Segunda-feira, 27 de Setembro de 2021
Sobredeterminação e subdeterminação, em Althusser e em Carnap

 

Louis Althusser, (16 de Outubro de 1918, Bir Mourad Rais, Argélia; 22 de Outubro de 1990, La Verrière, França), filósofo marxista francês, designa por sobredeterminação a posição dominante no seio da desigualdade entre os dois polos da mesma contrariedade, isto é, o facto de um dos polos ou aspectos ser dominante e sobredeterminar o outro, o dominado.  Assim, na contrariedade União Europeia/Portugal a Europa é o polo sobredeterminado, isto é, dominante sobre Portugal.

Inversamente, subdeterminação designa a posição de submissão do polo dominado, a sua fraca influência no devir da contradição, em certo momento.

 

Referindo-se à tese da ultima instância (factor preponderante numa dada  evolução histórica) na teoria de Marx, que não é sempre o factor económico mas, muitas vezes, o factor político, religioso ou outro, Althusser escreveu (o negrito não é dele) designando a contrariedade por contradição:

 

«Estas teses sobre a última instância, o todo estruturado com dominante, a sobredeterminação, a desigualdade da contradição, tinham um primeiro objectivo imediato que orientava o seu enunciado: reconhecer e marcar o lugar e a função da teoria no movimento operário marxista, não só tomando em consideração a célebre frase de Lenine: «sem teoria revolucionária, não há movimento revolucionário», mas entrando mais em pormenor para demarcar a teoria de confusões, mistificações e manipulações.» (...)

«Como pensar esta transferência da contradição principal do imperialismo para o elo mais fraco, e correlativamente, como pensar a estagnação da luta de classes nos países onde parecia triunfar, sem a categoria leninista do desenvolvimento desigual que reenvia à desigualdade na contradição, e à sua sobre e sub- determinação? Insisto propositadamente na subdeterminação, porque alguns, facilmente, aceitaram que se acrescente um pequeno suplemento à determinação, não suportaram a ideia da subdeterminação, isto é, dum limiar de determinação, que uma vez não franqueado faz com que abortem revoluções., movimentos revolucionários estagnem ou desapareçam, permite que o imperialismo apodreça continuando a desenvolver-se, etc.»

(Louis Althusser, Posições, Defesa da tese de Amiens, Livros Horizonte, Lisboa, 1977, pag. 151).

Assim, em época normal, nas sociedades capitalistas, a contradição entre o económico e o político tem, na sua superfície visível, a seguinte sobredeterminação: o aspecto económico é dominante – milhões de pessoas trabalham diariamente em ritmo normal nas fábricas, armazéns, escritórios, escolas, campos, etc – e sobredetermina o aspecto político, que é dominado – apenas algumas centenas de deputados e alguns milhares de presidentes de câmara municipal, vereadores e dirigentes de partidos políticos decidem coisas.

No entanto, se uma revolução se estende por toda a sociedade, com milhões de pessoas a parar o trabalho nas empresas e escritórios e a sair à rua com reivindicações políticas, o aspecto económico fica subdeterminado e o político sobredeterminado.

Há, no entanto, quem argumente que, mesmo nos períodos de funcionamento económico normal do capitalismo, a instância política (o Estado) sobredetermina, ininterruptamente, a instância económica.

 

Rudolf Carnap, (Ronsdorf, 18 de Maio de 1891; Santa Mónica, 14 de Setembro de 1970) um dos expoentes da filosofia analítica, entende por sobredeterminação o excesso de interpretação das nossas vivências, o excesso de conhecimentos utilizados para resolver um problema.

 

«A natureza lógica do conteúdo teórico das nossas vivências, que se mostra no facto de determinadas partes constituintes serem, por referência a outras, dispensáveis, designa-se como sobredeterminação. Na Matemática, costumamos chamar sobredeterminado a um problema quando são fornecidos mais dados do que os logicamente exigíveis para a resolução do problema, de tal modo que (pelo menos) um dos dados é dispensável por referência aos outros, isto é, pode ser derivado construtivamente a partir dos outros (através de cálculo ou através de construção geométrica). Neste sentido, as nossas vivências são (cognitivamente) sobredeterminadas. Nós vivenciamos mais do que aquilo que seria necessário para a obtenção dos conhecimentos alcançáveis»

(Rudolf Carnap, Pseudoproblemas na Filosofia, Edições Cotovia, Lisboa, 2002, pag. 23)

in «Dicionário de Filosofia e Ontologia», de Francisco Queiroz, pags 437-439

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 23:16
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

O fascismo médico da vaci...

Quem é Nossa Senhora?

As falácias do modus pone...

Utilitarismo versus deont...

Incoerência de Popper : v...

Sinarquia

Schopenhauer: a filosofia...

Sobredeterminação e subde...

Idealismo de Kant não é o...

17-20 de Setembro: Palma ...

arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
blogs SAPO
subscrever feeds