Quarta-feira, 11 de Abril de 2018
Breves reflexões de Abril de 2018

 

 

Eis algumas singelas reflexões neste Abril de 2018 de frio ainda invernal.

 

NUNCA TE TORTURES POR TERES FALHADO ISTO OU AQUILO: UM AMOR, UM NEGÓCIO, UM EMPREGO, A EDUCAÇÃO DO TEU FILHO OU FILHA, OS LAÇOS DE FAMÍLIA, UMA VIAGEM AO ORIENTE, ETC. Só existe o agora, o momento presente. Desfruta-o. Liberta-te do stress: ama toda a humanidade, compreende os outros. Isto é estar em Deus, que está dentro de ti. Não procures Deus na igreja: Ele está no olhar amoroso e calmo com que olhas as outras pessoas, mesmo os teus «inimigos». As igrejas são anti espirituais: são partidos políticos clericais. Deus está fora de todas as igrejas: está na mansidão do teu coração, no não dizeres mal dos outros, no perdão que dás, na gratidão para com tudo o que o universo te dá.

 

O PERIGO DE VISITAR IGREJAS.O perigo de visitarmos as igrejas é ficarmos seduzidos pelas imagens, pela talha dourada, pela arquitectura e fragmentarmos a nossa ideia de Deus que «só estaria no espaço sagrado». É que as igrejas antigas são também cemitério de reis, papas, bispos e nobres - e isso leva à magia reptiliana, ao culto das ossadas.

 

NÃO FAÇAS DEPENDER A TUA FELICIDADE DA TUA COMPANHEIRA OU DO TEU COMPANHEIRO. A FELICIDADE RESIDE EM TI E SÓ EM TI. Ela ou ele pode abandonar-te a qualquer momento, cometer adultério, cair gravemente doente, deixar de dialogar contigo, deixar-te a conta bancária no zero sem a tua permissão, pressionar-te para te envolveres numa guerra de família ou de vizinhos, etc. Uma amiga na casa dos 30 anos diz-me: «As relações amorosas ou conjugais são todas iguais. Basta ter tido vários namorados para chegarmos a essa conclusão. O que distingue as pessoas não é a beleza exterior mas sim o carácter, as ideias, a riqueza da alma.»

 

QUANTO MAIS DIZES A UMA MULHER QUE A AMAS MENOS ELA TE AMA. Quanto mais fazes «amor» (sexo físico) com uma mulher mais ela pensa em fazer «amor» com outros homens, para comparar e superar-se, porque o desejo e a imaginação humana são infinitos.

 

AS PAIXÕES DESAPARECEM PORQUE AS PESSOAS ENVELHECEM, APARECEM RUGAS NO ROSTO QUE IMPOSSIBILITAM A CONTINUAÇÃO DA IDEALIZAÇÃO FÍSICA. A paixão está estreitamente ligada à beleza física. O amor também, mas de forma menos intensa. Daí o sucesso dos produtos de maquilhagem. O amor é sublime, a paixão não, é carnal, hormonal. A natureza, na sua incessante mutação, faz com que a a árvore lindíssima no verão esteja descarnada e coberta de gelo no inverno.

 

VOU INTERROMPER UM JEJUM DE 35 OU 36 HORAS. A ÚLTIMA REFEIÇÃO FOI O JANTAR DE TERÇA FEIRA, DIA 3 DE ABRIL DE 2018, À NOITE. O jejum é benéfico para a fisiologia humana: impede o aparecimento de tumores e o congestionamento do fígado, do pâncreas, os infartos do miocárdio, etc. O jejum agrada às nossas células sobrecarregadas de nutrientes indevidos - açúcares, gorduras, sais de ácido úrico- e convèm a quase toda a gente adulta, e por vezes até a crianças, exceptuando às pessoas em situação de pobreza que só comem uma vez por dia e estão subnutridas. O jejum também agrada às divindades dos mundos superiores porque permite o contacto mais fluido com elas.

 

SINCRONISMOS ONTOFONÉTICOS. Em 7 e 8 de Abril de 2018, as ideias de DOIS, de EGIPTO e de OMBRO estão em destaque: no dia 7, numa breve viagem ao Porto, visito a casa de Chá EGÍPCIA Khan El Khalili perto da Casa da Música onde assisto a danças do ventre; no dia 8, Manuela Trigueiros recomenda no facebook a Casa do EGIPTO, em Barcelos, como bom lugar para festas, o Futebol Clube do Porto vence por DOIS a zero o Desportivo das Aves, o Sporting Clube de Portugal vence por DOIS a zero o Paços de Ferreira, um militar português fica ferido no OMBRO por estilhaços de uma granada ofensiva lançada por grupos armados que também ferem soldados EGÍPCIOS, durante uma operação em Bangui, na República Centro Africana, um autocarro vindo de Punta UMBRIA (evoca: OMBRO), Espanha, com 48 passageiros estudantes de escolas secundárias de Covilhã e Belmonte, despista-se cerca das 17.55 horas no IP DOIS e tomba de lado, na freguesia de Arez e Amieira do Tejo, concelho de Nisa, um jovem estudante de 20 anos morre e vários ficam feridos no acidente.

 

SINCRONISMOS ONTOFOMÉTICOS. Em 13 e 14 de Abril de 2018, as ideias de REPÚBLICA, CINCO, ROSA, MOEDA, ALCÁCER DO SAL, VOAR e BATALHA estão em foco: no dia 13, um amigo meu acha estranho que no espaço de pouco tempo tenham ocorrido dois incêndios no mesmo edifício da Câmara Municipal de Beja situado na Rua da MOEDA, em aulas de filosofia falo nas CINCO estações do ano e nos CINCO elementos segundo a filosofia chinesa do taoísmo, em ALCÁCER DO SAL Luís Filipe Vieira pede que o Benfica seja PENTAcampeão (evoca: CINCO), realiza-se a sessão de apresentação das comemorações dos 800 anos do município de ALCÁCER DO SAL, morre Milos Forman, o realizador de cinema de «VOANDO sobre um ninho de cucos»; no dia 14, a AVIAÇÃO dos EUA, do Reino Unido e da França (evoca: VOAR) desencadeia um ATAQUE COM MÍSSEIS (evoca: BATALHA) a três instalações militares na Síria, Marcelo Rebelo de Sousa preside na BATALHA à homenagem ao soldado desconhecido, passam 87 anos sobre a instauração da segunda REPÚBLICA em Espanha, o poeta Jorge ROCHA (evoca: ROSA) recita poemas seus numa tertúlia em «Os Infantes» no centro de Beja, a professora Alexandra Santos ROSA, integrada num grupo, dança sevilhanas na Praça da REPÚBLICA de Beja, cruzo-me com Frederico MOEDAS, sócio-gerente da «Videoplanos» em Beja, um casal de franceses pede-me ao fim da tarde que lhes indique onde fica a Rua da MOEDA, em Beja.

 

MARCELO REBELO DE SOUSA E A BANDEIRA CATALÃ. 27 de Abril de 2018. Às 13.10 o presidente Rebelo de Sousa circula no pavilhão institucional da Ovibeja, feira agro- pecuária de Beja. Um professor interpela-o mostrando-lhe a bandeira da Esquerra Repúblicana da Catalunha com listras vermelhas e amarelas e uma estrela branca em fundo azul: «Sr. presidente, lute pela independência da Catalunha! São nossos irmãos». Marcelo faz um gesto olímpico de alheamento e afasta-se. Pudera! Com tanta amizade com Felipe VI rei de Espanha, tão católico como Marcelo - catolicismo aqui significa conservadorismo, submissão à instituição monárquica e ao Vaticano - como poderá Marcelo gostar da Catalunha livre, desligada da Espanha de Torquemada, Franco, Juan Carlos e Rajoy? O temperamento espanhol castelo-leonês  é fanático, violador das liberdades essenciais, adorador de um deus abstracto, ao contrário do temperamento catalão que é artístico, trovadoresco, dissidente dos poderes absolutos.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 17:43
link do post | comentar | favorito

Sábado, 14 de Setembro de 2013
Questionar a «nova concepção do tempo» em José Reis

No seu livro «Nova Filosofia», publicado em 1990, José Reis, um catedrático de filosofia da universidade de Coimbra, propõe uma «nova concepção do tempo», que fica bastante aquém do que Aristóteles escreveu sobre o tempo na «Física». Escreveu José Reis:

 

«O tempo é, como já acontece sempre que olhamos para a sucessão das coisas sem qualquer concepção meta-física, essa simples sucessão. »

«Mas,é claro, não basta abstrair - quando efectivamente já abstraímos - das concepções meta-físicas: é preciso destruí-las, vendo por dentro toda a questão. E aqui, no que toca à causalidade, tudo começou pela espacialização do tempo. Porque o imediato é conceber o futuro - o momento temporal que antes de mais nos interessa para a causalidade - como aquilo que ele é no presente, ou seja, como nada, é então esse nada que, na articulação que fazemos entre os momentos temporais, passa ao presente. O presente, porém, é o ser; como se transforma tal nada em ser? Eis que os fenómenos privilegiados da força e do movimento nos trazem a potência; sendo por definição o ser em forma de nada, ela serve-nos à maravilha: as coisas vêm dessa potência. Só que acontece que essa potência é mesmo  nada; e admitindo que fosse alguma coisa, nunca seria suficiente para as coisas. E apenas há as coisas. As coisas, no seu tempo próprio e só nele. As coisas que - não derivando da potência de que eram dotadas as coisas anteriores, potência que por sua vez derivava (bem como as primeiríssimas coisas) duma Potência eterna - são o absoluto. (José Reis, Nova Filosofia, pag 77, Edições Afrontamento, Porto; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Comecemos por questionar a definição de tempo como «simples sucessão das coisas». Há a sucessão espacial das coisas - por exemplo, uma fila de peças de dominó encadeadas umas nas outras, em sucessão, mas que eu fotografo no mesmo instante - e a sucessão temporal, em que os momentos se eliminam uns aos outros - por exemplo, as modificações que o meu corpo experimenta dia a dia, mês a mês. José Reis não faz esta distinção, com clareza.

 

 

«O ser é o presente» - eis um erro de José Reis, baseado na confusão entre ser-existência (o presente) e ser-essência (o passado, o presente e o futuro de determinada forma ou essência).   Quando dizemos, por exemplo, que «o ser na doutrina de Nietzsche é a vontade de poder, movendo-se no círculo do eterno retorno» estamos a perspectivar o ser como passado-presente-futuro, não podemos reduzi-lo apenas ao acto presente.

 

Se não investigássemos o passado e prevíssemos o futuro, se não possuissemos a visão holística e histórica do que foi e previsivelmente será (por indução), não poderíamos saber o que é o ser. José Reis é um actualista (só o momento actual é real): o seu combate ao essencialismo, à permanência das essências, assemelha-se ao de David Hume, o pai da moderna filosofia analítica, e ao de Wittgenstein. A pretensão de «destruir a meta-física para ver as coisas por dentro» é uma tarefa inglória: o futuro associa-se sempre a uma certa dose de metafísica e ninguém, em bom juízo, se dissocia de pensar o futuro, a potência da sua vida e das vidas de outros.

 

O passado e o futuro fazem parte da essência do tempo, de qualquer tempo de qualquer ente. A essência do tempo não coincide, pois, com a existência: engloba esta como o momento actual mas engloba também o sido e o porvir, a potência. A essência é o sido, o momento presente, e a potência (o futuro em esboço). Ora o ser é essência: passado, presente, futuro, ainda que destes três momentos só um seja acto (o presente) e outro tenha sido acto (o passado).

 

Quanto à espacialização do tempo que José Reis aponta como um erro do pensar filosófico, gerador da ideia da causalidade, ela é inevitável e não constitui um erro. Einstein falava do espaço-tempo, não do tempo separado do espaço. O tempo não é, na minha óptica, o espaço globalmente considerado mas as mudanças contínuas de posição (kinésis, em grego) ou de forma (aloiósis, em grego: alteração) dos corpos e figuras que ocupam o vasto espaço. Divergindo da minha conceptualização do tempo, Aristóteles não define o tempo como um movimento mas como um acidente intrínseco ao movimento, o número que marca este :

 

«É então evidente que não há tempo sem movimento nem mudança. Logo é evidente que o tempo não é um movimento, mas não há tempo sem movimento.» (Aristóteles, Metafísica, Livro IV, 218 b, 25-30)

 

«Assim pois, quando percebemos o agora como uma unidade, e não como anterior e posterior no movimento, ou como ele mesmo relativamente ao anterior e ao posterior, então não parece que tenha transcorrido algum tempo, já que não houve nenhum movimento. Mas quando percebemos um antes e um depois, então falamos de tempo. Porque o tempo é justamente isto: número do movimento segundo o antes e o depois».(Aristóteles, Metafísica, Livro IV, 219 b, 1-5; o destaque a negrito é da minha autoria).

 

 

Sobre a «refutação da causalidade necessária» realizada por Hume e reafirmada por José Reis, basta dizer que as leis da natureza, as leis da física e da astrofísica demonstram que a causalidade existe. Ninguém, de bom senso, se atreveria a beber amoníaco ou a atirar-se de um avião em voo sem páraquedas porque sabe que tais actos seriam causa de morte ou de gravíssimos danos no seu corpo.

 

A ABOLIÇÃO DO SER ETERNO: PODE PROVAR-SE?

 

No seu ver anti-metafísico, José Reis sustenta que o absoluto não existe como eternidade mas é apenas o ser temporal, finito. Decreta, pois a abolição do ser eterno. Mas como pode José Reis garantir, com fundamento, que não há um ser-essência eterno? O seu ver anti metafísico é muito limitado. É um empirismo rasteiro, de visão curta. Escreve Reis:

 

«O ser temporal é, pois, porque só se pode pensar, durante o tempo em que ele existe, como ser e não como nada, tão absoluto como o ser eterno.»

«E mais: ele não é só tão absoluto como o ser eterno, ele é mesmo o único absoluto. Não havendo causalidade, como agora sabemos, e sendo esse ser eterno exigido apenas como causa do ser temporal, este, longe de ser si mesmo um nada sempre à espera da esmola do ser eterno, é que é até o único absoluto. Por muito que custe aos nossos hábitos, é ele agora a medida de tudo. Há só esse ser temporal, tal como ele é na sua temporalidade, isto é, na sua sucessão - o ser temporal, repitamo-lo, não é temporal porque seja de si mesmo o nada mas só porque é uma sucessão - e é tudo.» (José Reis, Nova Filosofia, páginas 78-79, Edições Afrontamento; o destaque a negrito é posto por mim).

 

O ser temporal é temporal porque é uma sucessão, diz José Reis . Mas o movimento da esfera celeste que acompanha o tempo e de que Aristóteles fala na «Física» é eterno e é sucessão posicional. Eterno não significa necessariamente imóvel, sem sucessão. Por conseguinte, definir o temporal pela sucessão é insuficiente. Há um movimento eterno, intemporal, e movimento é sucessão posicional.

 

Dizer que o ser temporal - com início e fim no tempo - é tão absoluto como o ser eterno é dizer que o finito é tão absoluto quanto o infinito. É certo que o infinito não existe, em acto, segundo Aristóteles. Há um limite em todas as coisas, até no imenso universo. Mas enquanto essências o eterno é o absoluto e o temporal não é o absoluto mas o relativo. Como existência, o presente é o absoluto, como essência o «agora» não é absoluto porque se relaciona com o sido e o porvir.

 

Aristóteles distinguiu bem o ser, do tempo, com clareza superior à de Heidegger e de José Reis:

 

«Todas as coisas se geram e se destroem no tempo. Por isso, enquanto alguns diziam que o tempo era o mais sábio, o pitagórico Paron chamou-o, com clareza, de "o mais néscio", porque no tempo esquecemos. É claro, então, que o tempo tomado em si mesmo é mais precisamente causa de destruição do que de geração, como já se disse antes, porque a mudança é em si mesma, um sair fora de si, e o tempo só indirectamente é causa de geração e de ser.  Um indício suficiente disso está no facto de que nada se gera se não se move e actua, enquanto que algo pode ser destruido sem que se mova, e é, sobretudo, de esta destruição que se diz ser obra do tempo. Mas o tempo não é a causa disto, mas dá-se o caso de que a mudança se produz no tempo» .

( Aristóteles, Física, Livro IV, 222 b, 15-20; o destaque a negrito é posto por mim).

 

O PASSADO SÓ EXISTE ENQUANTO O PENSO AGORA?

 

 

José Reis sustenta que o passado só existe enquanto o pensamos agora. Na linha descontinuísta de David Hume, que combateu as noções de necessidade/ causalidade infalível e de continuidade das coisas em todo o tempo, Reis postula os momentos do tempo como desligados entre si de modo que um nunca é causa do outro. Dando o exemplo de olharmos sucessivamente as seis faces de uma caixa - e cada vez que vemos uma é o ver imediato - escreveu:

 

«Uma vez que só agora o penso, esse passado só agora existe. Supor que a face, porque ela durante esse tempo não foi vista e,uma vez que estava ocupado em ver as outras faces, nem sequer foi pensada, existiu lá em absoluto desligada do pensamento  é precisamente esquecer que ela só existiu lá, e existiu sem ser vista nem pensada, porque agora a penso lá dessa maneira; sem isso pura e simplesmente não haveria lá nada . Por muito que custe aos nossos hábitos, esse passado da face só agora existe, durante o tempo em que o penso. (...) O agora, digamo-lo assim, é só esse passado; mas, se tirarmos o agora, esse passado, seja ele uma duração de segundos ou de milénios, pura e simplesmente desaparece. - É irremediável. Se houvesse causalidade e Deus criasse o mundo, Ele não criaria as coisas que nós depois veríamos de tempos a tempos mas criaria as coisas vistas e vistas durante o tempo e segundo o modo como se vêem: criaria o agora em que a face se vê pela primeira vez, criaria o agora em que ela se vê pela segunda vez e criaria o agora em que ela se pensa no intervalo. Só isso existe.» (José Reis, Nova Filosofia, página 129-130, Edições Afrontamento; o destaque a negrito é posto por mim). )

 

Refutar estas teses idealistas não é difícil: o passado não existe no agora, nem sequer existe, porque já passou; no agora existem apenas a lembrança ou a idealização ou vestígios  físicos do passado, isto é, de uma imensidão de agoras  ab-rogados.

 

José Reis é um exemplo de junção entre filosofia analítica e fenomenologia, ambas nascidas do idealismo de David Hume.  

 

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 09:59
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

Breves reflexões de Abril...

Questionar a «nova concep...

arquivos

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
blogs SAPO
subscrever feeds