Domingo, 3 de Agosto de 2014
Equívocos de João Branquinho e Guido Imaguire sobre regressões ao infinito e universais

 

No artigo «Regressões ao InfInIto em metafísIca»  da edIção de 2013 do «CompêndIo em lInha de problemas de fIlosofIa analítIca», os professores universitários João Branquinho e Guido Imaguire, cometem alguns erros que tipificam os erros da filosofia analítica contemporânea.

 

DIZER QUE «É VERDADE QUE É VERDADE QUE É VERDADE QUE É VERDADE  QUE S» É REGRESSÃO AO INFINITO?

 

Um primeiro equívoco dos autores e da filosofia analítica em que militam, reside na noção de regressão ao infinito. Escrevem os citados dois académicos:

 

«Eis dois exemplos comummente dados de regressões.
• O princípio da causalidade, o princípio de que tudo tem uma causa, ou seja, a ideia de que, para todo o acontecimento ou fenómeno, há um acontecimento ou fenómeno, diferente daquele, que o causa, é muitas vezes visto — talvez não muito correctamente — como dando origem a uma regressão ao infinito (na série de causas).
• O mesmo se pode dizer do resultado da aplicação do mecanismo recursivo característico de diversos operadores frásicos, em especial do operador de verdade, captado na ideia de que prefixar o operador ‘É verdade que’ a uma frase qualquer S gera uma frase diferente de S. Teríamos assim uma série infinita de frases: S, É verdade que S, É verdade que é verdade que S, É verdade que é verdade que é verdade que S, e assim por diante.»

 

«Como o último exemplo torna manifesto, nem toda a regressão ao infinito é uma regressão viciosa, sendo os casos em questão casos claros de regressões inócuas ou virtuosas. Poderíamos dizer, de forma aproximada, que uma tese, explicação, regra ou princípio conduz a uma regressão ao infinito viciosa quando, em cada novo estádio ou elemento da série infinita gerada, o facto básico a explicar reaparece,quer de forma manifesta quer de forma meramente implícita.»

(João Branquinho e Guido Imaguire, «Regressões ao InfInIto em metafísIca»  da edIção de 2013 do «CompêndIo em lInha de problemas de fIlosofIa analítIca», página 4).

 

É um erro considerar uma regressão ao infinto o segundo exemplo: «o operador ‘É verdade que’ a uma frase qualquer S gera uma frase diferente de S. Teríamos assim uma série infinita de frases: S, É verdade que S, É verdade que é verdade que S, É verdade que é verdade que é verdade que S, e assim por diante.»

 

Ao contrário do que sustentam Branquinho e Imaguire, e, presumivelmente, o filósofo australiano David Malet Armstrong (8 de Julho de 1926), não há, neste exemplo, nenhuma regressão ao infinito: há apenas uma tautologia em série. De facto, dizer: «É verdade que é verdade que é verdade que é verdade que o cavalo é um quadrúpede» é uma tautologia múltipla ( ainda que a proposição "o cavalo é um quadrúpede" não seja em si mesma tautológica) mas não uma regressão ao infinito. É um marcar passo e não um andar no sentido do infinito. Um operador de verdade ( como: «É verdade que») repetido não faz regredir infinitamente: repete sem retroceder.

 

UMA FALÁCIA DE ARMSTRONG CONTRA A AUTO-PREDICAÇÃO DOS UNIVERSAIS EM PLATÃO

 

Referindo-se ao realismo metafísico de Platão e à sua tese de que os universais são auto-predicáveis - exemplo o Belo é belo por ser arquétipo ou princípio superior, existe por si mesmo, o Vermelho é um arquétipo anterior às coisas vermelhas - escrevem Branquinho e Imaguire:

 

«Não é de todo necessário que os universais postulados nessa concepção sejam concebidos como paradigmas dos particulares que os exemplificam, ou como exemplares perfeitos, caso em que a motivação para a auto-predicação dos universais se desvanece.»

 

«Armstrong (1978: 71) oferece o seguinte argumento no sentidode mostrar que nem todos os universais são auto-predicáveis:
Premissa 1: Uma coisa só é vermelha se for colorida
Premissa 2: O vermelho não é uma coisa colorida, apesar de ser uma cor
Conclusão: O vermelho não é vermelho
»

(João Branquinho e Guido Imaguire«Regressões ao InfInIto em metafísIca»  da edIção de 2013 do «CompêndIo em lInha de problemas de fIlosofIa analítIca», página ).

 

Este raciocínio de Armstrong, autor de «Universals and Scientific Realism» (1978),  não passa de um sofisma: confunde vermelho como essência com vermelho como acidente.  Admira-nos que Branquinho e Imaguire subscrevam esta falácia de Armstrong: deixam passá-la, acriticamente. O raciocínio correcto com base naquelas premissas é o seguinte:

 

Premissa 1. Uma coisa só é vermelha se for colorida.

Premissa 2: O vermelho não é uma coisa colorida, apesar de ser uma cor.

Conclusão: O vermelho não é uma coisa vermelha.  (Exemplo: o vermelho não é uma bola vermelha).

 

Como pensam mal os «grandes» pensadores analíticos! Como enrolam os seus leitores no fetichismo das palavras! A filosofia analítica, herdeira da sofística e correspondente retórica, revela-se, em grande parte, um embuste filosófico quando se pensa com toda a clareza. É pura manipulação linguística e pouco mais.

 

DOIS SENTIDOS ENCERRADOS NO CONCEITO DE NOMINALISMO DE QUE BRANQUINHO E IMAGUIRE NÃO SE APERCEBEM

 

O artigo fala abundantemente do nominalismo de classes e do nominalismo de semelhança opondo-os ao realismo metafísico platónico. Mas Branquinho e Imaguire, tal como Armstong, não se dão conta de que nominalismo, em  certo sentido, não se opõe como contrário a realismo: Platão é realista e, simultaneamente, nominalista. Nominalismo opõe-se a universalismo do conceito, como o singular se opõe ao plural mas ambos estes são reais.

 

Platão é realista (das Ideias) ou ideal-realista porque considera que as Ideias ou Formas existem em si mesmas, independentemente das mentes humamas: o Triângulo e o Número Dois, por exemplo, estão no mundo inteligível, acima do céu visível, desde a eternidade, mesmo antes de ser criada a humanidade. Nominalista porque cada Ideia é singular, irrepetível, e a «universalização» dela através da participação é uma cópia, uma degradação do protótipo: em termos concretos, a essência Mulher é única e está no mundo inteligível e não no interior de Ana, Filipa, Joaquina e de qualquer outra mulher concreta, singular. As mulheres participam da Ideia Mulher mas esta continua a ser um Singular .

 

Aristóteles viu muito bem este nominalismo na sua crítica a Platão em «Metafísica» como uma incoerência do platonismo: sendo cada Ideia singular como pode espelhar-se ou estar presente em todos os indivíduos da classe que lhe corresponde?.

 

Nominalismo encerra pois um duplo significado de irrealismo universalista e de realismo singularista, planos diferentes: por um lado, os universais não passam de nomes, são irreais,(irrealismo ontológico) por exemplo, Rover é um "cão" diferente de Tigre que é "cão" mas a classe universal de cães não existe, ambos os animais são diferentes, únicos, e é abusivo chamar «cão» a ambos;  complementarmente, só cada singular e só o singular existe e é real (realismo ontológico). 

 

Platão era nominalista realista no referente às Ideias e universalista realista no referente às suas cópias no mundo material. Ao universalizar-se ou «condensar-se» nos estratos inferiores da realidade a Ideia já não é pura mas uma projecção de si mesma: a Ideia do Belo não está na acção bela ou no corpo belo, o que está nestes é o reflexo do Belo. Nominalismo (eidologia numérica) não se opõe a realismo (ontologia) mas sim a universalismo (eidologia numérica), facto de que João Branquinho, Guido Imaguire e David Amstrong não se aperceberam. Estes circunscrevem o realismo metafísico - de Platão ou Aristóteles, por exemplo -  ao universalismo das ideias ou conceitos mas, na verdade, o realismo metafísico engloba também o nominalismo porque os singulares são reais, existem na realidade independente da mente humana.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:13
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Teologia cátaro-bogomila:...

Ponto 23º 7´/23º 15´de qu...

Erros na tradução portugu...

O sublime moral para Scho...

Seísmos en México en Astr...

Área 9º-10º do signo de T...

Neocátaros versus budismo...

Teologia neocátara: sem j...

Herbert Marcuse: o caráct...

Breves reflexões de Agost...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds