Sábado, 6 de Março de 2010
Nietzsche: Àcerca da mulher e da «gravidez» dos intelectuais ou «mães masculinas»»

Pensador da tradição contra-revolucionária, Frederico Nietzschze (1844-1900) desenhou da mulher um retrato curioso, com pinceladas psicológicas de grande originalidade que espantaram Sigmund Freud.

 

Segundo o pensamento citado abaixo, o amor paterno seria, aparentemente, uma peculiaridade da espécie humana e, implicitamente, estaria ligado ao papel produtivo do homem, num século XIX em que a grande maioria das mulheres trabalhava em casa sem salário e era o homem quem trazia dinheiro para casa depois de laborar na fábrica, na mina, na pesca, no escritório, na loja ou no armazém:

 

 

 

«72- As Mães. – Os animais têm da mulher uma opinião diferente daquela que pertence aos humanos; a fêmea é para eles o elemento produtivo. Ignoram o amor paterno; encontra-se neles alguma coisa parecida com o afecto que se pode ter pelos filhos de uma amante e com o hábito que se ganha deles. Nas fêmeas os filhotes satisfazem um apetite de domínio, de propriedade; eles ocupam-nas, elas compreendem-nos inteiramente, são parceiros de conversa; tudo isso é o amor materno, comparável ao amor do artista pela sua obra. A gravidez torna as fêmeas mais suaves, mais pacientes, mais receosas, mais submissas; do mesmo modo a gravidez intelectual cria o carácter contemplativo que se aparenta com o das mulheres; os contemplativos são as mães masculinas. Nos animais o belo sexo é o dos machos.» (Nietzschze, A gaia ciência, Guimarães Editores, Pág. 92; a letra negrita é por mim colocada).

 

 

 

É interessante notar a comparação entre as mulheres grávidas e os intelectuais masculinos: ambos os géneros estão grávidos, elas de crianças, eles de ideias; a contemplação dos intelectuais ou espera do nascimento de ideias e teses equipara-se à gravidez feminina, e torna as pessoas mais suaves, pacientes, submissas. De facto, os intelectuais, em regra, controlam as suas reacções espontâneas de mau humor ou afrontamento verbal com alguém, o que não sucede com muitas pessoas comuns de reacções primárias. O intelectual é mais suave nas suas reacções do que o manual porque os seus neurónios activos, forjando representações dilatórias, esvaziam a explosão imediata de violência: veja-se, por exemplo, a diferença entre as manifestações de rua dos professores espanhóis, indignadas mas pacíficas, e as manifestações de rua de operários dos estaleiros navais espanhóis, frequentemente deslizantes para violência física contra a polícia.

 

 

 

Nietzschze escreveu ainda, revelando um carácter algo misógino, alertando contra o feminismo que triunfaria na segunda metade do século XX:

 

«232- A mulher quer emancipar-se: e para isso começa a esclarecer os homens sobre a “mulher em si” – isto constitui um dos piores afeamentos da Europa. Pois quanta coisa não se revelará nestas tendências desajeitadas do cientifismo e auto-desnudamento femininos! A mulher tem tantas razões para ficar envergonhada: na mulher há tanto de pedantismo, de superficial, doutrinário, de presunção mesquinha, de pequenez desenfreada e imodesta – analise-se o seu convívio com crianças! – o que, no fundo, até agora, só o medo do homem refreou e reprimiu. (…)»

 

«Desde a origem, nada é mais estranho, mais avesso, mais odioso à mulher do que a verdade – a sua grande arte é a mentira, o que mais lhe interessa é a aparência e a beleza. Confessemo-lo, nós homens: nós honramos e amamos na mulher precisamente essa arte e esse instinto: nós que temos uma vida difícil, e para nos alijarmos, gostamos de nos juntar a seres sob cujas mãos, olhares e tolices ternas, a nossa seriedade, o nosso peso, a nossa profundidade quase nos aparecem como uma tolice. Finalmente pergunto: jamais uma mulher concedeu profundidade a um cérebro de mulher, justiça a um coração de mulher?» (Nietzschze, Para além do bem e do mal, Guimarães Editores, Págs 154-155; a letra negrita é posta por mim).

 

 

 

A tradição contra-revolucionária vê na mulher uma criatura graciosa, superficial, centrada na beleza e nas aparências, tal como o deus Apolo concebido por Nietzschze, com uma função reprodutora e conservadora de mãe, esposa, por um lado, e uma função hedónica de amante devotada ou concubina, por outro lado. No entanto, para a tradição machista, a faceta de racionalidade e espírito geométrico atribuída por Nietzsche ao deus Apolo não seria característica principal do modo de ser feminino.

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 15:39
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

Reflexões de Novembro de ...

Quando se tornará a Catal...

Cátaros do século XXI: o ...

Reflexões de Outubro de 2...

Aristóteles: Deus, causa ...

Rui Rio deverá vencer San...

Teologia cátaro-bogomila:...

Teologia cátaro-bogomila:...

Teologia cátaro-bogomila:...

Ponto 23º 7´/23º 15´de qu...

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds