Sexta-feira, 21 de Setembro de 2007
O anti-realismo global é cepticismo radical? (Confusões de Desidério Murcho)

Por realismo, entende-se a família das doutrinas (ontológicas, éticas, estéticas, etc) que asseveram que as coisas materiais ou os juízos de valor existem em si mesmos, no mundo exterior, fora das subjectividades, dos psiquismos humanos ou no interior destes mas na sua componente objectiva. Por anti realismo, entende-se o inverso: coisas e valores estão imersas na imaginação arbitrária  das mentes humanas, não subsistem fora destas.

Escreve Desidério Murcho:

 

«As posições anti-realistas globais têm sido uma tentação constante ao longo da história da filosofia. Estas posições distinguem-se do anti-realismo local pela sua abrangência. Ao passo que o anti-realismo local declara que um certo domínio do pensamento (como a ética, no exemplo dado) não está ancorado na natureza das coisas, o anti-realismo global declara que nenhum domínio do pensamento está ancorado na natureza das coisas. O anti-realismo global disputa a própria expressão "natureza das coisas". (…)

 

«O anti-realismo local não é radicalmente incoerente. O anti-realismo ético, por exemplo, não é radicalmente incoerente, apesar de poder ser falso por outras razões.  Mas qualquer forma de anti-realismo global, ou cepticismo radical, é radicalmente incoerente. Isto não é surpreendente. Pois não se pode estar a dizer a verdade, quando se diz que não é possível, de todo em todo, dizer a verdade.» (Desidério Murcho, Pensar outra vez filosofia, valor e verdade, Edições Quasi, V.N.Famalicão, 2006, pags 94-96; o negrito é nosso)

 

Este texto, que, além de vago, copia as noções de anti realismo global e local veiculadas por Simon Blackburn, enferma de uma confusão conceptual. Senão, vejamos um exemplo. A teoria de Kant é quase um anti realismo global:

 

A) No aspecto ontológico, é anti realismo uma vez que os objectos materiais não são reais em si mesmos, apenas existem no interior da nossa imensa mente.

 

B) No aspecto ontológico-categorial/modal, é anti realismo uma vez que as categorias de unidade, pluralidade, causa- efeito, contingência, necessidade, etc, são imanentes ao espírito do sujeito e dos sujeitos, não existindo fora das mentes.

 

 C) No aspecto moral, é em boa parte anti-realista, na medida em que o bem e a norma ética que o visa é subjectivo. O supremo bem, como númeno regulador, poderá considerar-se real, objectivo…

 

D) No aspecto estético, é anti realismo uma vez que a faculdade (estética) de julgar é subjectiva nos seus conteúdos.  

 

No entanto, apesar de ser praticamente um anti realismo em todos os domínios, o kantismo está muito longe de ser um cepticismo radical. É mesmo uma teoria extremamente coerente. Desidério confunde anti-realismo global com cepticismo radical, sem destrinçar que este funda uma modalidade do anti realismo mas está longe de englobar todo o anti realismo.

 

muito anti realismo global que é dogmatismo subjectivista ou intersubjectivista mas não é cepticismo radical, ainda que se tenha servido do cepticismo como método de construção dos seus andaimes dogmáticos.

 

 Por exemplo, o filósofo analítico Ayer desenvolveu um sistema anti-realista global que não é um cepticismo radical, mas utiliza o ceptismo parcial e mantém alguns dogmas:

 

A)      Ayer, durante bastante tempo,  negou a realidade física exterior ao sujeito, isto é, rejeitou o realismo como sendo metafísico. Foi pois anti realista, sustentando o construtivismo lógico, uma forma de fenomenismo, que reduz os objectos materiais (cadeiras, árvores, etc) a complexos de sensações, dissolvendo a distinção dualista rígida entre o psíquico e o físico, na linha do monismo neutral de Russell.

 

 B) No plano ético, Ayer manteve-se anti realista, subjectivista, opondo-se a Moore, o fundador da filosofia analítica - que postulava o bem e o mal, etc, como sendo valores objectivos, e denunciava a «falácia naturalista» na ética.

 

  C)     No plano estético, recusou conferir qualquer validade objectiva aos juízos de belo e feio, sendo pois anti realista.

 

 D)     Dentro do seu anti realismo, e mais tarde, após aderir ao realismo ontológico (ao "realismo físico" de Moore), Ayer sustentou o positivismo lógico e o seu critério de verificação - o que significa que a experiência pode ser encarada como um patamar pré-ontológico - admitindo como hipótese provável, na sua fase anti realista, a existência dos objectos físicos, sempre sem cair no cepticismo radical (o probabilismo na medida em que admite graus plausíveis de verdade distintos não é um cepticismo radical).

 

 Por conseguinte é erróneo identificar, como o faz Desidério Murcho, todo o anti realismo global com o cepticismo radical e proclamar o primeiro «radicalmente incoerente». Nem Kant nem Ayer foram radicalmente incoerentes na estruturação dos seus sistemas filosóficos..

 

 www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 


 

 

 

 

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 11:35
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Teologia cátaro-bogomila:...

Teologia cátaro-bogomila:...

Ponto 23º 7´/23º 15´de qu...

Erros na tradução portugu...

O sublime moral para Scho...

Seísmos en México en Astr...

Área 9º-10º do signo de T...

Neocátaros versus budismo...

Teologia neocátara: sem j...

Herbert Marcuse: o caráct...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds