Quinta-feira, 3 de Novembro de 2016
Um erro da filosofia analítica: extrinsecar determinismo moderado, de libertismo

 

A filosofia analítica, incapaz de hierarquizar dialeticamente os conceitos em géneros e espécies e subespécies, em muitas situações, comete o erro de separar libertismo de determinismo moderado. Esta última doutrina é a teoria segundo a qual há duas esferas de acção, a do determinismo biofísico, impossível de evitar - lei da gravidade, envelhecimento celular, sequência das estações do ano, sempre a mesma, etc. - e a do livre-arbítrio, que é a deliberação racional e a decisão livre dos seus actos feita por cada homem, podendo a esfera do livre-arbítrio contrariar a do determinismo, em certa medida.

 

Os filósofos analíticos como Simon Backburn inventaram, confusamente, o conceito de libertismo, opondo-o ao determinismo biofísico com livre-arbítrio, sem perceberem que libertismo é a parte de livre-arbítrio que há no determinismo moderado. Libertismo e exercício do livre-arbítrio é uma e a mesma coisa. Assim, o libertismo é género de duas espécies: o determinismo biofísico (exemplo: se me atirar ao vazio caio sempre para a Terra porque a lei da gravidade funciona a todo o instante) com livre-arbítrio humano; o indeterminismo biofísico (exemplo: a lei da gravidade pode deixar de funcionar quando me atiro ao vazio) com livre-arbítrio.

 

Os próprios filósofos analíticos não estão de acordo sobre a definição de libertismo embora todos o definam como um «incompatibilismo» - um chavão que revela irreflexão. Ben Dupré, por exemplo, escreve sobre os partidários do libertismo que considera extrínseco e alternativo ao determinismo moderado (determinismo com livre-arbítrio):

 

«Deterministas moderados - Aceitam que o determinismo é verdadeiro, mas negam que ele seja incompatível com o livre-arbítrio. O facto de termos podido agir de um modo diferente se o tivéssemos escolhido oferece uma noção satisfatória e suficiente de liberdade de acção (..)

«Libertários - Concordam que o determinismo é incompatível com o livre-arbítrio e, por conseguinte, rejeitam o determinismo. Sustentam que o livre-arbítrio é real e que as nossas escolhas e ações não são determinadas». (Ben Dupré, 50 Ideias de Filosofia que Precisa mesmo de saber, p.170, D. Quixote, 2011, adaptado e citado no Manual Essencial Filosofia do 10º ano, da Santilhana Editores, pag 100-101 o negrito é sublinhado por nós)

 

Mas como podem os libertários rejeitar o determinismo se ele existe na realidade? Por exemplo, um mendigo que sente o determinismo biológico da fome tem livre.arbítrio para assaltar ou deixar em paz um idoso que caminha numa rua solitária. A decisão que tomar enquadra-se no determinismo moderado - eu chamo-lhe determinismo biofísico aliado a livre-arbítrio - e igualmente no tal libertismo, que é a mesma coisa. Afinal os deterministas moderados « sustentam que o livre-arbítrio é real e que muitas das  nossas escolhas e ações não são determinadas». E o que significa ser «incompatível com»? O comunismo estalinista era incompatível com o capitalismo norte-americano? Intrinsecamente era incompatível, mas extrinsecamente eram compatíveis, coexistiam nos anos 1930 a 1953 no mesmo planeta. As confusões dos filósofos vulgares que imperam no mundo universitário são enormes...o termo incompatibilismo não os deixa discernir, não sabem pensá-lo dialeticamente.

 

Seja como for, não faz sentido considerar o libertismo como corrente autónoma face ao determinismo moderado pelo livre-arbítrio. Mas os autores de manuais escolares de filosofia em Portugal e respectivos supervisores, catedráticos, sem excepção, seguem esta errónea visão de Blackburn, e as perguntas que saem em provas de exame nacionál envolvendo o conceito de libertismo enfermam desta mesma míope conceptualização. A universidade vale pouco em matéria de clareza filosófica... é um conjunto de vaidades doutoradas. Os genuínos pensadores estão fora...

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 22:38
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 19 de Novembro de 2013
Determinismo moderado? Ou libertismo moderado?

 

Os frágeis pensadores da filosofia analítica falam em determinismo duro e determinismo moderado .. e em libertismo.Mas porque não dividem o libertismo em moderado e duro? Se o fizessem, descobriam que determinismo moderado (pelo livre-arbítrio) é o mesmo que libertismo moderado (pelo determinismo).

 

«O caminho que sobe e o caminho que desce são um e o mesmo» dizia Heráclito. Note-se que há exercíios de preparação para exame nacional de filosofia, em manuais escolares, que exigem uma resposta certa entre quatro hipóteses, nos seguintes termos:

 

«Escolha a hipótese verdadeira no caso X:

 

A) Determinimo moderado

B) Libertismo

C)  Determinismo duro.

D)................. »

 

Trata-se, entre A) e B),  de uma disjunção incompleta ou falsa porque o determinismo moderado é a forma moderada do libertismo, está incluído neste: o livre-arbítrio exerce-se, prevalece, sobre as condições de determinismos biofísicos adversos. Exemplo: os ocupantes alemães da França em 1940, apontam-me uma arma e ameaçam matar-me se eu resistir mas eu, cidadão francês, posso juntar-me à resistência da France Libre de Jean Moulin e De Gaulle e atacar as patrulhas alemãs com granadas, está no meu livre-arbítrio fazê-lo. Kant e Sartre eram libertistas e, em simultâneo, deterministas moderados.

 

Os vesgos pensadores analíticos (Simon Blackburn, Peter Singer, Nigel Warburton, etc) não vêem o óbvio e esquartejam o campo das definições a torto e a direito...


 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

 

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 00:53
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 24 de Abril de 2013
Equívocos no manual «Lições de Filosofia, 10º Ano» da Didáctica Editora ( Crítica de Manuais Escolares - XLIX)

 

O manual «Lições de Filosofia 10º ano» de Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho, da Didáctica Editora,  incorre nos habituais erros da filosofia analítica sobre as correntes da acção humana no plano do livre-arbítrio, determinismo e indeterminismo. .

 

CONFUSÕES SOBRE LIBERTISMO E SEU SUPOSTO INCOMPATIBILISMO


 

Escrevem Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho:

 

«A teoria libertista combina duas teses: primeiro, que o determinismo é incompatível com o livre-arbítrio; segundo, que temos livre-arbítrio. Estas teses estão relacionadas: segundo o libertista, nem tudo está determinado precisamente porque temos livre-arbítrio» (Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho,  «Lições de Filosofia 10º ano», pag. 38, Didáctica Editora; o destaque a negrito é posto por mim).

 

 

Esta definição é uma incoerência, no seu conjunto: se nem tudo está determinado - ou seja, por exemplo, o movimento da água evaporando-se da superfície terrestre, condensando-se em nuvens e precipitando-se sobre a Terra é determinismo, o envelhecimento dos organismos vivos obedece a determinismos, etc - é porque temos livre-arbítrio, ou seja, há compatibilidade entre determinismo e livre-arbítrio. Se ambos existem, são compatíveis no quadro global da realidade. A compatibilidade é uma coexistência, não é necessariamente uma fusão ou interpenetração. Logo, é um erro dizer que o libertismo é um incompatibilismo - é um chavão, uma frase feita, sobre a qual não se opera reflexão.

 

E a definição de libertismo dada neste manual é, substancialmente, a mesma do compatibilismo ou determinismo moderado porque ambas admitem um livre-arbítrio e determinismo, e em ambas o livre-arbítrio pode agir contra o determinismo. Duplicação sob nomes diferentes, erro de raciocínio. É como dizer sobre uma dada estrada inclinada: «esta estrada que sobe não é a mesma estrada que desce».

 

Heráclito, do fundo dos séculos, ensina estes confusos «pensadores» analíticos: «o caminho que sobe e o caminho que desce são um e o mesmo». O caminho que sobe poderia ser o «libertismo» e o caminho que desce o «determinismo moderado». São, segundo estas definições, a mesma coisa, ora enfatizando verbalmente a liberdade, ora enfatizando o determinismo.

 

SOMOS SEMPRE CONSTRANGIDOS POR SITUAÇÕES ANTERIORES?

 

Lê-se neste manual:

«Comparemos as duas situações seguintes:

 

Situação 1. O João escolhe ficar em casa a estudar em vez de ir ao cinema.

Situação 2. O João é obrigado pelos seus pais a ficar em casa a estudar.

 

O determinista moderado defende que na situação 1 a acção do João é livre porque nada o obrigou a escolher uma coisa em vez de outra. Mas defende que na situação 2 a escolha de João não foi livre, porque foi obrigado pelos pais a ficar em casa. Contudo, a única diferença entre 1 e 2 é o tipo de constrangimento em causa. Na situação 2, o João é constrangido pelos pais. Na situação 1, é constrangido pelos acontecimentos anteriores.» (Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho,  «Lições de Filosofia 10º ano», pag. 42, Didáctica Editora).

 

Como se pode demonstrar que na situação 1 é constrangido pelos acontecimentos anteriores? Não pode. Sucede que, naquele momento, João acha que se vai aborrecer com o filme e por isso escolhe ficar em casa. É isto ser constrangido por acontecimentos anteriores?

 

É possível ainda argumentar contra a tese deste manual que «na situação 2 a escolha de João não foi livre, porque foi obrigado pelos pais a ficar em casa» com o pensamento de Sartre de que «nunca fomos tão livres como debaixo da ocupação alemã»  em 1940-1944 porque aí podíamos escolher sem meias tintas: resistir ao nazismo ou colaborar com ele. De facto, se João ficou em casa «obrigado» pelos pais foi porque não quis assumir a sua liberdade de rebeldia. Logo, a sua aceitação foi de livre vontade, derivou do exercício do livre-arbítrio porque, a menos que estivesse trancado no quarto e a chave da porta da parte de fora, preferiu a submissão do «animal doméstico». Podia ter saído de casa, desafiando a vontade dos pais. A sua decisão foi livre, apesar da condicionante. O mar da liberdade move-se sempre entre as rochas de condicionantes, mas a água flui, vai e vem, mesmo contornando as rochas ou submergindo-as.

 

ERROS NAS DEFINIÇÕES DE RELATIVISMO E OBJECTIVISMO

 

A definição de relativismo enferma do habitual erro da filosofia analítica:

 

«A tese central da teoria relativista é que os juízos de valor são relativos às sociedades. Quando uma sociedade condena ou aceita um determinado juízo de valor não pode estar enganada. Isto contrasta com os juízos de facto.» (Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho,  «Lições de Filosofia 10º ano», pag. 54, Didáctica Editora; o destaque a negrito é da minha autoria).

 

Esta definição é falsa e incoerente. A sociedade francesa, até há um mês atrás condenava, maioritariamente, e rejeitava, juridicamente, a legalização dos casamentos gays e lésbicos e a adopção de crianças por casais homossexuais. Era, portanto, «relativista» segundo, o raciocínio dos autores deste manual e «não podia estar enganada». .. Há dias, em 23 de Abril de 2013, por votação na Assembleia Nacional francesa, com 331 votos a favor (socialistas, comunistas e outra esquerda) e 225 votos contra (direitas), foi aprovada a lei autorizando o casamento de gays e lésbicas e a adopção por estes de crianças. Isto, sim, é relativismo, variação de posição/ verdade teórica, axiológica, jurídica. E nega a definição de relativismo dada acima segundo a qual «quando uma sociedade condena ou aceita um determinado juízo de valor não pode estar enganada.» Esta definição do manual  é absolutismo e não relativismo.

 

Por outro lado, Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho persistem em ignorar, por limitação de inteligências ou subserviência  face às cúpulas universitárias ou ambas as coisas, que relativismo é o mosaico de opiniões e ideias no seio de uma mesma sociedade. É relativismo haver ecologistas, comunistas, conservadores, sociais-democratas, católicos, ateus, agnósticos, benfiquistas, sportinguistas, portistas, etc, cada um com a sua ideologia e valores.

 

Sobre objectivismo escreve o manual:

 

«A tese central da teoria objectivista é que alguns juízos de valor são objectivos; o objectivismo não defende que todos os juízos de valor são objectivos. Isto significa que quando uma pessoa ou uma sociedade condena ou aceita um dado juízo de valor, pode estar enganada, tal como acontece com os juízos de facto.»

(Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho,  «Lições de Filosofia 10º ano», pag. 57, Didáctica Editora; o destaque a negrito é da minha autoria).

 

Esta definição peca por vagueza. É tautológica: objectivismo é... juízos de valor objectivos. Não se diz com clareza o que é objectividade, que esta se divide em duas modalidades: extra anima e intra anima. Coitados, não sabem, não têm precisão no pensamento... A dialética é, para eles, uma estranheza.

 

Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho continuam petrificados nas suas erróneas definições, atrelados ao frágil pensamento de Thomas Nagel, John Searle, Peter Singer e outros, apesar de lerem este blog há anos e terem obrigação de rectificar os seus gritantes equívocos em filosofia. Nada a fazer.. O poder corrompe. Os mestres e doutorados nas universidades estabelecem, em regra, entre si um pacto de silêncio e aceitação dos erros uns dos outros.

 

Antes de tudo, «há que preservar a autoridade sobre os alunos, não pôr em dúvida as cátedras, e estar nas boas graças da opinião pública (im)pensante», dos editores e jornalistas, da classe dominante.  Assim pensam os antifilósofos, dominados por um pragmatismo estreito de ganhar dinheiro com manuais das grandes editoras e popularizar a superficial filosofia analítica que os faz "ser alguém" no mundo burguês dos títulos universitários e das certificações.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:30
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 22 de Abril de 2013
Equívocos no manual do 10º ano de filosofia «Ser no mundo» da Areal Editores (Crítica de Manuais Escolares- XLVII)

 

 

O manual «Ser no mundo, Filosofia 10º ano» de André Leonor e Filipe Ribeiro, com revisão científica de Viriato Soromenho Marques, da Areal Editores, lavra em algumas confusões teóricas. Uma delas é a oposição rígida entre etnocentrismo e relativismo cultural.

 

ETNOCENTRISMO É CONTRÁRIO DE RELATIVISMO CULTURAL?

 

Escrevem André Leonor e Filipe Ribeiro :

 

«Segundo o relativismo cultural, as culturas não são comparáveis quanto à correcção valorativa, não sendo, por isso, possível hierarquizá-las. Não existem culturas melhores nem piores, apenas culturas diferentes. Com base nesta ideia, os defensores do relativismo afirmam que esta atitude fomenta uma atitude de tolerância cultural, pois se todos partilharem deste princípio é possível uma convivência saudável e pacífica entre culturas («Ser no mundo, Filosofia 10º ano» de André Leonor e Filipe Ribeiro, pag. 105, Areal Editores).

 

Etnocentrismo não se opõe, como contrário, a relativismo. Podemos dizer que a sucessão histórica de diversos etnocentrismos é relativismo, ou seja, é variação e variedade. Exemplo, a história da Palestina: dominada pelo etnocentismo do império egípcio no século XV antes de Cristo, depois pelos etnocentismos hebraico (século X antes de Cristo), assírio ( século VIII, AC), romano e bizantino (de 66 DC a 614 DC), otomano de 1517 a 1917, britânico de 1917 a 1947...

 

O etnocentrismo opõe-se, como contrário, ao etnoperiferismo, a doutrina que afirma que nenhuma cultura é central, superior às outras, são todas periféricas. Há um etnocentrismo relativista, como o etnocentrismo norte-americano e o da União Europeia que se resume assim: «Aceitamos as diferentes culturas de todos os povos do mundo, mas consideramo-nos superiores nos nossos valores democráticos de matriz cristã, universalistas, por isso intervimos militarmente na antiga Jugoslávia, no Iraque ou no Afeganistão em defesa dos nossos valores». E há um etnocentrismo fascista ou absolutista como o da Espanha do general Franco, de 1939 a 1975,  que poderia enunciar-se assim: «Espanha, grande, una e livre, sob o império da Falange Espanhola e do caudilho Franco, é o único país do mundo livre da influência judaico-maçónica e comunista, somos superiores». 

 

O relativismo não implica o nivelamento por igual de todas as culturas, do mesmo modo que o relativismo epistémico de Karl Popper não implica dizer que  as teorias das ciências empíricas, sendo todas conjuntos de conjecturas, valem todas o mesmo. Popper escolhia as mais consistentes. A história da ciência manifesta o relativismo, isto é, a mudança do paradigma dominante na sequência temporal: hoje a teoria do Big Bang e do universo inflacionário é aceite pela maioria da comunidade científica, mas nos anos 50 predominava a teoria do universo estacionário. Isto é relativismo mas não iguala as duas perspectivas, em termos sociológicos: os defensores do Big Bang julgam ter razão e superiorizam-se no seu discurso.

 

A posição de Hegel sobre as religiões é um exemplo do etnocentrismo relativista: a religião mais perfeita é o protestantismo, porque abolindo o clero estabelece a ponte directa entre o crente e Deus uno e trino, cujo filho, Jesus, se ofereceu como sacrifício em prol da humanidade; depois vem o catolicismo, com o inconveniente do clero mediador e das estátuas, seguem-se outras religiões e, por último, a religião do homem que diviniza o crocodilo, religião que ainda possui um mínimo de verdade porque visa o Absoluto, o Outro. Assim, a verdade está distribuída em diferentes graus por todas as religiões mas o protestantismo luterano é a religião central.

 

Deixemos, pois, de falar na contrariedade etnocentrismo/ relativismo e ponhamos a questão de outra maneira.

 

 

O COMPATIBILISMO NÃO É DETERMINISMO MAIS ALGO?

 

A separação artificial entre os conceitos de compatibilismo e determinismo é outro equívoco deste manual. Lê-se nele:

 

«Para os deterministas, o indivíduo só seria livre se pudesse escapar à cadeia causal de acontecimentos que o determinam a agir.

Logo, o ser humano não é livre

 

«Para os compatibilistas o facto de o indivíduo poder dispor das condicionantes de acordo com a sua vontade significa que o ser humano faz uso da sua liberdade.

«Logo o ser humano é livre, apesar de não poder libertar-se das condicionantes da acção».

 

Ser no mundo, Filosofia 10º ano» de André Leonor e Filipe Ribeiro, pag. 84, Areal Editores).

 

No entanto, na página 76 do manual os compatibilistas são designados como deterministas moderados.. que afirmam a existência do livre-arbítrio...Afinal, em que ficamos? Os deterministas negam ou não o livre-arbítrio? Há aqui a névoa da imprecisão porque não se definem as regiões ontológicas onde vigora o determinismo: na natureza biofísica, no espírito humano...

 

O compatibilismo, designado determinismo moderado (determinismo associado a livre-arbítrio, prefiro chamá-lo assim) é uma espécie dentro do género determinismo. Não pode pois dizer-se que os deterministas negam a liberdade do ser humano mas sim que apenas uma parte dos deterministas a negam.  

 

ALGUMA NEBULOSIDADE SOBRE O QUE É VALOR

 

Este manual não define, teoricamente, o que é valor. Nas páginas 92 e 93, define juízo de facto e juízo de valor mas não define valor. Na página 93, sem se definir o que é valor, são dados exemplos de valores (belo, feio, bom, mau, justo, injusto, tolerante, intolerante, leal, desleal, pacífico, belicoso, desonesto) e são apontadas características dos valores como polaridade, hierarquia e historicidade e perenidade. Mas definir valor não acontece: não se distingue, com nitidez, que os valores são essências arquetípicas (platonismo), qualidades de substâncias (aristotelismo), essências fenomenológicas objectivas (Scheler), etc.

 

Diz ainda o manual que:

 

«O juízo de valor distingue-se do juízo de facto porque é:

 

> subjectivo, pois depende da opinião ou avaliação do sujeito que o enuncia

não tem valor de verdade, pois os gostos e as preferências não podem ser classificados como verdadeiros ou falsos;» («Ser no mundo, Filosofia 10º ano» de André Leonor e Filipe Ribeiro, pag. 93, Areal Editores).

 

O juízo de valor não tem valor de verdade? Claro que tem, ao menos em muitos casos. O juízo  «As democracias são mais tolerantes com as vontades e protagonismos individuais dos cidadãos do que as ditaduras» é simultaneamente juízo de facto e juízo de valor. O que é a verdade? Exclui a tonalidade valor? Se o juíz ao condenar profere o juízo «O arguido foi desonesto porque desviou um milhão de euros da empresa em proveito próprio» podemos separar o juízo de valor (é desonesto) do juízo de facto (desviou um milhão de euros)? Não podemos.

 

UMA EQUÍVOCA DEFINIÇÃO DE OBJECTIVISMO ESTÉTICO

Lê-se no manual:

 

«Objectivismo estético

Posição que defende que a classificação e construção de juízos estéticos depende dos atributos objectivos do objecto estético.»(«Ser no mundo, Filosofia 10º ano» de André Leonor e Filipe Ribeiro, pag. 196, Areal Editores).

 

Depende em que medida? Depende... eis uma forma verbal ambígua. Também o subjectivismo estético faz depender, em alguma medida, o juízo estético da objectividade do corpo físico exterior, como neste exemplo: «Acho bela a casca daquele sobreiro ainda que vocês não achem o mesmo.» E é tautológica: depende dos atributos objectivos. E o que são estes? "Objectivismo" depende de "objectivos", círculo vicioso, tautologia.

 

A minha definição é outra: objectivismo estético é a teoria que sustenta que os valores de belo e de feio são os mesmos para a esmagadora maioria das pessoas ou mesmo para todas. Exemplos: «o pôr do sol sobre o mar é um espectáculo belo, a visão de um cadáver em decomposição é um espectáculo feio.»

  

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 23:47
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 9 de Novembro de 2012
Desfazer uma confusão dos analíticos: não há libertismo incompatibilista

Os filósofos analíticos falam de quatro correntes essenciais de (meta) ética: determinismo radical, determinismo moderado (compatibilismo), libertismo (incompatibilismo) e indeterminismo. Mas se falam em determinismo radical e moderado, não deveriam falar em indeterminismo radical e indeterminismo moderado? 

 

A lógica, em particular o princípio do terceiro excluído («Uma coisa ou é A ou não A, descartando a terceira hipótese) impõe essa dualidade. O pensamento dos "analíticos" como Simon Blackburn, Michael Proudfoot e A.R.Lacey - e os seus espelhos reflectores em Portugal: João Branquinho, Sofia Miguens, Ricardo Santos, Desidério Murcho, Pedro Galvão, Luís Rodrigues, etc - é assimétrico. Eles não conseguem reduzir à grande dualidade primordial a diversidade das correntes num dado campo, neste caso o campo do livre-arbítrio e determinismo. A grande filosofia - refiro-me à dialética, que quase todos só conhecem parcelarmente - compadece-se de assimetrias empíricas, porque o mundo apresenta disformidades, irregularidades, mas, enquanto filosofia ordenadora do pensamento e propulsora deste para mais além, é simétrica.  Racionalidade é simetria do pensamento e simetria do devir social, astrofísico e biofísico: não há alto sem baixo, nem inverno sem verão, nem revolução sem contra-revolução, nem vida sem morte, etc.

 

O que é o libertismo, senão indeterminismo? Pois as correntes hão-de ser ou deterministas ou não deterministas, isto é, indeterministas. O libertismo não pode estar fora desse dualismo. Ou está num campo ou está noutro ou está em ambos (neste último caso é o princípio do quarto excluído que formulei em artigo deste blog de 31 de Agosto de 2011).

O que é o livre-arbítrio, senão indeterminismo?

 

E o determinismo moderado, o que é, senão uma combinação de determinismo (princípio segundo o qual «nas mesmas circunstâncias, as mesmas causas geram sempre os mesmos efeitos») com indeterminismo (o livre-arbítrio que, nas mesmas circunstâncias, me leva a deliberar e agir de modos diferentes)?

 

Blackburn apresenta a doutrina de Kant sobre os dois "eu", numénico e fenoménico, como um exemplo do libertismo:

 

«III- Libertismo. Esta posição advoga que o compatibilismo é apenas uma fuga e que há uma noção mais substantiva e real de liberdade que pode ainda ser preservada em relação ao determinismo (e ao indeterminismo). Em Kant, enquanto o eu empírico ou fenoménico é determinado e não é livre, o eu numénico ou racional tem capacidade para agir racional e livremente. Mas, uma vez que o eu numénico existe fora das categorias do espaço e do tempo, esta liberdade tem aparentemente um valor duvidoso. Outras respostas libertistas incluem a sugestão de que o problema está mal colocado...» (Simon Blackburn, Dicionário de Filosofia, pag 256, Gradiva).

 

Não faz sentido falar em libertismo como incompatibilismo num universo em que se reconhece haver determinismo. O próprio Kant compatibiliza o eu numénico ou eu livre, capaz de se opor ao egoísmo e pugnar por ações «desinteressadas» e nobres, com o eu fenoménico ou eu animal, veículo das pulsões corporais e materiais (a avidez do dinheiro, o salvar a pele à custa dos outros, a gula, a luxúria, etc): ora manda um «eu», ora manda o outro «eu» em cada circunstância. Se a liberdade e o determinismo existem, em esferas diferentes, são compatíveis, do mesmo modo que os EUA e a URSS foram compatíveis de 1922 a 1991 enquanto houve União Soviética socialista burocrática: eram incompatíveis nas suas essências internas se as sobrepuséssemos - o capitalismo de livre-empresa e o capitalismo de estado «comunista» - mas coexistiam, compatibilizavam-se na cena mundial. Ora os confusos teóricos da "análise" admitem que libertismo coexiste com o determinismo físico do mundo:

 

«O libertismo não diz que não há acções determinadas - uma constipação é uma acção determinada por factores que escapam ao nosso controlo - mas somente que algumas acções não são o desfecho necessário de causas anteriores. Há acontecimentos que estão fora do nosso controlo, mas nem todos os acontecimentos estão fora do nosso controlo.» (Luís Rodrigues, Filosofia para a prova intermédia do 10º ano, pag. 31, Plátano Editora, o negrito é posto por mim).

 

Então se o libertismo admite que há ações submetidas ao determinismo, onde está o incompatibilismo?

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 11:41
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2011
Confusões do "Routledge Dicionary of philosophy" sobre libertismo/libertarianismo e indeterminismo

O "Routledge dictionary of philosophy» diz o seguinte:

 

 «Os deterministas moderados (soft determinists), de longe o maior grupo em tempos recentes,  dizem que as nossas acções são, de facto, causadas mas não estamos, portanto, menos livres do que devíamos estar, porque a causação não é um constrangimento ou compulsão sobre nós. Enquanto as nossas naturezas e escolhas forem efetivas como itens na cadeia causal, o facto de elas próprias serem causadas é irrelevante e não as impede de ser o que são» ("The Routledge Dictionary of Philosophy, page 146, fourth edition).

 

Comecemos por apontar um erro no texto que acabamos de ler: os deterministas moderados não dizem que (todas) as nossas acções obedecem ao determinismo - «estão causadas», expressão de que não gosto por ser ambígua - mas sim que uma grande parte das nossas acções (exemplo: comer, beber, dormir, vestir roupa, andar, etc) obedecem ao determinismo neurofisiológico e não são livres. Escrever que «as nossas acções são causadas mas continuamos livres» é um contra-senso. Entrar no automóvel e guiá-lo é uma acção determinada ou uma acção livre? Segundo o Routledge Dictionary é ambas as coisas. Nuvem de Confusão! No mesmo aspeto e ao mesmo tempo, não podem dar-se os contrários (princípio da não contradição). Dizer que «o facto de as nossas naturezas e escolhas serem causadas (determinadas, não livres.).. é irrelevante» é um contrasenso. Se são determinadas, não são livres. Há aqui falta de poder de análise. 

E o Routledge prossegue:

 

«Os deterministas moderados são compatibilistas. Os indeterministas podem ser ambas as coisas, mas são habitualmente incompatibilistas

«Uma dificuldade com o indeterminismo é que a mera ausência de causação parece não ser suficiente. Se as nossas ações não são mais do que intrusões aleatórias no esquema causal das coisas como podemos ser   responsável por elas mais do que se forem causadas? Os indeterministas são, por vezes, denominados libertarianos. Mas mais estritamente, os libertarianos são aqueles que postulam uma entidade especial, o self, que usa o corpo para intervir de fora, por assim dizer, na cadeia causal dos acontecimentos, mas é, em si mesmo, imune à influência causal.» (Routledge Dictionary of Philosophy, page 146).

 

Há evidentemente, aqui uma confusão: segundo este dicionário, no indeterminismo «as nossas ações não são mais do que intrusões aleatórias no esquema causal das coisas» o que radica no «eu» (self), exterior aos determinismos, autor dessas acções. Mas isto é exatamente o determinismo conjugado com livre-arbítrio, isto é, o «determinismo moderado», um compatibilismo. Se o self está fora da cadeia causal dos acontecimentos, esta é admitida pelo libertismo. Logo este e o «determinismo moderado» são o mesmo. Está-se num jogo de palavras, no relvado das incoerências teóricas...O Routledge Dictionary desliza como a faca sobre a manteiga das imprecisões teóricas, dos equívocos.

 

O problema que os filósofos analíticos, e outros como Nietzschze, não conseguem conceber é que a articulação entre os acontecimentos do passado do presente e do futuro não é uma cadeia determinista contínua mas uma série de cadeias deterministas, descontínuamente articuladas entre si, uma das quais é accionada, rotativamente, a cada momento pelo livre-arbítrio dos homens ou pelo fator acaso que perpassa na natureza biofísica.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 14:19
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 13 de Outubro de 2011
Os Testes intermédios do 10º ano de Filosofia da Porto Editora: equívocos e formatação antifilosófica do pensamento

Os testes intermédios do 10º ano de Filosofia editados pela Porto Editora em 2011 estão repletos de erros teóricos e consituem um exemplo da formatação antifilosófica do pensamento dos adolescentes do ensino secundário em Portugal que uma parte substancial dos professores leva a cabo, por irreflexão e mimetismo face aos autores de manuais escolares. Vejamos alguns desses equívocos,

 

MOORE E O EQUÍVOCO DOS "ATOS INCAUSADOS"

 

A Proposta de teste intermédio 1 começa com o seguinte texto de George Moore, um dos confusos pais da filosofia analítica:

 

GRUPO I

 

«Aqueles que defendem que temos livre-arbítrio julgam-se obrigados a sustentar que por vezes os atos voluntários não têm causa; e aqueles que defendem que tudo é causado pensam que isso prova completamente que não temos o livre-arbítrio. Mas na verdade, é extremamente duvidoso que o livre-arbítrio seja inconsistente com o princípio de que tudo é causado.» ...( G.E. Moore- Ética, 1912, Capítulo VI).

 

1) Indique pela mesma ordem que o autor, as posições sobre o livre-arbítrio referidas na primeira frase do texto. ( Testes intermédios, pag 18, Porto Editora).

 

A proposta de resolução é a seguinte:

 

GRUPO I

«As posições são o libertismo e o determinismo radical (Estas são as duas formas de incompatibilismo).»  (Testes intermédios, pag. 21, Porto Editora; o negrito é posto por mim).

 

 

Crítica: em primeiro lugar, Moore confunde causa com causa necessária (esta última é componente do princípio do determinismo: as mesmas causas produzem sempre os mesmos efeitos, nas mesmas circunstâncias). Esta confusão vocabular é funesta à clareza filosófica: Moore e os seus imitadores, como Simon Blackburn e os autores de quase todos manuais escolares de filosofia para o 10º ano em Portugal não distinguem,  vocabularmente pelo menos, entre causa livre - exemplo: Deus criou o mundo por um acto único de livre-arbítrio, que não estaria obrigado a praticar, na concepção cristã - e causa necessária, envolta nas roldanas da necessidade ou determinismo. Dizer que alguns atos voluntários não têm causa, como Moore sustenta no texto acima, é um contrasenso: a causa de um ato voluntário, como, por exemplo, ir passear ou ir ao cinema, é o livre-arbítrio, a reflexão livre de cada pessoa que precede a decisão, ou o instinto. O que Moore e outros querem dizer com a expressão "atos incausados" é que há atos que escapam ao determinismo. Mas nenhum ato escapa a causas, sejam elas necessárias ou livres, e isto Moore e os seus imitadores não o dizem. Em rigor, não há atos incausados. O princípio da razão suficiente, de Schopenhauer, assegura que toda a coisa ou fenómeno possui uma causa.

 

Por outro lado, a solução proposta acima diz que a teoria que sustenta que os atos voluntários são por vezes incausados chama-se.. libertismo. É uma névoa de confusão: não se explica o que é libertismo, nem em que se distingue do determinismo com livre-arbítrio («determinismo moderado»,na imperfeita definição em voga nos manuais). Kant é libertista, como defende Simon Blackburn? Ou é "determinista moderado", uma vez que admite que o eu fenoménico (corpo e suas necessidades materiais) é determinado pela natureza e o eu numénico (razão livre) é livre? Ninguém sabe explicar isto. Não se pensa, não se confrontam posições nesta esfera da filosofia - o meu blog é, seguramente, uma excepção, fustigando, com a espada do raciocínio dialético, o dogmatismo erróneo instalado entre os professores de filosofia (por exemplo, a confusa classificação: determinismo radical, determinismo moderado, libertismo, indeterminismo).

 

Também não se percebe como se pode classificar o "libertismo" de incompatilismo. Como pode ser incompatibilismo se, às vezes, aceita que há livre-arbítrio compatível com determinismo?

 

ERRÓNEA DEFINIÇÃO DE RELATIVISMO CULTURAL

 

Na mesma Proposta de teste intermédio 1, temos a seguinte pergunta do grupo II a coroar um texto de Harry Gensler: 

2.1. Defina relativismo cultural.(pag 21)

 

A proposta de resolução é a seguinte:

 

«2.1. De acordo com o relativista cultural, não há padrões absolutos ou universais do bem e do mal. O facto de algo ser bom, ou de algo ser mau, é sempre relativo a sociedades específicas. Se numa sociedade a maioria aceitar, por exemplo, que a poligamia é boa, então a poligamia será boa para essa sociedade; se noutra sociedade a maioria pensar o contrário, então a poligamia será má para essa sociedade.» (Testes intermédios, Filosofia 10º, pag 21, Porto Editora; o negrito é colocado por mim).

 

Crítica minha: É um erro apontar como relativismo o facto de «numa sociedade em que a maioria aceita a poligamia como um bem, então a poligamia será boa para essa sociedade». Isso é absolutismo social, imposição de uma mesma ideologia a todos os estratos da mesma sociedade. Harry Gensler pensa mal tal como os autores desta prova intermédia da Porto Editora. O relativismo é o facto de numa mesma sociedade haver uma moral, uma ciência e uma concepção político-económica dominantes e, em simultâneo ,haver morais, ciências e concepções político-económicas dominadas que não aceitam o paradigma dominante. Por exemplo, sob a ditadura de Salazar os valores dominantes veiculados na televisão e jornais eram, entre outros, «manter a integridade nacional conservando Angola, Guiné e Cabo Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe como províncias de Portugal» mas havia oposição entre os intelectuais, os estudantes e a classe operária ao colonialismo oficial de Salazar. Isto, sim, é relativismo: mostrar as diferentes verdades no seio da mesma sociedade. A definição mutilada de relativismo fornecida por Harry Gensler supõe homogeneidade no interior da mesma sociedade o que, em rigor, não é verdade.

 

 

A ÉTICA DE KANT NÃO É RELATIVISTA?

 

Surgem então as perguntas de escolha múltipla e uma só resposta tida como certa e aqui se revela a mediocridade de pensamento de quem gizou este teste, o espírito de hiper análise sem visão de síntese.

 

 

GRUPO III

 

«1.2. A teoria ética de Kant é:

       A. Consequencialista

       B. Relativista       

       C. Deontológica

       D. Teológica                                            (pag

 

A resposta apontada como certa é: deontológica (alínea C).

 

Crítica: Há três respostas certas, as da alínea A, B e C.

Para surpresa da grande maioria, direi que a ética de Kant é consequencialista porque visa uma consequência para cada cada acção humana: a transmissão de uma ideia de equidade entre os homens, de justiça, e a satisfação do eu racional. O dever não é um fim em si mesmo, ao contrário do que diz Kant. O dever  é um serviço para com os outros idealmente considerados. Se um homem que acha na rua uma carteira com 50 000 euros entende devolvê-la, apesar de poder ficar com ela uma vez que ninguém viu, é por dever para com o dono do dinheiro e a humanidade em geral. Visa-se, pois, um fim (consequencialismo) ao devolver o dinheiro: corrigir a injustiça, restituir o seu a seu dono. A resposta A está certa - contra o que afirmam as vozes dominantes e os manuais escolares.

 

Ao mesmo tempo, a ética de Kant é relativista, isto é, o conteúdo do imperativo categórico varia de pessoa a pessoa, é relativo à consciência de cada um. Relativismo da esmola: para uns, é um bem dar esmola porque seguem o imperativo categórico «Dá sempre esmola a quem te pedir porque isso corresponde ao ideal de justiça social» e para outros é um mal dar esmola porque o seu imperativo categórico é «Nunca dês esmola a quem quer que seja porque isso rebaixa a dignidade de quem pede». Logo, a resposta B está certa.

 

Obviamente, a ética de Kant é deontológica (déon= dever), estrutura-se sobre o dever. A resposta C está certa.

 

 

MILL NÃO DEFENDE QUE SÓ UMA BOA VONTADE É INCONDICIONALMENTE BOA?

 

 

Consideremos outra pergunta, na página 20 do "Testes intermédios":

 

«1.5   Tanto Kant como Mill defendem que:

 

A. Não há um princípio moral fundamental.

B. Só o prazer e a ausência de dor são incondicionalmente bons.

C. Há um princípio moral fundamental.

D. Só uma boa vontade é incondicionalmente boa.

 

A resposta tida como certa é a da alínea C.

 

Crítica: De facto, a resposta C está correcta. Mas a resposta D também está: a definição de boa vontade como a vontade incondicionalmente boa não é exclusiva de Kant. Já se encontra na «Ética a Nicómaco»  de Aristóteles e é partilhada também por Stuart Mill.

 

A ÉTICA DEONTOLÓGICA NÃO PROMOVE SEMPRE O BEM?

 

Na proposta de Teste Intermédio 2 figura a seguinte questão que pede apenas uma resposta certa de entre as quatro hipóteses (pag. 26)

 

«1.4  De acordo com uma ética deontológica:

     A. Só o prazer e a ausência de dor são bons.

     B. Devemos sempre promover o bem.

     C. Não podemos promover o bem sacrificando os direitos dos outros.

     D. Nem só o prazer e a ausência de dor são bons.»

 

A proposta de solução indica como certa a hipótese C.

 

Crítica: é uma visão unilateral, truncada. As respostas B e D também estão certas. A hipótese B diz que segundo a ética deontológica devemos promover sempre o bem. Ora, não é isso o que Kant diz? É. Exercer o imperativo categórico, mesmo que seja amargo para algumas pessoas, é fazer o bem. Exemplo: o juíz que condena a anos de prisão efectiva um grupo de narcotraficantes faz o bem, desde que inspirado no ideal de justiça incorruptível.

 

A ética deontológica de Kant - é também uma ética teleológica, como assinalei noutros artigos - preconiza que nem só o prazer e a ausência de dor são bons. O cumprimento do dever pelo dever é bom, mesmo que implique dor. Exemplo: o comandante de um navio sacrifica a sua vida num naufrágio obedecendo ao imperativo categórico «Salva em primeiro lugar a vida das crianças, mulheres e idosos, em caso de naufrágio do teu navio, e, em último lugar, a tua própria vida».

 

Há três respostas certas nesta pergunta e não uma. É este o tipo de perguntas que se vai colocar aos alunos no exame de filosofia do 11º ano de escolaridade em Portugal? Tão ambíguas e medíocres, fazendo com que os alunos que pensam recebam zero na cotação?

 

 

AS ÉTICAS DE KANT E STUART MILL SÃO EXCLUSIVAMENTE OBJECTIVAS?

 

 

Na proposta de Teste Intermédio 2 (página 26) vem a seguinte questão que pede apenas uma resposta certa:

 

«1.5 Tanto Kant como Mill aceitam:

 

   A. A subjectividade da ética.

   B. A objectividade da ética.

   C. Que a felicidade é o fim a promover.

    D. Que a felicidade não é o fim a promover.»

 

A resposta apontada como solução certa é a B: objectividade da ética.

 

Crítica: Kant e Mill, aceitam ambos, em simultâneo, a subjectividade e a objectividade da ética. Isto é incompreensível para o autor destes testes intermédios, que carece de um pensamento dialético (em cada coisa, há duas facetas contrárias que, em regra, coexistem). Na ética de Kant, é objectiva a fórmula do imperativo categórico «Age como se quisesses que a tua acção fosse uma lei universal da natureza» , a mesma para todo o ser humano, e é subjectiva a máxima, o conteúdo concreto, a coloração que cada um dá ao seu impertaivo categórico.

Na ética de Stuart Mill, é objectiva a fórmula «estender o bem, o prazer, ao maior número de pessoas» e é subjectiva a análise de cada situação concreta. Por exemplo, se um polícia encontrar seis assaltantes a agredir e a roubar duas pessoas algures não segue a regra do prazer do maior número (seis meliantes) dos envolvidos na situação. O polícia tem de defender a minoria agredida, isto exige uma análise subjectiva.

Por conseguinte, as respostas A e B estão correctas.

 

NÃO HÁ ACÇÃO HUMANA SEM INTENÇÃO?

 

Na proposta de teste intermédio 3 (página 29) lê-se a seguinte questão de escolha múltipla:

 

«1.1Não pode haver acção humana sem:

A. Deliberação.

B. Livre-arbítrio.

C. Responsabilidade.

D. Intenção.»

 

A solução apontada como certa é a D: não pode haver acção humana sem intenção.

 

Crítica: Pode haver acção humana sem intenção. Exemplo: durante uma caçada, um dos caçadores tropeça numa pedra, a espingarda que leva dispara acidentalmente e mata o amigo que vai à sua frente. A queda e o disparo, sem intenção, não são acção humana involuntária?

 

 

 

 

CONFUSÃO SOBRE DETERMINISMO MODERADO: ALGUMAS ACÇÕES DETERMINADAS SÃO LIVRES?

 

 

No teste intermédio 3 (pag 29) é colocada a seguinte questão:

 

1.2 O determinismo moderado é uma teoria compatibilista porque diz-nos que:

 

A. Só algumas acções estão determinadas.

B- Todas as acções estão determinadas.

C. Algumas acções determinadas são livres.

D. Algumas acções determinadas não são livres.»

 

A proposta de solução indica como a única correcta a resposta C: «algumas acções determinadas são livres».

 

Crítica: uma acção determinada, isto é, em que o efeito obedece necessariamente a uma causa natural, biofísica, nunca é livre. A acção de comer obedece ao determinismo da trituração dos alimentos na boca e deglutição: não pode ser feita de qualquer maneira, obedece a um determinismo,  a um mecanismo articulado de causas e efeitos.  Livre é a decisão de comer que se toma num dado momento ou a interrupção do acto de comer. A acção determinista nunca é livre: conjuga-se com a liberdade que lhe é exterior. A resposta correcta seria a da alínea A: só algumas acções, a grande maioria, estão inseridas no mecanismo do determinismo, as que consistem no livre-arbítrio não estão sujeitas ao determinismo, articulam-se com este. Jejuar é uma acção livre que põe em movimento o determinismo corporal da autólise: sente-se fome algumas horas depois do início do jejum, essa fome (psicológica) desaparece, o organismo elimina gorduras e tecidos mórbidos (células cancerosas, pús, etc), há uma baixa de açúcar no sangue, etc. O jejum é um acto livre enquanto submetido ao livre-arbítrio, mas em si mesmo não é um acto livre.

 

 

É um medíocre livro de testes intermédios de filosofia do 10º ano do ensino secundário, este, da Porto Editora.  É erróneo fazer este tipo de perguntas de resposta de cruz. Não mede com rigor o grau de saber e de inteligência filosófica do aluno, já que este nem sequer é convidado a justificar a afirmação que escolheu como certa. É a pobreza redutora de uma certa "filosofia analítica" que em muito lembra o ensino de memorização e repetição mecânica nas escolas do Estado Novo (1933-1974)  de Salazar e Caetano. Estes testes intermédios dão uma imagem da fraca qualidade do ensino de filosofia no ensino secundário em Portugal e, sobretudo, da fraca qualidade editorial nesta área, no presente momento.

 

A nível mundial, só uma ínfima minoria de pessoas dentro da área da filosofia pensa verdadeiramente: o resto é mimetismo, fórmulas decoradas, ensino massificador nas escolas, doutoramentos e mestrados em filosofia «copy paste» ou destituídos de originalidade e genialidade, subserviências a filósofos de segunda e terceira categoria. A grande filosofia é e será sempre uma praxis de elite, ainda que a elite tenha por obrigação conservar, purificar e melhorar o legado filosófico de modo a que este  possa penetrar, tanto quanto possível, no povo.

 

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 11:02
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Um erro da filosofia anal...

Determinismo moderado? Ou...

Equívocos no manual «Liçõ...

Equívocos no manual do 10...

Desfazer uma confusão dos...

Confusões do "Routledge D...

Os Testes intermédios do ...

arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds