Segunda-feira, 17 de Setembro de 2012
A incompreensão de Eduardo Lourenço sobre a luta de contrários na dialética de Hegel

 

Eduardo Lourenço, prémio Pessoa, esforçou-se por refutar a dialética de Hegel. Citou a seguinte passagem do filósofo alemão do século XIX:

 

«É ele mesmo que é preciso interrogar: o que é isto? Tomemo-lo sob o duplo aspecto do seu ser como agora e aqui, e então a dialética tomará uma forma tão inteligível como o mesmo isto. Á questão: o que é agora? Nós respondemos, por exemplo: o agora é a noite. Para experimentar a verdade desta certeza sensível uma qualquer experiência será suficiente. Notemos por escrito essa verdade; uma verdade não perde nada em ser escrita e tão pouco em ser conservada. Vejamos, entretanto, ao meio-dia essa verdade escrita: devemos dizer então que ela desapareceu. O agora que é a noite é conservado, quer dizer que é tratado como aquilo que se fez passar como um sendo; mas ele demonstra-se como um não sendo.» (Hegel, Fenomenologia, pag 206 citado em Eduardo Lourenço, Obras Completas, I, Heterodoxias, pag 123, Fundação Calouste Gulbenkian).

 

E prossegue Eduardo Lourenço na crítica a esta passagem de Hegel:

 

«Traduzamos a fraseologia para linguagem corrente. Hegel atribui à certeza sensível um conteúdo situado ou no tempo ou no espaço. Um instante decorrido ou uma mudança de situação ou perspetiva e o conteúdo da certeza sensível não é o que era, mas outro. Esse facto exprime realmente a dialética imanente ao ser sensível, mas por que motivo Hegel conclui de uma passagem de algo a outra coisa, como sendo a passagem de duas coisas contrárias?  Pelo facto de não serem idênticos, segue-se que sejam contrários?  Do sendo que era a primeira determinação do agora, como concluir necessariamente para o agora como não sendo? Não se vê nesta dialética nada que exprima um modo de verdade, uma determinação do absoluto

 

«A contrariedade absoluta não se manifestou. Antes pelo contrário: algo permanece que permite pensar o movimento da noite ao dia e é o agora.

«Contudo, o movimento descrito por Hegel não contém a ideia do contraditório e de facto não o é. A razão está em que esse movimento de pensamento que parece ser ele mesmo como mediação, o absoluto da unidade sintética dos opostos, só existe em função dessa ideia de absoluto. Esse é o segredo da dialética. O absoluto não é nem a construção da síntese nem o seu fim mas o seu pressuposto. O sendo do agora não passa a puro não sendo mas precisamente a não sendo do agora, o absoluto do agora (absoluto relativamente a esse sistema) participando simultaneamente das duas determinações. Mas não se vê como se possam chamar contrárias tais determinações nem como se possam mediar por si.»Eduardo Lourenço, Obras Completas, I, Heterodoxias, pag 123, Fundação Calouste Gulbenkian; o destaque a negrito é posto por mim).

 

Eduardo Lourenço diz que, na passagem do dia à noite,a contrariedade absoluta não se manifestou. Isto é obviamente falso: o dia elimina a noite, enquanto céu de plena luz solar o dia é um contrário absoluto da noite. Não podem coexistir no mesmo lugar geográfico: se a luz do dia surge, a escuridão da noite desaparece. Logo o anoitecer ou o amanhecer descritos por Hegel contêm as ideias do contraditório e do contrário. Eduardo Lourenço, que não parece dominar a diferença entre contrário (exemplo: fogo e água são contrários) e contraditório (por exemplo: 7 e 9 são contraditórios mas não contrários) estabelecida por Aristóteles, confunde estes dois conceitos. Não percebe, sequer, que o intermédio (por exemplo: o lusco-fusco) é contraditório com cada um dos contrários que medeia (no caso: a noite e o dia luminoso).

 

Ao contrário do que sustenta Lourenço, Hegel tem razão se postula que o sendo do agora passa a puro não sendo: o dia, a esta hora, vai passar a noite dentro de algumas horas. O não sendo do agora é o passado e o futuro. O ser do dia de luz é o não ser da noite. E essa contrariedade manifesta-se dentro do agora - o que Eduardo Lourenço não intui - porque, neste instante, há regiões do globo terrestre onde é noite e outras onde é dia de luz solar.

 

Por isso a frase «O sendo do agora não passa a puro não sendo mas precisamente a não sendo do agora» é absolutamente confusa e vaga: o sendo do agora - por exemplo, o verão de 2012 -  passa a não sendo (não verão de 2012: outono, inverno) mas, no sentido formal, o sendo do agora como estrutura vazia nunca passa a não sendo do agora.  Porque o agora é uma dimensão do Absoluto dentro da qual corre o filme do Relativo.

 

O que Eduardo Lourenço não distingue, porque lhe falta a argúcia dialética, é os dois sentidos do sendo agora: o sentido formal e o sentido conteudal. Formalmente, o agora é imutavel, é o presente eterno e não muda: os seus contrários são o passado e o futuro. 

Em conteúdo, o agora está a mudar a cada instante: ora é dia, ora é lusco fusco, ora é noite. O dia é contrário à noite - o dia transforma-se em noite, os contrários transformam-se um no outro, é o que Hegel afirma. E nessa transformação, há a conservação do vencido ou dominado sob a auréola do vencedor ou dominante: o dia conserva, de facto, algumas coisas da noite, como por exemplo, o facto de a Lua se ver a certas horas de luz diurna. A mediação é o lusco fusco - o momento em que a sombra e a luz se igualam e o sol se oculta no horizonte ou desponta neste. A contrariedade e a contradição (toda a diferença é uma contradição) são as bases da dialética.  

 

Com a sua retórica abstracta, isenta de clareza, sem exemplos concretos, e a sua visão unilateral, católica estática, de que o Absoluto não pode manifestar-se através da luta de contrários mediada por intermédios, Eduardo Lourenço não conseguiu, nem de perto nem de longe, refutar a dialética de Hegel.


 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 21:41
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Teologia cátaro-bogomila:...

Ponto 23º 7´/23º 15´de qu...

Erros na tradução portugu...

O sublime moral para Scho...

Seísmos en México en Astr...

Área 9º-10º do signo de T...

Neocátaros versus budismo...

Teologia neocátara: sem j...

Herbert Marcuse: o caráct...

Breves reflexões de Agost...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds