Quarta-feira, 27 de Maio de 2015
Uma confusão de Hessen: há subjectivismo geral além do subjectivismo individual?

 

 

 Joahnnes Hessen distinguiu entre subjectivismo individual e subjectivismo geral. Quer-nos parecer que caiu no magma da confusão. Escreveu:

 

«O subjectivismo, como o próprio nome indica, limita a validade da verdade ao sujeito que conhece e julga. Este pode ser tanto o sujeito individual ou o indivíduo humano como o sujeito geral ou o género humano. No primeiro caso, temos um subjectivismo individual; no segundo, um subjectivismo geral. Segundo o primeiro, um juízo é válido unicamente para o sujeito individual que o formula. Se qualquer de nós julga, por exemplo, que 2x2=4, este juízo só é verdadeiro para o próprio segundo o ponto de vista do subjectivismo; para os outros pode ser falso. Para o subjectivismo geral há verdades supra-individuais, mas não verdades universalmente válidas. Nenhum juízo é válido mais do que para o género humano. O juízo 2x2=4 é válido para todos os indivíduos humanos; mas é pelo menos duvidoso que o seja para seres organizados de modo diferente (Johannes Hessen, Teoria do Conhecimento, Arménio Amado- Editor Sucessor, Coimbra, 1978, páginas 46-47).

 

Não há subjectivismo geral, ao contrário do que Hessen faz crer. Há, sim, uma multidão infinita de subjectivismos, cada um ligeira ou radicalmente diferente do outro. Quando o subjectivismo se universaliza deixa de ser subjectivismo: passa a ser intersubjectivismo ou objectivismo intra anima.  Se o juízo 2+2=4 é válido para todos os seres humanos não pode chamar-se a isso subjectivismo. É objectivismo. É um juízo objectivo porque é universal no que se refere ao universo dos homens. Hessen confere um duplo sentido ao termo subjectivismo adulterando a sua significação original que é o de teoria que afirma que a verdade é íntima a cada consciência singular, intransmissível em certa medida e variável de pessoa a pessoa.

  

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 15:49
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 17 de Maio de 2015
Votar em Pedro Passos Coelho e no PSD é sintoma de homossexualidade masculina subliminar?

 

Pedro Passos Coelho (24 de Julho de 1964) é um homem bonito. E tem um tom de voz másculo que agrada às mulheres. Graças a isso, entre outras razões, o PSD venceu as eleições de 5 de Junho de 2011 e se manteve no poder até hoje, destruindo quase tudo o que sobra das conquistas da revolução de 1974-1975. Pergunto: se um homem votar no PSD, e em Passos Coelho, não estará a dar um sinal de que se sente atraído subliminarmente pelo «machão» bonito que é Passos Coelho que nos vai f...der a todos nos próximos 4 anos com mais desemprego, mais poder patronal, menos democracia e mais miséria para o povo?

 

Suspeito que todo homem eleitor que votar Passos Coelho revela uma tendência gay passiva, de submissão ao «grande líder», um pôr-se de quatro ante a seta que é o símbolo do PSD. Mas isto aplica-se igualmente aos homens que votam em Paulo Portas e no CDS, em António Costa e no PS, em Jerónimo de Sousa e na CDU, em Marinho Pinto e no PDR, em Rui Tavares e no LIvre, em Garcia Pereira e no MRPP...
Assim eu, que quero estar livre de me julgar homossexual subliminar, deverei votar - se votar, porque o voto não resolve nada, só as manifestações de rua e a ocupação de fábrica pela classe operária abate o poder dos patrões que é o poder do PSD, CDS e PS - na Catarina Martins, do BE, que é mulher, bem feminina, e a quem posso desejar sexualmente (ah,ah,ah), sem complexos, mantendo a minha liberdade...

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 15:13
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 14 de Maio de 2015
Vénus em Sagitário e Capricórnio em Janeiro de 2016: triunfo do candidato presidencial da direita

 

 Nas eleições presidenciais da República Portuguesa quer se realizem em 17 de Janeiro de 2016, dia em que Vénus estará em 21º 35´/ 22º 49´ de Sagitário, ou em 24 de Janeiro de 2016, dia em que Vénus estará em 0º 11´/ 1º 24´ de Capricórnio, ou em 31 de Janeiro de 2016, dia em que Vénus estará em  8º 47´ / 10º 1´ de Capricórnio, o candidato das direitas, PSD-CDS, será em princípio, o vencedor. Rui Rio ? Marcelo Rebelo de Sousa?

 

Digo isto com base numa indução arriscada: em 22 de Janeiro de 2006, com Vénus em 19º 7´/ 18º 39´ de Capricórnio, Cavaco Silva, candidato das direitas PSD-CDS, é eleito presidente da República Portuguesa com 50,54% de votos derrotando Manuel Alegre, candidato socialista independente, que recebe 20,74 % de votos, e derrotando Mário Soares, candidato oficial do PS, que apenas recolhe 14,31% de votos; em 23 de Janeiro de 2011, com Vénus em 16º 20´/ 17º 26´ de Sagitário, Cavaco Silva, candidato das direitas PSD-CDS, é reeleito presidente da República Portuguesa com 52.95% derrotando Manuel Alegre, candidato da ala esquerda do PS e do BE, que recebe 19,76% de votos, e derrotando Fernando Nobre, o candidato de Mário Soares, com 14,10% de votos.

 

Nunca o PS e o PCP conseguiram eleger um candidato a presidente da República quando Vénus transitava os signos de Sagitário e Capricórnio. A minha previsão não é infalível mas baseia-se em  escassas induções, exemplos do passado. Rejeito a posição dos popperianos e dos catedráticos de filosofia, sociologia, história e astronomia do mundo inteiro ao classificarem a astrologia histórica de «pseudo-ciência», «superstição», «crença irracional», «mística». Que sabem estes ignorantes, que não conhecem, sequer, a posição dos planetas no céu em cada dia? Que sabem esses doutorados por uma civilização pseudo-sábia, por uma universidade-igreja, de muita tecnologia e retórica, e de quase nenhuma visão racional e holística do cosmos?

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 22:07
link do post | comentar | favorito (1)
|

Sábado, 9 de Maio de 2015
Breves reflexões de Maio de 2015

 

 

 

 Eis algumas breves e despretensiosas reflexões neste Maio de 2015.

 

AS MULHERES AMAM MAIS ALGUNS HOMENS COM QUEM NUNCA FORAM PARA A CAMA, DO QUE AQUELES COM QUEM VÃO PARA A CAMA - Eis o mistério secreto da mulher: ela vinga-se do homem que a possui sexualmente, idealizando e desejando outros homens que não possui. Ela não perdoa a penetração masculina que, paradoxalmente, lhe proporciona um prazer inusitado em largo número de casos. Por isso, os maridos e namorados não devem surpreender-se se a amada a quem possuem fisicamente os trair. Elas já os traem mentalmente. O homem - namorado, marido ou amante - é um ser descartável para a mulher - excepto no caso dos filhos dela. Esses não são descartáveis. Não são acidentes, são partes da essência da mulher.

 

SE TRATARES DEMASIADO BEM A TUA ESPOSA ELA ACABA COM O CASAMENTO. É assim a irracionalidade feminina: elas gostam do «machão» que as assusta, que as ameaça e às vezes até as agride fisicamente. São fascinadas pelo fascismo. Muitos casamentos mantêm-se porque elas temem a violência dos maridos. No fascismo, o povo submisso é a fêmea e o grande ditador é o macho. Isso não se aplica a todas: felizmente, há excepções. Eu trato-as sempre com o mesmo lema: «Numa mulher nunca se bate, só suavemente com as pétalas de uma rosa no rosto».

 

DESIGUALDADE DE DIREITOS NO MODO DE VESTIR. Nas sociedades democráticas ocidentais, a mulher tem direito a usar calças mas o homem é, geralmente, proibido ou censurado usar saias e vestes femininas. Há aqui uma nítida desigualdade de direitos.

 

 

UMA MULHER QUE VALHA A PENA - Para mim, uma mulher que valha a pena é aquela que é capaz de morrer por mim, de paixão ardente. Porque se não for, não interessa. E o objectivo é morrermos os dois em êxtase em pleno acto sexual - e os nossos corpos serem cremados juntos e as cinzas lançadas da ponte de Serpa sobre o rio Guadiana. Mas isto depois de muitos anos de paixão juntos, de muitas orações à deusa Vénus e à Virgem Sofia para que atravessemos juntos, no derradeiro momento, as sete esferas planetárias, a última das quais é guardada pela serpente-Cronos, deus do tempo, estando eu já muito velho, claro.

 

AMOR- Amor é a esposa encontrar o marido na cama com outra mulher e perdoar porque sabe que foi uma infidelidade ocasional, só uma vez, e não terá continuidade.
MAIS AMOR - É a esposa, ao encontrar o marido com a outra na cama, despir a saia e a blusa e deitar-se na cama no meio dos dois - menàge a trois.

 

O AMOR SÓ PODE EXISTIR MEDIANTE O EGOÍSMO EM DOSE MODERADA- Aquele que se despojar completamente do egoísmo não ama. Pergunta: Cristo amou a humanidade ou entrou no puro mundo do inumano? Aquele que se fechar na casca do seu egoísmo também não ama. Amar é ir e voltar. Não é só ir. Nem é só ficar em si mesmo. As mulheres, tal como os homens, são, em diferentes graus, egoístas e interesseiras, é uma lei sociobiológica de que não podem escapar.

 

DENTRO DE CADA HOMEM HÁ UM HOMOSSEXUAL EM PONTO PEQUENO. Esta é uma lei geral, a da bissexualidade. Sim, tu aí, que te armas em «macho latino» e te ris dos travestis, das lésbicas, dos gays, tens um bocadinho de homossexualidade na tua alma, ainda que não tenhas praticado actos homossexuais. Tu, o masculino pai de família, o homem casado, católico ou não, tu o Don Juan que já levou para a cama entre 200 a 300 mulheres, tu padre, bispo ou papa, tens hormonas femininas em ti e não és tão masculino como finges ser - se escapasses de um naufrágio e fosses ter a uma ilha deserta e aí ficasses sozinho com outro homem durante um ou dois anos, acabarias, provavelmente, por te tornares homossexual. Não passas, pois, de uma mulherzinha lá no teu íntimo embora te desempenhes de forma masculina. E eu sou igual a ti, claro, porque somos homens e não fugimos a essa natureza.

 

PORQUÊ A MORTE DE PEREGRINOS QUANDO VÃO A FÁTIMA REZAR? O despiste de um automóvel, sábado 2 de Maio de 2015 , às 4h00, em Cernache, matou cinco peregrinos e feriu outros quatro que se dirigiam para Fátima. O acidente ocorreu no IC2 entre Coimbra e Pombal, sendo que o grupo de peregrinos era composto por mais de 60 pessoas da zona de Mortágua, distrito de Viseu. Parece-me que um acidente destes faz vacilar a fé de muita gente. Como pode a Virgem consentir a morte brutal, deste modo, de devotos seus? Há quem diga: «Foram para o Paraíso, ainda ficaram melhor, este mundo é ilusório...» Será? Albert Camus e outros diriam que é o absurdo da existência, a falta de sentido na corrente dos acontecimentos onde as expectativas lógicas se frustram inesperadamente.

 

MAIS DE METADE DO ÊXITO DAS RELIGIÕES ORGANIZADAS DEVE-SE AO VESTUÁRIO- Imagina que o papa Francisco aparecia nú na varanda do seu palácio a abençoar a multidão na Praça de São Pedro, em Roma, ou que o padre da tua freguesia ia nú dizer missa. A Praça ficava quase vazia e a igreja quase deserta. O que faz a diferença? A roupagem - as estolas, as casulas, os mantos que sacerdotes ou o Papa usam. Assim, o hábito faz o monge, as roupas belas e caras, aristocrático-sacerdotais fazem a respeitabilidade da igreja, tal como a talha dourada e os altares cheios de imagens belas de santos cuidadosamente vestidos. A nudez generalizada desmascararia muitos mecanismos de poder instituídos....

 

É o facto de a igreja ocultar com roupas o sexo genital das pessoas em geral, dos sacerdotes, das figuras de anjos e santos que a torna atrativa - o fruto proibido é o mais apetecido. Assim, há um erotismo subliminar no cenário das igrejas e o anti sexualismo que propagam verbalmente, como a necessidade da castidade dos padres, é uma forma dialética de intensificar a sexualidade, hétero ou homossexual. Um dos objectivos de algumas fiéis católicas ou de alguns gays é levar um padre a «pecar sexualmente» ...

 

METAFÍSICA DO MENINO - O Vasquinho, de 5 anos, entra numa igreja sueca como nunca tinha entrado e pergunta à mãe: «O que é isto?» A mãe diz: «É um lugar onde as pessoas vêm rezar a Deus porque acreditam.» O menino: «Deus? Mas quem é Deus?» A mãe: «É uma Pessoa com muito poder que vive no céu e criou o mundo inteiro. Acreditas?» Ele, peremptório: «Claro que não, mãe. Não pode haver um só Deus, tem que haver vários, o Thor e os outros». Thor é o deus da mitologia nórdica, com aspecto de camponês robusto, que bate com o seu poderoso martelo e cria assim a trovoada...

 

ESCREVER PARA UM FUTURO QUE TUDO DISSOLVERÁ- O que fazemos será perdido no tempo na medida em que envelheceremos e morreremos e os livros que publicarmos forem armazenados e esquecidos nas instalações das editoras ou nas nossas garagens - e todos os textos poéticos, filosóficos ou astrológicos se dissiparão no nada, tal como os beijos e romances de amor que entretecemos no passado com lindas mulheres. Gastamos dinheiro em férias que não voltam mais. Foram-se. Fernando Pessoa, Gabriel García Marquez ou Saramago já nada são, estão mortos. Não fruem, sequer, o que escreveram. Se dispusesse de livre-arbítrio, suicidava-me. Mas não disponho e executo o que os astros me impõem: passar o sábado e o domingo a corrigir o conteúdo de um livro de astrologia histórica a publicar. Para quê? Louvamos o Vazio da Existência e o Inefável Nirvana.

 

SE PENSAS QUE ALGO É DEFINITIVAMENTE TEU, ENGANAS-TE. Desfrutas as coisas, as pessoas e tudo te foge. Em cada dia tens de voltar a comer, a beber, a dormir, a telefonar a familiares e amigos ou a desconhecidos, a beijar e a tentar conservar a pessoa que amas ou com quem vives, em cada dia tens de comparecer no escritório, na fábrica, na câmara municipal, no supermercado ou na escola e cumprir horário. Se não o fizeres por largos dias ou semanas, confrontam-te, exigem-te atestado médico, cortam-te no salário ou despedem-te. Perdes em cada noite o que tens para o reconquistares no dia seguinte - mas vais perdendo, sempre. Envelheces, desgastas as tuas relações sociais. Ó lei do Devir, a vida é sofrimento e insatisfação (DUKKHA, no budismo) pois tudo é instável , só o Nirvana (VAZIO MENTAL de quem não tem desejos e não vive já neste mundo do prazer sensual) nos liberta da lei do Desejo e do Sofrimento!

 

II FESTIVAL BEJA ROMANA - A IDEOLOGIA DO IMPERIALISMO ANTIGO?- De 15 a 17 de Maio de 2015, decorre, na Praça da República de Beja, o II Festival Beja Romana, uma mostra de gastronomia, artesanato, ervas medicinais e trajes e costumes do tempo dos romanos. Sem desprimor para os bons esforços dos funcionários da Câmara Municipal de Beja e para a companhia de teatro (a do professor Mário Costa?) que montam este espectáculo, colocarei a pergunta em termos políticos: deve uma autarquia, governada pelo Partido Comunista Português, levar a cabo iniciativas de teatro que promovem a sociedade esclavagista da Roma antiga, o seu fausto, a organização aristocrático fascista da sua classe dominante, os latifundiários e patrícios, baseada na exploração de milhões de escravos?
Acho que não deve. A autarquia CDU bejense devia antes promover o Festival Reforma Agrária que evocaria, com teatro e tasquinhas, a revolução popular anticapitalista de 1974-1975, para ensinar aos adolescentes de hoje os ideais do socialismo proletário e do anarquismo. O PCP deveria resistir a transformar em comemoração festiva a revivescência de uma sociedade da Antiguidade cujos valores obscurantistas eram por demais evidentes. Onde estará, nessa festa romana, reflectida a revolta dos escravos liderados por Spartacus?

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 18:06
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

19
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Áreas 21º-24º de Carangu...

Ponto 27º 37´/ 27º 44´ de...

Equívocos no Exame Nacion...

25 a 30 de Junho de 2017:...

28 de Junho a 1 de Julho ...

Breves reflexões de Junho...

Areas 14º-18º of Aries, 2...

Identidade de género, uma...

Teste de filosofia do 10º...

Teste de Filosofia do 11º...

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds