Segunda-feira, 11 de Abril de 2011
The absence of an ontological definition of phenomenology in Simon Blackburn (confused views of the Oxford Dictionary of Philosophy-IX)

About phenomenology, Simon Blackburn wrote in his Oxford Dictionary of Philosophy:

 

«Phenomenology A term that emerged in the 18th century, in the writings of Johann Heinrich Lambert (1728-77) and Kant to denote the description of consciousness of its intentional content (see INTENTIONALITY). In Hegel, phenomenology is instead the historical enquiry into the evolution of self-consciousness, developing from elementary sense experience to fully rational, free, thought processes capable of yielding knowledge. The term in the 20th century is associated with the work and school of Husserl. Following Brentano, Husserl realized that intentionality was the distinctive mark of consciousness, and saw in it a concept capable of overcoming traditional mind-body dualism. The study of consciousness, therefore, maintains two sides: a conscious experience can be regarded as an element in a stream of consciousness, but also as a representative of one aspect or “profile” of an object. In spite of Husserl ´s rejection of dualism, his belief that there is a subject-matter remaining after “epoché” or bracketing of the content of experience, associates him with the priority accorded to elementary experiences in the parallel doctrine of phenomenalism., and phenomenology has partly suffered from the eclipse of that approach to problems of approach to problems of experience and reality. However, later phenomenologists, such as Merleau-Ponty, do full justice to the world-involving nature of experience. In a different usage, the phenomenology of a subject (such as religion) is the study of what it means to pursue a particular form of life, regardless of whether anything that is said in following it out is true or false.» (Simon Blackburn, Oxford Dictionary of Philosophy, page 275, Oxford press, 2005).

 

Let´ s explain two fundamental critics to the content of this article. First, opposite to the speech of Blackburn, Husserl does not reject dualism: he, just like Descartes, suspends the existence of external world, characterized by continuous changes and movement, to “photograph” the quiet essences of things. The rejection of dualism is merely instantaneous, not definitive, in Descartes as in Husserl.

 

Second, phenomenology is not characterized in this article on ontological level by Simon Blackburn: in fact, despite the ignorance of Blackburn, phenomenology is placed between realism and idealism, is the third ontological position, as Heidegger postulated. This is not theorized by Blackburn in the Oxford Dictionary of Philosophy and in any of his books (at least to my knowledge).

 

I sustain that phenomenology is phenomenalism added or distorted with a metaphysical description in some aspects. Blackburn seems to be absolutely ignorant about this. He has lack of theorist visualization as many academics of the so called “Analytic philosophy” – only some confused minds sustain that «analytic philosophy» is clearer than «continental philosophy». The term analytic has not magic proprieties. The analysis is not only a question of internal coherence of concepts and propositions but is also a question of external correct reference to ideal or material objects.

 

 

 

ww.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

 

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 19:35
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Area 15º-20º de Cancer y ...

Posições de Júpiter em Ma...

Deleuze e Guattari: as tr...

Júpiter em 17º de Balança...

Astrología y accidentes a...

O idealismo é contra a au...

La guerra civil de España...

Breves reflexões de Julho...

Áreas 21º-24º de Carangu...

Ponto 27º 37´/ 27º 44´ de...

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds