Sábado, 4 de Maio de 2013
Equívocos no manual «Reflexões, Filosofia 10º ano» da editora Asa (Crtica de Nanuais Escilares- LII)

 

O manual da ASA «Reflexões, Filosofia 10º ano» de Isabel Bernardo e Catarina Vale, tendo como consultor científico Alexandre (Franco de) Sá, contém vários erros teóricos.

 

DETERMINISMO NÃO É HAVER CAUSA ANTERIOR A UM FACTO

 

 

Não se encontra um único manual de filosofia para o 10º ou 11º anos de escolaridade que saiba definir correctamente determinismo. Este manual não é excepção:

 

«A conceção segundo a qual todos os acontecimentos resultam de causas que os antecedem chama-se determinismo.» (Isabel Bernardo e Catarina Vale,«Reflexões, Filosofia 10º ano», pagina 71, ASA).

 

Ora o determinismo não é isto. Diariamente, a cada passo, exerço o meu livre-arbítrio que é causa de acontecimentos mas isso não é determinismo. Exemplo: escolho sentar-me numa esplanada e pedir um chocolate quente em vez de um sumo natural e o acontecimento chocolate quente num copo irrompe depois na minha mesa, por mão do empregado, mas não foi, globalmente falando, fruto do determinismo; depois acedo ao interior do bar e decido conversar um ou dois minutos com a funcionária do balcão, essa conversa (acontecimento) não resulta do determinismo mas sim do meu livre-arbítrio e do dela.

 

O determinismo é, nas  mesmas circunstâncias, as mesmas causas produzirem sempre os mesmos efeitos mas este princípio, tão simples de entender, não é enunciado nem por Thomas Nagel, nem por Peter Singer, James Rachels ou Neil Warburton nem pela generalidade dos professores de filosofia, cujo pensamento é muito superficial.

 

Corrijamos, através do pensamento dialéctico,  as autoras do manual e Alexandre Franco de Sá: a concepção segundo a qual todos os acontecimentos resultam de causas que os antecedem chama-se causalismo,  e é género de duas espécies, o determinismo e o indeterminismo.

 

O MULTICULTURALISMO NÃO ASSENTA NECESSARIAMENTE NO RELATIVISMO CULTURAL?

 

Escrevem os autores:

 

«O multiculturalismo defende que, dentro de um mesmo país, as diferentes culturas têm o direito de coabitar, aceitando-se assim a possibilidade de existirem dentro de um mesmo espaço político padrões de cultura diferentes. Por exemplo, um país cuja religião dominante seja a cristã e no qual sejam aceites práticas religiosas distintas: muçulmanas, judaicas, hindus ou outras.»

«O multiculturalismo pode ter na sua base (embora não tenha necessariamente) o relativismo cultural.

 

«Trata-se de uma posição que defende a tese de que cada povo e cada cultura têm sistemas de valores e padrões de culturas diferentes, que não devem ser julgados como bons ou maus a partir de nenhuma outra cultura e de que não pode haver, portanto, qualquer hierarquização de culturas como mais ou menos aceitáveis ou preferíveis.»

 

(Isabel Bernardo e Catarina Vale,«Reflexões, Filosofia 10º ano», paginas 126-127, ASA).

 

A definição de multiculturalismo está, basicamente, correcta mas a de relativismo não. Desconhecendo, possívelmente, o princípio dialético «um divide-se em dois», os autores do manual ignoram que há dois tipos de relativismo, doutrina segundo a qual a verdade ética, política, religiosa, estética., etc, varia de sociedade a sociedade ou de classe a classe ou grupo a grupo social:

 

1) Relativismo igualitarista, nivelador. Há, no mundo ou em cada sociedade nacional, diversidade de culturas, valores, logo não é possível hierarquizá-las entre si ao compararmos os diferentes padrões.

 

2) Relativismo não igualitarista, diferenciador. Há, no mundo ou em cada sociedade nacional, diversidade de culturas, valores, mas é possível estabelecer uma hierarquia entre os diferentes padrões. Exemplo: o padrão laicista da Maçonaria, ao aceitar colocar em plano de igualdade os agnósticos, os ateus e os crentes, os defensores e os adversários do aborto voluntário,  é superior ao padrão religioso dos católicos que proibe o aborto voluntário e este último padrão, católico, é superior ao dos fundamentalistas islâmicos que não permitem a construção de templos cristãos nos países em que reinam.

 

Os autores do manual apenas conhecem relativismo segundo a definição 1 e por isso, opõem-no a multiculturalismo mas a verdade é que todo o multiculturalismo é relativismo: nivelador ou diferenciador. Ao aceitar a coexistência de culturas diferentes num mesmo espaço social, o multiculturalismo relativiza a importância de cada uma das culturas, retira-lhes, em maior ou menor grau, o carácter absoluto e excludente.

 

UM JUÍZO ÉTICO IMPLICA UNIVERSALIDADE, COMO DIZ THOMAS NAGEL?

 

Após citarem Thomas Nagel na sua proposição de que «a base da moral é a crença de que o que é bom ou mau não apenas do seu ponto de vista, mas de um ponto de vista mais geral..» (Nagel, Que quer dizer tudo isto? Uma iniciação à filosofia) escrevem as autoras:

 

«O que Nagel quer dizer é que emitir um juízo ético, considerar uma acção boa ou má, implica passar dos interesses pessoais, e dos interesses dos que nos são mais chegados, para a consideração dos interesses de um ponto de vista universal, atribuindo-se a mesma importância aos interesses dos outros que se atribui aos nossos interesses.»

«Um juízo ético é, assim, a consideração sobre a correção ou incorreção de um acto, analisado de um ponto de vista universal.»

 

(Isabel Bernardo e Catarina Vale,«Reflexões, Filosofia 10º ano», paginas 145, ASA; o destaque em itálico é colocado por mim).

 

Há uma incorreção neste texto: o juízo ético não implica universalidade, mas sim comunidade (nacional, regional, local, de classe social ou casta). Os juízos éticos dos patrícios romanos esclavagistas eram juízos de classe, não tinham a pretensão da universalidade: «Chicoteio os meus escravos quando me apetecer, sou livre mas não concederei liberdade a nenhum deles».

O ethos implica sempre o outro, mas qual é a extensão desse outro? Pode ser a universalidade mas na maioria dos casos não é.

 

  

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

   

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

  

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)

 

 

 



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 16:17
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Teologia cátaro-bogomila:...

Ponto 23º 7´/23º 15´de qu...

Erros na tradução portugu...

O sublime moral para Scho...

Seísmos en México en Astr...

Área 9º-10º do signo de T...

Neocátaros versus budismo...

Teologia neocátara: sem j...

Herbert Marcuse: o caráct...

Breves reflexões de Agost...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds