Segunda-feira, 1 de Julho de 2013
Jean Baudrillard: o hiper-realismo e a simulação ou o papel perverso da síntese fechada e eclética

 

Em livro publicado há 31 anos, o  filósofo e sociólogo francês Jean Baudrillard, nascido em 27 de Julho de 1929, caracterizou o fenómeno do hiper-realismo, da simulação e dos simulacros, que, através dos media, a televisão em particular, domina desde os anos 70, pelo menos, as democracias ocidentais. A simulação é, por exemplo, o fingimento orquestrado de que as pessoas são donas do seu destino através de um cenário que lhes confere essa ilusão: comporta, por exemplo,  o  programa «Big Brother», o «Peso Pesado» e todos os programas de televisão que exibem grupos de pessoas na sua privacidade quotidiana, deixando o espectador "ver" a intimidade dos actores,  as engrenagens ocultas do poder familiar, grupal, dando "poder" ao espectador e aos actores.

 

A simulação comporta, igualmente, o protesto de massas controlado por dirigentes ordeiros, que fingem ser contra os governantes, a alta finança, os poderosos mas suavizam o protesto e desarmam-no.

É algo que é real e fictício ao mesmo tempo, que elimina a possibilidade de uma revolução anti capitalista genuinamente democrática que eleve a sociedade a um estádio novo, se este for possível.

 

Baudrillard escreveu, distinguindo entre dissimulação e simulação:

 

«Dissimular é fingir não ter ainda o que se tem. Simular é fingir ter o que não se tem. O primeiro refere-se a uma presença, o segundo a uma pura ausência. Mas é mais complicado pois simular não é fingir: " Aquele que finge uma doença pode simplesmente meter-se na cama e fazer crer que está doente. Aquele que simula uma doença determina em si próprio alguns dos respectivos sintomas.» (Littré). Logo, fingir ou dissimular deixam intacto o princípio da realidade: a diferença continua a ser clara, está apenas disfarçada, enquanto que a simulação põe em causa a diferença do "verdadeiro" e do "falso", do "real" e do "imaginário". O simulador está ou não doente, se produz "verdadeiros" sintomas? Objectivamente não se pode tratá-lo nem como doente nem como não doente» (Jean Baudrillard, Simulacros e Simulação, páginas 9-10, Relógio d´Água).

 

 

«Hoje a abstracção já não é a do mapa, do duplo, do espelho e do conceito. A simulação não é já a simulação de um território, de um ser referencial, de uma substância. É a geração pelos modelos de um real sem origem nem realidade: hiper-real. O território já não precede o mapa, nem lhe sobrevive. É agora o mapa que precede o território - precessão dos simulacros - é ele que engendra o território cujos fragmentos apodrecem lentamente sobre a extensão do mapa. É o real, e não o mapa, cujos vestígios sobrevivem aqui e ali, nos desertos que já não são os do Império, mas o nosso. O deserto do próprio real

 

«De facto, mesmo invertida, a fábula é inutilizável. Talvez subsista apenas a alegoria do Império. Pois é com o mesmo imperialismo que os simuladores actuais tentam fazer coincidir o real, todo o real, com os seus modelos de simulação. Mas já não se trata do mapa nem de território. Algo desapareceu: a diferença soberana de um para o outro, que constituía o encontro da abstracção. Pois é na diferença que consiste a poesia do mapa e o encontro do real. .Este imaginário da representação, que culmina e ao mesmo tempo se afunda no projecto louco de cartógrafos, de uma coextensividade ideal dos mapas e do território, desaparece na simulação  - cuja operação é nuclear e genética e já não espectacular e discursiva. É toda a metafísica que desaparece.» (Jean Baudrillard, Simulacros e simulação, pag 8, Relógio d´Água).

 

 

A metafísica, isto é, a crença num mundo ideal, diferente e «transcendente» a este como, por exemplo, uma democracia participativa radical individualista em que todos os cidadãos estão informados e controlam a governação, ou o comunismo, desaparece porque a simulação faz desabar o andar de cima da casa da idealização humana.

 

Exemplo de como a simulação absorve  a generalidade dos protestos sociais foram as grandes manifestações de 80 000 e 100 000 professores em 8 de Março e 8 de Novembro de 2007 em Lisboa, contra o novo e burocrático sistema de avaliação de professores desenvolvido pelo ministério da educação de Maria de Lurdes Rodrigues e o governo Sócrates: os professores manifestaram-se, os sindicatos tansportaram em autocarros os manifestantes e discursaram ameaçando a ministra (simulação) mas acabaram por esvaziar a luta aceitando um memorando de entendimento (17 de Abril de 2008, simulacro) e marcando um dia de greve (3 de Dezembro) sem sequência de luta (simulação).

 

O interessante traço da hiper-realidade é que as manifestações estavam a ser transmitidas em directo pela televisão a todo o país como se a classe dominante, a burguesia, representada pelo PS, PSD e CDS, se estivesse a criticar ou a destruir a si mesma. Os sindicatos, tal como os profissionais da informação, são agentes de simulacros: aparelhos, entidades, que fingem estar ou estão momentaneamente à esquerda, cativando o descontentamento dos professores e as quotas sindicais, e, depois, surgem à direita ao assinar acordos com o ministro da Educação, ao suavizar a contestação, ou ao modelar a informação televisiva, dando uma no cravo e outra na ferradura.

 

Baudrillard escreveu:

«Os media carregam consigo o sentido e o contra-sentido, nada pode controlar este processo, veiculam a simulação interior ao sistema e a simulação destruidora do sistema, segundo uma lógica absolutamente (...) circular. Não há alternativa, não há resolução lógica. Apenas uma exacerbação lógica e uma resolução catastrófica.» (ibid, pag 116)

 

 

São dois problemas distintos, mas interdependentes: a desaparição do ideal metafísico, densificando por completo o real; o abarcar horizontal de todo o campo das alternativas possíveis por uma mesma força, multifacetada, hidra de muitas cabeças, que domina os media.

 

É esta a visão dos estrategas da globalização do tipo clube de Bilderberg de George Soros, Henry Kissinger e Durão Barroso que, em reuniões anuais, secretas no seu conteúdo, escolhem, no centro-direita e no centro-esquerda, os políticos que lideram grandes partidos concorrentes entre si às eleições num dado país de modo a que, ganhe um ou ganhe outro, ganha sempre o mundialismo anti-pátrias de Bilderberg. Nas eleições de 20 de Fevereiro de 2005, em Portugal, tanto o primeiro-ministro e líder do PSD Santana Lopes como o líder do maior partido de «oposição», o PS, José Sócrates, eram membros do grupo de Bilderberg: tinham ido ambos à reunião de Seveso, Itália, em Junho de 2004, a convite de Francisco Pinto Balsemão, e, um ou vários meses depois, haviam ascendido à liderança dos respectivos partidos.

 

 

O hiper-realismo é a realidade sem o sonho, com a subversão, por elites manipulatórias, dos valores éticos, estéticos  e políticos das massas populares, é o pragmatismo no seu grau extremo. É a síntese fechada, englobando a tese e a antítese, de modo «pluralista»..

 

Sob um certo aspecto, o nacional-socialismo e o marxismo-leninismo-estalinismo são sínteses entre o capitalismo liberal ou social-democrata e o seu oposto, o socialismo baseado na autogestão das empresas: o nacional-socialismo ou fascismo de demagogia social ataca alguns grupos capitalistas (a finança judeo-maçónica, os republicanos democratas) e em simultâneo esmaga as organizações operárias (os anarquistas, anarco-sindicalistas, comunistas, socialistas de esquerda ou centro); o leninismo-estalinismo idem, ao fazer uma síntese entre a burguesia e o proletariado através da criação de estados totalitários em que a antiga burocracia capitalista se funde com a propriedade colectiva dos meios de produção (uma antiga reivindicação do anarquismo). Estas sínteses que se convertem em teses ditatoriais geram antíteses fortes.

 

Mas o hiper-realismo de aparência democrática e dialética não é a síntese que esmaga a tese a antítese, a síntese redutora, mas a síntese eclética, a síntese fechada, que não permite a criação de uma nova tese. Por isso, Baudrillard no final deste livro elogia o terrorismo anti estatal e anti capitalista como a solução digna dos oprimidos e explorados: a democracia formalmente instituída é uma farsa, um cenário de pluralismo controlado pela classe dominante.

 

  

www.filosofar.blogs.sapo.pt
f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 09:20
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

19
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Áreas 21º-24º de Carangu...

Ponto 27º 37´/ 27º 44´ de...

Equívocos no Exame Nacion...

25 a 30 de Junho de 2017:...

28 de Junho a 1 de Julho ...

Breves reflexões de Junho...

Areas 14º-18º of Aries, 2...

Identidade de género, uma...

Teste de filosofia do 10º...

Teste de Filosofia do 11º...

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds