Quinta-feira, 30 de Julho de 2009
Precisões e imprecisões de Xavier Zubiri sobre a filosofia de Aristóteles

Xavier Zubiri (1898-1983) grande filósofo espanhol, fez no seu livro «Sobre la Esencia» (1962) uma crítica ao essencialismo aristotélico por este excluir do conceito de essência do indivíduo tudo o que é singular, acidental, diferente da forma específica. Aristóteles considerava, por exemplo, que Sócrates não tem essência como indivíduo singular. Tem somente a essência da espécie homem, do mesmo modo que em Marco Aurélio ou Isaac Newton se albergaria essa mesma essência ou forma específica (eidos) mas também estes não teriam essência própria enquanto indivíduos singulares.

 

Interpretando correctamente Aristóteles, Zubiri escreveu:

 

«¿Que es entonces la esencia como momento real de la sustancia? Ante todo, la esencia no es idéntica a la sustancia, sino que es algo «de» la sustancia y, por tanto, puede predicarse de ésta: Sócrates es hombre, etc. La distinción entre Sócrates y hombre no es meramente lógica, sino real. Sócrates, en efecto, además de las notas humanas que le son esenciales, tiene otras muchas inesenciales. Por consiguiente, Sócrates es el ente completo y total, mientras que su esencia es sólo una parte suya.»

 (Xavier Zubiri, Sobre la Esencia, Alianza Editorial, Fundación Xavier Zubiri, pag 78; o bold é nosso)

 

A concepção de Zubiri sobre a essência é, muito resumidamente, a seguinte:

 

«Finalmente, la esencia no es formalmente principio de especificación expresado en una definición, sino que es un momento estructural físico de la cosa tomada en y por sí misma. » (Xavier Zubiri, Sobre la Esencia, Alianza Editorial, Fundación Xavier Zubiri, pag 99; o bold é nosso).

 

OS OBJECTOS TÉCNICOS NÃO SÃO ENTES NEM POSSUEM ESSÊNCIA, SEGUNDO ARISTÓTELES?

 

Sem embargo do seu brilhantismo, Zubiri cometeu alguns erros ao interpretar Aristóteles como, por exemplo, o de dizer que o Estagirita sustentou que os objectos criados pela técnica não são entes nem possuem essência:

 

«Para Aristóteles, los entes artificiales (tékhne onta) no son en rigor entes ni tienen, propiamente hablando, esencia. Una cama de castaño no es, en rigor, un ente. La prueba está en que se yo plantara en tierra y pudiera germinar, no brotarían camas sino castaños. El ente es el castaño, no la cama. Para los griegos, la tecné, eso que mal expresado llamamos nosotros la técnica, es algo inferior a la naturaleza. En todo caso, la técnica de los griegos no hace lo que la naturaleza hace, sino lo que esta no hace; a lo sumo ayuda a la naturaleza en su hacer. Lo verdaderamente entitativo es la naturaleza. Por tanto, solo de los entes naturales hay esencia.»

(Xavier Zubiri, Sobre la Esencia, Alianza Editorial, Fundación Xavier Zubiri, pag 77; o bold é nosso.) 

 

Poderia Aristóteles afirmar com consistência que uma cama de castanheiro não é um ente, nem tem essência, como sustenta Zubiri? Impossível. Se tal sucedesse, então faca, garfo, livro, mesa, cadeira, pão, massas alimentícias, não teriam essência nem substância por serem objectos produzidos pela técnica. Aristóteles não pensava assim, com certeza.

 Atente-se na seguinte passagem do filósofo grego:

 

«Assim pois, é evidente pelo dito que não se gera o que se denomina forma ou substância, enquanto que o composto que se denomina segundo esta se gera, sim, e que em tudo o que é gerado há matéria, e um é isto, e outro é aquilo.»

«Mas, existe acaso uma esfera fora de estas ou uma casa fora dos tijolos? A ser assim, não ocorreria que não se geraria nenhum objecto determinado? Mais precisamente, significam que «algo é de tal classe», mas não são algo determinado.» (Aristóteles, Metafísica, Livro VII, 1033b)

 

Nesta passagem acima, em que Aristóteles comete acidentalmente o erro conceptual de identificar forma com substância, é mencionada a forma casa - existente primeiro na mente do homem e concretizada pela arte de construir - em pé de igualdade com outras formas naturais, como a de esfera, pelo que não tem razão Zubiri.

 E na Física diz Aristóteles:

 

«Pois as coisas estão feitas da maneira que a sua natureza dispôs que fossem feitas, e a sua natureza dispôs que fossem feitas da maneira como estão feitas, se nada o impede. Mas estão feitas para algo. Logo foram feitas por natureza para ser tais como são. Por exemplo, se uma casa tivesse sido gerada pela natureza, teria sido gerada como está agora pela arte. E se as coisas por natureza fossem geradas não só pela natureza mas também pela arte, seriam geradas tais como estão agora por natureza. Assim, cada uma espera a outra. Em geral, nalguns casos a arte completa o que a natureza não pode levar a cabo, noutros imita a natureza.» (Aristóteles, Física, Livro II, 199a; o bold é nosso).

 

Que diz Aristóteles neste texto? Que as casas produzidas pela arte e engenho do homem seriam similares - teriam a mesma essência -às casas que, hipoteticamente, fossem geradas pela natureza, sem acção humana. É a tese de que a arte imita a natureza e ambas apontam para o mesmo fim. Se a  natureza opera perspectivando, realizando essências - exemplo: a semente cresce para realizar a essência árvore, causa final e formal - a arte opera igualmente com vista a materializar essências -  exemplo: os pedreiros e o arquitecto constroem o edifício segundo o modelo, a forma comum ou essência de casa.

Como poderia então a casa produzida artificialmente não ter essência nem ser ente, se a casa produzida, hipoteticamente, pela natureza teria essência e entidade?

 

Ademais, há uma passagem da «Metafísica» em que Aristóteles afirma, platonicamente, sob certo aspecto, a eternidade da forma ou essência ser-casa:

 

«Posto que há dois tipos de substância, o composto e a forma (e afirmo que aquele é substância enquanto é a forma tomada conjuntamente com a matéria, enquanto que está é a forma em sentido pleno) as que chamamos substâncias do primeiro modo estão todas elas submetidas à corrupção (e à geração) enquanto que a forma não é de índole tal que possa corromper-se (já que tão pouco há geração de ela: com efeito não se gera aquilo em que consiste ser casa, mas aquilo em que consiste ser-esta-casa-particular) ; mais precisamente, as formas existem ou não existem sem geração nem corrupção» (Aristóteles, Metafísica, Livro VII, 1039 b, 20-25; o bold é da minha autoria).

 

Verifica-se, portanto, uma inconsistência lacunar do pensamento de Zubiri sobre Aristóteles. O filósofo espanhol deturpa o pensar do Estagirita, atribuindo-lhe posições que ele nunca tomou como a de que «os entes artificiais não têm essência». Ora, casa é um ente artificial e possui essência eterna, segundo Aristóteles.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 10:48
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Teologia cátaro-bogomila:...

Teologia cátaro-bogomila:...

Ponto 23º 7´/23º 15´de qu...

Erros na tradução portugu...

O sublime moral para Scho...

Seísmos en México en Astr...

Área 9º-10º do signo de T...

Neocátaros versus budismo...

Teologia neocátara: sem j...

Herbert Marcuse: o caráct...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds