Terça-feira, 9 de Janeiro de 2018
A lei da atração, isenta da culpabilidade inerente às religiões

 

O livro «O segredo» de Rhonda Byrne alcançou há poucos anos um sucesso internacional ao definir a lei da atração (o semelhante atrai o semelhante, o pensamento atrai o objecto ou o ambiente pensado e imaginado) como modeladora do destino individual de cada um. Se pensarmos de modo pessimista ou desejarmos mal a alguém, o fracasso e o mal vêm ter connosco. Se pensarmos de modo otimista e desejarmos o bem, atrairemos este. O interessante que é que esta apologia da psicotrónica, que admite o valor da oração a Deus, colide com a grande maioria das religiões na medida em que estas pensam sistematicamente o pecado e tornam a vida cinzenta com prescrições legalistas - ora pensar o pecado e o complementar remorso é atraí-los à nossa vida. Na boa prática da lei da atração não há que pensar no mal nem em agravos do passado mas pedir, agir e estar grato ao universo ou a Deus. Escreve Rhonda:

 

«PONTOS CHAVE DO PROCESSO CRIATIVO  

«Para a lei da atração nada é impossível e tudo é possível».

«Aquilo em que mais pensar é aquilo que mais vai atrair para a sua vida».
«Peça, Acredite, Receba - apenas três passos simples para criar aquilo que quer.»

«O primeiro passo do Processo Criativo é pedir.»
«Pode ser tão específico quanto desejar».
«Assim que tiver pedido, saiba que aquilo que quer já é seu.»

«O segundo passo do Processo Criativo é Acreditar. Aja, fale e pense como se já tivesse recebido aquilo que deseja».
«Como é que o Universo lhe vai trazer aquilo que deseja não é nem preocupação nem tarefa sua».
«Quando você acredita, o Universo tem de mover todas as forças por forma a que receba.»

«Teste o poder de O Segredo pedindo algo pequeno».

«O terceiro passo do Processo Criativo é receber. Quando se sente bem, está na frequência de receber e as coisas que deseja vão chegar até si.»
« Peça uma vez, acredite que já recebeu e tudo o que precisa para receber é sentir-se bem».
«Mude os seus pensamentos agora e vai mudar a sua vida».

(Rhonda Byrne, Como o Segredo Mudou Minha Vida, Lua de papel, pp. 48-49).

 

ESQUECER O PASSADO NEGATIVO, NÃO O RECAPITULAR

 

Há quem diga que é impossível esquecer o passado. Mas as imagens e emoções negativas do passado devem ser deixadas em repouso, pois reavivá-las é projectar remoinhos de cólera ou inquietação sobre o momento presente, o único verdadeiramente vivo. Escreve Rhonda:

 

«ABRA MÃO DO PASSADO- Se está constantemente a passar a sua vida em revista e a focar-se nas dificuldades do passado, só está a trazer mais dificuldades para a sua vida actual. Quando pensa no passado, abra mão de todas as coisas de que não gosta na sua infância e mantenha apenas as que gosta. Abra mão das coisas de que não gosta na sua adolescência e na vida adulta e mantenha apenas as boas. Quando o fizer, vai descobrir que se começa a sentir cada vez mais feliz. Quanto mais pensamentos positivos tiver, mais repara nas coisas que adora e que o fazem sentir-se bem, e mais feliz se torna.»

«Atraímos aquilo que somos e, quando estamos felizes, atraímos pessoas felizes, circunstâncias felizes e acontecimentos felizes para as nossas vidas.»

(Rhonda Byrne, Como o segredo mudou a minha vida, Lua de Papel, pág. 56).

 

 

 www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 © (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:45
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A confusão de transformis...

O mistério do grau 2 do s...

Le croissant de lune en f...

A Lua em Crescente na fin...

Croácia, a vencedora do M...

Máximo Ferreira: astrónom...

O melhor horóscopo para o...

Breves reflexões de Julho...

Marte em quadratura ao Sa...

A tese errónea de Osho qu...

arquivos

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds