Domingo, 13 de Janeiro de 2008
Erros teóricos no "Razão e Diálogo" de J. Neves Vicente (Crítica de Manuais Escolares - XXV)

Sem embargo de ser um manual que serve para lecionar o programa de filosofia do ensino secundário em Portugal, o livro "Razão e Diálogo"  de J.Neves Vicente, contém um razoável número de erros teóricos. Vejamos alguns.


NÃO HÁ UM SÓ DOGMATISMO , MAS DOIS


Neves Vicente oferece a seguinte definição de dogmatismo:


«O dogmatismo corresponde, antes de mais, à crença espontânea do ser humano na validade do conhecimento. Pressupõe inadvertidamente que a realidade é como a vemos e que a podemos conhecer tal como ela é e a partir da intuição sensível. Do ponto de vista do senso comum, não há limires ao conhecimento humano.» (J.Neves Vicente, Razão e Diálogo, Porto Editora, pag 172)


Eis uma definição equívoca de dogmatismo, definição que abarca apenas uma das suas vertentes: o dogmatismo ingénuo. Existe, para além desse, um dogmatismo crítico, filosófico e científico, que se estruturou rebatendo a crença espontânea, através da dúvida e da reflexão profunda. As teorias de Platão, Hegel, Schopenhauer e tantas outras são dogmatismos críticos. A teoria química da tabela periódica dos elementos é um dogmatismo crítico.


MARX E FREUD NÃO DESCREDIBILIZARAM A RACIONALIDADE, PELO CONTRÁRIO


Escreveu J. Neves Vicente:


«Os filósofos da suspeita (Karl Marx, F.Nietzsche e S.Freud) contam-se entre os autores que mais contribuiram para o descrédito da racionalidade, para o abandono das filosofias da consciência e, consequentemente, para a crise da teoria do conhecimento. A consciência passa a ser vista como um fenómeno derivado, não podendo por isso ser tomada como base inquestionável e originária do conhecimento» (J.Neves Vicente, Razão e Diálogo, Porto Editora, pag. 174)


O erro de Neves Vicente consiste em interpretar racionalidade como pensamento de uma consciência individual. O termo racionalidade é muito mais amplo: há uma razão transpessoal e transhumana, uma racionalidade supra-individual, que tanto Marx como Freud captaram muito bem em determinados aspectos.


O marxismo é, até, acusado de ser um hiper-racionalismo: explica racionalmente a evolução das sociedades e o surgimento das diferentes morais, mostrando como o desenvolvimento das forças produtivas determina as relações de produção (lucros e salários, formas de propriedade, etc) e, num nível mais alto, a super-estrutura (ideologia da classe dominante e instituições como o governo, parlamento, exército, igrejas, escolas, etc). Portanto, Marx não descredibilizou a racionalidade, revelou uma nova faceta desta.


O freudismo lançou luz, de forma absolutamente racional, sobre o psiquismo humano, revelando a sua estrutura triádica - infra-ego ou id, super-ego e ego - , interpretando os sonhos como expressão de desejos recalcados, etc. Freud não descredibilizou a racionalidade, introduziu-a e desenvolveu-a no poço escuro da psicologia.


CONHECER E SABER É O MESMO


Neves Vicente estabelece uma distinção, de facto inexistente, entre conhecer e saber, num fraco exercício de análise da linguagem:


«2. Conhecer e saber


«A distinção entre saber e conhecer não é fácil de estabelecer. Com muita frequência aparecem como sinónimos: "saber científico" ou "conhecimento científico" , "conhecimento empírico" ou "saber empírico". Em certas condições frásicas assumem significados diferentes: "S sabe que Durão Barroso é o primeiro-ministro" não significa o mesmo que "S conhece o primeiro-ministro Durão Barroso" (J.Neves Vicente, Razão e Diálogo, pag. 159).


Há, neste último exemplo, uma falácia. Na verdade a frase "S sabe que Durão Barroso é o primeiro-ministro" significa o mesmo que a frase "S. conhece que o primeiro-ministro é Durão Barroso". Para provar que saber "é diferente" de conhecer, Neves Vicente omitiu o que na segunda frase. De facto, saber é igual a conhecer ou a conhecer que...


Nota:  Em 31 de Janeiro de 2008, às 21.30 horas, na biblioteca municipal de Beja, lançamento do livro «Os acidentes em Lisboa na Astronomia-Astrologia, Accidents and Astrology in U.S.A.» da autoria de quem escreve este blog. Convidam-se os professores e amantes da filosofia, do sul de Portugal e Huelva e Sevilla, a estarem presentes. É uma festa para nós, os filósofos, apoderarmo-nos das alavancas da epistemologia, das ciências (história social e política; astronomia) e inflectirmos estas, nomeadamente a história mergulhada no oceano de um certo indeterminismo.


www.filosofar.blogs.sapo.pt


f.limpo.queiroz@sapo.pt


© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



 


 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 18:20
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Teologia cátaro-bogomila:...

Teologia cátaro-bogomila:...

Ponto 23º 7´/23º 15´de qu...

Erros na tradução portugu...

O sublime moral para Scho...

Seísmos en México en Astr...

Área 9º-10º do signo de T...

Neocátaros versus budismo...

Teologia neocátara: sem j...

Herbert Marcuse: o caráct...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds