Quarta-feira, 26 de Agosto de 2020
Schopenhauer: impressão sensorial, palavra e conceito

 Artur Schopenhauer( Danzig, 22 de Fevereiro de 1788 — Frankfurt, 21 de Setembro de 1860) escreveu sobre as impressões sensoriais, as palavras e os conceitos:

 

«Só há uma coisa que não está sujeita a essa desaparição instantânea da impressão nem à paulatina difuminação da sua imagem, ou seja, que está livre do poder do tempo: o conceito. Nele têm de depositar-se os ensinamentos da experiência e só ele está apto para ser um guia seguro dos nossos passos na vida. Com razão diz Séneca: "Se queres submeter tudo a ti, submete-te à razão." Epístolas, 37, 4. Eu acrescento que para impor-se aos outros na vida real, a condição irrecusável é ser reflexivo, quer dizer, operar segundo conceitos. Um instrumento tão importante da inteligência, como é o conceito, não pode identificar-se com a palavra, este mero som que como impressão sensorial desaparece com o presente ou como fantasma auditivo desaparece com o tempo. Sem embargo, o conceito é uma representação, cuja clara consciência e cuja conservação está vinculada com a palavra. Por isso os gregos denominavam "palavra", "conceito", "relação", "pensamentos" e "razão", com o nome do primeiro: o lógos

 

(Schopenhauer, El mundo como voluntad y representación, 2, Alianza Editorial, Madrid, 2016, pp. 90-91 ; o destaque a negrito é posto por mim).

No entanto, o conceito por ser uma abstração indispensável elimina o conhecimento intuitivo:

«Ao meditar a abstração lança fora o equipamento inútil, para facilitar o manejo dos conhecimentos a comparar. Elimina-se das coisas reais o insubstancial e o confuso para operar com poucas, mas essenciais, determinações pensadas em abstracto. (...) Pelo contrário, uma nova compreensão só pode criar-se a partir do conhecimento intuitivo, o único fecundo para isso, com a ajuda do discernimento. Como ademais o conteúdo e a extensão circundante dos conceitos estão em relação inversa, po seja, quanto mais há sob um conceito, tanto menos é pensado nele, os conceitos formam uma graduação, uma hierarquia desde o mais particular até ao mais universal, em cujo extremo inferior leva razão o realismo escolástico, tal como o nominalismo a leva no extremo superior»

 

(Schopenhauer, El mundo como voluntad y representación, 2, Alianza Editorial, Madrid, 2016, pág. 92 ; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Note-se que o realismo escolástico afirma a existência de essências universais aplicáveis à generalidade dos entes físicos - exemplo: o platonismo estabelece que os arquétipos de Homem e de Mulher existem, imóveis, em um mundo acima do céu visível e se projectam, de certo modo, nos milhões de homens e mulheres vivos - ao passo que o nominalismo diz que as essências ou ideias gerais não existem, são apenas abstrações, nomes, e só existem os indivíduos todos diferentes entre si, singulares. 

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), Só custa 5 euros em e-book. Basta depositares na conta PT50 abaixo indicada e informar-nos. CONTACTA-NOS.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 22:35
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 25 de Agosto de 2020
Schopenhauer: causa e efeito não são simultâneos nem sujectivos nem meramente intelecto

 

Artur Schopenhauer( Danzig, 22 de Fevereiro de 1788 — Frankfurt, 21 de Setembro de 1860) refutou as teorias de Hume, Kant e outros sobre a natureza da causalidade, sobre a relação causa-efeito. Hume defendeu que não há uma relação objectiva, necessária, entre causa e efeito, estas duas noções resultam da nossa subjectividade,  do hábito, são uma das sete relações filosóficas inatas à mente humana, tal como a relação de semelhança, de tempo e lugar, de graus de qualidade e outras. Kant defendeu que causa-efeito e necessidade (causa e efeito infalívelmente ligados) são categorias do entendimento, isto é, conceitos intersubjectivos que aplicamos ao mundo empírico aparentemente real (idealismo transcendental) de modo a construi-lo e torná-lo «real» e compreensível (exemplo: o fósforo aceso lançado sobre a palha seca não é a causa do incêndio desta eu é que introduzo os conceitos de causa e efeito nesta sucessão de fenómenos). Schopenhauer escreveu: 

 

«Portanto, a teoria de Hume, segundo a qual o conceito de causalidade resulta simplesmente do hábito de ver suceder-se constantemente dois estados, encontra uma refutação fáctica na mais antiga de todas as sucessões, a saber a do dia e da noite, que a ninguém ocorreu tomar por causa e efeito uma da outra. E esta sucessão refuta igualmente a falsa afirmação kantiana de que a realidade objectiva de uma sucessão só é conhecida ao compreender os seus componentes na mútua relação de causa efeito. De esta teoria kantiana é verdade justamente o contrário, a saber, de dois estados vinculados só reconhecemos na sua sucessão, empiricamente, qual é a causa e qual é o efeito. Por outro lado, a absurda afirmação de que causa e efeito sejam simultâneos, como sustentam nos nossos dias alguns professores de filosofia, fica refutada pelo facto de que naqueles casos em que a sucessão não pode ser percebida por causa da sua grande celeridade, pese a isso não deixarmos de pressupor a priori o transcurso de um certo tempo; assim por exemplo, sabemos que entre o disparo do fuzil e a saída da bala há-de transcorrer algum tempo, ainda que não possamos percebê-lo, assim como que esse lapso há-de fracionar-se por sua vez entre os distintos estados que se sucedem rigorosamente: o apertar o gatilho, o fazer saltar a chispa, o aceso, a propagação do fogo, a explosão e a saída do projéctil.(...)

 

«Se cada efeito fosse simultâneo com a sua causa, então cada efeito se cingiria no tempo à sua causa e uma cadeia quanto mais larga se quisesse de causas e efeitos não encheria tempo nenhum, muito menos um tempo infinito, mas que tudo aconteceria em simultâneo em um instante. Em suma, sob o pressuposto de que causa e efeito são simultâneos, o transcurso do universo reduzir-se-ia a um momento. Esta prova é análoga à de que cada folha de papel há-de ter uma grossura, porque de contrário o livro inteiro não teria nenhuma.»

 

(Schopenhauer, El mundo como voluntad y representación, 2, Alianza Editorial, Madrid, 2016, pp. 62-64 ; o destaque a negrito é posto por mim).

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), Só custa 5 euros em e-book. Basta depositares na conta PT50 abaixo indicada e informar-nos. CONTACTA-NOS.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:32
link do post | comentar | favorito

Domingo, 23 de Agosto de 2020
Schopenhauer: a vontade (instinto da natureza) funciona sem o intelecto

 

Artur Schopenhauer( Danzig, 22 de Fevereiro de 1788 — Frankfurt, 21 de Setembro de 1860) , ao contrário de Descartes, separava a vontade, entendida como vontade de viver (de comer, beber, procriar, dominar as outras pessoas, enriquecer, etc.) do intelecto. Podemos considerá-lo como um filósofo vitalista, intelectualmente superior a Nietzsche, a Husserl e a Heidegger. É, a par de Hegel, o maior filósofo do século XIX no Ocidente. Escreveu:

 

«Se o intelecto não fosse de natureza secundária, como vimos nos dois capítulos precedentes, tudo quanto tem lugar sem ele, isto é, sem a intervenção da representação, como por exemplo, a procriação, o desenvolvimento e a conservação do egoiísmo, a restituição ou a restauração vicária das partes mutiladas, as crises curativas nas doenças, as obras do impulso artístico animal e a criação do instinto em geral, só podia resultar infinitamente melhor e mais perfeito do que quando ocorre com a ajuda do intelecto, a saber, todos os logros e obras conscientes e intencionais do homem que frente ao primeiro são um estrago. Em geral, natureza significa tudo o que opera, funciona e cria sem a intercessão do intelecto.»

«Temos de abstrair de este concurso do intelecto se queremos captar a essência da vontade em si e queremos penetrar, tanto quanto seja possível, no interior da natureza.»

«Por isso, diga-se de passagem, o meu antípoda directo entre os filósofos é Anaxágoras, pois ele adotou como o primeiro e originário do qual tudo parte um Nous, uma inteligência, um sujeito representativo, e passa por ser o primeiro a ter estabelecido semelhante parecer.»

 

(Schopenhauer, El mundo como voluntad y representación, 2, Alianza Editorial, Madrid, 2016, pp. 353-354 ; o destaque a negrito é posto por mim).

 

A natureza é na filosofia de Schopenhauer um domínio inacessível, incognoscível na sua essência última, o equivalente ao númeno na filosofia de Kant, ainda que os númenos sejam objectos imateriais, metafísicos, e a natureza em Schopenhauer seja um sistema de matéria e vontade de viver.

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), Só custa 5 euros em e-book. Basta depositares na conta PT50 abaixo indicada e informar-nos. CONTACTA-NOS.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 13:44
link do post | comentar | favorito

Sábado, 22 de Agosto de 2020
Schopenhauer: o erro de crer que existimos para ser felizes

Schopenhauer opunha-se, no seu pessimismo, à lei do pensamento positivo, optimista, hoje designada como lei da atração. Escreveu:

 

«Só há um erro inato e é o de que existimos para ser felizes. (...)»

«Enquanto continuarmos aferrados a este erro inato, corroborando-o mediante os dogmas optimistas, o mundo parece-nos repleto de contradições. » (...)

«Neste sentido, seria muito mais correcto cifrar o fim da vida na nossa aflição do que no nosso proveito. Pois as considerações finais do capítulo precedente mostraram que quanto mais se sofre antes se alcança o verdadeiro fim da vida, e quanto mais feliz se vive, tanto mais se demora. A isto corresponde a conclusão da última carta de Séneca:" Alcançarás o teu próprio bem quando compreenderes que os felizes são os mais desditados", o que parece indicar um influxo do cristianismo. » (...)

«Quem por um caminho ou por outro abandone aquele erro que nos é inerente a priori, esse primeiro passo em falso da existência, em breve verá tudo sob outra luz e agora o mundo será concorde, se não com o seu desejo, sim com a sua compreensão. Os infortúnios de todo o tipo e envergadura, mesmo quando ainda lhe doam, deixarão de surpreendê-lo, ao ter compreendido que justamente a dor e as tribulações trabalham para o verdadeiro fim da vida, o abandono da vontade de viver. Isto conferir-lhe-á uma assombrosa serenidade ante tudo o que lhe possa acontecer...»

 

(Schopenhauer, El mundo como voluntad y representación, 2, Alianza Editorial, Madrid, 2016, pp. 841-843 ; o destaque a negrito é posto por mim).

 

É óbvio que o transumanismo iluminista, filosofia que através do progresso científico e de um inaudito experimentalismo optimista (inteligência artificial, robótica, criogénese, etc.) visa melhorar a saúde e a existência da humanidade - não o transumanismo protofascista de Nietzsche que visa criar o super homem, uma elite negra no plano ético - se opõe ao pessimismo e à negação da vontade de viver expressos por Schopenhauer.

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), Só custa 5 euros em e-book. Basta depositares na conta PT50 abaixo indicada e informar-nos. CONTACTA-NOS.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 12:36
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 20 de Agosto de 2020
Schopenhauer aliado ao cristianismo ascético contra o optimismo sexual do judaísmo, do islamismo e do protestantismo

 

Apesar de ser ateu, Artur Schopenhauer( Danzig, 22 de Fevereiro de 1788 — Frankfurt, 21 de Setembro de 1860) coincidia com a visão do cristianismo antigo de que «este mundo é um lugar de exílio, de ilusões, não nascemos para ser felizes e  o ascetismo, baseado na castidade, na mortificação dos sentidos, incluindo os jejuns periódicos, é a atitude moral correcta». Escreveu: 

 

«E se, no juízo dos coetâneos, a paradoxal e inaudita coincidência da minha filosofia com o quietismo e o ascetismo aparece como uma óbvia pedra de escândalo, eu vejo nisso, pelo contrário, uma prova da sua correção e verdade únicas, assim como também uma razão para explicar que as universidades protestantes a ignorem e a condenem astutamente ao ostracismo.»

«Pois não só as religiões do Oriente, mas também o verdadeiro cristianismo tem inteiramente esse carácter ascético fundamental que a minha filosofia explica como negação da vontade de viver; mesno quando o protestantismo, sobretudo na sua configuração actual, procura encobri-lo. Os inimigos declarados do cristianismo que apareceram recentemente credibilizaram-no nas doutrinas da renúncia, da abnegação, da castidade perfeita, e da mortificação em geral da vontade, que eles designam com o nome de tendência anticósmica, mostrando solidamente que tais doutrinas são consubstanciais ao primitivo e autêntico cristianismo. Nisto têm razão de modo incontestável. Mas que façam valer isto como uma recriminação manifesta e palmária contra o cristianismo, quando é aí que reside a sua verdade profunda, o seu valor mais alto, e o seu carácter mais sublime, testemunha um eclipse do espírito que só resulta explicável porque aquelas mentes, como desgraçadamente milhares de outras estão embrulhadas e deitadas a perder pelo miserável hegelianismo, essa escola de trivialidade, esse ninho de irreflexão e de ignorância, essa pseudo sabedoria corruptora de mentes que finalmente se começa a reconhecer agora como tal e cuja veneração ficará em breve unicamente em mãos da Academia dinamarquesa, a cujos olhos esse burdo charlatão é um filósofo sublime a quem defende com armas e bagagens: "Pois todos seguirão a crença e a opinião da ignorante e néscia multidão, da qual o mais pesado será investido como juíz" (Rabelais)».

 

(Schopenhauer, El mundo como voluntad y representación, 2, Alianza Editorial, Madrid, 2016, pp. 815-829 ; o destaque a negrito é posto por mim).

 

 

O CRISTIANISMO DO NOVO TESTAMENTO É ASCÉTICO E PESSIMISTA, O JUDAÍSMO, O PROTESTANTISMO E O ISLAMISMO SÃO OPTIMISTAS E  ADEPTOS DA PRÁTICA DO SEXO

 

Schopenhauer postulou que o protestantismo é de carácter optimista, encara com demasiada leveza o sentido da vida humana, ao passo que o cristianismo do Novo Testamento é pessimista, ascético. Escreveu:

 

«Seja como for no resto, esse "tudo está bem" do Antigo Testamento é realmente alheio ao autêntico cristianismo: pois no Novo Testamento se fala continuamente do mundo como algo a que não se pertence, que não se ama e cujo dono é o diabo. Isto concorda com o espírito ascético de negação do próprio eu e de sobrepor-se ao mundo que, junto ao ilimitado amor ao próximo, incluido ao inimigo, é o traço comum que o cristianismo tem com o bramanismo e o budismo e credibiliza o seu parentesco. Em nenhuma questão há que diferenciar tanto o núcleo da casca como no cristianismo. E justamente porque estimo sobremaneira esse núcleo, por vezes mostro-me escassamente cerimonioso com a casca, se bem que esta é mais grossa do que é habitual pensar-se.»

«O protestantismo, ao eliminar o ascetismo e o seu ponto central, a índole meritória do celibato, renunciou já ao núcleo mais íntimo do cristianismo e nessa medida há que considerá-lo como um abandono do mesmo. Isto torna-se evidente nos nossos dias no seu paulatino trânsito para um racionalismo banal, para esse moderno pelagianismo que, no final, desemboca na doutrina de um pai amoroso, que fez o mundo para que tudo marche tão primorosamente como satisfatoriamente (um empreendimento que logo teve de se lhe malograr) e que, se uma pessoa se amolda em certas questões à sua vontade, procurará logo um mundo ainda muito mais encantador (onde só há que lamentar uma entrada tão fatal).»

(Schopenhauer, El mundo como voluntad y representación, 2, Alianza Editorial, Madrid, 2016, pp. 828-829 ; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Pelágio da Bretanha, que polemizou com Santo Agostinho, negava o pecado original, a corrupção do ser humano, a necessidade da graça divina pois cada homem é autónomo e com capacidade para salvar-se a si mesmo. Negou também o servo arbítrio, isto é, o arbítrio escravizado a paixões.

 

LUTERO ATACOU A ESSÊNCIA DO CRISTIANISMO E NÃO SÓ A CORRUPÇÃO DO CLERO

Schopenhauer teorizou:

«Os escandalosos abusos da Igreja suscitaram no espírito probo de Lutero uma arreigada indignação. Sem embargo, em consequência de tal indignação, chegou a pretender abolir quanto era possível do próprio cristianismo e com vista a tal fim, primeiro limitou-se às palavras da Bíblia, mas logo chegou demasiado longe no seu bem intencionado zelo, ao atacar o seu próprio coração no primcípio ascético. Pois atrás da extinção do princípio ascético veio logo necessariamente ocupar o seu lugar o princípio optimista. Mas o optimismo é, tanto nas religiões como na filosofia, um erro fundamental que corta o caminho a toda a verdade. Conforme a tudo isto, parece-me que o catolicismo é um cristianismo do qual se abusou ignominiosamente, mas o protestantismo é um cristianismo degenerado, enquanto que o cristianismo parece ter o destino reservado a tudo o que é nobre e sublime tão rápido como deve subsistir entre os homens».

(Schopenhauer, El mundo como voluntad y representación, 2, Alianza Editorial, Madrid, 2016, pp. 829-830 ; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Transferindo esta análise para o nosso tempo podemos perguntar: que sentido tem o ecumenismo praticado pela igreja católica romana, a aproximação aos irmãos protestantes, se o protestantismo é um cristianismo degenerado, uma heresia? 

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), Só custa 5 euros em e-book. Basta depositares na conta PT50 abaixo indicada e informar-nos. CONTACTA-NOS.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 13:45
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 19 de Agosto de 2020
Schopenhauer ataca Hegel

 

Mais intuitivo que Hegel e com uma escrita mais precisa que este,  Artur Schopenhauer ( Danzig, 22 de Fevereiro de 1788 — Frankfurt, 21 de Setembro de 1860) a quem a universidade marginalizou a favor de Hegel, atacou este nos seguintes termos:

 

«Um charlatão repugnante e trivial, um adulador do absurdo chamado Hegel foi aclamado na Alemanha como o maior dos filósofos de todos os tempos e muitos milhares assim acreditaram durante vinte anos, e inclusive fora da Alemanha a Academia dinamarquesa advogou a favor da sua fama contra a minha, querendo fazê-lo passar por o filósofo por excelência. (...) Tais são os inconvenientes vinculados à existência da razão, por causa da escassez do discernimento. A isto se acrescenta a possibilidade da loucura: os animais não se tornam loucos, se bem que os carnívoros estão expostos à raiva e os herbívoros a uma espécie de fúria».

 

(Schopenhauer, El mundo como voluntad y representación, 2, Alianza Editorial, Madrid, 2016, pág 100; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Claro que Hegel não era um charlatão, exceptuando em certas frases com um carácter abstracto marcado por alguma incoerência. A razão, segundo Schopenhauer, é uma faculdade de conceitos universais, abstractos, que podem falsear a realidade ao passo que a intuição nascida no entendimento não. Escreveu:

 

«Na realidade, toda a verdade e sabedoria radica finalmente na intuição. Mas lamentavelmente esta não pode conservar-se nem comunicar-se (...) O abstracto nunca pode substituir o intuitivo. Os livros não substituem a experiência porque os conceitos permanecem sempre universais e por isso não descem ao particular, que é aquilo com que há que tratar na vida; acrescenta-se a isto que todos os conceitos estão abstraídos a partir do particular e do intuitivo da experiência»

 

(Schopenhauer, El mundo como voluntad y representación, 2, Alianza Editorial, Madrid, 2016, pág 101; o destaque a negrito é posto por mim).

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), Só custa 5 euros em e-book. Basta depositares na conta PT50 abaixo indicada e informar-nos. CONTACTA-NOS.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 22:33
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 17 de Agosto de 2020
A fenomenologia em Schopenhauer, distanciando-se de Kant

 

Artur Schopenhauer( Danzig, 22 de Fevereiro de 1788 — Frankfurt, 21 de Setembro de 1860) o verdadeiro fundador da fenomenologia no século XIX, demarcou-se do idealismo (as coisas materiais são apenas percepções dentro da mente ou mentes humanas) e do materialismo (leia-se: realismo, a matéria existe fora de nós).  Escreveu:

 

«O erro fundamental de todos os sistemas estriba em ignorar esta verdade: que o intelecto e a matéria são correlativos, isto é que cada um deles só existe para o outro, que ambos se sustentam e se derrubam mutuamente, que um só é reflexo do outro, que propriamente são uma e a mesma coisa considerada de flancos opostos: e esta unidade - antecipo-o aqui - é o fenómeno da vontade ou a  coisa em si; portanto, ambos são secundários, e não há que buscar a origem do mundo em nenhum dos dois. Mas em consequência de essa ignorância todos os sistemas (exceptuando talvez o espinosismo) buscam a origem de todas as coisas em um de esses pólos. Assim estabelecem um intelecto (nous) como o absolutamente primeiro e criador (demiurgo), atribuindo a este uma representação das coisas e do mundo anterior à sua realidade, com o qual diferenciam o mundo real do mundo como representação, o que é falso

 

(Schopenhauer, El mundo como voluntad y representación, 2, Alianza Editorial, Madrid, 2016, pág 33; o destaque a negrito é posto por mim)

 

SCHOPENHAUER CONSIDERAVA A MATÉRIA ETERNA E IMPERECÍVEL AO CONTRÁRIO DE KANT QUE A CONSIDERAVA ONTOLOGICAMENTE ILUSÓRIA, SUBJECTIVA E PERECÍVEL

 

Kant considerou a matéria  como interior ao espírito do sujeito, perecível, não eterna, gerada na sensibilidade deste, fruto da ação do númeno (objecto ideal incognoscível: Deus, alma imortal, liberdade, totalidade abstracta do mundo) sobre o espaço e o tempo puros, vazios, que são as formas a priori da sensibilidade.

Mas Schopenhauer, que se considerava discípulo de Kant, postulou a matéria como algo eterno, exterior ao sujeito embora ligada a este por um cordão umbilical. Escreveu: 

 

«O mundo como representação, o mundo objectivo tem, por assim dizer, dois pólos, a saber: o sujeito cognoscente sem as formas do seu conhecer e a tosca matéria sem forma nem qualidade. Ambos são incognoscíveis: o sujeito porque é o que conhece; a matéria porque não pode ser intuída sem forma nem qualidade alguma. Sem embargo, ambos são as condições fundamentais de toda a intuição empírica. Assim frente à matéria bruta, informe e inerte (isto é, sem vontade) nunca dada na experiência, mas pressuposta nela, se levanta como contraponto o sujeito cognoscente, simplesmente enquanto tal, que é o pressuposto de toda a experiência. Este sujeito não está no tempo, pois o tempo só é a forma mais próxima do seu representar; a matéria que o confronta é eterna e imperecível e persiste através do tempo, mas não é propriamente extensa, porque a extensão dá forma, nem portanto é espacial. Tudo o resto se acha sumido em um constante nascer e morrer, enquanto o sujeito e a matéria constituem os dois pólos imóveis do mundo como representação.»

 

(Schopenhauer, El mundo como voluntad y representación, 2, Alianza Editorial, Madrid, 2016, pp. 32-33 ; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Schopenhauer foi extrair da filosofia de Aristóteles a noção de matéria sem forma eterna e indestrutível que o mestre grego designava por hylé e que só ganhava realidade quando unida às formas eternas (eidos) de cavalo, mulher, árvore, montanha, etc. existentes algures no mundo da imanência. Mas enquanto em Aristóteles a quase totalidade das formas ou essências (a forma árvore, a forma rio, a forma cão) eram exteriores à mente humana, em Schopenhauer essas formas eram introduzidas pelo sujeito ao apreender a matéria tosca e caótica ( exemplo: a pedra é pedra porque lhe damos essa forma com a nossa intersubjectividade).

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), Só custa 5 euros em e-book. Basta depositares na conta PT50 abaixo indicada e informar-nos. CONTACTA-NOS.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:48
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 10 de Agosto de 2020
Reflexões breves de Agosto de 2020
 
O «BEJA MERECE MAIS» SABOTADO POR MILITANTES DO PS, PCP E BE INFILTRADOS, OBEDIENTES AO GOVERNO DE ANTÓNIO COSTA. Em Fevereiro de 2020, altos responsáveis do movimento «Beja Merece Mais» reuniram com o ministro do Planeamento Nelson Sousa que lhes deu um prazo para apresentarem um plano de necessidades e exigências da região de Beja. Esses responsáveis do movimento, ligados ao PCP, PS e BE, apesar de alertados, não convocaram nenhuma reunião e os meses foram passando. Nada se fez.
 
Ora em 7 de Agosto de 2020, dia do fecho do prazo, o governo apresentou a Bruxelas a reprogramação das novas verbas a receber pós covid, para integrar o plano de recuperação econômica de cada país. Penso que só faltava Portugal entregar este plano. E a proposta do governo foi... sem as exigências de Beja e dos bejenses, sem o contributo do «Beja merece mais». Bastava enviar um texto de 3 páginas com fundamentação técnica a pedir verbas à Comissária Europeia dos Transportes.
 
O Engenheiro de infraestruturas Elio Bernardino, um independente de alto saber tecnológico e coragem política, alertou Florival Baioa, António Baraona (PCP) e Bruno Ferreira, dirigentes do «Beja merece mais», para essa reunião indispensável, em 24 de Julho de 2020. Não a promoveram. E assim Beja ficou a perder milhões de euros dados pela UE 100 por cento a fundo perdido. A autoestrada A 26 (vulgo IP8), com todos os documentos já aprovados, que falta acabar entre Figueira de Cavaleiros e Beja poderia estar terminado dentro de um ano e meio. Assim só depois de 2025 será possível obter cabimento (fundos) para finalizar a obra.
 
A reunião do «Beja merece mais» convocada para  sexta feira dia 14 de Agosto por um militante do PCP serviu para quê? Para nada. Para mascarar a inação dos dirigentes desse movimento apartidário.
 
A «esquerda» bejense não é esquerda, está vendida ao governo de António Costa, governo da Mota Engil e da Teixeira Duarte e do Barraqueiro. O «Beja merece mais» está amordaçado por dentro para não incomodar o governo de Costa, amparado pelo PCP (a troco da Festa do Avante!, etc) e pelo BE. Os traidores a Beja estão na direção do «Beja merece mais». E estão calados. Não dizem nada. Não fizeram nem deixam fazer os outros.
 

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), CONTACTA-NOS.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 13:11
link do post | comentar | favorito

Domingo, 9 de Agosto de 2020
A essência como conceito em Hegel

 

Hegel define a essência não como a forma comum a diversos objectos ou qualidades, como o faria Aristóteles, mas como um conceito do entendimento. A forma como objecto sensível precede a essência, que é um segundo momento sensório-intelectual. Na verdade, a essência, por exemplo,  de uma cadeira não é apenas a forma que vemos mas também a forma  que está oculta e que recordamos ou idealizamos: se vejo a frente da cadeira, não vejo, nesse momento, a parte de trás e tenho de idealizá-la, ter um conceito dela. Hegel escreveu: 

 

«Se considerarmos o primeiro universal como o conceito do entendimento, no qual a força não é ainda para si, o segundo será agora a sua essência, tal e como se apresenta em e para si. Ou, pelo contrário, se considerarmos o primeiro universal como o imediato, que devesse ser um objecto real para a consciência, temos que o segundo se acha determinado como o negativo da força sensível objectiva; é a força tal e como é na sua verdadeira essência, somente enquanto objecto do entendimento; aquele primeiro seria a força repelida para si mesma ou a força como substância; este segundo, ao invés, o interior das coisas como interior, que é o mesmo que o conceito como conceito.»

(G.W.F. Hegel, Fenomenología del espíritu, Fondo de Cultura Económica, México, 2007, pag. 88)

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), CONTACTA-NOS.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 14:49
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 4 de Agosto de 2020
Astronomia e acidentes do Alfa Pendular em Portugal

Há diversas áreas zodiacais que se conjugam duas a duas, ou três a três ou quatro a quatro para produzir acidentes ferroviários com o Alfa Pendular em Portugal. Isto é astronomia aplicada a factos biofísicos e sociais, ciência que designamos por astrologia histórica - o que irrita profundamente os astrónomos oficiais, os historiadores e os filósofos, que, ignorantes da matéria, negam estupidamente o determinismo planetário na vida social e física da humanidade.

 

ÁREA 17º-18º DO SIGNO DE CARNEIRO:

DESASTRES DO ALFA PENDULAR

 

A passagem do Sol, de um planeta ou Nodo da Lua na área 17º-18º do signo de Carneiro é condição necessária mas não bastante para gerar um acidente com Alfa Pendular algures em Portugal.

 

Em 11 de Abril de 2008, com Mercúrio em 15º 46´/ 17º 47´de Carneiro, Júpiter em 21º 7´/ 21º 12´ de Capricórnio, cerca das 07:20 horas, um homem morre após ter caído na via férrea, na estação de Almancil-Nexe, Algarve, e ser colhido pelo comboio alfa-pendular que partiu de Faro em direcção a Lisboa, causando uma interrupção na circulação da linha do Sul de cerca de duas horas.

 

Em 22 de Abril de 2020, com Mercúrio em 18º 38´/ 20º 31´ de Carneiro, a colisão entre o comboio Alfa Pendular e um camião, numa passagem de nível perto de Vale Santarém, junto à Ponte da Asseca, provoca a morte do condutor do veículo pesado.

 

Em 31 de Julho de 2020, com Marte em 18º 13´/ 18º 39´ de Carneiro, Úrano em 10º 35´/ 10º 36´ de Touro, Vénus em 23º 19´/ 24º 9´ de Gémeos, Mercúrio em 20º 57´/ 22º 35´ de Caranguejo, Júpiter em 20º 15´/ 20º 8´ de Capricórnio, cerca das 15.26 horas, à saída da estação de Soure, distrito de Coimbra, em Vila Nova de Anços, o comboio Alfa Pendular com 212 passageiros choca com um veículo de conservação de catenária, descarrilando parcialmente e morrendo os 2 trabalhadores da máquina de reparação, resultando 6 feridos graves e 40 feridos ligeiros.

 

Próximas datas da passagem de  um planeta ou Sol nesta área 17º-18º do signo de Carneiro: de 20 a 28 de Outubro de 2020 (Marte); de 30 de Novembro a 8 de Dezembro de 2020 (Marte); em 4 e 5 de Abril de 2021 (Vénus); de 6 a 8 de Abril de 2021 (Sol). em 13 e 14 de Abril de 2021 (Mercúrio);  

 

ÁREA 20º-21º DO SIGNO DE CAPRICÓRNIO:

DESASTRES DO ALFA PENDULAR

 

A passagem do Sol, de um planeta ou Nodo da Lua na área 20º-21º do signo de Capricórnio é condição necessária mas não bastante para gerar um acidente com Alfa Pendular algures em Portugal.

 

Em 6 de Janeiro de 2010,  com Nodo Norte da Lua em 21º 7´ de Capricórnio, às 17:43, uma mulher é "trucidada" por um comboio Alfa que vinha de Braga de alta velocidade junto ao apeadeiro de Fetal, Coimbra.

 

Em 11 de Abril de 2008, com Júpiter em 21º 7´/ 21º 12´ de Capricórnio, Mercúrio em 15º 46´/ 17º 47´de Carneiro, J cerca das 07:20 horas, um homem morre após ter caído na via férrea, na estação de Almancil-Nexe, Algarve, e ser colhido pelo comboio alfa-pendular que partiu de Faro em direcção a Lisboa, causando uma interrupção na circulação da linha do Sul de cerca de duas horas.

 

Em 6 de Janeiro de 2010,  com Nodo Norte da Lua em 21º 7´ de Capricórnio, às 17:43, uma mulher é "trucidada" por um comboio Alfa que vinha de Braga de alta velocidade junto ao apeadeiro de Fetal, Coimbra.

 

Em 31 de Julho de 2020, com Júpiter em 20º 15´/ 20º 8´ de Capricórnio, Marte em 18º 13´/ 18º 39´ de Carneiro, Úrano em 10º 35´/ 10º 36´ de Touro, Vénus em 23º 19´/ 24º 9´ de Gémeos, Mercúrio em 20º 57´/ 22º 35´ de Caranguejo, Júpiter em 20º 15´/ 20º 8´ de Capricórnio, cerca das 15.26 horas, à saída da estação de Soure, distrito de Coimbra, em Vila Nova de Anços, o comboio Alfa Pendular com 212 passageiros choca com um veículo de conservação de descarrilando parcialmente e morrendo os 2 trabalhadores da máquina de reparação, resultando 6 feridos graves e 40 feridos ligeiros

Próximas datas da passagem de  um planeta ou Sol nesta área 20º-21º do signo de Capricórnio: de 24 de Outubro a 7 de Novembro de 2020 (Júpiter); em 2 e 3 de Janeiro de 2021 (Mercúrio).

 

NOTA: COMPRA O NOSSO «DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA», inovador em relação a todos os outros dicionários, repleto de transcrições literais de textos dos filósofos. Aproveita, a edição está a esgotar-se. Contém 520 páginas, custa só 20 euros (portes de correio para Portugal incluídos), CONTACTA-NOS.

 

This blog requires thousands of hours of research and reflection and produces knowledge that you won't find anywhere else on the internet. In order for us to continue producing it please make a donation to our bank account with the IBAN PT50 0269 0178 0020 4264 5789 0

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Copyright to Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 20:46
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

Equívocos de Hegel: o uno...

Hegel opõe-se ao cristian...

Reflexões breves de Setem...

Erros no Exame nacional d...

Santo António manifesta-s...

Schopenhauer: impressão s...

Schopenhauer: causa e efe...

Schopenhauer: a vontade (...

Schopenhauer: o erro de c...

Schopenhauer aliado ao cr...

arquivos

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
blogs SAPO
subscrever feeds