Sexta-feira, 22 de Outubro de 2010
Sobre o ser, o ente, a essência

O ser não tem forma. Só o ente - o que é - tem forma. Esta flutua no oceano ilimitado do ser. A forma possui a qualidade de ser. A forma é. Em Parménides, confunde-se o ser com a essência esfera, una, homogénea, contínua. Em Platão, formas eternas variadas - a Esfera, o Belo, o Bem, o Justo - e ser confundem-se. Parménides foi o primeiro existencialista: fez coincidir a existência com a essência ou forma. Em Aristóteles, o ser não coincide com as formas, engloba estas mas é mais extenso do que elas, inclui a matéria actualizada, a matéria organizada, tocada pela "varinha mágica" da forma. Aristóteles distingue com suficiente precisão o ser do ente ligando este ao uno.

 

Em Heidegger, o ser possui uma forma ou estrutura geral de tal modo que o ek-sistencialismo heideggeriano não é mais do que um essencialismo- o ser é,  para Heidegger, o Ente universal que atravessa todos os entes. O existencialismo contemporâneo, em especial Sartre, destaca a dissolução momentânea da forma ou essência psíquica de cada um no existir sem forma, de tal modo que a essência se renova e altera a cada instante, como cabeça humana emergindo do rio caudaloso da existência.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 23:03
link do post | comentar | favorito

19 comentários:
De Hudson a 17 de Outubro de 2016 às 01:28
Prezado:

Como gostaria de entender tais conceitos: SER, ENTE, FORMA, ESSÊNCIA etc.
Lendo Tomás de Aquino, não entendo. Lendo comentaristas, fico confuso e pergunto do que estão falando.
Ajude-me.


De Francisco Limpo Queiroz a 17 de Outubro de 2016 às 08:20

Antes de mais, Hudson, note que os filósofos dão diferentes interpretações do mesmo termo. Por exemplo, ser pode significar: a essência geral do universo (para Heráclito, o fogo; para Platão, os arquétipos) ou pode significar o existir puro e simples que não é nenhuma essência. Ente algo que existe: pode ser a essência geral do universo ou cada coisa particular (rosa, homem, etc) em abstrato. Forma é o tó tí de Aristóteles, a figura física ou ideal de algo. Essência é a forma fundamental de algo.


De Sofia a 16 de Setembro de 2017 às 23:15
ser pode ser ente?


De Francisco Limpo Queiroz a 17 de Setembro de 2017 às 19:59

Em certo sentido, pode (o ente rosa é um «ser» material); em outro sentido, não (o ente é, transporta em si ser, existência).


De Ivo a 9 de Dezembro de 2017 às 12:01
Olá, estou começando a ler Heidegger e achando muito difícil. Ainda com sua explicação, não consigo entender o que seria o Ser e o que seria o Ente.
Segundo o que li, Ser é aquilo que tem a capacidade de se projetar no tempo. Nesse sentido, tenho a ideia de que Ser, para Heidegger, é algo relativo à Consciência, já que é por meio desta que a projeção acontece, e que o Ser, seja lá o que isso signifique, pode pensar sobre si mesmo.
O Ente seria aquilo que existe sem consciência e o Ser é aquilo que existe com consciência?


De Francisco Limpo Queiroz a 10 de Dezembro de 2017 às 09:05

Não creio ser correcto dizer que o Ser seja a consciência e o Ente a inconsciência. Em Parménides, que Heidegger imita de certo modo, o tó on (Ente) é o Ser (Einai). Heidegger dá a Ente o significado de Ser, a estrutura geral de tudo, e outras vezes o significado de Ser Aí, Dasein, o homem na sua subjectividade. O Ser não é Deus, nem um anjo, nem um homem, é o mais próximo e o mais distante, nas palavras de Heidegger. É o destino do homem.


De Paulo a 20 de Maio de 2018 às 15:28
Tudo errado: em HEIDEGGER se fala do ser através do ente, por isso o ser é transcendente, não temos acesso ao ser, mas ele se dá através do "aí", ele se mostra atraves do ente...e vc vem dizer que heidegger é essencialsta, nunca meu caro...pois ele não define o ser em nenhum momento


De Francisco Limpo Queiroz a 22 de Maio de 2018 às 06:29
Pelos vistos o meu contraditor só conhece unilateralmente as teses de Heidegger.

Este afirmou: «A determinação introdutória "Ser é o transcendente como tal" reúne, numa simples frase, a maneira como até agora a essência do ser se manifestava ao homem.» (Martin Heidegger, Carta sobre o Humanismo, pag 77, Guimarães Editores).

O próprio Heidegger admite que o ser tem essência. Estamos pois ante um essencialismo uma vez que o ser dispensa, lança o destino, a essência precede a existência.


De Paulo a 24 de Maio de 2018 às 00:39
- vamos lá, vc diz:
" Parménides foi o primeiro existencialista: fez coincidir a existência com a essência ou forma."
-Ele não fez isso, para parmênides o mundo é uma ilusão(o não ser). Já o ser é uno e eterno, o ser é a unica realidade, para parmênides o ente(as coisas do mundo) é apenas ilusão, parmênides é bem mais radical que heraclito, pois para heraclito a verdade vela e desvela( é o que se mostra(ente), mas é o que não se mostra tb, melhor dizendo: seria a conjunção do ente com o ser( ele chama de uno)
agora vamos a heidegger: quando heidegger diz que o ser destina ele não esta falando de fatalidade, de essencia pronta que é dada ao homem, em a questão da tecnica heidegger diz
"O homem é sempre governado pelo destino do desvelamento. Mas nunca é uma questão de fatalidade de uma restrição. De fato, o homem só se torna livre na medida em que, de fato, pertence à esfera do destino e assim se torna uma pessoa que escuta, mas não um servo ".
O seu ponto de partida é o esquecimento do ser promovido pela compreensão da essência como substância e do homem como sujeito. O seu projeto consiste na superação desse esquecimento com a recordação do sentido existencial de ser-no-mundo
vc diz:
"o ser possui uma forma ou estrutura geral "
o ser não possui uma forma ou estrutura geral meu amigo, esta errado, do ser não se pode falar nada sobre sua constituição, ele não é uma substancia, algo que tem uma forma ou uma estrutura geral como vc diz, do ser só se pode falar: o ser(seyn) vela o proprio velar do ser(sein) no desvelamento dos entes, dele emerge o destino e é ele que dá ser e da tempo





De Francisco Limpo Queiroz a 24 de Maio de 2018 às 11:58
Você equivoca-se. É incapaz de distinguir ser como verbo existir (einai, em grego) de ser como ente ou sendo ( tó ón). No seu poema, Parménides fala do ser como ente (tó ón). Aliás, o próprio Heidegger se refere ao ser por vezes como o Ente. Heidegger sempre jogou ambiguamente com os dois sentidos da palavra "ser".

Quando eu digo que Parménides fez coincidir a essência do ser, enquanto sendo ou Ente, com a existência estou na verdade: o ser (tó on) é uma esfera invisível, eterna, una, imóvel, homogénia, presa nas cadeias da Necessidade. Este ser é uma essência, embora abstracta.

Esta esfera invisível e imperceptível aos sentidos existe desde a eternidade, ou seja, é. Portanto, Parménides fez coincidir a essência esférica com a existência.

Você cai no mesmo pensamento surrealista e charlatanesco que Heidegger ao dizer: «o ser não possui uma forma ou estrutura geral meu amigo, esta errado, do ser não se pode falar nada sobre sua constituição, ele não é uma substancia, algo que tem uma forma ou uma estrutura geral como vc diz».

Você deturpa o que eu escrevi. Eu não disse que o ser é uma substância mas sim uma estrutura, uma essência geral que engloba o ser aí e os entes do mundo. Se o ser não tem essência como você afirma, é um nada, um não ser. E isso tornaria absurdo o pensamento de Heidegger que diz que «o homem é o pastor do ser»: o homem passaria a ser o pastor do nada. É a forma geral ou essência que distingue o ser como ente do não ser.

Você não entendeu isto e repete mecanicamente o palavreado de Heidegger: desvelamento, esquecimento da verdade do ser, blá, blá...Enfim, a pobreza do pensamento heideggeriano, cheio de lacunas.


De Francisco Silva Babilonia a 31 de Maio de 2018 às 20:50
-Você diz no seu texto que:
" fez coincidir a existência com a essência ou forma"
parmenides diz que o ser é imutavel, pois se fosse mutável deixaria de ser o que é, a existência é mutável e flui como um rio, portanto não fez coincidir a essência com a existência, além do mais disse que o ser é imperecível e não pode ser gerado, nada disso coincide com a existência
Vc diz:
“o próprio Heidegger se refere ao ser por vezes como o Ente”... apenas quando heidegger refere-se ao ser como abertura aos entes( ser aí), ele pode considerar o ser(sein) como ente, pois este ser esta conectado ao ser maior(seyn) entenda que todos somos seres(sein) conectado a um ser maior(seyn). Este ser maior heidegger chama de ser(seyn), portanto ser(seyn) vela o próprio velar no desvelamento dos entes para o ser aí. A presença(ser) são instaurada pelo ser(seyn).. ser(seyn) nunca pode ser referido como ente. Espero que tenha entendio a diferença entre ser(sein) e ser(seyn) que heidegger usa.


De Francisco Limpo Queiroz a 31 de Maio de 2018 às 23:31
As suas leituras de Heidegger geram interpretações equívocas, Francisco Babilónia. Você diz que Parménides foi muito mais longe que Heráclito mas não é isso que Heidegger escreveu, como aqui se patenteia:

« E que devir é o contrário de ser é uma antiga noção tão antiga como a filosofia como o reflectir sobre o ente e o ser. (...) Os dois grandes pensadores Heraclito e Parménides movem-se, nas suas visões fundamentais e nos seus princípios, precisamente nesta contradição originária, que daí em diante domina todo o questionar da filosofia ocidental, até ao presente.» (Martin Heidegger, Lógica a pergunta pela essência da linguagem, Fundação Calouste Gulbenkian, pág 179).

Eu não dou à palavra existência o sentido restrito que você dá, Babilónia, e estou no meu direito. Quando Parménides escreveu que «O ente é» este «é» significa: existe eternamente e imutavelmente. A eternidade é para mim existência (os arquétipos de Belo, Bem, Círculo na teoria de Platão são modelos eternos, existem no suprassensível). A existência é mutável em Kierkegaard mas a existência dos arquétipos em Platão é imóvel e imutável.

Seria interessante que citasse Heidegger sobre a diferença «Sein» / «Seyn» - que livro, página, editora, etc.

Pelos vistos, na sua idolatria por Heidegger, o Francisco Babilónia não detectou que, sem embargo de ser um filósofo muito inteligente, Heidegger mentiu ao dizer que Kant interpretou o ser como «ser diante dos olhos». Isto é redondamente falso. Ser diante dos olhos é uma perspectiva realista ( ex: cadeira está ali diante e fora de mim) mas Kant considerou que a cadeira é produzida na sensibilidade pelas formas a priori do espaço e do tempo operando sobre o caos sensorial - uma concepção idealista, do ser dentro da sensibilidade.


De Francisco Babilonia a 2 de Junho de 2018 às 02:01
--Vc diz no seu comentário que seria interessante que citasse a diferença entre sein e seyn, que livro e página, lógico amigo: . . . Na página 11(primeira página) do livro MEDITAÇÕES(séries de textos de heidegger) o tradutor do livro Marco Casanova fala sobre a distinção entre sein e seyn e por questão de gráfia o tradutor usa sein como ser e seyn como seer. Neste livro heidegger expõe mais as questões de seyn(seer) do que do ser(sein). Pois é de seyn(seer) que emerge o esquecimento do seer. É ele que da ser(sein) e da tempo, é ele que instaura a história do ser, que sempre é história do esquecimento do seer. Enquanto ser é o que todos temos, mas esquecemos que recebemos o nosso ser do seer, atestamos o ser na presença, mas esquecemos o seer. o ser(sein) pode ser tratado como ente. É um livro de muita profundidade para quem quer conhecer o pensamento de heidegger. Lembrando que muitos tradutores são desatentos para a questão de sein e seyn e não diferenciam em suas traduções e matam todo o significado que heidegger quer dar, no brasil apenas Ernildo Stein e Marco Casanova tem condições de traduzir qualquer obra de heidegger, pois conhecem a fundo a filosofia de heidegger. . vc diz: ...” Você diz que Parménides foi muito mais longe que Heráclito” . . . amigo em momento nenhum disse isto, apenas disse que parmenides foi mais radical que heraclito, radical no sentido de ser mais direcionado a raiz ou fundamento( este é o significado da palavra neste contexto) no sentido de direcionar sua filosofia apenas para o ser, ele fixou a sua filosofia no ser imóvel e uno a fonte de tudo o que é, pois vc disse que parmendes fez a existência coincidir com a existência, como já lhe disse a existência é mutável e para parmenides o ser é imutável e não gerado. . . Vc diz: “ mas Kant considerou que a cadeira é produzida na sensibilidade pelas formas a priori do espaço e do tempo” . . . amigo as formas a priori são entes, isso vem lá de platão, aliás vc lê parmenides com os olhos de platão, por isso heidegger diz que o mundo ocidental desde platão degrada com o ser, apenas Parmenides e Heráclito conceberam a verdade como um desvelar-se do ser como provaria o sentido etimológico de alétheia(desvelamento)..





De Francisco Limpo Queiroz a 4 de Junho de 2018 às 14:35
Caro F. Babilónia, não vou dizer que Heidegger não tenha distinguido entre seyn, ser como fonte, e sein, ser como a água que brota da fonte e banha os entes. Mas gostaria de ler as próprias palavras de Heidegger e não do tradutor que a elas alude...

Noto que o Babilónia não respondeu à acusação que faço a Heidegger de este falsificar a gnoseologia de Kant ao dizer que este interpreta o ser como «ser diante dos olhos».

E o Babilónia parece não compreender o que são formas a priori, nomeadamente em Kant, quando você escreve: «amigo as formas a priori são entes, isso vem lá de platão, aliás vc lê parmenides com os olhos de platão, por isso heidegger diz que o mundo ocidental desde platão degrada com o ser, apenas Parmenides e Heráclito conceberam a verdade como um desvelar-se do ser como provaria o sentido etimológico de alétheia(desvelamento)»..

Tenho de corrigi-lo, Babilónia, desculpará. As formas a priori em Kant não são entes, são qualidades do ente humano, do espírito humano: as formas a priori da sensibilidade são o espaço e o tempo (irreais, materialmente falando) e as formas a priori do entendimento são as categorias e os juízos puros.

Quanto à definição de ser que Heidegger esfuma com a sua misteriosa linguagem não é mais que a continuação da teologia negativa de mestre Eckhart: «sabemos o que Deus não é, não sabemos o que é.» Mística judaica...


De Paulo ou Francisco Babilonia a 7 de Junho de 2018 às 00:28
Caro Francisco Limpo Queiroz, vc diz:...."são qualidades do ente humano, do espírito humano: as formas a priori da sensibilidade são o espaço e o tempo (irreais, materialmente falando) e as formas a priori do entendimento são as categorias e os juízos puros. ".....para que estas formas a priori da sensibilidade tenham algum sentido e entrem no campo do cognoscível (daquilo que se pode conhecer), elas precisam, em primeiro lugar, serem colocadas em formas a priori da intuição, que são o espaço e o tempo, sim é isto o que kant diz,.....A crítica de heidegger é que kant fez uma analitica transcendental no lugar de uma existêncial, kant cria um principio organizador da causalidade criando um abismo entre o conhecimento do mundo natural e a justificação do conhecimento, heidegger tem como meta o pensar filosófico que abre espaço aos dados sensiveis para que eles venham ao nosso encontro e não um principio organizado atraves de causalidade como kant construiu.


De Francisco Limpo Queiroz a 7 de Junho de 2018 às 05:26
Caro Francisco Babilónia, sobre formas a priori fui claro ao dizer que você se equivoca ao chamar entes a estas.

Você sustenta que "A crítica de Heidegger é que Kant fez uma analitica transcendental no lugar de uma existêncial,»...

Como se deixa enganar pelos truques da linguagem do maior sofista do século XX: Heidegger! Não existe oposição entre transcendental e existencial ou existenciário no vocabulário de Heidegger: o ser com, o ser no mundo, o ser junto a, o encontrar-se, o compreender, a facticidade, etc. são existenciários, estruturas ou propriedades a priori ou transcendentais.

O charlatanismo da terminologia heideggeriana vai ao ponto de chamar ek-sistência àquilo que a generalidade dos filósofos chamou essência.

E Heidegger tem a pretensão ridícula de ter sido ele o primeiro a fazer a analítica existenciária do ser aí! Ora, ora, David Hume já o fizera ao sustentar que o eu não existe e que os objectos do mundo exterior são meras probabilidades, suposições, dado que não temos modo de transcender o nosso eu.

O Francisco Babilónia também se engana quando escreve que a crítica de Heidegger sustenta que «Kant cria um principio organizador da causalidade criando um abismo entre o conhecimento do mundo natural e a justificação do conhecimento, heidegger tem como meta o pensar filosófico que abre espaço aos dados sensiveis para que eles venham ao nosso encontro e não um principio organizado atraves de causalidade como kant construiu.»

Heidegger não suprimiu de modo nenhum o princípio da causalidade: quando ele diz por exemplo que «o fundamento ontológico-existenciário da limguagem é a fala» (El ser y el tiempo, pag 179, edición Fondo de Cultura económica) está a dizer que a fala é a causa da linguagem. Quando Heidegger escreve que «o fundamento ontológico original da existenciaridade do "ser aí" é a temporalidade" (El ser y el tiempo, pag 256, edición Fondo de Cultura económica) está a dizer que a temporalidade é causa ou concausa do ser aí.

E quando o Babilónia escreve que «Heidegger tem como meta o pensar filosófico que abre espaço aos dados sensiveis para que eles venham ao nosso encontro» está certamente a confundir Heidegger com Husserl pois Heidegger nega o realismo natural, dizendo por exemplo, que mão assente no tampo da mesa não chega realmente a tocar a mesa.

A «Física» de Aristóteles é um livro intelectualmente superior ao «Ser e Tempo» de Heidegger.


De Luiz Fernando Coelho a 4 de Junho de 2018 às 19:04
Discussão inútil: ser e ente são apenas categorias, formas apriorísticas para pensar os objetos do conhecimento. Estes são os correlatos intencionais da consciência cognitiva. Como categorias, eles têm seu âmbito de abrangência. O se é mais amplo: tudo o que existe ou não existe, mas que pode ser pensado objetivamente; e o ente é tudo o que existe em si, ou pelo menos o que pode ser pensado como tal. Todo ente está situado em alguma das regiões do ser,real ou ideal.,


De Francisco Limpo Queiroz a 5 de Junho de 2018 às 00:19
Agradeço o seu comentário Luís Fernando Coelho. Permita-me discordar da sua tese de que em Heidegger «ser e ente são apenas categorias, formas apriorísticas para pensar os objetos do conhecimento.»Heidegger escreveu: «Existenciários e categorias são as duas possibilidades fundamentais de características do ser.».(Heidegger, El ser y el tiempo, Fondo de Cultura Económica, pag 57).


Portanto, o ser e os entes não são categorias. São conteúdos para além das categorias. Estas são modos de "tentar ver" o ser mas não são o ser. Heidegger escreveu: «Por derivarem da existenciaridade, chamamamos aos traços do "ser aí" existenciários. Há que distingui-los rigorosamente das determinações do ser do ente que não têm a forma do ser aí, às quais chamamos categorias.».».(Heidegger, El ser y el tiempo, Fondo de Cultura Económica, pag 56).

Também não posso concordar que o ser é tudo quando o Luís Coelho escreve: «O ser é mais amplo: tudo o que existe ou não existe, mas que pode ser pensado objetivamente».

O esquecimento do ser ou o afastamento do ser faz parte do ser? Não faz. Há um domínio exterior ao ser e oposto a ele.



De Paulo ou Francisco Babilonia a 6 de Junho de 2018 às 23:53
Caro Luiz Fernando Coelho, inútil ou útil é relativo, para você é inútil, beleza, sem problemas...vc diz:..." ser e ente são apenas categorias, formas apriorísticas para pensar os objetos do conhecimento."............heidegger não quer pensar os objetos do conhecimento como vc diz, ao contrário, ele quer sair desta cadeia, onde o homem vira -uma relação sujeito-objeto com o ente, um representador... heidegger quer um recuo diante do ente, ele quer um espaço para o encontro com o ente, para que o modo de ser do ente apareça. O espaço que heidegger fala, é dado na relação ser-homem. A esperiência objetiva se transforma em um encontro para revelar o lado não objetivo da coisa....entende, vou repetir: “ para revelar o lado não objetivo da coisa”...... se penso em algo como categoria como vc disse, já estou me colocando como sujeito e perco este algo que apresenta diante de mim transformando este algo em um objeto do conhecimento..


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
14

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

Equívocos no Programa de ...

É a vacinação que dissemi...

Graus 23º-24º do signo de...

Reflexões de Setembro de ...

Equívocos da Lógica Propo...

«Dicionário de Filosofia...

Lançamento em Beja de «Di...

Equívocos da Lógica Propo...

Júpiter em 15º do signo d...

A confusão de transformis...

arquivos

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds