Sábado, 1 de Abril de 2017
Determinismo e indeterminismo: equívocos de Paul Davies

 

Paul Davies escreveu no seu excelente livro «Deus e a Nova Física»:

 

«Um agente livre é aquele que pode causar certos actos no mundo físico. Num universo indeterminista, ocorrem eventos que não têm causa. Mas poder-se-á ser responsável pelos actos a não ser que sejam "causados" por alguém? Os defensores do livre arbítrio afirmarão que que as actividades da pessoa são determinadas,  por exemplo, pelo seu carácter, inclinações, personalidade

«Suponhamos que um homem pacífico comete, repentinamente, um acto violento. O indeterminista diria: «Foi um acontecimento espontâneo, sem causa antecedente. Não se pode culpar o homem.» O determinista, por seu lado, declararia o homem responsável, mas confortar-se-ia com o facto de ele poder vir a ser reabilitado pela educação, persuasão, psicoterapia, drogas, que provocariam um comportamento diferente no futuro. » (Paul Davies, Deus e a Nova Física, Círculo de Leitores, 1989, pág. 171; o destaque a negrito é colocado por nós).

 

Ora o que sucede é exactamente o oposto do que diz Paul Davies. O que é o livre-arbítrio? É a escolha livre, ponderada, racional de um acto ou de valores sobrepondo-se ao determinismo biofísico.  O livre-arbítrio é uma parte do indeterminismo, da inexistência de necessidade, de relações constantes causa-efeito. Portanto dizer que «Os defensores do livre arbítrio afirmarão que as actividades da pessoa são determinadas, por exemplo, por exemplo, pelo seu carácter, inclinações, personalidade» constitui um erro: se são determinadas pelo carácter ou inclinações, o livre-arbítrio desaparece.

 

 

Por outro lado, dizer, a respeito de um crime hediondo praticado por um homem até então bem comportado que « o indeterminista diria: «Foi um acontecimento espontâneo, sem causa antecedente. Não se pode culpar o homem.» é errado, pelo menos no que toca a uma parte dos indeterministas. Se há indeterminismo,  maior é a responsabilidade de cada um, não há desculpas, o livre-arbítrio deveria ter-se exercido sobre a base da vigilância.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 17:42
link do post | comentar | favorito (2)
|

Quarta-feira, 19 de Outubro de 2016
A Astrologia científica, histórica, é superior ao «I Ching» e ao Tarô

Uma hora antes de começar o jogo Sporting Clube de Portugal - Borussia de Dortmund publiquei na internet a seguinte previsão:

 

«UM DIA MAU PARA JORGE JESUS, HOJE 18 DE OUTUBRO? Olhando o mapa do céu de 24 de Julho de 1954, dia de nascimento do treinador do Sporting, Jorge Jesus, parece que este vai ter uma decepção hoje: Marte está em 14º de Capricórnio e vai «pisar» o Nodo Norte da Lua de 24 de Julho de 1954, em 14º de Capricórnio. É provável que o Sporting empate ou perca o jogo com o Dortmund em Alvalade, hoje...»

 

Após o jogo que terminou com a vitória do Borussia por 2-1 escrevi o seguinte:

 

«ACREDITO MAIS NA ASTROLOGIA DO QUE NO I CHING. Hoje, 18 de Outubro de 2016, pelo estudo do horóscopo dos treinadores Jorge Jesus ( Marte em 14º de Capricórnio, em posição negativa para Jorge Jesus) e Nuno Espírito Santo ( Júpiter em 8º de Balança em posição favorável para Nuno, ) supus que o Sporting ia ser derrotado pelo Dortmund e o Porto iria vencer o Bruges. Mas consultei o I Ching, oráculo chinês muito fiável, segundo a minha experiência, lançando as três moedas de modo a desenhar uma figura de seis linhas umas sobre as outras e pareceu-me que a figura recomendava apostar em empate no jogo do FC Porto e assim fiz. Concluo que a leitura CORRECTA DAS POSIÇÕES DOS ASTROS NO ZODÍACO vale mais que o I Ching , que o Tarot e todos os sistemas de adivinhação PORQUE TUDO ESTÁ ESCRITO NOS MOVIMENTOS PLANETÀRIOS E O ACASO E O LIVRE-ARBÌTRIO NÂO EXISTEM.»

 

Tal como a maçã que, solta na atmosfera, não consegue impedir a sua queda em direção ao centro da Terra também nós não conseguimos impedir a nossa «queda» no campo das ações e estados que cada planeta ou planetas ou Sol nos impõem em cada dia, há dias bons e há dias maus. No caso de Jorge Jesus: ontem, 18 de Outubro de 2016, Marte passou passou em 14º 41´do signo de Capricórnio em conjunção exacta com o Nodo Norte da Lua em 24 de Julho de 1954, dia do nascimento de Jorge Jesus. Portanto, Marte feriu com uma derrota um dos pontos que identificam o treinador do Sporting Clube de Portugal. Nós somos o nosso horóscopo de nascimento, o nosso mapa do céu em que nascemos e não se pode fugir a isso. Fatalismo.

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 03:59
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 22 de Abril de 2015
O «libertismo» é incompatibilismo e compatibilismo, consoante as relações

 

 

Os filósofos analíticos, pensadores de curto alcance, assentaram entre eles que há  libertismo, doutrina segundo a qual o livre-arbítrio existiria e exercer-se-ia sem sofrer pressões do determinismo corporal, socio-político, etc, envolvente de cada indivíduo. E proclamam, unilateralmente, que o tal «libertismo» é um incompatibilismo  ao passo que ao determinismo moderado, que inclui igualmente livre-arbítrio, chamam compatibilismo...

 

Ora, o libertismo é um compatiblismo na medida em que coexiste com o determinismo (fome, sede, sono, etc.). E só é incompatibilismo com o fatalismo, porque este exclui o livre-arbítrio, o acaso e qualquer forma de liberdade. Mas a generalidade dos professores de filosofia não distingue fatalismo de determinismo e por isso não percebe que uma mesma corrente ou conceito possa ser compatível com X e incompatível com Y... Falta-lhes pensar dialeticamente. Daí que repitam, como os burros: «É um incompatibilismo, é um incompatibilismo». Mas como, ó deuses, se coexiste com as leis necessárias da natureza física? Haveria que distinguir entre compatibilismo intrínseco (por exemplo: a social-democracia é compatível intrinsecamente com os patrões privados, são contrários incluentes) e  compatibilismo extrínseco (por exemplo, os EUA capitalistas e a URSS socialista stalinista eram compatíveis extrinsecamente, coexistiram, mas não intrinsecamente, eram contrários excludentes).

  

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 00:54
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 19 de Novembro de 2013
Determinismo moderado? Ou libertismo moderado?

 

Os frágeis pensadores da filosofia analítica falam em determinismo duro e determinismo moderado .. e em libertismo.Mas porque não dividem o libertismo em moderado e duro? Se o fizessem, descobriam que determinismo moderado (pelo livre-arbítrio) é o mesmo que libertismo moderado (pelo determinismo).

 

«O caminho que sobe e o caminho que desce são um e o mesmo» dizia Heráclito. Note-se que há exercíios de preparação para exame nacional de filosofia, em manuais escolares, que exigem uma resposta certa entre quatro hipóteses, nos seguintes termos:

 

«Escolha a hipótese verdadeira no caso X:

 

A) Determinimo moderado

B) Libertismo

C)  Determinismo duro.

D)................. »

 

Trata-se, entre A) e B),  de uma disjunção incompleta ou falsa porque o determinismo moderado é a forma moderada do libertismo, está incluído neste: o livre-arbítrio exerce-se, prevalece, sobre as condições de determinismos biofísicos adversos. Exemplo: os ocupantes alemães da França em 1940, apontam-me uma arma e ameaçam matar-me se eu resistir mas eu, cidadão francês, posso juntar-me à resistência da France Libre de Jean Moulin e De Gaulle e atacar as patrulhas alemãs com granadas, está no meu livre-arbítrio fazê-lo. Kant e Sartre eram libertistas e, em simultâneo, deterministas moderados.

 

Os vesgos pensadores analíticos (Simon Blackburn, Peter Singer, Nigel Warburton, etc) não vêem o óbvio e esquartejam o campo das definições a torto e a direito...


 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

 

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 00:53
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 8 de Setembro de 2013
Barcelona y el area 0º-12º de Aries, Sevilla y PSOE y el area 28º-29º de Géminis y 0º-12º de Cáncer

 

Cada ciudad, región o país y cada entidad individual em general, tiene correspondencia con cuatro, cinco, diez o más pequeñas áreas de 3º, 5º, 10, 12  grados de arco del Zodíaco. Cuando un planeta transita una de esas areas - no olvidemos que los 12 signos o partes del cielo medindo 30 grados de arco cada una, sumando los 360º de la circunferencia celeste, estan todos a la vez en el cielo visible e invisible en cada hora y día - accidentes importantes ou ceremonias oficiales ocurren en esa ciudad, país o otra entidad individual . Esto es racional y se prueba empiricamente, con lo que queda derribada la tésis universitaria de que «no es posible construir una ciencia astrologica basada en el determinismo».

 

ÁREA 0º-12º DEL SIGNO DE ARIES:

BARCELONA

 

El paso del Sol, un planeta, Quirón o Nodo de la Luna en el área 0º-12º del signo de Aries desata, por regla general, accidentes, atentados y otros acontecimientos importantes en Barcelona.

 

El 1 de junio de 1908, con Saturno en 8º 2´/ 7´ del signo de Aries, se levanta la suspensión de garantías constitucionales en Barcelona; del 26 al 31 de julio de 1909, con Marte en 1º 40´ / 3º 32´ del signo de Aries, discurre la Semana Trágica de Barcelona en la que una huelga general pacífica deriva hacía ataques violentos a tranvias y incendios de 63 edificios, principalmente religiosos, resultando, con la dura represión, un centenar de muertos y más de 1.000 presos; el 24 de junio de 1926, con Marte en 6º 6´/ 46´del signo de Aries, fracasa en Barcelona y Tarragona la “ sanjuanada”, intento de sublevación militar contra el gobierno de Primo de Rivera; del 3 al 7 de mayo de 1937, con Saturno en 0º 49´/ 1º 20´ del signo de Aries, se libra una guerra civil entre los dos bandos de izquierdas en Barcelona, los anarco-sindicalistas de CNT / FAI y los filotrotskistas del POUM, que tirotean desde la Central Telefonica el día 3, contra las fuerzas del bloque socialistas-comunistas del PSUC y Esquerra Republicana ligeramente hegemónica en la Generalitat, guerra que hace entre 500 y 1.000 muertos y termina con la derrota del anarquismo; del 1 al 16 de marzo de 1951, con Marte del 29º 17´ del signo de Piscis al 11º 36´ del signo de Aries, se desarrolla en Barcelona una protesta general contra los nuevos precios de billetes de la Compañía de Tranvías de Barcelona y contra el franquismo, con el início de la huelga general de los pasajeros de los tranvías que circulan vacíos y la muerte por disparo de un policía del niño Joan Moreno Roig, hijo de un trabajador de la empresa Pegaso, el 1 de marzo, la anulación de las tarifas del tranvía debido a la huelga popular, la sustitución del barón de Terrades por Antonio M. Simarra como alcalde de Barcelona y la asamblea de 2.000 trabajadores de la Central nacional sindicalista que expulsa al delegado provincial Claudio E. Sánchez, el día 6, la huelga general de 300.000 trabajadores en toda la ciudad, Badalona, Terrasa, Manresa, el día 12, a pesar de la ocupación de Barcelona por la Guardia Civil y de una manifestación reprimida con muertos y heridos ante el edificio de Correos, y el proseguimiento, el día 13, de la huelga general con 150.000 trabajadores, hasta la sustitución, el día 16, de Baeza Alegría por el general Felipe Acedo Colunga como gobernador civil de Barcelona; del 9 al 11 de marzo de 1966, con Mercurio en 5º 2´/ 45´ del signo de Aries, estudiantes antifranquistas encerrados en el convento de los capuchinos de Sarriá en Barcelona, que es cercado por la policía, crean el Sindicato Democratico de Estudiantes Universitarios de Barcelona, de tono izquierdista, lo que suscita una acerada división entre capuchinos progresistas y capuchinos conservadores; el 27 de marzo de 1987, con Júpiter en 5º 49´/ 6º 4´del signo de Aries, una furgoneta-bomba de ETA mata en el puerto de Barcelona a Antonio Gonzalez Herrera e hiere a otras 22 personas; el 2 de abril de 1987, con Júpiter en 7º 16’/ 31´del signo de Aries, se realiza un atentado de ETA con coche bomba contra un convoy de la Guardia Civil en la avenida Meridiana de Barcelona en él que muere Juan Fructuoso Gómez y resultan heridas 6 personas más; el 19 de Junio de 1987, con Nodo Norte de la Luna en 8º  7´del signo de Aries, un coche-bomba de ETA estalla en el sótano que sierve de aparcamiento de los almacenes Hipercor de Barcelona causando 21 muertos y 45 heridos; el 4 de febrero de 2001, con Venus en 1º 2´/ 52´del signo de Aries, unos 20.000 inmigrantes se manifestan en apoyo de los inmigrantes cerrados y contra la Ley de Extranjería, en el centro de Barcelona, desde la plaza de Cataluña hasta la Plaza Pazau, frente a la sede de la subdelegación del Gobierno, recorriendo la Vía Layetana y el Paseo de Colón, el 29 de marzo de 2001, con Venus en 10º 16´/ 9º 39´del signo de Aries, se realiza una huelga de estudiantes de Enseñanza Media, convocada por el Sindicato de Estudiantes (SE) ,con más de 60 manifestaciones com un total de ochenta mil asistentes en toda España, habiendo disturbios en Barcelona en los que estudiantes lanzan piedras contra la Jefatura de Policía y el Ayuntamiento, produciendo lesiones a dos transeúntes; el 3 de mayo de 2001, con Venus en 4º 23´/ 50´del signo de Aries, la Guardia Civil registra el domicilio particular de Joseph Luis Nuñez Clemente, ex PR del FC Barcelona, en la calle doctor Ferran, y las oficinas de la constructora Nuñez y Navarro en la calle Urgell, de Barcelona, en busca de datos sobre sobornos a inspectores; el 11 de mayo de 2001, con Venus en 8º 37´/ 9º 14´del signo de Aries, dos individuos del Grapo, una de ellos Israel Torralba Blanco, roban en una entidad bancaria del Carrer Concili de Trento en Barcelona, tras intimidar con una pistola a un empleado de la entidad, el mismo día en el que un bebé de tres meses muere después de que su madre, de 32 años y nacida en Guinea Ecuatorial, lo arrojara por una ventana de su vivienda, situada en un cuarto piso de la calle del Mar, en el barrio de La Barceloneta, en Barcelona; el 14 de mayo de 2001, con Venus en 10º 33´/ 11º 14´del signo de Aries, Boris M.T., un boliviano de 35 años, asesina con arma blanca a su mujer, Marleny C.T., también boliviana de 32 años, en su domicilio de la calle Irume número 6, en el barrio barcelonés de Horta; el 16 de mayo de 2001, con Venus en 11º-12º del signo de Aries, la Audiencia de Barcelona condena a 66 años de cárcel al educador infantil Xavier Tamarit, de 44 años de edad, por siete delitos de abusos sexuales, uno de agresión sexual y outro de utilización de menores con fines exhibicionistas o pornográficos, y a 17 años de prisión al informático Jaume Lli, de 43 años, por dos delitos de abusos sexuales y uno de utilización de menores, como principales responsables de la trama de pederastia descubierta en el barrio barcelonés del Raval en el verano de 1997.

 

ÁREA 28º-29º DEL SIGNO DE GÉMINIS Y 0º-12º DEL SIGNO DE CÁNCER:

SEVILLA, FELIPE GONZÁLEZ, PSOE

 

El paso del Sol, Quirón un planeta o nodo lunar en el área 28º-29º del signo de Géminis y 0º- 12º del signo de Cáncer es condición necesaria pero no suficiente como para suscitar accidentes, actos públicos u otros hechos significados en Sevilla, destacar a Felipe González, el líder sevillano del socialismo español de los años 1974-1996, y al PSOE.

 

El 10 de agosto de 1932, con Marte en 3º 26´/ 4º 6´ del signo de Cáncer, eclosiona un alzamiento militar en Sevilla, jefiado por el general José Sanjurjo, que fracasa por la denodada oposición de la clase obrera, que se echa a las calles y quema y saquea edificios conectados con las derechas como el Nuevo Casino, en la calle O´Donnell, el Círculo Mercantil e Industrial en la calle Sierpes, y los chalés de las familias Esquibel y Luca de Tena, en La Palmera; el 18 de abril de 1936, con Nodo Sur de la Luna en 6º 9´/ 2´del signo de Cáncer, cae herido en consecuencia de una agrésion el presidente de la Audiencia de Sevilla, Eugenio Eizaguirre; del 19 al 21 de julio de 1936, Nodo Sur de la Luna en 3º 27´/ 3º 17´del signo de Cáncer,Sevilla, militarmente partida en dos, desliza poco a poco a manos de la derecha insurrecta, aunque vive, el día 19, la madrugada «roja» de los incendios, con la quema de 16 edificios religiosos (Santa Ana, la O, San Gil, San Julián, San Román, san Roque, Omnium Sanctorium, San Bernardo, Inmaculada Concepción, Santa Marina, San Marcos, San Juan de Palma, Mercedarias, Montesión, Los Dolores y Las Salesas) y un día de impase militar, con una emboscada armada por las tropas de Queipo de Llano a los mineros oñubenses, arrestando a unos 68 de éstes, en la Pañoleta, bombardeos del aeródromo de Tablada por aviones del Gobierno de la República y la inflexión de la Marina a favor de la República, pero al día 20 las tropas de Queipo de Llano conquistan el barrio sevillano de San Bernardo y llegan al aeródromo de Tablada los primeros legionarios con el comandante Castejón y al día 21 las fuerzas del general Queipo de Llano comandadas por Haro y Castejón se hacen en dos asaltos con el barrio sevillano de Triana, fortificado en el Altozano; del 18 de julio al 11 de septiembre de 1936, con Nodo sur de la Luna en 3º 29´/ 0º 21´del signo de Cáncer, eclosiona y triunfa en Sevilla capital y después progresivamente en toda ésta província, el alzamiento contrarrevolucionario impulsado por el general Gonzalo Queipo de Llano, realizándose miles de fusilamientos de republicanos y gente de izquierdas bajo la dirección del capitán Manuel Díaz Criado; el 10 de agosto de 1937, con Venus en 5º 48´/ 6º 56´ del signo de Cáncer, fallece el arzobispo de Sevilla, cardenal Eustaquio Ilundáin y Esteban, natural de Pamplona; el 30 de Junio de 1982, con Sol en 7º 53´/ 8º 50´ del signo de Cáncer, se aprueba que Sevilla sea la capital de la autonomía andaluza.

 

El 14 de abril de 1931, con Júpiter en 12º 38´/ 45´ del signo de Cáncer, tras la caída de la monarquía se constituye un gobierno republicano, presidido por Niceto Alcalá-Zamora, de coalición de 8 partidos, uno de los cuales es el PSOE que jamás había tenido dirigentes suyos en puestos de ministro; el 28 de junio de 1931, con Mercurio en 3º 6´/ 5º del signo de Cáncer,el PSOE de Largo Caballero es el partido más votado en las elecciones a las Cortes Constituyentes de la República, obteniendo 115 de un total de 470 escaños y el 24, 4 % del voto; el 4 de septiembre de 1936, con Nodo Sur de la Luna en 0º 43´/ 35´ del signo de Cáncer, toma posesión el nuevo gobierno de la República, presidido por el sindicalista socialista Francisco Largo Caballero, integrado por 6 ministros del PSOE, 3 ministros republicanos, 2 comunistas, un nacionalista vasco y un nacionalista catalán, basado en una alianza antifascista para hacer frente al bando militar católico-falangista-tradicionalista que ya domina casi mitad del territorio español; el 30 de agosto de 1948, con Urano del 29º 59´ del signo de Geminis al 0º 1´ del signo de Cáncer, se firma el Pacto de San Jean de Luz entre el PSOE e la Confederación de Fuerzas Monárquicas; el 28 de octubre de 1982, con Nodo Norte de la Luna en 6º 28´/ 21´ del signo de Cáncer, el PSOE de Felipe González y Alfonso Guerra vence por primera vez las elecciones generales en España, con 202 diputados elegidos, incluyendo a los 25 del PSC, en un total de 350 y el 48, 34 %del voto, hundiendo al Gobierno de UCD de Calvo-Sotelo y al conyunto de las derechas, cuya principal fuerza, Alianza Popular, se ciñe a 107 diputados elegidos y el 26,46 % del voto; el 1 de diciembre de 1982, con Nodo Norte de la Luna en 4º 22´/ 20´ del signo de Cáncer, Felipe González es investido en el parlamento presidente de un gobierno basado en el PSOE, el primer gobierno español liderado por un socialista desde 1939; el 22 de junio de 1986, con Sol en 0º 17´/ 1º 15´ del signo de Cáncer, el PSOE del presidente del Gobierno Felipe González triunfa en las elecciones generales con mayoría absoluta de escaños, 184, de los cuales 21 del PSC, y un total del 44, 33 % del voto mientras la principal fuerza de derechas, Coalición Popular, estagna con 105 diputados elegidos y el 26,13 % del voto, lo que consolida el poder del sevillano presidente del Gobierno, Felipe González; el 29 de octubre de 1989, con Júpiter en 10º 53´ del signo de Cáncer, el PSOE vence las elecciones generales en España aunque coloca el número de sus diputados en 175, de los que 20 son del PSC, en el límite de la mayoría absoluta, y 39, 78 % del voto, manteniendo alejado del poder a su gran rival de derechas, el PP, que se ciñe a 101 diputados y el 25,14 % del voto; el 6 de junio de 1993, con Mercurio en 6º 20´/ 7º 52´ del signo de Cáncer, el PSOE del presidente del Gobierno Felipe González vence las elecciones generales en España con 159 diputados elegidos, de los cuáles 18 son del PSC, y un 39,1% del voto mientras el PP de José María Aznar es derrotado a pesar de que sube alcanzando 138 diputados con el 34,56 % del voto; del 19 al 22 de julio de 2000, con Mercurio en 10º 29´/ 11º 46´del signo de Cáncer, el PSOE  regional de Málaga y el PSOE nacional sobresalen, con el fallo de un atentado con bomba lapa en el coche de Jose Asenjo, secretario provincial del PSOE, en la noche del 19 al 20, y la desactivación de un coche bomba de ETA por la policía, en la malagueña calle de Amargura, en la madrugada del día 21, y la elección, el día 22, de José Luis Rodríguez Zapatero, con los votos a favor de los guerristas y de los catalanes, secretario general del PSOE en el 35º Congreso del partido con 414 votos (41,69 por ciento) sólo nueve votos de diferencia sobre su principal oponiente, José Bono, que cosecha 405 votos (40,79 por ciento); el 14 de marzo de 2004, con Saturno en 6º 19´ del signo de Cáncer, el PSOE de Rodríguez Zapatero alcanza una victoria de diamante en las elecciones generales legislativas, con el 42,64 % del voto y 164 diputados elegidos en un total de 350, derribando del castillo del poder ejecutivo en España que dominaba desde 1996 al PP de José María Aznar y Mariano Rajoy que se queda en el 37,64 % del voto y 148 diputados, menos 35 de los que poseeía hasta ahora.


 

He gastado años estudiando historia de España, descubriendo cientos de leyes sócio-planetarias, como las que planteo aquí, haciendo astrología histórico-social, y ni un solo editor de lengua española quiso editar mis estudios. Porque ? Por miedo, desconocimiento, o alguna otra razón que sólo Díos sabrá. Porque amaba a España y mantengo el amor a la astrología científica, he editado yo mísmo, en 2006, mi libro «Astrología y guerra civil de España de 1936-1939» cuyas ventas han sido muy escasas porque careció de difusión. Los historiadores, los filósofos, los sociólogos, los matemáticos, los astrofísicos, los periodistas y otros que ignoran la conexión del paso de los planetas por el Zodíaco con los hechos de historia de España son ignorantes, aunque sean catedráticos reputados. Y la ignorancia es, institucionalmente, más fuerte que la sabiduría, aunque es mas flaca en el plan epistémico de la verdad.

 

A mi opinión, se puede ser católico, protestante, cátaro, budista, islamico y creerse en el determinismo planetario porque este sujeta el carácter material de los cuerpos y la existencia y no anula, por completo, el libre-albedrío, aunque este queda muy limitado.

 

PS- Se é professor ou estudante de filosofia, história ou demais ciências, porque não começa a compreender os movimentos planetários e a astrologia histórico-social e libertar-se da crucial ignorância a que o votaram nessa matéria? Adquira na nossa loja online www.astrologyandaccidents.com as nossas obras «Álvaro Cunhal e Antifascismo na Astrologia Histórica», recentemente lançada, «Os acidentes em Lisboa na Astronomia-Astrologia» e outras que lhe fornecem conhecimentos que em nenhum outro lado pode encontrar. É tempo de ser culto e profundo! Pense por si, sem receio dos clichés dominantes.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 11:17
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 24 de Abril de 2013
Equívocos no manual «Lições de Filosofia, 10º Ano» da Didáctica Editora ( Crítica de Manuais Escolares - XLIX)

 

O manual «Lições de Filosofia 10º ano» de Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho, da Didáctica Editora,  incorre nos habituais erros da filosofia analítica sobre as correntes da acção humana no plano do livre-arbítrio, determinismo e indeterminismo. .

 

CONFUSÕES SOBRE LIBERTISMO E SEU SUPOSTO INCOMPATIBILISMO


 

Escrevem Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho:

 

«A teoria libertista combina duas teses: primeiro, que o determinismo é incompatível com o livre-arbítrio; segundo, que temos livre-arbítrio. Estas teses estão relacionadas: segundo o libertista, nem tudo está determinado precisamente porque temos livre-arbítrio» (Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho,  «Lições de Filosofia 10º ano», pag. 38, Didáctica Editora; o destaque a negrito é posto por mim).

 

 

Esta definição é uma incoerência, no seu conjunto: se nem tudo está determinado - ou seja, por exemplo, o movimento da água evaporando-se da superfície terrestre, condensando-se em nuvens e precipitando-se sobre a Terra é determinismo, o envelhecimento dos organismos vivos obedece a determinismos, etc - é porque temos livre-arbítrio, ou seja, há compatibilidade entre determinismo e livre-arbítrio. Se ambos existem, são compatíveis no quadro global da realidade. A compatibilidade é uma coexistência, não é necessariamente uma fusão ou interpenetração. Logo, é um erro dizer que o libertismo é um incompatibilismo - é um chavão, uma frase feita, sobre a qual não se opera reflexão.

 

E a definição de libertismo dada neste manual é, substancialmente, a mesma do compatibilismo ou determinismo moderado porque ambas admitem um livre-arbítrio e determinismo, e em ambas o livre-arbítrio pode agir contra o determinismo. Duplicação sob nomes diferentes, erro de raciocínio. É como dizer sobre uma dada estrada inclinada: «esta estrada que sobe não é a mesma estrada que desce».

 

Heráclito, do fundo dos séculos, ensina estes confusos «pensadores» analíticos: «o caminho que sobe e o caminho que desce são um e o mesmo». O caminho que sobe poderia ser o «libertismo» e o caminho que desce o «determinismo moderado». São, segundo estas definições, a mesma coisa, ora enfatizando verbalmente a liberdade, ora enfatizando o determinismo.

 

SOMOS SEMPRE CONSTRANGIDOS POR SITUAÇÕES ANTERIORES?

 

Lê-se neste manual:

«Comparemos as duas situações seguintes:

 

Situação 1. O João escolhe ficar em casa a estudar em vez de ir ao cinema.

Situação 2. O João é obrigado pelos seus pais a ficar em casa a estudar.

 

O determinista moderado defende que na situação 1 a acção do João é livre porque nada o obrigou a escolher uma coisa em vez de outra. Mas defende que na situação 2 a escolha de João não foi livre, porque foi obrigado pelos pais a ficar em casa. Contudo, a única diferença entre 1 e 2 é o tipo de constrangimento em causa. Na situação 2, o João é constrangido pelos pais. Na situação 1, é constrangido pelos acontecimentos anteriores.» (Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho,  «Lições de Filosofia 10º ano», pag. 42, Didáctica Editora).

 

Como se pode demonstrar que na situação 1 é constrangido pelos acontecimentos anteriores? Não pode. Sucede que, naquele momento, João acha que se vai aborrecer com o filme e por isso escolhe ficar em casa. É isto ser constrangido por acontecimentos anteriores?

 

É possível ainda argumentar contra a tese deste manual que «na situação 2 a escolha de João não foi livre, porque foi obrigado pelos pais a ficar em casa» com o pensamento de Sartre de que «nunca fomos tão livres como debaixo da ocupação alemã»  em 1940-1944 porque aí podíamos escolher sem meias tintas: resistir ao nazismo ou colaborar com ele. De facto, se João ficou em casa «obrigado» pelos pais foi porque não quis assumir a sua liberdade de rebeldia. Logo, a sua aceitação foi de livre vontade, derivou do exercício do livre-arbítrio porque, a menos que estivesse trancado no quarto e a chave da porta da parte de fora, preferiu a submissão do «animal doméstico». Podia ter saído de casa, desafiando a vontade dos pais. A sua decisão foi livre, apesar da condicionante. O mar da liberdade move-se sempre entre as rochas de condicionantes, mas a água flui, vai e vem, mesmo contornando as rochas ou submergindo-as.

 

ERROS NAS DEFINIÇÕES DE RELATIVISMO E OBJECTIVISMO

 

A definição de relativismo enferma do habitual erro da filosofia analítica:

 

«A tese central da teoria relativista é que os juízos de valor são relativos às sociedades. Quando uma sociedade condena ou aceita um determinado juízo de valor não pode estar enganada. Isto contrasta com os juízos de facto.» (Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho,  «Lições de Filosofia 10º ano», pag. 54, Didáctica Editora; o destaque a negrito é da minha autoria).

 

Esta definição é falsa e incoerente. A sociedade francesa, até há um mês atrás condenava, maioritariamente, e rejeitava, juridicamente, a legalização dos casamentos gays e lésbicos e a adopção de crianças por casais homossexuais. Era, portanto, «relativista» segundo, o raciocínio dos autores deste manual e «não podia estar enganada». .. Há dias, em 23 de Abril de 2013, por votação na Assembleia Nacional francesa, com 331 votos a favor (socialistas, comunistas e outra esquerda) e 225 votos contra (direitas), foi aprovada a lei autorizando o casamento de gays e lésbicas e a adopção por estes de crianças. Isto, sim, é relativismo, variação de posição/ verdade teórica, axiológica, jurídica. E nega a definição de relativismo dada acima segundo a qual «quando uma sociedade condena ou aceita um determinado juízo de valor não pode estar enganada.» Esta definição do manual  é absolutismo e não relativismo.

 

Por outro lado, Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho persistem em ignorar, por limitação de inteligências ou subserviência  face às cúpulas universitárias ou ambas as coisas, que relativismo é o mosaico de opiniões e ideias no seio de uma mesma sociedade. É relativismo haver ecologistas, comunistas, conservadores, sociais-democratas, católicos, ateus, agnósticos, benfiquistas, sportinguistas, portistas, etc, cada um com a sua ideologia e valores.

 

Sobre objectivismo escreve o manual:

 

«A tese central da teoria objectivista é que alguns juízos de valor são objectivos; o objectivismo não defende que todos os juízos de valor são objectivos. Isto significa que quando uma pessoa ou uma sociedade condena ou aceita um dado juízo de valor, pode estar enganada, tal como acontece com os juízos de facto.»

(Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho,  «Lições de Filosofia 10º ano», pag. 57, Didáctica Editora; o destaque a negrito é da minha autoria).

 

Esta definição peca por vagueza. É tautológica: objectivismo é... juízos de valor objectivos. Não se diz com clareza o que é objectividade, que esta se divide em duas modalidades: extra anima e intra anima. Coitados, não sabem, não têm precisão no pensamento... A dialética é, para eles, uma estranheza.

 

Aires Almeida, Célia Teixeira e Desidério Murcho continuam petrificados nas suas erróneas definições, atrelados ao frágil pensamento de Thomas Nagel, John Searle, Peter Singer e outros, apesar de lerem este blog há anos e terem obrigação de rectificar os seus gritantes equívocos em filosofia. Nada a fazer.. O poder corrompe. Os mestres e doutorados nas universidades estabelecem, em regra, entre si um pacto de silêncio e aceitação dos erros uns dos outros.

 

Antes de tudo, «há que preservar a autoridade sobre os alunos, não pôr em dúvida as cátedras, e estar nas boas graças da opinião pública (im)pensante», dos editores e jornalistas, da classe dominante.  Assim pensam os antifilósofos, dominados por um pragmatismo estreito de ganhar dinheiro com manuais das grandes editoras e popularizar a superficial filosofia analítica que os faz "ser alguém" no mundo burguês dos títulos universitários e das certificações.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:30
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 18 de Abril de 2013
Equívocos no manual de Filosofia do 10º ano da Raíz Editora (Crítica de Manuais Escolares-XLIII)

No manual «Filosofia 10º ano», da Raíz Editora, para o ensino secundário em Portugal, manual cujos autores são Adília Maia Gaspar e António Manzarra - e o catedrárico Michel Renaud como consultor científico - encontram-se, mais uma vez, as confusões inerentes à filosofia analítica contemporânea.   

 

CONFUSÃO DE DETERMINISMO COM FATALISMO E NÃO DISTINÇÃO ENTRE LIBERTARISMO E COMPATIBILISMO

 

Aponta o referido manual quatro concepções acerca do determinismo e do livre arbítrio:

 

«Determinismo- Nega a existência do livre-arbítrio. O ser humano, tal como todos os fenómenos da natureza, está determinado pelo princípio da causalidade.

 

Indeterminismo - Não assume a existência do livre-arbítrio, assim como os fenómenos físicos se dão aleatoriamente e não segundo uma determinação prévia ou uma vontade, o mesmo acontece com a acção humana.

 

Libertarismo - Afirma a existência do livre-arbítrio, pois havendo separação entre a natureza física e a mental, esta última não é determinada pelo princípio da causalidade, mas sim pela vontade.

 

Compatibilismo- Afirma a relação entre determinismo e livre-arbítrio ao admitir que o ser humano é determinado, mas a sua acção pode ser livre dentro dos limites em que não existem constrangimentos.» (Adília Maia Gaspar e António Manzarra, Filosofia 10º ano, pág. 74, Raíz Editora)

 

 

Comecemos por notar a ambiguidade da noção de determinismo: na primeira definição é dito que o determinismo exclui o livre-arbítrio, e é, portanto, uma lei totalitária sobre toda a natureza biofísica, incluindo a vida humana física, psíquica, social, espiritual. Na definição de compatibilismo, dada acima, a noção de determinismo já não exclui o livre-arbítrio. Onde está o erro? Na confusão entre determinismo e fatalismo. Onde se lê determinismo na primeira das quatro definições acima, deveria ler-se fatalismo, doutrina da predestinação absoluta. E note-se que o fatalismo pode, ou não, reger-se por leis fixas e imutáveis. Determinismo não é tudo estar predestinado: é o facto de, nas mesmas circunstâncias, as mesmas causas produzirem sempre os mesmos efeitos, o que não exclui factores aleatórios exteriores como o livre-arbítrio.

 

Thomas Nagel, esse académico injustamente elevado à condição de «grande filósofo» por editores e académicos néscios, perfilha o mesmo erro de confundir determinismo com fatalismo:

 

«Algumas (pessoas) pensam que, se o determinismo é verdadeiro, ninguém pode ser razoavelmente elogiado ou condenado por nada, tal como a chuva não pode ser elogiada ou condenada por cair.» (Thomas Nagel, Que quer dizer tudo isto?, pag 57 citado in Adília Maia Gaspar e António Manzarra, Filosofia 10º ano, pág. 75, Raíz Editora).

 

O próprio John Searle cai em contradição:

 

«Naturalmente, tudo no mundo é determinado mas, apesar de tudo, algumas acções são livres. Dizer que são livres não é negar que sejam determinadas; é afirmar que não são constrangidas. Não somos forçados a fazê-las.» ( John Searle, Mente, cérebro e ciência, citado in Adília Maia Gaspar e António Manzarra, Filosofia 10º ano, pág. 77, Raíz Editora; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Dizer que uma acção é livre não é negar que seja determinada? Claro que é: livre opõe-se a determinado. Como é que a acção livre de eu escolher entre tomar um café ou comer um bolo é determinada e livre ao mesmo tempo? Se é determinada, não é livre. E o determinismo não é um constrangimento da acção? Claro que é. Eis o «grande»John Searle, paladino da confusão analítica, no seu melhor! Como não hão-de os autores de manuais veicular erros se os teóricos que os inspiram mergulham no magma da confusão?

 

As definições, acima, de libertarismo e compatibilismo não se distinguem uma da outra: em ambas, se postula haver livre-arbítrio; em ambas (na primeira, de forma não explícita) se postula haver determinismo. É, pois, uma duplicação da mesma ideia, formulada em termos diferentes, um erro de «paralaxe». Não distinguindo correctamente os géneros das espécies e as diferentes espécies entre si, por ausência de racionalidade dialéctica, a filosofia analítica (Thomas Nagel, Simon Blackburn, Nigel Warburton, os autores do «Routledge Dictionary of Philosophy» como Michael Proudfoot e A.R. Lacey, e muitos outros) produz deformações teóricas da realidade.

 

A CONFUSÃO DE OBJECTIVISMO AXIOLÓGICO COM REALISMO AXIOLÓGICO

 

O manual define três correntes sobre os valores: subjectivismo axiológico, objectivismo axiológico e concepção relacional dos valores, divisão que só na aparência está certa. Sobre o objectivismo axiológico, escreve o manual:

 

«O objectivismo axiológico representado na época contemporânea por filósofos como Max Scheler (1874-1928) e Nicolai Hartman (1882-1950) que lhe aportaram um contributo próprio e original, remonta a Platão (século IV- a.c) e à Teoria das Ideias por ele defendida.(...)«

«Como podemos depreender, de acordo com esta concepção, os valores são independentes das coisas valiosas; estas só são coisas valiosas na medida em que deles participam; por exemplo, um quadro só é belo se conseguir corporizar o ideal de beleza...»(Adília Maia Gaspar e António Manzarra, Filosofia 10º ano, pág. 92, Raíz Editora).

 

Ora, esta definição não está certa, é redutora. O objectivismo não implica, necessariamente, que os valores sejam independentes das coisas valiosas. A teoria de Aristóteles é um exemplo de objectivismo imanentista dos valores, em que os valores residem apenas nas coisas valiosas: o belo só existe imanente às flores belas, às mulheres belas, às paisagens belas, à escrita e à pintura ou escultura belas e a um sem número de coisas ou actos reais; não existe o Belo como arquétipo num mundo inteligível de Ideias, como teorizava Platão.

 

Por outro lado, a axiologia de Max Scheler não é um realismo axiológico mas fenomenologia axiológica: os valores são objectivos mas não existem por si mesmos, sem humanidade e sem homens individuais que os definam e experienciem. Ora isto é a «concepção relacional dos valores» que Adília Gaspar, António Manzarra e Michel Renaud distinguem, erroneamente, de objectivismo dos valores. De facto, Scheler veiculava essas duas posições: objectivista e correlacional dos valores, posições que pertencem a géneros diferentes e, portanto, podem coexistir na mesma teoria. Mais uma vez a superioridade da dialéctica, contida na minha crítica, sobre a filosofia analítica, desengonçada e caótica.

 

OS UTILITARISTAS ACTUAIS SUBSTITUIRAM A FELICIDADE PELA PREFERÊNCIA?

O manual escreve:

 

«Na época contemporânea, utilitaristas como Richard Hare e Peter Singer substituiram o conceito de felicidade pelo de preferência. Singer pretende mesmo explicar o comportamento moral recorrendo à teoria da evolução.» ...»(Adília Maia Gaspar e António Manzarra, Filosofia 10º ano, pág. 151, Raíz Editora; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Mesmo que esta frase, assumida por Adília Maia Gaspar, António Manzarra e Michel Renauld, se possa imputar a Richard Hare e Peter Singer ela revela apenas a confusão intelectual dos filósofos analíricos e dos autores deste manual: a felicidade não pode ser substituída pela preferência porque são espécies de géneros diferentes, felicidade é um conteúdo hedónico e preferência é uma forma, um meio de manipular aquele conteúdo. Os universitários de filosofia não conhecem a dialética.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 15:26
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2013
Equívocos em testes de filosofia do blog «Dúvida metódica»

 

Os professores que seguem a linha das "perguntas de escolha múltipla com uma só resposta certa, expressa num X colocado pelo aluno em uma das quadrículas", dão, frequentemente, erros na construção dos testes de filosofia. Falta-lhes a visão do uno que é própria da dialética: é comum isolarem a «verdade» numa única proposição de entre quatro, sem se aperceberem que formularam mais que uma resposta certa. Milhares de professores de filosofia cometem este tipo de erro de hiper-análise: vêem a árvore, mas não a floresta. 

 

Presumo que a maioria dos que ensinam filosofia são de nível intelectual mediano ou mesmo medíocre. Há até causas sociológicas que ajudam a explicar este fraco nível: em geral, os professores entre os 30 e os 50 anos de idade não filosofaram nem lutaram como antifascistas antes de 25 de Abril de 1974, não conheceram as doutrinas marxista e anarquista, a dialética, o estruturalismo, nem a metafísica de direita tradicional (Guenón, Évola, Mircea Eliade, etc). São duas gerações deficitárias na amplitude do saber filosófico, sugadas, em muitos casos, pelo buraco negro da "filosofia analítica".  

 

Eis algumas questões mal construídas em um teste de diagnóstico de filosofia do 10º ano de escolaridade em Portugal, de Setembro de 2011 extraído do blog «Dúvida Metódica», de Carlos Pires e Sara Raposo, que a propaganda falaciosa de Domingos Faria e outros  amigos de Desidério Murcho e Aires Almeida apresenta como «um dos melhores blogs de filosofia na internet»(!):

 

 

1.3) A diversidade de opiniões existe, por exemplo, em relação a assuntos como:

    A. A religião, a política e a geometria.

    B. As relações sociais e os assuntos da vida.

    C. A política e a geometria

    D.  A religião e a matemática.

    E. Nenhuma das respostas anteriores é correcta.

 

Crítica: À primeira vista, ser-se-ia levado a supor que só a resposta B é correcta. Mas não é assim: a respostas A e C estão igualmente correctas porque na geometria há divergência de opiniões, há geometrias euclidianas e não euclidianas - por exemplo, a concepção de espaço curvo, ondulatório na teoria da relatividade de Einstein, supõe uma geometria não euclidiana e está longe de recolher a unanimidade de opiniões dos geómetras. A questão 1.3 está, pois,mal construída.  

 

 

1,8) A passagem da teoria geocêntrica para a teoria heliocêntrica é um exemplo que permite demonstrar que:

 

A) Uma opinião numa época foi rejeitada numa época seguinte.

B) As opiniões mudam de época para época.

C) Todas as opiniões aceites numa época consideram-se erradas na época seguinte.

D) Algumas opiniões erradas consideram-se verdadeiras na época seguinte.

E) Nenhuma das respostas anteriores é correcta. 

 

Crítica: A autora desta questão, Sara R., pretende que só uma das respostas é correcta. Ora, se reflectirmos bem, verificamos que tanto a resposta A) como a B) e a D) estão correctas. Portanto, esta questão está mal construída e vai penalizar alunos que responderam bem mas diferente da única reposta que se considera certa.

 

E, em um teste de Maio de 2011, de Sara Raposo, figuram as seguinte questões:

 

2.2 "...Concepção de Deus segundo a qual este é único, todo-poderoso, omnisciente, misericordioso, absolutamente bom, etc" expressa uma posição:

 

A) ateísta.

B) teísta.

C) religiosa

D) agnóstica

E) Nenhuma das alternativas anteriores é correcta.

 

Crítica: Há duas respostas correctas e não uma- supostamente a B) teísta - como pensou a autora da questão. O teísmo é espécie dentro do género religião. A resposta C) está também correcta: a crença no Deus único e misericordioso é uma posição religiosa. A questão 2.2 possui, pois, certa ambiguidade.

 

2.3  A alínea que constitui um exemplo de politeísmo é:

 

A) Alá.

B) Zeus.

C) os deuses gregos;

D) Jesus Cristo.

E) Nenhuma das alternativas anteriores é correcta.

 

Crítica: A autora do teste presume que só há uma resposta correcta: a C), os deuses gregos. Mas de facto há duas respostas correctas: a resposta B), Zeus, o pai dos deuses do Olimpo, está igualmente certa, visto que Zeus é apenas a figura mais importante do panteão dos deuses gregos, um politeísmo. Logo, a questão 2.3 é deficiente.

 

CONFUSÕES SOBRE DETERMINISMO

 

Sara Raposo, que com Carlos Pires tem a autoria do blog «Dúvida Metódica», escreveu no post «Se o determinismo radical for verdadeiro, salvar 155 pessoas não tem qualquer mérito, publicado em 3 de Fevereiro de 2009 nesse blog:

 

«A palavra “determinismo” exprime a ideia de que tudo o que acontece é o efeito ou o resultado de um acontecimento anterior. Assim, os acontecimentos não ocorrem devido ao acaso, têm sempre uma causa que, ao ser conhecida, nos permite compreender a razão de ser dos factos.
«Assim, dizemos que o acontecimento X causou o acontecimento Y (por exemplo: ao largar uma caneta, a existência da força gravítica é a causa da sua queda para o solo). Assim, torna-se possível, conhecido o nexo causal entre determinados fenómenos, prever a sua ocorrência, pois supomos que há uma relação necessária entre a causa e o efeito, o que significa que a presença de um conduz inevitavelmente à ocorrência do outro. Esta concepção filosófica permite descrever, segundo a teoria do determinismo radical, não só os fenómenos da natureza como também as acções humanas.» (Sara Raposo. «Se o determinismo radical for verdadeiro, salvar 155 pessoas não tem qualquer mérito»; o bold é posto por mim).

 

Definir determinismo como "a teoria que exprime a ideia de que tudo o que acontece é o resultado de um acontecimento anterior" é um erro, erro generalizado entre os filósofos analíticos. Esta errónea definição dada por Sara Raposo exprime, sim, o princípio da razão suficiente formulado por Schopenhauer - que poderíamos designar por causalismo: nada acontece sem uma causa - mas não o determinismo que postula que nas mesmas circunstâncias as mesmas causas A produzem sempre os mesmos efeitos B. Quando se diz que Deus criou o mundo por um acto livre existe um acontecimento anterior à criação - a vontade divina - mas não há aí qualquer determinismo, mas sim um «livre-arbítrio» divino, uma causa incausada. Ora o livre-arbítrio é causa de muitos acontecimentos e, onde ele existe, há causa sem determinismo.

 

 

NÃO SE PODE CONHECER O QUE É FALSO?

 

A propósito de conhecimento, pairam igualmente confusões neste blog «Dúvida Metódica». Carlos Pires escreve:

 

«Só se pode conhecer o que é verdadeiro, aquilo que de facto sucede. Aquilo que não sucede não pode ser conhecido, pois nada há para conhecer.
Tal como uma pessoa se pode enganar e julgar ver algo sem realmente estar a ver, também se pode enganar e julgar que conhece e afinal não conhecer.
Mas isso não significa que a pessoa tenha um conhecimento falso. É comum ouvirmos falar de conhecimentos falsos. No entanto, essa expressão não pode ser entendida literalmente, é apenas uma maneira de falar. Se conhecer é conhecer verdades, se não se podem conhecer falsidades, então não há conhecimentos falsos. Se uma crença é falsa, não é conhecimento. Se uma crença constitui conhecimento, não é falsa. Por isso, há crenças falsas mas não conhecimentos falsos

 

«Em suma: para haver conhecimento é preciso haver verdade. Esta é uma condição necessária do conhecimento.» (Carlos Pires, O carácter factivo do conhecimento, in «Dúvida Metódica»; o bold é posto por mim).

 

O termo conhecimento possui dois sentidos, como exige a dialética, disciplina estranha a Nigel Warburton, Simon Blackburn, João Branquinho, Desidério Murcho e outros divulgadores da filosofia analítica: o conhecimento de ideias e teorias, que são interpretações da realidade; o conhecimento da realidade, objectiva em si mesma. Por isso, é possível conhecer falsidades, que são ideias, imagens e teorias erróneas. Exemplo: pode conhecer-se a teoria da vacinação, uma falsidade científica que propaga a ideia de imunização através da inoculação de vírus vivos ou atenuados e toxinas no organismo humano; e pode conhecer-se a verdade objectiva de milhares de pessoas não vacinadas que nunca contraíram a "respectiva" doença, a verdade objectiva de pessoas com regimes de saúde natural (veganismo, macrobiótica, lacto-ovo-vegetarianismo, etc) que gozam de maior saúde do que os milhões de infectados por vacinas.

 

A tese de que "só pode conhecer-se a verdade" é antidialética e totalitária: não há verdade sem falsidade, conhecer a verdade implica conhecer ao menos o vulto da não verdade, isto é, da falsidade. Há duas noções de verdade em foco: a verdade em si mesma, objectiva, e a verdade como apreensão pelo sujeito (aletheia). Isto não é entendido por Carlos Pires nem pelos articulistas da «Crítica na rede»,  conhecido veículo de divulgação do confuso pensamento analítico em Portugal e Brasil.

,

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:46
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Terça-feira, 10 de Janeiro de 2012
Questionar Kant,: por que razão a categoria de causa-efeito não está no mesmo grupo que a de necessidade-contingência?

 

Kant definiu, de modo  imperfeito,doze categorias ou conceitos puros do entendimento que permitem moldar e pensar os fenómenos. Como categorias da  relação colocou:

 

Inerência e subsistência

(substantia et accidens)

 

Causalidade e dependência

(causa e efeito)

 

Comunidade

(acção recíproca entre

o agente e o paciente)
 

(Kant, Crítica da Razão Pura, página 111, Fundação Calouste Gulbenkian).

 

E como categorias da modalidade Kant definiu as seguintes:

 

Possibilidade-Impossibilidade

Existência - Não-existência

Necessidade-Contingência.

 

Por que razão sendo a necessidade a lei de causa-efeito uniforme e infalível não figura nas categorias da relação, junto da causa-efeito, mas sim nas da modalidade? A causa-efeito é género e a necessidade - as mesmas causas produzem sempre os mesmos efeitos nas mesmas circunstâncias - é uma sua espécie. Outra espécie deste género causa-efeito é a contingencialismo ou indeterminismo - nas mesmas circunstâncias, as mesmas causas não produzem sempre os mesmos efeitos.

 

Era pois mais lógico que Kant tivesse enunciado umas categorias da regularidade ou da causalidade que seriam:

 

Causa-efeito.

Causa-efeito uniforme e infalível (necessidade),

Causa-efeito falível (contingência).

 

Kant não possuía um pensamento completamente dialético em matéria de categorias do entendimento que permitisse arrumar estas de forma perfeitamente racional..  

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 17:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 4 de Janeiro de 2012
Equívocos de Desidério Murcho em «7 ideias filosóficas que toda a gente deveria conhecer»

 

No seu livro « 7 ideias filosóficas que toda a gente deveria conhecer», Desidério Murcho (18 de Maio de 1965; Brasil?) professor de filosofia na universidade de Ouro Preto e autor de manuais escolares, escreve:

 

« Hume não distingue, nos seus textos, entre três categorias filosóficas importantes: o necessário, o a priori e o analítico. A tudo isto chama Hume simplesmente "relações de ideias", que contrastam com as questões de facto, onde também não distingue o contingente, o a posteriori e o sintético. É uma questão de facto que está agora a chover, por exemplo, mas basta relacionar ideias, pensa Hume, para saber que cinco é um número ímpar.» ( Desidério Murcho, 7 ideias filosóficas que toda a gente deveria conhecer, Bizâncio, pag. 84; a letra negrita é posta por mim). 

 

Onde estão as citações de Hume que comprovem estas asserções? Não existem. Desidério Murcho equivoca-se. Dá de Hume, superior em inteligência e erudição a Murcho, uma imagem caricatural.  Comecemos por constatar que David Hume distingue perfeitamente entre a contingência - que pode englobar a contiguidade e a sucessão - e a necessidade ou determinismo, isto é, a conjunção constante, a conexão infalível entre as mesmas causas e os mesmos efeitos, nas mesmas circunstâncias:

 

«Assim, ao seguir o nosso caminho, involuntariamente descobrimos uma nova relação entre a causa e o efeito, quando menos o esperávamos e quando estávamos inteiramente concentrados em outro assunto. Essa relação é a sua conjunção constante. A contiguidade e a sucessão não bastam para nos fazer afirmar que dois objetos são causa e efeito, a não ser que constatemos que estas duas relações se mantêm em muitos casos. Podemos ver a vantagem que há agora em abandonar o exame direto desta relação para descobrir a natureza daquela conexão necessária que constitui parte tão essencial dela.» (David Hume, Tratado da natureza humana, pag 123, Fundação Calouste Gulbenkian; o negrito é posto por mim).

 

Alguém pode negar que, no texto acima, o autor distingue entre o contingente, que não permite determinar invariavelmente a relação de causa-efeito, e o necessário, que vertebra esta relação?

 

HUME DISTINGUIU ENTRE A POSTERIORI (ACONTECIMENTO DA EXPERIÊNCIA OU DERIVADO DA EXPERIÊNCIA) E CONTINGENTE, AO CONTRÁRIO DO QUE DIZ MURCHO

 

Hume escreveu ainda:  

 

«É preciso notar agora que embora o acaso e a causação sejam diretamente contrários, é-nos contudo impossível conceber esta combinação de chances, que é necessária para tornar uma possibilidade superior a outra, sem supor uma mistura de causas entre as chances e uma conjugação de necessidade nalguns pontos com indiferença total noutros.» (David Hume, ibid, pag 164; o negrito é posto por mim).

 

Nesta citação acima, Hume distingue conceptualmente o acaso, isto é, a contingência, da causação, isto é, o determinismo ou necessidade, afirmando que são diretamente contrários.

 

Contrariamente ao que afirma DM, Hume distinguiu entre a posteriori, isto é, acontecimento da experiência ou derivado da experiência, e contingente, isto é, sujeito à incerteza, dependente de uma certa margem de acaso:

 

«  O vulgo, que avalia as coisas pelas primeiras aparências, atribui a incerteza dos acontecimentos a uma incerteza de tal ordem nas causas que muitas vezes as priva da sua influência habitual, mesmo que na sua atuação elas não encontrem obstáculo ou impedimento. Mas os filósofos, observando que quase todas as partes da natureza contêm uma imensa variedade de molas e princípios, que estão ocultos em razão da sua pequenez ou afastamento, descobrem que é pelo menos possível que a contrariedade dos acontecimentos provenha não de uma contingência na causa, mas sim da atuação secreta de causas contrárias. Esta possibilidade transforma-se em certeza por uma observação ulterior, quando eles notam que, mediante rigorosa investigação, uma contrariedade de efeitos revela sempre contrariedade de causas, e provém de que elas se paralisam e opõem mutuamente.» (David Hume, ibid, pag 171; o negrito é posto por mim).

 

Neste excerto acima, Hume afirma que os acontecimentos ou factos a posteriori, empíricos, são frequentemente contingentes aos olhos do vulgo, mas não o são aos olhos dos filósofos. Isto significa distinguir o contingente do a posteriori, substituindo o primeiro pela categoria do necessário no reino a posteriori dos factos.

 

Quanto á afirmação de DM de que «Hume não distinguiu sintético de contingente e a posteriori», resta perguntar: que se entende por sintético? Será obrigatório que todos os filósofos definam sintético como o fazia Kant dizendo que juízo sintético é aquele em que o predicado acrescenta algo novo ao sujeito, como por exemplo, o juízo «A soma dos três ângulos de um triângulo é 180º graus» ou o juízo «A maçã é vermelha»?

 

Não, não é obrigatório. Portanto, David Hume fica livre do peso dessa crítica de Murcho. Sintético pode definir-se de outra maneira, diferente de Kant: é um resumo holístico de um sistema ou ente de partes múltiplas; é um resumo unitário e superador de dois momentos contrários entre si, a tese e a antítese (definição de Hegel).

 

HUME DISTINGUIU A PRIORI DE «NECESSÁRIO», CONTRA O QUE AFIRMA MURCHO

 

É também falsa a afirmação de Murcho de que Hume não distinguiu o a priori de necessário. Hume escreveu:

 

« Não há fundamento algum para uma conclusão a priori relativamente às operações ou à duração de qualquer objeto de que a mente humana possa formar uma concepção. De qualquer objeto se pode imaginar que se torne inteiramente inativo ou é aniquilado num instante; e é um princípio evidente que tudo o que podemos imaginar é possível.» (David Hume, ibid, pag 298).

 

Hume afirma que não há conhecimento  a priori...A priori é uma região do conhecimento, fora do mundo empírico, região que Hume nega formalmente, e necessário é um modo do ser e do conhecer, fora ou dentro do mundo empírico. São distintos entre si. Hume nega o raciocínio necessário:

 

«Segundo o meu sistema, todos os raciocínios são apenas efeitos do hábito, e o hábito só exerce influência enquanto aviva a imaginação e nos faz conceber fortemente um objeto. » (David Hume, Tratado da natureza humana, pag 189-190, Fundação Calouste Gulbenkian; o negrito é posto por mim).

 

Mas existe a causação como uma das sete relações filosóficas que são o equivalente às categorias de Kant, com a diferença marcante de que aquelas não existem a priori como estas últimas. A causação, segundo Hume, não é a priori mas derivada da experiência:

«A ideia de causação deve pois originar-se de qualquer relação entre os objetos, e é esta relação que agora deveremos esforçar-nos por descobrir. Em primeiro lugar, verifico que todos os objetos que consideramos causas ou efeitos são contíguos, e que nada pode agir num tempo e lugar distantes, por pouco que seja, do tempo e lugar da sua própria existência. (...) Podemos, pois, considerar a relação de contiguidade essencial à de causação. »(David Hume, Tratado da natureza humana, pag 110, Fundação Calouste Gulbenkian; o negrito é posto por mim).

 

 A imaginação é um poder à priori que formula habitualmente ideias a posteriori, como casa, nuvem ou cavalo, e ideias aparentemente a priori como, por exemplo, Deus, pois nunca ninguém viu Deus, mas este é uma ideia composta de várias ideias simples (pai, juíz, imperador, sábio, etc). Creio que ,segundo Hume, o a priori se reduz às faculdades (imaginação, memória) em repouso mas não no seu atuar.

Sendo a causação, entendida como conexão infalível entre causa A e efeito B, o mesmo que necessidade, esta é uma relação filosófica a posteriori, extraída pela imaginação da experiência. Logo, contra o que diz Murcho, necessidade e a priori são coisas distintas no sistema empirista de Hume.

 

Parece, pois, que Murcho não conhece com rigor a teoria de David Hume, não capta o essencial do pensamento deste, talvez demasiado complexo para o simplismo do parafilósofo luso-brasileiro.

 

Quanto à afirmação de Murcho de que Hume «não distinguiu necessário e a priori de analítico», cabe perguntar: o que se entende por analítico? Estaremos obrigados a aceitar como único significado do termo analítico a definição kantiana de juízo analítico como aquele em que o predicado nada acrescenta de novo ao sujeito como, por exemplo, «a esfera é redonda»?

 

Não, não estamos. Por isso, Hume fica livre da acusação de Murcho. Analítico pode significar: que decompõe em elementos um todo e aumenta o conhecimento. Isto é diferente da noção kantiana.

 

KANT NÃO DISTINGUIU COM RIGOR O NECESSÁRIO DO A PRIORI?

 

Desidério Murcho escreve sobre Kant:

 

«Kant introduziu uma distinção entre o a priori e o necessário, por um lado, e o analítico, por outro. Apesar de continuar a não distinguir com rigor o a priori do necessário, como fazemos hoje, distinguiu cuidadosamente o analítico deste par conceptual.» (Desidério Murcho, ibid, pag 84).

 

Não tem razão DM ao apontar a Kant o "não distinguir com rigor a priori de necessário". A tábua das categorias, na ontognosiologia de Kant, é uma estrutura do entendimento a priori, anterior à experiência e fora desta, que inclui doze categorias (a priori) uma das quais é a necessidade-contingência. Então, as restantes categorias ou conceitos puros -  Unidade, pluralidade, totalidade; realidade, negação, limitação; inerência e subsistência, causalidade e dependência, comunidade; possibilidade-impossibilidade, existência-não existência - são todas a priori. ou puras. 

 

«Esta é pois a lista de todos os conceitos, originariamente puros, da síntese que o entendimento a priori contém em si, e apenas graças aos quais é um entendimento puro; só mediante eles pode compreender algo no diverso da intuição, isto é, pode pensar um objeto dela.» (Kant, Crítica da Razão Pura, página 111, Fundação Calouste Gulbenkian).

 

Há alguma falta de rigor nesta distinção entre o a priori, que engloba o conjunto das doze categorias, e a necessidade que integra uma dessas categorias? Não há.

 

Kant apresenta o a priori como o não empírico, isto é, o transcendental. Por exemplo, no seguinte excerto:

 

«A qualidade da sensação é sempre meramente empírica e não pode, de modo algum, ser representada a priori (por exemplo, as cores, o sabor, etc). (...)

«É digno de nota que, nas grandezas em geral, só possamos conhecer a priori uma única qualidade, que é a continuidade, enquanto em toda a qualidade (no real dos fenómenos) nada mais podemos conhecer a priori a não ser a sua grandeza intensiva, o ter um grau; tudo o mais é da alçada da experiência.» (Kant, Crítica da Razão Pura, páginas 207-208, Fundação Calouste Gulbenkian).

 

E sobre a necessidade diz:

 

«O esquema da necessidade é a existência de um objeto em todo o tempo.» (Kant, ibid, pag 186).

 

«Antes de mais, cumpre observar que as verdadeiras proposições matemáticas são sempre juízos a priori e não empíricos, porque comportam a necessidade, que não se pode extrair da experiência.» (Kant, ibid, pag 46).

 


 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 23:25
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Determinismo e indetermin...

A Astrologia científica, ...

O «libertismo» é incompat...

Determinismo moderado? Ou...

Barcelona y el area 0º-12...

Equívocos no manual «Liçõ...

Equívocos no manual de Fi...

Equívocos em testes de fi...

Questionar Kant,: por que...

Equívocos de Desidério Mu...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds