Sábado, 23 de Junho de 2007
O Exame de Filosofia 714 ou como os Formalistas Antifilosóficos tomaram o poder em Portugal

O exame Nacional de Filosofia de 10º/11º anos de Escolaridade, prova 714, realizado em Portugal em 18 de Junho de 2007,  espelha a tomada de poder , na esfera do ensino público português, pelos formalistas antifilosóficos.


Quase tudo o que é o cerne do pensamento filosófico - a definição e correlacionação recíproca dos conceitos de realismo (natural, crítico), idealismo ( subjectivo, objectivo; natural, crítico), fenomenologia (natural, crítica), empirismo, racionalismo (inatista ou não); a relação entre o uno e o múltiplo, entre o espírito e a matéria, nas filosofias pré-socráticas, platónica, aristotélica, estóica, ockaniana, cartesiana, kantiana, hegeliana, husserliana, heidegeriana, etc- foi banido pura e simplesmente do teor desta prova de exame, como das de 2006. Os apologistas da lógica proposicional que dominam o mercado editorial de livros escolares em Portugal e inspiraram, ou mesmo redigiram, este exame 714, sabem muito pouco daqueles temas. Poderia dizer-se, sem exagero, que esta prova de exame abarca, no que se refere ao 11º ano, somente um terço do programa, isto é, a unidade III -Racionalidade Argumentativa e Filosofia, deixando de parte a unidade IV-O conhecimento e a racionalidade científica e tecnológica e a unidade V-Unidade final-Desafios e horizontes da Filosofia.


Agora, sob o império dos «novos senhores» da argumentação «válida e inválida», - um terceiro Reich «filosófico» que coloca os alunos nos campos de concentração das «tabelas de verdade» e do «inspector de circunstâncias», das «regras de Morgan»! -  não se pensa criativamente: aplica-se as leis do silogismo e da lógica proposicional. Os aspectos formais sobrelevam-se claramente aos aspectos substanciais da filosofia.


Nesta prova de exame, que obedece em larga medida ao sistema norte-americano das respostas de cruz e contém diversos erros, não há questões conteudais sobre o positivismo lógico do círculo de Viena, o falsificacionismo e conjecturalismo de Karl Popper, o descontinuísmo epistemológico de Thomas Khun, o anarquismo epistemológico de Paul Feyerebend, o racionalismo crítico de Gaston Bachelard e outros, matérias que 90% dos professores de filosofia abordam, melhor ou pior, nas suas aulas de 11º ano. E tudo em nome da «desmemorização positiva» dos alunos que «não devem memorizar conceitos» como «mundo inteligível e sensível de Platão» ou «caos sensorial, formas a priori, fenómenos e númenos em Kant», «ser em si, ser fora de si e ser para si em Hegel», «ek-stases em Heidegger e Sartre» ... Memorizar, não, excepto claro as banalidades de John Searle sobre determinismo e liberdade e as regras da lógica proposicional, suposto garante da «ortodoxia filosófica»!


A tese em voga dos mentores deste exame é de que «não importa o conteúdo do que os filósofos escreveram mas sim o modo como pensam». Isto é erróneo, uma vez que não pode dissociar-se a forma do conteúdo. Estes senhores, nascidos quase todos nas décadas de 60 e 70, que não estudaram a dialéctica de Hegel e Marx, Politzer ou Althusser na década de 60-70 como nós, não possuem chaves essenciais para o pensar filosófico. 


A prova de exame 714 está dominada, obsessivamente, pela questão da argumentação, do modo como exprimir e fazer triunfar as suas ideias e convicções, obscurecendo  o conteúdo, a essência dessas ideias e teses e a arquitectura especulativa que delas nasce inevitavelmente.


Lembra um pouco o caso de vendedores de produtos médicos ou alimentares que tiram cursos de marketing para vender os seus produtos mas que desconhecem o conteúdo e as potencialidades reais desses produtos (as vitaminas, as proteínas, os oligoelementos, os efeitos terapêuticos sobre a diabetes, o cancro, etc) e não reflectem para além da argumentação.


A inteligência filosófica foi substituída por um raciocínio mecanicista-formalista, simultaneamente antimetafísico e anti intuição empírica. Esta, sim, é a «era do vazio». Da morte da filosofia e do triunfo do esqueleto descarnado: a lógica proposicional, com os seus ossos das regras de inferência.


www.filosofar.blogs.sapo.pt


f.limpo.queiroz@sapo.pt


© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)


 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 10:44
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 6 de Junho de 2007
Está o absurdo além da dicotomia Verdadeiro/ Falso ? (Crítica de Manuais Escolares- XXIII)

Vários autores da área da lógica sustentam que o conceito de absurdo se situa fora do eixo verdadeiro-falso.

Eis o que se lê num manual de filosofia português para o 10º ano de escolaridade:

 

«Há ainda frases declarativas que não são nem verdadeiras nem falsas - não têm valor de verdade - são absurdas.

Exemplos:

«A saudade é amarela.»

«O infinito está deitado.»

(in Filosofia 10º ano, Areal Editores, de Maria Margarida Moreira, revisão de Álvaro dos Penedos, página 30).

 

Em primeiro lugar, não é absurdo sustentar que a saudade é amarela. Os sentimentos podem exprimir-se através de cores invisíveis como dizem os místicos que, supostamente, vêem a aura de cada ser humano. É provavelmente falso, ou provavelmente verdadeiro, que a saudade seja amarela mas não é absurdo.

Deverá dizer-se, com rigor, que o conceito de absurdo, isto é, ilógico, contrário à razão ou à ordem da natureza, encontra-se ora no campo do falso ora no campo além do dilema verdadeiro-falso comprovado, ou seja, no terreno do provável (verosímil-inverosímil).

 

Ao contrário do que sugere este manual, o absurdo é, frequentemente, uma modalidade do falso confirmado e, nos restantes casos, uma modalidade do provavelmente falso. 

Exemplos de absurdo como falso comprovado: «Quatro é igual a doze vezes doze»; «aquele fardo de palha era um cavalo há minutos atrás».

Exemplo de absurdo como provavelmente falso: «O infinito nasceu do nada e este nasceu do infinito».

 

O absurdo pertence sempre à qualidade do falso, em acto ou em potência. Do mesmo modo que o conceito de validade pertence sempre à noção de verdade, em acto ou em potência. Logo, aqueles que propagam a tese de que «os argumentos são válidos ou inválidos mas nunca verdadeiros ou falsos» e que dizem que «validade está totalmente separada da verdade, situa-se além desta» lavram em erro: validade é verdade formal,

abstracta, esquemática, potencial e verdade (substancial) é realidade comprovada.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

f.limpo.queiroz@sapo.pt

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 20:17
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Teologia cátaro-bogomila:...

Teologia cátaro-bogomila:...

Ponto 23º 7´/23º 15´de qu...

Erros na tradução portugu...

O sublime moral para Scho...

Seísmos en México en Astr...

Área 9º-10º do signo de T...

Neocátaros versus budismo...

Teologia neocátara: sem j...

Herbert Marcuse: o caráct...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds