Quarta-feira, 30 de Julho de 2008
Um formalista «contra» o formalismo no ensino

Depois de escrevermos neste blog artigos atacando o formalismo do Modus Tolens e do Modus Ponens e a grande mentira da lógica proposicional, veio um dos arautos desta em Portugal,  Desidério Murcho, publicar no De Rerum Natura um artigo «contra» o formalismo no ensino, em 4 de Julho passado.

 

A primeira característica do artigo de Murcho é a sua incapacidade de definir formalismo. Começa por identificá-lo como autoritarismo associado a incapacidade de explicar a razão de ser das coisas. Escreve D.M:

 

«Não é fácil fazer um diagnóstico iluminante do formalismo, mas pelo menos as seguintes parecem propriedades dominantes:

1) Incapacidade para explicar realmente a razão de ser das coisas. Em vez disso, afirma-se categórica e autoritariamente que é assim e pronto. Por exemplo, em vez de se explicar cuidadosamente por que razão a multiplicação de um número positivo com um negativo dá um número negativo, limitamo-nos a fazer os estudantes decorar que “mais com menos dá menos”. É por causa deste aspecto que muitos partidários do “eduquês” se insurgem contra a memorização, mas isto é um disparate (que resulta precisamente de formalismo, ironicamente). Aquilo que qualquer especialista competente da educação sabe e afirma é que a memorização não pode substituir a compreensão, e não que a memorização tem de ser eliminada do sistema de ensino. Mas como os maus técnicos de educação sofrem eles mesmos de formalismo, não sabem muito bem por que razão devemos “ser contra” a memorização, e acabam por trocar as tintas.» (D.Murcho, O Formalismo no Ensino)

É bom que se note a pirueta acrobática de Murcho: passou anos a combater a memorização, que identificava com a história da filosofia, em nome do raciocínio livre, mas agora rectifica e concede importância à memorização. Desidério é, não o esqueçamos, o grande propagador em Portugal da ideia errónea de que «a história da filosofia nada tem que ver com a filosofia», ideia que se enraízou na grande maioria dos professores de filosofia, superficiais no raciocínio e no espírito crítico.

 

Depois Desidério Murcho identifica formalismo com "incapacidade de escolher os conteúdos mais importantes". Continua ele a descrever assim o formalismo:

 

«2) Incapacidade para escolher os conteúdos relevantes. Em qualquer área de estudos há pormenores que nunca mais acabam. (D.M. , Formalismo no Ensino)

 

Comentário nosso: Nada disto designa especificamente o que é o formalismo. A incapacidade de escolher conteúdos relevantes é própria de muitas posições substancialistas, anti formalistas.

 

Continua D.M tentando esboçar o que entende por formalismo:

 

«3) Incapacidade para fazer perguntas com elevado grau de discriminação cognitiva. (Por “grau de discriminação cognitiva” refiro aqui a capacidade para distinguirmos os estudantes que compreendem realmente as coisas dos que não as compreendem mas as memorizaram.) Ao fazer exames o formalismo reaparece. Como? Fazendo-se perguntas que não testam realmente a compreensão que o estudante tem das matérias ou das metodologias, mas antes a mera memorização acéfala. O que significa que os alunos podem acabar os seus estudos com óptimas classificações sem no entanto fazerem a mais pequena ideia da realidade do que estudaram: aprenderam apenas a memorizar e repetir mantras sem sentido. » (D.M.)

 

Comentário:  Apesar de ter razão na crítica feita aos exames, Desidério Murcho confunde memorização mecânica, ininteligente, com formalismo. Ora a memorização mecânica pode ser substancialista, isto é, estar repleta de conteúdos teóricos decorados, sem ligação viva entre si...

 

Prossegue  D.M na sua nebulosa caracterização do formalismo:

 

«4) Transposição para o ensino do formalismo herdado. Muitos de nós fomos educados no formalismo, nomeadamente académico: dissertações de mestrado e doutoramento que nada realmente dizem, que são meros resumos do que outros escreveram, sem que o autor compreenda realmente o que está a resumir; aulas intermináveis na faculdade em que o professor só está preocupado em fingir-se superior mas quase nada do que diz ele compreende cabalmente; repetição acéfala dos chavões académicos da moda ("paradigma", "construção", "identidade", etc.) sem que se pare para pensar no que estamos realmente a dizer. Como quase todos fomos vítimas deste ensino, é natural que ao ensinar perpetuemos a fraude. » (D:M. , Formalismo no ensino).

 

Comentário nosso: as dissertações académicas são, em regra, substancialistas e não formalistas. Desidério não percebe, de facto, o conceito de formalismo, confunde-o, aparentemente, com formalismo hierárquico (títulos universitários, graus na carreira académica).

 

FORMALISTA ESCONDIDO DE RABO DE FORA

 

Afirmar como Desidério Murcho e o seu grupo que «os argumentos não são verdadeiros nem falsos, são apenas válidos e inválidos» é formalismo. É despir a paisagem da verdade das suas cores, sons, cheiros e sabores, é retirar-lhe a substancialidade, e reduzi-la a meras formas abstractas. É substituir o pensamento vivo por fórmulas abstractas decoradas. Murcho não identifica o que é realmente o formalismo porque se o identificasse estaria a atacar-se a si mesmo. Gato escondido com rabo de fora...

 

Os formalistas afirmam, com base no argumento da autoridade, que «está errado o seguinte raciocínio»:

 

«Se estou na América do Sul, visito o Brasil».

«Não estou na América do Sul».

«Logo, não visito o Brasil».

 

Ao contrário, sustento que este raciocínio é absolutamente válido e que a regra geral do modus tollens inválido, invocada por Murcho e outros para classificar este raciocínio, está errada.

 

Aquilo que Desidério Murcho não diz é que o formalismo no ensino é a sobrevalorização da lógica formal, aristotélica, interproposicional ou outra. E que ele, Murcho e o seu grupo, são impulsionadores desse formalismo, em detrimento da lógica informal, do substancialismo vivo das ideias e teorias. Fizeram-no aliás em obediência à corrente tecnocrática europeísta que visa desideologizar o ensino, retirando-o, por um lado da planície da metafísica tradicional (Aristóteles, Platão, Lao Tse, Tomás de Aquino. etc) ou contemporânea (Heidegger, Sartre, etc) e por outro lado da filosofia da revolução social (Marx, Bakhounine, Guy Debord, Marcuse, etc).

 

Se hoje muito dos nossos alunos são analfabetos no que se refere a conhecer as ideias de Platão ou de Marcuse, a discutir política e a discernir o carácter ideológico das ciências  e a perceber os mecanismos alienantes da sociedade de consumo devem-no, em parte, a Desidério Murcho e aos que como ele tudo fizeram para hipertrofiar a lógica formal e a argumentação nos programas de filosofia do 10º e 11º ano, substituindo o movimento vivo e historicizado das ideias pelas «tabelas de verdade» e regras vazias da lógica proposicional.

 

Nota: Nos artigos que assina, Desidério Murcho faz questão de apontar como sua profissão... filósofo. Falta-lhe, sem dúvida, modéstia e sentido da realidade: filósofo não é uma profissão mas uma condição à qual não acede quem quer mas quem pode, isto é, aquele a quem os deuses ou o destino conferiram uma inteligência em elevado grau. Ora Murcho, sem embargo de ser trabalhador e ter obra como tradutor e autor de manuais, é de mediana inteligência - ou médio-elevada, no máximo - e não possui estatura intelectual ou obra original que o credencie como um filósofo no sentido estrito da palavra. É um professor de filosofia e cronista que reproduz como «seu» muito do que lê e traduz. E é igualmente um membro de um lobby editorial que ganha muito dinheiro com a obrigatoriedade de imposição do mesmo manual escolar durante 6 anos nas escolas secundárias de Portugal. O que lhe falta em capacidade filosófica sobra-lhe em habilidade de marketing  de produtos filosóficos de fraca qualidade para a grande massa e em capacidade de silenciar, nos media, na medida em que puder, os que na área da filosofia lhe destapam as incoerências e limitações.

 

 www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 11:28
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 13 de Julho de 2008
O empréstimo usa o tempo para deslocar ser?

Usar um cartão de crédito ou obter um empréstimo para compra de habitação é um acto antecipador de ser. O empréstimo torna presente, confere a categoria de ser (presente) a um projecto ou ideia que se encontrava no não ser. Ao mesmo tempo que corporiza ser na forma de dinheiro emprestado, reenvia esse ser ao futuro - que, aparentemente, é ser em potência - ao pagamento de juros e amortizações que irá tendo lugar em cada um dos próximos meses ou anos.

Assim se detecta como o tempo desloca ser, através do dinheiro e do seu pagamento diferido. O tempo permite distribuir o ser, operacionalizá-lo. Mas é o tempo ser? É o tempo ser em potência ou apenas o invólucro que permite a manifestação do ser?

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 04:08
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
14
15

18
20
22

24
28
29

30


posts recentes

Francisco George, ao serv...

Área 5º-9º de Gémeos: Pin...

Área 4º-6º de Gémeos: Ame...

Área 17º-18º de Gémeos: P...

Área 17º-18º de Gémeos: q...

Áreas 16º-17º de Gémeos ...

Área 4º-6º do signo de Gé...

Áreas 29º de Touro e 0º-1...

Área 9º-13º de Gémeos: go...

Área 11º-14º do signo de...

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds