Domingo, 12 de Novembro de 2017
Reflexões de Novembro de 2017

 

TRUMP TEM UM PONTO IMPORTANTE A SEU FAVOR: NÃO PERTENCE AO CLUBE DE BILDERBERG, COMO ROCKFELLER, PINTO BALSEMÃO, MARCELO REBELO DE SOUSA, ANTÓNIO COSTA, SANTANA LOPES E RUI RIO. Trump derrotou Hilary Clinton e Obama, membros do sinistro Clube de Bilderberg, nas eleições presidenciais de Novembro de 2016. Os aristocratas e políticos de Bilderberg, como a família real holandesa, Jean-Claude Junker, George Soros e Angela Merkel, querem destruir os Estados-nação e fomentar o fluxo migratório de islâmicos para a Europa, a fim de converter esta num caldo atípico de nações enfraquecidas, dissolvidas, invertebradas. Carles Puigdemont, presidente da República Catalã no exílio, tem desmascarado, desde Bruxelas, esta casta de políticos apátridas e mundialistas que governa a União Europeia. O gesto «humanitário» de Angela Merkel ao acolher 1 milhão de refugiados islâmicos visa desestruturar o espírito germânico e facilitar o governo mundial único.

 

TRUMP DENUNCIA A ISLAMIZAÇÃO DA EUROPA E COLOCA-SE À ESQUERDA DOS CONSERVADORES, LIBERAIS E SOCIALISTAS. Denunciar o islamismo como islamofascismo, como o faz José Rodrigues dos Santos, é correcto. Ser de esquerda é não só fortalecer a democracia e o socialismo democrático mas também travar a invasão islâmica da Europa. Não se trata de racismo mas de choque entre o laicismo democrático e o fanatismo religioso totalitário. Os islâmicos matam em nome de Deus, oprimem nitidamente as suas mulheres. A França é um exemplo da má islamização do país.

 

 

A REVOLUÇÃO SOVIÉTICA DE 1917, INICIADA EM 7 DE NOVEMBRO, FAZ 100 ANOS. Lenine, Trotsky, Staline foram uma tragédia para o povo russo. Serviram-se da classe operária russa, da guarda vermelha, para instalarem uma ditadura burocrática totalitária. Houve apenas um aspecto favorável no stalinismo, de 1922 a 1953: aliar-se, provisoriamente, à luta da classe operária nos países capitalistas contra as respectivas burguesias e derrotar o imperialismo nazi de Hitler em 1941-1945. De resto, o stalinismo foi horrendo: puro terror, goulags, escravidão sobre os povos da URSS.

 

NÃO AMAMOS AS PESSOAS MAS AS QUALIDADES QUE ELAS TRANSPORTAM: BELEZA DE ROSTO, AFABILIDADE, PERFEIÇÃO PROFISSIONAL, CAPACIDADE DE TRABALHO EM PROL DOS OUTROS, SABEDORIA, INTELIGÊNCIA, ESPÍRITO JOVIAL E DIVERTIDO, ETC. Esta reflexão foi feita há séculos pelo filósofo francês Blaise Pascal. Portanto, está-se sujeito a deixar de amar uma pessoa se a qualidade que nos atrai nela desaparece. Não há amores absolutos a seres com invólucro corporal material.

 

O AMOR É UM JOGO EM QUE NOS ENGANAMOS A NÓS MESMOS E ENGANAMOS OS OUTROS. Só existe o amor próprio e o amor geral seja a quem for que escolhe cair sobre esta ou aquela pessoa em cada circunstância ou fase da vida. Quem ama outrém ama-se a si mesmo/a.

 

O SISMO DE 12 DE NOVEMBRO NO IRÃO E NO IRAQUE, QUE FEZ MAIS DE 530 MORTOS E MAIS DE 8000 FERIDOS FOI VONTADE DE DEUS?

Para os católicos, protestantes e judeus foi. Mas isso é uma insensatez teológica: Deus seria, então, um criminoso, um assassino cruel. O sismo resultou da engrenagem planetária no Zodíaco, sendo esta montada pelo Demiurgo-Lúcifer/ Ialdabaoth, Grande Arquitecto do Universo. Foi pois este deus inferior, estranho ao Pleroma ou Mundo Santo dos Eóns, o responsável deste terrível sismo, como de todos os outros. O verdadeiro Deus, o Pai do Puro Amor, Minné, não interfere no mundo da matéria, salvo para corrigir desastres tanto quanto lhe é permitido pelo Maligno. Esta é a visão gnóstica cristã.

 

 www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

 f.limpo.queiroz@sapo.pt

 © (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 09:11
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017
Teologia cátaro-bogomila: diferenças entre Guan Min, a Deusa Mãe, e a Virgem Maria católica e Lilith

 

Segundo o teólogo cátaro russo Juan de San Grial (João do Santo Graal, de seu nome João Bereslavsky), nascido em 1946, a Virgem Maria está num escalão inferior ao da Deusa do Universo ou Mãe Teoengendradora da Teohumanidade, que assume várias encarnações entre as quais Guan Min, a Minné ou Amor Divino Feminino.


«7. (1) Guan Min é divindade (!), diferenciando-se da Virgem Maria que continua sendo um ser humano e não entra no panteão das divindades. A deusa está no cume do panteão. A Mãe Divina cristã, apesar de ser Rainha celestial, não é deusa. Esta é a diferença essencial».

«(2). É a mensageira do Deus do Amor ( Dieu d´ Amour), não de Jehová com a sua legislação jurídica e trazida do mal, luxúria, quimeras,etc. Guan Min é de outra Divindade, a que é um Todo - e não é «um» - com os seus filhos. Ela leva até ao outro Pai, até ao Hierodamante -um dos seus múltiplos nomes - o Pai do puro amor.»

 

«(3). É penetrante e não distante. A Mãe Divina nas suas aparições costuma limitar-se ao Verbo, a presságios. Por exemplo, durante o «baile do sol» em Fátima, a Mãe Divina está em alguma parte do céu, debaixo há uma multidão de mil pessoas, o sol desce à Terra, a gente teme queimar-se com os seus raios... Mas em pouco tempo tudo volta ao lugar.

 

«(4) É bodistávica.  Veio de aquele que diviniza os seus filhos. O seu objectivo é fazer dos recém nascidos teomeninos, bodisatvas e budas.
A Virgem Maria não se une, não diviniza e não se manifesta como NOSSA Teonoiva. O máximo que pode dar é o amparo consagrado.»

 

(Juan de San Grial, «Guan Min, la Madre Divina, Enciclopedia del Catarismo, Associaciò per l´estudi de la cultura càtar, 2013, pp. 129).

 

«(27) A grande Arquitecta é Guan Min. a que está contra o Demiurgo, o diabo que finge ser deus e que criou Adão e Eva como meio-serpentes luxuriosas».

(Juan de San Grial, «Guan Min, la Madre Divina, Enciclopedia del Catarismo, Associaciò per l´estudi de la cultura càtar, 2013, pág.132).

 

«37. A doutrina dos pédricos (NOTA NOSSA: discípulos de Pedro, romanos e ortodoxos) sobre a Virgem Maria está tão tergiversada e caricaturada como a visão da cruz do Gólgota -ao qual Cristo nunca ascendeu - como símbolo de morte e desonra:

"Ela não é divindade mas sim purificada previamente pelos méritos de Cristo, depois de nove meses de gestação nas suas entranhas, milagrosamente dá à luz o Salvador do mundo." Ela só é a Mãe de Cristo e só oferece aos demais um amparo distante.»

«37. A Mãe divina formalizada impede a percepção de Guan Min com o coração aberto. O "Sou a Imaculada Conceição" de Lourdes permanece como mito arquetípico dogmático».

«38. (...) Quem é a Mãe Divina hoje em dia? A Teonoiva da Montanha de Ruiseñor? A Mãe Divina transubstanciou-se em Guan Min, que talvez João o Evangelista não conhecesse.»

(ibid, pág 101; o negrito é posto por nós).

 

 

LUCIMARIA E LUCICRISTO, AS FORMAS DE LÚCIFER, SENHOR DO CATOLICISMO ROMANO E BIZANTINO

 

Segundo o catarismo, a igreja católica romana e a igreja católica bizantina veneram uma Lucimaria, uma mistura de Virgem Maria e Lúcifer, e um Lucicristo, mistura do mesmo Lúcifer com Cristo. Dizem a história e a lenda que Domingos de Gusmão, frade fanático que impulsionou em 1209 o assassínio massivo dos cátaros da Ocitânia, rezou diante de uma imagem da Virgem Maria e a estátua teria levantado os braços ao céu pedindo «justiça», isto é, a morte das centenas de milhar de cátaros que divergiam da corrupta igreja romana. Se este episódio foi verdadeiro, seria Lúcifer, disfarçado de Maria, isto é, como Lucimaria a provocar esse efeito mágico designado como milagre. Como poderia a Mãe Divina apoiar e incentivar o assassinio dos cátaros e o roubo das suas terras? Não poderia. Só Lilith, a Deusa negra do mal, deseja as guerras com as suas brutalidades sangrentas e nisso se opõe a Guan Min, a Mãe Divina, Alma Mater Dei et Humani.

 

Escreve o místico líder da pequena igreja cátara do século XXI sobre a existência de dois Deuses, um o Deus do Amor, Arquétipo Solar da Luz, da Beleza da Paz, o outro o Deus negro, ou Adonai-Elohim, deus do judaísmo, da matéria, da acumulação de dinheiro à custa da exploração de seres humanos, da escravatura, da guerra, da bruxaria, da corrupção da natureza:

 

«Deus negro manifestava-se em distintas civilizações e religiões como um ídolo malvado que exigia sacrifícios no seu altar, um açoitador, odioso, juíz e vampiro. Os cultos pagãos, ridicularizados tradicionalmente por judeus e cristãos, ligados aos sacrifícios (como os representam as tribos africanas e os índios mesoamericanos) são a manifestação de Elohím, de este "Todo Poderoso", antigo Deus negro.»

«A grande luta entre o Deus branco e o Deus negro (Luzbel) não termina nunca em nenhum momento.»

«Luzbel ("Luci-branco") é um grande fingidor, é Lúcifer que se faz passar pela Divindade. De aqui provêm Cristo Romano, Lucicristo, e Maria Romana, Lucimary, dingindo hipocritamente que eram mensageiros do Deus branco, baixavam à Terra, e em seu nome, os sacerdotes cometiam os seus actos malvados e os verdugos romanos imolavam os santos.»

(Juan de San Grial, « El Santuario del Grial en el Catarismo», Associaciò per l´estudi de la cultura càtar, 2010, pág.114; o destaque a negrito é posto por nós).

 

LILITH, A DEUSA NEGRA DOS HUMANÓIDES E DOS SENHORES DA GLOBALIZAÇÃO, QUE SE OPÕE À MÃE DIVINA GUAN MIN

 

O lado feminino do Deus do mal é Lilith, a segunda mulher que havia no Paraíso Terrestre, deusa da luxúria e da corrupção, em alguns relatos:

 

«Guan Min intervém contra Lilith - a adversária com seus humanóides, serviços especiais, tecnocratas do governo, Comité dos 300 e as mafias religiosa, militar, petrolífera, médica, banqueira, farmacêutica.»

«1. O plano secreto dos humanóides, escondido escrupulosamente pelos serviços especiais das potências mundiais, consiste em destruir os homo sapiens, o "modelo sem saída", e implantar a espécie do "post-homem", homo sapiens-sapiens, sapiens ao quadrado, os "lilinos" (de Lilith), os gobelinos.

«2. Os humanóides estão excessivamente inquietos. Eles transmitem as tecnologias destrutivas mas têm medo de que se voltem contra eles próprios: "um quarto de século mais e as nossas tecnologias poderiam ser dirigidas contra nós!"»

«Exigem-se duas condições para a transmissão das tecnologias humanóides:

- milhões de vítimas sangrentas - exige-as Lilith negra, sentada sobre a besta púrpura, embriagada com o sangue dos inocentes -

-a destruição absoluta da 84º civilização. o homo sapiens é substituído pelo tecnorobot, o "post-homem", o "lílin".

«3. A Terra, do ponto de vista dos humanóides, está predestinada a repetir o destino de Saturno, da Lua, de Marte...quer dizer, converter-se em um planeta morto durante milhões de anos, o quartel general dos OVNI de segunda classe

 

(Juan de San Grial, «Guan Min, la Madre Divina, Enciclopedia del Catarismo, Associaciò per l´estudi de la cultura càtar, 2013, pág.103; o negrito é colocado por nós).

 

MINNÉ E SAN SALVADOR, O CASTELO MÁGICO JUNTO A PORTBOU, GIRONA

É interessante notar que os cátaros, embora considerando o Deus judaico Iavé-Elohim o príncipe do mal, têm estima pelos cabalistas que se afastaram da ortodoxia da Tora e prescrutam o Deus desconhecido, o Ein Sof Aur (Nada Infinito da Luz). O município de Girona que, ao norte da Catalunha, confina com França e onde se situa o mítico castelo de San Salvador, perto de Portbou, é talvez o centro cátaro mais importante na Europa Ocidental. O centro da teohumanidade, conceito cátaro que sustenta que em cada homem há 144 castelos interiores onde habita o verdadeiro Deus da Luz e que a distância entre o homem e Deus é muito menor do que a proclamada pelos católicos, ortodoxos, judeus e islâmicos. Escreve Juan de San Grial:

 

«Minné é a rainha de todas as culturas e civilizações. Os heróis e as mães formosas adoravam-na desde os inícios.»

«Nós renovamos e passamos da 84ª à 85ª civilização, a civilização de Minné.»

«Vilajuiga, uma povoação ao pé de San Salvador...Aqui viviam os melhores cabalistas, Isaac Luria visitava-a. As ideias dos cátaros sobre o Pai do Puro Amor transubstanciaram-se nos tratados solares da Cábala e estenderam-se por todo o mundo (posteriormente na versão do judaísmo hassídico russo e outras).»

«Também aqui, perto de Vilajuiga, viviam os sufis espanhóis.»

«San Salvador é o centro místico da teohumanidade. Assim como o foi na Idade Média, o é no III Milénio.»

(Juan de San Grial, «Guan El Santuario del Grial en el Catarismo», Associaciò per l´estudi de la cultura càtar, 2010, pp. 217-218; o destaque a negrito é posto por nós).

 

  www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 © (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 19:32
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 18 de Outubro de 2016
Teste de Filosofia do 10º ano, turma C (Outubro de 2016)

Eis um teste de filosofia do 1º período que se insere nas linhas abertas do programa de filosofia do 10º ano de escolaridade em Portugal.

 

Agrupamento de Escolas nº1 de Beja

 

Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

TESTE DE FILOSOFIA, 10º ANO TURMA C

 

18 de Outubro de 2016. Professor: Francisco Queiroz

I

“Heráclito era panteísta mas Platão defendia um teísmo. A filosofia comporta metafísica, ética, estética e epistemologia. A racionalidade dos filósofos reduz a uma unidade ou a uma dualidade a multiplicidade das aparências empíricas.”

 

1)Explique, concretamente este texto.

 

2) Relacione, justificando:

A) Yang, Yin e Tao no taoísmo.

B) Epithymia em Platão e corpo como cárcere da alma.

C) Demiurgo, Arquétipo e teoria da participação, em Platão.

D) Subjectivismo e ideologia.

 

CORREÇÃO DO TESTE COTADO PARA 20 VALORES

1) Heráclito era panteísta, isto é, defendia que os deuses não existem acima e fora da natureza biofísica mas fundem-se com esta,estão dentro desta. Declarou: «Deus é a abundância e a fome, o dia e a a noite, o Inverno e o Verão; embora assuma múltiplas formas, à semelhança do fogo que, aspergido por aromas, toma o nome dos perfumes que exala». Platão era teísta, isto é, sustentava que Deus ou arquétipo do Bem estava fora da natureza física, num mundo inteligível, acima do céu visível e que um deus inferior, o demiurgo, desceu à matéria moldando nesta cópias das formas dos arquétipos de Árvore, Cavalo, Montanha, Homem, etc, criando assim o Mundo Sensível (Kósmos Asthetos) (VALE TRÊS VALORES). A filosofia ou arte de pensar racionalmente e especulativamente a vida, o mundo, o homem e as divindades comporta metafísica, isto é, especulação sobre o suprafísico e o infrafísico, o mundo incognoscível do «além» ou da psique humana, ética, isto é, doutrina do bem e do mal, do justo e do injusto na ação humana, estética, isto é, doutrina do belo e do feio, epistemologia, isto é, interrogação e reflexão sobre as ciências (ex: será que as vacinas previnem as doenças ou infectam o corpo?) (VALE TRÊS VALORES). A racionalidade, isto é, o pensamento lógico dos filósofos reduz a uma unidade, a uma só essência, as muitas aparências das coisas, os milhões de objectos físicos - é o caso da filosofia de Tales que diz que a água, uma única essência, é o constituinte de tudo, árvores, pedras, terra, animais, etc - ou a uma dualidade,isto é, a dois princípios opostos - é o caso da ontologia de Platão em que a dualidade engloba os arquétipos do Mundo Inteligível e a matéria caótica do Sensível (VALE TRÊS VALORES).

 

2) A) O Tao é a mãe do universo, algo de obscuro e silencioso que circula por toda a parte e é o modelo do céu e divide-se em duas ondas formando uma sinusoidal: o Yang (alto, calor, dilatação, verão, som, sol, vermelho, movimento, exterior) e o Yin (baixo, frio, contração, inverno, silêncio, lua, azul, imobilidade, interior). A sucessão dos dias e das noites, do trabalho e do repouso das sementeiras e colheitas, representa o ritmo yang-yin, faz parte do Tao do universo. (VALE TRÊS VALORES)

 

2)B) Epithymia ou concupiscência é, segundo Platão, a parte inferior da alma que contém os prazeres da carne (comer, beber, possuir propriedades agrícolas, ouro e prata) e acaba por prender o Nous ou parte superior da alma que aspira a subir ao Inteligível. Assim o corpo, a epithymia, com o peso das suas paixões materiais aprisiona a alma espiritual (VALE TRÊS VALORES).

 

2)C) Arquétipo é um modelo de perfeição - há os arquétipos de Bem, Belo, Justo, Número Um, Número Dois, Triângulo, Cubo, Cone, Esfera, Homem, Mulher, Árvore, etc- imóvel, espiritual e eterno, num mundo acima do céu, que serve de modelo ao deus operário ou demiurgo na construção do mundo Sensível inferior. Este desce à matéria caótica e molda nela formas semelhantes às de cada arquétipo. Assim os cavalos físicos, as montanhas físicas participam ou imitam os arquétipos de cavalos e montanhas. (VALE TRÊS VALORES).

 

2)D)  Subjectivismo é a teoria que afirma que a verdade varia de pessoa a pessoa, é íntima, subjectiva. Ideologia é uma doutrina, um conjunto de ideias e valores, característicos de uma dada classe ou grupo social - exemplos: o liberalismo, o fascismo, o comunismo, o judaísmo, o islamismo -  que, podendo ser objectivos, isto é, professados por milhões de pessoas, implicam escolhas subjectivas (VALE DOIS VALORES).

 

 

w.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 15:40
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 7 de Dezembro de 2014
Breves reflexões de Dezembro de 2014

 

 

 Aqui exponho algumas breves e recorrentes reflexões neste Dezembro de 2014 em que o planeta Júpiter se mantém até 28 de Dezembro no grau 22 do signo de Leão (grau 142º em longitude eclíptica).

 
1- ESTAMOS EM RISCO DE QUE O AMOR NÃO EXISTA porque a maioria dos casamentos são apenas uma forma estável de ter sexo (duas a quatro vezes por semana) habitação e despesas domésticas compartilhadas ( muitos casais já nem fazem sexo entre os cônjugues). Proclamamos pois: o VERDADEIRO AMOR é o AMOR PRÓPRIO e nem sequer o amor a um Deus exterior pois esse Deus é o nosso próprio EGO projectado «para fora» - como se houvesse fora!

 

2- ISTO NÃO INVALIDA QUE A VIRGEM MARIA OU VÉNUS EXISTAM NO INTERIOR DE NÓS. É eficaz invocar os deuses - ou melhor: é, plausivelmente eficaz - para obter favores (emprego, amores, solução de conflitos interpessoais e político-sociais, melhorias climatéricas, etc). Há certamente muitas Virgens do Carmo - uma para cada um dos católicos que a idealizam e invocam. E cada uma está na mente exterior de cada crente e pode manifestar-se.

 

3- AS MULHERES SÃO DEUSAS ENTRE OS 17 E OS 27 ANOS DE IDADE. E nem todas. Só aquelas que são, objectivamente, belas, fisicamente falando. Objectivamente quer dizer: por largo consenso entre homens e mulheres. É evidente que há uma beleza interior que pouco se reflecte na beleza física exterior. Mas as deusas são, fisicamente, belas. Uma mulher de 40, 50 ou 60 anos não pode pretender ser uma deusa pois descobre em si as rugas e a flacidez do envelhecimento corporal. A alma espiritual, essa, não envelhece: tem sempre 16, 18 ou 20 anos de idade.

 

4- O AMOR ENTRE DUAS PESSOAS é a intersecção acidental de DOIS AMORES-PRÓPRIOS. Nada mais que isso. O  amor existe onticamente, em linguagem heideggeriana - nos fenómenos de superfície - mas ontologicamente, na parte oculta e profunda, só existe o amor-proprio.

 

5- UMA VEZ QUE O AMOR É UMA GRANDE MENTIRA convido todos os casais a manterem-se unidos sob o lema do «Amo-te muito» porque «uma mentira mil vezes repetida transforma-se em verdade».

 

6- PARA SERMOS FELIZES TEMOS QUE ACEITAR UM CERTO GRAU DE INFELICIDADE. Somos confrontados a cada passo com imperfeições, psíquicas ou físicas ou sociais, das pessoas que amamos, das pessoas com quem convivemos no dia a dia, dos lugares, dos bairros ou casas onde moramos. E isso constitui um segmento de infelicidade com que temos de nos contentar, que «temos» de aceitar. Mas não devia ser assim. O mundo está mal feito - responsabilidade do deus da matéria ou demiurgo.

 

7- PORQUE SOMOS HOMENS HETEROSSEXUAIS VESTIMO-NOS DE MULHER. Porque somos maduros, para não dizer velhos, gostamos de mulheres muito mais novas. Lei da contradição. Polaridade que forma a vida.

 

8- O PROBLEMA ONTOLÓGICO DO AMOR- Como se chega a amar alguém? De modo grego, só pela simples visualização do arquétipo (a beleza do rosto e do corpo dela coincide com os arquétipos de Mulher e de Belo) ? De modo indiano, pelo contacto físico, táctil, do beijo, do toque nos seios, nos genitais, isto é, da prática do acto sexual (mesmo que ela seja feia é óptima na cama, leva-me ao paroxismo)? Ou de outro modo?

 

9- OS DEUSES ROUBARAM A BELEZA DAS MULHERES DA MINHA GERAÇÃO. Ou terá sido só Cronos, o deus do tempo, pai de Zeus-Júpiter e este e outros deuses estão isentos de culpa? Por isso procuro mulheres de gerações mais jovens a quem os deuses, ou o deus Cronos, ainda não roubaram a beleza.

 

10- MULHERES SUPERFICIAIS - Uma mulher, por mais bela que seja, é para mim uma criatura superficial se não for capaz de orar comigo à Deusa Vénus, em ritual mágico, ou à Virgem Maria, em ritual cristão. E tem que ser autêntica na oração: uma oração sem fé é como um orgasmo fingido. Se essa mulher não crê na divindade, será incapaz de sustentar a fidelidade e manter as chaves do conhecimento hermético.

 

11- SE UM HOMEM DISSESSE «AMO-TE» A CERTAS MULHERES QUE AMA, SENSUALMENTE OU NÃO, IRIA PRESO OU SERIA AGREDIDO OU DESPEDIDO DO EMPREGO. Por isso, é preciso calar, fingir que não se ama.

 

12- UM CASAMENTO É UMA TRÉGUA NA GUERRA DAS ATRAÇÕES SEXUAIS. Para ter paz e um domínio seguro, casamo-nos. Ás vezes, pode ser preciso cortar todos os «amigos/as» do facebook para tranquilizar o conjugue e concentrar a relação em si mesma, no ovo do lar. E que são os amigos/as? Quantos nos amam? Quem tem 1500 amigos no FB, só tem 3 ou 4 amigos reais...

 

13- OS OUTROS SÃO APENAS O BÁLSAMO, OS PENSOS HIGIÉNICOS NA FERIDA ABERTA QUE É A SOLIDÃO ONTOLÓGICA DE CADA UM. Precisamos dos outros porque eles nos salvam de nós mesmos. Mas não devia ser assim. Devíamos ser autossuficientes, possuir os dois sexos, não depender de outrem. Pois deus é «bissexual», possui os dois princípios, o masculino e o feminino.

 

14- O VERDADEIRO AMOR É AQUELE QUE PRESCINDE DO ACTO SEXUAL - Ela tem uma qualquer doença no útero e não pode ter relações sexuais genitais e ele diz. «Amo-te na mesma, não te preocupes». Isto sim, é o puro amor. A contemplação da beleza dela como arquétipo. Só a visão sem o contacto íntimo.

 

15- O ENVELHECIMENTO. O envelhecimento é uma prova da maldade dos deuses ou do deus único, ou do deus da matéria, o demiurgo, que nos moldou numa fraca matéria-prima. Ao ler este meu comentário, a  aluna Jéssica acrescenta: «Num ponto de vista mais científico-filosófico é mesmo a terra e todas as suas forças que estão fartas do mal que lhes fazemos e resolvem expulsar nos daqui envelhecendo-nos do dia para a noite ahah». É uma tese plausível.

 

16- AS UNIVERSIDADES E A HISTÓRIA DA FILOSOFIA FORAM E SÃO GOVERNADAS POR FILÓSOFOS E CATEDRÁTICOS ESTÚPIDOS. Karl Popper, Saul Kripke,  Bertrand Russel, Peter Singer, Simon Blackburn e Martin Heidegger eram ou são tão estúpidos que nem sequer se deram conta de que as duas guerras mundiais do século XX  se fizeram acompanhar da presença de planetas lentos, trans-saturnianos, na área 1º-9º do signo de Leão (graus 121º a 129º da eclíptica): de 1 de Agosto de 1914 a 11 de Novembro de 1918, Neptuno moveu-se desde 28º-27º do signo de Caranguejo a 9º do signo de Leão, e decorreu a 1ª Guerra Mundial; de 1 de Setembro de 1939 a 2 de Setembro de 1945, Plutão moveu-se de 2º-1º a 10º do signo de Leão, e decorreu a 2ª Guerra Mundial. O fenomeno astronómico - um planeta lento ocupar a área 0º-9º de Leão por um período de 4 ou 5 anos - é muito raro. As guerras mundiais são raras. Sincronizaram-se guerra mundial e primeiro decanato do signo de Leão, o que indicia uma lei.

 

E o que disseram ou dizem sobre isto as «luminárias» da filosofia portuguesa, os José Marinho, Cunha Leão, Agostinho da Silva, José Gil, Eduardo Lourenço, Miguel Reale, Luís de Araújo, António Barreto, José Pacheco Pereira, Vasco Pulido Valente, Boaventura Sousa Santos, António Teixeira Fernandes, José Reis, Irene Borges-Duarte, Maria Luísa Ribeiro Ferreira, Maria Leonor Xavier, Maria do Carmo Themudo, João Branquinho, Ricardo Santos, Olivier Feron, Pedro Alves, Manuela Bastos, Alexandre Franco de Sá? Nada. Não disseram, não dizem, nada sabiam e não sabem nada disto. Não conceberam e não concebem sequer que os planetas, anteriores à existência da humanidade, determinem nos seus movimentos no Zodíaco, até aos mas ínfimos pormenores, a evolução da humanidade, os períodos de guerra e paz, a sucessão dos regimes político-sociais, o comportamento de cada indivíduo, o seu tempo de vida. Como puderam ou podem, com tão elevado grau de ininteligência anti-astrologia, ocupar cátedras universitárias?

 

Muito simples: a universidade não é a cúpula do saber autêntico, os mestrados e doutoramentos não significam verdadeira inteligência mas apenas fragmentos de inteligência, na universidade só triunfam os que se moldam ao deficiente pensamento colectivo de que «os astros não determinam a existência humana, não pode haver astrologia científica, o homem é livre de traçar o seu destino, o futuro está em aberto». Os grandes filósofos iluministas e racionalistas dos séculos XVII e XVIII - Descartes, Spinoza, Montesquieu, Voltaire, Rousseau, etc. - que pretendiam "libertar a humanidade" da "tirania da superstição e da astrologia" eram, afinal, obscurantistas, obscureceram ou esconderam a influência decisiva e permanente dos planetas sobre a vida humana.

 

E a universidade contemporânea, racionalista (fragmentária), ignorante da filosofia hermética e da dialética holística, nasceu desses cérebros retorcidos e retóricos, pretensamente superiores. A universidade é uma instituição de massas, está contra a grande maioria dos pensadores autênticos que são poucos, superiormente excêntricos e alvo de censura.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 09:42
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 18 de Novembro de 2013
Teste de filosofia do 10º ano, turma B, Novembro de 2013

 

O presente teste de filosofia centra-se  nas rubricas do programa de Filosofia do 10º ano de escolaridade «1.1 O que é a filosofia», «1.2. Quais são as questões da filosofia», do módulo I- nas quais se incluem os conceitos aristotélicos de tó ón e tó tí, a teoria dos três mundos e as doutrinas das três partes da alma humana e dos três estratos da pólis, da  participação e ascese em Platão, as noções aristotélicas de hylé, eidos e proté ousía - e na rubrica  1.2 «Determinismo e liberdade na acção humana» do módulo II do programa  - na qual se incluem os conceitos de fatalismo e determinismo com livre-arbítrio.

 

.Agrupamento de Escolas nº 1 de Beja
Escola Secundária Diogo de Gouveia com 3º Ciclo, Beja
TESTE DE FILOSOFIA, 10º ANO TURMA B
5 de Novembro de 2013.            Professor: Francisco Queiroz

 

I

 

«Em filosofia, há pelo menos dois sentidos da palavra «ser»: o tó on e o tó tí dos gregos. A filosofia relaciona-se com a intuição inteligível e com as percepções empíricas

 

1) Explique, concretamente, este texto.

 

 

2) Relacione, justificando:

 

A) As três partes da alma e os três estratos sociais da pólis, em Platão.
B) A causa material e a causa final, no cosmos aristotélico.
C) Essência, em Platão, essência em Aristóteles e transcendência/ imanência.
D)  Fatalismo e determinismo com livre-arbítrio (determinismo «moderado»)
E)  Ascese e doutrina da participação, em Platão.
F)  Hylé, Eidos e Proté Ousía, em Aristóteles.

 

 

CORREÇÃO DO TESTE COTADO PARA 20 VALORES


 

1) O tó on é o ente, algo que existe, «o que é», o quod. O tó tí é a forma, essencial ou acidental, «o quê-é», o quid: o cavalo distingue-se de árvore porque possuem tó tís diferentes (VALE DOIS VALORES).  A filosofia, isto é, o pensamento racional e especulativo, que vai além das certezas dos dados dos sentidos, usa a intuição inteligível , isto é, a apreensão instantânea de objectos ou relações metafísicas - exemplo: Demócriro intuiu, de modo inteligível, sem os ver, que a matéria era constituída por átomos - e usa a percepção empírica ou conjunto ordenado de sensações visuais, tácteis, - exemplo: a filosofia do socialismo, marxista ou anarquista, nasceu da visão das barracas miseráveis em que viviam muitos operários e camponeses no século XIX. (VALE TRÊS VALORES).

 

2) A)  A correspondência entre a alma humana e a pólis ou cidade-estado grega é a seguinte: o Nous, ou razão intuitiva, que apreende a verdade dos arquétipos, equivale à classe dos filósofos-reis, um grupo de homens e mulheres, honestos e intelectualmente muito dotados, que vivem em comum numa casa do Estado,  não formam casais fixos mas trocam de parceiro, de modo a não saber quem é o pai de cada filho, não possuem ouro e prata nem bens materiais e fazem as leis da cidade e emitem as ordens; o Tymus ou Tumus, coragem ou brio militar, equivale à classe dos guerreiros, um grupo de homens e mulheres com treino militar, que vivem em comum  numa casa do Estado,  não formam casais fixos mas trocam de parceiro, não possuem ouro e prata nem bens materiais e aplicam ao povo as leis e a justiça decretada pelos filósofos-reis, mantendo a ordem na cidade e prendendo os malfeitores; a Epytimia ou concupiscência,  o conjunto dos prazeres da carne (comer e beber em excesso, adquirir e possuir ouro, prata, etc.,), que corresponde à população em geral, composta por classes ricas, médias e pobres, desde os proprietários de grandes terras e comerciantes, aos artesãos, servos e escravos. Esta população pode manipular ouro e prata mas não pode eleger os filósofos-reis e os guerreiros que a governam e julgam, os quais permanecem incorruptíveis. (VALE TRÊS VALORES).

 

2) B) A causa material, no mundo sub-lunar, é terra, água, ar e fogo, que são os constituintes das quatro esferas desse mundo, e a causa final ou finalidade do movimento dos corpos é o regresso à esfera de origem. A causa material no mundo celeste é o cristal das 54 esferas de astros e o éter das estrelas e planetas, a causa final do movimento de estrelas e planetas é Deus, imóvel e perfeito, que pretendem alcançar.  (VALE DOIS VALORES)

 

2) C) Essências, em Platão, são os arquétipos, modelos perfeitos, imóveis e eternos,  existentes num mundo Inteligível, acima do céu visível. As essências são, pois, transcendentes aos corpos materiais do mundo do Outro, o mundo Sensível da Matéria ou terceiro mundo. As árvores físicas, as nuvens ou os animais possuem em si uma essência por participação: a sua forma é uma cópia imperfeita do respectivo arquétipo. Em Aristóteles, as essências são as formas específicas (eidos) eternas, imóveis, imutáveis,  que existem imanentes aos respectivos objectos físicos: a essência de árvore está em todas as árvores físicas, a essência de homem em todos os homens reais. Aristóteles recusa a existência de um mundo inteligível com essências àparte da matéria. (VALE TRÊS VALORES)

 

2) D) O fatalismo é a corrente que afirma que tudo está predestinado, não existe livre-arbítrio nem acaso. O determinismo biofísico com livre-arbítrio é a corrente que afirma que a natureza biofísica tem leis fixas e inexoráveis, isto é, nas mesmas circunstâncias, as mesmas causas produzem sempre os mesmos efeitos mas o homem dispõe de livre-arbítrio, pode rejeitar algumas cadeias deterministas e escolher outras. O determinismo é um semi fatalismo mas deixa espaço, fora de si, ao libertismo ou exercício do livre-arbítrio. (VALE DOIS VALORES)

 

2) E) Ascese é a ascensão da alma ao mundo Inteligível dos arquétipos de Bem, Belo, Número, Triângulo, etc., o que se consegue do seguinte modo: pela meditação filosófica («filosofar é aprender a morrer»), pela matemática (que pensa os números-arquétipos: Um, Dois, Três, etc.,), pela ginástica, pela música, pelo jejum e dietética. A ascese é uma forma de participação. A doutrina da participação sustenta que os entes do mundo da matéria (homens, animais, árvores, montanhas, etc.,) imitam (participam em) os arquétipos do mundo Inteligível e que foi o deus arquitecto, o demiurgo, quem, com a ajuda de Zeus e outros deuses do Olimpo, imprimiu na matéria em caos (chorá) cópias das formas dos arquétipos. (VALE TRÊS VALORES)

 

2) F) A hylé é a matéria-prima universal indeterminada - não é água, nem ar, nem fogo, nem terra, nem éter, etc., - que só existe em potência, isto é, só passa a existir em acto quando se une às formas eternas de cavalo, árvore, homem, montanha, isto é, aos diferentes eidos ou essências. Desta união nasce o composto (synolón) que é, em muitos casos, a proté ousía ou substância primeira, indivíduo concreto. Assim, cada um de nós é uma proté ousía, resultante da fusão da hylé com o eidos Homem. (VALE DOIS VALORES)

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

 

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 17:17
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 5 de Outubro de 2013
Reflexões gnósticas cristãs para inquietar os agnósticos

 

 1- O CORPO BELO DE UMA MULHER É UM ÍDOLO - Platão chamava ídolos às imagens- fantasma, sombras de objectos reais colocados atrás dos prisioneiros, que estes viam projectadas na parede da caverna onde estavam presos desde a nascença. Ora, o corpo belo de uma mulher é um ídolo - por que se há-de amar as belas e não as feias? Assim, o acto sexual é uma pura e agradável idolatria. Deus e o tempo vingam-se dessa idolatria: as mulheres outrora belas ganham rugas, engordam, ficam com os seios e a barriga flácidos. Que havemos de amar nelas senão a alma invisível, já que o corpo é corruptível?

 

2- AS MULHERES SÃO TODAS FEIAS, se comparadas com a beleza da Virgem Maria ou Éon Sofia na gnose de Valentim.

 

3- SE UMA ESPOSA IMPEDE O MARIDO DE ORAR À VIRGEM Maria, e se  zanga quando ele vai a uma missa cristã ou entra numa igreja, dizendo «Tu não gostas suficientemente de mim», ele deve divorciar-se. Pois o amor à Virgem é mais importante que o amor à esposa, à namorada, à amante.

 

4- EU APENAS CONSIGO NAMORAR uma mulher jovem e bela que reze permanentemente - não de forma egoísta - e que diga: «Como sou feia em comparação com a vossa beleza, Santa Virgem Maria!» E que não me exija nada fora da visão religiosa e mística.

 

5- OS FILÓSOFOS ANALÍTICOS, POSITIVISTAS LÓGICOS e outros limitam o conhecimento à visão, ao cheiro, à audição e ao tacto e à razão submetida a eles. Por isso dizem: «A Virgem Maria é pura imaginação, não tem sentido sequer supor que existe». Ignoram que o coração é também uma fonte de conhecimento.E como podemos fiar-nos na «racionalidade» destes filósofos, se nem sequer a sua limitada inteligência lhes dá a intuição e a compreensão racional da Astrologia histórico-social, de como os planetas deslizando no Zodíaco controlam por completo os actos humanos e biofísicos na Terra?

 

 6- ORAR E SOBREPOR-SE À AUTOCOMISERAÇÃO - Se orarmos permanentemente a Cristo e à Virgem Maria e desprezarmos o nosso ego sedento de popularidade entre a vasta massa, carícias e luxos, elogios de amigos e familiares, ultrapassaremos os lamentos, a autocomiseração e atingiremos um apreciável patamar de tranquilidade/ felicidade.

 

7- OS MEUS VERDADEIROS AMIGOS possuem sempre um lado traiçoeiro, irónico, ainda que leve. Detecto isso, sem grande esforço. É por isso que só tenho amigos de conveniência, interesseiros, instáveis, excepto, claro, Jesus Cristo e a Virgem Maria que não precisam de mim e por isso amam-me.

 

8- O AMOR DO HOMEM A UMA MULHER é, em regra, uma questão vaginal. O resto é retórica, poesia. ilusão.

 

9- É INCONCILIÁVEL SERVIR A DEUS E AO MUNDO - Se queremos uma vida mundana e feliz, repleta de prazeres e movimento - é a tendência natural de cada um - afastamo-nos de Deus, a grande Escuridão visível que tem dentro a Luz. Se servimos a Deus, apagamo-nos para o mundo social, em certa medida, e fracassamos nalguns campos ou em todos. Não há como resolver isto, a menos que Deus seja o mundo visível, sensível, palpitante de emoções.

 

10- AO ESPÍRITO DE FORNICAÇÃO chamamos amor, AO INTERESSE DE CONVIVER chamamos amizade.

 

11- O AMOR É UM SENTIMENTO GERAL - Não se ama ninguém em particular, a não ser acidentalmente. O universal serve-se do particular mas ab-roga-o, anula-o, quando assim o entende, como diria Hegel. Por isso se amo esta mulher agora poderei a qualquer momento amar outra. Essencialmente, não amo nenhuma das duas, porque são finitas, limitadas e limitam-me.

 

12- DEUS NÃO TEM O PODER TODO SOBRE O MUNDO DA MATÉRIA- Com tantos males e ruindade no mundo, derivados do instinto de sobrevivência de cada um e do deus do Mal (o Diabo), não pode dizer-se que Deus manda na história do mundo nos seus mais ínfimos pormenores. O mal está incluído na Ordem Cósmica. Voltamos pois à tese gnóstica: a tua alma é criação do Deus Superior e do Eón Sofia (a Santa Virgem Maria) e o teu corpo é criação do demiurgo, um deus inferior, que alguns identificam com Iavé e outros com Satã. Ou este não será o demiurgo mas uma entidade inferior e obscura do mundo subterrâneo, os Infernos... Metafísica!

 

13- BELEZA -És bela, jovem, estás a sair ou já saíste da adolescência. Maquilhas-te, produzes-te, vives preocupada com a higiene do corpo e a elegância e exotismo da roupa que usas. E com a alma interior? Lavas esta com bons pensamentos e orações? Ou praticas bullying sobre outras colegas, dizes mal delas, procuras roubar-lhes os namorados, fazes sexo com quem não amas por pura animalidade, fumas charros e estouras gradualmente o teu cérebro são, tomas como ídolos o Justin Bieber, a Madonna, o Marilyn Manson? Que importa a tua beleza exterior se ainda não és bela interiormente?

 

14- FIZESTE AS TUAS ORAÇÕES AO ALTÍSSIMO, HOJE? - Não fizeste? Então que esperas? Podes ser ceifado da vida a qualquer instante, por um acidente interno ou externo. Coloca-te na presença de Deus e fala Lhe. Se tivesses a infelicidade de morrer hoje, arderias anos seguidos no Purgatório, com sofrimentos idênticos aos do Inferno.

 

«Isso é meter medo às pessoas! - dizes - Não aceito esta religião». Mas se o amigo que vai a conduzir o carro que te transporta insiste em acelerar a 140 quilómetros/ hora, não é teu dever meter-lhe medo, dizendo »Olha que podemos sofrer um acidente gravíssimo e morrer ou ficar paraplégicos»? Também tu vais a 140 quilómetros à hora na tua vida - de bar em bar, de bebida em bebida, de charro em charro, de namorada em namorada, de ameaça em ameaça a quem não gostas, de concerto em concerto musical, de negócio menos honesto a negócio menos honesto - e não paras para ver o essencial: a divindade sustenta-nos a cada instante e devemos louvá-La.

 

15- O AMOR E A SENSUALIDADE - Frequentemente o que se chama de amor está contaminado pela sensualidade. Não é amor: é desejo sexual, excitação hormonal, sensação de prazer imediato e cego. As mulheres sabem disso e muitas vezes deixam-se ir na onda... A verdadeira amizade quase não existe neste mundo. Quase nenhum dos meus amigos do facebook é meu amigo... É apenas fachada, um vago interesse de saber algo.

 

16- CADA DIA ESTÁS MAIS PERTO DE ENFRENTAR DEUS e nem te dás conta. A tua dívida em pecados - injúrias sobre os outros, manipulação, silenciamento das capacidades dos que te são superiores na profissão ou no pensar,  exploração, etc - é sustentável? Como vais conseguir pagá-la, se não orares já?

 

17- POR MAIS AMOR QUE FAÇAS SEXUALMENTE BEM EXECUTADO, não conseguirás prender a alma da tua (teu) parceira (o). Por isso, as relações dos casais são instáveis, submetidas à lei da contingência. Mas o Amor de Cristo não é instável: nele não corres risco.

 

18- HÁ UMA CONTRADIÇÃO ENTRE SER SANTO E SER REVOLUCIONÁRIO SOCIAL - Os anarquistas espanhóis, cujos ideais de dignidade humana e igualdade social ainda hoje perfilho em grande parte, queimaram em 1936-1937 centenas de igrejas e capelas e executaram padres e freiras, atitudes anti clericais que abomino. Sou, portanto um atípico simpatizante do anarquismo que reza a Deus e à Virgem Maria, entidades não anárquicas, vértices das hierarquias celestes.

 

Há esta fractura insanável entre ser revolucionário social e ser cristão (gnóstico, católico, protestante, etc). O PCP sempre foi muito mais cuidadoso nas relações com a igreja católica e outras igrejas do que a extrema esquerda trotskista, anarquista, maoísta, guevarista, internacional situacionista. Lembro-me de que esta corrente, em 18 de Junho de 1975, cercou o patriarcado de Lisboa que fechara a Rádio Renascença ocupada pelos trabalhadores revolucionários e entrou em luta, com apedrejamentos, contra o cordão humano de católicos que formou um escudo em redor do edifício do patriarcado.

 

Os comunistas genuínos estão próximos de Cristo mas não rezam nem veneram Cristo em espírito e caem na idolatria dos Lenine, Estaline, Mao Ze Dong, Kim Il Sung, Fidel Castro, falsos deuses de pés de barro. Globalmente, o comunismo ateu é uma  religião «humanista», materialista, assente na veneração divinizadora do «faraó» vermelho, isto é, o líder do «proletariado» e é uma impostura científica: como todo o ateísmo, fecha as aberturas a outros mundos invisíveis, com a agravante de que persegue ou pode perseguir cultos religiosos e metafísicos.

 

O padre Francisco da Cruz (29 de Julho de 1859- 1 de Outubro de 1948) tem, provavelmente, maiores poderes de intercessão junto de Deus do que o líder do PCP Álvaro Cunhal (10 de Novembro de 1913- 13 de Junho de 2005) mas não está excluída a hipótese de Cunhal ser um santo não católico. Na verdade, só por «milagre» o PCP mantém ainda em Portugal uns 12% do eleitorado e bastiões operários e autárquicos importantes, 39 anos após a revolução popular de 1974-1975. Cunhal será um «Santo António vermelho»?

 

19- A PROPÓSITO DA MÚSICA «PANIS ANGELICUS» DE CÉSAR FRANK- O verdadeiro pão dos anjos é, não a hóstia consagrada - esta é-o por reflexo - mas o redondo branco-ouro da alma da pessoa que a vai tomar, com devoção. É um pão interior, supersubstancial, como diziam os cátaros.

 

20- ANTES DE DEITAR PEÇAM AO VOSSO ANJO DA GUARDA que vele por vós, pelos familiares e pela casa. Não costumam fazer isso? Que raio de vida espiritual é a vossa, se não utilizais os poderes reais do invisível mas vedes televisão até às duas da madrugada? A oração é tão eficaz como a faca de cortar a carne ou a batedeira eléctrica. É mesmo mais eficaz do que estes objectos materiais: ela corta e despedaça a «matéria» psíquica do Mal.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 20:48
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 5 de Julho de 2011
Sobre "O Ente e a Essência": ambiguidades em São Tomás e em Santiago de Carvalho

 

Com prefácio do catedrático medievalista Mário Santiago de Carvalho, a Contraponto editou em 1995 "O ente e a essência"  de São Tomás de Aquino. Servi-me dessa edição para leccionar a estudantes alentejanos uma parte do já "desaparecido", na minha escola, programa de Filosofia do 12º ano do ensino secundário em Portugal, que incluía a escolha de três entre vinte obras conceituadas de filosofia. Tanto o texto original de São Tomás como o prefácio de Mário Santiago de Carvalho padecem de imprecisões teóricas, algumas das quais passo a explanar.

 

O ARISTOTELISMO NÃO É ESSENCIALISMO?

 

Em prefácio de uma edição portuguesa de "O Ente e a Essência" de São Tomás de Aquino escreveu Mário Santiago de Carvalho:

 

« Como se insistiu, este é um mérito de Tomás de Aquino, e ele terá consistido em servir-se com rigor da lógica, elucidando-a e pondo-a ao serviço das tarefas da ontologia Este é portanto um aspecto que não quereríamos desvalorizar , pois é, de facto, a linguagem da lógica, o aristotelismo, com o avicenismo e o essencialismo, que galvanizam este texto. » (Mário Santiago de Carvalho in prefácio de "O Ente e a essência" , pag 61, Contraponto, Porto).

 

Que significa para Mário Santiago o termo essencialismo? Tudo leva a crer que significa platonismo, pois separa aristotelismo de essencialismo. Trata-se de um equívoco: o aristotelismo é um essencialismo, uma vez que nele as essências antecedem a existência das coisas materiais, tal como em Platão.

 

A AMBÍGUA DISTINÇÃO ENTRE ESPÉCIE E "NATUREZA HUMANA"

 

São Tomás, enquanto fiel a Aristóteles, distinguiu entre a essência em si mesma (segundo a sua absoluta consideração) e a essência individuada (segundo o ser que possui em cada indivíduo):

 

«Mas a natureza ou essência assim compreendida pode ser considerada de dois modos. Do primeiro modo, segundo a sua noção própria, que é a sua absoluta consideração. (...) Por exemplo, ao homem enquanto homem, corresponde-lhe "racional" e "animal" e outros predicados que entram na definição; mas ser branco ou negro, ou qualquer outra coisa semelhante que não pertença à noção de "humanidade" não corresponde ao homem enquanto homem». (...)

 

«Do segundo modo considera-se (a essência)  segundo o ser que possui neste ou naquele indivíduo. Neste caso, pode atribuir-se-lhe algo por acidente, em razão daquilo em que se encontra. Por exemplo, diz-se que o homem é branco, porque Sócrates é branco, embora isso não pertença ao homem enquanto homem.» (São Tomás de Aquino, "O Ente e a Essência", pag 82-83)

 

«Compete pois à "natureza humana", segundo a sua consideração absoluta, ser atribuída a Sócrates. A noção  de espécie, por sua vez, não lhe compete segundo a sua absoluta consideração, mas deriva de acidentes que a acompanham segundo o ser que possui no intelecto. Por esse motivo, o termo de espécie não é atribuído a Sócrates, como se se dissesse "Sócrates é espécie". Mas isso teria necessariamente de suceder, se a noção de espécie conviesse ao homem segundo o ser que tem em Sócrates, ou segundo a sua absoluta consideração, quer dizer enquanto é homem.» (Tomás de Aquino, ibid, pag 85).

 

Se a "natureza humana", que é o mesmo que a essência homem, como .São Tomás diz no início do livro, convém ao indivíduo Sócrates, porque razão "espécie ´não poderia ser atribuída a homem? É óbvio que, no sentido da extensão, da quantidade dos indivíduos que a integram, Sócrates não é a (toda a) espécie humana, e neste sentido, espécie não lhe convém. Mas do ponto de vista da essência, da forma comum à espécie, esta convém a Sócrates a ponto de se poder dizer: "Sócrates é uma incarnação ou exemplificação da espécie humana" . Aristóteles identificou bem a essência com a espécie (eidos) .O texto de Aquino acima tem falta de clareza.

 

O ABSOLUTO É EXTERIOR AO SINGULAR E AO UNIVERSAL? A ESSÊNCIA É MÚLTIPLA NA ALMA?

 

Referindo-se aos dois modos de considerar a essência teorizados por São Tomás, escreveu Mário Santiago de Carvalho:

 

«A consideração absoluta é evidentemente o ideal da ciência, o índice de que é genuinamente científica a linguagem que fazemos. (...) Sempre que possível, o ontólogo deve privilegiar este plano que não é singular nem universal, mas é absoluto

«No segundo modo, a natureza ou essência já não se considera na sua significação, mas na sua realização. Encontramo-nos a um nível menos abstracto. Neste segundo plano acontece aquilo que se recusava ao primeiro. Se, neste, a essência não podia ser una nem múltipla, já no segundo caso é isso que acontece, ela é múltipla na alma (qualquer conceito é universal) e é una na realidade (os unissingulares)». (Mário Santiago de Carvalho, in introdução de "O Ente e a Essência", pag 36; o negrito é de minha autoria).

 

 

Por que razão o plano da essência na sua consideração absoluta (exemplo: "o homem enquanto homem") «não é singular, nem universal, mas absoluto», segundo Santiagpo de Carvalho?

Há uma confusão antidialéctica de níveis neste pensamento de Mário Santiago. O absoluto engloba o singular, o particular (no sentido de parte, regional, grupo de entes da mesma espécie) e o universal. Absoluto não se opõe a singular e universal mas  sim a relativo: há um singular absoluto e um universal absoluto, um singular relativo e um universal relativo.

 

Mário Santiago de Carvalho afirma que no caso do seu modo da consideração absoluta «a essência não poderia ser una nem múltipla». Mas sustentar isto é violar o princípio do terceiro excluído: ou as coisas são unas ou não unas, isto é, são múltiplas. Há coisas que são unas e múltiplas em simultâneo, segundo a perspectiva. A essência é sempre una. A essência "cavalo" no seu modo de consideração absoluta - o cavalo enquanto cavalo - é única em todas as mentes humanas: um quadrúpede, mamífero hipomorfo, da ordem dos ungulados, com crinas, veloz, uma das três sub-espécies da espécie Equus Ferus.

Como pode Mário Santiago asseverar que a essência não é una? É um paralogismo.

 

E afirma ainda que a essência no modo que tem em cada singular "é múltipla na alma (qualquer conceito é universal) e una na realidade (os unissingulares).» Grande nuvem de confusão aqui paira!  A essência de Sócrates, que é a essência homem individuada em Sócrates, é una na alma (na percepção, no pensamento) e não múltipla. Podemos admitir que diferentes pessoas conceptualizem Sócrates de modo diferente - e aqui entra a multiplicidade - mas cada uma delas o conceptualiza de forma una.

 

Quando Santiago de Carvalho diz que «qualquer conceito é universal» equivoca-se no que toca à filosofia de Aristóteles: segundo este, as espécies não são conceitos universais mas sim comuns, isto é, «regionais», abrangendo comunidades sectoriais. Só o género e os universais supra-genéricos, como o ser, o uno, o semelhante, etc, são universais.

 

ARISTÓTELES NÃO CONCEBIA COMO UMA ESSÊNCIA CHEGA À EXISTÊNCIA?

 

Escreve ainda Mário Santiago de Carvalho, referindo-se à pretensa superioridade  do pensamento de Tomás de Aquino sobre o de Aristóteles:

 

«Podemos dizer, em resumo deste capítulo, o seguinte: ao substituir a teoria do hilomorfismo universal São Tomás pôs em relevo um tipo de composição muito particular, o da essência com a existência. (...) Considerada deste ponto de vista, à substância ou ao concreto como primeiro objecto da ontologia acresce uma consideração que Aristóteles não podia conceber (como é que uma essência chegou à existência? - como é que esta essência se mantém em existência?)» (Mário Santiago de Carvalho in Introdução de "O Ente e a Essência", pag 49: o negrito é posto por mim).

 

Ao contrário da tese que sustenta Mário Santiago de Carvalho de que o Estagirita grego não  concebia como é que as essências se mantinham em existência, Aristóteles concebia as essências como autosubsistentes, eternas, incriadas, acto, e, portanto, não se punha o problema de as essências chegarem à existência como o põe o cristianismo de São Tomás que identifica Deus com a existência pura, suporte das essências:

 

«As coisas eternas são, quanto à substância, anteriores às coisas corruptíveis e nada que esteja em potência é eterno. (...) O corruptível em sentido absoluto é o corruptível quanto à substância. Portanto, nenhuma das coisas que são incorruptíveis em sentido absoluto está em potência em sentido absoluto. (Nada impede que o esteja em algum aspecto, por exemplo, quanto à qualidade ou ao lugar.) Logo todas elas estão em acto. Tão pouco está em potência qualquer das coisas que são necessariamente. (Certamente, estas são as realidades primeiras; e, desde logo, se elas não existissem, não existiria nada.)» (Aristóteles, Metafísica, Livro IX, 1050 b, 15-20)

 

Este texto é muito claro: as essência, por exemplo a essência cavalo ou a essência árvore são incorruptíveis, anteriores aos cavalos e às nuvens físicas, e estão em acto. Isto é platonismo. Essas essências, actos em si mesmas, estão em potência para os cavalos e nuvens que se gerarem, materialmente, no futuro próximo ou longínquo. 

 

 

O mundo em Aristóteles, é eterno e incriado. Tanto quanto me é dado perceber, o cosmos apenas passou do repouso ao movimento dos astros e esferas celestes quando os planetas e estrelas contemplaram Deus, o pensamento puro e imóvel, e desejaram alcançá-lo pondo-se a rodar. As essências eternas - Sol, Lua, Vénus, Júpiter, esferas celestes, árvore, montanha, homem, cavalo, etc - não foram criadas por Deus, como sustentavam São Tomás e os teólogos cristãos, coexistem desde a eternidade com o próprio Deus, não recebem deste a existência.

O problema da essência (to ti en einai) e da existência (einai, to ón) já está colocado por Aristóteles, não é um tema que principiasse com São Tomás de Aquino. A essência eterna, forma pura, já possui existência, uma existência imaterial.

 

A INTENÇÃO (INTENTIO) É UM CONHECIMENTO DE MÉDIA DIMENSÃO?

 

Sobre a intenção (intentio), noção existente na filosofia do Aquinate e em outras da escolástica, escreveu Mário Santiago de Carvalho:

 

«Examinando mais atentamente o que isto quer dizer,  verifica-se que entre a singularidade individual (cada um dos homens) e a universalidade (o conceito, que enuncia o que há de comum aos homens) há um modo de ser próprio, intermediário, que é o modo de ser de uma determinada natureza na inteligência. O modo de ser na inteligência (i.e. o modo como se concebe uma dada realidade) partilha de ambas as notas. Ele é universal (porque se aplica uniformente aos vários indivíduos da mesma espécie) e particular (porque é apenas e sempre a representação mental do indivíduo que num certo momento pensa,»

«É este modo de ser intermediário (a que se dá o nome de "intencional") com as suas notas, que mais nos deve ocupar...» (Mário Santiago de Carvalho, Introdução a "O ente e a essência", pag 37, Contraponto; o negrito é colocado por mim). 

 

 

A intentio é a percepção empírica, o dado fenoménico, ou o conceito, isto é a ligação entre o cérebro/ inteligência ou orgão sensorial e os objectos físicos exteriores,que pode ou não exprimir integralmente o ser dos objectos exteriores. Guilherme de Ockham escreveu:

 

«É pois, a saber, que se chama intenção da alma algo que há nela apto para significar outra coisa (...)assim as palavras são signos secundários daquelas coisas das quais são signos primários as intenções da alma. Isso que há na alma, e que é signo da coisa, e do qual se compõe a proposição mental ao modo como a proposição oral se compõe de palavras, se chama algumas vezes intenção da alma; outras, conceito da alma; outras, paixão da alma; outras, semelhança da coisa..» (Ockham, Suma de la lógica in Los filósofos medievales, selección de textos, de Clemente Fernandez, pag 1074, Biblioteca de Autores Cristianos; o negrito é por mim colocado)

 

Daqui se conclui apenas que a intentio é posicionalmente um intermédio entre o mundo físico exterior e a consciência vazia ou parcialmente vazia do indivíduo. Mas não se pode dizer que a intentio é, por natureza, um intermédio no plano gnosiológico, um conhecimento misto de singular e universal, como sustenta Santiago de Carvalho no texto acima. Os números um, dois, três e quatro são intenções e constituem conceitos universais que se aplicam a biliões de singulares. Em si o conceito de dois não é singular: é um universal, aplicável universalmente a casos singulares.

 

A ESSÊNCIA DE HOMEM E A DE SÓCRATES DIFEREM SÓ NA QUESTÃO DO LIMITADO/ILIMITADO? OU TAMBÉM NO QUID DA FORMA?

 

 

Por matéria delimitada, São Tomás de Aquino entende a matéria concreta, tridimensional, com dimensões corporais definidas. Por exemplo: este homem de 189 centímetros de altura, aquela casa de 120 metros quadrados de área coberta. Escreveu o Aquinate:

 

 

«Por esta razão, deve saber-se que o princípio de individuação não é a matéria considerada de qualquer modo mas unicamente a matéria delimitada. Chamo "matéria delimitada" à que se considera submetida a dimensões determinadas. Ora esta matéria não entra na definição de homem, mas entraria na definição de Sócrates, se Sócrates tivesse definição. Na definição de homem, ao contrário, entra a matéria não-delimitada. Na definição de homem, não se põem estes ossos e esta carne, mas os ossos e a carne tomados em abstracto, que constituem a matéria não-delimitada do homem. É evidente, por conseguinte, que a essência de homem e a essência de Sócrates não diferem senão quanto ao "delimitado" e ao "não-delimitado" ». (Tomás de Aquino, O Ente e a Essência, pag 75, Contraponto; o negrito é posto por mim).

 

O equívoco de São Tomás é considerar o delimitado como a diferença entre a essência Sócrates com a essência homem que não tem limites mas apenas a proporção entre as diferentes partes. Mas falta uma diferença essencial que reside no "quid" de cada uma das essências, a individual e a específica: a forma de Sócrates, calvo, nariz achatado, lábios grossos difere da forma homem como espécie - homem não calvo, nariz correcto, etc. É, pois, a disparidade entre duas formas, a que envolve a matéria de cada corpo e a que paira como espécie. 

 

A FORMA É RECIBIDA NA MATÉRIA DELIMITADA?

 

 

Depois de se referir a duas modalidades de essências - a de Deus, que é apenas existir puro, e a das inteligências separadas, que são forma e existência - São Tomás escreve:

 

 

«Na terceira modalidade, a essência encontra-se nas substâncias compostas de matéria e de forma, nas quais o existir é igualmente recebido e finito, já que recebem o existir a partir de outro. Além disso a sua natureza ou quididade é recebida na matéria delimitada. Por esse motivo são finitas, quer pela parte superior quer pela inferior.» (Tomás de Aquino, O ente e a essência, pag 96, Contraponto; o negrito é posto por mim).

 

Neste texto há um erro de São Tomás: originalmente, e na natureza, a forma não é, em regra, recebida na matéria delimitada mas sim na matéria não delimitada, delimitando ou confinando uma porção desta. Pois a matéria só se torna delimitada, isto é, condensada, sujeita a dimensões singulares e concretas, ao receber a forma específica. As árvores nasceram quando a forma árvore se uniu à matéria-prima indeterminada, infinita, não delimitada (hylé). É óbvio que o oleiro faz o vaso imprimindo a forma numa matéria delimitada: uma certa porção de barro. Mas aqui trata-se da arte humana de produzir e não da génese originária na natureza.

 

 

 

A CONTRADIÇÃO DE ARISTÓTELES PATENTE EM SÃO TOMÁS: A ESSÊNCIA SÓ EXISTE NAS COISAS SINGULARES MAS TEM DE EXISTIR PREVIAMENTE  ÀPARTE COMO FORMA ETERNA

 

Toda a "Metafísica" de Aristóteles gira em torno de um eixo dinâmico: um essencialismo ( "as formas ou essências são eternas e preexistem aos objectos materiais" e nisto é igual a Platão) que se procura converter em existencialismo (" as formas essenciais não existem fora dos objectos materiais, fora da existência material" e aqui opõe-se a Platão) mas não tem como fazê-lo, senão mediante uma certa incoerência

 

Aristóteles é um platónico envergonhado. Critica a existência das formas platónicas mas ele mesmo é levado a admitir que as formas são eternas e têm de subsistir por si, fora da matéria. Mário Santiago de Carvalho não dá conta de se ter apercebido desta inconsistência do aristotelismo na introdução à edição que traduziu para português. Neste excerto da "Metafísica" Aristóteles admite que há formas eternas não geradas, ou seja, formas fora da matéria, tal como Platão postulava, e em seguida afirma que não existe a essência esfera fora das esferas materiais (de bronze, pedra, etc) nem a forma casa fora das casas plasmadas na matéria:

 

«Assim pois, é evidente por aquilo que foi dito que não se gera o que se denomina forma ou substância, enquanto que o composto que se denomina segundo esta gera-se, sim, e que em todo o gerado há matéria, e um é isto, e outro é aquilo.»

«Mas existe acaso uma esfera fora de estas ou uma casa fora dos tijolos? A ser assim, não ocorreria que não se geraria nenhum objecto determinado? (...) Assim, pois, é evidente que se existem realidades fora dos indivíduos, tal como alguns costumam falar das Formas, a causalidade das Formas não terá utilidade nenhuma para explicar as gerações e as substâncias.»  (Aristóteles, Metafísica, Livro VII, 1033 b, 15-30).

 

São Tomás cai na mesma incoerência inerente ao aristotelismo:

 

« De maneira semelhante, também não se pode dizer que as noções de género ou de espécie correspondam à essência, enquanto que esta é uma realidade fora das coisas singulares. como afirmavam os PLATÓNICOS» ( Tomás de Aquino, O ente e a essência, pag 82; o negrito é posto por mim).

 

Neste excerto acima, o Aquinate nega que a essência exista fora do objecto singular.

Compare-se agora com o excerto seguinte em que o filósofo dominicano afirma que a essência está fora do objecto singular e fora da alma, o que nega o nominalismo e o conceptualismo irrealista e afirma um realismo platonizante das essências:

 

«Com efeito, é falso dizer que a essência do homem, enquanto tal, tem o ser neste singular. Na verdade, se ser neste singular pertencesse ao homem enquanto é homem, nunca estaria fora deste singular. Paralelamente também, se pertencesse ao homem enquanto é homem não ser neste singular, nunca seria nele. A verdade porém está em dizer que o homem enquanto é homem, não tem que existir neste singular ou naquele, nem na alma.» (Tomás de Aquino, O ente e a essência, paginas 83-84, Contraponto; o negrito é posto por mim).

 

De duas uma: ou a essência «Homem» existe no colectivo de todos os homens e não em cada homem singular; ou existe, algures, aparte, para gerar cada homem ao unir-se à matéria-prima indeterminada (hylé).

 

A única diferença significativa entre Platão e Aristóteles, neste aspecto da cosmogénese, é que o primeiro introduz o demiurgo, um deus-operário, que imprime formas dos arquétipos na matéria e o segundo faz desaparecer, aparentemente, o demiurgo e confere às formas eternas mobilidade, autonomia, para se imprimirem na matéria, uma vez que o Deus aristotélico é imóvel e não intervém no mundo.

 

 

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 18:57
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Domingo, 3 de Julho de 2011
"Diferença e repetição" de Gilles Deleuze: é a Diferença o centro e o Mesmo a circunferência do Eterno Retorno?

 

Na linha do racionalismo francês, com fina análise psicológica, Gilles Deleuze (18 de Janeiro de 1925- 4 de Novembro de 1995, o dia do assassínio do primeiro-ministro israelita Itzak Rabin) foi um pensador académico poderoso. Uma das suas ideias chave é a de que a Diferença se sobrepõe à Mesmidade/Identidade, embora andem de mãos dadas. Deleuze possui uma influência considerável de Leibniz - note-se que, em brincadeira cabalística, a imaginação sugere-nos que Giles De...Leuze poderia chamar-se Giles De..Leibniz.

 

Sabe-se que para Leibniz a mónada - um conceito retirado de Aristóteles: o ponto inespacial, que está em parte nenhuma - era a fonte primordial do universo. a mónada é uma unidade de força e movimento, tal como a Diferença que cria a intensidade e a profundidade, na teoria de Deleuze.

Leibniz, que me parece um vincado inspirador de Deleuze, escreveu sobre a mónada ou substância simples sem partes, hermeticamente fechada ao exterior:

 

«10. Dou também por concedido que todo o ser criado está sujeito à mudança e, por consequência, também a Mónada criada, e também que essa mudança é contínua em cada uma.» (Gottfried W. Leibniz, Monadologia)

 

Isto corresponde, na teoria de Deleuze, à Diferença, essa espécie de arquétipo em mutação incessante de intensidade, que cria a profundidade, o espaço, o tempo, o mundo dos fenómenos caracterizado por extensão e qualidade (qualitas) e corpos materiais (quales):

 

«No ser, a profundidade e a intensidade são o Mesmo - mas o mesmo que se diz da diferença. A profundidade é a intensidade do ser ou inversamente. E dessa profundidade intensiva, desse spatium, saem ao mesmo tempo, a extensia e o extensum, a qualitas e o quale.» (Gilles Deleuze, Diferença e Repetição, pag 375).

 

O CONCEITO DE DIFERENÇA, UM MISTO DE ARQUÉTIPO EM PLATÃO E MÓNADA EM LEIBNIZ

 

Sobre o conceito de Diferença, capital na sua filosofia., Deleuze escreveu:

 

«A diferença não é o diverso. O diverso é dado. Mas a diferença é aquilo pelo qual o dado é dado. É aquilo pelo qual o dado é dado como diverso. A diferença não é o fenómeno, mas o númeno mais próximo do fenómeno. É, portanto, verdade que Deus fez o mundo calculando, mas os seus cálculos nunca estão correctos; e é mesmo esta injustiça no resultado, esta irredutível desigualdade que forma a condição do mundo. O mundo «faz-se» enquanto Deus calcula; não haveria mundo se o cálculo fosse correcto. O mundo é sempre assimilável a um "resto" e o real no mundo só pode ser pensado em termos de números fraccionários ou mesmo incomensuráveis. Todo o fenómeno remete para uma desigualdade que o condiciona. Toda a diversidade e toda a mudança remetem para uma diferença que é a sua razão suficiente. Tudo o que se passa e aparece é correlativo de ordens de diferenças: diferença de nível, de temperatura, de pressão, de tensão, de potencial, diferença de intensidade.» (Gilles Deleuze, Diferença e Repetição, pag 361, Relógio d´Água; o negrito é colocado por mim).

 

Para Deleuze, a diferença é a forma principial dinâmica, por assim dizer, o arquétipo em movimento: enquanto que em Platão o arquétipo ou essência estática é reproduzido no mundo da matéria - é deficientemente clonado - por acção do demiurgo, que constitui a força dinâmica que plasma a essência na matéria, na chora ou espaço material caótico. Assim, a Diferença é como a mónada de Leibniz : originária, imune a influências exteriores, variando de intensidade porque em contínua transformação.

 

No entanto, neste texto acima a palavra diferença reveste-se de dois sentidos distintos, o que parece ter escapado a Deleuze: diferença como forma principial dinâmica (nas primeiras linhas do texto) e diferença como diversidade entre objectos e estados, como diversidade no interior do cosmos (nas últimas linhas do texto). No primeiro caso, a Diferença, como arquétipo-demiurgo, não é diferença em relação a algo, mas tem um estatuto ontológico primordial, em si: é princípio da diversidade.

 

Não parece ser esta a leitura que Fernando Gil faz no prefácio da edição portuguesa do "Diferença e repetição" de Deleuze.

 

A DIFERENÇA É O CENTRO DO PROCESSO DO ETERNO RETORNO E O MESMO SÓ ESTÁ NA CIRCUNFERÊNCIA?

 

Retomando o tema do eterno retorno, que é caro a Nietzschze e aos estóicos, Deleuze escreveu:

 

«O génio do eterno retorno não está na memória, mas no desperdício, no esquecimento tornado activo(...) Assim, a negação como consequência resulta da plena afirmação, consome tudo o que é negativo e consome-se a si próprio no centro móvel do eterno retorno. Se o eterno retorno é um círculo, é a Diferença que está no centro, estando o Mesmo apenas na circunferência - centro descentrado a cada instante, constantemente tortuoso, que gira apenas em torno do desigual

«A negação é a diferença mas a diferença vista do lado menor, de baixo.Invertida, vista de cima para baixo,  a diferença é a afirmação. Mas esta proposição tem muitos sentidos: que a diferença é objecto de afirmação; que a própria afirmação é múltipla; que ela é criação, mas também deve ser criada, afirmando a diferença, sendo a diferença em si mesma. Não é o negativo que é o motor...» (Gilles Deleuze, Diferença e repetição, pags 120-121, Relógio d´Água; o negrito é posto por mim).

 

Um dos problema que esta citação levanta é: se a Diferença gira em torno do Desigual - comparemos a Diferença ao sol que tudo ilumina e gira em torno de um centro, apesar de o Sol/Diferença ser o centro irradiante do universo  - como classificar a instância do Desigual? Como uma diferença formal, ontologicamente anterior à Diferença-Arquétipo-Mónada?

 

Há erros antidialécticos neste texto de Deleuze. Não é possível opor a Diferença ao Mesmo como o centro do círculo se opõe à circunferência. A Diferença em si é um Mesmo, porque tem consistência ontológica. Ela só é um Outro em relação a outra Diferença ou ao mundo dos fenómenos. 

 

Também ao afirmar que "a negação é a diferença... vista de baixo" está a atribuir à negação (uma predicação) o significado de  "diferença", isto é, diferença numa perspectiva de visão  ... da Diferença, como ser principial. É um uso anfibólico, falacioso, do termo "diferença", - diferença em si, ou seja, Forma-Energia, e diferença para outrém, ou seja, desigualdade (negação ou afirmação de algo). É, pois, a pura sofística no texto de Deleuze - escreve muito bem mas afasta-se, poeticamente, do rigor epistémico da descrição ontológica. Lembra "O sofista"  de Platão. E a mesma crítica se aplica à frase "invertida, vista de cima para baixo, a diferença é a afirmação".

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:01
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 16 de Novembro de 2010
Confusões de Ferrater Mora sobre o Em Si e o Fenómeno

De um modo geral, a grande maioria das correntes filosóficas distingue entre o em si , a realidade em si mesma, independentemente de eu e nós existirmos ou não, e o para-mim ou para nós, isto é, o fenómeno, aquilo que aparece. Por exemplo: uma pessoa em si, com as suas crises de melancolia oculta, os seus desejos suicidas que ninguém pressente, pode ser muito diferente enquanto fenómeno, isto é, aparência para nós: amável, educada, sorridente, optimista. Kant distingue entre a coisa em si ou númeno (a ideia ou objecto metafísico incognoscível: Deus, alma, liberdade) e a coisa para nós ou fenómeno ( exemplo: a árvore, a nuvem, o corpo físico).

 

 

 

Ferrater Mora hierarquiza assim as posições entre o em si, o fenómeno e a consciência cognoscente:

 

«Em geral, estas posições adoptadas até ao presente podem ser esquematizadas do seguinte modo . 1) posição exclusiva do em si (Parménides); 2) posição exclusiva do fenómeno (Berkeley); 3) o em si e o fenómeno existem separadamente e entre eles não há senão o nada (Parménides, ao formular a doutrina da opinião); 4) o em si e o fenómeno estão unidos pelo demiurgo (Platão); 5) divisão do em si numa multiplicidade (Demócrito); 6) afirmação do em si e da sua incognoscibilidade teórica (Kant).»

 

(José Ferrater Mora , Dicionário de Filosofia , Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1991, pags. 157-158)

 

 

 

Há várias confusões nesta classificação, algo desgarrada, de Ferrater Mora:

 

A)     A posição idealista, imaterialista, de Berkeley (2) não é exclusiva do fenómeno, mas exclusiva da consciência cognoscente que absorve em si o fenómeno («as árvores e todo o cosmos estão dentro da minha gigantesca mente») e do em si , isto é, Deus e os diversos espíritos;

 

B)     A divisão do em si numa multiplicidade não está só em Demócrito (os átomos são, de facto, múltiplos) mas até em Berkeley ( o em si: Deus e os espíritos) e em Kant (o em si: os númenos).

 

C)    O em si e o fenómeno em Platão só estão unidos pelo demiurgo no momento da criação do universo dos fenómenos. Posteriormente, a sua união faz-se pela participação da forma dos fenómenos (sensíveis) nas Formas ou Modelos eternos do inteligível.

 

D)    A posição de Kant não é apenas a da incognoscibilidade do em si mas também a existência do fenómeno dentro da consciência cognoscente (posição similar à de Berkeley).

 

 

 

Como se deveria desdobrar de forma correcta o leque das teorias sobre o triângulo em si, fenómeno, consciência cognoscente?

 

Por exemplo, do seguinte modo: o em si está no fenómeno e ambos fora da consciência cognoscente (realismos natural e crítico/epistemológico); o em si está, incognoscível, atrás do fenómeno e ambos fora da consciência cognoscente (realismo fenomenista); o fenómeno, material, está dentro da consciência e o em si imaterial fora desta, metafísico (idealismos de Kant e Berkeley); o em si material é incognoscível e ignora-se se está dentro ou fora da consciência, e é, como o fenómeno, correlato a esta (fenomenologia).

 

 www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

 

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 


 

 

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 14:57
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 29 de Fevereiro de 2008
Direita e Esquerda na Teologia Gnóstica de Valentim

Na teologia gnóstica do bispo Valentim, do século II da era cristã, esquerda e direita surgem vinculadas a dois tipos de homem. Os hílicos ou homens materialistas, ateus, que não se salvam, são os da esquerda; os psíquicos ou homens da Igreja cristã oficial que poderão salvar-se mediante obras, são os da direita.

 

Achamot, a Intenção da Sabedoria Superior, expulsa do pleroma , o mundo dos eóns divinos, e depois liberta da paixão, por acção do Salvador, formou o Demiurgo ou Deus-pai, arquitecto do mundo inferior da matéria:

 

«En primer lugar, dicen, formó a partir de la sustancia psíquica al que es Dios, Padre y rey de todos, tanto de los que están consubstanciales, es decir, a los psíquicos, a los que llaman de derecha, como de los procedentes de la pasión y de la materia, a los que llaman de izquierda.» ( Irineo de Lyón, Contra las Herejías in Los gnósticos, Editorial Gredos, pags 116-117).

 

Interessante é constatarmos as funções arquetípicas de Direita e Esquerda: Direita significava os homens da Igreja, na teologia gnóstica do século II, e ainda hoje, no século XXI, a Igreja, os psíquicos, está ancorada à direita, conservadora ou liberal e centrista; Esquerda significava os homens hílicos, materialistas, os que não crêem em Deus ou deuses e ainda hoje, no século XXI, a maioria das pessoas de esquerda (comunistas, socialistas, anarquistas) são ateus, agnósticos ou panteístas, não concebem a existência de deuses salvadores, espíritos puros no reino do Além.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)


 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 23:12
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Reflexões de Novembro de ...

Teologia cátaro-bogomila:...

Teste de Filosofia do 10º...

Breves reflexões de Dezem...

Teste de filosofia do 10º...

Reflexões gnósticas crist...

Sobre "O Ente e a Essênci...

"Diferença e repetição" d...

Confusões de Ferrater Mor...

Direita e Esquerda na Teo...

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds