Terça-feira, 31 de Janeiro de 2012
Misconceptions of George Edward Moore about Good and Hedonism

 

George Moore theorized the "naturalistic fallacy", that is, the explanation linking the notion of good to things empirically good, agreable. He argued that Good is indefinable. Unlike Plato, did not admit the participation of the Good  in good things. He wrote:

 

«The theories I propose to discuss may be conveniently divided into two groups.The naturalistic fallacy always implies that when we think "This is good" what we are thinking  is that the thing in question bears a definite relation to some one other thing. But this one thing, by reference to which good is defined, may be either when I may call a natural object - something of which the existence is admittedly an object of experience - or else it may be an object which is only inferred to exist in a supersensible real world. These two types of ethical theory I propose to treat separately».( G.E.Moore, Principia Ethica, pag. 38-39, Cambridge University Press, 1971; the bold emphasis is put by me).

 

 

George Moore equivocates: good is not indefinable. Good is pleasure: physical pleasure, like eating chocolat or grapes, or moral pleasure, like feeling justice in a society or in a family or like seeing our friend recover health after an accident, or intelectual pleasure, like geting a sense of historical cycles or like understanding  Plato's theory of archetypes.

 

 

 Moore wrote yet:

 

«By Hedonism, then, I mean the doctrine that pleasure alone is good as an end - "good" in the sense which I had tried to point out as indefinable. The doctrine that pleasure, among other things, is good as an end, is not Hedonism; and I shall not dispute its truth. Nor again is the doctrine that other things, besides pleasure, are good as means, at all inconsistent with Hedonism: the Hedonist is not bound to maintain that "Pleasure alone is good", if under good he includes, as we generally do, what is good as means to an end, as well as the end itself.» ( Moore, ibid, page 62; the bold emphasis is put by me).

 

The position of Moore about hedonism is as absurd as saying that oxygen is only  oxygen if there is pure no mixing with other gases. In fact, the search of pleasure as the aim of an acction is enough to define hedonism:  the climber who cut his arm stuck in a rock at the Grand Canyon and was able to survive made a hedonist act despite of mutilating himself. Mutilation is pain, is contrary to hedonism, but in this case was an anti hedonistic practic subject to an order, the preservation of life, a hedonistic commitement. So, pleasure is mixed with the pain and whether imposes his quality in final stage of the action these one is hedonistic. Against Moore, I sustain that Hedonism is the doctrine that pleasure, alone or mixed with pain or other things, is the main goal of action, the supreme value.  

 

www.filosofar.blogs.sapo.pt

 

f.limpo.queiroz@sapo.pt

 

© (Direitos de autor para Francisco Limpo de Faria Queiroz)



publicado por Francisco Limpo Queiroz às 17:56
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Astrología y accidentes a...

O idealismo é contra a au...

La guerra civil de España...

Breves reflexões de Julho...

Áreas 21º-24º de Carangu...

Ponto 27º 37´/ 27º 44´ de...

Equívocos no Exame Nacion...

25 a 30 de Junho de 2017:...

28 de Junho a 1 de Julho ...

Breves reflexões de Junho...

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Teste de filosofia do 11º...

Pequenas reflexões de Ab...

Suicídios de pilotos de a...

David Icke: a sexualidade...

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds