Sábado, 10 de Setembro de 2011
Incoerências de Strawson sobre categorial: «homem e mulher são categoriais mas manteiga e coisa não o são»...

 

De acordo com o que se lê no Dicionário Oxford de Filosofia de Simon Blackburn, conclui-se que o filósofo analítico inglês  Peter Frederik Strawson (23 de Novembro de 1919- 13 de Fevereiro de 2006), catedrático da Universidade de Oxford, se equivocou ao delinear o conceito de categorial. O categorial é,  uma substância segunda (adoptando a terminologia de Aristóteles), isto é, a essência de uma espécie de objectos ou entes. Senão vejamos:

 

«Categorial - Termo usado por Locke (Essay, m.3) e ressuscitado por Strawson (Individuals, pag 168) para referir um substantivo ou "predicável" como "homem", "mulher" ou "tigre" que fornece um princípio para individuar e contar exemplos de coisas de um tipo. "Manteiga" e "coisa" não são categoriais porque não há qualquer princípio que permita contar manteiga (ao contrário do que acontece com porções de manteiga) nem coisas (nunca podemos distinguir quando temos uma coisa ou duas. "Vermelho" não é um categorial mas sim um adjectivo." (Simon Blackburn, Dicionário de filosofia, pag 61, Gradiva; o negrito, excepto o da primeira frase, é colocado por mim).

 

 

Se a responsabilidade destes exemplos confusos é de Strawson - nunca se pode excluir a hipótese de ser do próprio Blackburn, um grande fabricante académico das nuvens da confusão "analítica" que, aliás, participa nesta definição nebulosa no Dicionário Oxford-  concluiremos que o catedrático inglês nascido em 1919 pensava equivocamente.

 

Nunca podemos distinguir quando temos uma coisa ou duas? É ridícula esta asserção. Quando temos dois guarda-chuvas (duas coisas) na mão ou quando só temos um guarda-chuva (uma coisa), é impossível distinguir numericamente as duas situações? Coisa é tão categoriável como "mulher" ou "tigre". Dizemos: "Há três coisas que quero dizer-te hoje àcerca das duas mulheres que conhecemos ontem e do tigre que vimos no jardim zoológico". Nesta proposição, tanto o substantivo coisa como os substantivos mulher e tigre permitem individuar, isto é, designar esta coisa, aquela mulher ou aquele tigre.

 

Se a essência-substantivo homem é um categoriável - com efeito diz-se: "João e Francisco são dois homens" - por que razão a essência-substantivo manteiga não é um categoriável, já que se pode individuar e contar («Olha, comprei três pacotes de manteiga, de 250 gramas cada» ?)

 

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:36
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Teologia cátaro-bogomila:...

Ponto 23º 7´/23º 15´de qu...

Erros na tradução portugu...

O sublime moral para Scho...

Seísmos en México en Astr...

Área 9º-10º do signo de T...

Neocátaros versus budismo...

Teologia neocátara: sem j...

Herbert Marcuse: o caráct...

Breves reflexões de Agost...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds