Domingo, 28 de Setembro de 2008
O movimento é uma actualização do espaço?

Na Metafísica, Aristóteles explana a sua concepção de movimento:

 

«Y puesto que lo que está en potencia y lo que está plenamente realizado se dividen conforme a cada uno de los géneros, afirmo que el movimiento es la actualización de lo que está en potencia, en tanto que tal.»  (...)

«Es, además, evidente que el movimiento se dá en la cosa movida, ya que es la realización de ésta bajo la acción de lo que es capaz de mover.»

(Aristóteles, Metafísica, Livro XI, Editorial Gredos, pag 452-454).

 

Aristóteles afirma que o movimento se dá na coisa movida. É uma visão redutora: parece escamotear o facto de o movimento de translacção (designado movimento local) se dar no espaço e representar uma actualização do próprio espaço. De facto, as coisas estão no espaço mas o espaço está igualmente nas coisas e não permanece como um fundo neutro.

E há que remeter para as duas espécies de movimento teorizadas por Platão: alteração e translação.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 10:43
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 18 de Setembro de 2008
Acções «causadas» e «não causadas», confusões de um manual de Filosofia (Crítica de manuais escolares-XXXI)

No manual português Filosofia 10º ano, de Luís Rodrigues, da Plátano Editora, manifesta-se uma confusão entre as noções de «acção causada» e de «acção não causada». Diz o manual:

 

«Transformar o indeterminismo em posição filosófica é defender que as acções livres são acções não causadas. Por mais que esta ideia possa parecer simpática ao defensor do livre-arbítrio, encerra vários problemas:

1- Acções não causadas são simplesmente algo que nos acontece, o que não parece coadunar-se com a noção de acção como algo que acontece por nossa iniciativa.

2- Acções não causadas ou imprevisíveis são acções que escapam ao nosso controlo, o que não parece coadunar-se com a ideia de livre-arbítrio, isto é, de que há acções que dependem da nossa vontade.

3- Se uma acção não é causada então propriamente não é da minha autoria e por ela não posso ser responsabilizado. Só somos responsáveis pelas acções que resultam da nossa vontade e não do acaso. »( Luis Rodrigues, Filosofia 10º ano, pag 90).

 

Luís Rodrigues, como aliás outros autores, adultera o conceito de acção não causada identificando-o com o de acção não causada por mim (sujeito). É subverter a semântica: ninguém pensa bem se distorcer o significado das palavras. A semântica (lógica informal) prevalece sobre a lógica formal.

 

Ora, afinal, ao contrário do que defendem Rodrigues e os seus amigos, são também causadas as acções geradas por outrém, ou pelo sistema de causas e efeitos invariáveis designado por determinismo, ou pelo destino. A queda de uma maçã é uma acção «incausada»? Ou é uma acção causada pela lei da gravidade e pela deterioração do pedúnculo da maçã?

Ao sustentar que há acções não causadas, Luís Rodrigues nega o princípio da razão suficiente formulado por Schopenhauer segundo o qual «nada acontece sem causa, sem uma razão que lhe dê origem.»

É óbvio que a principal fonte filosófica que informa Luís Rodrigues, Desidério Murcho, Aires Almeida, Pedro Galvão, Paula Mateus, Pedro Madeira, António Paulo Costa e outros autores de manuais é o tão famoso quanto confuso catedrático Simon Blackburn cuja definição de indeterminismo Luís Rodrigues cita:

 

INDETERMINISMO

Concepção segundo a qual alguns acontecimentos não têm causa: limitam-se a acontecer e nada há no estado prévio do mundo que os explique. Segundo a mecânica quântica, os acontecimentos quânticos têm esta propriedade.   (BLACKBURN, Simon, (1997.)  Dicionário de Filosofia, Lisboa, Gradiva, pag 226).

 

A mecânica quântica, segundo parece, não sustenta a inexistência de causas: afirma, sim, que as causas são livres, isto é, a mesma causa produz efeitos diversos, não sendo possível estabelecer regularidades exactas. Indetermismo não é, pois, a não existência de causas. É a não existência da série de causas A ligadas infalivelmente à série de efeitos B, isto, é, a negação do determinismo.

Inexistência de causas designa-se por acausalismo.

É também errónea a definição de determinismo dada por Luís Rodrigues:

 

«O determinismo é a doutrina segundo a qual todos os acontecimentos têm uma causa. Por outras palavras, tudo sem excepção é  resultado ou efeito de causas anteriores.» (Luis Rodrigues, Filosofia 10º ano, pag 88).

 

Isto corresponde ao conceito de causalismo. O princípio do determinismo é outro e formula-se assim: nas mesmas circunstâncias, as mesmas causas produzem os mesmos efeitos.

Com tantas nuvens de confusão nos manuais de Filosofia adoptados em Portugal - e certificados por uma autoridade nacional! -  não é de estranhar que os professores e alunos deslizem, como aviões desgovernados, nos céus da Filosofia e se despenhem no pântano do pensamento caótico.

 

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 12:36
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 14 de Setembro de 2008
Alteração e Translação, os dois movimentos, segundo Platão

 O movimento (kínesis), segundo Platão, tem duas formas: alteração (mudança interna de cada coisa, alloíosis) e a translação (mudança externa, de posição, phorá). Platão pretende situar-se num ponto intermédio na disputa entre os partidários do fluxo (os heraclitianos) e os partidários da imobilidade universal (os parmenídeos).

 No Teeteto figura a seguinte passagem:

 

 «SÓCRATES

Temos, então, de as examinar uma vez que mostras um desejo tão vivo. Na minha opinião, a investigação relativa ao movimento deve começar pela seguinte questão: que pretenderão eles exactamente afirmar quando dizem que tudo se move? O que pergunto é isto: pensam eles que há uma só espécie de movimento ou, como me parece a mim, haverá duas espécies? Mas não devo ser só eu a defender esta opinião; partilha, também, do mesmo risco a fim de que, sejam quais forem as consequências, as suportemos em conjunto.

 

TEODORO

Sim.

 

SÓCRATES

Mas quando a coisa permanece no seu lugar e envelhece, ou de branca se torna preta, ou de dura se torna mole, ou sofre qualquer outra alteração, não será justo dizer que se trata de uma segunda espécie de movimento?

 

TEODORO

Assim me parece.

 

SÓCRATES

É de facto, indiscutível. Distingo, portanto, duas espécies de movimento: a alteração (alloíosis) e a translação (phorá). »

 (Platão, Teeteto, Inquérito, pags 106-107).

 

Que relação há entre estes dois movimentos e o tempo? Parece-me que a translação é o lado exterior, a manifestação mais imediatamente visível do tempo, ao passo que a alteração é, supostamente, o carácter interno, essencial, do tempo.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 


 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 15:03
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 7 de Setembro de 2008
O Prémio Vasco de Magalhães-Vilhena com formulação ambígua no tema

 


Há tempos foi divulgada na internet a seguinte mensagem:


 


«Estão abertas as candidaturas para a edição de 2008 do Prémio de Ensaio Filosófico Vasco de Magalhães-Vilhena – SPF. Este prémio é uma iniciativa da Sociedade Portuguesa de Filosofia, que conta com o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, e que tem como objectivo eleger, sob um critério de mérito absoluto, o melhor ensaio, submetido anonimamente a concurso, sobre uma questão considerada relevante numa determinada área da investigação filosófica.


 


Nesta edição, a área seleccionada é a Filosofia da Mente e a questão proposta é a seguinte: Tem a intencionalidade de poder ser reduzida a alguma outra coisa?


 


O prémio terá um valor de 3.500 euros e o ensaio vencedor será depois publicado na Revista Portuguesa de Filosofia. O regulamento pode ser consultado no sítio da Sociedade Portuguesa de Filosofia, em http://www.spfil.pt. As candidaturas poderão ser apresentadas até ao dia 31 de Dezembro de 2008.


 


Pede-se divulgação.


 


A Direcção da Sociedade Portuguesa de Filosofia»


 


 


Ressalta a ambiguidade na formulação da questão posta a concurso. Na verdade, a frase «Tem a intencionalidade de poder ser reduzida a alguma outra coisa?» é susceptível de duas interpretações distintas:


 


1) Tem a intencionalidade de poder ( isto é: os conteúdos de consciência direccionados para o poder) a qualidade de ser reduzida a outra coisa?


 


2) Tem a intencionalidade (isto é: os conteúdos da consciência direccionados para algo) a qualidade de poder ser reduzida a alguma outra coisa?


 


Como pode, num concurso desta natureza, ser ambíguo o tema proposto?


 


www.filosofar.blogs.sapo.pt


f.limpo.queiroz@sapo.pt


© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 03:07
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

19
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Áreas 21º-24º de Carangu...

Ponto 27º 37´/ 27º 44´ de...

Equívocos no Exame Nacion...

25 a 30 de Junho de 2017:...

28 de Junho a 1 de Julho ...

Breves reflexões de Junho...

Areas 14º-18º of Aries, 2...

Identidade de género, uma...

Teste de filosofia do 10º...

Teste de Filosofia do 11º...

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds