Terça-feira, 20 de Março de 2007
Incompreensões sobre o que são Lógica e Filosofia em documento do Ministério da Educação

Um documento na página oficial do Ministério da Educação em Portugal, da autoria de Desidério Murcho e Júlio Sameiro, com orientações para o Programa de Filosofia do 11º ano,  constitui uma planície de incorrecções, de paralogismos e sofismas. Vejamos alguns desses erros e a sua contraposição.


A LÓGICA (FORMAL) NÃO PERMITE MUITAS VEZES, DISTINGUIR O ARGUMENTO CORRECTO DO INCORRECTO


Diz o documento de Murcho e Sameiro:


1. «A lógica permite-nos 1) distinguir os argumentos correctos dos incorrectos, 2) compreender por que razão uns são correctos e outros não, e 3) evitar cometer falácias ou sofismas na nossa argumentação. »


É falso que, em inúmeros casos, a lógica (formal) permita distinguir os argumentos correctos dos incorrectosSão a intuição empírica e a intuição metaempírica ou inteligível, ilógicas ou a-lógicas, que permitem em numerosíssimos casos distinguir o argumento correcto do incorrecto.  A verdade não se reduz ao Logos concebido como raciocínio discursivo, divisível em momentos: a verdade está igualmente na Noesis - a apreensão intuitiva do inteligível - e na Aisthesis - a sensação.


Vejamos um raciocínio lógico de um sector da oposição democrática ao Estado Novo de Salazar, em Abril e inícios de Maio de 1958, que não constitui um argumento correcto: «Arlindo Vicente é um oposicionista histórico da ditadura de Salazar e, portanto, muito melhor candidato da oposição do que o general Humberto Delgado, que até há poucos anos apoiava o ditador.»  A vida, fonte de intuições empíricas e metaempíricas constantes - que produzem a lógica material ou informal-mostrou naquele Maio de 1958 que Delgado, contra a lógica (formal-ideal) de muitos oposicionistas, era, dado o seu magnetismo pessoal cesarista e antifascista, o melhor candidato.


A VALIDADE É IMANENTE ÀS PROPOSIÇÕES LÓGICAS E FILOSÓFICAS


Afirmam os autores do documento:


«Em filosofia e lógica as afirmações não podem ser válidas nem inválidas


 Este é um erro crasso de pseudopensadores formalistas. A afirmação lógica «o todo é menor que uma das suas partes» é inválida. A afirmação filosófica «a essência é visível, ao contrário das aparências, que nunca se revelam» é inválida. Entender a validade apenas como a conexão abstracta das proposições sem levar em conta o conteúdo concreto destas é o erro de Desidério Murcho e Júlio Sameiro. Validade e verdade são o mesmo, de um modo geral, ainda que se possa introduzir um matiz de diferenciação num certo contexto. Validade formal é verdade formal (exemplo: Se A >B, então B< A ; isto é válido e verdadeiro) e

[Error: Irreparable invalid markup ('<a,>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<P><FONT size=4>Um documento na página oficial do Ministério da Educação em Portugal, da autoria de Desidério Murcho e Júlio Sameiro, com orientações para o Programa de Filosofia do 11º ano,  constitui uma <STRONG>planície de incorrecções, de paralogismos e sofismas</STRONG>. Vejamos alguns desses erros e a sua contraposição.</FONT></P>
<P align=center><FONT size=4><STRONG>A LÓGICA (FORMAL) NÃO PERMITE MUITAS VEZES, DISTINGUIR O ARGUMENTO CORRECTO DO INCORRECTO</STRONG></FONT></P>
<P><FONT size=4>Diz o documento de Murcho e Sameiro:</FONT></P>
<P><FONT size=4>1. «<SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">A lógica permite-nos 1) <STRONG>distinguir os argumentos </STRONG></SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><STRONG>correctos dos incorrectos</STRONG>, 2) compreender por que razão uns são correctos e outros não, e 3) evitar cometer </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA">falácias ou sofismas na nossa argumentação. »</P></SPAN></FONT>
<P><FONT size=4><STRONG>É falso que, <EM>em inúmeros casos,</EM> a lógica (formal) permita distinguir os argumentos correctos dos incorrectos</STRONG>. <STRONG>São a intuição empírica e a intuição metaempírica ou inteligível, ilógicas ou a-lógicas, que permitem em numerosíssimos casos distinguir o argumento correcto do incorrecto.  </STRONG>A verdade <STRONG>não se reduz ao Logos concebido como raciocínio discursivo</STRONG>, divisível em momentos: a verdade está igualmente na Noesis - a apreensão intuitiva do inteligível - e na Aisthesis - a sensação. </FONT></P>
<P><FONT size=4>Vejamos um <STRONG>raciocínio lógico </STRONG>de um sector da oposição democrática ao Estado Novo de Salazar, em Abril e inícios de Maio de 1958, que não constitui um argumento correcto: «Arlindo Vicente é um oposicionista histórico da ditadura de Salazar e, portanto, muito melhor candidato da oposição do que o general Humberto Delgado, que até há poucos anos apoiava o ditador.»  <STRONG>A vida, fonte de intuições empíricas e metaempíricas constantes - que produzem a lógica material ou informal-</STRONG>mostrou naquele Maio de 1958 que Delgado, <STRONG>contra a lógica </STRONG><EM>(formal-ideal)<STRONG> </STRONG></EM>de muitos oposicionistas, era, dado o seu magnetismo pessoal cesarista e antifascista, o melhor candidato.</FONT></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal align=center><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4>A VALIDADE É IMANENTE ÀS PROPOSIÇÕES LÓGICAS E FILOSÓFICAS</FONT></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4>Afirmam os autores do documento:</FONT></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4>«<STRONG>Em filosofia e lógica as afirmações não podem ser válidas nem inválidas</STRONG>.»</FONT></SPAN></P>
<P><FONT size=4> Este é um erro crasso de <STRONG>pseudopensadores formalistas</STRONG>. A <STRONG>afirmação lógica </STRONG>«o todo é menor que uma das suas partes» <STRONG>é inválida</STRONG>. A <STRONG>afirmação filosófica </STRONG>«a essência é visível, ao contrário das aparências, que nunca se revelam» <STRONG>é inválida</STRONG>. Entender <STRONG>a validade apenas como a conexão abstracta das proposições sem levar em conta o conteúdo concreto destas é o erro </STRONG>de Desidério Murcho e Júlio Sameiro. <STRONG>Validade e verdade são o mesmo, de um modo geral, ainda que se possa introduzir um matiz de diferenciação num certo contexto. Validade formal é verdade formal </STRONG>(exemplo: Se A &gt;B, então B&lt; A ; isto é válido e verdadeiro) e <A, e <STRONG <A)><STRONG>validade material é verdade material  </STRONG>(exemplo: É materialmente verdadeiro ou materialmente válido que os sobreiros se</STRONG> revestem de cortiça). </FONT></P>
<P><FONT size=4>É certo que<STRONG> há raciocínios formalmente válidos </STRONG>(ex: Se A implica B, e B implica C, então A implica C) <STRONG>que podem estruturar argumentos materialmente inválidos </STRONG>(exemplo: As batatas(A) são abelhas (B), as abelhas(B) são automóveis (C), logo as batatas (A) são automóveis (C). Mas <STRONG>de modo nenhum se pode dizer, em muitos casos, que «o argumento não é verdadeiro nem falso»</STRONG> - Murcho e Sameiro <EM>confundem argumento com mecanismo formal do argumento.</EM></FONT></P>
<P><FONT size=4>Procurando refutar esta identidade <STRONG>validade-verdade </STRONG>que, já em artigo deste blog, pusemos em evidência, escrevem Murcho e Sameiro esta tirada surrealista: .</FONT></P>
<P> «<SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">Assim, <STRONG>nem a «validade formal» nem a «validade material» são formas de validade, </STRONG>mas sim diferentes </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">maneiras de uma afirmação ser verdadeira ou falsa. Esta terminologia tem de ser abandonada, pois não faz </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">senão <STRONG>lançar a confusão entre a validade e a verdade</STRONG>.»</SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4><FONT face="Times New Roman">Se tivessem um pensamento coerente nesta matéria, seriam obrigados a reconhecer que o termo <STRONG>validade formal </STRONG>(exemplo: p w q) designa, num grande número de autores da lógica, o que eles chamam <STRONG>validade, isto é, </STRONG><EM><STRONG>a conexão lógica correcta entre as premissas e a conclusão de um raciocínio- </STRONG>e que não é senão <STRONG>validade dedutiva</STRONG>. </EM>Mas flutuam na confusão, na retórica falaciosa, estribada na sua rígida e errónea distinção entre validade e verdade - <STRONG>como se fossem conceitos absolutamente extrínsecos entre si </STRONG>- e querem impor aos professores de filosofia os seus raciocínios retorcidos. </FONT></FONT></SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4><FONT face="Times New Roman"><STRONG>A validade é </STRONG>: nalguns casos, <STRONG>verdade actual</STRONG>, confirmada; noutros, <STRONG>verdade potencial</STRONG>, provável, não confirmada (<STRONG>validade indutiva</STRONG>). Só neste segundo caso se pode falar de «argumento <STRONG>válido</STRONG> mas <STRONG>não</STRONG> confirmadamente <STRONG>verdadeiro</STRONG>».</FONT></FONT></SPAN></P>
<P align=center><FONT size=4><STRONG>SE A PARTE É VERDADEIRA OU FALSA, O TODO TAMBÉM TERÁ DE SER, POTENCIALMENTE OU ACTUALMENTE, VERDADEIRO OU FALSO</STRONG></FONT></P>
<P><FONT size=4>Continua o documento de Murcho e Sameiro: </FONT></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">«Por outro lado, <STRONG>os argumentos não são verdadeiros ou falsos</STRONG>. <STRONG>Os argumentos podem ter premissas e </STRONG></SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><STRONG>conclusões verdadeiras ou falsas — mas isso é diferente de dizer que os próprios argumentos podem ser </STRONG></SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><STRONG>verdadeiros ou falsos</STRONG>. Os argumentos podem ser muitas coisas — podem ser interessantes ou aborrecidos,</SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA">inúteis ou inteligentes, etc. Mas não podem ser verdadeiros nem falsos. »</P>
<P><FONT size=4>Os argumentos são, de um modo geral, segundo Desidério Murcho e Júlio Sameiro, inferências, raciocínios. E podem, segundo eles, ser inúteis ou inteligentes mas não podem ser verdadeiros ou falsos, <STRONG>embora possam ser nas suas partes </STRONG>(as permissas, as conclusões) <STRONG>verdadeiros ou falsos</STRONG>.  É um sofisma, no que se refere a todo o universo da argumentação. Como é que um argumento pode ser inteligente e não ser, no seu todo, verdadeiro nem falso?</FONT>
<P><FONT size=4>Vejamos um exemplo do <EM>argumento verdadeiro (e não apenas válido) que expõe o carácter exterminador do nazismo:</EM> «A Alemanha de Hitler suprimiu as liberdades individuais a partir de 1933, criou campos de extermínio durante a guerra que lançou em 1939 onde morreram 6 milhões de judeus, invadiu a URSS em 1941 causando 20 milhões de mortos soviéticos, logo o regime nazi foi belicista e exterminador de classes sociais, etnias e povos inteiros». <STRONG>As premissas e a conclusão são verdadeiras</STRONG>, reconhecerão Desidério e Júlio, mas o argumento « não seria verdadeiro nem falso»... <STRONG>É absurdo</STRONG>.</FONT> <FONT size=4>É como se um médico dissesse: «O coração, os rins, a circulação sanguínea e linfática e todos os orgãos do corpo da senhora X <STRONG>gozam de saúde </STRONG>mas <STRONG>o corpo dela</STRONG>, como um todo, <STRONG>não é saudável nem doente</STRONG>». </FONT>
<P><FONT size=4>Decerto, <STRONG>há argumentos válidos </STRONG>(isto é: <EM>provávelmente verdadeiros</EM><STRONG>) que não são comprovadamente verdadeiros nem falsos</STRONG>, como é o caso do argumento do Big Bang ou explosão cósmica inicial da matéria concentrada , na génese do universo. Este seria um exemplo que corroboraria as teses de Murcho e Sameiro, desde que rectificadas da seguinte maneira: «Há argumentos válidos, unicamente verosímeis, e há argumentos válidos e verdadeiros». Mas <STRONG>não se pode afirmar, com fundamento, que todo o argumento se encontra fora do valor de verdade/falsidade </STRONG>como o fazem estes dois apologistas da lógica proposicional.</FONT>
<P><FONT size=4>Seguindo a terminologia dicotómica verdade/validade dos lógicos em que Murcho e Sameiro se filiam, poderia dizer-se que <STRONG>fora do eixo de valores verdadeiro/ falso comprovado,</STRONG> num <EM>domínio do provável</EM>, <STRONG>onde situaríamos o eixo válido-inválido</STRONG>,<STRONG> se encontra</STRONG>, não o argumento mas <STRONG>o mecanismo formal, o esqueleto do argumento</STRONG>. </FONT>
<P><FONT size=4><STRONG>Admitindo a dicotomia verdadeiro/ válido</STRONG>, eis, em síntese, algumas das nossas diferenças com Murcho e Sameiro :</FONT>
<P><FONT size=4>1) Desidério Murcho e Júlio Sameiro sustentam que <EM>os argumentos nunca são verdadeiros ou falsos, mas apenas válidos e inválidos.</EM></FONT>
<P><FONT size=4>Em contrapartida, sustentamos que <STRONG>os argumentos são verdadeiros, falsos ou verosímeis/válidos </STRONG>(provavelmente verdadeiros).  <STRONG>O que se restringe à dicotomia válido/inválido é o mecanismo formal, lógico puro, do argumento </STRONG>mas não este como conteúdo substancial do pensamento. <STRONG>Desidério e Júlio usam ambiguamente a palavra argumento: </STRONG>ora como regra formal do pensamento, ora como raciocínio ou sistema de raciocínios com um conteúdo empírico. Daí a confusão nas suas definições</FONT>
<P><FONT size=4>2) Implicitamente, Murcho e Sameiro, defendem, sem se darem conta disso, que <EM>a matemática e as demais teorias científicas «não são verdadeiras nem falsas», uma vez que <STRONG>são constituídas por argumentos</STRONG></EM><STRONG>.</STRONG></FONT>
<P><FONT size=4>Assim, «não seria verdadeiro mas apenas válido» o argumento seguinte:</FONT>
<P><FONT size=4>«A soma dos três ângulos internos de um triângulo é 180 graus»</FONT>
<P><FONT size=4>«Neste triângulo, os ângulos A e B medem respectivamente, 60 graus e 80 graus».</FONT>
<P><FONT size=4>«Logo, o ângulo C mede 40 graus».</FONT>
<P><FONT size=4>E todas as <STRONG>demonstrações (argumentos)</STRONG> da Física, Química, Biologia, Geografia, História, Astronomia, etc, «não seriam verdadeiras nem falsas», mas apenas válidas e inválidas...</FONT>
<P><FONT size=4>É no <STRONG>cepticismo </STRONG>que desemboca a <STRONG>errónea definição de argumento</STRONG> dada por Murcho e Sameiro.</FONT>
<P>
<P align=center><FONT size=4></FONT>
<P align=center><FONT size=4><STRONG>ARGUMENTOS SÓLIDOS E ARGUMENTOS VÁLIDOS? QUAL A DIFERENÇA?</STRONG></FONT>
<P align=left><FONT size=4>Prossegue ainda o documento sobre Lógica:</FONT>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">«Finalmente, restam os exercícios de carácter </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">conceptual. Estes são exercícios mais exigentes, que podem ser uma oportunidade para os estudantes </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">mais talentosos sentirem algum estímulo. Eis alguns exemplos:<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" /><o:p></o:p></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 9pt">1. Será que podemos ter um <STRONG>argumento válido </STRONG>com uma conclusão falsa? Justifique.<o:p></o:p></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 9pt">2. Será que podemos ter um <STRONG>argumento sólido </STRONG>com uma conclusão falsa? Justifique.<o:p></o:p></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 9pt">3. Será que podemos ter um argumento válido com premissas falsas? Justifique.<o:p></o:p></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 9pt">4. Será que podemos ter um argumento sólido com premissas falsas? Justifique.<o:p></o:p></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">Também estes exercícios podem ser apresentados em pequenos diálogos ou outros textos redigidos </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">pelo professor. Estes exercícios aplicam-se igualmente à lógica silogística e à clássica.»</SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4>Qual é a diferença entre <STRONG>argumento sólido </STRONG>e <STRONG>argumento válido</STRONG>? Este é mais um exemplo da <STRONG>imprecisão de conceitos </STRONG>em que navegam Murcho e Sameiro. Conhecemos a distinção que fazem entre argumento sólido e argumento válido - para nós pouco clara.</FONT></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4> Por <STRONG>argumento válido </STRONG>entendem <STRONG>aquele em que as premissas são verdadeiras e a conclusão não é falsa </STRONG>: </FONT></SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"></SPAN><FONT size=4> </FONT></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><FONT size=4>«<SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">Para determinarmos se um argumento é ou não válido temos de determinar </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA">se há alguma maneira de as premissas serem todas verdadeiras e a conclusão falsa. »</SPAN></FONT></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><FONT size=4><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"> <FONT size=4>E por <STRONG>argumento sólido</STRONG>, que Desidério definiu como «um argumento <STRONG>válido</STRONG> com <STRONG>premissas verdadeiras</STRONG>» (in «A arte de pensar», pag. 264) entende o documento o seguinte: </FONT></SPAN></FONT></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><FONT size=4><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">«Uma derivação prova que <STRONG>um dado argumento é válido, mas não que é sólido</STRONG>...»</SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">Para o argumento ser <STRONG>sólido é preciso que as </STRONG></SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><STRONG>duas alternativas que se apresentam esgotem o domínio das possibilidades.</STRONG> » </SPAN></SPAN></FONT></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><FONT size=4><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"> <FONT size=4><STRONG>Há falta de clareza nesta definição.</STRONG><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4>O mesmo documento do Ministério explicita, noutro ponto,  uma definição um pouco diversa de <STRONG>argumento sólido  </STRONG>:</FONT> </SPAN></FONT></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">«Um <STRONG>argumento sólido obedece a duas condições: tem forma válida e as premissas são verdadeiras.</STRONG> </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">Mas estas duas condições não bastam para que um argumento seja bom. Vejamos o seguinte exemplo:<o:p></o:p></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 9pt">A neve é branca.<o:p></o:p></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 9pt">Logo, a neve é branca.<o:p></o:p></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">Este argumento <STRONG>é válido</STRONG>: é impossível a premissa ser verdadeira e a conclusão falsa. E <STRONG>é sólido</STRONG>: a premissa </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA">é verdadeira. Mas o argumento <STRONG>é obviamente mau</STRONG>. »</SPAN></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4>Note-se a <STRONG>contradição</STRONG> no discurso: o argumento é <STRONG>sólido </STRONG>e ao mesmo tempo é... <STRONG>mau</STRONG>. É a manipulação das palavras sem um fio condutor coerente: que quer dizer <STRONG>«mau»</STRONG>? Tautológico? Confessemos que a distinção não é meridianamente nítida...</FONT></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4>Nem sequer se dão conta de que <STRONG>existem argumentos sólidos </STRONG>- isto é <STRONG>indutivamente válidos </STRONG>- que <STRONG>não são válidos no plano dedutivo. </STRONG>Exemplo: «Depois de ter vociferado contra Cristo, dei uma queda e magoei-me seriamente. Fiquei a pensar se dá azar enfrentar as divindades.»</FONT></SPAN></P></SPAN></FONT>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal align=center><FONT size=4><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4><STRONG>QUANDO A CONCLUSÃO NÃO ESTÁ CONTIDA NAS PREMISSAS MAS ELES DIZEM QUE ESTÁ...</STRONG></FONT></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4>Existem, aliás, diversos <STRONG>erros lógicos </STRONG>neste documento, como o que a seguir se patenteia: </FONT></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4>«</FONT></SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">No argumento seguinte <STRONG>a conclusão está contida nas premissas </STRONG>mas o argumento é inválido:<o:p></o:p></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 9pt">Se Sócrates tivesse nascido em Estagira, seria grego.<o:p></o:p></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 9pt">Sócrates era grego.<o:p></o:p></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 9pt">Logo, Sócrates nasceu em Estagira.<o:p></o:p></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA">As premissas são verdadeiras mas a conclusão é falsa. Logo, o argumento é inválido.»</SPAN></SPAN></FONT></P>
<P align=left><FONT size=4>É falso que a conclusão ´«Sócrates nasceu em Estagira» esteja contida nas premissas: o <STRONG>juízo condicional </STRONG>«Se Sócrates tivesse nascido em Estagira» <STRONG>não é o mesmo que o juízo afirmativo </STRONG>«Sócrates nasceu em Estagira» <STRONG>nem contém este juízo, </STRONG>por si só.</FONT> <FONT size=4><EM>O condicional «Se» coloca fora do acto de verdade a asserção afirmativa «nasceu em Estagira». </EM><STRONG>A possibilidade tanto contém como exclui a verdade confirmada</STRONG>- por isso não pode dizer-se que a conclusão deste silogismo está contida nas premissas, como sustentam Murcho e Sameiro.</FONT>
<P align=left><FONT size=4>Nos silogismos condicionais tipo <STRONG>modus ponens </STRONG>(exemplo: <EM>Se somar 5 e 7, o resultado é 12 / Somei 5 e 7/ Logo, o resultado é 12)</EM> e tipo <STRONG>modus tollens </STRONG>( exemplo: <EM>Se somar 5 e 7, o resultado é 12 / O resultado não é 12 / Logo não somei 5 e 7</EM>) <STRONG>a conclusão está contida nas premissas</STRONG>. Mas não é o caso da <STRONG>falácia de silogismo modus ponens</STRONG> que Murcho e Sameiro aqui apresentam como <EM>argumento contra a definição de dedução segundo a qual a conclusão está contida nas premissas. </EM></FONT>
<P align=left><FONT size=4>Se meditarmos, veremos que a falácia de silogismo desenhada por eles toma a seguinte forma se construída sem o modo condicional, com juízos afirmativos:</FONT>
<P align=left><FONT size=4><EM>Todos os nascidos em Estagira são (alguns) gregos.</EM></FONT>
<P align=left><FONT size=4><EM>Sócrates é (algum) grego.</EM></FONT>
<P align=left><FONT size=4><EM>Socrates nasceu em Estagira.</EM></FONT>
<P align=left><FONT size=4>  É fácil detectar que e<STRONG>ste silogismo-falácia não é uma dedução porque a conclusão não deriva lógicamente das premissas, não está implícita nestas:</STRONG> Sócrates não está contido entre os nascidos em Estagira nas duas premissas.</FONT>
<P align=center><FONT size=4>O PRINCÍPIO DA IDENTIDADE ENTRA NA LÓGICA PROPOSICIONAL </FONT>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4>O documento «Lógica-11º ano» afirma ainda o seguinte:</FONT></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">«Diz-se por vezes que a lógica é muito limitada porque se baseia em três «leis»: a identidade, o terceiro </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">excluído e a não contradição. Apesar de ser verdade que a lógica clássica tem várias limitações, não se </SPAN><I><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA">baseia </SPAN></I><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA">de forma alguma nestas três leis...<SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><STRONG>E a lei da identidade não é usada na silogística nem na lógica proposicional.»</STRONG></SPAN></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>O <STRONG>princípio da identidade </STRONG>não é usado na lógica proposicional? <STRONG>Mas é evidente que é, em qualquer argumento  tautológico</STRONG>: p --&gt;p. (exemplo empírico: <EM>O céu nocturno tem a luz das estrelas, portanto o céu nocturno tem a luz das estrelas</EM>). </FONT></SPAN></SPAN></P>
<P align=left>
<P align=center><FONT size=4></FONT>
<P align=center><FONT size=4></FONT>
<P align=center><FONT size=4>A VALIDADE, COMO VERDADE FORMAL OU VERDADE SUBSTANCIAL PROVÁVEL, É SUB-ESPÉCIES DENTRO DO GÉNERO VERDADE</FONT>
<P align=left><FONT size=4>O <STRONG>género </STRONG>verdade divide-se em várias <STRONG>espécies: verdade actual</STRONG>, confirmada, e <STRONG>verdade potencial</STRONG>, provável. <STRONG>A validade</STRONG>, em sentido restrito, <STRONG>é validade formal - </STRONG>e situa-se dentro da verdade actual - ou é <STRONG>validade provável substancial</STRONG>, que se situa dentro da verdade potencial, provável.</FONT> 
<P align=left><FONT size=4>Seria necessário que Murcho e Sameiro operassem estas distinções para que mostrassem clareza de raciocínio mas tal não sucede. </FONT>
<P align=center><FONT size=4></FONT>
<P align=center><FONT size=4>NÃO EXISTE LÓGICA INFORMAL NO SENTIDO ABSOLUTO, TODA A LÓGICA (IDEAL, IDEAL-MATERIAL) POSSUI FORMALISMO</FONT>
<P><FONT size=4>Afirma ainda o citado documento: </FONT>
<P> «<SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">Em primeiro lugar, nem toda a lógica </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">é «meramente formal». <STRONG>A lógica informal, precisamente, não é formal.</STRONG> A lógica informal estuda muitos </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">aspectos da argumentação que não são estudados pela lógica formal. Todavia, não é possível dominar a </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">lógica informal com a profundidade necessária para a aplicarmos à filosofia se não dominarmos também os </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">aspectos elementares da lógica formal. A lógica formal é o alicerce a partir do qual podemos erguer a lógica </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">informal.»
<P><FONT size=4>Este é um ponto que importa matizar : <STRONG>a oposição relativa entre lógica formal e lógica informal .</STRONG> Aquilo que designam como lógica «informal» é a <STRONG>lógica formal-ideal-material </STRONG>(Exemplo: «O socialismo na América Latina reduzirá as desigualdades sociais») e a <STRONG>lógica formal-material </STRONG>(Exemplo: «A cadeira que tenho diante de mim não cai porque inclui quatro pernas bem assentes em chão liso»). Mas esta advertência nossa de que <STRONG>a informalidade absoluta não existe </STRONG> é extensiva a Perelman e a outros porque <STRONG>toda a lógica é um sistema de formas</STRONG>, ou seja, tem subjacente a rede do formalismo. </FONT></P>
<P><FONT size=4>É, ademais, simplista dizer que é a partir da lógica formal que se ergue a lógica substancial (informal). <STRONG>Não é correcta esta óptica platónica de que a forma precede a matéria.</STRONG> As duas emergem ao mesmo tempo, são coetâneas.</FONT></P>
<P><FONT size=4></FONT> </P>
<P align=center><FONT size=4><STRONG>A DEDUÇÃO NÃO TEM APENAS COMO ESSÊNCIA A FORMA LÓGICA</STRONG></FONT></P>
<P align=left><FONT size=4>Em todo este documento, Murcho e Sameiro, <STRONG>revelam-se incapazes de dar uma definição clara e completa de «dedução</STRONG>». Limitam-se a dizer, referindo-se entre outros ao argumento «Se Sócrates tivesse nascido em Estagirita...» exposto acima: </FONT></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4> <SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">«Estes dois exemplos mostram que «a conclusão está contida nas premissas» é apenas uma maneira </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">metafórica e infeliz de dizer que a conclusão deriva das premissas — infeliz porque obscurece a compreensão </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">da dedução. <STRONG>O que há de fundamental na dedução é a forma lógica</STRONG>.<FONT size=4>»<o:p></o:p></FONT></SPAN></P></FONT></SPAN>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA">´<FONT size=4>Ora esta mesma definição incompleta se aplica à <STRONG>indução amplificante ou necessitarista</STRONG> («Vejo que duzentas vacas comem erva dos campos, logo induzo, de forma lógica, que milhões ou biliões de vacas no mundo comerão erva dos campos...). Há quem sustente que é <EM>ilógico o acto de induzir</EM>, o que não é, obviamente, a nossa posição.</FONT></SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>Já no Manual de Filosofia do 11º ano, de que é co-autor, Desidério Murcho <STRONG>define, de forma defeituosa, dedução </STRONG>e argumento dedutivo: </FONT></SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>«Fala-se por vezes de <STRONG>dedução</STRONG>. Uma dedução é um argumento cuja validade pode ser explicada exclusivamente em função da sua forma lógica, ou da sua forma lógica juntamente com o significado dos termos usados.»</FONT></SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>(Aires Almeida, Célia Teixeira, Desidério Murcho, Paula Mateus, Pedro Galvão , in <EM>A Arte de Pensar,</EM> 11º ano, Didáctica Editora, Lisboa, pag 20).</FONT></SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>A <STRONG>indução matemática,</STRONG> <EM>que nos dá a noção do infinito</EM>, é<STRONG> uma operação puramente lógica mas não é dedução.</STRONG> Exemplo: «Se existe o número 20.000.000, existe o número 20.000.001 e assim sucessivamente... Logo a série infinita de números existe». Esta indução <EM>a priori</EM> encaixa perfeitamente no conceito de dedução fornecido em A Arte de Pensar mas... não é uma dedução.</FONT></SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>Na verdade, ao contrário do que sustentam Murcho e Sameiro, <STRONG>na dedução a conclusão deriva das premissas e está contida implicitamente nestas</STRONG>. E há dois tipos de dedução:  a <STRONG>dedução pura</STRONG>, lógico-matemática; a <STRONG>dedução de base empírica</STRONG>, a priori no mecanismo abstracto e a posteriori no conteúdo empírico.</FONT></SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>Eis um exemplo desta última, a <STRONG>dedução de conteúdo empírico</STRONG>, <STRONG>nascida de uma indução amplificante</STRONG> ou generalizante prévia:</FONT></SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>«Todos os homens nascem com dois olhos, uma boca e duas orelhas».</FONT></SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>«Jorge é homem».</FONT></SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>«Jorge nasceu com dois olhos, uma boca e duas orelhas».</FONT></SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>Quem pode negar que isto é uma <STRONG>dedução de base empírica</STRONG>, em que conta não só a forma lógica mas também o <STRONG>conteúdo empírico das proposições</STRONG>?</FONT></SPAN></P>
<P align=center><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>REPETIÇÃO DE IDEIAS FILOSÓFICAS ANTIGAS E FILOSOFAR CRIATIVO NÃO SÃO INCOMPATÍVEIS </FONT></SPAN></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>O documento exprime mais uma vez as posições <STRONG>formalistas</STRONG> <STRONG>antisubstancialistas </STRONG>, anti <STRONG>conteúdos filosóficos tradicionais </STRONG>de Murcho e Sameiro:</FONT></SPAN></P>
<P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"> <SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">«A lógica representa para a filosofia o que o laboratório representa para o cientista empírico: é o palco </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">onde as ideias se testam e avaliam criticamente. Sem esta atitude crítica não há atitude filosófica. Logo,</SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">sem lógica não pode haver uma verdadeira atitude filosófica.</SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><STRONG>Alguns filósofos não apresentam muitos argumentos. Oferecem-nos apenas as suas ideias e teorias.</STRONG> <SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">Mas o papel dos professores de filosofia não é ensinar os estudantes a repetir acriticamente essas ideias e </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">teorias. O papel do professor de filosofia é dar ao estudante os instrumentos que lhe permitam ter uma atitude </SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">crítica perante elas. O objectivo do estudo da música é aprender a compor sinfonias novas e não apenas</SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt">aprender a repetir as sinfonias antigas. <STRONG>Do mesmo modo, o objectivo do estudo da filosofia é aprender a </STRONG></SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><STRONG>filosofar e não aprender a repetir as filosofias dos outros.» </STRONG></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>Note-se o pensamento superficial contido nas frases: «<STRONG>Alguns filósofos não apresentam muitos argumentos. Oferecem-nos apenas as suas ideias e teorias»</STRONG>. <EM>Então as teorias não comportam argumentos? Como se pode dissociar argumento de teoria?</EM>  É a estreiteza de pensamento dos <STRONG>hiperanalíticos</STRONG>: <STRONG>fragmentam o pensamento e a realidade material em peças separadas</STRONG>, <EM>separam o argumento da teoria, a validade da verdade formal, a filosofia do mundo empírico</EM>...</FONT></SPAN></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>Pode repetir-se ideias de filósofos antigos ( Parménides: «O ser é uno, imóvel, indivisível, invisível»; Hegel: «A coisa é, antes de existir...») e reinterpretá-las com os alunos e pôr estes a pensar magnificamente. <STRONG>Repetição e criação não são incompatíveis entre si: da repetição nasce a divergência, a reinterpretação, a criação livre</STRONG>. A teoria da «tábua rasa» filosófica que Desidério preconiza é uma falsidade. Mas o que fazem Desidério e Júlio senão obrigar os estudantes a <STRONG>repetir </STRONG>as <STRONG>leis da lógica proposicional, a disciplina mais anti criativa que existe</STRONG>?  E falam em criatividade... Dá vontade de rir.</FONT></SPAN></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>O ensino anti filosófico que preconizam é o da <STRONG>repetição formalista</STRONG>, <STRONG>sem criatividade</STRONG>. Desidério Murcho não domina Kant - nem sequer leu a «Crítica da Razão Pura» onde avulta, por exemplo, a designação «conceito empírico», noção que lhe é estranha- nem tão pouco Heidegger ou Sartre. <STRONG>Fugir para o formalismo das regras </STRONG>é uma óptima fuga para pseudopensadores... <STRONG>Exaltam a lógica formal porque carecem do domínio da lógica ideal, da hierarquização das ideias, juízos e raciocínios de forma dialéctica, viva</STRONG>. Grave é que tais «pensadores» consigam impôr-se num ministério da Educação que deveria recolher os contributos de todas as correntes filosóficas.</FONT></SPAN></P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA">
<P><FONT size=4>A frase «o objectivo da música é aprender a compor sinfonias novas e não apenas a repetir sinfonias antigas» é subtilmente falaciosa. <STRONG>A música clássica de Bach, Bethoven, Wagner ou Strauss deve ser reinterpretada pelas orquestras e pelos músicos de hoje, do mesmo modo que os textos de Heráclito, Parménides, Ockham, Schopenhauer ou Sartre devem ser retransmitidos e interpretados pelos professores e alunos de filosofia, porque ambos os tipos de obras, musicais ou filosóficas, possuem algo de acabado, insuperável na sua riqueza acústica ou ideal.</STRONG> Seria estúpido, em nome da «incessante inovação», deitar pela borda fora o património da música clássica ou da filosofia tradicional. </FONT></P>
<P><FONT size=4><STRONG>Mas os «tecnocratas» da filosofia, ávidos de arrasar a cidade filosófica laboriosamente construída ao longo dos séculos, sustentam que é preciso destruir tudo, evitar a repetição das teorias consagradas nas muralhas do pensamento.</STRONG> O que fazem não é senão um crime contra o pensamento.</FONT></P></SPAN>
<P align=center><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4><STRONG>A HISTÓRIA DA FILOSOFIA É A MAIS EXTENSA EXPOSIÇÃO DA LÓGICA IDEAL-SUBSTANCIAL (INFORMAL)</STRONG></FONT></SPAN></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>Os protestos de Desidério Murcho e Júlio Sameiro a favor da lógica formal simbólica como fonte primordial do «bem pensar» lembram as inúteis regras do Método de Descartes. Não é por se conhecer teoricamente as regras de futebol que se joga bem futebol, não é por saber o que é um disjuntor inclusivo, um disjuntor exclusivo, um silogismo condicional tipo <EM>Modus Ponens  </EM>que se filosofa bem. Não é por saber o <EM>latim</EM> que a missa tem valor... Não deixa de ser curioso que Murcho e Sameiro <STRONG>nem sequer se refiram ao método dialéctico </STRONG>- uma lógica formal-ideal viva - <STRONG>como fundamento do pensamento</STRONG>. Decerto, não conhecem o seu conteúdo.</FONT></SPAN></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>Não basta conhecer regras de ligação entre as proposições. <STRONG>E a delimitação originária dos conceitos?</STRONG> Está fora dessas regras, <STRONG>é</STRONG> antes delas. O conceito de <STRONG>empirismo</STRONG> é absorvido da corrente da História da Filosofia, na tal «repetição» que clamam ser perniciosa: aliás <STRONG>há dois conceitos de empirismo, distintos entre si.</STRONG> Não parece que Murcho e Sameiro os tenham discernido- basta ver o glossário de <EM>A arte de Pensar</EM>, (pagina 267), que apenas sabe fornecer uma dessas definições, ignorando a outra -  apesar de saberem de cor as regras da lógica proposicional. Prova da insuficiência destas regras...</FONT></SPAN></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>Ao preconizarmos a <STRONG>manutenção de uma componente de história da Filosofia nas aulas do ensino secundário em Portugal, estamos a sustentar a prevalência de uma lógica no ensino: a lógica ideal, informal.</STRONG> <STRONG>Todas as teorias filosóficas estão impregnadas dessa lógica ideal informal.</STRONG> Exemplo: a teoria do Eterno Retorno de Nietzschze, da circularidade da História, é, em si mesma lógica - exprime a ideia do movimento ondulatório, o que os operadores verofuncionais da lógica simbólica de Desidério não conseguem exprimir.</FONT></SPAN></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>Ao atacarem a reprodução (crítica) das ideias de Platão, Nietzschze, Marx, Freud, Heidegger e dos filósofos em geral, <STRONG>Desidério Murcho e Júlio Sameiro estão a atacar as principais fontes da lógica: a lógica ideal e a lógica ideal-material. A história da Filosofia é, em termos de lógica, infinitamente mais rica do que a lógica simbólica proposicional e, ademais, engloba esta.</STRONG></FONT></SPAN></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4><STRONG>Aliás, é a lógica ideal informal </STRONG>(exemplo: «O fogo é, segundo Heráclito, a origem, a essência de todas as coisas» / "A essência única subjzaz às diferentes aparências") <STRONG>e não a lógica proposicional </STRONG>(exemplo:«P -&gt; Q. Q. Logo,P)  <STRONG>que constitui  o fundamento do pensamento racional. A lógica proposicional é um derivado - </STRONG><EM>quando muito, um factor sincrónico </EM><STRONG>- e está implícita na lógica ideal informal.</STRONG></FONT></SPAN></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><STRONG><FONT size=4>A FILOSOFIA É EMPÍRICA E META-EMPÍRICA, O QUE A LÓGICA SIMBÓLICA, POR SI SÓ, NÃO DISCERNE</FONT></STRONG></SPAN></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4><STRONG> </STRONG>O facto de saber que «o coração da lógica não é as tabelas de verdade nem os inspectores de circunstâncias mas as <STRONG>derivações</STRONG>, também conhecidas por "demonstrações" e "provas"» (Desidério Murcho e outros, in <EM>A Arte de Pensar,</EM> 11º ano, Didáctica Editora, Lisboa, pag 58) e conhecer bem as regras da lógica ´proposicional, <STRONG>não impede Desidério Murcho de pensar mal</STRONG> como é exemplo o seguinte texto de que é co-autor :</FONT></SPAN></P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>«Por um lado, dado que <STRONG>a filosofia não trata de problemas de carácter empírico</STRONG>, <STRONG>não há </STRONG>- ao contrário de ciências como a física e a biologia - <STRONG>provas empíricas para demonstrar que as teorias filosóficas são verdadeiras</STRONG>». </FONT></SPAN><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4>(Aires Almeida, Célia Teixeira, Desidério Murcho, Paula Mateus, Pedro Galvão , in <EM>A Arte de Pensar,</EM> 11º ano, Didáctica Editora, Lisboa, pag 219).</FONT></SPAN></P></SPAN>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4><STRONG>Então a filosofia não trata de problemas empíricos</STRONG>?  <EM>A filosofia debate o aborto </EM>- <STRONG>um problema empírico </STRONG>- recorrendo a <STRONG>dados empíricos e a pressupostos metafísicos </STRONG>(«É um direito da mulher», dizem umas filosofias; «É um crime contra a vida», dizem outras filosofias). <EM>A filosofia debate o capitalismo </EM>- <STRONG>um mundo empírico e racional </STRONG>de fábricas, centros comerciais, milhões de trabalhadores assalariados, greves, milhares de capitalistas, bolsas de valores, etc - <STRONG>recorrendo a dados empíricos e a pressupostos metafísicos </STRONG>(«O capitalismo é o melhor regime possível» dizem umas filosofias, «É um regime abominável, a suprimir» dizem outras).</P>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4><STRONG>Desidério não é um filósofo. É um teólogo</STRONG>. Para ele, a filosofia está acima das montanhas e das nuvens, <STRONG>fora  do mundo empírico</STRONG>. Teólogo de uma religião nova: a<STRONG> do formalismo lógico</STRONG>, reflexo fantástico invertido da vida biológica, do pensamento concreto e substancial, e da realidade material.</FONT></SPAN></P></FONT></SPAN>
<P align=left><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA"><FONT size=4><STRONG>Se Desidério e os seus amigos não sabem definir filosofia</STRONG>, se não <STRONG>entenderam a vertente empírica desta</STRONG> - dado que os seus raciocínios não possuem o conceito dialéctico da unidade dos opostos - <STRONG>se não sabem definir dedução e a confundem com falácia «dedutiva», </STRONG>como se explica que as suas teses sejam publicadas no site do Ministério da Educação em Portugal como orientações para os professores de Filosofia?</FONT></SPAN></P><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: 'Times New Roman'; mso-fareast-language: PT; mso-ansi-language: PT; mso-bidi-language: AR-SA">
<P><FONT size=4>Que <STRONG>corredores secretos de poder </STRONG>(entra aqui a noção de diagrama, de Michel Foucault) fazem com que <STRONG>pessoas filosoficamente incompetentes como Desidério Murcho e Júlio Sameiro </STRONG>expandam os seus <STRONG>textos mal concebidos </STRONG>desde a cúpula do sistema de ensino público em Portugal?</FONT></P></SPAN></SPAN></SPAN></SPAN></SPAN>
<P></P>
<P></SPAN><FONT size=4>Se estas teorias de Murcho e Sameiro, deformadoras da filosofia, produzidas por pequenos pensadores hiper analíticos sem profundidade filosófica, que revelam, considerável mediocridade de raciocínio, vigoram no Ministério da Educação, que expectativas positivas se podem albergar quanto à feitura dos testes de exame nacional?  Vamos assistir à repetição dos erros do ano passado no conteúdo dos exames?</FONT> </P>
<P><EM>Nota: As nossas críticas a Desidério Murcho e a Júlio Sameiro não são de carácter pessoal. Eles são, possivelmente, pessoas estimáveis. Criticamos as suas ideias, o seu «lobby» e o modelo de Universidade que representam. </EM></P>
<P></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><SPAN style="FONT-FAMILY: Arial; COLOR: black; FONT-SIZE: 10pt"><FONT size=4></FONT></SPAN></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><A href="http://www.filosofar.blogs.sapo.pt/"><FONT size=4>www.filosofar.blogs.sapo.pt</FONT></A></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><A href="mailto:f.limpo.queiroz@sapo.pt"><FONT size=4>f.limpo.queiroz@sapo.pt</FONT></A></P>
<P style="mso-layout-grid-align: none" class=MsoNormal><FONT size=4>(Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)</FONT></P>


publicado por Francisco Limpo Queiroz às 00:04
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

19
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Áreas 21º-24º de Carangu...

Ponto 27º 37´/ 27º 44´ de...

Equívocos no Exame Nacion...

25 a 30 de Junho de 2017:...

28 de Junho a 1 de Julho ...

Breves reflexões de Junho...

Areas 14º-18º of Aries, 2...

Identidade de género, uma...

Teste de filosofia do 10º...

Teste de Filosofia do 11º...

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds