Terça-feira, 18 de Setembro de 2007
A verdade opõe-se directamente à ignorância, não ao erro (Meditar a Metafísica de Aristóteles)

No livro nono da Metafísica, Aristóteles, o grande mestre da Antiguidade grega, situou a verdade como directamente contrária da ignorância (não verdade) mas não da falsidade (não verdade).


«Melhor, a verdade e a falsidade consistem nisto: a verdade, em captar e enunciar a coisa (pois enunciar e afirmar não são o mesmo), enquanto que ignorá-la consiste em não captá-la ( já que não cabe o erro àcerca do quê, a não ser acidentalmente; e o mesmo àcerca das entidades carentes de composição: não é possível, certamente, o erro àcerca delas;  todas elas são em acto, não em potência, já que, de não ser assim, se gerariam e destruiriam, mas o que é mesmo ( Tò on autó; a forma..) nem se gera nem se destrói, pois teria que gerar-se a partir de outra coisa. Assim pois a respeito das coisas que são uma essência, e que são actos,  não é possível errar, mas sim captá-los ou não. Não obstante, perguntamo-nos àcerca delas pelo quê, se são tais ou não.) (Aristóteles, Metafísica Editorial Gredos, Madrid, 1994, pags. 391-392; o negrito é obra nossa).


Aristóteles identifica a verdade com a captação das formas indestrutíveis, - isto é das essências ou seja o quê das substâncias: essências como homem, cavalo, janela, árvore.. - não com a verificação prática como sustentarão vinte e três séculos mais tarde o pragmatismo e o positivismo lógico.


E, concomitantemente, o erro fica inerente à matéria, causa da geração e da corrupção das coisas. Assim, a lógica bivalente do verdadeiro-falso parece secundarizada nesta passagem de Aristóteles.


É como se dissessemos que o contrário do crente em Deus - partindo do princípio que este existe - é o agnosticismo e não o ateísmo.


Assim temos: a verdade opõe-se à ignorância e é insusceptível de erro, pois existe em si mesma na modalidade de formas eternas e incorruptíveis não num mundo àparte como Platão supunha. Há portanto um domínio ontológico - o das formas ou essências, acima da entidade individualizada - em que não é possível ao pensamento humano errar: ou conhece ou ignora.


Compreende-se, pois que Aristóteles sustente que enunciar não é o mesmo que afirmar: o enunciar é o mostrar a verdade da essência, não admite a mínima possibilidade de erro, ao passo que o afirmar admite o contraditório, isto é, o negar.


 www.filosofar.blogs.sapo.pt


f.limpo.queiroz@sapo.pt


© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 03:58
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

Reflexões de Novembro de ...

Quando se tornará a Catal...

Cátaros do século XXI: o ...

Reflexões de Outubro de 2...

Aristóteles: Deus, causa ...

Rui Rio deverá vencer San...

Teologia cátaro-bogomila:...

Teologia cátaro-bogomila:...

Teologia cátaro-bogomila:...

Ponto 23º 7´/23º 15´de qu...

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds