Segunda-feira, 9 de Setembro de 2013
Étienne Gilson: la existencia es el acto de todas las formas

En su libro «El ser y los filósofos», el filósofo francés neoescolástico Étienne Gilson (Paris, 13 de junio de 1884; Auxerre, 19 de septiembre de 1978) sostuvo que la forma verbal es , no es ni sujeto ni predicado, es decidir, no predica nada, signo significa solamente: existe. Gilson escribió: 

 

«Si decimos simplemente que una cierta cosa es, el juicio en cuestión es un juicio de existencia, y es un juicio perfectamente correcto: está completo y no requiere,  para que se entienda, de ningun otro término, con solo un término y un verbo esto es, el sujeto y el verbo es. No es dificil advertir por qué la lógica no sabe que hacer con tales proposiciones. Las proposiciones atributivas se refieren siempre a la existencia, salvo, precisamente, en la lógica : " Logicus enim considerat, modum praedicandi et non existentiam rei", dice Tomás de Aquino. (...) Las proposiciones existenciales, que no se ocupan de nada más que de la existencia actual, no son objectos adecuados de consideración para el lógico. No plantean problemas formales, porque no se ocupan de formas, sino de la  existencia, que es el acto de todas las formas. Si es cuestión de decir cómo son las cosas, es probable que se planteen muchos problemas, precisamente porque las cosas son de muchos modos diferentes. Hay tantos modos de ser como modos de relacionarse con la existencia actual. Existe el de la materia y el de la forma, el de la sustancia y el de los accidentes, tales como cantidad, cualidad, acción, passión, y todos los demás. Pero, cuando se trata de la existencia, todo es muy sencillo, porque x es o no es, y eso es todo lo que se puede decir acerca de ella. Los juicios existenciales no tienen significado a menos que se los entienda como verdaderos. Si la proposición Pedro es significa algo, significa que un cierto hombre, de nombre Pedro, es actualmente, o existe. Es no predica nada, ni siquiera la existencia, la pone, y no tiene objecto citar tal proposición en lógica formal, excepto como un ejemplo de toda una clase de proposiones que no son objecto de la lógica.»  (Étienne Gilson, El ser y los filósofos, páginas 260-261, Ediciones Universidad de Navarra, SA, 2005; el destaque en negrita es puesto por nosotros) .

 

Así la proposición «Algo es» ( y sus variaciones concretas como por ejemplo: «El cielo es», «El automóviL es», etc) está fuera de la lógica formal que requiere de proposiciones de tipo «S es P».

 

Los que absolutizan la lógica, reduciendo a la nada las intuiciones metafísicas extra lógicas pero racionales (ejemplo: la intuición de un Uno primordial del que brota la multiplicidad, la intuición de Díos o dioses, etc) como hacen muchos partidarios de la filosofía analítica, están en error. Porque, más allá de la lógica, está la ontología en cuanto doctrina y aprehensión de la existencia y eso sólo la intuición, sensible e inteligible, nos puede suministrar


www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:01
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

Étienne Gilson: la existe...

arquivos

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
blogs SAPO
subscrever feeds