Quarta-feira, 21 de Setembro de 2022
Linguagem hipnótica de Heidegger
Um filósofo português muito inteligente, que muito estimo, diz-me:

«Muitas nsanidades estão em voga.Inicialmente tínhamos a sigla "LGBT", depois passou a "LGBTQ". E agora já há propostas para "LGBTQZ", incluindo o "zoófilo".»

 

«Agora, eu tenho a tendência para ligar estes desvarios a derrocadas filosóficas e intelectuais. Por exemplo, neste caso, parece-me plausível ligar estas tendências à perda progressiva do "princípio da adequação" em Filosofia, e à progressiva erosão do sentido comum natural. E até à ascensão avassaladora de noções como a "desconstrução" e o "desconstrucionismo". E o "desconstrucionismo" vem, inicialmente, de Heidegger.

A propósito, cada vez que leio Heidegger apercebo-me dos malabarismos linguísticos e da linguagem hipnótica de Heidegger. Posso dar quatro exemplos.»

 

1) «A professora "heideggeriana" Irene Borges-Duarte escreve a certo momento, num livro, que "Heidegger progride anfibologicamente". Ora, a anfibologia é uma falácia. E o filósofo deve evitar falácias, suponho. Não é?»

 

2) «É frequente em Heidegger termos e trechos do tipo "abre ao mesmo tempo que fecha", "revela-se ao mesmo tempo que se oculta", etc.. Ora, isto é violar o princípio da não-contradição. Ou não é? Note-se que, mesmo em poesia, quando se expressa uma antítese (como por exemplo aquela do Pessoa de "não sei e sei-o bem), a interpretação vai no sentido de que "não sei num determinado aspecto... " e "sei-o bem noutro aspecto...". Penso que esta escrita de abundantes contradições de Heidegger tem um efeito mental nocivo, de uma espécie de "esfarelamento da mente", semelhante à dissonância cognitiva. Assim, parece-me que quem lê muito prosa deste tipo, contraditória, fica com a mente dissolvida. Daí Jung dizer que a escrita de Heidegger é esquizofrénica (como você assinala em seu Dicionário de Filosofia e Ontologia).»
 

3) Outro exemplo que me ocorre agora é a nominalização de verbos, e isso leva-me a interrogar-me acerca dos efeitos das nominalizações na mente de quem lê. Quando se escreve, por exemplo, "o dizer-se", "o fazer-se" etc., ocorre-me observar que se trata se acções. Só que ao colocar-se o artigo antes, nominaliza-se o verbo, que fica, digamos, "fossilizado". Diria mesmo que isto causa "coágulos" mentais hipnóticos, pretendendo atribuir consistência ontológica onde só há processos. É caso para dizer que "dizer-se" não é um "o", que "fazer-se" não é um "o", e assim por diante.     

 

4)«Outro exemplo é a prosa em fraccionamento. Os hipnólogos bem conhecem a técnica do "fraccionamento", que consiste em repetir insistentemente a mesma ideia, ainda que usando outras palavras, em intervalos curtos. É uma espécie de "martelamento" mental, uma espécie de mantra escrito ou lido. O filósofo Jean-François Revel diz-nos que os escritos de Hitler e Estaline são assim. Identifico em Heidegger o mesmo procedimento, ainda que, naturalmente, com outro vocabulário.»



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 19:37
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
16
19

20
21
22
23
24
25

27
28
29
30


posts recentes

24 a 26 de Novembro de 20...

Astrologia: Portugal venc...

A nova esquerda e a colon...

As lectinas da carne de v...

O flúor/ alumínio é um ve...

O flúor/ alumínio é um ve...

Meditação sobre a Letra A

Maurice Caillet: não se p...

Água em garrafas de plást...

Comer três ou mais vezes ...

arquivos

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
blogs SAPO
subscrever feeds