Quarta-feira, 2 de Março de 2011
Do conceito de "sentido", na filosofia grega antiga e em outras línguas

O que  é o sentido (em grego: ennoia) de algo ? Na língua grega actual, a expressão o sentido das coisas diz-se "ennóia (sentido) tós pragmáton (coisas) (την έννοια των πραγμάτων). A expressão "sentido de" significa, não a capacidade sensorial humana, mas uma ordem, imanente ou transcendente a cada coisa. Sentido tem várias acepções, entre as quais:

 

A) Finalidade (télos) ou causa final . Por exemplo, na cosmologia de Aristóteles, o sentido do movimento dos corpos no mundo sub-lunar é o do retorno à fonte primordial: uma maçã cai da árvore em direcção à esfera da terra no centro do mundo porque a sua finalidade é voltar ao lugar de origem. O sentido de uma chama subir no ar é o desejo de  regressar à esfera do fogo, de onde é originária, esfera essa que se situa acima das esferas da terra, água e ar.

B) Proporção (logos), que é o sentido imanente a algo, por comparação entre as diferentes partes.

C) Inteligência (nous).

D) Direcção (tésis).

E) Inerência de uma qualidade à respectiva substância.

F) Necessidade (ananké), isto é, lei infalível de causa-efeito, que estrutura não só a natureza biofísica - a físis, ou seja, o nascimento, crescimento, declínio e morte ou desagregação dos entes - mas também a lógica e a matemática.

G) Ordem (táxis).

 

O sentido é, pois, um nexo ou elo de ligação do ponto de vista da coerência interna - o que se exprime sobretudo na táxis,  ananké, logos e no nous- mas também do ponto de vista da referência ou correspondência externa - o que se traduz sobretudo na direcção, na necessidade e na finalidade, e também no logos universal, no nous. Há sentido no monismo e sentido no dualismo. O positivismo lógico reduziu o termo sentido ao binómio ideação-comprovação: só tem sentido algo que se pense e se formule por palavras e se comprove empiricamente, de forma directa ou indirecta. É uma definição insuficiente, falseadora. É exactamente o oposto da ideia de "sentido-nexo" da filosofia grega antiga e da posterior tradição filosófica.

 

O que é interessante é notar a tonalidade intelectual do conceito de "sentido" na língua grega, em oposição a outras línguas como o português, o espanhol, o francês, o inglês em que o termo "sentido" designa também a capacidade de percepção sensorial (aistésis, em grego): em português, fala-se, por exemplo, no "sentido da vista"  e no "sentido da vida"; em espanhol usa-se o termo "sentido" para "la visión, audición, olor, etc"  e para o nexo inteligente da vida, el «sentido de la vida»; em francês, les "sens des organes sensorielles" são de natureza diferente do "sens de ce mot ou de cette phrase, uns sens intelectuel"; em inglês, "the five senses of the body" e "the sense of life" possuem significados muito distintos.

 

Na língua grega, não se confunde, no plano vocabular, a ideia de sentido como nexo ou ordem inteligível das coisas com a ideia de sentido como faculdade de percepção empírica, sensorial.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 15:04
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Previsões para 2018 (base...

Transplantes de orgãos: a...

Sismo em Portugal de 11 a...

Reflexões breves de Dezem...

Salvador Freixedo: o derr...

Áreas 25º-28º de Escorpiã...

Áreas 17º-18º de Balança,...

Área 0º-3º de Sagitário: ...

João Bereslavsky: a homos...

Reflexões de Novembro de ...

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds