Quarta-feira, 2 de Maio de 2007
Da ilusão do carácter «não empírico» da filosofia e da realidade do pensamento único nos manuais (Crítica de Manuais Escolares- XVII)

 


Existe um pensamento único em determinadas áreas, nos manuais de filosofia divulgados no ensino secundário, em Portugal e noutros países, em regra sob a supervisão de mestres e doutorados universitários. Uma das ideias principais desse pensamento único é a tese errónea de que «a filosofia não trata de problemas empíricos».


Eis o que afirma o manual «A arte de pensar» 11º ano, da Didáctica:


«Por um lado, dado que a filosofia não trata de problemas de carácter empírico, não há - ao contrário de ciências como a física e a biologia - provas empíricas para demonstrar que as teorias filosóficas são verdadeiras». (Aires Almeida, Célia Teixeira, Desidério Murcho, Paula Mateus, Pedro Galvão , in A Arte de Pensar, 11º ano, Didáctica Editora, Lisboa, pag 219).


Por sua vez, o manual «Criticamente» sustenta:


«Problemas como os que explicitámos (nota nossa: as modificações da distribuição da riqueza em Portugal no século XIX, o comportamento das pessoas em situações de frustração, etc)  são problemas empíricos. Quando é que nos encontramos perante um problema empírico? Podemos dizer que nos encontramos perante um problema empírico  quando, para o resolver, temos de recorrer a observações, informação factual, manipulação de instrumentos, etc. Os problemas das ciências experimentais, como a física ou a psicologia, são problemas empíricos; mas são igualmente empíricos os problemas de que se ocupam ciências sociais como a história ou a sociologia.»


«Os problemas da filosofia não são empíricos, mas conceptuais» (Artur Polónio, Faustino Vaz, Pedro Madeira, in Criticamente, Filosofia, 10º ano, Porto Editora, 2007, pag 13).


O erro é óbvio: então a sociologia e a história, no seu conteúdo empírico, não estão impregnadas de filosofia? Quando se noticia o facto histórico de que «em 25 de Abril de 1974, as liberdades foram instauradas em Portugal por um golpe militar e , nos 15 meses seguintes, a liberdade deu passos gigantescos com a ocupação de terras e empresas industriais por trabalhadores» não estamos a usar a noção filosófica de «liberdade» num certo sentido empírico e racional?


O manual «Percursos, Filosofia 10º ano» da Areal discorre assim:


«Mas a filosofia, tal como a ciência, parte de problemas e sobre eles coloca questões


«As questões filosóficas são, no entanto, distintas.»


«As questões filosóficas são mais abrangentes. (...)


«Não são questões de facto: Quem inventou a lâmpada? Quantas espécies de aves existem na Terra? Será o sistema cosmológico de Copérnico melhor que o de Ptolomeu?»


(Carlos Amorim, Catarina Pires, «Percursos, Filosofia 10º ano», Areal Editores, pag. 23).


O erro é óbvio: a esmagadora maioria das questões da filosofia são questões de facto fracturadas pela reflexão especulativa. São apreensão de factos sob a luz racional da dúvida, das hipóteses alternativas.


O manual «Filosofia 10º ano» da Plátano, menos desviado da verdade do que as teses de Desidério Murcho, Artur Polónio, Pedro Madeira e outros,  assevera:


«Os problemas da filosofia não têm solução experimental, como os problemas da ciência. » (Luís Rodrigues, Filosofia 10º ano, Plátano Editora, Lisboa, 2003, pag. 16).


Há um erro parcelar neste pensamento: há problemas filosóficos que têm solução experimental e há outros que não têm. Exemplo: o problema filosófico de saber se um homem virá a amar mais a sua esposa se fizer sexo a três, com ela e com outra mulher, resolve-se experimentando.


Poderíamos multiplicar os exemplos de como os manuais de filosofia dissociam, em maior ou menor grau, a filosofia,  do mundo empírico. Nenhum manual de filosofia editado em Portugal (possivelmente no Brasil, Espanha, etc, sucederá o mesmo) para o ensino secundário revela a inteligência suficiente para entender e explicitar esta tese dialéctica tão clara: a filosofia é simultaneamente empírica e meta-empírica (especulativa, metafísica), é simultaneamente ciência e não ciência.


A teoria da evolução das espécies de Darwin é, em grande parte, uma filosofia ou uma ciência biológica de forte componente filosófica. A teoria do materialismo histórico de Marx é, em grande parte, uma filosofia ou uma ciência histórico-económica de forte componente filosófica. A filosofia dirige-se a objectos empíricos: olho uma maçã e interrogo-me se o universo não terá a forma de maçã; contemplo o líquido purulento de uma vacina e interrogo-me sobre se essa porção de vírus irá imunizar ou, pelo contrário, infectar irremediavelmente o sangue e a linfa.


Não há filosofia sem mundo empírico, sem um banho do pensamento nas coisas da experiência, nos factos empíricos - no conforto de uma boa casa, na roupa andrajosa ou na fome de um mendigo, no desespero de quem perdeu um parente querido, na vivência de uma greve geral de trabalhadores desfilando nas ruas e confrontando-se com a polícia, na experiência orgástica, etc.


Filósofos consagrados como Thomas Nagel escrevem:


«A Filosofia é diferente da Ciência e da Matemática. Ao contrário da Ciência, não assenta em experimentações nem na observação mas apenas no pensamento. E, ao contrário da Matemática, não tem métodos formais de prova» (Thomas Nagel, Que Quer Dizer Tudo Isto?)


Se Nagel escreve um absurdo destes, como pode ser um filósofo de renome? Pode, numa sociedade onde a universidade, ao menos na área da filosofia, é um domínio dos eruditos medíocres e medianos - só 5% dos professores catedráticos de filosofia são geniais, a meu ver, o resto é uma corte de epígonos habilidosos na qual Nagel, Johnatan Dancy, Searle e tantos outros se inscrevem.


Há muitos manuais de filosofia editados, com fraco critério de qualidade, por editores e autores que acima de tudo procuram fazer dinheiro e ganhar fama fácil. E para isso não se importam de pisar, sem escrúpulo, a escadaria de mármore dos degraus do pensamento, quebrando alguns destes degraus com as picaretas do raciocínio falacioso!


Assim, por imperativo do lucro capitalista das editoras e da vaidade e ganância de pequenos «filósofos», autores de manuais, que correm aceleradamente para as luzes da ribalta, centenas de milhar de alunos e milhares de professores de filosofia vêem as suas mentes moldadas por um pensamento erróneo, falacioso, único, que está na moda. Este pensamento único, estribado na posse do «saber» da lógica proposicional - a «Sagrada Escritura» do século XXI , segundo a «filosofia da moda» - é veiculado pelos pseudopensadores «analíticos» mediante a retórica tonitroante, muitas vezes falaciosa, do «este é um argumento válido, aquele não é» para eliminar o autêntico pensamento filosófico, dissidente, dialéctico, holístico.


Nota: embora pareça presunção ser juíz em causa própria, direi que quase todas as grandes editoras portuguesas rejeitaram publicar o meu «Dicionário de Filosofia» com dezenas de entradas/ tópicos originais, inabituais nos dicionários de filosofia, rejeição que, a meu ver, se deve a que o dicionário se afasta da «norma» e ousa criticar filósofos consagrados...A política editorial (o editor é, em muitos casos, uma «prostituta moldável» ao dinheiro do leitor) é casuística e joga segundo uma lei de simpatias pessoais e sondagens de mercado: o que está a dar lucro não é aprofundar  temas de filosofia a contracorrente, mas sim fazer «obras acessíveis ao grande público» que forneçam definições simplistas e apresentem um aspecto gráfico sedutor. E de preferência convém, para o êxito do marketing editorial, o autor pertencer a uma associação de filosofia, dar entrevistas a jornais ou à televisão e exibir a todos o título de «doutor» ou «professor doutor»...Há uma verdadeira «mafia» integrada por autores e editores na área da filosofia, em Portugal e noutros países, a impôr-se junto do público das livrarias e dos media. É tudo muito português, povo em cujo comportamento a manha e o ludíbrio ocupam um lugar essencial.


www.filosofar.blogs.sapo.pt


f.limpo.queiroz@sapo.pt


© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 22:42
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De f.limpo a 5 de Maio de 2007 às 13:54
Caro Jorge Montenegro: o seu comentário classifica-me como alguém que não percebe muito de lógica. Diga-me concretamente em quê. Prove-o, se é capaz. Diga-me explicitamente se consegue refutar - e como - as incoerências que apontei a apologistas da lógica proposicional (Desidério Murcho, Júlio Sameiro) no meu artigo de 20 de Março neste blog «Incompreensões sobre o que são lógica e filosofia em documento do Ministério de Educação».
Eu chamei «filosoficamente incompetentes» a Desidério e a Sameiro, demonstrando com citações deles. É secundário que Desidério ou eu sejamos arrogantes. Schopenhauer era arrogante mas era um brilhante pensador, mais claro que Bertrand Russell ou John Searle. Você acusa-me... sem demonstrar nada. Calculo que os meus artigos o tenham fragilizado, caro Montenegro, e possivelmente lhe tenham aberto os olhos para erros teóricos que os professores de filosofia (você incluído?) expandem nas aulas...




De Jorge Montenegro a 5 de Maio de 2007 às 00:44
sr. Francisco Queiroz

eu não sou admirador de Desidério Murcho, que considero bastante arrogante. Mas acho que você nesse aspecto é um pouco parecido com ele. E pelas considerações que fez em Março acho que não pesca muito de lógica


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Herbert Marcuse: o caráct...

Breves reflexões de Agost...

Area 15º-20º de Cancer y ...

Posições de Júpiter em Ma...

Deleuze e Guattari: as tr...

Júpiter em 17º de Balança...

Astrología y accidentes a...

O idealismo é contra a au...

La guerra civil de España...

Breves reflexões de Julho...

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds