:

 

«Para que la nada esencie no hace falta, empero, en primer lugar el ente o un ente, como si la nada sólo esenciase a fondo cuando de antemano el ente fuese suprimido por entero. La nada no es sóla y primeramente resultado de una tal supresión. Hay la nada, sin detrimento de que el ente sea (...)»

«Ahora bien, si como es notorio la nada no es ningún ente, entonces tampoco puede decirse que ella «es». Sin embargo, «hay» la nada. (...)

«La nada no precisa del ente. Bien al contrario, la nada precisa del ser. De hecho, para el entendimiento habitual sigue siendo extraño y chocante que la nada necesite justamente del ser y que, sin el ser, tenga que seguir estando carente de esencia. Es más, quizás la nada sea incluso lo mismo que el ser. Pero la unicidad del ser nunca puede ser puesta en peligro por la nada, porque la nada no «es» algo distinto al ser, sino este mismo.» (Martin Heidegger, Conceptos fundamentales, curso del semestre de verano, Friburgo, 1941, paginas 90-91, Alianza Editorial, Madrid, 1999; el bold es puesto por mí).

 

Sin duda, la influencia de Hegel es visible en estos razonamientos de Heidegger: en el límite de la abstracción, el ser y el no ser son lo mismo, y eso se revela en la medida en que vamos despojando el ser de sus atributos («El ser no es hombre, ni piedra, ni ente viviente ni ente no viviente, es la nada, entonces, es lo mismo que el no ser»).

 

Nuestra crítica a estos pensamientos de Heidegger es: la nada es el no ser y no puede ser, eidologicamente, lo mismo que el ser, porque la nada desconstruye, abole todo, y el ser construye, interpenetra y enlaza todo. Son la misma unidad de contrarios, es decir, existen a la vez pero, en separado, no son lo mismo, sino distintos. ¿Que hay detrás del universo esférico y cerrado teorizado por Einstein, ¿que simboliza o encarna el ser, ahora comprendido no solo como existencia general sino como esencia general? La nada.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 18:10
link do post | comentar | favorito

Sábado, 24 de Dezembro de 2011
O infinito espacial e corporal é mera abstração, segundo Aristóteles

 

A filosofia Aristóteles distingue-se da de Platão na medida em que procura demonstrar que as essências não existem separadamente em si mesmas, fora do mundo material e vital.  Assim acontece com a essência infinito espacial :

 

 «Ora bem, é impossível que o infinito seja separável das coisas sensíveis e que algo seja  infinito em si mesmo. Porque se o próprio infinito não fosse uma magnitude nem uma pluralidade, mas sim uma substância e não um atributo, seria então indivisível; porque o divisível ou é uma magnitude ou uma pluralidade. Mas se é indivisível não é infinito, salvo que o fosse como a voz é invisível. Mas os que afirmam a realidade do infinito não dizem que seja desta maneira, nem que é isso o que buscamos, mas que o infinito é algo "que não pode ser percorrido". Mas se o infinito existe como atributo nunca poderá ser, enquanto infinito, um elemento constitutivo das coisas, como tampouco o invisível o é da linguagem, ainda que a voz seja invisível.»

«Ademais, como é possível que exista o próprio Infinito, se não existem o próprio Número e a própria Magnitude, dos quais o infinito é em si uma propriedade? A necessidade de que exista este infinito é ainda menor do que a do número ou da magnitude em si.» (Aristóteles, Física, Livro III, 204 a, 5-20; a letra negrita é posta por mim)


É muito interessante a visão aristotélica: o infinito no espaço e no mundo corporal é uma abstração, não existe em si mesmo, salvo na imaginação. As coisas são finitas. O infinito é uma ilusão da mente. É nele, a meu ver,  que a física se converte em matemática, uma vez que o universo físico material é limitado, por muito que falem da divisibilidade infinita dos corpos, e a matemática devido à sua natureza monádica (os números não ocupam lugar) suscita a ideia de infinito. A matemática faz a ponte entre a física e a metafísica. Não espanta que Aristóteles a classifique como a primeira das ciências a seguir à filosofia primeira ou - termo não usado pelo filósofo grego - ontologia-eidologia. Aristóteles sabia , verdadeiramente, produzir ontologia: o ser real é o finito ou o conjunto dos finitos, mas não o infinito que é ser virtual, atributo. A crença de Einstein de que o universo é finito, como uma esfera fechada, radica, assim, na concepção aristotélica do mundo.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:44
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

Jupiter in Leo: Israel an...

Philosophers and Historia...

Questionar a Heidegger: ¿...

O infinito espacial e cor...

arquivos

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
blogs SAPO
subscrever feeds