Quarta-feira, 18 de Junho de 2014
Equívocos na Prova 714 de Exame Nacional de Filosofia de 17 de Junho de 2014

 

Alguns equívocos marcam a prova 714 de exame nacional de Filosofia do 11º ano de escolaridade, 1ª fase, versão 1, de 17 de Junho de 2014.  Vejamos exemplos.

 

3.«É impossível provar que os animais têm consciência. Portanto, temos de admitir que não têm.»

 

O argumento anterior é

 

(A) dedutivamente válido.
(B) indutivamente forte.
(C)
um caso de apelo à ignorância.
(D) um caso de derrapagem.

 

Segundo os critérios de correção a resposta certa é a C.

 

Crítica minha: tal como está formulada a questão, de forma ambígua, a resposta correcta é A e não C. A expressão temos de admitir que não têm não é categórica mas hipotética: temos de admitir a possibilidade de os animais não terem consciência, logo também admitimos a possibilidade de terem consciência. Segundo esta leitura, isto é uma dedução, porque bifurca a tese geral nas duas opções possíveis. A formulação correcta da pergunta deveria ser:

«É impossível provar que os animais têm consciência. Portanto, eles não têm consciência.»

 

Só formulado desta maneira é um verdadeiro argumento de apelo à ignorância.

 

 

«6. Considere o texto seguinte.
«Compare estes dois casos:
1) Uma pessoa pega numa arma, aponta cuidadosamente para o alvo, puxa o gatilho e dispara.
2) A pessoa chega a casa e põe a arma sobre a mesa. Enquanto o faz, a arma inesperadamente dispara.
Ora, partindo da nossa distinção intuitiva entre ações e acontecimentos, concordaríamos, espero, que disparar a arma, no primeiro exemplo, foi uma ação, enquanto, no segundo, o tiro foi um acontecimento.»

 

C. Moya, The Philosophy of Action: An introduction, Cambridge, Polity Press, 1990, p. 12 (adaptado)

 

De acordo com o texto, as ações distinguem-se dos acontecimentos na medida em que


(A) as ações não têm intenções como causas, nem envolvem um agente.
(B) as ações envolvem um agente, mas não têm intenções como causas.
(C) as ações têm intenções como causas, mas não envolvem um agente.
(D) as ações envolvem um agente e têm intenções como causas.

 

Os critérios de correcção apontam a alínea D como sendo a única certa.

 

Crítica minha: Há duas respostas certas, B e D. De facto, nem todas as acções humanas possuem intenção. Há acção voluntária, intencional, e acção involuntária não intencional. Exemplo desta última: um automobilista atropela sem querer uma criança que, de súbito, se atravessa na estrada. A acção implica apenas um agente e um paciente (aquilo ou aquele que sofre a acção) sendo a intenção um acessório que pode existir ou não.

 

GRUPO III

 

1. Leia o texto seguinte.

 

«É difícil não pensar que temos livre-arbítrio. Quando estamos a decidir o que fazer, a escolhaparece inteiramente nossa. A sensação interior de liberdade é tão poderosa que podemos ser incapazes de abandonar a ideia de livre-arbítrio, por muito fortes que sejam as provas da sua inexistência.»
«E, obviamente, existem bastantes provas de que não há livre-arbítrio. Quanto mais aprendemos sobre as causas do comportamento humano, menos provável parece que escolhamos livremente as nossas ações.»
J. Rachels, Problemas da Filosofia, Lisboa, Gradiva, 2009, p. 182

 

1.1. Como explicam os deterministas radicais a «sensação interior de liberdade» referida no texto?

 

O tópico dos crirérios de correção é o seguinte: «A resposta integra os aspetos seguintes, ou outros igualmente relevantes. Apresentação da perspetiva dos deterministas radicais sobre a «sensação interior de liberdade»:
-segundo os deterministas radicais, essa sensação é uma ilusão;
-a ilusão resulta do desconhecimento das causas das nossas crenças e dos nossos desejos / das causas que nos levam a agir de uma determinada forma;
-se conhecêssemos as causas das nossas crenças e dos nossos desejos / as causas que nos levam a agir de uma determinada forma, compreenderíamos que a nossa ação resulta dessas causas, e não da nossa vontade livre.»

 

Crítica minha: a pergunta está mal formulada. Carece de clareza e profundidade. Os deterministas radicais não explicam a «sensação interior de liberdade», do mesmo modo que nós não explicamos a sensação de verde nas folhas da planta que estamos a ver : limitam-se a constatar que essa sensação existe, naturalmente, em cada um de nós e fundamenta a convicção de que temos livre-arbítrio. A ilusão não resulta «do desconhecimento das causas das nossas crenças e dos nossos desejos / das causas que nos levam a agir de uma determinada forma»: essa ilusão existe por si mesma e continua a existir mesmo quando descobrimos, por exemplo, que os nossos actos são ditados por ângulos que os planetas no céu formam com o mapa do céu do nosso dia e hora de nascimento (horóscopo natal).

 

O que os «deterministas radicais» explicam não é a sensação interior de liberdade mas sim a crença psicológica no livre-arbítrio com base nessa sensação interior...

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 06:46
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Luna a 18 de Junho de 2014 às 13:39
Na pergunta 6 da escolha multipla tambem pensei o mesmo, nas ações voluntárias e involuntárias, mas escolhi a D justamente por causa do texto, por ter tido intenção de disparar.
Na pergunta 3 da escolha multipla também tive essa dúvida, e quando saí do exame a minha professora estava a nossa espera e tambem disse que havia muita duvida nessa questão justamente por isso.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

19
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Áreas 21º-24º de Carangu...

Ponto 27º 37´/ 27º 44´ de...

Equívocos no Exame Nacion...

25 a 30 de Junho de 2017:...

28 de Junho a 1 de Julho ...

Breves reflexões de Junho...

Areas 14º-18º of Aries, 2...

Identidade de género, uma...

Teste de filosofia do 10º...

Teste de Filosofia do 11º...

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds