Quarta-feira, 6 de Agosto de 2014
Equívocos de Pedro Galvão sobre Identidade Pessoal

 

No artigo «Identidade pessoal»da edIção de 2013 do «CompêndIo em lInha de problemas de fIlosofIa analítIca», o professor universitário Pedro Galvão expende teses que, a meu ver, contêm equívocos. Escreveu referindo-se a Fernando Pessoa e aos seus dois heterónimos (personagens fictícias que inventou) Álvaro de Campos, adepto do progresso industrial, e Ricardo Reis:

 

 

«Mais sucinta e intuitivamente: a identidade pessoal consiste em continuidade psicológica (porventura causada de uma certa forma) sem ramificações. A Divisão é um exemplo de continuidade psicológica ramificada, de um para vários, mas também podemos conceber casos inversos de ramificação, de vários para um. Suponha-se, porexemplo, que após alguns anos transplantamos um dos hemisférios
de Campos e um dos hemisférios de Reis para o mesmo crânio vazio de um corpo humano vivo, resultando daí uma certa pessoa. Também essa pessoa – poderíamos chamar-lhe ‘Fernando’ – não seria nem Campos nem Reis, ainda que fosse psicologicamente contínua com ambos.
A continuidade psicológica, note-se, não admite graus.» (Pedro Galvão, Identidade pessoal, CompêndIo em lInha de problemas de fIlosofIa analítIca, pag.7; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Contesto estas teses de Galvão: a identidade pessoal consiste tanto em continuidade psicológica como em continuidade biofísica. Se os nossos olhos mudassem completamente, tal como o nosso rosto, por um acidente inesperado, desapareceria, no todo ou em parte, a continuidade psicológica: uma pessoa com o rosto parcial e irreversívelmente desfeito por uma explosão ou por ácido não tem a mesma identidade pessoal que tinha antes do terrível acidente. Pedro Galvão situa-se na linha do dualismo cartesiano, separando a alma do corpo físico e conferindo a supremacia ao psíquico, à alma.

 

É também falso afirmar que «A continuidade psicológica, note-se, não admite graus.» O homem terrivelmente lesionado, cujo rosto suscita medo aos outros, tem alguma continuidade psicológica: lembra-se de quem era, do seu passado quando tinha um rosto belo, sem lesões, e isto é continuidade (memória); sente-se permanentemente ou quase diminuído, humilhado por não poder apresentar beleza, simpatia física ao contactar as outras pessoas e isto é descontinuidade. Há, portanto, graus de continuidade psicológica. Esta está sempre a variar em quantidade ao longo da vida - visão dialéctica que Pedro Galvão não perfilha.

 

.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:29
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Area 15º-20º de Cancer y ...

Posições de Júpiter em Ma...

Deleuze e Guattari: as tr...

Júpiter em 17º de Balança...

Astrología y accidentes a...

O idealismo é contra a au...

La guerra civil de España...

Breves reflexões de Julho...

Áreas 21º-24º de Carangu...

Ponto 27º 37´/ 27º 44´ de...

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds