Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2010
Casamento gay: sim ou não?

O problema do casamento gay acende as esferas da ribalta em Portugal. País da tolerância envergonhada, emerso há 35 anos de uma longa ditadura fascista e clerical, Portugal hesita sobre se há-de institucionalizar ou não a união homossexual.


Parece-me que o conceito de casamento gay é um epifenómeno: o essencial encontra-se mais além do rótulo «matrimónio entre pessoas do mesmo sexo».


Filosoficamente, parece-me incontornável que os gays podem usar a palavra casamento. As palavras não são património especial de nenhuma ideologia cultural, religiosa, política, artística, económica. Afinal, a palavra «casamento» pode interpretar-se como situação de amor e comunhão de vida de um casal, isto é, de duas pessoas que vivem ou decidem viver juntas sob o signo da fidelidade e devoção mútua. O fim da procriação não é condição necessária ao casamento. Os casais gays não procriam – exceptuando as lésbicas que aceitam inseminação.


Por tudo isto, parece lógico que os gays se possam casar. E que possam chamar «casamento» à sua união legal e tendencialmente estável. O verdadeiro problema está para além disso e comporta duas vertentes:


A)     O carácter de desvio/ doença psíquica benigna que constitui a prática homossexual.


B)     A adopção de crianças por um casal homossexual.


 


A HOMOSSEXUALIDADE NÃO TEM, NO PLANO MORAL, O MESMO VALOR QUE A HETEROSSEXUALIDADE



 


O valor homossexualidade é, nas esferas dos valores vitais e dos valores espirituais, inferior ao valor heterossexualidade. E é-o, por si mesmo, do mesmo modo que o valor ser diabético é inferior ao valor gozar de saúde sem padecer diabetes.


O valor homossexualidade arrasta consigo, num certo número de casos,  o sentimento de sofrer humilhação – a humilhação é um valor vital negativo ou desvalor - que um homem experimenta ao ser penetrado por outro homem – independentemente do prazer erótico que a zona anal propicia, misturado com dor ou desconforto e risco de lesões intestinais. Não é por acaso que a punição dada por certos grupos a indivíduos heterossexuais – por exemplo, em prisões, casas de redes pedófilas, lugares ermos, etc – é a violação anal. É um enxovalho brutal. O sentimento de vergonha que um homem experimenta por ser possuído por outro não é um mero preconceito: é, pelo menos aparentemente,  um valor negativo em si mesmo e é anterior à moral judaico-cristã e esta emana, em parte, desse sentimento de repulsa.


Segundo Jung, a prática homossexual constitui um desvio – não um desvio PRIMARIAMENTE sociológico, mas um desvio arquetípico – ao modelo sexual, eterno e hegemónico, que a natureza estabeleceu. É o modelo secundário, decaído, «satânico», do amor.


Decerto, Platão em «O Banquete» faz uma clara apologia do amor homossexual classificando-o como superior ao amor heterossexual.


Ao invés, Aristóteles condenou a homossexualidade:


«Há outros hábitos maus que procedem de doenças ou de maus costumes, como o arrancar cabelos a si mesmo ou roer as unhas , ou comer carvões ou terra; do mesmo modo, o ajuntamento de machos com machos.»  (Aristóteles, Ética a Nicómaco, Livro VII, Capítulo v, 1149 a; o negrito é posto por mim).


Não estou a negar que em todo o homem  haja um resquício de tendência homossexual. Há. Até porque a natureza estabeleceu também o modelo homossexual como um derivado para casos específicos (inexistência de exemplares do sexo oposto no contexto de um dado indivíduo, desequilíbrios hormonais, etc). A lei geral é a da bissexualidade psíquica desigual, com a heterossexualidade psicofísica, actuante, como aspecto dominante e exclusivo, na prática.


Neste campo, o cristianismo não romano, a igreja católica, o Islão e outras religiões conduzem um combate contra a "anomia" no campo dos valores sexuais- sem esquecer evidentemente o lado extremista desse combate, patente no fundamentalismo islâmico de apedrejar os adúlteros, prender, chicotear ou enforcar os gays  ou escravizar a mulher aos ditames masculinos, impondo-lhe o uso da burka, a reclusão no lar, a privação de ter carta de condução ou conta bancária própria, etc.


A homossexualidade é uma componente essencial, junto com o «swing» ou casamento aberto, do comunismo sexual – cus para todos – que invadiu a sociedade capitalista nos fins do século XX e no século XXI. Busca-se a felicidade na multiplicidade de parceiros sexuais, o que em muitos casos é aconselhável. Na Grécia e na Roma antigas, a homossexualidade, legalmente vigente entre as classes dominantes, liga-se ao sistema esclavagista. Neste momento, a homossexualidade expande-se a grande velocidade no seio da elite dominante, e com lentidão entre a massa popular onde os princípios da tradição estão mais enraizados.


Está em aberto a questão de saber se uma sociedade maioritariamente homossexual desembocará no totalitarismo: o carácter extremamente promíscuo dos homossexuais poderia representar a invasão da esfera privada e ameaça liberdades individuais como a concepção de um Deus transcendente ao homem, a castidade e a vida monástica - ainda que alguns vejam nestas uma antecâmara da homossexualidade. Participo da seguinte opinião: para se desenvolverem, as forças do mais alto intelecto têm de contrariar a libido ou energia sexual em alguma medida, isto é, necessitam de poupança da libido ( como dizia Freud, a cultura intelectual e a filosofia são libido recalcada e sublimada).


O pansexualismo gay e bissexual levado à escala de centenas de milhões ou biliões de pessoas engendrará um totalitarismo? Uma visão conservadora alegará que o direito individual de um homem possuir a sua mulher em exclusivo, o direito de uma jovem se conservar virgem até ao casamento seriam dificultados, ridicularizados até, pela ideologia dominante, o comunismo sexual informe. O pansexualismo informe, sentimento colectivo da horda, faria recuar as liberdades individuais, o princípio da individuação.


 


A igreja católica resiste ao lobby gay, na aparência, mas está repleta de padres e bispos gays – as relações intergays são, em regra, de tipo esclavagista, mais vitalmente intensas e "menos espirituais" do que as relações heterossexuais.


É a cultura luciferina – a luz científica da gnose e da maçonaria – a triunfar sobre a luz crística. Diónisos contra Apolo, na linguagem de Nietzschze. A maçonaria em Espanha e no Brasil já se deu ao luxo de ameaçar com processos em tribunal bispos e sacerdotes católicos e pastores evangélicos que condenam a homossexualidade. Seria, pois, um “crime“ criticar a homossexualidade! Eis o totalitarismo comunista instalado parcelarmente no seio da democracia liberal. É ilegal um social-democrata ou um liberal criticarem os modelos fascista e comunista totalitário, classificando-os como moralmente inferiores à democracia liberal por espezinharem os direitos individuais dos cidadãos? Não. Então porque há-de ser “crime” condenar a homossexualidade como um desvio, uma doença psíquica?


Freud, Jung, Wilhelm Reich apontaram a homossexualidade como uma deslocação do objecto libidinal, uma perversão do comportamento. E é-o, de facto. Segundo Jung, o homossexual masculino identificou-se com a sua «anima» - arquétipo feminino que habitualmente se reporta à mãe, à amante, à esposa – e tomou por objecto sexual o seu «animus» - arquétipo masculino que designa o pai, o irmão, o amigo. A intolerância dos homossexuais face aos heterossexuais está por descobrir mas existe. Podemos ter a certeza de que as obras de Freud e de Carl Jung, mestres da psicanálise e da psicologia analítica, não serão queimadas em auto de fé no mundo maioritariamente homossexual que se desenha virtualmente? Sem embargo, reconheço o contributo imenso dos homossexuais para o edifício da cultura e da arte: Fernando Pessoa, José Gomes Ferreira e José Carlos Ary dos Santos, grandes poetas portugueses, eram homossexuais. E Pessoa será sempre genial, supremo, sem prejuízo  das suas tendências sexuais.


Há, pois duas tendências erróneas: a primeira, a que elimina ou pune fisicamente e exorciza os homossexuais, praticada nos séculos anteriores ao XX, e no século XX com os regimes nazis fascistas e comunistas estalinistas, católicos ou islâmicos tradicionalistas; a segunda, hoje em voga, a que persegue os que proclamem a superioridade da moral heterossexual e se esforça por conferir à homossexualidade um estatuto moral idêntico à heterossexualidade, o que resulta na confusão entre os planos jurídico e moral. Os homossexuais têm direito a existir, a viver livremente, a conviver nos seus bares, apartamentos, bairros, a produzir as suas paradas carnavalescas de rua, os seus filmes, jornais, revistas, etc. Mas não têm direito a impor a consagração na lei da «igual dignidade moral» entre as condições hetero e homossexual e a penalização, por lei, dos que condenam a homossexualidade como «doença» e «desvio» e usam métodos democráticos e pacíficos para confinar a expansão desta.


A palavra de ordem correcta que preconizo é: condenar/ desaconselhar a homossexualidade, proteger e respeitar os homossexuais. Combater/ prevenir  a doença e proteger os doentes.


A institucionalização do casamento gay serve para   alguns  proclamarem uma «igualdade moral» que, de facto, não existe na esfera dos valores. A esta esfera, ontológica, existente por si mesma na comunidade humana e em cada pessoa, acede-se por intuição sentimental como dizia Max Scheler ou inteligência senciente, na terminologia de Zubiri.


 


Para o ponto de vista da heterossexualidade como ortodoxia, é tão ridículo o amor homossexual - decaído, destituído da componente da polaridade das formas homem-mulher: pénis versus vagina, peito raso versus seios femininos, etc - reclamar que deixem de o considerar um «desvio», uma «segunda natureza, degenerada»  como os diabéticos exigirem que a diabetes deixe de ser considerada doença e passe a ser classificada como «um estado normal de saúde.»


 


CARACTERIZAÇÃO DA HOMOSSEXUALIDADE POR WILHELM REICH


 


Importa reproduzir a caracterização da homossexualidade por Wilhelm Reich, um dos grandes mestres da psicanálise, no seu livro «O combate sexual da juventude», obra outrora incensada por alguns actuais teóricos da expansão gay que se esqueceram da seguinte passagem em que aborda as duas formas de homossexualidade (a genética, baseada em desequilíbrio hormonal, e a meramente psíquica, de seres constitucionalmente normais que, devido a desgostos, se viraram para seres do mesmo sexo):


 


«As duas espécies de homossexualidade são pois formas anormais do desenvolvimento sexual que é preciso chamar de doença uma vez que os indivíduos sofrem com isso, como é quase sempre o caso. É um erro crer que estes sofrimentos têm unicamente causas sociais e são devidos à perseguição jurídica dos homossexuais. Muitos homossexuais (é difícil dar uma percentagem) estão também perturbados psiquicamente e sexualmente, quer dizer, nevróticos. Muitos homossexuais que se acomodaram ao seu desvio e se sentem bem vivendo assim protestam contra o facto de se considerar a homossexualidade como um mal ou como o resultado de um desvio do desenvolvimento sexual. Entrevêem nisso uma depreciação da sua tendência sexual; muitos deles, com efeito, consideram-se como o chamado «terceiro sexo», como uma espécie sexual particular e não um desenvolvimento sexual defeituoso; devemos opor o argumento decisivo seguinte: cada homossexual pode cessar de experimentar tais sentimentos graças a um tratamento psíquico absolutamente preciso, enquanto que nunca acontece que um indivíduo normalmente desenvolvido se torne homossexual pelo mesmo tratamento. Se a homossexualidade não é demasiado antiga e se não cobriu completamente as relações heterossexuais, se além disso o indivíduo em questão não a suporta muito bem e quer desfazer-se dela, pode em princípio ser curada por um tratamento psicanalítico que elimina o desvio infantil do desenvolvimento sexual.»


«O que dissemos até agora é uma realidade cientificamente verificada que podemos tornar ainda mais cortante pelo facto seguinte: nos povos primitivos, que levam uma vida sexual satisfatória e tranquila e que não impedem o desenvolvimento sexual das crianças, a homossexualidade, salvo sob a sua forma espiritual, a amizade, não existe. De acordo com as mais recentes investigações de Malinovski, o etnólogo inglês, a homossexualidade não aparece nos povos primitivos senão na medida em que os missionários, estes batedores do capital, começaram a introduzir a moral cristã na vida sexual natural e a separar os sexos. Isso confirma também a seguinte observação que se pode sempre repetir, a saber, que a homossexualidade não se desenvolve senão na medida em que a relação normal entre homem e mulher se tornou impossível ou difícil ( internatos, exército, marinha, etc).» (...)


«A constatação de que a homossexualidade é um desvio do desenvolvimento sexual e não tem, por conseguinte, causas naturais, não autoriza ninguém a condenar ou a punir. Deve-se tentar curar os homossexuais da sua particularidade, porque sofrem com ela ou porque não estão suficientemente satisfeitos com ela, mas não se deve em caso algum forçar seja quem for.»


( Wilhelm Reich, O Combate sexual da juventude, Textos Marginais, Porto, 1972, Págs. 105-107; a letra negrita é posta por mim).


 


Note-se que Reich culpa a moral cristã de produzir a homossexualidade ao gerar a segregação dos sexos, como acontecia, por exemplo, nas ditaduras do nacional-catolicismo de Franco e de Salazar que criavam liceus para rapazes e liceus para meninas. Isto é como sustentar que a existência de Deus gera a existência do Diabo: onde a dualidade se instalou, um dos polos é a homossexualidade. Há aqui uma questão pertinente: será o papel da Igreja Católica dúplice nesta matéria, isto é, na ordem consciente combate a homossexualidade com proclamações e anátemas e, na ordem inconsciente, fomenta a homossexualidade ao impedir os padres e bispos de terem relações sexuais com mulheres e segregar os jovens futuros padres dentro de seminários masculinos onde o objecto sexual de um rapaz só pode ser... outro rapaz? Terá Deus, se existe, desejado confrontar os seus padres com o abismo da homossexualidade, tornando-os misóginos?


Dado que se comprovou recentemente que alguns peixes submetidos a stress se tornam homossexuais, perguntemo-nos se o aumento de stress da sociedade pós-industrial e tecnológica do século XXI, capitalista, com biliões de assalariados intranquilos quanto à manutenção dos empregos e do seu status social, não contribuirá para a expansão da onda gay...Será o aumento exponencial da velocidade nas comunicações e operações bancárias, burocráticas e outras, que hoje ocorre, gerador ou pelo menos correlativo de um aumento exponencial da velocidade dos «engates» que caracteriza uma boa parte da comunidade gay onde o viver cada noite é com um parceiro diferente da noite anterior?


 


A ADOPÇÃO DE CRIANÇAS PELOS CASAIS GAYS VIOLA A LEI DA POLARIDADE ARQUETÍPICA INTERSEXUAL


 


A adopção de crianças pelos casais gay decorre, quase inevitavelmente da legalização do casamento gay. A ciência psicológica estabeleceu que uma criança necessita, na sua educação, de uma figura parental masculina como pai e de uma figura parental feminina como mãe, do mesmo modo que o ser humano necessita de ver e sentir o dia e a noite, o sol e a lua para ter o indispensável equilíbrio psicosomático.


Educada por dois homens no interior do lar, a criança, menino ou menina, sofrerá um desvio do ponto de vista dos modelos arquetípicos impressos no seu código genético. Ela não verá «o sol e a lua» mas sim «dois sois» ou «duas luas» e isso suscitará nela estranheza e uma noção de disformidade do mundo social. Incliná-la-á para a homossexualidade, induzida por esse modelo. Há, portanto, uma violação da lei da polaridade psíquica masculino-feminino na alma da criañça condicionada por este tipo de ambiente familiar.


Em suma: sim ou não ao casamento gay? Considerado isoladamente, na sua essência, a resposta é sim. Mas considerado na conexão de essências com a adopção de crianças por casais gays, a resposta, circunstancial, é.. não.


 


NOTA:  Este artigo é, obviamente, discutível. Se o autor tivesse tido alguma experiência homossexual no plano físico, gratificante, não escreveria tudo o que escreveu.


 


www.filosofar.blogs.sapo.pt


f.limpo.queiroz@sapo.pt


© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)


 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 19:59
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De carlos arajo alves a 13 de Janeiro de 2010 às 15:48
Excelente análise histórico-filosófica sobre a homossexualidade e a sociologia da mesma, estimado Francisco Limpo Queiroz.
Há, no entanto, um pormenor que prefiro manter a dúvida como exercício de reflexão: será a homossexualidade uma doença, uma disfunção genética ou simplesmente constituinte da natureza dos seres vivos?
Quando não consigo encontrar uma resposta às minhas interrogações sobre a essência, recorro à natureza onde o natural se revela ainda em estado bruto não deformado por sucessivas aculturações e socializações, e reparo que em quase todos os animas a homossexualidade está presente e é aceite entre os pares.
Rapidamente, por exemplo, entre os felinos, nomeadamente os leões, onde os machos lutam pela por uma supremacia física para conseguir ser o monopolista da fertilização genética entre as fêmeas, enquanto os derrotados, expulsos dessas comunidades, vagueiam em grupos onde a homossexualidade esta presente com naturalidade.
Curioso é que se um deles ganha uma posição dominante num a comunidade, o seu comportamento homossexual desaparece, dando lugar a uma pujante heterossexualidade.
Isto não explica a bissexualidade humana, claro está, mas faz-me induzir que a homossexualidade não será uma doença nem um desvio genético, mas antes uma necessidade fisiológica como as demais.

Abraço

Carlos Araujo Alves


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Teologia cátaro-bogomila:...

Teologia cátaro-bogomila:...

Ponto 23º 7´/23º 15´de qu...

Erros na tradução portugu...

O sublime moral para Scho...

Seísmos en México en Astr...

Área 9º-10º do signo de T...

Neocátaros versus budismo...

Teologia neocátara: sem j...

Herbert Marcuse: o caráct...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds