Quinta-feira, 2 de Julho de 2020
Manuel Ayllón: os partidos corrompem a democracia

 

Manuel Ayllón Campillo, arquitecto e escritor, nascido em Madrid em 1952, um dos arquitectos de maior prestígio em Espanha na actualidade, antigo professor na Escola Superior de Arquitectura de Madrid e conselheiro do Corredor Verde Ferroviário, teorizou que a democracia liberal está sequestrada por elites. Este autor de obras como «La piedra del diablo», «El caso Lorca: fantasia de un misterio», «Conspiración contra el rey»  escreveu: 

«A invenção do Purgatório entre os anos 1150 e 1250 na cristandade  ocidental tem por objecto pensar o que está no meio, o intermediário entre a morte individual e o Juízo Final, entre o tempo celeste e o tempo escatológico, entre o espaço do Paraíso e o do Inferno. " Estrutura lógica, matemática, o conceito de intermediário está vinculado às mutações profundas das realidades sociais e mentais da Idade Média. Não deixar sós, frente a frente, os poderosos e os pobres, os laicos e os clérigos, mas buscar uma categoria mediana, classes médias ou terceira ordem numa sociedade transmutada" (J. Le Goff, La naissance du Purgatoire). Fora da antiga lógica orgânica, os partidos devem constituir corpos intermédios entre o lugar da actividade civil e o da representação da opinião. Estão aí para tornar operativa a lógica da separação, mas também para superá-la e passar da divisão natural e artificial das mónadas à unidade artificial e política da colectividade.»

 

(Manuel Ayllón, La democracia secuestrada, Ediciones Akal, SA, Madrid 1997, pág. 91; o destaque a negrito é posto por nós)

 

Os partidos políticos na tríade da dialética hegeliana - tese ou afirmação, antítese ou negação e síntese ou negação da negação - desempenham o papel de síntese, que é o meio termo, a conciliação e superação dos contrários. Assim entre as empresas capitalistas e os cidadãos em geral existe o Estado e os partidos políticos que o moldam e que amortecem o choque entre os empresários e os assalariados, em regra a favor dos primeiros.

 

O FINANCIAMENTO DO ESTADO AOS PARTIDOS POLÍTICOS, SINAL E FONTE DE CORRUPÇÃO

 

O simples facto de os partidos receberem subvenções anuais e financiamento do Estado nas campanhas eleitorais corrompe a democracia. Em Portugal, cada voto para as eleições legislativas de 6 de Outubro de 2019 rende por ano 2,90 euros ao partido, ou seja 11,6 euros em quatro anos. Recebem esta subvenção os partidos que recolherem pelo menos 50 mil votos, mesmo que não obtenham representação parlamentar. A subvenção que os partidos recebem para a campanha é um bolo  de quase sete milhões de euros. Esta subvenção não pode ser superior às despesas dos partidos, ou seja, recebem consoante o que gastam, tendo este tecto. Manuel Ayllón escreveu:

 

 «A corrupção mais perigosa para a democracia é a que tem permitido a todos os partidos políticos acumular recursos tão consideráveis e tão independentes da contribuição voluntária dos seus membros que lhes permitem escolher os candidatos às eleições e assegurar o êxito de certo número de eles, rindo-se deste modo do princípio da escolha livre dos dirigentes pelos dirigidos. (...) Mas a partidocracia destrói a democracia privando-a da sua representatividade levando-a ora ao caos, ora à dominação de facto de grupos económicos dirigentes, à espera da intervenção de um ditador».

 

(Manuel Ayllón, La democracia secuestrada, Ediciones Akal, SA, Madrid 1997, pág. 133; o destaque a negrito é posto por nós).

 

Os partidos vivem de um discurso retórico que ilude os seus eleitores graças à influência da televisão, jornais e estações de rádio subservientes aos grandes grupos económicos (grupo Barraqueiro, Mota Engil, Teixeira Duarte, grupo Melo, grupo Espírito Santo, Sonae, etc). São estes grupos que financiam o presidente da república, o primeiro ministro, os deputados nacionais, os autarcas, os jornalistas, os autores dos programas e manuais escolares de filosofia, as editoras e têm tudo atado e bem atado.

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), CONTACTA-NOS.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 15:10
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Reflexões breves de Agost...

A essência como conceito ...

Astronomia e acidentes do...

Marte em 18º de Carneiro:...

Astronomie et incendies d...

Úrano em 10º de Touro: F....

Erros no Exame nacional d...

Breves reflexões de Julho...

Manuel Ayllón: os partido...

Mart en 25º de Aries a la...

arquivos

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
blogs SAPO
subscrever feeds