Segunda-feira, 7 de Setembro de 2020
Reflexões breves de Setembro de 2020

 

1- LEVANTAR CALÇADA BELA E COLOCAR EM SEU LUGAR EMPEDRADO FEIO OU COMO AS CÂMARAS FAVORECEM OS SEUS EMPREITEIROS... 5 de Setembro de 2020. Frente ao cinema Melius, em Beja, há uma paragem de autocarro. Passo aí e fico espantado e desiludido: mandaram os operários arrancar as pedras de calcário branco, que faziam um belo passeio, e começaram a colocar grandes blocos de pedra cinzenta, feia. E os moradores da zona não protestam? E a Associação de Defesa do Património nada diz? A câmara municipal (ou melhor 4 pessoas, um directório restrito: o presidente Dr. Paulo Arsénio e 3 vereadores socialistas) decidiu, segundo um critério obscuro, adjudicar esta obra a um empreiteiro. Para quê? Com que contrapartidas?
 
 
Também no Largo Dr. Lima Faleiro e na Rua D. Diniz, adjacentes ao castelo de Beja, há obras de substituição do empedrado da rua por grandes blocos de granito velho e mudanças (para maior fealdade) do pavimento dos passeios. O custo total elegível desta obra é 634.117, 65 euros sendo o apoio financeiro da UE é de 539.000 euros. Para quê isto tudo? Porque não investir em centros de investigação e novas tecnologias?
 
 
Haverá aqui um mecanismo de corrupção? A regra geral de corrupção em muitas autarquias locais é esta: o presidente da câmara adjudica, por exemplo, por 300 000 euros uma obra a uma empresa e esta devolve à sucapa, em envelopes, 10% para o presidente da câmara (neste caso 30 000 euros) e 5% para o partido do presidente (neste caso 15 000 euros).

 

2- AS PESSOAS QUE FAZEM SEXO FÍSICO NÃO SÃO FELIZES PORQUE SE PREOCUPAM EM REPETIR OS ORGASMOS, INCORREM EM CIÚMES, MEDO DE PERDER O SER "AMADO"/DESEJADO, ETC. Só estando em Deus, sem pedir nenhum consolo sexual - pois o desejo sexual foi despertado por Satã, a Serpente do Paraíso Terrestre- só orando tranquila e constantemente pela salvação das almas dos familiares, amigos, inimigos e desconhecidos se encontra a felicidade. Peçamos a Jesus o Amor sem desejos sexuais, o Amor verdadeiro a todos, sem falar mal de ninguém (excepto dos políticos corruptos, dos ladrões e dos pedófilos, dos maridos violentos, dos satanistas, dos capitalistas sem piedade dos desfavorecidos).

 

3- O MAIOR DOS ERROS NÃO É USAR MÁSCARA: É VACINAR-SE PORQUE ISSO INTRODUZ PARA SEMPRE O VÍRUS DO COVID, MERCÚRIO E ALUMÍNIO NO ORGANISMO. Não te infectes com a vacinação! Esta visa controlar a tua mente e alterar o código genético! O corpo é teu e é sagrado! Vacinar é violar a integridade física! As vacinas nunca reduziram as doenças, as estatísticas não levam em conta os factores decisivos: a alimentação saudável (frutos, legumes frescos, peixe, levedura de cerveja, etc.) a higiene corporal, o vestuário adequado, o sono nocturno, a prática do desporto, as longas caminhadas ao ar puro, a oração a Deus, são o que elimina as doenças «infeciosas» e outras. A OMS é a maldade «científica».

 

4- DESDE ANDRÉ VENTURA (CHEGA) ATÉ CATARINA MARTINS (BE) e JERÒNIMO DE SOUSA (PCP) PASSANDO POR RUI RIO (PSD), ANTÓNIO COSTA (PS), FDORANCISCO GEORGE (CRUZ VERNELHA) E GRAÇA FREITAS (DGS) TODOS SÃO AGENTES DE BILL GATES NA SUA CRIMINOSA CAMPANHA DE VACINAÇÃO MUNDIAL, OU SEJA, DE INFEÇÃO DO SANGUE DOS SERES HUMANOS COM VÍRUS E PUS DE ANIMAIS DOENTES, ALÉM DE ALUMÍNIO E MERCÚRIO. Revolta-te! Não deixes que te vacinem nem aos teus filhos e pais! A vacina faz adoecer! Não foi ela mas a água canalizada, o sistema de esgotos na grande cidade, a venda massiva de cebolas, alhos, frutos frescos e secos às classes trabalhadoras a causa do desaparecimento da varíola, do sarampo e outras «doenças de superfície». Os banhos de sol sem cremes protectores e o consumo de frutas, legumes frescos e ovos não de aviário, além do desporto moderado e da higiene corporal, conferem a imunidade transitória de cada dia. Imunidade a médio e longo prazo não existe, é um erro de raciocínio.

 

5-SINCRONISMO ONTOFONÉTICO. Em 6 de Setembro de 2020, as ideias de VIOLINO e de LÍNGUA emergem: a RTP emite, a partir de Carrazeda de Ansiães, o programa «Aqui Portugal» no qual uma jovem aparece a tocar VIOLINO, em «A Pracinha», cafetaria-livraria no centro de Beja, Ana Santos toca VIOLINO em um espectáculo musical ao ar livre muito concorrido, um acidente, ao início da tarde entre um carro e uma ambulância dos Bombeiros de Vila Praia de Âncora provoca oito feridos, um deles, uma mulher, vítima grave, que partiu o braço e ficou hematomas na cabeça, e outro um menino de 9 anos que é ferido na LÍNGUA, na EN13, em Carreço, Viana do Castelo, leio um documento da igreja de Palmar de Troya que refere que, em 21 de Julho de 1980, Clemente, o papa cego andaluz, rezou ante a LÍNGUA incorrupta de Santo António no santuário de este, em Pádua..

 

6- CUIDA DE REZAR O ROSÁRIO VÁRIAS VEZES AO DIA. ESTÁS MAIS PERTO DA MORTE DO QUE PENSAS. O tempo voa. A Virgem Santa Maria socorrer-te-á no momento da morte se desde já a invocares e louvares com 50 Avé Marias, 5 Pai Nossos e 5 Glórias em cada 20 minutos. Não sigas o ateísmo e o agnosticismo reinantes. Não tenhas medo de ficar isolada/o diante de as tuas amigas e amigos, ante os conhecidos e desconhecidos. Se os ateus crêem no átomo que não vêem porque não poderemos nós acreditar em Deus que não vemos mas inteligimos? Fala com a Virgem: «Santa Mãe do Céu, santifica-me. Dá-me saúde, Amor divino e castidade! A mim e aos meus familiares, colegas e vizinhos. A impureza da sexualidade livre leva muitas almas ao inferno disse a Virgem em Fátima em 13 de Julho de 1917».

 

7- SINCRONISMO ONTOFONÉTICO - De 2 a 4 de Setembro de 2020, as ideias de CASTELO, ALEXANDRA, FLOR, CRUZ e ANJO emergem: no dia 2, o presidente de CASTILLA (evoca: CASTELO) La Mancha pede o confinamento da «bomba pírica» que é a região de Madrid onde a pandemia aumenta, noticia-se que no Brasil a deputada FLORdelis e o seu marido, o pastor evangélico Anderson do Carmo Souza, entretanto assassinado, tinham relações sexuais com alguns dos seus 55 filhos adoptivos; no dia 3, noticia-se que o enfermeiro do Hospital de Beja José António da CRUZ , de 65 anos, está desaparecido desde o dia 31, empresto a um amigo o livro «Padre Pio e os ANJOS», defendo no FB a CASTIDADE (evoca: CASTELO) como virtude esquecida na actual sociedade hedonista, apresentam-me provas de que Francisco Marques venceu o concurso para Director de Cultura da Câmara Municipal de Beja mas foi ilegalmente preterido a favor da militante socialista FLORBELA Fernandes, escolhida pelo júri a 5 de Dezembro de 2019 para o cargo quando ainda faltava fazer em 19 de Dezembro a entrevista à candidata Isabel ; no dia 4, Jorge SERAFIM ( SERAFIM é um ANJO com seis asas, segundo a angeologia), contador de histórias bejense, é entrevistado por Júlio Magalhães no Porto Canal. ALEXANDRA Vieira, deputada do BE, visita o Museu Regional de Beja, ALEXANDRA C. comenta uma publicação minha crítica da disciplina de Educação para a Cidadania, o programa da manhã da RTP é transmitido a partir dos jardins do paço episcopal de CASTELO Branco, encontro por "milagre" uma pagela DE ORAÇÃO do santo padre Francisco Rodrigues da CRUZ, com relíquia de pano, que perdera há anos.

 

8-TANTOS IMIGRANTES NEGROS E INDIANOS EM BEJA! A cidade mudará no prazo de 10 ou 20 anos, islamizar-se-á. Ora o islamismo é um perigo para a Europa no plano político-religioso tal como o chinesismo, a expansão económica da China, é um perigo para a Europa . Os anti racistas são muitas vezes racistas ao contrário. Não faças mal a nenhum indiano ou paquistanês ou a nenhum africano. Reza o rosário. Casa com uma alentejana, não uses preservativos e faz-lhe filhos. Precisamos de aumentar a nossa etnia caucasiana. Tudo o resto é utopia, ingenuidade.

 

9-DIÁLOGO SOBRE A FÉ RELIGIOSA E O SOFRIMENTO Hélder afirma: «A austeridade de outras épocas mais severas não pode servir de veículo a qualquer fé, especialmente se for inculcada, não dando hipótese de escolha.Percebo que a pobreza, a tristeza ou qualquer calamidade sejam instrumentos para a comiseração, mas pessoalmente, acredito que a fé em qualquer crença não deve ser um escape para o sofrimento, mas o resultado de uma reflexão profunda, íntima e estritamente pessoal, longe de qualquer pressão do contexto. » Respondo: «Eu penso, Hélder, que a fé nasce do sofrimento ou é correlativa deste e não vejo mal nenhum nisso. A reflexão pode vir depois. Nós, afinal, viemos ao mundo para sofrer - tese comum ao padre Pio de Pietrelcina e ao filósofo ateu Schopenhauer. Aliás, Álvaro Cunhal pensava mais ou menos o mesmo: sacrificar a vida pela classe operária ( o deus dos comunistas idealistas) e pela fé na sociedade igualitária comunista como ele fez, aceitar o sacrifício pessoal ao ser torturado sem falar e preso anos a fio em celas isoladas, é ter fé num ideal terrestre. O comunismo é uma religião da imanência, dizia Fernando Pessoa.»

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), Só custa 5 euros em e-book. Basta depositares na conta PT50 abaixo indicada e informar-nos. CONTACTA-NOS.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 
 
 
 


publicado por Francisco Limpo Queiroz às 13:41
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 13 de Fevereiro de 2014
A crítica falaciosa de Kant a Berkeley

 

Na Crítica da Razão Pura, Kant desembainha a espada da crítica contra George Berkeley, a quem classifica de idealista dogmático. Atentemos  entre outras passagens,  na seguinte,  em que diz ser absurdo considerar que o espaço e o tempo existam em si mesmos, como reais, se se considera que os objectos materiais são irreais:  

 

«Com efeito, se considerarmos o espaço e o tempo como propriedades que, segundo a sua possibilidade, deveriam encontrar-se nas coisas em si e se reflectirmos nos absurdos em que se cai, desde que se admitam duas coisas infinitas, que não são substâncias, nem algo realmente inerente às substâncias, mas que devem ser contudo algo de existente e mesmo a condição necessária da existência de todas as coisas, já que subsistiriam, mesmo que todas as coisas desaparecessem, não se poderia mais censurar o bom do Berkeley por ter reduzido os corpos a simples aparência.» (Kant, Crítica da Razão Pura, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, pag 85-86; o negrito é posto por mim).

 

Kant tenta diferenciar fenómeno de aparência ou ilusão e atribuiu esta última categoria ao idealismo de Berkeley. É uma falácia. Já tratei este tema em outros artigos deste blog. Escreveu Kant:

 

«Seria culpa minha se convertesse em simples aparência o que deveria considerar como fenómeno. Eis o que não acontece segundo o nosso princípio de idealidade de todas as nossas intuições sensíveis; só quando se atribui realidade objectiva a essas formas de representação é que se não pode evitar que tudo se transforme em simples aparência.»(Kant, Crítica da Razão Pura´, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, pag 85; o negrito é posto por mim ).

 

 

Mas o que é atribuir realidade objectiva à representação? Kant fá-lo? Há uma objectividade realista e uma objectividade idealista. E Kant não as distingue, sequer... Aliás Kant diz o mesmo que Berkeley sobre os objectos físicos, pois não considera reais em si mesmos corpos como mesas, casas, árvores, átomos, sol, galáxia:

 

«Devíamos contudo lembrar de que os corpos não são objectos em si, que nos estejam presentes, mas uma simples manifestação fenoménica, sabe-se lá de que objecto desconhecido...de que, portanto, não é o movimento da matéria que produz em nós representações, mas que ele próprio (e, portanto, também a matéria que se torna cognoscível) é mera representação...»(Kant, Crítica da Razão Pura, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, nota da pag 363-364;o negrito é posto por mim). )

 

Eis a confissão de Kant: o fenómeno, o objecto ou a força material (o vento, o mar, a gaivota, a rocha, etc) é representação, é aparência de algo desconhecido. Se não são objectos em si, os corpos físicos são aparências. Não há meio termo: o fenómeno não é coisa em si, é ilusão tridimensional, é um conjunto de aparências. Kant tem exactamente a mesma posição de Berkeley, embora tente disfarçar o facto ao colocar «fenómeno» como meio termo entre coisa em si e aparência/representação. Mas de duas uma: o fenómeno ou é real ou não.

 

 O idealismo de Kant é, no essencial, o mesmo de Berkeley, com a diferença essencial de Berkeley afirmar Deus como real e Kant atribuir a Deus uma existência duvidosa (agnosticismo) classificando-o como númeno.  E as diferenças de Kant admitir a distinção ontológica entre qualidades primárias e secundárias e Berkeley não. E Kant construiu ainda as tábuas de categorias e de juízos puros, que são variações inessenciais do idealismo de Berkeley.

 

De duas uma: ou Kant era menos inteligente do que se pensa e interpretou mal Berkeley ou quis menorizar Berkeley, colhendo os louros de fundador do idealismo moderno,  e foi desonesto, deturpando a filosofia do bispo irlandês. Aposto nesta última hipótese.

 

Uma das provas da indigência intelectual dos filósofos consagrados dos séculos XX e XXI - como Heidegger, Russell, Sartre, Quine, Kripke, Goodman e tantos outros - e dos professores de filosofia em geral é não perceberem sequer esta identidade essencial: o idealismo de Kant é, ontologicamente, igual ao idealismo de Berkeley.  Que universidades são estas, incapazes de desmontar as falácias de Kant? Fechem-se as Faculdades de Filosofia! Não há nelas profundidade suficiente de pensamento. Só há títulos imerecidos, vaidades - exceptuando os títulos de alguns raros catedráticos de real valor, ultra minoritários no corpo docente.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

 

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:01
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 16 de Dezembro de 2010
Agnosticismo é o mesmo que cepticismo?

 

 

Agnosticismo é o mesmo que cepticismo? Será quádrupla e não tripla a estrutura geral da realidade? Agnósis significa, em grego, desconhecimento, sem conhecimento. Parece-me que há dois tipos de desconhecimento: o agnosticismo, ou seja, a privação do conhecimento; o cepticismo, ou seja, a negação do conhecimento. Mais uma vez me inspiro em Aristóteles, essa luminária genial da filosofia, que determinou duas vertentes do não ser: a privativa e a negativa. E há dois tipos de conhecimento: o dogmatismo positivo ( por exemplo: «o ser e tal ou tais entes, como o planeta terra, o electromagnetismo, a humanidade existem») e o dogmatismo negativo ( exemplo: «o ser e diversos entes como a Terra,o electromagnetismo e a humanidade não existem)».

 

A privação do conhecimento significa que nem sequer se faz ideia de que existe uma referência, um objecto, uma teoria a conhecer, numa dada área. Vive-se na pura ignorância: não há certeza, nem há dúvida. É a privação. É possível que certas tribos indígenas vivendo secularmente no meio da floresta da Amazónia ignorassem por completo, até ao século XIX ou mesmo até ao século XXI, a existência de outros povos e da civilização industrial mundial. Estariam em estado de agnosticismo puro.

 

Mas se um dos membros da tribo dissesse: «Vi, ao longe, gente estranha, com cor de pele diferente»  surgiria a dúvida, o cepticismo, na mente de alguns dos seus ouvintes. O cepticismo encerra em si algum conhecimento: o conhecimento de uma ideia, hipótese, não confirmada pelos orgãos dos sentidos, a fonte mais segura da verdade. Erram, pois, aqueles que dizem que todo o conhecimento é factivo, isto é, de factos reais, irrecusáveis. O conhecimento de hipóteses, de sonhos não é factivo, indiscutível, mas é conhecimento de algo. Aquele que duvida da existência de entidades extraterrestres conhece a hipótese de estas existirem mas nega à hipótese o transformar-se em certeza (dogma). Usa, pois, o livre arbítrio. Mas o que nunca viu nem ouviu falar de extraterrestres nem lhe ocorreu essa ideia está aquém da dúvida: não chegou sequer ao patamar do cepticismo. Está em absoluto privado do dogma, nesse campo, ao passo que o céptico sente-se vizinho do dogma e conhece o dogma sem o adoptar. Assim, há três posições: agnose (privação do conhecimento), dúvida (negação existencial de um conhecimento) e dogma (afirmação de um conhecimento).

 

  

«  www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 17:59
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

Reflexões breves de Setem...

A crítica falaciosa de Ka...

Agnosticismo é o mesmo qu...

arquivos

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
blogs SAPO
subscrever feeds